23/06/2015 -NNo Bom Dia Ministro, Patrus Ananias falou sobre investimentos no Plano Safra da Agricultura Familiar 2015-2016

O Bom Dia Ministro, que foi ao ar nesta terça-feira (23), recebeu o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias. O Ministro falou sobre a disponibilização de R$ 28,9 bilhões em crédito para operações de custeio e investimento no ano safra 2015-2016 da agricultura familiar

audio/mpeg 23-06-15-bom-dia-ministro-patrus-ananias-mda.mp3 — 28612 KB




Transcrição

APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Bola você em todo o Brasil eu sou Luciano Seixas e começa maior mais uma edição do programa Bom dia Ministro o programa é uma realização da Secretaria de comunicação social da Presidência da República e hoje recebendo o Ministro do desenvolvimento agrário, Patrus Ananias, bom dia Ministro seja bem?vindo.MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia Luciano e telespectadores e ouvintes. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Prazer é nosso, hoje o ministro Patrus Ananias vai falar sobre a disponibilização de R$ 28 bilhões e 90 milhões em créditos para operações de custeio e investimento no ano safra 2015/2016 da agricultora familiar, o Ministro começa agora a conversar com âncoras de emissores de rádio de todo país e a primeira participação vem de Belo Horizonte da rádio América, fala Kátia Gontijo. Bom dia Kátia. REPÓRTER KÁTIA GONTIJO (Rádio América/Belo Horizonte - MG): Bom dia Luciano, bom dia Dr. Patrus Ananias, nosso querido professores da PUC Minas, é um prazer estar participando mais uma vez desse programa de repercussão nacional e internacional, bem Ministro, representantes de entidades de trabalhadores rurais que estivera no lançamento do plano safra da agricultura familiar elogiaram o plano, mas cobraram mudanças para facilitar o acesso do crédito, o que o governo vai fazer para entender essa reivindicação? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia Katia, é um grande prazer falar com os ouvintes da nossa querida rádio América, dos meus queridos conterrâneos de Minas Gerais, a todos um abraço muito afetuoso, primeiro Kátia eu penso que nós devemos ver o caminho que já percorreremos, as conquistas que nós tivemos, 2002/2003 os recursos do PRONAF, do Programa Nacional De Fortalecimento Agricultura Familiar, estavam na casa de dois bilhões de reais, 2015 e 2016 nós estamos com R$ 28,9 bilhões. Então é um avanço notável, por outro lado nós temos sim desafios que estamos enfrentando, nós queremos, por exemplo, tornar o crédito mais fácil, mais acessível, nós sabemos que existem dificuldades, por exemplo, para as mulheres, nós queremos efetivamente garantir a igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres no crédito familiar. Queremos também abrir espaços para a juventude, os jovens muitas vezes não tem condições de acessar o crédito, porque não têm, muitas vezes, independência econômica moram com os pais, sabemos também que muitos agricultores familiares são posseiros, não têm o título de propriedade e também dificulta o acesso ao crédito, mas nós estamos trabalhando dentro do Ministério do Desenvolvimento Agrário, estamos trabalhando com os bancos que financiam, que repassamos os recursos, especialmente o Banco do Brasil, mas também o Banco do Nordeste, o Banco da Amazônia, no sentido de aperfeiçoarmos esses mecanismos e garantirmos cada vez mais que esse crédito que é muito importante chegue a todas as agricultoras e agricultores familiares. