03/12/2015 - No Bom Dia, Ministro, Helder Barbalho detalhou 1º leilão de áreas portuárias e nova fase do Plano Nacional de Logística para o setor

O Bom Dia, Ministro que foi ao ar nesta quinta-feira (3) recebeu o ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República, Helder Barbalho. O ministro falo sobre o primeiro leilão de arrendamento de áreas portuárias e, também, sobre a segunda fase do Plano Nacional de Logística Portuária

audio/mpeg 03-12-15-bom-dia-ministro-helder-barbalho-portos.mp3 — 28675 KB




Transcrição

APRESENTADORA KARLA WATHIER: Olá, começa agora o programa Bom dia, Ministro. Uma produção da Secretária de Comunicação Social da Presidência da República em parceria com a NBR. No programa de hoje vamos falar sobre o primeiro leilão de áreas portuárias e, também, sobre a nova fase do plano nacional de logística para o setor. Com a gente aqui no estúdio está o ministro Helder Barbalho, da Secretária de Portos. Olá, ministro, seja bem-vindo.MINISTRO HELDER BARBALHO: Muito obrigado, é um prazer enorme poder falar com o Brasil, poder conversa sobre esse tema tão importante para o nosso país. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Bem, nós vamos conversar com emissoras de rádio de todo o país, mas você que nos acompanha também pode participar enviando a sua pergunta pelas nossas redes sociais. Anote aí, facebook.com/tvnbr e também twitter.com/tvnbr. Lembrando que você pode ouvir o áudio dessa entrevista no site da EBC Serviços; www.ebcservicos.com.br. E a gente já tem a nossa primeira emissora na linha, vamos conversar com a rádio Difusora de Paranaguá 1.460 AM, de Paranaguá, Paraná. A pergunta é do Elísio Junior. Olá Elísio, bom dia pra você.REPÓRTER ELÍSIO JUNIOR (Rádio Difusora de Paranaguá 1460 AM/Paranaguá - PR): Bom dia a todos, bom dia ao ministro Helder Barbalho. São duas perguntas em uma, ministro. Aqui nós temos o nosso porto de Paranaguá, o senhor esteve recentemente anunciando um grande investimento no quesito dragagem para nosso porto de Paranaguá, as duas perguntas são as seguintes: como está a questão da poligonal do porto que preocupa os trabalhadores portuários avulsos aqui do nosso litoral paranaense, e também essas questões de investimentos no nosso porto que é uma das principais saídas aí para o exterior. MINISTRO HELDER BARBALHO: Elísio, um bom dia a você, um bom dia a todos do Paraná, particularmente da região de Paranaguá. Como você disse, eu tive a pronuncio oportunidade de estar em Paranaguá assinando ordem de serviço do maior investimento da maior história do setor portuário, na área de dragagem, cerca de R$ 398 milhões para o aprofundamento do canal de navegação de Paranaguá, o que permitirá com que esse porto tão importante para o Brasil possa ser mais competitivo e esteja adaptado e adequado para as embarcações que necessitam adentrar e que tenham no porto de Paranaguá o seu ponto de atividade portuária. Somado ao investimento que se inicia por parte do Governo Federal, somado aos investimentos do porto de Paranaguá, nós estamos discutindo de maneira ativa as poligonais por todo o Brasil. E a poligonal do porto de Paranaguá, que envolve não apenas a atividade portuária em Paranaguá, mas também na cidade de Pontal, está em processo de discussão, montei um grupo de trabalho envolvendo a autoridade portuária da APPA local, representada pelo senhor Dividino, junto com os representantes do Governo do Estado, os empresários que atuam em Paranaguá e em Pontal, da mesma forma também participando os trabalhadores para que possamos ter o coletivo de presença, de todos que tenham opiniões diversas para que legitime a construção de uma poligonal que efetivamente possa olhar a abertura de novos terminais privados, a preservação do investimento do terminal público e, claro, acima de tudo, os interesses para a geração de emprego e a garantia do aquecimento do setor portuário e de todos os envolvidos no setor, tendo os seus interesses preservados. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Elísio Junior, mais algum questionamento para o ministro? Bom, perdemos o contato o Elísio. Ministro, vamos dar continuado aqui então. Eu queria que o senhor explicasse--MINISTRO HELDER BARBALHO: Só aproveitando para falar ao Elísio, que nossa previsão já tivemos duas reuniões deste grupo de trabalho, inclusive no dia de ontem tivemos a segunda rodada, a previsão é de que na próxima reunião que deve ocorrer na próxima semana, nós já estejamos consolidando o desenho e a construção dessa poligonal para encaminhar a sugestão à senhora Presidenta, para a formatação do decreto presidencial, e isso é importante que se registre, com discussão com o Congresso Nacional, com todos os atores, devemos antes disso também dialogar com a sociedade local cumprindo todas as etapas que possam garantir legitimidade, democracia, contraditório e uma decisão acertada que efetivamente possa representar conquista para a região.APRESENTADORA KARLA WHATIER: Bom ministro, eu queria que o senhor falasse um pouquinho, explicasse da importância dos portos para a economia do país, enfim, qual é o panorama hoje?MINISTRO HELDER BARBALHO: A importância do setor portuário para o Brasil, ela é estratégica. Hoje o Brasil precisa ser competitivo para exportar, acima de tudo, a sua produção. O Brasil tem crescido de maneira significativa, por exemplo, no setor do agronegócio, e as nossas commodities precisam exportar. Hoje quando se escute a condição cambial, nós fazemos com que o nosso produto seja competitivo para o mercado externo. E claro, nós precisamos fazer com que esse produto chegue até o mercado consumidor e quando eu digo isso, enxerguemos a América, a Europa, a Ásia. E os portos são exatamente o nosso ponto de escoamento dessa produção, atrelado aos modais logísticos, como as rodovias, as hidrovias e também as ferrovias. A importância para você ter um exemplo, hoje 95% do comércio exterior Brasileiro passa pelo setor portuário. Nós temos um crescimento na ordem dos últimos... de 2003 a 2014, nos últimos 11 anos, de 70% da movimentação de carga, e projetamos para os próximos 25 anos de que nós teremos um aumento de demanda de movimentação de carga de 103%. Portanto é uma atividade em pleno aquecimento, nesse ano devemos crescer 4,8%, e absolutamente atrelado, o sucesso do setor portuário significa a competitividade do produto nacional e o sucesso da economia brasileira. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Bom, nós próximo dia nove vai ser feito o primeiro leilão de arrendamento de áreas em portos no Brasil. O que isso representa? Qual é a expectativa? MINISTRO HELDER BARBALHO: Representa primeiro um novo momento, estaremos inaugurando uma nova etapa do setor portuário, em que o investimento nas concessões, o investimento na oferta para o mercado que participem dos certames de áreas portuárias, nesse primeiro momento no Paraná, em Vila do Conde, no município de Barcarena, uma área de soja de grãos e três áreas que estarão no município de Santos, celulose e grãos. Estas quatro áreas, são áreas estratégicas de atividades que estão demandando plenamente este aquecimento, esta oferta do setor portuário, portanto nós temos absoluta certeza do absoluto sucesso desses leilões, a nossa expectativa é um investimento na ordem de R$ 1,1 bilhão, sendo R$ 600 milhões vindo das três áreas de Santos e R$ 500 milhões vindo da área em Vila do Conde, no Pará. A previsão é de que no dia nove nós tenhamos hesito, principalmente pelo número de acessos, pelo número de procura que estamos tendo tanto Acep, quanto Antaq, quanto o Ministério do Planejamento. Já ultrapassam cerca de três mil consultas ao site da Antaq de 'players' que estão pesquisando, buscando ter todas as informações. E no dia sete teremos as propostas oficializadas, teremos, efetivamente estaremos sabendo quem são aqueles que vão efetivamente vão participar, e no dia nove na Bovespa, a partir das 9h da manhã teremos esse grande sucesso, temos crença nisso, demonstrando a fortaleza com que é o setor portuário Brasileiro. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Bom ministro, agora a gente vai até São Luís do Maranhão, conversar com a rádio Educadora, a pergunta é do Sérgio Murilo. Olá Sérgio, bom dia para você, qual é a sua pergunta?REPÓRTER SÉRGIO MURILO (Rádio Educadora/São Luís - MA): Bom dia, um bom dia ministro, bom dia aos nossos queridos ouvintes. Desde desculpe porque eu estou um pouco gripado, mas é justamente sobre os investimentos no porto do Itaqui, pela sua localização privilegiada aqui em São Luís, porque nesse ano teve um aumento no volume de grãos, de produção de grãos, né, aqui no estado do Maranhão. Eu gostaria de perguntar para o ministro quais são os investimentos que serão feitos, ou se vai haver algum investimento no porto do Itaqui aqui em São Luís do Maranhão. MINISTRO HELDER BARBALHO: Sérgio, obrigado pela sua pergunta, um abraço a todos os amigos do Maranhão. O Maranhão é fundamental e importante para o escoamento da produção da região Norte do Brasil, inclusive o setor mineral tendo o escoamento por Itaqui, seguramente dos seus caminhos mais estratégicos. Nós temos parceria com a empresa portuária do Maranhão, que é uma autoridade portuária do Governo do Estado, delegada pelo Governo Federal, temos investimentos vigentes de modernização do setor portuário, da área do complexo portuário no Maranhão, continuaremos fazendo esses investimentos para a modernização do porto e estamos, Sérgio, abrindo ações que permitam investimentos privados. Por exemplo, devemos nos próximos dias estar autorizando terminal de uso privado aí no Maranhão, no complexo, um investimento de mais de R$ 1 bilhão que devam chegar de investimento privado que tornará o porto mais competitivo, que ofertará para aqueles que demandam atividade portuária nessa região do Brasil alternativas e, claro, investimento significa geração de emprego, investimento significa renda para a nossa população e claro, competitividade. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Sérgio Murilo, mais alguma pergunta para o ministério? REPÓRTER SÉRGIO MURILO (Rádio Educadora/São Luís - MA): Só para complementar, né, que com trabalho e com muita força, com certeza nós vamos conseguir superar esse momento que o nosso país está passando, e outros países do mundo passaram também. Não é, ministro? MINISTRO HELDER BARBALHO: Exatamente, Sérgio. Nós estamos absolutamente otimistas de que haveremos de fazer a travessia desse momento juntos, o povo brasileiro, e todos aqueles que desejam pensar o Brasil e construir um Brasil cada vez mais forte. E o setor portuário haverá de cooperar, junto com o Maranhão, junto com o Nordeste brasileiro, junto com o nosso país. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Obrigada então pela participação da rádio Educadora, de São Luís do Maranhão. Ministro, a gente tem agora uma pergunta pelo Twitter, o Maicon Rios, aqui de Brasília. Qual é o critério usado para dividir o investimento que São Paulo e Pará vão receber?MINISTRO HELDER BARBALHO: Maicon, muito boa a sua pergunta. Primeiro, é importante avaliar as decisões para que escolhamos, para que se possa escolher quais áreas estão sendo licitadas, isso já parte do Plano Nacional de Logística Portuária que diagnostica aonde estão os gargalos que o setor portuário, aqueles que demandam a atividade estão efetivamente precisando de mais investimentos, precisando de novas operações portuárias, que aumente-se a capacidade da operação portuária. Esse é o primeiro passo. O segundo passo, identificar as áreas. E nós temos áreas que são áreas novas, as [...] e as áreas [...], que são áreas já em atividade de arrendamentos anteriores. Terceiro, nós temos atrelado aos leilões investimentos que são obrigatórios vinculados ao prazo das concessões. Os recursos arrecadados estarão nesse primeiro lote indo para o Tesouro Nacional com a certeza de que nós estaremos revertendo esses recursos para a agenda de investimento, a agenda estruturante para fazer com que o setor portuário Brasileiro possa ser competitivo. Temos clareza de que o investimento privado só haverá de ocorrer e a competitividade de todo o setor demandante só terá esse hesito se houver um investimento público, e este investimento público que representa menos de 10% da agenda global, nós estamos falando de um investimento de R$ 51 bilhões entre terminais de uso privado a serem implantados, novas prorrogações de contratos vigentes e as licitações que se iniciam no próximo dia nove. Além disso, 3 bilhões desses 51 bilhões, são investimentos públicos. Portanto, são menos de 10% que representa, seguramente, a contrapartida do Governo Federal para construir os ambientes adequados estruturantes de modernização portuária, de modernização das gestões para que torne os nossos portos competitivos e eficientes e, claro, também nas dragagens para que adaptemos os nossos portos, ao perfil, a profundidade, ao calado das embarcações que atuam nessas atividades. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Lembrando que você pode ouvir o áudio dessa entrevista no site da EBC Serviços, anote aí: www.ebcservicos.com.br. Ministro, vamos falar um pouquinho do setor portuário, no que diz respeito aí ao crescimento, né? A gente vive um momento econômico, enfim, delicado, mas o setor portuário, ao contrário vem crescendo aí, cresceu 70% desde 2003. O que a gente... como é que a gente explica esse crescimento? E sempre se fala, né, dos gargalos, o setor, enfim, o que está acontecendo? MINISTRO HELDER BARBALHO: É importante registrar que o setor portuário, ele campanha aqueles que demandam a atividade portuária. Quando você fala em dificuldades, vamos analisar o câmbio, hoje o investimento internacional no setor portuário ou investimento internacional para a aquisição de commodities que usam os portos para o escoamento da sua produção, capital que atua em dólar como moeda de referência, ele está... cada dólar que lá está sendo movimentado, aqui chega a um quarto do preço que ele contabiliza no seu país de origem, portanto, isso faz com que haja um interesse por parte do capital internacional para que o mesmo invista aqui na aquisição das nossas commodities, por outro lado, a qualidade do nosso produto e a oferta com que a produção agrícola tem tido, também é outro fator que oportuniza, e cito a soja como exemplo, porque a nossa agenda de investimento no setor privado, no setor privado e setor privado portuário ele tem o arco norte, a região norte, o estado do Pará como eixo de escoamento da produção do centro oeste brasileiro. A proximidade dos portos de Miritituba em Itaituba, vindo de Lucas do Rio Verde, vindo de Sinop, vindo do centro oeste brasileiro, faz com que o produto chegue até Miritituba de lá possa partir, seja para Santarém, seja para a Vila do Conde, no norte, no estado do Pará, a proximidade com a América, a proximidade com a Europa, a proximidade com a Ásia, faz com que o produto chegue mais barato, chegando mais barato se torna mais competitivo, isto tudo, o mundo está analisando, o mundo está enxergando pela oportunidade que nós estamos vivendo, e, claro, ao momento em que se tem investimento no comércio exterior, precisa-se saber por onde vai sair esse produto, e para sair esse produto precisa ter porto, e é por isso que os portos estão crescendo nos números que você acaba de citar. Nós temos um crescimento nesse último ano de 4,1% de 2013 para 2014, de 2014 para 2015, 4,8% é o que está previsto. E mais, que é fundamental esse número, para os próximos 25 anos, uma perspectiva de crescimento de 103% na demanda da movimentação da carga. Isso nos projeta o quê? Que nós precisamos investir hoje, para fazer frente a essa demanda crescente. E se isto está identificado, o investidor privado, claro, vai enxergar isso como uma oportunidade, vai participar dos nossos leilões e estará junto com o Governo e com o Brasil, fazendo com que o setor portuário possa crescer.APRESENTADORA KARLA WATHIER: Então a situação econômica brasileira não vai afastar investimentos no setor?MINISTRO HELDER BARBALHO: Pelo contrário, nós estamos absolutamente otimistas, certos de que teremos sucesso nesse leilão, teremos sucesso nos demais, afinal, teremos no dia 9, quatro áreas como aqui já citei, logo em seguida outras quatro áreas, sendo três em Outeiro, próximo a Belém, estado do Pará, e em Santarém, no oeste paraense, reforçando o arco norte como aqui citei, para o escoamento de grãos, temos outras áreas espalhadas por todo o Brasil. O nosso pacote de investimento entre este leilão do dia nove de dezembro e o ano de 2016, são 93 áreas em todo o litoral brasileiro que estarão sendo ofertados, é um mercado para garantirmos ampliação da capacidade de movimentação de carga portuária. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Qual é o cronograma a partir do dia 9?MINISTRO HELDER BARBALHO: A partir do dia nove, na verdade no dia sete nós saberemos efetivamente quem são os players que estarão aptos para participar do leião, no dia nove abrem-se as propostas na bolsa de valores do estado de São Paulo, no dia seguinte, avalia-se toda a documentação daqueles que deram-se vencedores do certame, para até o dia quinze podermos homologar o certame vigente. Logo em seguida, nós estaremos abrindo as licitações, o processo de licitação das demais fases da nossa agenda, e aqui eu queria destacar a importância da participação do Tribunal de Conas União, esse processo que se dará no dia nove, o início desse novo momento das licitações, das concessões portuárias, passou por mais de anos de um debate absolutamente positivo com o Tribunal de Contas da União para formatação do edital, isso representa transparência, isso representa segurança jurídica para os investidores, porque nós não estamos tratando de um leilão em que o governo pensou de maneira isolada, pelo contrário, se discutiu com o setor privado, se discutiu com os clientes, com o mercado, e se discutiu com o órgão de controle, com o TCU para que a formatação dessas licitações pudessem ser a mais correta possível, garantindo segurança para o governo, segurança para o investigador, segurança e transparência para o brasil. