30/07/2015 - No Bom Dia Ministro, Guilherme Afif Domingos detalhou ações do Pronatec Aprendiz

O Bom Dia, Ministro dessa quinta-feira (30) recebeu o ministro-chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, Guilherme Afif Domingos, para detalhar ações do Programa Pronatec Aprendiz na Micro e Pequena Empresa. Nesta primeira etapa, o programa vai disponibilizar 15 mil vagas, em 81 municípios, selecionados de acordo com a classificação no Mapa da Violência. A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República e transmitida ao vivo, das 8h às 8h30, pela TV NBR e via satélite de rádio para todo o país.

audio/mpeg 30-07-15-bom-dia-ministro-guilherme-afif-domingos-pequena-empresa.mp3 — 28001 KB




Transcrição

APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Olá, muito bom dia para você. Jovens com mais oportunidade para o mercado de trabalho. E quem vai dar esse empurrãozinho são micro e pequenas empresa responsáveis pela maioria dos empregos no Brasil. Elas vão receber incentivos para contratar os jovens aprendizes que também serão qualificados pelo Pronatec. Quem vai detalhar as ações do Pronatec Aprendiz para as micro e pequenas empresas é o ministro chefe da secretaria da Micro e Pequena Empresa que está aqui conosco Guilherme Afif Domingo. Seja bem-vindo, ministro.MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Bom dia Helen. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Olha então para vocês... Para a gente começar nosso programa, para você já poder participar junto com a gente. Você que está em casa também pode enviar sua pergunta, sua dúvida pelo nosso Facebook. Pelo Facebook.com/tvnbr, ou pelo nosso Twitter: Twitter.Com/TVNBR o ministro chefe da secretaria das micro e pequenas empresas também conversa com emissoras de rádio de todo o país e nós vamos começar com a primeira rádio lá de São Paulo, ministro. Rádio Capital AM de São Paulo capital e a pergunta é do Cid Barbosa, bom dia Cid.REPÓRTER CID BARBOZA (Rádio Capital AM/São Paulo - SP): Bom dia Helen, bom dia ministro Afif. Estão sendo anunciadas 15 mil vagas Pronatec em 81 cidades do Brasil de acordo com a classificação do mapa da violência e São Paulo está nessa lista de 81 municípios e quantas vagas vão ser disponibilizadas se São Paulo estiver fazendo parte?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Bom dia. Nós, para São Paulo, há previsão inicial do estado de 2.460 vagas e para o município de São Paulo 1.538 vagas. Portanto, para nós começarmos, muita gente pergunta, fala: Mas não é pouca, pouca vaga? Eu falo: Olha, primeiro esse é um programa que você não é simplesmente botar um curso, você tem que ter vaga na apenas empresa. Ou seja, a empresa precisa contratar esse aprendiz e nós acompanhamos com o curso. Então porque o programa do aprendizado para empregar um jovem de 14 anos né, porque a lei proíbe todo e qualquer trabalho a menores de dezesseis anos. Com exceção do aprendiz a partir dos 14. Então esse aprendiz ele tem que ser acompanhado dentro do seu estágio. Por isso nós iniciamos com as 15 mil vagas em todo o Brasil para criar liga no sistema, fazer o sistema funcionar porque você tem que procurar vaga no Cras, Centro de Referência e Assistência Social. A empresa tem que escrever a vaga então nós temos que fazer um trabalho nos promotores meses começando a partir do dia 15 de agosto, um trabalho exatamente de ligar as pontas para criar uma rede de assistência ao jovem aprendiz.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Cid Barbosa, você tem outra pergunta?REPÓRTER CID BARBOZA (Rádio Capital AM/São Paulo - SP): E o senhor acha que a partir de quando o programa estará efetivamente implantado nessa fase inicial?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: A nossa previsão é no dia 15 de agosto, porque todas as vagas levantadas pelo Ministério da Educação, dentro do Pronatec, dentro das escolas técnicas, já foram feitas. E agora nós estamos comunicando aos CRAS de cada cidade eleita. Que é esse Centro de Referência em Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social. Então a partir daí, estando disponível, nós temos que fazer um grande esforço de divulgação. Né? Daí a importância dos meios de comunicação. Das nossas rádios, e agradeço aí o prestígio da Rádio Capital nos ajudando nessa empreitada porque, hoje, o caminho para o combate à violência não é o problema da redução da maioridade penal. A maioridade penal vai colocar jovem na cadeia. Nós temos que evitar que ele chegue a ser infrator e isso através de uma oportunidade.