22/10/2015 - No Bom Dia Ministro, Aloizio Mercadante falou sobre a aplicação do Enem neste fim de semana

O Bom Dia Ministro dessa quinta-feira (22) recebeu a ministro da Educação, Aloizio Mercadante. O Ministro falou sobre a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nos dias 24 e 25 de outubro. A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e transmitida ao vivo, das 8h às 8h30 (horário de Brasília), pela TV NBR e via satélite de rádio para todo o país (pelo mesmo canal de A Voz do Brasil).

audio/mpeg 22-10-15-bom-dia-ministro-aloizio-mercadante-educacao.mp3 — 34074 KB




Transcrição

APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Olá, muito bom dia para você, começa agora o Bom Dia Ministro, quase oito milhões de estudantes, a maioria deles já estão nas últimas revisões, fazendo simulados, se preparando para o Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio. As provas já são neste final de semana, e o governo também se prepara. Segundo o Ministério da Educação, uma grande operação de guerra para fazer a segundo maior exame do mundo. E é por isso que estamos aqui com o ministério da Educação, Aloizio Mercadante. Seja bem-vindo ministro. MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Bom dia, é um prazer estar aqui no programa. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: O ministro da Educação vai conversar com emissoras de rádio de todo o Brasil e pode também responder a sua pergunta, participe pelas nossas redes sociais, Facebook/tvnbr ou pelo Twitter/tvnbr. Nós vamos começar a viajar por todo o país com emissoras de rádio, primeiro com Minas Gerais, ministro, vamos conversar com a rádio América lá de Belo Horizonte, de Minas Gerais, e a pergunta é de Katia Gontijo. Bom dia Katia.REPÓRTER KÁTIA GONTIJO (Rádio América/Belo Horizonte - MG): Bom dia Helen, bom dia doutor Aloizio Mercadante, excelência bem-vindo a essa nova pasta, o senhor que é um ministro tão eclético e uma pessoa de extrema competência, parabéns, vamos a primeira pergunta que é uma pergunta de novidade esse ano: Não serão encaminhados os cartões pelos correios, então eu queria que você desse uma última orientação para os alunos que vão prestar o Enem nesse final de semana. Como fazer para ter informações, onde fazer a prova? MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Muito obrigado Kátia, e bom dia a todos os ouvintes da rádio América em Belo Horizonte. De fato, nós tivemos uma nova inovação importante no Enem. A preparação do Enem é muito rigorosa, nós vamos fazer um exame em 211 mil salas de aula, são 915 mil pessoas que estão trabalhando nesse processo, e todos os procedimentos de segurança que nós tomamos é para garantir que cada participante possa fazer a sua prova com a certeza que a competência que vai determinar quem estudou que vai passar e vão ter todos os benefícios, porque o Enem é um grande caminho de oportunidades. Você veja que o Enem dá direito a entrada no Sisu, universidades federais, bolsas do Prouni, bolsas do Fies, bolsas do SisuTec que é o ensino técnico, ou seja, um milhão desses participantes terão acesso a universidade por essas políticas, então é uma disputa acirrada, democrática e tem que ser meritocratica. O que nós mudamos? Nesse ano, o que a aluno precisa prestar atenção? Primeiro entrar no portal do Inep, ali tem Enem, ele vai verificar a inscrição dele e confirmar o local em que ele vai fazer a prova. Ele deve imprimir esse cartão. Imprime e coloca junto com a carteira de identidade com fotografia. Tem que ter fotografia no documento. E uma caneta transparente de tinta preta, deixar já isso separado e de posse desse cartão que ele vai acessar através do Inep, e imprimir, nós recomendamos que imprima para ter o cartão, ter o endereço quando for fazer a prova, pegar, agora, tem tempo, tem amanhã e também o dia de hoje, e fazer o percurso e sair com uma certa antecedência, lembrando que a hora do Enem é a hora de Brasília, nós temos quatro fusos horários no brasil. Então, todo mundo no seu estado sabe qual é o seu uso horário. Os portões abrem ao meio-dia e fecham, em qualquer situação, a uma hora, é como o nosso programa da EBC, vai tocando ali a Hora do Brasil e pum, fecha o portão. Uma hora fechou, todo ano tem gente que fica fora porque deixou de última hora. A gente prepara com tanta antecedência, as pessoas estudaram tanto, então agora falta pouco, é acordar cedo, ir com tempo, tranquilo, sem correria, qualquer imprevisto dá tempo de corrigir, um problema no trânsito, problema no carro, um ônibus que não passou, então sai com antecedência, entra meio-dia, sai uma hora, e para acessar é o portal do Inep, ele já sabe porque fizeram as inscrições, verificar, imprimir e levar o cartão.