04/05/2016 - Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017

O Bom Dia Ministro, que foi ao ar nesta quarta-feira (4), recebeu o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, para falar sobre o Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017, lançado nesta terça-feira pela presidenta Dilma Rousseff. A partir de junho deste ano, os agricultores familiares contarão com o aporte de R$ 30 bilhões para financiar projetos individuais ou coletivos nas operações do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e transmitida ao vivo, das 8h às 8h30 (horário de Brasília), pela TV NBR, e via satélite de rádio para todo o país (pelo mesmo canal de A Voz do Brasil).

audio/mpeg 04-05-16-bom-dia-ministro-patrus-ananias-desenvolvimento-agrario.mp3 — 28000 KB




Transcrição

APRESENTADORA KARLA WATHIER: Olá, começa agora o programa Bom Dia, Ministro, uma produção da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, em parceria com a NBR. Nós vamos conversar com emissoras de rádio de todo o país, e o tema de hoje é o Plano Safra da Agricultura Familiar. O nosso convidado é o ministro Patrus Ananias, do Desenvolvimento Agrário. Olá, ministro, muito bom dia, seja bem-vindo. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Karla. Bom dia, telespectadores, ouvintes. É um prazer, uma alegria estar aqui para falarmos sobre um tema que é muito caro, ao meu coração, que é o desenvolvimento da Agricultura Familiar no Brasil. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Bom, a gente já tem uma rádio na linha. Primeira rádio, nós vamos até Florianópolis, Santa Catarina. Vamos conversar com José Paganini, da Rádio Cultura AM 1.110. Olá, Paganini, bom dia para você. Qual a sua pergunta? REPÓRTER JOSÉ PAGANINI (Rádio Cultura AM 1110/Florianópolis - SC):Muito bom dia, Karla. Bom dia, ministro Patrus Ananias. Bom dia a todos que nos acompanham sempre. Ministro, aqui em Santa Catarina, também estamos fazendo a nossa parte e gostaríamos de saber, dentro dessa visão, como podemos contar e também viabilizar esses recursos disponibilizados para financiar a safra da Agricultura Familiar, tanto nacional, quanto aqui no estado de Santa Catarina. Bom dia, ministro. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Paganini. Bom dia, ouvintes da Rádio Cultura AM 1.110 de Florianópolis. Primeiro, Paganini, eu quero prestar uma homenagem à Agricultura Familiar de Santa Catarina, onde já estive várias vezes e é, de fato, uma Agricultura Familiar esplêndida, com muita agroindústria, cooperativas. Nós estamos disponibilizando, através do Pronaf, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, R$30.000.000,00 para que os agricultores familiares possam ter esses empréstimos, que estão bastante subsidiados, através de agências bancárias, especialmente através do Banco do Brasil, que é o grande parceiro nosso. Estaremos, assim, presentes em todo estado de Santa Catarina e em todo o território nacional. Além dos recursos do Pronaf, nós temos também, Paganini, para este ano, alguns avanços importantes. Quero mencionar dois: nós estamos implementando, efetivamente, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, a Anater. Nós sabemos que para o desenvolvimento da Agricultura Familiar, a assistência técnica é fundamental, na perspectiva de agregar valor à agroindústria, novas tecnologias e o outro ponto fundamental também é que nós estamos ampliando, de forma significativa, os recursos do PAA, do Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, que é um programa estratégico, porque ele garante um preço justo para o agricultor familiar, na época da colheita, da safra, e com a compra desses produtos, nós assistimos, damos apoio alimentar à pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade alimentar. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Está certo, José Paganini. Muito obrigada, então, pela sua participação aqui no programa Bom Dia, Ministro. E a gente segue, vamos até Pernambuco, Rede Brasil de Recife, a pergunta é de Jô Araújo. Olá, Jô, bom dia para você. REPÓRTER JÔ ARAÚJO (Rede Brasil/Recife - PE):Bom dia, Karla. Bom dia também, ministro. Bom dia a todos. Bom, no lançamento de ontem, foi colocado aí R$30 bilhões para o programa, inclusive é o maior recurso já disponibilizado na história do programa. Como vai ser dividido esse valor, ministro, com relação às regiões do país? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Olha, Jô, primeiro, eu quero mandar um grande e fraterno abraço, saudar os ouvintes da Rede Brasil, toda a população desse querido estado de Pernambuco. Nós temos uma rede nacional, através, especialmente, do Banco do Brasil, mas aí no Nordeste, nós operamos também com o Banco do Nordeste e os recursos ficam disponibilizados em todo o território nacional para as agricultoras e agricultores familiares que buscarem esses recursos, dentro dos critérios estabelecidos. Inclusive, para dar maior apoio às agricultoras e agricultores, é que nós estamos também consolidando formalmente e juridicamente a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, a Anater, e também nós estamos avançando na compra direta dos produtos da Agricultura Familiar. Revitalizamos o PAA, agora com R$ 500 milhões o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, que garante o preço justo para o produtor na época da safra, da colheita. E na outra ponta, nós atendemos pessoas, famílias, comunidades em situação de vulnerabilidade alimentar. E também é muito importante o nosso Programa da Compra Direta, através do PNAE, do Programa Nacional da Merenda Escolar, da alimentação escolar. 30% dessa merenda é comprada diretamente aos agricultores familiares. E no ano passado, quando nós lançamos o Plano Safra 2015/2016, a presidenta Dilma assinou um texto legal, um decreto determinando que todos os órgãos do Governo Federal comprem, pelo menos, 30% da Agricultura Familiar e esta prática do Governo Federal está sendo, também, assimilada por governos estaduais, municipais e por entidades da sociedade civil. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Está certo, Jô Araújo. Muito obrigada, então, pela sua participação. E dando prosseguimento, ministro, a gente vai agora até Salvador, Bahia, Rádio Excelsior. A pergunta é do Edson Santarini. Olá, Edson, bom dia para você. Edson, você me ouve? Bom, a gente vai tentar, daqui a pouco, o contato com o Edson. Ministro, por que os agricultores familiares que produzem os alimentos da cesta básica de alimentos e também de base agroecológica, eles vão ter juros menores? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Essa é uma grande conquista, Karla, que nós estamos tendo no Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017. Além dos R$30.000.000,00, nós aumentamos em mais de 1 bilhão, os valores relacionados ao ano passado, nós estamos baixando de 5,5% para 2,5% ao ano, o valor dos juros, para os agricultores familiares que estiverem cultivando alimentos que, efetivamente, compõem a base da alimentação da população brasileira. Feijão, arroz, mandioca, determinados produtos ligados à horticultura e estamos também dando uma assistência especial, reduzindo os juros para 2,5% para as agricultoras e agricultores familiares, que estejam utilizando métodos orgânicos, agroecológicos, no sentido de produzirmos alimentos saudáveis que, efetivamente, promovam a saúde e a vida das pessoas e também colocando juros de 2,5% para estimular agricultoras que queiram iniciar práticas, também, saudáveis de armazenamento, de energia renovável e de outras formas de manejo, por exemplo, a relação com a terra, a relação com a água, a preservação dos recursos naturais. Esse é um avanço notável, no sentido de estimularmos uma agricultura que, efetivamente, produza alimentos, alimentos saudáveis e que produza essa convivência saudável entre a produção de alimentos e a preservação da natureza. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Ministro, vamos retomar, então, o contato com a Rádio Excelsior AM, de Salvador, Bahia. A pergunta é do Edson Santarini. Santarini, bom dia para você. Você nos ouve agora? REPÓRTER EDSON SANTARINI (Rádio Excelsior AM/Salvador - BA):Agora, ok. Bom dia. Bom dia, ministro. Bom dia, Karla. Bom dia a todos. A minha pergunta é o seguinte: do governo Lula até o presente momento, as políticas voltadas para a Agricultura Familiar, elas foram cumpridas? Falta muito? O que é que o governo nos dá como respaldo, a essa altura do campeonato? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Edson Santarini. Quero saudar também com muito carinho os ouvintes da rádio Excelsior AM Salvador Bahia, mandar um abraço fraterno para toda a população, os ouvintes aí dessa terra tão querida para todos nós, essa espécie de terra madre, terra mãe do Brasil, que é a Bahia. Nós tivemos grandes avanços nos últimos anos, Edson. Se nós pegarmos o Plano Safra da Agricultura Familiar nos últimos 13, 14 anos, a partir do início do governo do presidente Lula, nós vamos ver uma avanço notável nos recursos do Pronaf, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, chegando agora a R$30 bilhões, com esse juros muito baixos, reduzidos mesmo, para estimularmos a produção de alimentos que efetivamente compõem a mesa do povo brasileiro, e