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Obrigado Cid Barbosa da rádio Capital AM pela sua pergunta e participação, vamos agora à Minas Gerais. Rádio Itatiaia FM de Juiz de Fora e a pergunta é de Souza. Bom dia. REPÓRTER DÉSIA SOUZA (Rádio Itatiaia FM/Juiz De Fora - MG): Bom dia Helen, Bom dia Ministro. Eu gostaria de fazer duas perguntas. Primeiro gostaria que o senhor destacasse a importância do programa para esses adolescentes e depois se há alguma mudança em relação ao Pronatec convencional, se esse novo programa em que ponto é diferente do Pronatec convencional?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Perfeitamente. Um prazer falar para a rádio Itatiaia em Juiz de Fora eu queria primeiro colocar a importância do programa da Lei 10097 que é a lei da convivência e aprendizado no trabalho. Essa lei é desde 2001. E ela foi implementada como obrigatória para as empresas de grande e médio porte, de ter entre 5 e 15% dos seus trabalhadores aprendizes e isso tem funcionado até porque esse aprendiz tem que ser acompanhado por uma entidade certificadora, porque não é trabalhador comum. Tem que ser assistido então vai trabalhar de quatro a seis horas por dia vai receber um salário mínimo hora e a empresa tem que arcar além dos custos do salário, arcar com a certificadora que campanha durante dois anos esse estágio. No caso da micro e pequena empresa ela não é obrigada, mas estamos convocando a micro e pequena empresa para essa grande batalha porque uma microempresa é uma macro família é o ambiente ideal para que esse jovem possa trabalhar possa se desenvolver, possa conviver, possa encontrar paradigmas. Então, esse trabalho que nós estamos fazendo na micro e pequena empresa, ela não teria condições de arcar, além do salário, com o custo da certificação. Aí entra o governo e o Pronatec diferente. Não é Pronatec de um curso de três meses. É um curso de 400 horas dividido por dois anos que é o tempo deste aprendiz ter um contrato de trabalho de aprendiz até atingir a idade da maioridade. A idade dos dezesseis anos. Então, o Pronatec ele vai dar aula vez por semana. Portanto, ele está trabalhando cinco dias da semana, entre quatro e seis horas, porque não pode largar a escola. É obrigatório ele estar na escola do ensino regular e aí um dia da semana não vai trabalhar e vai para o curso do Pronatec que se estende por esses dois anos, é programa bastante interessante e para a empresa que contrata é interessante. Porque ela vai pagar um salário mínimo hora e segundo tem o ponto fundamental, ele recolhe 2% de fundo garantia não tem verbas rescisórias, portanto, os custos são menores e com isso esse jovem já pode contar o tempo de aposentadoria quando ele começar o seu estágio como aprendiz. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Désia Souza da rádio Itatiaia você tem outra pergunta?REPÓRTER DÉSIA SOUZA (Rádio Itatiaia FM/Juiz De Fora - MG): Não somente muito obrigada pelas informações. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Obrigada então pela participação da Désia Souza da rádio Itatiaia de Juiz de Fora de Minas Gerais. Ministro, nós recebemos vídeos no Twitter, nosso internauta Amaral aqui de Brasília no Distrito Federal, ele que vai fazer a pergunta agora, vamos acompanhar. SR. AMARAL: Olá ministro, eu sou Amaral, sou empreendedor no ramo de gráfica e gostaria de saber qual o procedimento para se contratar o menor aprendiz pelo programa Pronatec?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Perfeito. É um prazer e gostaria de informar que você querendo oferecer a vaga, você procura o CRAS, o Centro de Referência de Assistência Social, do Ministério do Desenvolvimento Social, e inscreva lá a sua vaga. Até porque o CRAS vai receber também a inscrição de jovens que queiram participar do programa. E aí se faz a seleção, se faz o encontro, você pode contratar e assinar o convênio com a instituição gestora do Pronatec que o próprio CRAS vai orientar, porque ele já sabe qual é a instituição que vai acompanhar e aí então liga essas três pontas. O contratante no caso, você como empresário, o contratado que é o aprendiz e a instituição que vai dar a assistência ao estágio.