01 DE FEVEREIRO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Primeiros 30 dias do governo do presidente Jair Bolsonaro. Entre as ações de destaque, a redução de ministérios e a flexibilização das regras para posse de armas. Nossa equipe continua acompanhando o socorro às vítimas em Brumadinho, e mais de 200 barragens de mineração vão ter que instalar câmeras de segurança. Começa a Semana de Prevenção à Gravidez na Adolescência. E também vamos falar sobre o grupo interministerial criado para discutir a situação da Venezuela.

audio/mpeg 01.02.19.mp3 — 46871 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Alessandra: Sexta-feira, 1º de fevereiro de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Alessandra: Primeiros 30 dias do governo do presidente Jair Bolsonaro.

 

Nasi: Entre as ações de destaque, a redução de ministérios.

 

Alessandra: E a flexibilização das regras para posse de armas. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: No balanço também estão as metas para os cem dias, e as novas regras para benefícios previdenciários. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Alessandra: Nossa equipe continua acompanhando o socorro às vítimas em Brumadinho.

 

Nasi: E mais de 200 barragens de mineração vão ter que instalar câmeras de segurança. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Todas as barragens que apresentam potencial alto de danos têm até junho deste ano para instalar câmeras de monitoramento 24 horas.

 

Alessandra: Vamos falar sobre a Semana de Prevenção à Gravidez na Adolescência.

 

Nasi: E também sobre o grupo interministerial criado para discutir a situação da Venezuela.

 

Alessandra: Hoje na apresentação: Alessandra Bastos e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br .

 

Alessandra: Redução de ministérios, decreto que amplia permissão para posse de armas e combate a fraudes na previdência.

 

Nasi: Hoje, o governo do presidente Jair Bolsonaro completa um mês.

 

Alessandra: E para detalhar cada ação está aqui com a gente no estúdio a repórter Graziela Mendonça. Olá, Graziela. Boa noite.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Boa noite, Alessandra, Nasi e ouvintes da Voz do Brasil.

 

Alessandra: Graziela, vamos começar com a primeira medida do governo, assim que assumiu, a preocupação inicial foi reestruturar o governo, não é isso?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): É isso mesmo, o primeiro mês de governo terminou, foram 30 dias de muito trabalho. A primeira ação do presidente Jair Bolsonaro foi enxugar a máquina pública, e, assim, diminuir os custos. Uma medida provisória logo no início do mês reduziu de 29 para 22 o número de ministérios, pastas foram unidas, outras viraram secretarias especiais, tudo para tornar o governo mais eficiente gastando menos. Só no Ministério da Economia, por exemplo, foram mais de 3 mil cargos cortados. Em seu discurso de posse, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a ideia é priorizar os interesses do país.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Tudo o que propusemos e tudo o que faremos a partir de agora tem um propósito comum e inegociável, os interesses brasileiros em primeiro lugar.

 

Nasi: E uma das principais medidas que o presidente anunciara na campanha era sobre a posse de armas. Já teve mudanças nesse primeiro mês de governo, Graziela?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Sim, Nasi, com 15 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. Esse decreto amplia a lista de casos em que o cidadão pode ter uma arma de fogo em casa: morar em zona rural ou em cidades que têm alto índice de violência são alguns exemplos. O decreto também aumenta o prazo para a renovação da posse de arma de cinco para dez anos. O presidente Jair Bolsonaro disse que a medida cumpre a manifestação da população no referendo de 2005.

 

Presidente Jair Bolsonaro: O que nós estamos fazendo aqui nada mais é do que restabelecer um direito definido nas urnas por ocasião do referendo de 2005. O povo decidiu por comprar armas e munições e nós não podemos negar o que o povo quis naquele momento.

 

Alessandra: Agora, Graziela, o novo governo também quer combater desvios na Previdência Social, o que foi feito para isso?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Olha, Alessandra, essa também foi uma medida importante nesse primeiro mês. A ideia é fazer um pente-fino em benefícios como pensão por morte, aposentadoria rural e auxílio-reclusão para evitar irregularidades. Para isso, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que prevê uma revisão criteriosa nesses benefícios. Essas ações de fiscalização devem gerar uma economia de R$ 9 bilhões aos cofres públicos. Ah, e falando de previdência, o governo discute uma proposta para a reforma, a ideia é a apresentá-la ao Congresso agora em fevereiro para votar ainda no primeiro semestre.