alimentos saudáveis, agroecológicos, procurando também práticas que preservem a natureza, as águas, os ecossistemas, a biodiversidade, compatibilizando o desenvolvimento da agricultura com a preservação dos recursos naturais para as gerações futuras. Estamos agora consolidando a Anater, uma conquista importante, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, nós que conhecemos a realidade rural brasileira, nós sabemos que o desenvolvimento da agricultura, especialmente da agricultura familiar passa pela assistência técnica, pelo apoio, por exemplo, ao cooperativismo, para que os agricultores possam agregar valor através da comercialização, da agroindústria, o desenvolvimento de novas tecnologias que possibilite conciliar cada vez mais a produção eficaz de alimentos com a preservação da natureza. Estamos agora também avançando com o Programa de Aquisição de Alimentos da agricultura familiar, o PAA, que garante ao agricultor familiar o preço justo pela produção do seu alimento e, na outra ponta, com esses alimentos adquiridos da agricultura familiar, através do PAA, nós damos apoio alimentas a pessoas, famílias em situação de pobreza, de vulnerabilidade alimentar, então há todo um conjunto de ações. Agora, é claro que nós temos desafios. Precisamos avançar, por exemplo, continuar avançando na questão da reforma agrária, do assentamento das famílias acampadas. Agora, isso não é só uma tarefa do governo federal, isso passa também por leis que são feitas no Poder Legislativo, passa também por decisões do Poder Judiciário, enfim, por uma tomada de consciência da sociedade em relação à essa grande realidade que nós temos no Brasil que é tornar realidade o princípio constitucional da função social da propriedade e das riquezas. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Edson Santarini, mais alguma pergunta para o ministro? REPÓRTER EDSON SANTARINI (Rádio Excelsior AM/Salvador - BA):Um abraço a todos. Obrigado. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Ok, obrigada pela sua participação. Ministro, a gente segue agora para o Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rádio Bandeirantes AM, a pergunta é de Lizi Mara Prates. Olá, Lizi, bom dia para você. REPÓRTER LIZI MARA PRATES (Rádio Bandeirantes AM/Porto Alegre - RS):Bom dia, Karla. Bom dia, ministro. Ministro, aqui no Rio Grande do Sul são mais de 400 mil famílias que estão enquadradas como agricultores familiares. E eles avaliaram, as lideranças, esse Plano Safra como positivo, mas dizem que faltou a regularização do seguro agrícola e o aumento no teto do valor do financiamento para o crédito fundiário. Como fazer esse crescimento que vocês estão propondo na produção familiar faltando pontos como esses que eles colocam? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Lizi. Bom dia ouvintes da Rádio Bandeirantes de Porto Alegre. Eu quero enviar aqui o meu abraço fraterno, afetuoso para todos os ouvintes e toda a população do nosso querido Estado do Rio Grande do Sul. É claro, Lizi, que nós sabemos que temos sempre desafios. A medida em que nós caminhamos, nós vamos percebendo também que temos estrada pela frente, mas é importante também, até para enfrentarmos com coragem, com determinação os desafios, nós termos consciência do que já realizamos. O que nós fizemos ontem, lançando o Plano Safra da Agricultura Familiar em um grande evento do Palácio do Planalto, com a presença da presidenta Dilma, dos Movimentos Sociais, mais de mil pessoas, esse plano foi construído com os movimentos e com as entidades ligadas à luta democráticas pela reforma agrária, pela função social da terra e pelo desenvolvimento da agricultura familiar do Brasil. Tanto que falaram lá ontem, estiveram presentes, participaram da mesa o presidente da Contag, o nosso gaúcho Broch, o representante da Via Campesina, que é vinculada ao Movimento dos Pequenos Agricultores que tem uma presença muito forte aí no Rio Grande do Sul, sob a liderança do nosso querido Frei Sérgio e falou também a Elisângela, uma militante da Bahia, em nome da FETRAF, que são as principais entidades ligadas a essa luta democrática pela terra e pela agricultura familiar no Brasil. É claro que nós não conseguimos tudo que nós queríamos e as questões que você levanta estão nesse sentido. Temos um seguro, sim, foi mantido, é uma conquista, nós queremos aperfeiçoá-lo, como queremos também ampliar os recursos vinculados ao crédito fundiário. O importante é que nós estamos a caminho e ainda aí no Rio Grande do Sul, nós temos também um outro desafio que é para o Brasil, mas que vem do Rio Grande do Sul, que é também a luta do MPA, do