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Muito obrigada então pela participação aqui com a gente, vamos então à Santa Catarina, ministro. Agora rádio Cultura AM que vai falar conosco. Em Florianópolis, Santa Catarina. E a pergunta é de José Paganini. Bom dia.REPÓRTER JOSÉ PAGANINI (Cultura AM 1110/Florianópolis - SC): Bom dia, Bom dia, Ministro Guilherme Afif, bom dia a todos que nos acompanham. Ministro, sabe?se que o ensino público no Brasil está evoluindo cada vez mais. O programa Pronatec Aprendiz na micro e pequena empresa vai disponibilizar diversas oportunidades para os jovens participantes ingressarem no mercado de trabalho. Mas mesmo com a evolução do ensino público ouvimos de muitos jovens, reclamações sobre a dificuldade de ter seu primeiro emprego, de ingressarem no mercado de trabalho, porque muitos dos empresários procuram jovens que estudaram em escolas privadas ao invés de ensino público acreditando talvez que o ensino privado é melhor e os torna mais capacitados. Quais a sua opinião quanto a isso, e o que senhor acha que pode mudar com o passar de anos, mas agora de modo concreto com esse programa Pronatec Aprendiz? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Olha muito obrigado pela sua participação José Paganini. Bom, eu estou falando para Santa Catarina. Eu quero dizer que Santa Catarina é diferente do restante do país, diferente do positivamente. E eu tenho conversado com muitos empresários, principalmente ali do polo metal mecânico, e eles se queixam amargamente da falta de oportunidade para contratar jovens. Eles precisam contratar jovens e eles estão, ansiosamente, aguardando o nosso programa começar exatamente porque ele vai pegar com 14 anos. Porque hoje para contratar qualquer jovem, a idade mínima é de dezesseis anos. Nós estamos dando oportunidade de ele ser contratado aos 14 como aprendiz, conforme prevê a lei. E esse jovem, mesmo oriundo de escola pública, sendo assistido, ele dentro da empresa, ele tem ensinamento fundamental e, principalmente, numa pequena empresa onde trabalha quase que ombro a ombro com o dono da empresa, que é aquele que tem conhecimento, então, a passagem do conhecimento para esse jovem de 14 anos, a absorção é muito rápida e até independente do grau ou qualidade do ensino na escola, porque ele passa a ter qualidade no ensino na prática dentro daquela mesma empresa. Portanto, nós temos agora que dar um passo inicial aí em Santa Catarina. E nós temos 144 vagas para testarmos o sistema aí em Florianópolis. Para isso, aqueles que estão nos ouvindo e nos prestigiando pela Cultura AM deverão procurar o Cras, o Centro de Referência de Assistência Social, do Ministério do Desenvolvimento, que tem uma grande rede no Brasil e aí em Florianópolis também. E você que estiver nos ouvindo que tiver vaga para um aprendiz inscreva, e você mãe que está preocupada com seu filho ou com sua filha querendo encaminhá?lo no mundo do trabalho, procure o Cras para inscrever o jovem e aí nós vamos fazer o ponto de encontro para que o programa começar a funcionar.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: José Paganini, você tem outra pergunta?REPÓRTER JOSÉ PAGANINI (Cultura AM 1110/Florianópolis - SC): Só reforçando então ministro, os cursos técnicos serão ofertados como? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Eles serão ofertados como acompanhamento do estágio do jovem daquela empresa. Então, são 400 horas com três curso básicos de 160 horas, mais metade, mais 80 horas que darão as 400, no curso de dois anos. Então, esse jovem vai trabalhar cinco dias da semana, que ele é contratado cinco dias por semana com o máximo de seis... quatro ou seis horas de contrato de trabalho. E um desses dias, é dedicado à aula teórica. Ele vai até a escola técnica e participa de uma turma de aprendizes que estão sendo acompanhados pedagogicamente por essa estrutura técnica de ensino com o Sistema S e as escolas técnicas profissionais tanto do estado como do Governo Federal. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Obrigada então José Paganini, de Florianópolis, Santa Catarina, pela participação aqui com a gente. Você acompanha o programa Bom dia, Ministro, que hoje fala sobre o Pronatec Aprendiz para as micro e pequenas empresas. Quem detalha as ações do programa é o ministro chefe da Secretaria das Micros e Pequenas Empresas, Guilherme Afif Domingos. Esse programa que é uma realização da Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Vamos seguir, então, ministro, vamos para o Rio Grande do Sul. A FM Cultura, de Porto Alegre no Rio Grande do Sul e a pergunta é de Felipe Prestes. Bom dia Felipe.REPÓRTER FELIPE PRESTES (Rádio FM Cultura/Porto Alegre - RS): Bom dia Helen, bom dia ministro. A minha pergunta é como o governo fará para impedir que o empregador demita funcionários regulares de sua empresa e contrate esses jovens aprendizes no lugar? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Olha, essa é uma pergunta que muitos me fazem e não tem nada a ver uma coisa ou com a outra, até porque esse trabalho do aprendiz que é uma pessoa absolutamente não... não é desqualificada, é que ela não tem qualificação, é totalmente diferente da contratação de quem tem a qualificação e vai trabalhar oito horas por dia. Então, talvez ele precise de um auxiliar e na micro e pequena empresa, vamos prestar bem atenção, nós estamos falando do universo da micro e pequena empresa, que é aquela empresa que tem de um, quatro, cinco empregados e, às vezes, precisa de um auxiliar. Que é o que a gente chamava antigamente, um office boy, que antes se contratava office boy com 14 anos e ele começava sua carreira dentro da empresa e aqui a coisa é mais acompanhada. Eu estou não contratando um office boy, mas estou contratando um auxiliar de serviços que vai receber qualificação e aprender na convivência do trabalho. Segundo ponto que é fundamental, nós estamos hoje, muito preocupados com o problema de violência urbana. E a violência urbana, quando você pega esses jovens que eles chegam com 14 anos, não podem trabalhar porque é proibido todo e qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, com exceção do aprendiz. Mas, ele sai da escola... no Brasil ainda não temos uma escola de período integral, que seria ia ideal, mas nós não temos. Então o que acontece? Esse jovem, a mãe está trabalhando, ele sai da escola e vai para casa, vai para o meio da rua e na rua ele é cooptado pela escola do crime, que paga muito bem, dá condições... Até tem escola do crime, né, tem organizações criminosas que pagam até seguro saúde, né? Para ele, para a família. Então ele passa a ser cooptado pelo mundo do crime, e que nós estamos fazendo agora? É exatamente tentar desviá?lo dessa tentação, mas você que tem que dar uma oportunidade para ele ser encaminhado para o mundo do trabalho. A grande maioria é de ótima índole, às vezes se desvia pelo abandono. Nós acabamos abandonando, digo não tivemos um olhar para essa juventude que agora o governo Dilma está procurando ter. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Felipe Prestes, da FM Cultura, de Porto Alegre, você tem outra pergunta? REPÓRTER FELIPE PRESTES (Rádio FM Cultura/Porto Alegre - RS): Eu gostaria de saber apenas do ministro quantas vagas dessas 15 mil iniciais ficam reservadas aqui para o Rio Grande do Sul e se é e possível detalhar que cursos estão disponíveis aqui para os jovens gaúchos? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Olha, nós temos aqui uma... um número de 1277 vagas para Porto Alegre, de e um total de 1357 vagas para o estado e mais duas cidades. Canoas e São Leopoldo. Eu quero dizer que isso é programa teste. Nós estamos fazendo exatamente para testar o balcão do ponto de encontro entre o jovem, a instituição que vai qualificar e a empresa, né? Então, com essas 1277 vagas só para cidade de Porto Alegre, eu acredito que nós faremos um bom teste aí em Porto Alegre e a Presidenta Dilma já deixou claro, eu estou disponibilizando 15 mil vagas para o início do sistema em todo o Brasil . Atingiu as 15, vamos para 30, atingiu 30, vamos para a 60, não vai ter limite, mas o problema é operacionabilidade de um sistema que é complexo. Então nós não queremos criar um grande número para depois não ter condições de atender. Então vamos passo a passo. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: E além das rádios, o Bom dia, Ministro conta também com a sua participação. Você pode participar com a gente mandando sua pergunta, sua dúvida para o ministro através do nosso Facebook, facebook.com/tvnbr, ou também pelo nosso Twitter, o twitter.com/tvnbr. Ministro, a gente tem pergunta aqui via Twitter do André Nunes, de Guarulhos São Paulo, ele quer saber como faz para ser um aprendiz numa microempresa?