 

Nasi: Agora, Graziela, teve também agenda internacional nesse primeiro mês de governo, não é?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Isso mesmo, Nasi, como sempre acontece em janeiro, os líderes globais se reuniram em Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial. O presidente Jair Bolsonaro fez sua estreia e abriu a conferência. Durante os quatro dias na Suíça, ele se reuniu os chefes de Estado e destacou os compromissos do Brasil para abertura da economia e combate à corrupção. Ele também convidou investidores estrangeiros para parcerias aqui no país. Vamos ouvir.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Queremos governar pelo exemplo e queremos que o mundo restabeleça a confiança que sempre teve em nós. Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir e empreender, investir e gerar empregos.

 

Alessandra: A gente aqui está fazendo um balanço, Graziela, mas o governo já definiu as metas que ele quer cumprir nos próximos meses, não é isso? Conta para a gente.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): É sim, Alessandra, o governo já estabeleceu 35 metas para os primeiros cem dias de governo. Em todas as áreas, saúde, educação, segurança pública, meio ambiente. Uma das metas na área social, por exemplo, é criar o 13º do Bolsa Família. Na parte de infraestrutura, o governo vai investir em privatizações, especialmente na área de transporte. Essas metas vão ser colocadas em prática até abril, quando o governo vai fazer um novo balanço.

 

Nasi: Pois é, Graziela, mas, infelizmente, janeiro também foi marcado pelo desastre em Brumadinho, Minas Gerais, que medidas do governo podemos destacar?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Pois é, Nasi, realmente essa tragédia chocou o país. Assim que a barragem se rompeu, na sexta-feira passada, o governo começou uma verdadeira força-tarefa, mobilizando todos os ministérios para acompanhar a situação e apoiar a cidade. No dia seguinte ao desastre, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou o local e acompanhou de perto as ações. Além de enviar as Forças Armadas e aceitar a ajuda dos militares israelenses, o governo federal também tomou outras medidas para ajudar a população, uma delas foi a antecipação do Bolsa Família para os moradores de Brumadinho, o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS, também foi liberado e o orçamento já tem disponível R$ 800 milhões para socorro e assistência às vítimas. E já que estamos falando de Brumadinho, eu me despeço por aqui para chamar a repórter Luana Karen, que está há uma semana acompanhando todas essas ações de perto, né, Luana? Boa noite.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): É isso mesmo, Graziela, boa noite. Boa noite, Nasi, Alessandra e ouvintes da Voz do Brasil. Hoje, nós conversamos com vários moradores da região, pessoas que perderam bens e também amigos e familiares. Além do trabalho de buscas e de policiamento, existe também um esforço do governo de prestar atendimento assistencial aos moradores de Brumadinho. E é isso que a gente ouve agora nessa reportagem.

 

Repórter Luana Karen: O auxiliar de serviços gerais Emerson Leandro dos Santos trabalhava numa horta no Parque da Cachoeira quando a barragem da Mina do Feijão se rompeu.

 

Auxiliar de serviços gerais - Emerson Leandro: Nós 'foi' e fez o quê? Quando nós 'estava' trabalhando e tudo, mais os meninos na horta: "Não, vamos ver o que aconteceu, se tem alguém pedindo socorro". Chegou lá, tinha muita gente, tinha umas quatro, cinco, gente que trabalhava na horta, na lama, pedindo socorro na lama lá: "Socorro, socorro". Nós fomos, tentou jogar a corda e tudo, eles foram afundando aos poucos para dentro. Tentamos jogar corda, bambu para salvar, não teve jeito de salvar.

 

Repórter Luana Karen: A casa de Emerson foi levada pela lama de rejeitos de minério, agora, ele contabiliza o prejuízo.