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Esse é o Programa Bom dia Ministro, hoje com o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, que conversa com âncoras de emissoras de rádio de todo o país, temos a participação da rádio Banda B de Curitiba, com Denise Mello. Bom dia Denise, qual a sua pergunta?REPÓRTER DENISE MELLO (Rádio Banda B/Curitiba - PR): Bom dia Ministro, Ministro, com relação ao plano safra foi anunciado entre vários itens, a liberação de crédito, aliás, da compra, a preferência de compra para aumentar produção de alimento por órgãos públicos, eu gostaria que o senhor explicasse de que forma que isso vai acontecer e vai beneficiar a agricultura familiar?MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia Denise, bom dia ouvintes da rádio Banda B de Curitiba, o meu abraço fraterno para todos os paranaenses queridos, a rigor, Denise, já existe nós temos o Programa Nacional Da Merenda Escolar que garante que 30% da merenda escolar seja adquirida de agricultores familiares, nós estamos agora trabalhando para ampliar esse espaço, o Estado Brasileiro, isso pode também ser assumido pelos governos estaduais, pelos governos municipais, mas no âmbito federal nós temos as forças armadas, temos presídios, hospitais públicos e o nosso desejo é que cada vez mais esses espaços públicos, essas instituições, esses órgãos, comprem também, deem preferência as agricultura familiar, para que eles possam vender os seus produtos, e ter uma vida melhor e uma vida mais digna, nós vamos intensificar uma experiência que já existe e que é muito positiva que é a compra da merenda escolar.APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: No programa Bom dia Ministro contamos agora com a participação da rádio O Povo, CBN, lá do Ceará, de Fortaleza fala Rui Lima, bom dia Rui.REPÓRTER RUI LIMA (Rádio O Povo/CBN/Fortaleza - CE): Bom dia Luciano, bom dia ministro, ministro, o governo tá anunciando mais dinheiro, mas também sobem os juros, a Confederação Nacional dos Brasileiros na Agricultura, a Contag, já reclamou dessa subida de 3 percentuais nos juros, e disse que o agricultor vai ter muita dificuldade em tomar dinheiro para planar, ministro, como o senhor responde essas críticas? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Não foi o que nós ouvimos ontem não, Rui, primeiro meu abraço afetuoso pra você e pra todos os ouvintes aí da nossa querida Fortaleza, do nosso estado do Ceará, mas no evento ontem com a presença da Presidente Dilma Rousseff, um evento bonito, celebrativo, no Palácio do Planalto, estavam presentes o Presidente da Contag, dirigentes da Fetraf, representante da Via Campesina, o movimento dos camponeses, dos pequenos produtores, então, os juros vão ficar entre 0,5 e 5%, muito abaixo da inflação, né? Então a receptividade das entidades, dos movimentos sociais ligados ao desenvolvimento da agricultura familiar, e a reforma agrária foi uma receptividade muito positiva, porque considerando o momento que nós estamos vivendo, momento em que estão sendo feitos os ajustes necessários a economia do Brasil, nós colocarmos R$ 28,9 bilhões na agricultura familiar, com juros que variam de 0,5 a 5%, é importante lembrar que essa escalada, essa escadinha, como disse a Presidente Dilma, essa escadinha, ela acompanha também a condição econômica dos agricultores familiares, quanto maiores as dificuldades, menores os juros, tanto assim que para o semiárido nordestino nós temos também um tratamento especial, os juros sobem um pouco na parte de 7%, 7,5%, apenas para os 2,9 bilhões que estão também destinados a uma parcela da agricultura familiar, e tem uma condição melhor, a agricultura familiar no Brasil é muito diferenciada, Rui, nós temos, por exemplo, espaços da agricultura familiar muito desenvolvidas, com cooperativas, com Agroindústria, com, setores muito, incorporam tecnologias de ponta, que trabalham também muito a questão da agroecologia, e temos agricultoras e agricultores familiares que lutam com maiores dificuldades, especialmente em algumas regiões do país como no semiárido nordestino, na região de onde eu venho, o Norte de Minas, o Vale do Jequitinhonha, que tem inclusive características climáticas, geográficas, muito parecidas com o semiárido do Nordeste, na Amazônia, por conta da distância, dificuldade de acesso a mercados e nós procuramos trabalhar com muito carinho, com muita atenção essas diferenças, considero que o plano que nós lançamos ontem foi um grande avanço e nós vamos continuar aperfeiçoando e avançando no sentido de consolidarmos a agricultura familiar no Brasil, e estabelecermos efetivamente no país o princípio da função social da terra. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Mais alguma pergunta Rui Lima? REPÓRTER RUI LIMA (Rádio O Povo/CBN/Fortaleza - CE): Reforma Agrária ministro, no fim da semana passada, ministro, o MST ocupou pela segunda vez uma fazenda do senador Eunício Oliveira em Goiás, e o MST disse que a governo não cumpriu a parte dele de iniciar o processo de desapropriação da fazenda para fins de reforma agrária, o senhor tem notícia sobre a situação da fazenda do senador Eunício, ministro? Se ela é produtiva ou não? Se ela será desapropriada ou não? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Essa é uma questão que não vai ser resolvida pelo Ministério de Desenvolvimento Agrário, é uma questão mais do campo, cabe aos órgãos competentes decidirem se a propriedade é ou não produtiva, eu tenho uma avaliação diferente, nós fizemos um acerto com o movimento, pelo qual tenho o maior respeito, um canal de diálogo, esse acordo está sendo cumprido, foi feito há dois mês atrás, nós sabemos que é um prazo muito pequeno pra fazer desapropriação, mas o que nós acertamos, nós estamos cumprindo, eu prefiro falar, Rui, num sentido mais amplo, ontem a presidenta Dilma nos delegou uma tarefa que eu acolhei com a maior alegria e com o maior prazer, tanto eu, como a nossa equipe do Ministério do Desenvolvimento Agrário, a Presidente do INCRA, a nossa companheira Maria Luiza Falcon, a presidenta determinou que num prazo curto, trinta dias, nós apresentemos pra ela o nosso plano de reforma agrária, nós estamos trabalhando nesse plano, o nosso desejo e a nossa determinação é que até o final do governo da presidente Dilma, até 2018 nós tenhamos assentado em condições dignas, todas as pessoas, todas as famílias que hoje estão acampadas no Brasil, e queremos também transformar, cada vez mais, os espaços da agricultura familiar, os assentamentos em espaços produtivos, produção de alimento saudável que efetivamente promovam a saúde e a vida das pessoas, vinculadas a agroecologia, e que estejam também espaços de vida, nesse sentido nós estamos buscando ações integradas com outros ministérios, com outras áreas, a educação, a cultura, a inclusão digital a infraestrutura, o acesso aos mercados, para que nós tenhamos reforma agrária e agricultura familiar que efetivamente produzam e garantam condições dignas e humanas de vida para todas essas famílias, vinculadas a agricultura familiar. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Você está ouvindo o programa Bom dia Ministro, uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, ministro, o senhor fez referência aos juros aí e começando em 0,5%, como a própria presidente Dilma também gosta de dizer, em muitos casos esses juros são negativos, não é verdade? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Basicamente todos os juros da agricultura familiar, do PRONAF, do Programa Nacional Da Fortalecimento Da Agricultura Familiar, são negativos, estão abaixo da inflação, de 0,5 a 5%, esses são os juros vinculados a 26 bilhões do PRONAF e dois bilhões e 900 milhões estão vinculados a um juros um pouco mais alto que é o da agricultura, digamos, dos médios produtores, em torno de 7%, considerando que essa faixa também, são de agricultores familiares, mais desenvolvidos como eu disse aqui e reitero, vinculados já com uma produção agroindustrial, com condições melhores de vida e de trabalho. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Ministro, agora temos a participação da rádio Santa Catarina, de Tubarão, de lá fala Guilherme Neto, bom dia Guilherme. REPÓRTER GUILHERME NETO (Rádio Santa Catarina/Tubarão - SC): Bom dia a você, bom dia também ao ministro, ministro, Santa Catarina é um dos Estados, um dos maiores produtores, tanto na questão da avicultura, quanto também na questão da suinocultura, e também é um grande produtor de leite, de que forma esses 28,9 bilhões poderão melhorar os custos dos agricultores e dos produtores aqui do estado da Santa Catarina, que tem tantos custo principalmente em se falando a questão de grãos, como é que esse dinheiro do governo vai também contribuir