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Você tem outra pergunta? REPÓRTER KÁTIA GONTIJO (Rádio América/Belo Horizonte - MG): Sim, eu gostaria de perguntar ao ministro essa novidade também, o Enem terá detector de metais em todos os banheiros e todos os locais de prova, principalmente o estudante que é um jovem que leva o seu celular, que não pode levar. É isso doutor Aloizio? MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Exatamente, nos últimos Enems o que verificamos? Tem uma moçada, tudo é festa na vida, mas tem coisa que tem que ter responsabilidade, ele não pode jogar fora a oportunidade de fazer o Enem, se ele não quer fazer a prova, não crie problemas para sete milhões que estão acordando cedo, estudando com expectativa de entrar em uma universidade através desse passaporte que é o Enem hoje, para tantas oportunidades. Quem tiver nota boa, pode escolher qualquer curso em qualquer universidade do país, nas melhores universidades do brasil. Então é uma concorrência muito séria, isso é um grande passo na vida das pessoas. O que ele não pode fazer? Não pode entrar com celular e jogar na rede social, pra dizer: Olha, consegui fotografar a prova, primeiro que quem fizer a gente pega, e mostramos isso em todos os últimos, pega na hora, nós tiramos 30, 40 pessoas, não vão poder se inscrever no próximo Enem, vão ter que pagar taxa e dependendo do que fizer terão outras consequências, para evitar isso vamos passar o detector de metal para evitar que esse tipo de atitude irresponsável possa acontecer, prejudicando a realização da prova. Então não façam, deixe, não leve o celular, e se levarem, antes da prova, vai ser colocado dentro de um saco, vai ficar fechado reservado com o coordenador da sala, quando terminar a prova ele recebe e vai pra casa.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Muito obrigada, Kátia, lá de Belo Horizonte, pela sua participação aqui no Bom Dia Ministro, este programa que é coordenado e produzido pela Secretária de Comunicação da Presidência da República. Vamos então ao Rio de Janeiro, ministro, vamos conversar com a rádio CBN lá do Rio, e a pergunta é de Natália Furtado, bom dia. REPÓRTER NATÁLIA FURTADO (Rádio CBN/Rio de Janeiro - RJ): Bom dia Helen, bom dia ministro. Ministro, você anunciou ontem que mais de 2500 alunos inscritos para o Enem precisaram ter o local de prova alterado, isso não pode prejudicar a aplicação da prova, o deslocamento dos alunos? Que medidas foram tomadas para evitar esse tipo de problema?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Eu queria agradecer a pergunta, Natália da CBN, Rio de Janeiro, e dizer o seguinte: nós temos nesse momento dez escolas que foram interditadas, o motivo são as inundações no Rio Grande do Sul, no sul do país. No sul do país nós temos hoje 169 cidades que foram atingidas e 23 onde tem Enem. Nós estamos monitorando para saber se alguma providência adicional será necessário. Tudo indica que essa frente fria forte que trouxe grandes chuvas está se deslocando para o sudeste mais fraca, então as chuvas no final de semana estarão no sudeste. De qualquer forma estamos olhando. Então tivemos três escolas no Rio Grande do Sul, duas escolas em Minas Gerais, temos uma escola na Bahia, uma escola no Amapá e duas no Ceará. Dez escolas no total, nesse momento, são 2.725 participantes que terão que sair do local onde estavam e ir para outro local. Então, todos já foram comunicados por e-mail, por SMS e se necessário até por telefone, todos estão já com novo local de prova indicado, eles podem lá acessar o seu cartão, imprimir, está lá marcado o novo local, já estão avisados, e, além disso, vamos deixar uma condução na escola antiga para algum desavisado que eventualmente vá para o local antigo, mas ele já deve se deslocar para o novo local. São dez escolas, ontem o G1 já deu as escolas, hoje nós vamos divulgar de novo, eu queria agradecer aos meios de comunicação que estão nos ajudando, nós vamos divulgar de novo essas escolas para que os alunos envolvidos saibam. Então, nesse momento são 2.725, é um número pequeno, vou dar um furo aqui no seu programa, nesse momento nós temos inscritos, já que confirmaram a participação pelo cartão de inscrição, já cessaram o cartão, são 6 milhões, 414 mil e 700. Então, seis milhões 414 mil e 700 participantes já acessaram o cartão de inscrição, do total de sete milhões e 700 mil participantes. Então é um número excelente, esse ano talvez seja por esse indicador o menor nível de participantes que não vão participar, como aconteceu no passado. É muito bom o número que nós temos, nós estamos crescendo aí 200, 300 mil, no último dia sempre cresce, sempre tem um brasileiro que deixa para última hora, é coisa cultural, não façam isso, imprima com antecedência, olhe o local, sejam prudentes, veja que horário é de Brasília para a gente não ter choradeira no portão na hora que fecha.