19/03/09 Ministro do Turismo destaca que o Brasil já é considerado o principal pólo turístico da América Sul

O ministro do Turismo Luiz Barretto, falou sobre o crescimento do setor no Brasil e as principais medidas para este ano.Desde 2003, já foram investidos pelo Ministério do Turismo R$ 4,3 bilhões em infraestrutura (recuperação de rodovias, construção de aeroportos regionais e centros de eventos, sinalização turística, urbanização de orlas e recuperação de patrimônio), sendo que somente no ano passado foi investido R$ 1,7 bilhão. O Ministério também conta com uma linha de crédito de US$ 1 bilhão do Banco Mundial, para estados e capitais com mais de 1 milhão de habitantes investirem em obras de infraestrutura turística (recuperação de rodovias, construção de aeroportos regionais e centros de eventos, sinalização turística, urbanização de orlas e recuperação de patrimônio). O ministro conversou com âncoras de emissoras de rádio de todo o país, durante o programa Bom dia, Ministro, desta quinta-feira, dia 19 de março.

audio/mpeg 19-03-09-bom-dia-ministro-luiz-barreto.mp3 — 27475 KB




Transcrição

19/03/2009 - Bom Dia Ministro, com o ministro do Turismo Luiz Barreto

APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Hoje nós vamos conversar sobre o crescimento do setor de turismo no Brasil e as principais medidas para 2009, incluindo investimentos em infraestrutura, programas como Viaja Mais Melhor Idade, e a qualificação profissional e inserção no mercado de trabalho. O ministro Luiz Barreto já está aqui no estúdio e começa agora a conversar com âncoras de emissoras de rádio em todo o país. RÁDIO VIVA - BENTO GONÇALVES (RS)/FELIPE MACHADO: O governo está liberado recursos, para investimentos para potenciais políticos e históricos, como museus e também para investimentos em potenciais naturais. Em Bento a nossa grande atração turística, trata da cultura produtiva, mais especificamente do vinho. De que forma esta cultura produtiva pode ser beneficiada, tendo em vista este manejamento de recursos? MINISTRO: Bento Gonçalves é uma cidade muito importante para o turismo brasileiro, é considerado um dos três destinos indutores do turismo no Rio Grande do Sul. Tem uma cultura do vinho muito bem desenvolvida, e nós temos investido muito em Bento nos últimos anos. Por exemplo, no Parque Nacional do Vinho, onde se realiza uma grande feira do vinho nacional, do vinho a cada dois anos a Fenavinho, e podemos trabalhar também e já fornecemos mais de 1 milhão, para a primeira etapa da Casa de Cultura de Bento Gonçalves. Acho que investimentos desse tipo valorizam o turismo, e Bento Gonçalves é um exemplo de como trabalhar uma cultura produtiva como você disse, portanto Bento é uma prioridade para nós. Nós vamos continuar investindo para valorizar ai um principal atrativo de Bento Gonçalves que é o nosso vinho, modelo de exportação para o mundo todo. FELIPE: Durante a Fenavinho Brasil 2009 foi apresentado aqui em Bento uma proposta de integração dos eventos regionais. O coordenador do projeto de eventos integrados e integradores, veiculado ao Ministério do Turismo o senhor Milton Zuanazi esteve aqui na cidade e disse que a idéia é de interligar os eventos regionais, tendo como carro chefe a Fenavinho Brasil. Que potencial o senhor vê nessa proposta ministro, e segundo, que potencial na sua opinião a Fenavinho possui para encabeçar essa proposta em nível regional? MINISTRO: É muito importante, temos que levar em consideração, que hoje o turismo de eventos, o turismo de negócios já é mais de 30% da entrada de divisas na área de turismo. O Rio Grande do Sul se consolida com uma grande porta de entrada do Mercosul, um grande hub para toda a Região Sul, na nossa fronteira, com nossos países vizinhos, como a Argentina o Uruguai e a cultura do vinho é muito importante. A Fenavinho tem uma série histórica muito importante, é uma grande feira que movimenta toda a cadeia produtiva do vinho, e eu tenho certeza que tudo que leva a potencialização regional dos nossos eventos, às vezes um evento isolado não tem a mesma repercussão que um evento que faz parte de um grande ciclo. Portanto, nós vamos estudar com carinho esta proposta na perspectiva de transformar o Rio Grande do Sul numa grande porta de entrada do turismo de eventos e de negócios. Não só Bento como Porto Alegre também, temos que pensar também em relação a 2014 durante a Copa do Mundo, em transformar toda a região do Rio Grande do Sul, aproveitando as oportunidades que esse grande evento esportivo dará ao país. RÁDIO GLOBO CULTURA-UBERLÂNDIA (MG)/ FERNANDO GARCIA: Quero inclusive, pegar um gancho na última fala do ministro, com relação a Copa do Mundo. Essa semana Uberlândia se candidatou oficialmente como uma sub-sede no estado de Minas Gerais, para receber aqui seleções que mandarão seus jogos, ou em Belo Horizonte, ou em Brasília, Goiânia, nas cidades próximas, até em virtude da localização geográfica de Uberlândia. Como o ministério está articulando essa questão para atender também essa cidade que na copa do mundo de 2014 no Brasil, serão sub-sede para essas seleções? RESPOSTA: Primeiramente nós temos que aguardar a definição da FIFA. A FIFA decidiria agora no dia 20 passado de março, as 12 cidades definitivas adiou esse procedimento para o dia 30 de maio. Então nós temos ai quase dois meses ai, para que a FIFA defina aquelas doze cidades definitivas. As 17 cidades brasileiras, pretendendo ser sede da Copa. O governo brasileiro e o Ministério do Turismo especificamente evidentemente está torcendo por todas elas, aguardando a decisão exclusiva técnica da FIFA, e a partir disso, vamos trabalhar fortemente na preparação da Copa do Mundo de 2014. São cinco anos que dá perfeitamente para realizar um grande planejamento, pensar ai nos desafios de infraestrutura de qualificação profissional de promoção do Brasil no exterior. Eu acho sim que Uberlândia tem condições sim. Belo Horizonte provavelmente será uma das sedes, tem muita chance de ser sede definitiva da Copa. Estou nessa expectativa e acho que Uberlândia pode sim, sediar uma pré temporada, assim como outras cidades. Estive recentemente em Vitória, em Aracajú, cidades que não disputaram a ter sede definitiva, mas disputam hospedar uma seleção no período preparatório da Copa. A Copa movimenta mais de meio milhão de turistas, mais de 20 mil jornalistas, e tem uma preparação que também é muito importante, assim como jogos, você tem toda uma movimentação muito grande. Portanto eu louvo essa iniciativa de Uberlândia, evidentemente tem questões específicas, como receber bem uma seleção, como é que vai ser essa preparação, a exigência de campos técnicos para fazer os treinos em anteriores, uma certa privacidade. A hospedagem de um conjunto grande de jornalistas desses países que ficarão