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Não é pergunta ao vivo, essa é uma pergunta—APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Essa é pergunta que veio via Twitter, do internauta. MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: André, não sei a sua idade, mas você deveria junto com seus pais, ou sua mãe, procurar o Cras. O Centro de Referência de Assistência Social, do Ministério do Desenvolvimento. E lá no Cras, você vai fazer sua inscrição porque as empresas que estão procurando jovens também vão se inscrever no Cras e ali nós faremos um encontro junto com a instituição que está oferecendo vagas.APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Ok Então. Muito obrigada André Nunes pela sua participação aqui a gente. Vamos então para Norte do país, ministro. Vamos lá para o Pará, na rádio Cultura 93,7 FM, de Belém no Pará, e a pergunta é de Gustavo Aguiar. REPÓRTER GUSTAVO AGUIAR (Rádio Cultura 93,7 FM/Belém - PA): Bom dia, Bom dia, Ministro. Eu queria saber se existem municípios paraenses daqui da região Norte, que vão ser contempladas nessa primeira etapa do programa. MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Muito obrigado, bom dia Gustavo. Aí, no Pará, nós vamos começar por Belém. Né? Nós temos 235 vagas para Belém para... Vagas de cursos, não é, para nós começarmos a estimular a oferta e a procura. Então, são 235 vagas para nós começarmos o programa aí. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Gustavo Aguiar você tem outra pergunta? REPÓRTER GUSTAVO AGUIAR (Rádio Cultura 93,7 FM/Belém - PA): Sim, eu queria saber qual é o perfil dessas pequenas empresas, dessas microempresas que devem receber jovens aqui na região?MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: É pelo porte. Você tem uma atividade muito forte de comércio, de serviço aí em Belém do Pará. Então, atividade industrial menor né? Até porque é de grandes empresas vocês têm uma característica aí principalmente na área de mineração, mas o comércio e o serviço, sem dúvida, serão os grandes demandantes, os que mais vão procurar aprendizes para poder encaminhá?los dentro do processo do trabalho. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Obrigado então Gustavo Aguiar, de Belém no Pará, pela sua participação aqui com a gente. Ministro, eu quero saber agora, o que o aprendiz tem direito, ele tem direito a férias, décimo terceiro? O jovem aprendiz tem direito a que dentro de uma micro e pequena empresa? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Sim, ele é contratado com tudo aquilo que a Constituição garante. Então ele tem a contribuição previdenciária já feita pela microempresa através do faturamento, ele tem o salário que é o salário mínimo hora por hora. Limitado a seis horas, porque ele não pode passar, ele não pode deixar de ir para a escola. Isso precisa ficar bem claro. Trabalho não pode substituir a escola. A escola do trabalho complementa a escola normal. Então ele tem um salário, ele tem o décimo terceiro, tem as férias proporcionais e já tem um fundo de garantia, não no valor de oito, mas de 2% que a empresa vai depositar para ele. E aí, só não vai ter verba rescisória, porque na hora de ele sair já é um contrato de trabalho com prazo determinado, dois anos, encerrou, encerrou, e aí ele começa sua vida já como um trabalhador qualificado. E já teve o carimbo do primeiro emprego, que isso é muito importante para ele buscar no mercado de trabalho. E eu quero dizer que normalmente, o bom aprendiz dentro de uma empresa, a empresa não deixa sair. Ele já começa a fazer a carreira lá. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Verdade. Vamos então para o Ceará, Ministro, rádio Verdes Mares de Fortaleza no Ceará e a pergunta é de Roberto Nascimento. Bom dia, Roberto. REPÓRTER ROBERTO NASCIMENTO (Rádio Verdes Mares/Fortaleza - CE): Bom dia. Bom dia, Ministro. A minha pergunta é a seguinte: O que motivou o Governo a focar nessa primeira etapa do Pronatec Aprendiz os jovens em situação de vulnerabilidade? MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Olha, vamos falar numa linguagem mais clara, onde está na zona de risco de violência. Vulnerabilidade é isso. É de família de baixa renda, nós estamos trabalhando com pobres, que estão na escola pública, mas eles estão ameaçados, né?! Pela estrutura da violência do crime organizado dentro dessas cidades, porque hoje em grande parte do Brasil hoje, isso acontece. Então