Lula quer ampliar exportações para novos mercados

audio/mpeg 134.2009-10-06.4168161991.mp3 — 5666 KB




Transcrição

'Jornalista: Alô amigos de todo o Brasil eu sou Luiz Fara Monteiro e esse é o Café com o Presidente, o programa em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversa com você através do rádio, falando de assuntos importantes para o Brasil e para o seu dia-a-dia. Tudo bem presidente?

Presidente: Tudo bem Luiz.

Jornalista: O senhor está chegando de uma viagem ao mundo árabe. Que balanço o senhor pode fazer para o nosso ouvinte? Quais os benefícios diretos para a população dessa viagem ao mundo árabe?

Presidente: Primeiro, Luiz, eu queria cumprimentar todo o povo brasileiro, através do programa Café com o Presidente, queria dizer ao povo brasileiro que o Brasil tem uma relação comercial muito interessante. O Brasil exporta 52% para a União Européia e os Estados Unidos, e nós precisamos ampliar muito as nossas exportações porque nós achamos que é uma das formas que nós temos para gerar empregos e, ao mesmo tempo, gerar dólares para o Brasil. Primeiro, nós fizemos uma discussão para a integração de toda a América Latina, ou seja, nós temos que começar pela América do Sul, construindo as estradas e as pontes, colocando avião para viajar das capitais para outras capitais. Depois, nós fomos à áfrica, que está mais próxima do Brasil, também tentar ver o que que nós podemos fazer nessa nossa relação com a áfrica. E agora, fomos para o mundo árabe. Aí é uma viagem interessante, porque o último chefe de Estado brasileiro a visitar o mundo árabe foi Dom Pedro II em 1876. Ora, nós tomamos a decisão de viajar por duas questões: primeiro, porque é uma parte do mundo que tem dinheiro e pode investir nos projetos de infra-estrutura que nós tanto precisamos no Brasil e na América do Sul. Segundo, é uma parte do planeta que pode comprar parte dos produtos que nós fabricamos no Brasil, que vai do alimento a avião que nós produzimos. Só para você ter idéia, o Brasil exporta petróleo para os Emirados árabes, que é um dos maiores produtores de petróleo do mundo. O Brasil exporta um tipo de óleo que eles não têm. No ano passado, o Brasil exportou 300 milhões de dólares. Essa nossa viagem é como se fosse uma garimpagem, ou seja, você vai garimpar os espaços para que os produtos brasileiros possam entrar nesses países, a gente possa fazer grande relação comercial, a gente possa desenvolver a nossa indústria e a gente possa gerar riquezas e empregos aqui no Brasil. Foi isso que nós fizemos no mundo árabe. A viagem, na minha opinião, foi excepcional, porque acho que nós estamos fazendo a coisa certa no momento certo. Nós ainda temos algumas viagens importantes para fazer no próximo ano. Eu tenho que ir à índia, eu tenho que ir à China ainda em maio do próximo ano e pretendo ver se trago o presidente da Rússia aqui no Brasil, porque nós queremos construir uma nova relação comercial entre os países que têm similaridades, entre os países em desenvolvimento. E eu tomei a decisão: ao invés de ficar aqui no Brasil esperando as coisas acontecerem, eu resolvi fazer as coisas acontecerem colocando os pés no chão dos países árabes, da áfrica, e quero fazer com que o Brasil seja mais ousado, com que o Brasil seja mais lutador pelos seus direitos. O Brasil é um país grande, o Brasil não pode ficar esperando que alguém decida comprar de nós, nós é que temos que ir lá vender o que nós temos de bom para vender para todo o mundo.

Jornalista: Presidente, como o senhor foi acolhido pelos povos árabes durante essa viagem? Só de libaneses e descendentes, nós somos 6 milhões no Brasil né?

Presidente: Olha, eu fui tratado, Luiz, como poucas vezes eu fui tratado em qualquer lugar do mundo. Primeiro, porque todos os países árabes têm o reconhecimento da existência de 10 milhões de irmãos nossos, que são árabes e descendentes de árabes, que moram em nosso país, que ajudaram o nosso país a crescer, que aqui são empresários, são trabalhadores, são médicos, são engenheiros, são cientistas, são trabalhadores, são comerciantes, ou seja, são pessoas que estão dando uma contribuição excepcional para o desenvolvimento do nosso país. E mais importante: são árabes que aqui vivem em paz com a comunidade judaica, uma demonstração, inclusive para o mundo, de que é possível árabes e judeus viverem bem, viverem tranqüilos. Aqui no Brasil, eles vivem, o Brasil poderia servir de exemplo para o Oriente Médio no que diz respeito à convivência democrática na diversidade, no respeito às religiões, no respeito às diferenças políticas. Aqui no Brasil, a palavra paz é uma palavra que não está apenas no dicionário, ela está na mente e no coração das pessoas. E eu acho que por isso eles nos receberam de forma extraordinária.

Jornalista: Esta foi mais uma edição do Café com o Presidente. Nós voltamos, numa próxima oportunidade, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva falando sobre questões interessantes ao povo brasileiro. Presidente, mais uma vez, obrigado pela participação.

Presidente: Obrigado Luiz. Eu queria aproveitar aqui cinco segundos, porque esse programa está indo ao ar antes do Natal, e eu queria desejar a todo o povo brasileiro um feliz natal. Um natal cheio de esperança, combinando essa esperança com a certeza de que este país vai melhorar e vai melhorar muito para o povo brasileiro.

Jornalista: Obrigado presidente e até o próximo programa