no grupo de Belo Horizonte ou no grupo de Brasília. Portanto é um desafio, mas tenho certeza que nos próximos anos é possível trabalhar a infraestrutura a todas as questões necessárias para obrigar. Evidentemente esse é um trabalho junto a seleções, você sabe que a Copa do Mundo é um evento privado, organizado pela FIFA e ai cabe a Uberlândia fazer gestões assim que for definido o grupo de Uberlândia, no sentido de tentar atrair uma seleção. O ministério está a disposição, para realizar os estudos técnicos e fazer as intermediações necessárias no contato com a FIFA e com as seleções. Vamos aguardar ai a definição da FIFA, mas tenho certeza que a Copa do Mundo é uma grande janela de oportunidades para todo o Brasil. Não será a Copa apenas de 12 cidades, será a copa de todo o Brasil. FERNANDO: Eu gostaria que o ministro falasse um pouco mais do Programa Viaja Mais Melhor Idade. Quais são os incentivos para as pessoas da terceira idade, é um projeto do Ministério do Turismo e qual é a diferença, porque a gente recebe muitas ligações aqui na Rádio Globo Cultura. As pessoas às vezes confunde o projeto o Viaja Mais Melhor Idade, com aquele transporte intermunicipal para idosos, em que as empresas tem que disponibilizar uma cota mínima de dois assentos por veículo? MINISTRO: Esse é um programa muito importante, para os períodos de baixa ocupação, fora da alta temporada, criada em 2007 pelo Ministério do Turismo, privilegia as pessoas acima de 60 anos, aposentadas ou não, com uma grande linha de financiamento, através do Banco do Brasil e da Caixa Econômica, que permite parcelar em 10 a 12 vezes com juros abaixo de 1% e que conta com a colaboração de todo o trade turístico brasileiro. Com grandes descontos nos pacotes, a partir de preços acessíveis, tanto de hotéis como de companhia aérea, como do receptivo turístico. Funciona com uma parceria com a Braztoa, que é o sindicato ai da área das operadoras de turismo e tem funcionado muito bem. A gente vendeu, tinha perspectiva de vender 50 mil pacotes o ano passado, vendemos mais de 180 mil pacotes, o que demonstra a importância dele. Ele é fundamental para rodar a cadeia do turismo nos períodos de baixa ocupação. E de outro lado beneficiar aqueles cidadãos brasileiros e cidadãs brasileiras, que ao longo de toda a sua vida trabalharam muito e merece um descanso, uma viagem. Eles podem realizar essa viagem, esse turismo fora das férias, portanto é uma vantagem, e tem também uma segunda modalidade desse programa se a pessoa não quer um pacote, e não quer procurar uma operadora, uma agência de viagem, quer ir direto a uma rede de hotéis, hoje nós já temos quase dois mil meios de hospedagem credenciados no Ministério do Turismo, que estão ofertando desconto em torno de 50%. Portanto é um programa pra movimentar a cadeia do turismo e para beneficiar aqueles nossos amigos e amigas acima de 60 anos, que tem todo o direito de fazer uma viagem mais barata, mais em conta nos períodos fora da estação. Qualquer informação entrar em contato com o Ministério do Turismo no www.viajamais.com.br e podem acessar todas as informações do programa acessando o site do Ministério do Turismo. A gente distribui também um guia na Caixa Econômica nas agências da Caixa Econômica que dão todas as explicações desse programa, a Caixa Econômica tem agências por todo Brasil, portanto o acesso é fácil. Qualquer dúvida entrar em contato com o Ministério do Turismo ou via telefone ou via site do Ministério. RÁDIO FOLHA - RECIFE (PE)/JOTA BATISTA: Aqui em Pernambuco e consequentemente no nordeste nós temos um pigmento muito forte do turismo que é o turismo de Mar e Sol, e também ultimamente um crescimento muito grande no turismo de negócios. Eu gostaria de saber do ministro se existe também perspectivas do acréscimo ou programa relacionados ao turismo de negócios aqui no nordeste. MINISTRO: Pernambuco é muito importante para o turismo brasileiro, é uma grande porta de entrada pra nós que trabalhamos com turismo, Recife, Pernambuco, tem vários destinos como Olinda, Ipojuca, Porto de Galinhas, eu acho que a tradição de Pernambuco é realmente como você falou segmento Sol e Praia. Agora Recife não deixa de ser uma cidade importante na captação de eventos, vocês tem a construção do porto que movimenta toda a economia de uma região importante do Brasil e tem todas as perspectivas de se consolidar nessa área. Estamos fazendo um conjunto de parcerias com o governador Eduardo Campos através da secretaria estadual de turismo, o Ciro Costa Filho tem sido um grande secretário um grande parceiro, temos trabalhado fortemente com o prefeito de Recife com a secretaria municipal também, e eu tenho certeza que Recife pode ser um grande pólo de business de negócios em toda Região Nordeste. Mas evidentemente seu apelo maior é o segmento de sol e praia com as suas maravilhas das suas praias de tudo que isso agrega. Agora tem também um outro lado muito importante da cultura pernambucana que eu acho que é um grande atrativo para o turismo, que é o aspecto cultural. Vocês tem uma rica gastronomia um grande artesanato, temos Olinda que é patrimônio histórico da humanidade, portanto, explorar não só o segmento de sol e praia, mas de eventos de negócios, mas também o lado cultural cria um grande mix um conjunto de produtos que viabiliza Pernambuco e Recife como uma grande porta de entrada do turismo brasileiro e também na preparação da nossa Copa do Mundo. Recife tem um grande projeto pra sediar a Copa e eu acho que nós vamos consolidar esse pólo de Recife não só nacionalmente, mas internacionalmente também. JOTA: Aproveitando ministro já que o senhor tocou ai no ponto do secretário de turismo aqui do estado de Pernambuco o Ciro Costa Filho a gente observa que estão sendo feitos alguns programas aqui com a inclusão justamente daqueles jovens carentes em situação de risco, ou seja, aquele jovem que estão aprendendo idiomas e que também por conhecer a cidade de uma forma até diferenciada eles estão trabalhando, recepcionando o turista nas praias, em fim. Esses projetos que estão sendo desenvolvidos aqui em Pernambuco pode ser aproveitado em outras regiões do país? Ou seja, qualificação com jovens em situação de risco, com a preocupação do turismo, mas também preocupação social. MINISTRO: Com certeza, essa é uma experiência que a gente tem feito uma parceria com vários municípios, tivemos uma experiência forte na região metropolitana de Fortaleza, estamos reproduzindo agora em Recife e em toda região metropolitana de Recife, Olinda, Ipojuca e outras cidades. Essa é uma experiência muito importante, porque a gente não retira essas crianças esses meninos e meninas da rua como os qualifica e dá uma chance para que eles possam se reinserir no mercado de trabalho. E no caso do turismo é muito importante, que