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Natália da CBN do Rio de Janeiro tem outra pergunta?REPÓRTER NATÁLIA FURTADO (Rádio CBN/Rio de Janeiro - RJ): Tenho sim, ministro, houve boato de vazamento da prova do Enem, você pode garantir que as provas estão seguras, que não houve mesmo esse vazamento?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Totalmente, porque todos os anos nós fizemos, o Inep, e MEM, é totalmente transparentes em relação a nossas dificuldades, todo ano há tentativa de criar esse clima de insegurança, tem gente que luta contra o Enem, não quer o Enem, por que não quer o Enem? Tem uma indústria de cursinhos que foi prejudicada, tinha gente que vendia vestibular em algumas universidades, quando você acaba perdem recursos, tem gente da oposição que está sempre torcendo para o quanto pior, melhor. Então, eu acho que nós precisamos ter seriedade, não houve nenhum vazamento, essas notícias na rede, não tem nenhum procedimento, nem quanto a tema de redação, nem quanto as provas. Nós mostramos isso, porque no dia seguinte da prova todo mundo vai ver a prova, então nós temos segurança do que nós estamos dizendo. Não tivemos qualquer tipo de vazamento, e qualquer dificuldade nós seremos totalmente transparente ao longo do exame como sempre fomos. Nós temos 60 batalhões do exército que fazem a guarda dessas provas, elas são imprimidas na gráfica como se fosse papel moeda, ninguém chega perto, é tudo eletrônico, a Policia Federal fiscaliza e monitora toda operação, cada folha que é impressa sai com código de barra e passa por um portão eletrônico, não fica nenhuma folha para a gente manter o controle pra montagem dos malotes, os malotes são montados com todo o rigor e controle. Cada malote, são 64 mil malotes, tem um cadeado eletrônico, esses malotes vão ser distribuídos por rotas que são previamente definidas, nós temos trinta mil policiais da Polícia Militar, eu quero agradecer na Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Civil, da Polícia Federal, trabalhando conjuntamente no Centro de Comando e Controle para monitorar toda a entrega desses malotes, todo o material administrativo já está entregue, não tivemos nenhum problema, os correios trabalham com grande eficiência e competência escoltados pela força de segurança, e nós temos ainda toda uma inteligência da Polícia Federal trabalhando 24 horas por dia, ontem mesmo desmontaram uma quadrilha de fraude de exames, e tentativa de fraude pode ter, a China teve problema, é o maior exame do mundo, Estados Unidos que faz esse exame há 80 anos, teve problema, a Inglaterra no ano retrasado teve problema. Então tentativa de fraude nós podemos ter. Agora que nós vamos pegar, nós vamos pegar, e que vão pagar caro, vão pagar. Porque a lei é dura com relação a fraude de concurso, e pagarão não é apenas pegando a prova não, com as responsabilidades penais que a lei estabelece.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Obrigado Nathalia, pela sua participação aqui no Bom Dia Ministro, que hoje recebe o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Vamos então para o estado de São Paulo, rádio Capital AM, e a pergunta é do Cid Barbosa. Bom dia. REPÓRTER CID BARBOZA (Rádio Capital AM/São Paulo - SP): Bom dia Helen, bom dia ministro Mercadante, ministro, o Enem é porta de acesso ao Fies e ao Ciências Sem Fronteiras, programas que enfrentaram falta de dinheiro, qual o tamanho do corte de verbas para esses programas em 2016?