A palavra de ordem é produtividade, afirma o presidente Lula sobre o plano agrícola

audio/mpeg 304.2009-10-06.4276938013.mp3 — 5709 KB




Transcrição

'Apresentador: Olá você em todo o Brasil, eu sou Luciano Seixas e começa agora o programa de rádio do presidente Lula, Café com o Presidente. Olá, presidente, como vai, tudo bem?

Presidente: Tudo bem, Luciano.

Apresentador: Presidente, o senhor anunciou na semana passada o Plano Agrícola 2008/2009. Ele chega num momento em que o mundo se preocupa com a crise de alimentos. De que forma as medidas podem ajudar?

Presidente: Luciano, é importante lembrar o seguinte: antes de lançar o Plano Safra, nós renegociamos a dívida dos produtores rurais brasileiros, dívidas que estavam sendo tentadas negociar, há mais de 20 anos que não tinha negociação, nós conseguimos negociar e apresentamos um Plano Safra que envolve R$ 78 bilhões , R$ 65 bilhões para o agronegócio e R$ 13 bilhões para a agricultura familiar. Mas o mais importante de tudo é o novo programa de financiamento de máquinas que nós estamos fazendo para a agricultura familiar. E agora a palavra de ordem é produtividade. Portanto, nós fizemos um programa de financiamento de R$ 25 bilhões até 2010 para financiar 60 mil tratores, mais implementos agrícolas para a agricultura familiar. Eles vão pagar em 10 anos, com carência de 3, juros de 2 por cento, numa perspectiva de dobrar a produção agrícola na agricultura familiar, já que eles são responsáveis por grande parte dos alimentos consumidos no Brasil. Então, o que nós queremos na verdade? Quando se fala numa crise de alimento, quando se fala na inflação do alimento, ao invés do Brasil ficar tratando isso como problema, nós queremos tratar isso como uma oportunidade para que o Brasil dê um salto de qualidade. Nós temos terra, nós temos agricultores, nós temos tecnologia, nós temos água, nós temos sol e o que precisava era financiamento e nós acabamos de fazer o mais importante programa de financiamento da agricultura e, ao mesmo tempo, o mais importante programa de financiamento de máquinas e implementos agrícolas para os trabalhadores rurais da agricultura familiar.

Apresentador: Presidente, a gente ouve, nesse primeiro momento, nos dá a impressão que o agronegócio, a agricultura empresarial é bem-sucedida, é reconhecida internacionalmente, e que existe um cuidado, uma atenção com os pequenos produtores. Quer dizer, essa união do agronegócio bem-sucedido com os pequenos produtores podendo dobrar a sua produção, pode ser decisiva aí no combate à fome do mundo?

Presidente: Não, a verdade é que a Embrapa tem um desenvolvimento extraordinário, é a empresa de pesquisa mais importante do mundo na agricultura tropical e nós agora queremos levar um braço da Embrapa para fortalecer a pesquisa na agricultura familiar. Nós não queremos mais o trabalhador fazendo uma covinha com a mão, sabe, empurrando a terra pra cima com o pé. Nós queremos que ele tenha uma máquina, se ele não puder comprar sozinho, ele se associa numa cooperativa com mais dez, doze pequenos proprietários e eles vão ter muito mais rentabilidade, muito mais produtividade e o que nós queremos que eles tenham acesso a bens materiais. Nós queremos que essas pessoas tenham acesso à energia elétrica, tenham acesso à televisão, à geladeira, às coisas que as pessoas têm nas grandes cidades. Por isso, eu acho esse programa extraordinário e vamos fazer um esforço muito grande para que ele dê certo, para que a indústria possa produzir todas as máquinas que eles quiserem comprar e para que a gente possa, com esse programa, enfim, levar a agricultura familiar à tecnologia que a agricultura empresarial já tem.

Apresentador: Você está ouvindo o Café com o Presidente, o programa de rádio do presidente Lula. Agora, presidente, um outro assunto em destaque é uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde, mostrando uma nova radiografia da saúde do país, com destaque pra queda da desnutrição infantil. Que novo cenário é esse, presidente?

Presidente: Olha, na medida em que o povo começa a comer mais, na medida em que o povo começa a ter mais renda, na medida em que as mães começam a receber mais informação, o resultado tem que ser esse: diminuição da mortalidade infantil, diminuição da desnutrição e melhoria da qualidade de vida das pessoas. Eu estou convencido e, tenho dito isso em alguns pronunciamentos, que nós vamos atingir as Metas do Milênio com respeito à desnutrição e à mortalidade infantil antes de 2015. Porque o Brasil está preparado, as pessoas estão se preparando muito, nós temos programa, nós temos financiamento, nós temos transferência de renda e isso tudo é um sucesso extraordinário porque reduzir a mortalidade infantil em 44 por cento, a queda da desnutrição infantil em 46 por cento. E no Nordeste, esse é um dado importante, a desnutrição caiu 74 por cento. Se Deus quiser, logo logo nós vamos ter índices iguais aos países mais desenvolvidos do mundo. Tudo isso foi feito por algumas coisas importantes. Primeiro, nós tivemos a ampliação do acesso à agua tratada e ao saneamento. Aumento do emprego e da renda das famílias. Os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família. Ampliação do acesso à saúde pública, como pré-natal, a atenção ao parto, à vacinação e o programa da Saúde Família. E muito mais importante: as pessoas estão comendo de forma mais correta. Isso tudo só pode dar um resultado extraordinário como esse. Eu tenho dito o seguinte: acho que o século XXI é o século em que o pobre precisa deixar de ser muito pobre e virar cidadão: ter direito à moradia, a educação, a comer três vezes ao dia, ter acesso ao lazer, à cultura, é pra isso que nós vamos trabalhar. E eu estou convencido que nós estamos no caminho certo.

Apresentador: Muito obrigado, presidente Lula, até a semana que vem.

Presidente: Obrigado a você, Luciano, e até a próxima semana.

Presidente: O Café com o Presidente volta na próxima segunda-feira. Até lá!