você tenha todo o trabalho com guias com receptivo turístico é muito importante, que faz parte desse jeito hospitaleiro do brasileiro. Você requalifica, qualifica, dá uma função, o treinamento da língua inglesa e do espanhol é muito importante pra preparação do recebimento dos turistas internacionais, e eu acho uma grande experiência que tem de ser reproduzida nas principais regiões metropolitanas do país, na preparação do país pra melhorar a sua qualidade. Hoje a competição no mundo globalizado é muito difícil, não adianta ter apenas belezas naturais, é necessário se qualificar pra enfrentar a grande competição mundial, e eu acho que Pernambuco está no caminho certo. E só é possível fazer esses trabalhos com grandes parcerias. Portanto, eu louvo as parcerias estabelecidas pelo ministério com a prefeitura, com o governo do estado, através da secretaria estadual de turismo, que demonstram que é possível trabalhar em conjunto em prol do turismo brasileiro e em prol da meninada toda brasileira que precisa de uma profissão, precisa ter chance de se inserir no mercado de trabalho, e ajudar a nós nessa indústria do turismo que é geradora de emprego e renda. São mais de seis milhões de brasileiros que trabalham no turismo, que gera muita riqueza, já é a quinta pauta de exportação brasileira, gera quase R$ 40 bilhões, a economia do turismo, portanto, nós estamos nessa expectativa de continuar e prosseguir esse trabalho visando ai a nossa Copa do Mundo de 2014 que é a maior janela de oportunidade que o turismo brasileiro tem, e Recife disputa com muita chance a possibilidade de sediar a Copa. RADIO FEIRA DE SANTANA - FEIRA DE SANTANA(BA) - DILSON BARBOSA: A nossa pergunta ao ministro já que ele acabou de falar sobre a Copa do Mundo. Saber do ministro, se o seu ministério, já planeja qualificar as pessoas que vão estar recepcionando os turistas na copa de 2014. MINISTRO: Estamos sim, estamos nos planejando nessa direção, você sabem que nós temos três grandes desafios em vista da realização da Copa em 2014, um deles é a qualificação profissional, o outro é a infraestrutura turística e hoteleira, a questão também da promoção, todos os desafios na área de infraestrutura aeroportuária, e o tema da qualificação pra nós do Ministério do Turismo é um dos temas mais importante. Nós assinamos recentemente um primeiro convênio com a Fundação Roberto Marinho que vai treinar 80 mil jovens na língua inglesa e na língua espanhola, são R$ 14 milhões de investimentos nessa área, começaremos por duas capitais brasileiras, que é Salvador e Rio de Janeiro, estendendo pra depois para todas as principais cidades indutoras do turismo brasileiro. Nós firmamos com a Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, um convênio para tratar do planejamento nosso em relação a Copa do Mundo. A nossa meta é ter 65 destinos de alto padrão de qualidade até 2014, e o tema da qualificação vai significar um grande investimento nosso. Nós investimos mais de R$ 40 milhões em 2008 no tema da qualificação profissional, esperamos manter essa base de investimentos com contratos como esse que eu já realizei com a Fundação Roberto Marinho, nessa direção de melhorar o nosso receptivo turístico melhorar a nossa qualidade, receber melhor os turistas, aproveitar essa grande chance que o Brasil tem tido nos últimos anos. O ano passado foram mais de cinco milhões de turistas estrangeiros que deixaram quase US$ 6 bilhões, consolidando o turismo como a quinta pauta de exportação brasileira. Portanto nós temos grandes desafios pela frente, mas eu tenho certeza com muito esforço, com muita mobilização, com muita parceria com a iniciativa privada e com as prefeituras, com os governos estaduais, nós vamos vencer esse desafio e transformar a Copa do Mundo não só num sonho, mas numa grande realização para o Brasil e para todo o turismo brasileiro. DILSON: Eu perguntaria ao ministro se existe algum projeto especifico do seu ministério para estimular o turismo na Bahia. MINISTRO: Existe sim. A gente tem feito grandes investimentos na Bahia, só para você ter uma idéia foram mais de R$ 126 milhões de investimentos em infra-estrutura em qualificação e promoção na Bahia no ano passado. Nós tivemos agora uma intervenção cultural também, temos intervenções no Pelourinho, por exemplo, que é um grande patrimônio histórico da Bahia. Em vários projetos em orlas em praias no litoral baiano em estradas como a estrada de Itacaré que facilita a acessibilidade de grandes destinos turísticos da Bahia. O trabalho de qualificação, a parceria com o governador Jacques Wagner tem sido muito forte, através de Domingos Leonele que é nosso secretário de turismo ai da Bahia, portanto esses investimentos vão permanecer, a Bahia é uma grande porta de entrada do turismo internacional do Brasil. Todo trabalho que nós estamos fazendo com os navios que aportam ai no porto de Salvador, os destinos indutores. A Bahia não é feita só de litoral, tem também toda uma tradição cultural muito importante no interior, a chapada e outros locais que são belíssimos ai, nós estamos fazendo portanto uma parceria pra valorizar todos os destinos baianos que são uma grande porta de entrada do nosso turismo, não só nacional como internacional. Esses investimentos eu tenho certeza que vão prosseguir nesta direção de melhorar e de qualificar o turismo baiano. RÁDIO AMAZONAS AM - MANAUS (AM): MINISTRO: Bom dia a todos os ouvintes aí de Manaus. É um prazer estar falando com vocês mais uma vez, nessa que é uma grande região e que tem todas as condições de se transformar, também, em um grande pólo do turismo brasileiro. RÁDIO AMAZONAS AM - MANAUS (AM)/ PATRICK MOTTA: Ministro, há algum projeto diferenciado para o turismo aqui na Amazônia? MINISTRO: Estamos trabalhando, ajudando em parceria a prefeitura de Manaus e o governo do estado. Uma parceria com o governador Eduardo Braga, com o prefeito Amazonino Mendes, recém eleito. O ano passado investimos mais de R$ 20 milhões em vários municípios aí de Manaus, no sentido de qualificar a infraestrutura, a qualificação. Tivemos um projeto muito exitoso com o governo do estado. Aquele ônibus que circula por Manaus com o apoio do Ministério do turismo. Intervenções na área do centro de Eventos de Manaus. Foram mais de R$ 15 milhões já investidos nessa área. Temos também intervenções em Mauá, em Mauês, na orla de Barcelos, por exemplo. Um grande investimento. E estamos trabalhando no Prodetur Manaus. O Prodetur é um grande programa que tem uma experiência rica, é um financiamento do BID, do Banco Interamericano e do Ministério do Turismo. Tivemos uma experiência muito exitosa do Prodetur na região Nordeste e estamos agora expandindo para um Prodetur nacional. Esse programa são mais de US$ 1 bilhão de investimentos na área de infraestrutura e de