Presidente explica que o reajuste do Bolsa Família se deve à alta do preço dos alimentos

audio/mpeg 303.2009-10-06.4274680379.mp3 — 5734 KB




Transcrição

'Apresentador: Olá você em todo o Brasil eu sou Luciano Seixas e começa agora o Café com o Presidente, o programa de rádio do presidente Lula. Presidente, estamos gravando hoje na Base Aérea de Brasília em função da sua agenda de viagem para São Paulo. Como vai, tudo bem?

Presidente: Tudo bem, Luciano.

Apresentador: Presidente, as famílias que recebem o Bolsa Família vão ganhar mais a partir de julho. O aumento no valor do benefício foi de 8%. Qual foi a razão do reajuste do benefício agora?

Presidente: Luciano, a razão é simples, ou seja, nós temos uma crise de alimentos no mundo e isso tem refletido no aumento dos preços do alimentos em todos os países, inclusive no Brasil, e nós entendemos que a parte mais pobre da população, que ganha uma ajuda para comprar comida para levar para casa e sustentar a família merecia que a gente fizesse a reposição inflacionária. Os cálculos foram feitos pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, pelo Ministério da Fazenda e eu achei que dar os 8% de reajuste foi uma boa medida para garantir que as pessoas continuem levando para casa o necessário para comer, sabe, a família inteira.

Apresentador: Alguns jornais chegaram, inclusive, a afirmar que este aumento era eleitoreiro, já que estamos próximos à eleição municipal. Como foi feito o cálculo para chegar a esse valor, presidente?

Presidente: Foi feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social. E aqueles que falaram que era eleitoreiro são pessoas que me parece que perderam a sensibilidade. Ou seja, como é que pode alguém imaginar que você fazer um reajuste - e eu não queria fazer nada que pudesse indexar isso à inflação. Nós estamos dando o reajuste porque temos condições de dar, porque tem no orçamento dinheiro para dar este reajuste. E nós vamos continuar reajustando o Bolsa Família. Na medida em que puder reajustar mais nós vamos reajustar mais fortemente porque os que recebem o Bolsa Família são a parte mais pobre da população e nós precisamos cuidar dessa gente com muito carinho.

Apresentador: Você está ouvindo Café com o Presidente, o programa de rádio do presidente Lula. Presidente, agora, um outro assunto. Mais uma pesquisa, agora do IBGE, mostrando uma queda do desemprego no país. A que se deve essa queda no desemprego?

Presidente: Eu acredito que os investimentos que o governo tem feito no PAC, os investimentos que as empresas privadas têm feito, têm dado uma demonstração vigorosa de que nós vamos conseguir reduzir o desemprego muito mais fortemente ainda. Nós já temos um número mais baixo de muitos anos. Eu acredito que a partir do ano que vem as obras do PAC estarão já em andamento com muito mais força, com muito mais volume. Só para você ter uma idéia, quando nós tomamos posse, o Brasil tinha R$ 300 bilhões de crédito e hoje o Brasil tem mais de R$ 1 trilhão de crédito. Isso significa que tem gente tomando dinheiro emprestado para fazer investimento em alguma coisa. Isso significa que vai gerar mais empregos. E todos nós trabalhamos com essa convicção, ou seja, não tem nada mais sagrado para um chefe de família ou para uma mulher do que trabalhar e no final do mês levar para sua casa o sustento para a sua família com o dinheiro ganho com o seu suor. Quando eu pego os números do Ministério do Trabalho, do Caged, e constato que nos primeiro cinco meses nós criamos 1,051 milhão de empregos com carteira assinada e que a tendência natural é isso vir crescendo, porque as empresas fizeram muitos investimentos. As obras do PAC, as grandes obras do PAC, começaram a ser contratadas agora. Agora é que elas vão começar a gerar muito mais empregos, que é isso que o Brasil precisa: mais emprego, mais salário, mais renda, mais consumo, ou seja, é isso que o Brasil que torna o Brasil mais feliz, é isso que torna o povo com a auto-estima bastante elevada, porque eles estão percebendo que as coisas estão acontecendo. Agora, graças a Deus, a economia está em ordem. As pessoas estão fazendo investimento e o emprego está crescendo. é tudo o que o trabalhador deseja.

Apresentador: Presidente, agora mudando um pouco o rumo da nossa conversa, o senhor vai entregar no segundo semestre deste ano, um prêmio para as prefeituras que administram com eficiência seus programas de merenda escolar? Qual é a importância de ações como essa?

Presidente: Olha, essa ação na verdade de premiar as pessoas que trabalham com mais eficiência a questão da merenda escolar, é uma forma de premiar as prefeituras brasileiras que melhor geriram o programa de alimentação escolar. Esta premiação permite avaliar, selecionar e divulgar as boas gestões públicas municipais do programa de alimentação escolar. Esse já será o quinto ano e eu penso que é extremamente importante os prefeitos participarem. Por quê? Porque muitas vezes esses prefeitos só são criticados, ou seja, as coisas boas que fazem não aparecerem. E como nós achamos que a alimentação das nossas crianças é coisa sagrada, e como nós garantimos o recurso para que as prefeituras possam dar alimentação para as crianças, nós queremos premiar aquelas prefeituras, aqueles prefeitos, aqueles gestores que melhor aplicaram os recursos, que dinamizaram a economia local, que compraram dos produtores locais. E isso é uma forma de a gente tornar público as coisas boas que acontecem neste país. Por isso eu queria pedir aos prefeitos para se inscreverem e você, Luciano, dará o endereço para que as pessoas possam participar ativamente.

Apresentador: Então vamos lá, presidente. As prefeituras podem se inscrever por meio de formulário eletrônico, acessando o site premiomerenda.org.br ou por meio de formulário em papel. Esse formulário deve ser enviado para a rua Bela Cintra, 643, primeiro andar, consoloação, São Paulo, Capital. CEP 01415-901 até esta sexta-feira, 4 de julho.

Apresentador: Presidente Lula, muito obrigado. Até a semana que vem.

Presidente: Obrigado a você, Luciano, e até a próxima semana.

Apresentador: O programa Café com o Presidente volta na próxima segunda-feira. Até lá.