para esses nossos agricultores que pagam tão caro, principalmente na questão dos grãos?MINISTRO PATRUS ANANIAS: Primeiro um grande abraço, Guilherme, minha fraterna saudação a toda população, ouvintes de Santa Catarina, onde estive recentemente, visitando experiências muito exitosas da agricultura familiar, onde nós temos muito forte o cooperativismo, a agroecologia, a agroindústria, nós pretendemos, Guilherme, trabalhar também numa perspectiva ampla, de um lado os recursos financeiros que são fundamentais, e também a questão dos juros negativos, abaixo da inflação, mas outros anúncios foram feitos ontem pela presidente Dilma que são muito importantes, nós estamos avançando, por exemplo, na perspectiva de consolidarmos a Anater, Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, que visa exatamente garantir um apoio técnico, de acompanhamento das agricultoras e dos agricultores familiares, nós estamos desenvolvendo também um programa vigoroso de apoio as cooperativas, nós consideramos que o cooperativismo que é tão praticado em Santa Catarina, em vários Estados do Brasil, especialmente na região do Sudeste, o cooperativismo é fundamental, porque agrega valor, cria-se energias, potencializa as iniciativas, além da dimensão econômica do cooperativismo, ele tem também uma dimensão, digamos, social, porque estimula a solidariedade, a cooperação, ajuda na superação do individualismo, então nós vamos trabalhar muito, nós estamos com projeto, um programa de apoio a mil cooperativas, nós pretendemos, também, estimular, muito a questão de agregar valor da maneira que os agricultores familiares possam maximizar as suas atividades, a questão da agroindústria, então é um conjunto de ações que nós pretendemos cada vez mais desenvolver, buscando inclusive também, como eu disse, ações integradas, parcerias, com outros ministérios, a questão da educação, por exemplo, é fundamental para nós a qualificação técnica, né? A questão da cultura, a questão do lazer, um grande desafio que nós temos é manter a juventude no campo e para isso, nós precisamos de políticas públicas que torne efetivamente a vida no campo mais acolhedora e mais agradável. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Guilherme Neto, da rádio Santa Catarina, alguma outra pergunta?REPÓRTER GUILHERME NETO (Rádio Santa Catarina/Tubarão - SC): Bom, queremos perguntar também com relação a produção de orgânicos. Santa Catarina, também, principalmente a nossa região Sul, é uma região que se destaca no Brasil todo e a televisão já mostrou isso com relação a produção de orgânico, quanto desse dinheiro destinado pelo Governo Federal também, vai ser levado para essa produção que vem crescendo a cada dia? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Você lembrou muito bem, Guilherme, ontem também nós lançamos no Plano Safra, um programa de apoio as sementes mudas nativas, que nós chamamos de crioulas, nós queremos desenvolver uma agroecologia, ou seja, uma agricultura saudável, nós queremos produzir alimentos, mas alimentos que promovam efetivamente saúde e a vida das pessoas, e aí nós temos um grande desafio que é fazer com que a agroecologia seja também forte, que ela produza efetivamente e garanta as agricultoras e agricultores e os familiares uma vida digna, e que seja uma produção também para o mercado, eu não tenho auqi comigo nesse momento exatamente os valores destinados a agroecologia, a essa produção de mudas e sementes, mas é um ponto fundamental, é um ponto prioritário e estratégico dentro do nosso projeto e das nossas ações. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: A EBC Serviços disponibiliza o sinal desta entrevista para todas as emissoras de rádio do país via satélite no mesmo canal de a Voz do Brasil. O áudio da entrevista também é disponibilizado ainda hoje na página da EBC Serviços na internet, em www.servicos.ebc.com.br. Esse é o programo Bom dia, Ministro recebendo o ministro Patrus Ananias. Ministro, também no Plano Safra existe e a questão do seguro, né? Eu gostaria que o senhor explicasse como é que vai ser a bonificação oferecida pelo seguro da agricultura familiar. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Esse foi um outro ponto onde nós avançamos muito. O seguro saltou de 7 bilhões para 20 bilhões de recursos, aliás desculpem, saltou de 7 milhões para 20 milhões, o valor do seguro para os agricultores, nós pagaremos até 80% das perdas e o valor do seguro será o montante construído com apenas 3% do valor do empréstimo para aqueles agricultores que quiserem fazer o seu seguro. Nós consideramos importante a questão da seguro na agricultura, porque todos nós que temos a origem rural, como é a meu caso, a gente conhece a vida na roça, a vida no campo, sabe que a atividade agrícola implica risco, relacionados com o tempo, às vezes chove demais e às vezes chove de menos, a questão da seca, então nós demos uma atenção muito especial a essa questão do seguro para que os agricultores familiares fiquem efetivamente protegidos. Eu quero insistir no aumento do valor, foi de 7 milhões para 20 milhões o valor da garantia do seguro nesses casos. Eu estou recebendo aqui uma orientação, desculpem, vou? Eu quero me desculpar com os ouvintes, com os telespectadores, na verdade o valor pago a agricultor familiar, com relação aos seguros, saltou de R$ 7.000,00 para R$ 20.000.00. Eu falei milhões, mas não é o caso. É o benefício pago à cada em aso do sinistro, antes o máximo era sete mil a partir de ontem o máximo passa a ser R$ 20.000,00 para cada agricultor que eventualmente enfrente problemas na sua produção por conta da seca ou do excesso de chuvas ou outros problemas climáticos relacionados com a natureza. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: E agora, ministro, vamos a Santa Maria do Rio Grande do Sul, e de lá Marion Bitencourt da rádio Guarathan. Alô Marion, bom dia. REPÓRTER MARION BITENCOURT (Rádio Guarathan AM/Santa Maria - RS): Bom dia Luciano Seixas, bom dia ministro Patrus Ananias, satisfação, o senhor vai falar para a região central do estado do Rio Grande do Sul, cerca de 34 municípios. O número do Plano Safra que está sendo anunciado por vocês, pelo Governo Federal, o Plano Safra da agricultura familiar que teve mais recursos esse ano, o plano ainda prevê, ministro, que órgãos federais comprem alimentos da agricultura familiar, quais seriam esses órgãos e, por favor, também, fale um pouquinho sobre o seguro safra, também que foi ampliado, aumentado, ministro. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Bom dia Marion, nosso abraço fraterno para todos os ouvintes da região central do nosso querido estado do Rio Grande do Sul. Bom, são duas perguntas muito oportunas que você faz, Marion. Com relação a compra pública, o Estado Brasileiro comprar diretamente dos agricultores familiares, nós já temos uma experiência positiva, que é a merenda escolar. A legislação obriga que pelo menos 30% da merenda escolar, seja adquirida de agricultores, agricultoras, familiares. Nós vamos agora, com muita determinação, ampliar esse espaço levando a compra pública para outras esferas. Nós estamos conversando, por exemplo, com o Ministério da Defesa, para que as força armadas do Brasil também entrarem nesse processo, temos o espaço também de compra de alimentos para os presídios, para hospitais, queremos também envolver os governos estaduais, os governos municipais nesse processo, os próprios ministérios aqui em Brasília, comprarem também, como nós estamos fazendo agora no Ministério do Desenvolvimento Agrário já usando o café comprado da agricultura familiar. Então esse é o nosso programa de compras públicas, que visa garantir as agricultoras/agricultores familiares um mercado, facilitar a sua vida, que eles tenham a segurança que o Estado Brasileiro em todos os níveis, governo federal, estaduais, municipais, adquiram, comprem os seus alimentos. O segundo ponto é a questão do seguro, que você menciona também que é muito importe. Nós avançamos no seguro no valor de sete mil para a R$ 20.000,00, em termos de seguro para os agricultores familiares que eventualmente enfrentem situações aflitivas na sua produção em decorrência de questões climáticas, da seca ou o excesso de chuva, isso foi um avanço notável e nós com isso estamos garantindo que o agricultor familiar possa receber até 80% do valor do seu benefício, em caso de algum sinistro. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Este é o programa Bom dia, Ministro, hoje recebendo o ministro Patrus Ananias, o sinal da entrevista está liberado para todas as emissoras de rádio do pais, a TV NBR, a TV do Governo Federal, está transmitindo ao vivo essa entrevista e reapresenta a gravação em horários alternativos na sua programação. Ministro nós temos aqui uma pergunta sobre a questão dos juros, mais uma vez que preocupam muito. Essa questão dos juros serem negativos acaba sendo positiva para o agricultor no campo. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Sem dúvida. Nós trabalhamos a conjunção desse jogo num processo de negociação com a área econômica do governo, o Ministério da Fazenda, o Ministério do Planejamento, foi uma construção também com a participação afetiva das entidades, dos movimentos ligados a agricultura familiar e o importante é que os juros nas condições em que foram postos, abaixo da inflação, portanto juros negativos, tiveram plena aceitação, a plena adesão das entidades dos movimentos que trabalham no campo da agricultura familiar e da reforma agrária do Brasil. Como eu disse, eu quero reiterar basicamente são juros de 0,5 a 5%, e há também aí uma dimensão de justiça, nós trabalhamos também com a renda, quanto menor a renda do agricultor familiar, tanto menor os juros e temos também juros especiais para a região do semiárido do Nordeste brasileiro. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: A gente sabe que agregar valor é importante também na agricultura familiar, e nesse contexto a implantação da agroindústria familiar é fundamental, não, ministro?MINISTRO PATRUS ANANIAS: É claro, nós trabalhamos com duas dimensões fundamentais, sabe, Luciano? Primeiro a questão do cooperativismo, nós queremos estipular no Brasil, na agricultura familiar o associativismo, o cooperativismo para que possamos cada vez mais maximizar os recursos, criar sinergias, nós sabemos que um agricultor ou uma agricultora, é preciso lembrar sempre das mulheres, né? Lutando sozinho as dificuldades são muito grandes, a questão do desenvolvimento tecnológico, a questão do acesso aos mercados e a união faz a forças. Então nós queremos estimular cada vez mais que os agricultores, agriculturas familiares se unam em associações, em cooperativas para o seu melhor desenvolvimento e melhor rentabilidade. O segundo ponto, é esse que você menciona, é fundamental nós agregarmos valor. Aí a questão da agroindústria, que os agricultores familiares possam ter condições de vender agregando valor nos seus produtos. Outro aspecto importante também ligado a agroindústria, é a questão da comercialização. Então nós pretendemos cada vez mais facilitar através de estradas, ações integradas com os municípios, estradas vicinais, o acesso aos mercados, e queremos também estimular a agroecologia, esse é um tema que a Presidenta Dilma trabalha com muita perspicácia ao meu ver, porque ela chama a atenção de um lado para importância da agroecologia do ponto de vista da saúde das pessoas, da vida humana, assim, nós queremos alimentos que promovam a saúde, a vida, e por outro lado também, a agroecologia é rentável, porque os produtos que estão isentos de agrotóxicos, ou do ouso abusivo da sementes transgênicas e etc., tem um valor muito forte hoje no mercado e pode ser um instrumento também de independência econômica dos agricultores e agricultoras familiares. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: E como é que o governo pode impulsionar essa questão da produção agrícola orgânica? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Em vários níveis, primeiro a implantação, como nós falamos aqui, da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, a Anater, para dar efetivamente apoio técnico às agricultoras e agricultores familiares. O outro espaço importante, é a parceria participação das universidades, especialmente das universidades rurais, nós temos no Brasil, universidades muito qualificadas, no campo da pesquisa, órgãos públicos também, nós temos a Embrapa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, ligada ao Ministério de Agricultura, mas que tem também uma interface conosco, nós temos a Conab, a Companhia Nacional de Abastecimentos, então são vários órgãos públicos, universidades também, órgãos, privados, e nós pretendemos estabelecer uma cadeia de ações integradas para promover esse desenvolvimento nesse setor que é fundamental para a expansão e a consolidação da agricultura familiar no Brasil. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Nós sabemos que já existe uma determinação de que os produtos da agricultura familiar tendem a abastecer a merenda escolar em 30%, no mínimo, não é isso? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Isso. Exatamente. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: E que existe um plano para aumentar isso para que parte da Administração Pública Federal utilize também esses alimentos, né? Já há previsão de compras nessa modalidade, ministro? MINISTRO PATRUS ANANIAS: Sim, como eu disse aqui, já estamos começando. O próprio do Ministério do Desenvolvimento Agrário já está dando o seu exemplo, nós pretendemos ampliar com a compra do café, o cafezinho do Ministério do Desenvolvimento Agrário é oriundo da agricultura familiar. O ministro Jaques Wagner, nosso companheiro, ministro da Defesa, já determinou também uma compra significativa na sua área, no seu Ministério, vinculado a agricultura familiar, nós pretendemos continuar esse trabalho, sensibilizando outros ministérios, conversando também com os governos estaduais, com os governos municipais, universidades, porque são muitos órgãos que podem comprar e assim fortalecer a agricultura familiar. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Bom, para finalizar, ministro, então esse Plano de Investimento Safra 2016, é uma valorização real dos agricultores familiares no Brasil. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Em vários níveis, Luciano, tanto que a nossa conversa foi se desdobrando, mas vários aspectos acabaram não sendo aqui tratados por conta do tempo. Eu quero fazer referência, por exemplo, a um programa também vinculado a agricultura familiar anunciando ontem, que é o Minha Casa, Minha Vida Rural, nós pretendemos também melhorar efetivamente as condições de moradia das famílias de agricultores rurais. Um outro que é questão fundamental para nós, é a integração dos territórios. Nós temos um dado muito importante, quase quatro mil municípios do Brasil, de um total de 5.560, mais de 3.900 municípios do Brasil tem menos de 20 mil habitantes, então nós pretendemos muito também trabalhar o desenvolvimento das comunidades rurais, das comunidades ligadas a agricultura familiar, trabalhando a questão do território, integrando também com esses municípios. De um lado são espaços para que as agricultoras e agricultores familiares possam vender os seus produtos, acesso aos mercados e, de outro lado, esses municípios também podem ser espaços onde os serviços públicos se coloquem, educação, cultura e etc., atingindo as agricultores e agricultores familiares, as comunidades rurais no entorno. Nós não podemos levar uma universidade, um hospital para cada comunidade rural, então nós poderemos trabalhar muito com essas comunidades, com essas pequenas cidades em torno das quais estão as comunidades rurais, as agricultoras e agricultores familiares. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, muito obrigado por sua participação aqui nesse programa Bom dia, Ministro. MINISTRO PATRUS ANANIAS: Eu agradeço também de coração e deixo um abraço muito afetuoso para os nossos ouvintes e telespectadores. APRESENTADOR LUCIANO SEIXAS: Nós estamos encerrando nesse momento mais uma edição do programa Bom dia, Ministro, uma realização da Secretaria de Comunicação Social a Presidência da República. Eu sou Luciano Seixas, nós voltamos numa próxima oportunidade. Muito obrigado, até lá.