qualificação. Manaus está se credenciando. A cidade de Manaus está se credenciando para entrar no Prodetur, na sua preparação para dar um salto de qualidade. Manaus tem um grande centro histórico muito rico, um dado cultural muito importante. Temos o porto que necessita de intervenções. Conversei com o prefeito Amazonino Mendes, que se mostrou muito sensibilizado com essa questão. Toda a área técnica de Manaus está trabalhando no desenvolvimento de um grande projeto para poder entrar e se beneficiar dos recursos do Prodetur. Visitarei, provavelmente no mês de maio, Manaus. No sentido de receber do prefeito Amazonino Mendes esse programa. E, eu tenho certeza que nós estamos no caminho certo, e Manaus está se qualificando para ser uma grande porta de entrada do turismo. Estamos também desenvolvendo uma parceria para captar mais voos internacionais para Manaus. Tivemos ao longo de 2008 grandes notícias positivas nessa direção, como voos diretos de Miami e de outras partes do mundo, direto com Manaus. O que significa que Manaus está se transformando em um grande pólo. Temos também um desenvolvimento do turismo de negócios em Manaus. A Zona Franca de Manaus possibilita grande movimentação na área econômica, no turismo de 'business' também. Portanto nós estamos em parceria com a iniciativa privada também, realizando eventos gastronômicos, com a Abrasel local, no sentido de valorizar nossa rica cultura amazônica. Portanto, e qualificando Manaus também nessa disputa que Manaus tem para ser também uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. PATRICK: Mais uma pergunta. A gente já entra nessa Copa do Mundo mesmo. A Amazônia será aí, sem dúvida, uma das sedes, ou duas, Belém e Manaus brigam por isso. Claro que nós somos de Manaus e a gente quer que a Copa venha para cá. E, se isso acontecer, como o Ministério do Turismo pode nos ajudar em relação à Copa do Mundo na Amazônia, aqui em Manaus? MINISTRO: Olha, eu estou torcendo para as 17 cidades brasileiras, e evidentemente eu acho que todas elas têm condição. Acho que uma Copa do Mundo 2014 não pode deixar a Amazônia fora. O tema do meio ambiente e da sustentabilidade é o tema deste século. Portanto eu tenho certeza que a Região Amazônica será a sede da Copa. Volto a repetir que a Copa não será apenas daquelas 12 cidades que serão sede. A Copa será do Brasil todo. Nós estamos trabalhando com a perspectiva de ter 65 destinos preparados para receber a Copa do Mundo. Os jogos são de quarta a domingo. E, vai haver portanto, uma imensa circulação não só de turistas internacionais mas, de turistas nacionais. O Ministério fez esse convênio com a Fundação Getúlio Vargas para preparar esses 65 destinos. Independente da decisão da Fifa, Manaus está entre esses 65 destinos. Vamos fazer um grande diagnóstico ano a ano, até 2014, preparando Manaus no sentido da infraestrutura hoteleira, da questão da qualificação profissional. Ver como é que a gente insere Manaus no cenário internacional, na questão da promoção. Temos desafios aeroportuários. A questão do aeroporto de Manaus, que temos que dar um salto de qualidade. Estamos trabalhando nessa direção. o governo do presidente lula está aguardando só a definição da Fifa para ter um grande programa de mobilidade urbana que atinjam todas as regiões metropolitanas do país, que vão sediar a Copa do Mundo. Esse é um grande programa que vai significar investimentos na área de transporte público, na área de mobilidade urbana. Eu tenho certeza que o Brasil aproveitará essa chance. A Copa é numa oportunidade de acelerar e adiantar obras de infraestrutura. Este é um grande legado de um evento esportivo como esse, é deixar uma herança de aceleração de obras de infraestrutura e eu tenho certeza que Manaus não ficará fora. E eu torço para que a Região Amazônica se potencialize e aproveite as oportunidades desse grande evento esportivo. RÁDIO BELÉM FM - BELÉM (PA)/ ANTONIO CARLOS: Nossa cidade, de Belém do Pará, na Chapada, é uma cidade esquecida em relação à investimentos na área de turismo. Eu quero saber, do ponto de vista, até onde o ministério pode investir no Pará, e em Belém também, em relação à obras de rodovias e também ao turismo no Pará? MINISTRO: Olha, primeiro é um prazer estar falando com os ouvintes de Belém. Um grande abraço a todos nossos amigos e amigas de Belém do Pará. Quero dizer a vocês que nós estamos investindo no Pará regularmente. Foram mais de R$ 21 milhões no ano de 2008, quase R$ 30 milhões em 2007, em infraestrutura turística. Os principais pólos turísticos do estado, e Belém é um principal pólo de entrada do turismo no Pará. tivemos recentemente uma experiência muito importante para Belém e para o Pará, que foi o Fórum Social, onde o Ministério do Turismo aportou quase R$ 7 milhões para ajudar cidades a desenvolverem esse grande evento que reuniu turistas do mundo todo, que credencia Belém para realizar grandes eventos como esses que aconteceram no final de janeiro, início de fevereiro. Portanto, nós estamos nessa perspectiva. tem todo o saneamento de Belém. A parceria com a governadora Ana Júlia é muito importante Com o prefeito Luciomar Costa. Temos realizado um conjunto de obras de saneamento em Belém que são muito importantes. E eu tenho certeza que os projetos apresentados aqui em Brasília, na questão do PAC, por exemplo, vão dar um salto de qualidade. E, nós estamos aguardando essa decisão da Fifa, no dia 30 de maio, que dirá exatamente quais são as 12 cidades definitivas que sediarão a Copa, para poder ter um tratamento especial naquelas que serão sedes da Copa. Volto a reafirmar que a Copa não será apenas de 12 cidades, será do Brasil todo. E, todos os destinos indutores do turismo brasileiro - e Belém está neles -receberão um foco de investimentos nos próximos quatro anos, para ter uma qualificação necessária para aproveitar as oportunidades de um grande evento esportivo como esse. Portanto Belém está no nosso mapa de investimentos, é uma cidade muito importante, na beira do Rio Amazonas, com todas as belezas que essa região desfruta para o turista. Ainda desconhecida de muitos brasileiros. É muito importante trabalhar o turismo interno, um turismo doméstico, as riquezas dessa região. Portanto, temos que trabalhar a gastronomia, o artesanato, as belezas. Por exemplo, da Ilha do Marajó e outros pólos muito importantes do turismo aí, que são significativos e que a gente está trabalhando em parceria para poder aumentar o fluxo de turismo para essa região tão bonita do país. RÁDIO BELÉM FM - BELÉM (PA)/ FONSECA: Nós sabemos que o estado do Pará é o estado que tem um dos litorais mais lindos do Brasil. Então nós temos o Nordeste, toda a região. Todo Brasil é lindo. mas, o estado do Pará tem um dos litorais mais bonitos do Brasil. Então, nosso litoral é muito, os nossos