 

Auxiliar de serviços gerais - Emerson Leandro: Tinha quatro geladeiras, duas da minha mãe, duas minhas lá. Uma das minhas geladeiras tinha 60 quilos de traíra, 30 quilos já estavam vendidos. Perdi tudo, não teve como... eu tive que pegar um dinheiro e pagar o cara, que... perdi isso, perdemos o cavalo que estava no fundo, perdemos, era piscina que tinha lá, tinha sinuca, tinha totó, perdemos tudo.

 

Repórter Luana Karen: A lama passou a 50 metros da casa da Augusta Marina Sabina Silva, desde então a aposentada não conseguiu passar nenhuma noite em casa.

 

Aposentada - Augusta Marina Sabina Silva: Teve uma chuva muito forte, que derrubou muita água, assim, perto da minha casa, não atingiu minha casa, não, só que não tinha entrada e nem saída. Meu esposo tirou um pouco das águas perto de casa para nós entrarmos para dentro de casa, só que a rua lá não passa caminhão de lixo mais, estou queimando lixo e não tem saída. O cheiro da lama está muito forte.

 

Repórter Luana Karen: E uma força-tarefa que uniu os governos federal e estadual e a Prefeitura de Brumadinho, uma equipe de assistentes sociais está coletando os dados das pessoas afetadas pelo rompimento da Barragem do Feijão. Segundo a diretora de Proteção Social Especial da Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério da Cidadania, Maria Yvelonia Barbosa, a ideia é acompanhar a situação de cada pessoa e prestar todo o auxílio necessário.

 

Diretora de Proteção Social Especial da Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério da Cidadania - Maria Yvelonia Barbosa: Nós estamos fazendo esse levantamento, esse registro e a partir da verificação dessas necessidades, eles são encaminhados para os serviços dos CRAs, Creas e nos serviços de convivência para que possam ser atendidos com os benefícios e com os serviços socioassistenciais.

 

 

Repórter Luana Karen: O pai da desempregada Josiane Soares dos Santos trabalhava como terceirizado na Vale e está desaparecido desde o rompimento da Barragem do Feijão, ela procura agora no que se apegar.

 

Entrevistada - Josiane Soares dos Santos: Esperando para ver o que vai acontecer, né? O que eles vão resolver com a gente. A minha vontade é de sair daqui, que eu não quero nem ficar aqui mais nesse lugar. A minha mãe também não quer morar aqui mais, quer ir embora daqui.

 

Repórter Luana Karen: Para ajudar neste recomeço, cerca de 1.500 famílias que recebem o Bolsa Família no município de Brumadinho terão pagamento antecipado, já os pequenos agricultores terão a venda dos produtos garantida pelo Programa de Aquisição de Alimentos. O PAA foi ampliado em R$ 300 mil e passou a ser de R$ 420 mil para que mais agricultores familiares de Brumadinho possam participar. De Brumadinho, em Minas Gerais, Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): E a busca por vítimas do rompimento da Barragem do Feijão entrou hoje no oitavo dia. Segundo o Corpo de Bombeiros, a operação não tem prazo para acabar, mas as chances de encontrar sobreviventes é agora mínima. Eles já estão trabalhando com máquinas mais pesadas, como escavadeiras, para remover a lama em busca de corpos. Bombeiros civis e voluntários também estão participando das buscas. Segundo a Polícia Civil, a delegacia de Brumadinho vai passar a funcionar até meia-noite e no domingo será feita a expedição de carteiras de identidade. Muitos moradores perderam os documentos nessa tragédia. No começo desta tarde, os bombeiros pararam o trabalho por um momento para prestar uma homenagem às vítimas, eles fizeram um minuto de silêncio e dos helicópteros jogaram pétalas no local onde estava a barragem. E hoje o Ministério do Desenvolvimento Regional anunciou que as 3.386 barragens que apresentam riscos vão ser vistoriadas por entidades federais e estaduais até o fim do ano. Serão priorizadas 205 barragens de mineradoras como a de Brumadinho, que deverão ser vistoriadas até o mês de junho. Os prazos foram indicados hoje aos órgãos responsáveis pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, que também é presidente do Conselho Nacional de Recursos Hídricos. E a Agência Nacional de Mineração se manifestou hoje sobre a fiscalização da barragem de Brumadinho. A repórter Gabriela Noronha acompanhou, vamos ouvir na reportagem.