nós escolhemos primeiro essa área para que a gente possa começar a ganhar esta guerra, porque o jovem tem sido cooptado para o mundo do crime, e aí o Brasil é um dos países com o maior índice de violência nos jovens, é um dos maiores do mundo. Portanto, o olhar sobre esse mundo para que a gente possa, porque a grande maioria são jovens de boa índole de formação familiar, mas que acabam se desviando, ontem mesmo eu estava lendo no jornal, pegaram um garoto de treze anos, que nunca foi criminoso, mas utilizaram para ele poder entrar dentro dos apartamentos e aí quanto que ele ganhou? Ah, ele ganhava mil reais e o primeiro dinheirinho que ele ganhou, ele comprou um tênis e deu o resto para a mãe. Portanto, e ele é proibido de trabalhar, com quatorze anos ele não pode trabalhar, mas no crime pode porque não tem fiscal para fiscalizar no crime. Então, o programa foca de forma legal, dentro da legislação da lei do aprendizado para nós entrarmos nesta disputa para que esse jovem possa ser encaminhado para a escola do trabalho e ser bem encaminhado na vida, e quem começou com quatorze anos trabalhando sempre deu boa coisa na vida, sabe?!APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Agora, é bom lembrar que esses jovens que vão trabalhar, também vão receber uma qualificação profissional pelo Pronatec. MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Obrigatoriamente ele tem que ser acompanhado por uma instituição de ensino técnico. Então, veja, não é simplesmente um trabalho. Ele não pode trabalhar. A Constituição proíbe o trabalho antes dos dezesseis anos. Mas admite o aprendizado a partir dos 14 anos. O aprendizado não é simplesmente contratar um jovem e jogar ele na empresa, não é isso. Ele está ali convivendo na empresa, tendo a convivência, tendo o aprendizado e é acompanhado de forma didática, de forma... técnicas de ensino que vai permitir transmitir conhecimento através de 400 horas de curso durante o período em que ele está estagiando naquela micro ou pequena empresa. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Agora vai ser uma troca de experiências, né, sangue novo com a experiência de uma micro e pequena empresa que pode dar ali tudo que o jovem precisa para seguir trabalhando. MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Olha, Helen, a minha experiência de vida, e eu trabalho com esse projeto há mais de 13 anos, né?! É impressionante o que acontece dentro das empresas quando as pessoas assumem uma responsabilidade de encaminhamento. Dentro da micro e pequena empresa, esse jovem que chega lá, ele começa a enxergar alguns paradigmas de vida que talvez na sua vida ele não tenha, no seu ambiente ele não tenha. Mas quando ele chega lá, ele vai ver o seu Manoel, dono do armazém, que está trabalhando com a sua esposa, com seus filhos, porque uma microempresa é familiar, uma pequena empresa sempre é familiar, aí ele passa a entender que um dia até empreendedor ele pode ser. Agora ele vai fazer um estágio na Ford, na GM que são obrigadas a contratar aprendizes, como é que ele pensa, um dia ele pode ser dono da Ford, já é mais difícil, entendeu?! Então fica uma coisa um pouco fora do foco. Então, o empreendedorismo também pode ser transmitido a este jovem através do exemplo da micro e pequena empresa. Eu sou um grande aficionado da micro e pequena empresa, pelo papel que ela exerce na economia, porque ela é o capitalismo humanizado, é a democracia econômica, sem a qual a democracia política não pode existir. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Bem ministro nosso tempo infelizmente acabou, nós gostaríamos de agradecer muito sua presença aqui todos os esclarecimentos para a população, para os nossos radialistas sobre esse novo programa. Muito obrigada. MINISTRO GUILHERME AFIF DOMINGOS: Eu é quem agradeço a oportunidade. Obrigado. APRESENTADORA HELEN BERNARDES: Bem, o nosso programa se encerra aqui, você pode ouvir o áudio e a transcrição dessa entrevista através do nosso site na internet: www.ebcservicos.com.br. Você também pode acompanhar a gravação dessa entrevista pelo nosso Youtube: youtube.com/tvnbr. As perguntas que foram enviadas para nós via Twitter, serão enviadas à assessoria do Ministério, que deverão entrar em contato com os nossos internautas. Nós vamos agradecendo então a presença do Ministro e também a sua audiência. Muito obrigada e até o próximo programa.