investimentos no litoral mostram, é muito fraco. Aí, a infraestrutura, nossa, no litoral, é fraquíssima. Você sabe de algum projeto mais arrojado para investimentos no nosso litoral, para que nós pudéssemos puxar mais turismo para nosso estado, que é um estado maravilhoso, é um estado que suporta muito. E, nós queremos receber mais, mas nós estamos com a infraestrutura muito fraca ainda. Principalmente no nosso litoral. MINISTRO: Eu acho que esse é um trabalho de médio prazo, eu tenho otimismo em relação ao nosso futuro. Alguns projetos específicos, tanto em Belém, como em São Sebastião também, na urbanização da sua orla, tem aí na infraestrutura turística de Belém, também, alguns investimentos importantes. No terminal hidroviário também. Tenho certeza que essa oportunidade da Copa significará um salto de qualidade nessa infraestrutura turística. Acho que nós temos que aproveitar as belezas de Belém, as suas potencialidades. Você tem também toda a orla de Conceição do Araguaia, tem todas as belezas de Santarém, para não ficar só em Belém. Portanto você tem grandes possibilidades neste estado, que tem rios maravilhosos, tem toda a cultura da pesca, uma série de atrativos que podem ser desenvolvidos e também Belém é grande hub de negócios da Região Norte. Vocês têm uma ligação muito importante, um potencial muito importante também na área de negócios de eventos. Portanto, esse grande acontecimento que ocorreu em janeiro, do Fórum Social mostra as potencialidades, todos os investimentos que nós fizemos no Centro de Convenções de Belém, uma série de procedimentos que eu acho que a médio e longo prazo transformarão Belém e darão um grande salto de qualidade. Agora é preciso ter muita parceria, é preciso ter um trabalho conjunto com as prefeituras, com o governo do estado, com um trade turístico local, o turismo é feito pela iniciativa privada, portanto essa parceria com a iniciativa privada é muito importante e eu acredito que nós vamos continuar esse trabalho. A secretária, Anne Pontes da empresa de turismo do estado tem feito um grande trabalho. Há essa possibilidade do Pará se credenciar também em relação ao Prodetur Nacional, essa linha de financiamento do BID. Nós estamos discutindo com o Pará e com Belém essa possibilidade também. Eu acredito que a gente enfrentará muito bem esse ano de 2009, apesar das dificuldades econômicas dessa crise internacional que assola o mundo. RÁDIO BOA NOVA- FORTALEZA (CE)/ BETO LIMA: Com relação à Viaja mais Melhor Idade, eu gostaria que ele explicasse um pouquinho mais e as vantagens para as pessoas, já que os nossos ouvintes, a maioria é de idade. Eu creio que essa proposta interessa muito aos nossos ouvintes, então eu gostaria que o ministro falasse um pouquinho mais sobre as vantagens à pessoas de idade e o quê que pode contribuir para eles esse programa Viaja Mais Melhor Idade? MINISTRO: O Programa Viaja Mais Melhor Idade é um programa criado em 2007 pelo Ministério do Turismo, para movimentar toda a cadeia do turismo nos períodos de baixa ocupação, portanto entre os meses de março, junho, e de agosto a novembro, fora da alta temporada do verão, para as pessoas acima de 60 anos, aposentadas ou não, com grandes vantagens: são pacotes a preços mais baratos, que podem ser divididos seus pagamentos através do Banco do Brasil e da Caixa Econômica em 10 vezes, com juros abaixo de 1%, portanto pacotes na faixa de R$ 50 a R$ 70 por mês, para vários destinos brasileiros, para mais de 40 destinos brasileiros em parceria com a Braztoa, que é a Associação das Operadoras de Agências de Viagem, que facilita isso. É uma parceria com as companhias aéreas, com os hotéis, com toda a rede de turismo, que possibilita preços mais baratos e também se a pessoa não quiser um pacote completo de uma semana em vários locais, como as praias do nordeste brasileiro, a Serra Gaúcha , as cidades históricas de Minas Gerais, Recife, Fortaleza, você pode ir também diretamente nos hotéis. Nós conseguimos cadastrar quase 2 mil hotéis e meios de hospedagem que ofertam na boca do caixa 50% de desconto. É um programa que veio para ficar. No ano passado, nós tínhamos espectativa de vender 50 mil pacotes, acabamos vendendo 180 mil pacotes, portanto ele está consolidado. Nós vamos relançá-lo agora no final do mês de março, inicio de abril, qualquer informação é só se dirigir ao Ministério do Turismo, ao nosso site: www.viajamais.gov.br ou no site do Ministério do Turismo, acessando qualquer telefone teremos explicações detalhadas do programa, os roteiros, as várias possibilidades de pacotes e também distribuímos na Caixa Econômica Federal um guia do Viaja Mais Melhor Idade, que é um programa voltado para aquelas pessoas acima de 60 anos, que já trabalharam muito, doaram muito do seu trabalho e de suas vidas ao Brasil e que merecem ter uma oportunidade de conhecer esse imenso Brasil, com as várias potencialidades que o Brasil tem. Além do mais, estimula toda a cadeia produtiva do turismo em períodos que normalmente o turismo vive uma baixa, que são os períodos pós- verão, principalmente após janeiro e fevereiro. Portanto é um programa que veio para ficar, já está no seu segundo ano e eu tenho certeza de que qualquer ouvinte que esteja escutando que tenha, que possa e queira viajar, ele dá direito ao acompanhante para pessoa idosa, ela pode ter a modalidade de pacote, ou a modalidade diretamente a um hotel. Procure o Ministério do Turismo que certamente terá condições de viajar por esse Brasil e aproveitar e curtir. Esse é um programa que trabalha não só com lazer, mas também com a possibilidade da nossa terceira idade se movimentar. Ele combate também uma questão muito importante que é a solidão, uma série de aspectos da velhice. A velhice hoje é um tema muito importante para o Brasil. Eu estive ontem na Conferência Nacional do Idoso, o Brasil está envelhecendo, nós temos que aproveitar as experiências internacionais que trabalham com essa questão e a questão do lazer e do turismo podem contribuir para que os brasileiros tenham uma velhice mais saudável e certamente as viagens contribuem muito para isso. RÁDIO BANDEIRANTES- SÃO PAULO (SP)/ RAFAEL COLOMBO: Eu queria que o Senhor falasse um pouquinho sobre a qualificação dos funcionários que trabalham no setor de turismo aqui no país. Há algum tempo, ainda havia reclamação de que as pessoas que visitavam os maiores centros de turismo, São Paulo - turismo de negócios, Rio de Janeiro algumas cidades especificas do Nordeste eram muito bem servidas mas, se entrassem um pouquinho mais no país e procurassem cidades menores, os serviços não eram tão bom assim. De que forma, na avaliação do Ministério do Turismo, anda a qualificação das pessoas que trabalham no setor atualmente em todo o país, não só nos grandes centros e se há alguma especie