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha Cid, bom dia a todos na rádio Capital, nós temos nesse momento, 34 mil estudantes participando do Ciência Sem Fronteira nas melhores unidades do mundo, é um número absolutamente espetacular, nunca houve isso no passado, em nenhum ano do passado, tantos estudantes participando. Nós tivemos uma desvalorização do Real muito forte, portanto, o custo para essa manutenção aumentou fortemente nesse último período, e além disso 25% das vagas, das 101 mil vagas que nós anunciamos, seriam financiadas pelo setor privado. A Febraban, Federação de Bancos, honrou e está honrando os seus compromissos, eu quero agradecer aqui publicamente os bancos brasileiros por essa atitude. A empresa Vale está honrando inteiramente o compromisso que assumiu, mas outros setores empresariais não sustentaram o acordo que assinaram, e sobrecarregaram o governo. Ainda assim nós estamos mantendo, são 34 mil, agora em setembro, nós mandamos 8.500 estudantes, que vão permanecer, boa perte desses estudantes, os de doutorado ficam, os cursos de graduação, por exemplo, na China são de dois anos, por causa da língua, e da cultura que é muito mais complexo, Coréia, Japão, então uma parte dos estudantes continuará o ano que vem, esses 8.500 estão indo, então o Ciência Sem Fronteiras tem um volume significativo de estudantes. No caso do Fies, nós tivemos esse ano 311 mil novas bolsas, além das duas milhões que já tínhamos dado, 311 mil e teremos ano que vem um número que não será inferior a isso. Agora, o que mudou foram os critérios de acesso ao Fies, antes a faculdade que escolhia os participantes, agora não é mais assim, é no portal do MEC, cada curso tem um número pré-definido de bolsas, e o que nós fizemos? Quanto melhor o curso, mais bolsas. Os cursos são avaliados pelo MEC de um a cinco, quem tira nota um e nota dois não recebe nenhuma bolsa do Fies e nenhuma do ProUni, quem tira três, quatro e cinco pode receber bolsas. Por exemplo, nota cinco, são os melhores cursos, só tinha 8% das bolsas, são os cursos mais procurados, então as faculdades não punham bolsas do Fies nesses cursos, só entrava quem podia pagar. Agora não, 26% das bolsas são dos melhores cursos do Brasil, 36% são da nota quatro, o resto nota 3, além disso a faculdade só entra no Fies agora se der um desconto de cinco por cento, porque estavam abusando dos preços das matrículas dos alunos do Fies, inclusive os reajustes da mensalidade eram acima da inflação, agora tem que ser abaixo da inflação todos os anos, tem muita gente reclamando, porque sabe que a gente pisou no calo, agora, pra defender quem? O estudante, o compromisso do MEC é com o estudante, não é com a mantenedora, nós respeitamos, são parceiros, oferecem serviço importante pro país, mas o Fies é financiamento subsidiado, ele só começa pagar um ano e meio depois, 12 anos pra pagar, isso é dinheiro do povo brasileiro, nós queremos investir nos melhores alunos, portanto, é a nota do Enem, agora que conta pro Fies, antes não era assim, tem que dar cinco por cento de desconto, não vai abusar nos reajustes, e vai ser pelos cursos de melhor qualidade do país, foi essa mudança fundamental que tivemos.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Muito obrigada Cid Barbosa pela participação aqui com a gente. Ministro, nós tivemos uma participação via Twitter, o Júlio César Feijão, lá de Mauriti, no Ceará, enviou para a gente um vídeo, vamos ouvir a pergunta dele.SR. JÚLIO CÉSAR FEIJÃO: Eu gostaria de saber do ministro como ele chega a adoção desses novos critérios para se ter resultados do Enem, e não só as médias propriamente ditas, e como esses critérios poderão ajudar na melhoraria da educação?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha, o que vale para o estudante no Enem é a nota final que ele tira, para ele. Para o sistema a gente analisa como é que estão, são cinco áreas de concentração, linguagem, matemática, ciências da natureza, enfim, redação. Nós temos cinco áreas, a gente analisa cada área para verificar como que está melhorando a qualidade da educação. Uma das mudanças importantes que fizemos ainda quando eu era ministro da Educação e que estamos mantendo, é a mudança do critério de correção da redação, o aluno hoje sabe exatamente qual é as competências que estamos esperando da sua redação. São cinco competências, as notas são dadas para essas cinco competências, e lá o nosso edital diz exatamente quais são as competências, dá exemplo de boas redações. E nós fazemos dois corretores separados, um não sabe o que o outro está fazendo, a gente monitora isso tudo online em tempo real, e se a diferença entre os dois corretores foi mais de vinte por cento da nota vai para um terceiro corretor. Se ele não resolve a discrepância, ele não se alinha com uma das duas notas vai para uma banca de três doutores para fazer a nota final. Com isso nós temos todo o rigor e devolvemos, é o único exame do Brasil, é o segundo maior exame do planeta que devolve a redação para fins pedagógicos, eles vão receber no final sabendo qual foi a avaliação em cada competência, com um gráfico dizendo onde ele está com relação a nota média da redação com toda a transparência e competência na avaliação, todos os corretores são certificados. Se um corretor começa a ter muita discrepância com outros que ele está trabalhando, cada vez trabalha com um, a gente já elimina na fase de correção, então, é muito cuidadoso. O edital agora é mais rigoroso. Fez brincadeira na prova é zero, então não brinquem, trabalhem com seriedade, se esforcem, é uma grande oportunidade que se abre na vida de todo mundo, então nós queremos esse respeito, esse esforço que a Brasil faz para fazer esse Enem que mudou, a história de vida do estudante universitário no Brasil. Nunca tivemos tantas oportunidades de matrícula, tantas facilidades, isso [...]