Movimento de Pequenos Agricultores, para criarmos o plano camponês, que ainda não conseguimos implementar esse ano, mas é um desafio para o futuro. Ou seja, existe no Brasil uma agricultura familiar ainda empobrecida e que não ganhou ainda a sua autonomia e que não dá conta de ter recurso de empréstimo, ainda que sejam juros subsidiados, com todo o apoio, precisam ter recursos não reembolsáveis, porque são pessoas, são famílias e às vezes comunidades inteiras, como as comunidades quilombolas, populações de comunidades tradicionais que não têm, ainda, condições de pagarem o que recebem do estado. Nós não conseguimos colocá-los nesse ponto, mas já avançamos, por exemplo, na atividade com as mulheres, foi outro grande avanço, a questão da juventude e das mulheres, nós estamos aplicando R$300 milhões em condições muito subsidiadas, quase que recurso não reembolsáveis, para desenvolvermos a agricultura familiar de mulheres. Já é um passo para atendermos a essa reivindicação do programa camponês aí do Frei Sérgio e do Movimento de Pequenos Agricultores e de toda a Via Campesina. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Lizi, mais alguma pergunta para o ministro? REPÓRTER LIZI MARA PRATES (Rádio Bandeirantes AM/Porto Alegre - RS):Ok, Karla, obrigada a ti e ao ministro e um bom dia a todos. APRESENTADORA KARLA WATHIER: A gente é que agradece a sua participação. Bem, você pode ouvir o áudio dessa entrevista ainda hoje no site da EBC Serviços, anote aí: www.ebcservicos.com.br. Ministro, a gente vai agora até São José do Rio Preto, São Paulo, vamos conversar com a rádio líder FM, a pergunta é de Luna Kfouri. Olá, Luna, bom dia para você. REPÓRTER LUNA KFOURI (Rádio Líder FM/São José do Rio Preto - SP):Olá, bom dia, Karla, bom dia ministro e bom dia a todos os ouvintes. Aqui a cidade de São José do Rio Preto e a maior parte dos municípios do interior paulista têm na agricultura o seu sustento. Quais são aí as prioridades do Plano Safra da Agricultura Familiar? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Luna. Bom dia ouvintes da rádio Líder FM, ouvintes aí da cidade, da região de São José do Rio Preto, essa esplêndida cidade de São Paulo. Eu nunca me esqueço, Luna, quando eu estava no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, no governo do presidente Lula, eu fiz a minha primeira visita a São José do Rio Preto, onde estive depois em outras oportunidades e nunca vou esquecer o impacto que me causou o desenvolvimento da cidade, a vitalidade. Isso me marcou profundamente e eu quero mandar, então esse abraço muito afetuoso. Luna, ontem, ao lançarmos o Plano Safra da Agricultura Familiar, nós colocamos algumas prioridades, tem alguns pontos que são, realmente, norteadores da nossa ação. Primeiro, nós avançamos com os recursos, saímos de R$28,9 bilhões na safra 2015/2016 para R$30 bilhões na safra 2016/2017. Outra grande conquista são os juros muito reduzidos que caíram de 5,5% para 2,5% para estimularmos, na agricultura familiar, a produção de alimentos que compõem a mesa da população brasileira, arroz, feijão, mandioca, cebola, batata e outros produtos ligados à horticultura. Também estão recebendo esse benefício, juros de 2%, os agricultores que produzem de forma orgânica, de forma agroecológica, que produzem alimentos saudáveis que efetivamente promovam a saúde e a vida das pessoas e também estamos dando esse apoio de redução de juros para agricultoras e agricultores que desenvolvam técnicas também de preservação da natureza, de preservação dos recursos hídricos, de novas técnicas de conservação dos alimentos, de armazenamento e também de utilização de energias renováveis. O outro ponto fundamental, Luna, que nós conseguimos, é a implantação da Agência Nacional da Assistência Técnica e Extensão Rural, Anater, que vai trabalhar com as entidades que dão assistência técnica. Nós sabemos que para o desenvolvimento da agricultura familiar, a assistência técnica é fundamental para agregar valor, a questão da agroindústria, da comercialização, novas tecnologias que possibilitem produzir alimentos em quantidade e qualidade. E o outro ponto também que eu considero da maior importância, tem muitos outros, mas vou me ater agora a esses três, é a retomada de forma vigorosa do Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, o PAA, que é um programa que unifica todas as entidades e todos os movimentos que trabalham na perspectiva do fortalecimento da agricultura familiar, porque, de um lado, na ponta, ele garante a compra por um preço justo da agricultura familiar e na outra ponta, com esses alimentos adquiridos, a gente dá apoio a pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade alimentar. E por último, não vou entrar em detalhe por conta do tempo, mas nós avançamos muito também com o plano de sucessão, a permanência da juventude no campo e também com a valorização das mulheres que trabalham na agricultura familiar. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Luna, mais alguma pergunta para o ministro? REPÓRTER LUNA KFOURI (Rádio Líder FM/São José do Rio Preto - SP):Não, era isso. Eu agradeço a participação e um bom dia a vocês. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Bom dia para você também, muito obrigada pela sua participação. Bem, a gente está apresentando o programa Bom Dia, Ministro, que hoje recebe Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Agrário. E agora a gente vai até Belo Horizonte, Minas Gerais, Rádio Inconfidência AM, a pergunta é da Verônica Pimenta. Olá, Verônica, bom dia para você. REPÓRTER VERÔNICA PIMENTA (Rádio Inconfidência AM/Belo Horizonte - MG):Olá, muito bom dia a todos. Muito bom dia, ministro Patrus Ananias. Ministro, em edições anteriores do Plano Safra, agricultores relataram dificuldades de acessar o crédito subsidiado por conta do calendário de chegada dos recursos às agências bancárias. A minha pergunta é: com o atual estágio da crise econômica e política, que garantias têm os produtores de que não vai haver empecilhos à chegada dos recursos? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia, Verônica. Receba aí o meu braço afetuoso. Saudações belorizontinas a todos os ouvintes da nossa querida Rádio Inconfidência aí de Belo Horizonte. Olha, Verônica, é sempre um processo. O crédito vem chegando cada vez mais às agricultoras e agricultores familiares, tanto que a cada ano, nos últimos 14, 15 anos da existência do Plano Safra, da Agricultura Familiar e do Pronaf, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, os créditos vêm aumentando e vem aumentando o número de famílias que se beneficiam desses créditos em condições adequadas às possibilidades dessas famílias de agricultores familiares, os dados mostram isso. É claro que enfrentamos algumas dificuldades aí decorrente da própria situação, às vezes, da agência bancária, agricultores que moram em locais distantes, que têm dificuldades de acesso às cidades onde estão situados os pontos bancários, especialmente o Banco do Brasil. A gente tem, às vezes, também dificuldade que nós estamos enfrentando, em uma ação integrada com o Banco do Brasil, Banco do Nordeste, com outros bancos que trabalham conosco, buscando também o apoio de cooperativas para superarmos esses desafios, muitos agricultores familiares têm a posse da terra, às vezes passa de pai para filho, mas não têm o título de propriedade. Isso dificulta também o acesso ao crédito, a questão de documentos. Tanto que agora nós estamos fazendo um vigoroso programa, que foi formalizado também ontem no lançamento do Plano Safra, de documentação das trabalhadoras e trabalhadores rurais, agricultores e agricultoras familiares, para que... de posse desse documento, inclusive visando também a regularização da terra, com o acesso ao título de propriedade, para que essas pessoas e essas famílias tenham melhores condições de obtenção dos créditos. Mas o fato é que o êxito do programa é inquestionável, tanto que o que nós apresentamos ontem ao Brasil, o projeto para 2016/2017 foi construído em uma ação integrada com as entidades e com os movimentos sociais, com as organizações da sociedade civil que trabalham, efetivamente, para o desenvolvimento da Agricultura Familiar no Brasil. E tivemos também uma grande participação do Governo como um todo. Eu quero, inclusive, aqui prestar a minha homenagem, agradecimento ao Ministério da Fazenda, que consentiu na redução significativa dos juros de 5,5% para 2,5%, para prestigiar, especialmente, a produção de alimentos que compõem efetivamente a segurança alimentar do povo brasileiro. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Verônica Pimenta, mais alguma pergunta para o ministro Patrus Ananias? REPÓRTER VERÔNICA PIMENTA (Rádio Inconfidência AM/Belo Horizonte - MG):Ah, sim, agradeço pela oportunidade. Bem, no início do governo Lula, havia uma avaliação dos produtores de que o desequilíbrio do que se investia para os pequenos produtores e o que se investia para o agronegócio, os grandes produtores. O ministro, por gentileza, poderia traçar um perfil do que a gente tinha no início dos anos 2000 e o que nós temos hoje? O que o governo consegue investir para os grandes e para os pequenos, nesse momento, há um equilíbrio maior? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Eu tenho aqui, Verônica, os dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário, portanto, os dados relacionados com a Agricultura Familiar. Em 2002, ano da eleição do presidente Lula, os recursos do Pronaf, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, estavam na casa de R$ 2 bilhões, não chegavam a R$ 2 bilhões. Hoje, nós estamos com recurso de R$ 30 bilhões. Outro dado fundamental é que quando nós iniciamos o governo do presidente Lula, em 2003, o Plano Safra só tratava desses recursos, então, bastante reduzidos do Pronaf. Tudo mais foram políticas públicas que vieram a partir do governo do presidente Lula e do governo da presidenta Dilma. Ontem, nós implantamos a Anater, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para darmos apoio técnico, assistência técnica, desenvolvimento de novas tecnologias para a agricultura familiar. Nós consolidamos um programa esplêndido que os movimentos reconhecem muito que é o PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar e ontem nós batemos R$ 500 milhões. Avançamos com a compra direta, inicialmente, o PNAE, o Programa Nacional da Alimentação Escolar que obrigada que pelo menos 30% da merenda escolar seja adquirida da agricultura familiar. No ano passado, a presidente Dilma assinou um decreto determinando que pelo menos 30% de todo o consumo de alimentos de todos os órgãos do Governo Federal sejam comprados da agricultura familiar. Então, nós estamos avançando com essas ações e hoje o Plano Safra não se reduz apenas ao Pronaf, por mais importante que ele seja e continue sendo o nosso carro-chefe, mas é um conjunto de ações, de políticas públicas que estão, efetivamente, promovendo o desenvolvimento da Agricultura Familiar no Brasil. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Muito obrigado, então, pela participação da Rádio Inconfidência AM, de Belo Horizonte. Ministro, a gente segue agora até Curitiba, no Paraná, Rádio Banda B, a gente vai conversar com a Elisângela Jubanscai. Olá, Elisângela, bom dia para você. Qual é a sua pergunta? REPÓRTER ELISÂNGELA JUBANSCAI (Rádio Banda B/Curitiba - PR):Bom dia a todos. Bom dia também ao ministro Patrus Ananias. A minha pergunta é sobre o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária, é o Pro Agro que deveria garantir o pagamento dos financiamentos aos produtores, mas a atual regra estabelece uma baixa cobertura desse programa. Há, então, uma intenção de mudar essa regra para 100% de cobertura, ministro? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Olha, Elisângela, o Pro Agro, com toda a sua importância, ele não é um programa, assim, digamos, nuclear, fundamental da Agricultura Familiar. A Agricultura Familiar tem o seu ponto de referência no Pronaf, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, que repassa os recursos, agora R$ 30 bilhões, em condições muito adequadas, com juros que chegam agora a 2,5% (dois e meio por cento) ao ano, estamos também dando uma forte prioridade em assistência técnica, daí estarmos implantando, formalmente, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, ainda na linha do crédito, nós vinculamos o crédito com a assistência, com a segurança alimentar. Aí entra o PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, agora com recurso de R$ 500 milhões, nós compramos da Agricultura Familiar, com um preço justo e repassamos esses alimentos para pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade alimentar, garantindo o Fome Zero, as políticas de segurança alimentar e nutricional no Brasil. Estamos trabalhando muito também no sentido de preservarmos a juventude no campo, aí o nosso programa, que lançamos ontem, o Programa Nacional de Juventude e Sucessão Rural. Estamos priorizando muito também a questão das mulheres, na busca da igualdade de gênero. Então, são esse conjunto de ações que vem promovendo o desenvolvimento da agricultura familiar em nosso país. APRESENTADORA KARLA WATHIER: Obrigada, então, a participação da Rádio Banda B, de Curitiba, no Paraná. E assim, ministro, a gente encerra esse giro pelo Brasil. Eu quero agradecer a sua participação, as suas explicações aqui no bom dia ministro e até uma próxima oportunidade. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Muito obrigado, Karla. Agradeço também a todos vocês, às pessoas que participaram conosco desse programa e externo aqui também a minha alegria por este momento que vivemos juntos. APRESENTADORA KARLA WATHIER: O Bom Dia, Ministro termina aqui. Para rever o programa é só acessar o nosso canal no Youtube, www.youtube.com/tvnbr. Muito obrigada pela companhia e até a próxima.