de aprimoramento da qual o Ministério do Turismo participa, para tornar os serviços dessas pessoas melhor e torná-las mais bem qualificadas ? MINISTRO: Esse é um tema permanente da indústria do turismo. A qualificação profissional é um grande desafio permanente, portanto, do nosso trabalho, temos feitos grandes progressos nos últimos anos. Se vocês olharem o que era o turismo brasileiro há 5, 6, 10 anos atrás, vão notar a grande mudança e a mudança para melhor. Nós temos melhorado a qualidade do nosso receptivo turístico, temos feito um conjunto grande de parcerias com os estados e municípios, com o setor hoteleiro, com o setor de transporte como taxistas, temos tido grandes movimentos nessa direção. O ministério aportou mais de R$ 40 milhões no ano passado no tema da qualificação, distribuídos por todos os estados da Federação, principalmente naqueles 65 destinos indutores de turismo brasileiro, aqueles com mais potencialidade que mais recebem turistas, um trabalho forte no nordeste brasileiro. No caso de São Paulo, que é uma grande porta de entrada de turismo do negócios. São Paulo hoje é a oitava cidade do mundo em captação de eventos, a primeira das Américas. O Brasil se consolida hoje como um grande, não só com do turismo de lazer, de sol e de praia, mas o turismo de negócios e de eventos, São Paulo é muito importante nisso, temos uma parceria com o Anhembi, forte nessa direção. Treinamos, por exemplo, um conjunto grande de taxista na língua inglesa, por exemplo, todo o receptivo de hotéis está sendo treinado permanentemente, temos um programa específico dirigido à Copa do Mundo em 2014, firmamos recentemente um convênio com a Fundação Roberto Marinho, que vai nessa direção, no treinamento de 80 mil jovens na língua inglesa e na língua espanhola, temos trabalhado com sindicatos patronais e os sindicatos de empregados no sentido de melhorar a qualidade do nosso receptivo no setor hoteleiro, de bares e restaurantes. Temos procurado trabalhar, por exemplo, com a Abrasel, que é a Associação de Bares e Restaurantes, no sentido de ter cardápios na língua inglesa e na língua espanhola também que facilita muito no turismo internacional. Temos uma característica que facilita muito, que é a hospitalidade brasileira, que é um diferencial no nosso turismo, mas certamente nesse mundo globalizado, onde a competição é muito grande, nós temos que permanentemente trabalhar o tema da qualificação. Nós temos um programa em desenvolvimento, foram amis de R$ 40 milhões no ano passado temos essa parceria firmada com o Anhembi, por exemplo, que já aconteceu: entreguei certificados no ano passado para mais de 500 taxistas que receberam treinamento nessa área. Portanto esse é um desafio e eu tenho certeza que vai crescer com a realização da Copa do Mundo e vai prosseguir nessa melhora de qualidade. O Brasil tem melhorado. Recentemente, houve uma divulgação de um índice que melhora o ranking do Brasil no turismo mundial. Nós ganhamos várias posições, o que demonstra que nós estamos no caminho certo. Evidentemente, há desafios a serem cumpridos e você disse muito bem. Talvez, nesse interiorzão ainda é necessário fazer um trabalho. Talvez nas capitais, a gente tenha uma melhora positiva nos últimos anos e cabe a nós interiorizar um pouco esse trabalho iniciado nas capitais brasileiras. RÁDIO BANDEIRANTES- SÃO PAULO (SP)/ RAFAEL COLOMBO: Gostaria de saber do ministro se o Ministério possui essa informação de qual é o principal motivo da não visita ao Brasil, no que pensam os turistas que querem, mas não vêm ao Brasil? Ainda é a questão da segurança pública, que são muito divulgados no exterior, ministro? O que é possível fazer para convencê-los a visitar o país? MINISTRO: Nós temos tido êxito nessa questão da promoção do Brasil no exterior. Nós temos tido um crescimento da entrada de turistas, no ano passado foram mais de 5 milhões de estrangeiros que freqüentaram o Brasil e deixaram aqui US$ 5,8 bilhões de entrada de divisas, é o recorde de entrada de divisas. Consolidou o turismo como a quinta principal pauta de exportação brasileira, a primeira na área de serviços. A Embratur tem feito um grande trabalho nos doze mercados emissores de turistas para o Brasil. Uma primeira dificuldade é a localização: o Brasil está no Hemisfério Sul, apesar de ter belezas naturais, de ter uma rica cultura e de todas as potencialidades, ele está no Hemisfério Sul. Portanto, a 10 a 12 horas do principal emissor de turismo no mundo, que é a Europa e os Estados Unidos, isso já é um limitador. Vocês sabem que a Organização Mundial do Turismo estima que apenas 30% das viagens do mundo são aquelas viagens acima de 5 horas de vôo, portanto, o Brasil não disputa 100% do mercado mundial, porque ele está na longa distância. O mercado de longa distância é 30% de todo o mercado de turismo e eu acho que o Brasil tem desafios. Você tocou num desafio importante, que é o tema da segurança e eu acredito no trabalho dos governadores do estado em melhorar essa questão. Nós temos desafios na área da infraestrutura aeroportuária. Nós estamos trabalhando para aumentar o número de vôos, por que todo turismo de longa distância é feito via aérea. Você tem diferenças em relação à Espanha e à França que tem, por exemplo, quase 60 milhões de turistas estrangeiros. Mas, mais da metade deles acessa esses países por via terrestre. Então, essa dificuldade nós temos, pois não há possibilidade de ter via terrestre com o mercado europeu e com o mercado americano. Portanto, nós vamos trabalhar fortemente a nossa integração com os países da América do Sul, os nossos vizinhos sul-americanos. Vamos trabalhar. Nós temos uma vantagem, que é ter um grande mercado interno de quase 100 milhões de consumidores. O Brasil teve um grande crescimento de sua classe média nos últimos anos. O governo Lula aumentou a renda de uma parcela significativa da população que, hoje, pode acessar vários bens de consumo, inclusive o turismo. Nós vamos apostar muito no mercado sul-americano e no mercado interno. E vamos continuar a fazer esse trabalho via Embratur, na Europa e nos Estados Unidos, para aumentar as nossas potencialidades. Temos desafios como a qualificação profissional, a questão da infraestrutura, mas nós temos melhorado e esse aumento dos últimos anos é uma prova do caminho certo. Evidentemente, temos uma longa estrada para fazer o Brasil ser um grande potencial. Recentemente, o Fórum Econômico Mundial divulgou um índice mundial demais de 180 países. O Brasil melhorou bastante de posição, hoje já é o principal país da indústria do turismo na América do Sul. É o segundo das Américas. Portanto, nós temos tido um grande crescimento na frente do México e da Argentina e temos demonstrado que nós estamos no caminho certo. A criação do Ministério do Turismo deu um