. Antes quem tinha dinheiro pegava avião e saía fazendo-se vestibular, quem não tinha só tinha chance de fazer um e olhe lá. A maioria das matrículas do Enem são gratuitas, por exemplo, a escola pública, baixa renda, ele pode escolher qualquer faculdade do Brasil, além disso tem o Fies, tem o Prouni, tem o Sisutec. É realmente uma grande oportunidade que se abre. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: É, são mais de 300 mil vagas só nas Universidades Federais, né?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Nas Federais em torno de 300 mil vagas, depois tem o Sisutec que é o ensino técnico nos institutos técnicos federais, são mais cerca de 200 mil. Nós temos no Fies 311 mil vagas esse ano, ano que vem não será inferior a isso e temos ainda o Prouni que gera também em torno de 350 mil vagas por ano. Então, no total nós vamos ter em torno, esse ano foram 906 mil estudantes que entraram na universidade com bolsa de estudou gratuitas estimulados por esse caminho de oportunidades. Qual é a passaporte? É o Enem, por isso que tem gente que trata de tanta seriedade, com tanta dedicação, se esforça pra fazer uma boa prova e é esse que nós queremos defender e proteger. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: É verdade, ministro. Vamos então ao Rio Grande do Sul, e a pergunta é da rádio Guaíba AM lá de Porto Alegre. E a pergunta é de Vitória Famer. Bom dia Vitória. REPÓRTER VITÓRIA FAMER (Rádio Guaíba AM/Porto Alegre - RS): Muito bom dia Helen, bom dia ministro. Ministro, o Rio Grande do Sul que teve o sexto maior número de inscritos para as provas aqui no Enem em todo o país, vem passando por problemas em pelo menos cem cidades gaúchas em função das chuvas. Em uma coletiva o senhor já havia afirmado que o Governo Federal vinha monitorando as chuvas para evitar problemas nas provas aqui no estado. Como o ministério vem analisando essa situação, para tentar evitar que alunos sejam prejudicados no Enem em função dos transtornos aqui no Rio Grande do Sul?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha, está de parabéns, Vitória, o Rio Grande do Sul, por essa inscrição tão expressiva. Por sinal, tem um sistema educacional excelente qualidade. Nós estamos monitorando no Sul do país 169 cidades que foram atingidas por essas chuvas que se arrastam aí ao longo dos últimos dez, quinze dias. Dessas 169, 23 tem Enem. Então nós estamos olhando as escolas. Nesse momento, nós temos três escolas interditadas no Rio Grande do Sul, por chuvas. Nós já divulgamos os nomes dos municípios, hoje nós vamos mandar de novo a lista. Esses três municípios que foram interditados, as escolas já tem a escola subsequente mais próxima, onde os alunos farão a prova, já avisamos por SMS, por e-mail, por telefone, eles já estão avisados que terão que migrar para outro local. Se nós tivermos alguma, algum novo problema que a escola fique inviabilizada, nós teremos que fazer essa mudança, mas serão avisados pessoalmente além dos meios de comunicação. Então, depois do programa eu mando para você, para você por aí ao longo do dia usar a rádio Guaíba, que é muito potente no estado do Rio Grande do Sul, as cidades, o nome das escolas, quantos participantes também para vocês ajudarem nessa comunicação, que já foi feita, mas a gente sempre reforça. Em último caso, na escola que foi interditada, nós vamos deixar o transporte para os desavisados ou aqueles que se descuidaram, para eles serem transferidos a tempo, então sai saiam cedo de casa para qualquer transtorno. Em Porto Alegre hoje nós tivemos interdição de alguns trens, das estações de trens, nós estamos monitorando também, mas não acreditamos que isso se mantém até o final de semana, porque a frente fria está migrando, está em uma transição para o Sudeste. Então olhando o Sudeste, ela deve chegar um pouco mais fraca, mas podemos ter algum problema lá. Agora todo ano é assim. No Nordeste nós temos problema grave de seca, nós temos que mandar caminhão pipa para encher caixa d'água de escola porque falta água e no Sul nós temos essas chuvas extremamente elevadas, sem precedentes. Então o Brasil é grande, as mudanças climáticas estão aí, e a gente tem que monitorar também e prevenir, nós fazemos um acompanhamento em tempo real com a Defesa Civil o Cemaden e o Inmet.