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Ministro, nós temos agora uma pergunta via Facebook da Fernanda Almeida aqui de Brasília. Ministro, após o leilão, quais são as melhorias que o setor portuário e a sociedade podem receber? De que forma que a gente pode ser beneficiado por tudo isso? MINISTRO HELDER BARBALHO: Quando tornamos o produto mais barato, seja na atividade de importação ou da exportação, a tendência é que isso fortaleça a atividade econômica e a cadeia envolvida nessa respectiva atividade, e isso representa aquecimento, representa geração de emprego. Esse é um primeiro ponto. O segundo ponto que é fundamental, é o fortalecimento da economia nacional, o setor portuário é fundamental para que o brasil cresça na sua atividade do comércio exterior, e na hora que o brasil é competitivo no comércio exterior, voltando para a questão do emprego. Por exemplo. No Mato Grosso onde se produz soja, em outras regiões do Brasil, em que se necessita escoar a sua produção, já que o foco é o mercado externo, na hora que nós construímos o ambiente adequado, o investidor lá na ponta, lá no início do processo, ele pode trazer mais gente para que possamos efetivamente investir, ampliar a sua capacidade de produção. E, claro, especificamente no setor portuário nós temos toda a cadeia daqueles que são empregados no setor portuário. Seja no porto, seja na movimentação da carga, portanto, a eficiência do setor portuário ela é estratégica e fundamental para o Brasil, olhando para os empregos diretos, mas acima de tudo, representando a construção de um ambiente portuário ativo, competitivo, faz com que as demais cadeias envolvidas possam ampliar os investimentos e a competitividade do Brasil. APRESENTADORA KARLA WHATIER: A gente vai agora até a cidade de Itajaí em Santa Catarina, rádio Clube Bandeirantes 1350 AM, a pergunta de Marcelo Nunes, Olá Marcelo, bom dia. REPÓRTER MARCELO NUNES (Rádio Clube Bandeirantes 1350 AM/Itajaí - SC): Muito bom dia. Ministro, quais os pontos principais desse programa de investimento em logística da Secretaria de Portos da Presidência da República. E também, dessa forma também ao plano nacional de logística portuária, em que esse plano vai beneficiar os portos, em especifico os portos aqui de Santa Catarina, que é nossa realidade mais próxima aqui. Principalmente os casos de Itajaí e também de Navegantes. O que isso pode beneficiar nossa realidade local aqui? Muito bom dia. MINISTRO HELDER BARBALHO: Bom dia Marcelo, muito obrigado pela sua pergunta, um abraço a todos os amigos de Santa Catarina do sul do Brasil, particularmente Itajaí, Navegantes, fundamentais para o setor portuário desse estado e do Brasil. Eu quero antes de responder a sua pergunta me solidarizar com essa região que tem sofrido com as chuvas e essas chuvas inclusive prejudicando a própria atividade portuária, há um aumento da profundidade, um aumento momento do calado, um comprometimento, cerca de dois metros em função exatamente dessas chuvas que acabaram por levar os sedimentos, e aí dificultando a atividade portuária no canal de Navegantes, no canal de Itajaí. Inclusive nos devemos nos próximos dias, lançar um RDC, um processo licitatório, na ordem de 68 milhões de reais para fazer a recomposição do calado de Itajaí, Navegantes que permita a atividade portuária, Itajaí e Navegantes são fundamentais na atividade de contêiner na região de Santa Catarina e do sul do Brasil. O PNLP, Marcelo, que envolve o plano que é exatamente o plano nacional de logística portuária, primeiro ele foi construído em parceria com o plano nacional de logística integrada que envolve os modais ferroviários, rodoviários e hidroviários, pensamos conjuntamente, as ações que devam ser projetadas para o Brasil, e para projetar o futuro você precisa diagnosticar o passado. Esse diagnóstico permitiu com que pudéssemos visualizar onde devam ocorrer os investimentos, sejam públicos, sejam privados. Os investimentos públicos com dragagem