grande impulso a esta questão. Ano passado, nós tivemos a aprovação da Lei Geral do Turismo, que é um grande marco regulatório que facilita os investimentos privados na área do turismo. Essa é uma grande questão. Nós precisamos ter investimento na área de hotéis, não só de brasileiros, mas do circuito internacional aqui no país e a Lei Geral do Turismo é um benefício da segurança jurídica aos investimentos privados na área do turismo, portanto, nós estamos no caminho certo. Este é um ano excepcional, porque nós viemos de um grande balanço do ano de 2008, com o crescimento de 20% no turismo interno e no turismo doméstico. Agora temos uma grande crise internacional no mercado europeu e no mercado americano. Temos que nos adaptar a essa crise internacional. Portanto, a aposta no mercado interno e no mercado sul-americano é muito importante. Eu acho que o Brasil está no caminho certo e vamos vencer os desafios. E a Copa do Mundo é uma oportunidade de dar saltos nessa direção. RÁDIO BANDNEWS- RIO DE JANEIRO (RJ)/ MARIANA BRENNER: Pergunta: O Rio de Janeiro é conhecido como cartão postal do Brasil e tanto que, mesmo em meio à crise financeira internacional, o estado atraiu muitos turistas nas férias do final do ano. O Rio, entretanto, sofre com problemas de segurança. No último final de semana, por exemplo, 30 argentinos foram assaltados numa pousada em Búzios, na Região dos Lagos. O Ministério do Turismo estabeleceu ou vai estabelecer algum projeto em conjunto com o governo estadual, para minimizar os efeitos da violência sobre o turismo no Rio de Janeiro? MINISTRO: O Rio é a principal porta de entrada do turismo brasileiro. O Rio repercute no mundo todo, nós temos uma grande parceria com o prefeito Eduardo Paes, o governador Sérgio Cabral, no sentido de aproveitar todas as potencialidades, não só da cidade do Rio de Janeiro, mas de todo o litoral carioca e fluminense. Nós temos também no interior, como a Serra de Petrópolis, grandes atrativos, como Búzios, Angra do Reis, Parati, Cabo Frio, nós temos a região dos Lagos, portanto, o Rio hoje é muito importante para o turismo brasileiro. Não só na captação de brasileiros que visitam o Rio, que movimentam toda a indústria do turismo, como também do ponto de vista internacional. Esse é um tema da segurança que é um tema que afeta não só a cidade do Rio de Janeiro, mas as principais metrópoles do mundo todo. Eu confio no trabalho de segurança pública que o governador Sérgio Cabral tem procurado desenvolver para superar problemas históricos da cidade do Rio de Janeiro. Esse é um tema, portanto, que a governabilidade está muito assentada sobre os governos estaduais. Nós estamos trabalhando em parceria, para melhorar a qualidade do padrão do receptivo turístico. Temos uma parceria importante com o Rio de Janeiro. O Rio de Janeiro apresentou um grande projeto para o Prodetur nacional, que é essa linha de financiamento do BID, cuja contra partida o Ministério do Turismo banca integralmente. Quer dizer, portanto, é um empréstimo que 40% dele é pago pelo Ministério do Turismo, que vai significar um grande salto de qualidade no turismo carioca e fluminense, com intervenções em toda a região do sul fluminense, em Angra, em Parati, na região de Cabo Frio e de Búzios também, na cidade do Rio de Janeiro. Estamos conversando com o prefeito Eduardo Paes nas intervenções necessárias para a requalificação do Porto da cidade do Rio de Janeiro, que pode se transformar num grande atrativo da cidade do Rio de Janeiro, além do Pão de Açúcar, do Corcovado, estamos trabalhando também numa parceria com o ministro carioca, Carlos Minc, no sentido de valorizar os parques nacionais e também os museus, já que há um grande patrimônio histórico na cidade do Rio de Janeiro e no estado, vamos trabalhar a Floresta da Tijuca também, enfim. Tem aí grandes programas. Estamos iniciando o programa de qualificação nacional, que acertamos com a Fundação Roberto Marinho, com R$ 14 milhões de investimento no treinamento da língua inglesa e da língua espanhola pela cidade do Rio de Janeiro. Portanto, estamos trabalhando com várias parcerias, com o Convention Bureau local, no sentido de melhorar a imagem do Rio, de trabalhar aspectos do nosso turismo. Eu sei que nós vamos enfrentar um ano difícil esse ano, mas vamos com muito trabalho, com muito esforço, trabalhar na direção de superá-los. Nós temos uma vantagem, sendo que são nove grandes feriados ao longo do ano. Quatro no primeiro semestre e cinco no segundo semestre. Vamos trabalhar campanhas publicitárias, vinculando esses feriados para poder movimentar a cadeia do turismo, movimentar também aquelas viagens de curta e média duração, que ganham relevância nos momentos de crise. E o Rio de Janeiro está totalmente inserido nessa questão. A parceria com a secretária Márcia, do turismo do estado é muito forte e nós vamos trabalhar para superar essas dificuldades. Não acredito que o tema da segurança inibe a visita ao Rio de Janeiro. Nós tivemos um grande Réveillon, um grande carnaval no estado do Rio, o que prova que o Rio de Janeiro continua e será sempre uma grande porta de entrada do turismo do mundo. RÁDIO MAIS FM- JOINVILLE (SC)/ REJANE GANBIN: Santa Catarina teve muitos problemas no ano passado, por conta das chuvas. Muitos desastres, mortes e prejuízos de toda ordem e as chuvas voltaram esse ano com mais problemas, o que trouxe prejuízos para o turismo, já que muita gente ficou com medo de vir ao estado. Há alguma ação por parte do Ministério para tentar ajudar o estado a readquirir essa confiança por parte do turista, que ele volte a se sentir confiante, no sentido de voltar a nos visitar? MINISTRO: Nós já estamos fazendo desde dezembro do ano passado um conjunto de intervenções articuladas com o trade turístico de Santa Catarina, com o governador, com as prefeituras envolvidas, no sentido de minimizar os efeitos dessa tragédia que ocorreu no mês de novembro. Nós fomos muito exitosos nesse sentido e fizemos um trabalho, por exemplo, com o mercado sul-americano, com chilenos e argentinos, em parceria com a Embratur. Trouxemos um conjunto de jornalistas estrangeiros para visitar Santa Catarina durante dezembro, para mostrar as diferenças das regiões e que as principais regiões turísticas do estado estavam preservadas, como Florianópolis, por exemplo. Tivemos êxito, porque houve um crescimento de argentinos e chilenos no verão catarinense. Estamos trabalhando fortemente na promoção de Santa Catarina. Vamos realizar um grande evento agora no mês de maio, que é um evento mundial e que vai reunir os cem maiores empresários de turismo do mundo, o WTTC, Conselho Mundial Viagens de Turismo, que vai se realizar em Santa Catarina, com o apoio do Governo Federal, da Embratur e do governador Luis Henrique. É um grande evento, entre 