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Muito obrigada aí a rádio Guaíba pela participação com a gente. Vamos a Pernambuco, ministro, rádio Emissora Rural de Petrolina, em Pernambuco. A pergunta é da Cláudio Farias. Bom dia Cláudio.REPÓRTER CLAUDIO FARIAS (Rádio Emissora Rural/Petrolina - PE): Bom dia Helen, bom dia ministro Aloizio. Pra se ter uma ideia, nós estamos na região aqui de Petrolina, 330 mil habitantes, Juazeiro que é vizinho, apenas estamos unidos pela ponte, mas cerca de 280 mil habitantes, e em torno aonde tem uma população estimada em mais de 1 milhão de pessoas, porque são cerca de dez municípios aqui do lado pernambucano, mas uns dez municípios do lado baiano, num radio de 300 a 400 quilômetros. Temos aqui em Petrolina, com campus também em Juazeiro, a Universidade Federal do Vale do São Francisco, e o grande problema, a grande [...] de hoje é o Fies, com cortes na área social muitos estudantes afetados, inclusive alguns na esperança de que houvesse a reposição fizeram empréstimos para poder cumprir e, alguns estão prejudicados, há dificuldades para se fazer a matrícula e, além do mais, ou seja, endividados. Como é que o senhor analisa isso, o que é que pode ser feito? A uma previsão de que o Fies possa ter um aporte maior de recurso para que esses estudantes que estão hoje prejudicados possam, na verdade, respirar com mais tranquilidade em relação a isso, ministro?MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha Cláudio, da Emissora Rural, bom dia a todos os ouvintes. Todos os alunos que tinham contrato do Fies tiveram contrato renovado, se não foi renovado tem alguma irregularidade. Em algumas mantenedoras, elas são obrigadas a dar um reajuste na matrícula, que esse ano foi em torno de oito, alguma coisa, um pouco abaixo da inflação, mas até esse limite nós aceitamos. Se ele quiser, como fazia ano passado, dar 20, 30% de reajustes, não há hipótese de nós aceitarmos. Por que o aluno não sente esse aumento de custo, mas lá na frente ele vai pagar esse empréstimo. E é dinheiro público que nós estamos dando no financiamento subsidiado. Então, todas as mantenedoras que cumpriram as regras do novo Fies tiveram todos os contratos, com todos os estudantes renovados. Não há nenhum problema de falta de recurso para isso. Todos os contratos antigos foram refinanciados e renovados. Nos novos contratos, foram 311 mil, é mais do que fizemos esse ano, que se você olhar oito anos do governo interior anterior que tinha um Fies que não chegou a metade disso em oito anos, é mais do que todo o histórico que nós tínhamos. São 311 mil novas bolsas que estão sendo concedidas nesse ano. No Fies desse segundo semestre nós tivemos em torno... teve um primeiro semestre já, nesse segundo semestre tivemos 215 mil inscritos, já divulgamos inclusive os critérios, quais foram, como eu disse, quanto melhor a nota da faculdade mais bolsa terá agora. Então nota cinco, nota quatro, nota três, não um e dois não tem acesso ao Fies, a regra já era assim no passado [...] ao Prouni. Mas melhoramos o estímulo para que a faculdades melhore a qualidade. Invista mais em corpo docente, infraestrutura, biblioteca, laboratório para nós termos melhores cursos no Brasil. Então estão todos os contratos renovados, e o no ano que vem, 2016, terá um volume de novas bolsas que não será inferior ao número que nós temos nesse ano, que foram 311 mil novas bolsas do Fies. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Amazonas agora é o nosso destino, ministro, rádio A de Voz Da Comunidade 87,9FM, lá de Manaus, e a pergunta é de e Erleilson Brito. Bom dia.REPÓRTER ERLEILSON BRITO (Rádio A Voz das Comunidades 87,9 FM/Manaus - AM): Bom dia ministro, bom dia a todos que estão aí assistindo a NBR. Ministro, é muito interessante para a nós perguntarmos aqui de Manaus a questão da logística de como as provas do interior do estado, uma vez que a nossa logística é muito difícil aqui no estado do Amazonas, a gente gostaria de saber como que fica a chegada dessas provas no interior do estado? Uma outra pergunta também que nós gostaríamos de saber, é em relação a segurança. O senhor comentou no começo do programa que eu estou aqui atento pela