 

Repórter Gabriela Noronha: Durante reunião em Brasília nesta sexta-feira, o diretor-geral da Agência Nacional de Mineração, Victor Hugo Bicca, disse que desde 2015, após a rompimento da barragem em Mariana, o governo já vinha tomando uma série de medidas para evitar novas tragédias.

 

Diretor-geral da Agência Nacional de Mineração - Victor Hugo Bicca: A obrigação dos empreendedores com barragens de alto dano potencial associado, com método construtivo ao montante e com pessoas atingidas em seu mapa de inundação de manter monitoramento em tempo integral, e isso inclui a implantação de monitoramento de vídeo, 24 horas por dia, das barragens. Esta obrigação tem que ser cumprida por todos os detentores dessas estruturas até o dia 18 de junho agora de 2019.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo a Agência Nacional de Mineração, foi encaminhado à Polícia Federal o vídeo do exato momento em que a barragem da Vale se rompeu em Brumadinho. O reservatório era monitorado pela própria empresa por câmeras instaladas em uma área que não foi atingida pela lama, como diz o diretor da agência.

 

Diretor-geral da Agência Nacional de Mineração - Victor Hugo Bicca: Como se fosse um avião, é uma caixa-preta, isso está agregado a outros dados, dados técnicos, monitoramento por radar.

 

Repórter Gabriela Noronha: Esse sistema de monitoramento emitiu nove alertas de problemas de segurança no ano passado. Em três casos, o aviso evitou que as barragens se rompessem. No caso de Brumadinho, o diretor da agência explica que os dados foram satisfatórios e nenhum alerta foi emitido.

 

Diretor-geral da Agência Nacional de Mineração - Victor Hugo Bicca: Em termos de segurança operacional, era classificada como categoria de risco baixo e dano potencial associado alto. A estrutura foi vistoriada 'in loco' pela ANM em meados de 2016. A concessionária Vale apresentou, desde 2017, dentro do prazo legal, todas as declarações de condição de estabilidade referentes à estrutura, inclusive, a última declaração firmada por auditoria independente.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Brasil possui 839 barragens de mineração, do total, 223 são barragens com dano potencial associado alto. O secretário de Geologia e Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Alexandre Vidigal de Oliveira, afirmou que normas de fiscalização da agência vão ser estudadas.

 

Secretário de Geologia e Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia - Alexandre Vidigal de Oliveira: Nós estamos diante de uma situação complexa, tudo que for necessário ser feito, será feito, será reanalisado, será implantado.

 

Repórter Gabriela Noronha: O secretário disse ainda que na próxima segunda-feira haverá uma reunião entre os técnicos do ministério e engenheiros especializados, para tratar de possíveis medidas para evitar novas tragédias. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): O rompimento da Barragem do Feijão aconteceu na sexta-feira da semana passada, um pouco antes de meio-dia e meia. Os números dessa tragédia acabaram de ser atualizados. Estão confirmados 115 mortos, 71 corpos foram identificados e há 248 desaparecidos. Nasi e Alessandra.

 

Nasi: Obrigado, Luana Karen, pela participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Alessandra: Começou a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, o objetivo é informar e reduzir casos entre jovens.

 

Nasi: Daqui a pouco a gente traz mais informações.

 

Alessandra: Com quadro clínico em evolução, o presidente Jair Bolsonaro conversou hoje, por videoconferência, com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno.

 

Nasi: Nós vamos agora conversar, ao vivo, com o repórter Ricardo Ferraz que está no hospital onde o presidente se recupera em São Paulo e tem mais informações. Boa noite, Ricardo.

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): Boa noite, Nasi, Alessandra e ouvintes da Voz do Brasil. O boletim médico divulgado pela equipe que acompanha o Presidente da República informa que Jair Bolsonaro apresenta quadro clínico estável, sem infecção ou outra complicação, como explicou o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros.

