“As mulheres haverão de ocupar muito mais espaço no futuro político do Brasil”, diz Lula

audio/mpeg 140.2009-10-06.4161828581.mp3 — 5777 KB




Transcrição

'Jornalista: Bom dia ouvintes. O nosso programa Café com o Presidente. Hoje é dia 8 de março Dia Internacional da Mulher. é um ano em que o país é chamado a prestar atenção nas condições de vida da mulher. Mais do que isso: um ano para trabalharmos para melhorar a vida de todas as brasileiras. Se um terço dos trabalhadores do sexo masculino recebe menos de um salário mínimo, entre as mulheres, essa proporção aumenta para a metade. E tem mais mulher do que homem na fila do desemprego. O que o governo pode fazer e está fazendo para reverter esse quadro presidente?

Presidente: Bom, primeiro eu queria dar os parabéns à minha filha Lurian, que faz aniversário hoje, no Dia Internacional da Mulher. Segundo, quase que prestar uma homenagem à minha mulher pelo fato dela ter tanta paciência em me aturar 30 anos. Terceiro dizer que a mulher brasileira, apesar de toda legislação que nós conquistamos desde a Constituição de 1988, avanços importantes para a mulher, ainda se trabalha com muito preconceito pela mulher, seja no mundo do trabalho, seja na questão salarial, seja nas próprias condições de trabalho.
Eu lembro que o preconceito no Brasil é tão grande - e o Brasil não estava preparado para enfrentar a
situação -, que muitas repartições públicas não estavam preparadas para o trabalho da mulher, porque não tinham nem banheiro. Eu lembro do Congresso Nacional, na época da Constituinte. Eu a minha vida inteira disse que as mulheres não deveriam ficar aguardando que os homens dessem liberdade para elas. Liberdade é uma coisa que se conquista, lutando diariamente, lutando cotidianamente. E as mulheres brasileiras aprenderam isso, se organizaram, estão lutando, estão reivindicando, estão conquistando espaço no mundo do trabalho, estão conquistando espaço no mundo da política, o que era uma coisa quase que impensável há alguns anos atrás, e acho que o avanço é muito significativo na conquista das mulheres. Nós conseguimos avançar algumas coisas.
Eu acho que é importante salientar. Quando nós fizemos o plano de reforma agrária e de política agrícola, ano passado, e nós colocamos R$ 5,4 bilhões no Pronaf, nós criamos um programa que na minha opinião é melhor coisa do programa, que é o Crédito Especial para a Mulher, ou seja, o homem pode fazer o projeto da sua roça e ir ao banco pegar o dinheiro, mas a mulher pode fazer um projeto independente também e ir lá e pegar o dinheiro.
O Bolsa Família, nós damos pra mulher, porque a mulher tem mais responsabilidade, a mulher está mais preocupada. No nosso programa da Alfabetização, ou seja, em função de termos ainda 6 milhões de mulheres analfabetas no Brasil, nós estamos cuidando com muito carinho, programas especiais para alfabetizarmos as mulheres sobretudo as mulheres que trabalham no campo. E pretendemos esse mês, dentro de 30 dias mais ou menos, regulamentar a lei que obriga os hospitais e postos de atendimento médico a comunicar à polícia mulheres que são internadas como vítimas de violência. E nós sabemos que, muitas vezes, essa violência sai de dentro de casa.
E queria também dizer às mulheres brasileiras que eu acho que o espaço que vocês conquistaram ainda é pouco diante do que vocês merecem conquistar. O trabalho das mulheres é, muitas vezes, uma jornada muito complicada, porque a mulher tem que levantar de manhã, preparar o filho pra escola, preparar o marido para ir para o trabalho, muitas vezes arrumar a roupa dele, vai trabalhar, trabalha o dia inteiro, volta, prepara a janta, bota as crianças na cama e muitas vezes o marido fica sentado vendo televisão. Então, é importante que nós assumamos a responsabilidade de que esse é um gesto mínimo que nós temos que fazer, de contribuir com as nossas companheiras no cotidiano das suas tarefas, porque assim, nós vamos tornar a vida mais prazerosa, a vida mais gostosa e vamos perceber que vamos viver muito mais em harmonia do que nós estamos vivendo.
Nós precisamos aperfeiçoar a política de saúde para mulher, nós precisamos aperfeiçoar a política de empregos para as mulheres, nós precisamos começar a discutir na sociedade, não é uma questão do presidente da República, é da sociedade de garantir maiores oportunidades para as mulheres até porque as mulheres estão cada vez mais entrando no mercado de trabalho. Então eu quero parabenizar as mulheres e dizer que se Deus quiser, eu tenho 58 anos, vou viver o tempo suficiente para gente ver as mulheres serem tratadas em igualdade de condições com os homens no Brasil e no mundo.

Jornalista: No seu ministério, por exemplo, presidente têm quatro mulheres ocupando cargos de primeiro escalão. Fala um pouquinho pra gente sobre isso?

Presidente: Na verdade, quatro mulheres ainda é pouco. Eu penso que nós precisamos trabalhar para termos muito mais mulheres no governo. E as ministras que eu escolhi, são pessoas que não estão no governo apenas por ser mulher. Estão no governo, porque são pessoas competentes, são pessoas inteligentes e pessoas de especialidade na sua área, como a companheira Dilma Rousseff, no Ministério das Minas e Energia, a companheira Marina, na questão do meio ambiente, a companheira Nilcéia, na Secretaria Especial das Mulheres e a companheira Maltide, na Secretaria da Igualdade Racial. Eu acho que essas quatro companheiras simbolizam a idéia fixa que eu carrego de que as mulheres haverão de ocupar muito mais espaço no futuro político do Brasil.

Jornalista: Bom. E nós encerramos o nosso Café com o Presidente. Não poderia ser diferente, desejando um abraço especial a todas as mulheres brasileiras. Presidente, até o próximo encontro.

Presidente: Até o próximo encontro.