e modernização dos portos públicos, como disse aqui temos investimentos de mais de três bilhões de reais para a modernização dos nossos portos, como também para dragagem, Itajaí, Navegantes está nessa relação. Além disso diagnosticamos onde há um mercado demandando novos terminais de uso privado, novas prorrogações antecipadas, novas concessões para fazer frente exatamente a essa demanda, e nesse pacote que envolve mais de 48 bilhões de reais de capital privado, o brasil todo estará envolvido com ares em todo o país, onde temos certeza de que faremos frente a demanda crescente, e o estado de Santa Catarina não será diferente por ser um estado com potencial absolutamente extraordinário. Santa Catarina é um exemplo, com uma costa relativamente pequena, mas com competitividade estratégica para o brasil. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Marcelo Nunes, mais alguma pergunta? REPÓRTER MARCELO NUNES (Rádio Clube Bandeirantes 1350 AM/Itajaí - SC): Não, mais nenhuma, eu agradeço a participação, além de falar sobre os programas da Secretaria Especial de Portos da Presidência, importante essa informação do ministro com relação a dragagem aqui no rio Itajaí Açu, com certeza a população e os portos de Itajaí e Navegantes agradecem, ministro, muito bom dia. MINISTRO HELDER BARBALHO: Obrigado, Marcelo.APRESENTADORA KARLA WHATIER: Obrigado a rádio Clube Bandeirantes 1350 AM de Itajaí, Santa Catarina. Bem a gente vai agora até Belém do Pará, rádio Clube, a pergunta é de Nonato Cavalcante, olá, bom dia para você. REPÓRTER NONATO CAVALCANTE (Rádio Clube/Belém - PA): Nós estamos com o programa Bom Dia Ministro. Só para esclarecimento para o pessoal aqui da região e tal. Ministro, muito bom dia, os documentos se referem aos arrendamentos de três áreas no porto de Santos, São Paulo e uma no porto de Vila do Conde, no Pará, com os quais o governo espera arrecadar cerca de um bilhão, por aí, para o Pará, quais os benefícios para serem implantados, que se sabe nesse momento que estão planejadas, nesse momento? MINISTRO HELDER BARBALHO: Nonato, um grande abraço aos amigos da rádio Clube do Pará, um abraço a você, um prazer enorme falar com a minha terra, falar com o meu estado, nesse, nessa primeira fase estão previstos para o estado do Pará investimento de 500 milhões de reais nessa área para a atividade de escoamento de grãos, e é importante ressaltar que além desse investimento, desse primeiro leilão que ocorrerá na próxima semana em que o Pará fica com metade praticamente desses recursos, nós temos a segunda fase do primeiro bloco que são outras quatro áreas que serão licitadas e as quatro áreas serão exatamente no estado do Pará. Três em Outeiro, um em Santarém, com um bilhão de investimentos previstos, encerrado estas primeiras oito áreas, iniciaremos o segundo bloco, são áreas em todo o Brasil, e são 42 áreas em todo o país que representam o segundo bloco, desse segundo bloco, Nonato, quero destacar aqui de que vinte e uma áreas são do estado do Pará, particularmente na região oeste do estado do Pará, na região de Santarém, 21 áreas, portanto, nós temos uma estimativa de mais de cinco bilhões de reais em investimentos para o estado do Pará, o que representa uma oportunidade sensacional para o nosso estado. E quero em primeira mão dizer no seu programa Nonato, aqui no Bom Dia Ministro, aí na rádio Clube, de que estarei na próxima segunda-feira autorizando mais um investimento no terminal de uso privado, uma estação de transbordo de carga em Miritituba, um investimento de 3 milhões de reais, tudo isso representa emprego, renda, competitividade para o estado do Pará. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Agradeço a participação da rádio Clube de Belém do Pará, participação de Nonato Cavalcante. Bem ministro, muito obrigada pela sua participação, até uma próxima oportunidade. MINISTRO HELDER BARBALHO: Eu que agradeço, é um privilégio poder estar aqui nesse programa, conversando com o Brasil, podendo mostrar a importância do setor portuário e a importância das ações construídas com a população brasileiras com o governo para que juntos possamos fazer com que o Brasil cresça e se desenvolva, um grande abraço a todos, muito obrigado. APRESENTADORA KARLA WHATIER: Obrigada mais uma vez. Bem, o Bom Dia Ministro termina aqui, e você pode rever o programa na nossa página no Youtube, youtube.com/tvnbr. Muito obrigada pela companhia e até a próxima.