Presidente afirma que homologação da reserva Raposa Serra do Sol atende reivindicação histórica dos povos indígenas

audio/mpeg 169.2009-10-06.4131894378.mp3 — 4223 KB




Transcrição

'Luiz Fara Monteiro: Olá amigos em todo o Brasil. Começa agora mais um Café com o Presidente o programa de rádio do presidente Lula. Tudo bem, presidente?

Presidente Lula: Tudo bem, Luiz.

Luiz Fara Monteiro: Presidente, o senhor chegou recentemente de uma viagem a cinco países africanos. Qual foi o intuito dessa viagem, o que o senhor pode contar para a gente de novidade?

Presidente Lula: O objetivo da viagem, Luiz, é fazer com que o Brasil estabeleça uma relação política, uma relação cultural, uma relação comercial mais forte com os países africanos. Você sabe que num primeiro momento nós fizemos uma forte política para a América do Sul, no sentido de discutir a integração física da América do Sul. Isso hoje está bem consolidado. O Mercosul se fortaleceu, estamos trabalhando muitas obras de infra-estrutura nos países que têm fronteira com o Brasil. Acho que isso está possibilitando a gente poder comemorar hoje que o comércio entre o Brasil e a América do Sul cresceu mais de 50% nesses dois anos de governo.
Para a áfrica, nós viajamos por algumas razões. Primeiro porque nós precisamos estabelecer contatos com os países africanos. Nós temos uma relação histórica, parte da nossa gente tem origem na áfrica, parte da construção do Brasil a gente deve ao povo africano. E acho que o Brasil precisa estabelecer com os países africanos uma relação política mais forte, uma relação comercial mais forte, uma relação cultural mais forte. O Brasil pode e deve ajudar esses países nos campos científico e tecnológico. A Embrapa pode contribuir de forma extraordinária com a agricultura africana, já que nós temos uma agricultura competitiva como qualquer país do mundo.
Na questão da educação, o país pode ajudar os países africanos. Pode ajudar a formar enfermeiros, a formar médicos. A gente pode aumentar o número de bolsas de estudos. Especialistas nossos podem viajar mais para a áfrica. A gente pode ajudar a combater a Aids. E eu acho que o Brasil pode convencer outros países a ajudá-los. Eu, por exemplo, vou no dia 8 de julho para a Escócia participar do encontro com os países do G-8, mais índia, China e México. Acho que lá é um bom momento de discutir com os países qual política de desenvolvimento poderemos ter para ajudar a áfrica. Um país sozinho não pode, mas muitos países juntos podem ajudar. Essa é a melhor forma de combater a pobreza.
O papel do Brasil é ser solidário porque eu acho que é uma dívida que nós temos histórica com a áfrica. O Brasil pode ajudá-los porque nós temos história junto com eles, e porque nós temos mais tecnologia, somos mais ricos, temos mais indústria, temos mais conhecimento científico. Portanto, a gente pode ajudar muito mais esses países.

Luiz Fara Monteiro: O senhor falou em dívida histórica e, depois de 26 anos de reivindicação, o governo também homologou a demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol. Isso também foi uma correção à injustiça feita a esses povos indígenas brasileiros?

Presidente Lula: No Brasil, nós temos muitas dívidas, algumas seculares. Temos dívida com o povo pobre desse país, temos dívida com o povo do Nordeste, temos dívidas com os negros, temos dívidas com os índios brasileiros e precisamos pagar. Obviamente, como a dívida é uma dívida histórica, não é possível pagá-la de uma única vez. Mas é preciso construir um caminho para pagar. E quando eu falo do índio, falo do sem-terra, dos quilombolas porque não basta demarcar a área, não basta homologar. Uma vez homologada, uma vez demarcada, uma vez acertada, é preciso que a gente dê acesso a benefícios que todo o ser humano tem que ter: acesso ao trabalho, ao conhecimento, à saúde, à alimentação, à educação. São coisas que nós temos que fazer. E estamos fazendo. Possivelmente, não no ritmo que desejamos fazer, mas no ritmo em que a gente pode fazer.
E a Raposa Serra do Sol, ela é um marco. é um marco porque é uma reivindicação histórica. é uma terra que criou muita polêmica no Brasil. Desde o ano passado queríamos ter homologado e não pudemos porque tinha um processo no Supremo Tribunal Federal (STF). Finalmente, foi acertado um pacote que resolve o problema dos posseiros que estão lá, que resolve o problema dos arrozeiros que estão lá, que resolve o problema da terra do estado de Roraima - porque o estado não tem terra, a terra é praticamente do governo federal. é um pacote que vai resolver grande parte. O que é importante? é que a homologação foi marcada em terra contínua, o que era uma reivindicação histórica, e que a gente vai mandar todas as equipes da Funai [Fundação Nacional do índio], da Funasa [Fundação Nacional da Saúde] e de outras instituições do governo para ir trabalhando e fazer com que os índios de Roraima possam finalmente viver tranqüilamente. Terem a terra garantida, mas também terem acesso aos benefícios que o Estado tem obrigação de garantir a todo brasileiro que mora no território nacional. E vamos continuar demarcando outras terras porque temos que pagar a dívida que nós temos com os índios. Afinal de contas, temos que reconhecer que eles têm direito, mais do que alguns pensam que eles têm.

Luiz Fara Monteiro: Obrigado, presidente, e até o nosso próximo programa.

Presidente Lula: Obrigado a você, Luiz, e até o próximo programa.