14 e 18 de maio, que vai envolver Santa Catarina no mundo todo, portanto é um conjunto de investimentos. Temos centros de intervenções importantes para o turismo em Santa Catarina, como a estrada que liga a Serra Catarinense à Serra Gaúcha. Estamos trabalhando em Itapema, na urbanização, nos centros de convenções,temos feito um grande trabalho para minorar os efeitos dessa tragédia. Santa Catarina, apesar de tudo, com muito esforço e muito trabalho realizou um grande verão e a prova disso e que os números são significativos em relação ao que a indústria de turismo gerou no verão. Evidentemente, não foi igual a anos anteriores, porque nós tivemos um grande abalo muito próximo do verão, mas mesmo assim, um esforço do governador e de tudo que a gente pode ajudar, nós tivemos um grande verão e um grande carnaval em Santa Catarina. RÁDIO CULTURA- FOZ DO IGUAÇU (PR)/ CIDA COSTA: Foz do Iguaçu, aqui no Paraná, nós estamos a cada ano, a cada mês comemorando o recorde de visitação de turistas nacionais, como também turistas estrangeiros. Aqui, o parque nacional, onde estão as cataratas do Iguaçu, os recordes são constantes mês a mês. Mas o nosso grande problema é a grande questão do aeroporto, é um aeroporto internacional, mas ainda de porte pequeno, e o grande anseio da comunidade, do trade turístico da cidade é realmente um investimento maior, para que a gente possa ter um aeroporto melhor e claro que também para receber mais vôos com adequações melhores. O que o senhor tem a respeito disso? MINISTRO: Foz do Iguaçu é um dos principais cartões turísticos do Brasil para o mundo e tem se consolidado, como você disse, ano a ano, recorde de visitação, completando 70 anos do parque que alcançou seu recorde histórico de visitação, mais de 1,154 milhão de pessoas visitaram o parque do Iguaçu, mais 9% a mais do que tinha sido no ano anterior. Portanto vai na direção correta. O prefeito Paulo Mac Donald tem feito um grande trabalho e nós estamos fazendo um conjunto de parcerias para melhorar a infraestrutura e para melhorar a qualificação profissional deste destino. Mas você tem razão, a ligação aérea é muito importante para aumentar o fluxo de turismos internacionais em Foz. Estamos tratando com a Anac e com as companhias aéreas a possibilidade de aumentar o número de vôos, não é uma tarefa fácil neste ano, que nós vivemos uma grave crise internacional no mercado europeu e no mercado americano. O investimento em aviação nesse ano vai ser prejudicado por essa crise internacional, mas vamos continuar prosseguindo na luta para aumentar o numero de vôos diretos para Foz do Iguaçu. Vocês têm uma relação muito forte com a Argentina e com todo o Conesul, temos que potencializar e integrar Foz com outros destinos latinoamericanos muito importantes. Esse é um trabalho que estamos fazendo com a Argentina e com o Peru de vincular o turista americano, norte-americano, ou europeu que vem ao Brasil que viaja às vezes 10, 12 horas de avião, e ele fica mais tempo aqui, então temos que tentar integrar os roteiros. Não só os brasileiros, mas vincular Foz ao litoral do nordeste, por exemplo, a São Paulo na área de negócios, vincular também a Buenos Aires, a Machu Picchu, no Peru, fazer um trabalho integrado na América do Sul para poder potencializar os turistas que vêm ao Brasil. E Foz, sem dúvida é um grande cartão postal, visitei recentemente o parque nacional e sei das belezas naturais que têm aí, vou voltar provavelmente no mês de maio ou junho, no sentido de estabelecer e consolidar essa relação com o prefeito Paulo Mac Donald, que tem questões importantes na área de infraestrutura a serem melhoradas e com certeza o Ministério está de portas abertas para prosseguir essas parcerias, melhorando um pólo importante do turismo brasileiro. RÁDIO CAPITAL FM- CAMPO GRANDE (MS)/ PIERRE ATRI: O que está sendo feito para a massificação do turismo nesse momento de crise? Porque todos sabem perfeitamente que o turismo congrega adesões em todos os sentidos, principalmente na formatação de empregos de todas as ordens, quer diretos ou indiretos. MINISTRO: Essa é uma crise que veio lá de fora, é uma crise internacional, que certamente afetará o Brasil, sim. Nós tivemos um grande verão em janeiro e fevereiro, no nosso Réveillon. A crise também é geradora de oportunidades, ela gerou uma grande oportunidade de aumentar o fluxo de turismo interno. Houve uma queda de mais de 30% nos gastos de brasileiros no exterior, fruto da desvalorização do real frente ao dólar, que é uma oportunidade de curto prazo que a crise possibilitou. Houve uma grande movimentação do turismo doméstico, nós crescemos quase 20% em relação ao verão passado, mas agora temos não só o período de baixa ocupação, como também todos os efeitos dessa crise. Nós vamos trabalhar fortemente no mercado interno, nós temos a vantagem nesse ano de ter nove grandes feriados e finais de semana prolongados. Os nossos feriados não cairão nos sábados e domingos, como foi no ano passado, nós vamos trabalhar fortemente o mercado interno, na promoção desses feriados, no estimulo a viagens de pequena e média duração, no estimulo ao turismo rodoviário também, não só o turismo aéreo, contamos com as promoções que trade turístico já está realizando, as companhias aéreas estão realizando um conjunto grande de incentivos no período de baixa ocupação. Um programa como o Viaja Mais Melhor Idade, que estimula nossos amigos e amigas acima de 60 anos e o Ministério do Trabalho trabalhará fortemente no mercado interno e também no mercado sul-americano. É um mercado mais próximo, que teve uma desvalorização cambial inferior ao do Brasil. O Brasil se tornou um produto mais competitivo e mais barato para os nossos irmãos sul-americanos e nós vamos nessa direção. Tem que trabalhar não só Campo Grande, mas Bonito também. Nós vamos inaugurar agora em abril uma linha da Trip que vai ligar diretamente Bonito, que é um grande pólo do turismo brasileiro, portanto estamos na direção correta e vamos trabalhar com muita cautela observar os desdobramentos dessa crise internacional, com muita cautela, com muita paciência. O governo Lula está tomando todas as medidas necessárias para que os efeitos da crise sejam os menores possíveis. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Muito obrigado, ministro Luiz Barreto, por sua presença no programa Bom Dia Ministro, atendendo aos nossos companheiros de rádios de todo o Brasil. MINISTRO: Eu que agradeço a essa oportunidade de estar dialogando com vocês todos. Um grande abraço a todos e um feliz 2009. E que a gente consiga superar as dificuldades dessa crise econômica. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Nós estamos encerrando neste momento o programa Bom Dia Ministro, que hoje teve a participação do ministro do Turismo, Luiz Barreto.