TV, o senhor comentou a questão de que os Brasileiros sempre deixam para cima da hora para verificar a prova, o local, isso acaba gerando uma certa vulnerabilidade para os alunos. Eu gostaria de saber também quanto a estrutura de segurança para este dia da prova. MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha Erleilson Brito, eu queria agradecer a você, a Voz Da Comunidade, cumprimentar o nosso ouvinte de Manaus e dizer o seguinte: qual é a estrutura de logística do Enem? Nós temos o Enem em 211 mil locais, em 1.723 municípios, 211.980 salas de aula aonde nós teremos o Enem. Para nós chegarmos nessas salas de aula do Brasil inteiro, nós vamos usar principalmente transporte rodoviário, mas também barcos, aí no Amazonas, por exemplo, na Amazônia em geral nós usamos barco para chegar em alguns locais e escolas que estão no interior do estado, nós vamos percorrer 306 mil quilômetros para entregar os malotes e depois trazer de volta todos os cartões de respostas; 326 mil quilômetros. Nós temos 10.854 rotas para poder fazer a distribuição dos nossos 64.190 malotes que, como eu disse, tem um cadeado eletrônico que a gente controla exatamente a hora em que eles foram abertos. Servidores da segurança pública são 30.435 profissionais de segurança que fazem a escolta e a proteção desses malotes durante todo o processo de entrega e de retorno. E vaja que nós ainda temos 66 mil 'sabatistas' que vão começar a fazer a prova as 7h da noite, eles têm que entrar no mesmo horário de meia dia a uma na escola, eles ficam lá protegidos, descansando e depois fazem a prova, então nós vamos no interior da Amazônia buscar, quando eles terminam a prova lá pela meia-noite, já chega em anos, por causa do fuso horário a uma hora da manhã, a gente traz de volta os cartões todos e nunca houve um problema. Então, o correio envolve 23.383 profissionais para levar e trazer com toda essa proteção de segurança, temos 60 batalhões do exercício e a Polícia Federal está em todo esse processo, trabalhando em parceria com a gente para evitar qualquer tipo de tentativa de fraude. Então a segurança é muito rigorosa, além de detectores de metal para fiscalizar qualquer equipamento eletrônico, principalmente os celulares nas provas, ela é a mais rigorosa que ano nós estamos aprimorando, nós estamos aperfeiçoando e o Enem hoje é um padrão de excelência, reconhecido internacionalmente, e repito, é o segundo maior exame do planeta. A gente só perde para a China. E vejam vocês ouvintes do Enem, na China o jovem só pode fazer uma vez na vida, entrou, entrou, não entrou, nunca mais. No Brasil nós ofertamos o Enem todos os anos, tem gente que não passa a primeira vez, faz na segunda vez, e veja o que é o Enem hoje, com 7,7 milhões inscritos, nós já temos 6.414.700 milhões que confirmaram com o cartão de respostas, 1 milhão vão entrar na universidade com bolsa de estudo, com vaga gratuita. Então é um avanço que quando nós chegamos em 2002, só tinha 2,5 milhões de vagas na universidade, hoje só 1 milhão vão entrar por políticas públicas. Nós temos mais de 7,5 milhões de estudantes universitários. Então foi um grande avanço que nós estamos tendo no país, um grande esforço de política de inclusão social, e o Enem é a porta mais democrática, porque agora é mérito, não é quem é rico... E mais, quando chega na faculdade, nós damos bolsa de permanência para quem precisa, metade das vagas até o ano que vem serão de alunos da escola pública nas universidades federais, com cotas para afrodescendente, indígenas, para as pessoas de baixa renda. Então é uma política de inclusão, é uma coisa pra gente reduzir a desigualdade. A desigualdade começa no berço, é a escola que pode reduzir a desigualdade e dar as mesmas oportunidades para todos os Brasileiros.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Ministro, vamos então a Bahia, rádio Barreiras AM, lá de Barreiras, na Bahia, e a pergunta é de Lukas Villasboas. Bom dia Lukas. REPÓRTER LUKAS VILLASBOAS (Rádio Barreiras AM/Barreiras - BA): Bom dia Helen, bom dia ministro Aloizio Mercadante. Segundo os dados do Ministério da Educação, a decisão de não encaminhar o cartão de confirmação dos estudantes que estarão no Enem deste ano pelo correio, geraram uma redução de R$ 46 milhões. Além da distribuição dessas despesas, o que mais motivou essa atitude do Ministério e se esses R$ 46 milhões poderão ser investidos em outra demanda do MEC? MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Olha, obrigado Lukas, obrigada a rádio Barreiras AM, da Bahia. Nós temos que fazer o Enem cada vez mais seguro, com