 

Porta-voz da Presidência da República - Otávio Rêgo Barros: O Excelentíssimo Presidente da República Jair Bolsonaro encontra-se no quarto no quarto dia após a cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal, permanece com estado clínico estável. Por ordem médica, o paciente segue com visitas restritas.

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): O presidente segue realizando exercícios de fisioterapia respiratória e caminhadas sem auxílio de aparelhos. A partir de segunda-feira são esperadas visitas de ministros mais próximos e do vice-presidente Hamilton Mourão. Hoje, pela manhã, o presidente realizou uma teleconferência com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno. Eles trataram de questões relacionadas à segurança pública e a defesa, como a situação do Ceará e da Venezuela. O presidente também acompanha as eleições para presidente da Câmara e do Senado federal. De São Paulo, Ricardo Ferraz.

 

Nasi: Começa hoje a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.

 

Alessandra: A semana vai ocorrer todos os anos para conscientizar sobre a importância do planejamento da vida sexual.

 

Nasi: E para ajudar a reduzir os índices de gravidez não intencional nessa fase da vida.

 

Alessandra: No Brasil, a taxa de gravidez indesejada na adolescência supera a média da América Latina e do mundo.

 

Nasi: Durante a semana, também haverá a assinatura conjunta de uma carta de intenções com propostas efetivas nesta área.

 

Alessandra: A repórter Nathalia Koslyk conversou com a secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Viviane Petinelli, e traz os detalhes para a gente.

 

Repórter Nathalia Koslyk: Qual é a importância de ter uma semana para tratar da gravidez na adolescência?

 

Secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Viviane Petinelli: A importância, ela é enorme, porque hoje o Brasil, ele se encontra dentre os países com maior índice da gravidez na adolescência. Uma última pesquisa da Organização Mundial de Saúde de 2018, ela mostra que a taxa estimada para as Américas hoje é de 48,6 nascimentos para cada mil adolescentes entre 15 e 19 anos, e no Brasil essa taxa se encontra hoje em 58,4, 10 pontos a mais do que a taxa nas Américas.

 

Repórter Nathalia Koslyk: E que impactos tem a gravidez na adolescência?

 

Secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Viviane Petinelli: Nós temos dois impactos diretos, o primeiro é o abandono da escola, e uma segunda implicação é em relação ao mercado de trabalho, que a proporção de adolescentes e jovens mulheres entre 15 e 19 anos que não estão inseridas no mercado de trabalho é maior entre aquelas que tiveram filhos. Nós temos aí, então, uma adolescente que engravida de forma não intencional com a possibilidade de não estar nem na escola, nem no mercado de trabalho.

 

Repórter Nathalia Koslyk: E o que está sendo preparado para essa semana?

 

Secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Viviane Petinelli: Dentre as ações, nós temos uma campanha virtual, por redes sociais, a partir de hoje, dia 1, até o dia 8, voltada para uma conscientização do adolescente, chamando a atenção para ele que ele pode, sim, evitar e não apenas evitar, ele pode planejar conscientemente a sua vida sexual. Buscaremos trabalhar ações efetivas para a redução cada vez mais expressiva da incidência da gravidez não intencional na adolescência.

 

Repórter Nathalia Koslyk: Eu conversei com a Viviane Petinelli, secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretária, muito obrigada pela sua entrevista aqui para a Voz do Brasil.

 

Secretária-adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Viviane Petinelli: Eu que agradeço.

 

Nasi: O governo brasileiro quer encontrar uma solução para a crise política na Venezuela.

 

Alessandra: Hoje, o Ministério das Relações Exteriores propôs a criação de um grupo interministerial.

 

Nasi: O grupo terá a função de discutir e executar ações para solucionar a crise no país vizinho.