mais qualidade, mais... Porque é um logística muito complexa, como eu disse, é o segundo maior exame do planeta, só de participantes hoje já confirmados nós dois Uruguais, a população dá para saber o que nós estamos falando. Mas nós temos que buscar reduzir custos, fazer bem, priorizar a segurança e a qualidade, mas cada vez buscando aprimorar. Então o que nós fizemos esse ano? Nós aumentamos o número de provas nos malotes, com isso a gente reduz o custo da logística no transporte, e fizemos também que os alunos que sempre se inscreveram pela internet sem nenhuma dificuldade, essa nova geração é toda digital, ela nasce digital, a minha geração é analógica, tem mais dificuldade, e o estado era cartorial, então fazendo um estado digital, mais moderno, entra pela internet, é comunicado por SMS e por e-mail, e eles confirma, como ele fez a inscrição e ele confirma pela mesma forma que ele entrou para se inscrever, ele confirma e baixa, faz o download do ser cartão, imprime o seu cartão e vai fazer... Agora eu vou repetir o que eu falei 200 vezes, veja a complicação, a sofisticação para fazer um exame, quanto envolve de planejamento. A única coisa que a gente pede para a aluno é: deixe o cartão de identidade, com carteira já para a hora que você sair. Segundo, imprima o cartão de inscrição e ponha junto, terceiro, pegue uma caneta transparente preta e ponha junto. Cuidado porque eu já vi gente chorando na porta do Enem, quando eu era ministro da Educação, da última vez, porque tinha colocado tudo no bolso de uma calça e na hora resolveu trocar de calça e esqueceu em casa o cartão de identidade, e não pode fazer a prova. Então, deixa separado, depois que você se vestir, você coloca isso no bolso ou na bolsa, e vai fazer a prova. Percorra o caminho com antecedência, e atenção, são quatro fusos horários no Brasil hoje, por exemplo, no Acre é 10 horas da manhã quando em Brasília são 12 horas. O horário é de Brasília. Brasília, Distrito Federal, é esse o horário que fecha os portões, abre ao meia dia e fecha a uma. A coisa mais dolorida pra gente trabalha tanto quer ver as pessoas se realizarem, é ver a pessoa que estudou o ano inteiro chorando porque não conseguiu entrar que o portão está fechado. E não adianta chorar para o guarda ali, que ele não vai abrir, porque é regra e vale para todos os alunos. Então tem que chegar antes, fuso horário, cartão de identidade com fotografia, cartão de inscrição impresso do lado e uma caneta preta transparente. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Dica do ministro para quem quer passar no Enem. MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: E vai passar. Quem ouviu e fizer, tenho certeza, estou torcendo por você, você vai entrar. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Ministro, infelizmente o nosso tempo acabou, muito obrigada pela participação e obrigada pelas dúvidas aí nesse grande país que cada região tem a sua especificidade, é importante que a gente coloque cada um ao seu tempo. Muito obrigada pela participação. MINISTRO ALOIZIO MERCADANTE: Obrigado a vocês todos da EBC que faz esse excelente trabalho jornalístico de prestação de serviço, desejar um excelente Enem para vocês, eu acho que o Brasil tem muito orgulho desses profissionais que vão se formar, que vão ajudar a construir o Brasil, nós estamos fazendo o melhor possível, qualquer dificuldade a gente informa vocês e não esqueçam, carteira de identidade com fotografia, imprima o cartão de inscrição, deixe junto, uma caneta transparente preta e saia cedo de casa, não fique faz fazendo hora que não precisa, para chegar com tranquilidade, ficar lá batente um papo, rever alguma coisa, meio dia você entra, uma hora você faz e quando terminar quem sabe você está lá rapando a careca ou pintando a cara, entrando na universidade e fazendo a alegria da sua família e pra você é um passo extraordinário. Boa sorte, bom Enem, e parabéns aí a toda a equipe. Eu quero agradecer o Inep e a todos que trabalham com a gente na realização desse exame tão bem feito e tão competente que é o Enem para o Brasil. Muito obrigado.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: O ministro falou aí do cartão de confirmação, entra no site do MEC ou Inep; mec.gov.br, ou inep.gov.br para você saber mais informações e onde está esse cartão de confirmação. Está bom? O áudio e a transcrição dessa entrevista, você pode acompanhar logo mais no nosso site em ww.ebcservicos.com.br. A gente agradece mais uma vez a presença do ministro aqui e a sua participação com a gente, até o próximo programa.