 

Repórter Pablo Mundim: Em crise política, econômica e social, a Venezuela tem enfrentado protestos desde que Nicolás Maduro tomou posse em seu segundo mandato como presidente. A oposição não reconheceu as eleições de Maduro, assim como vários países, entre eles, o Brasil. O governo brasileiro pretende criar um grupo interministerial para discutir temas, como dívida com o país vizinho, sanções econômicas e ajuda humanitária. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, informou que a proposta foi encaminhada à Casa Civil nessa sexta-feira.

 

Ministro das Relações Exteriores - Ernesto Araújo: A Casa Civil já tinha um núcleo que coordenava a parte humanitária de acolhimento dos refugiados e imigrantes venezuelanos. Então, propusemos hoje que houvesse esse grupo que cobrisse outros aspectos de logística, de ajuda humanitária, financeira, etc. Acho que é uma ideia que se faz necessária em função dessa capilaridade, digamos, da situação, cada vez surgem novos aspectos que precisam ser objetos de coordenação.

 

Repórter Pablo Mundim: O ministro Ernesto Araújo também falou sobre o fluxo imigratório de venezuelanos no Brasil, e disse que o governo vai continuar recebendo os imigrantes que fogem da crise no país vizinho.

 

Ministro das Relações Exteriores - Ernesto Araújo: Imigrantes venezuelanos continuam sendo acolhidos da melhor maneira que o Brasil pode acolhê-los, como já vinha sendo feito pelo governo interior, e nós não temos problemas nenhum nesse acolhimento dos venezuelanos.

 

Repórter Pablo Mundim: Dias depois da posse de Maduro, o presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país e prometeu a realização de novas eleições. O governo brasileiro já declarou reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Reportagem: Pablo Mundim.

 

Alessandra: Balança comercial tem resultado positivo de mais de US$ 2 bilhões em janeiro.

 

Nasi: O resultado é a diferença entre o que o país vendeu e o que comprou.

 

Alessandra: E as exportações registraram o maior valor para o mês dos últimos 20 anos.

 

Repórter Márcia Fernandes: Janeiro terminou com um saldo positivo de US$ 2,190 bilhões. O país importou cerca de US$16 bilhões em produtos, mas arrecadou US$ 18,5 bilhões com as vendas. Apesar de o resultado da balança ser inferior ao registrado em janeiro passado, as exportações registraram o maior valor da série histórica desde 1997. Os destaques nas exportações foram produtos básicos, como milho, algodão, soja e cobre, e manufaturados, como peças para aviação e óleos combustíveis. A China foi o principal comprador do país, seguida por Estados Unidos, Panamá, Países Baixos e Argentina. Em relação à importação, o Brasil comprou mais veículos de carga, helicópteros e máquinas de impressão, mas passou a comprar menos óleo diesel e gás natural. China, Estados Unidos e Alemanha foram os principais fornecedores do país. Márcia Fernandes para a Voz do Brasil.

 

Alessandra: O vice-Presidente da República Hamilton Mourão participou da abertura do ano judiciário em cerimônia no Supremo Tribunal Federal.

 

Nasi: Mourão citou o presidente Jair Bolsonaro, que defendeu um pacto nacional entre a sociedade e os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário como forma de vencer os desafios do país.

 

Alessandra: O vice-presidente afirmou que o governo conta com o Judiciário para legitimar as reformas que o país precisa.

 

Vice-Presidente da República Hamilton Mourão: O país necessita de reformas estruturantes, que serão realizadas e certamente ensejarão discussões nas diversas instâncias do Poder Judiciário, sendo certo que chegarão a esta Casa. Reconforta nos saber que esta mais alta Corte, com saber e sensibilidade, tomará as decisões que o nosso país precisa.

 

Nasi: E atenção, estudantes do ensino superior que usam o novo Fies.

 

Alessandra: O prazo para a renovação de contratos foi prorrogado até o dia 15 de fevereiro.

 

Nasi: Os procedimentos devem ser realizados por meia da página: sifesweb.caixa.gov.br.

 

Alessandra: Se o estudante quiser fazer alterações no contrato, como a troca de fiador, deve comparecer a uma agência da Caixa operadora do sistema.

 

Nasi: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Alessandra: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Alessandra: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

"Governo federal. Pátria amada, Brasil".