02 de outubro de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Missão para garantir eleições tranquilas. 30 mil militares vão dar apoio à Justiça Eleitoral. Eles vão levar urnas a locais de difícil acesso e manter segurança em quase 500 cidades. E mais de 500 mil brasileiros que moram fora do país vão poder votar no domingo. Incêndio no Museu Nacional completa um mês. E vamos dar as últimas informações sobre as obras de recuperação do local. Projetos para uso de mais tecnologia nas salas de aula vão ter financiamento de R$ 500 milhões.

audio/mpeg 01-10-18-VOZ DO BRASIL - vale este.mp3 — 46835 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Luciano Seixas: Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Luciano: Terça-feira, 2 de outubro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Missão para garantir eleições tranquilas.

 

Luciano: Trinta mil militares vão dar apoio à Justiça Eleitoral.

 

Nasi: Eles vão levar urnas a locais de difícil acesso e manter segurança em quase 500 cidades, Lane Barreto.

 

Repórter Lane Barreto: Eles vão atuar para assegurar a GVA, que é a missão de Garantia da Votação e Apuração, e também no transporte de urnas e de pessoal de Justiça Eleitoral.

 

Luciano: E mais de 500 mil brasileiros que moram fora do país vão poder votar no domingo. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Ao todo, quase 750 urnas foram enviadas a 99 países.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Luciano: Incêndio no Museu Nacional completa um mês.

 

Nasi: E vamos dar últimas informações sobre as obras de recuperação do local. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: A operação de isolamento, reforço da estrutura e cobertura do prédio está em andamento, e só depois dessa etapa emergencial será possível começar a fase de resgate e recuperação do acervo.

 

Luciano: Projetos para uso de mais tecnologia nas salas de aula vão ter financiamento de R$ 500 milhões.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil de hoje, Luciano Seixas e Nasi Brum.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Nasi: Domingo é dia de 147 milhões de eleitores irem às urnas para votar no primeiro turno das eleições.

 

Luciano: E para garantir eleições tranquilas as Forças Armadas vão dar apoio à Justiça Eleitoral.

 

Nasi: São os militares que garantem a chegada de urnas em locais de difícil acesso, como tribos indígenas e populações ribeirinhas.

 

Luciano: Além disso, vão realizar ações de segurança nos locais de votação de quase 500 cidades.

 

Nasi: Cerca de 30 mil militares devem atuar no primeiro turno.

 

Luciano: Uma missão para que todo brasileiro exerça o direito de escolher seus representantes.

 

Repórter Lane Barreto: Para que o processo eleitoral ocorra com tranquilidade, militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica estão envolvidos em ações de apoio. Eles vão atuar para assegurar a GVA, que é a missão de Garantia da Votação e Apuração, e também no transporte de urnas e de pessoal da Justiça Eleitoral. Nas eleições, as tropas atuam por solicitação do Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. São os juízes eleitorais dos estados que formulam os pedidos aos Tribunais Regionais Eleitorais, e esses encaminham as solicitações ao TSE. Por sua vez, o TSE analisa os pedidos, e, caso sejam aprovados, repassam ao Ministério da Defesa. O chefe da Seção de Operações Complementares do Ministério da Defesa, comandante Walter Marinho, explica a importância das ações das Forças Armadas para que todo brasileiro tenha acesso ao direito de votar.

 

Chefe da Seção de Operações Complementares - Walter Marinho: As Forças Armadas têm um papel muito importante porque só as Polícias Militares, muitas vezes, não conseguem garantir em todos esses locais que haja essa tranquilidade para as pessoas acessarem o local de votação, né, e possam exercer essa sua cidadania de forma adequada.

 

Repórter Lane Barreto: Em Brasília, integrantes do Ministério da Defesa trabalham no Centro de Operações Conjuntas com setores especializados e representantes das agências envolvidas nas eleições. Além disso, a pasta organizou cinco núcleos regionais para coordenar a atividade dos militares nas eleições. O chefe da Seção de Operações Complementares do Ministério da Defesa, explica como funcionará esse apoio.

 

Chefe da Seção de Operações Complementares - Walter Marinho: São usados todos os meios disponíveis, já que é um esforço muito grande das Forças Armadas para fazer chegar as urnas em locais de difícil acesso, garantindo, assim, que toda a população participe desse processo democrático. Então, helicópteros são muito atualizados, é um esforço grande aí dessa parte de aviação, assim também como alguns navios, embarcações pequenas, né? Onde possa atingir ao maior número de popular possível.

 

Repórter Lane Barreto: Por meio da atuação das Forças Armadas em ações de Garantia da Votação e a Apuração, os militares não atuarão por iniciativa própria contra os crimes eleitorais, devendo o juiz eleitoral competente orientar o comandante militar da tropa em eventuais situações de desordem. Reportagem, Lane Barreto.

 

Nasi: E brasileiros que moram no exterior vão poder exercer a cidadania e votar.

 

Luciano: Mais de 500 mil eleitores estão cadastrados, um aumento de 40% em relação às eleições de quatro anos atrás.

 

Nasi: As urnas vão estar em quase cem países nas sedes das embaixadas, consulados e em outros locais com prestação de serviço do Governo Brasileiro.

 

Repórter Márcia Fernandes: Elas estão no Vale do Beca, no Líbano, ou em povoados no interior da China, ao todo, quase 750 urnas foram enviadas a 99 países, a maioria para as cidades de Boston e Miami, nos Estados Unidos, o país, junto do Japão e de Portugal, são os que concentram a maior número de brasileiros que vão votar no exterior nesta eleição. O número de eleitores cadastrados subiu mais de 40% em relação à eleição de 2014. O subchefe da Divisão de Assistência Consular do Ministério das Relações Exteriores, Ronaldo Rodegher, explica que as urnas vão funcionar, independente do fuso horário.

 

Subchefe da Divisão de Assistência Consular - Ronaldo Rodegher: Em qualquer lugar com o mundo, em qualquer país essas urnas estarão abertas das 8h às 17h horário local. Isso significa que quando as pessoas aqui no Brasil estiverem... na hora que estiveram indo dormir no sábado que antecede às eleições já haverá urnas abertas provavelmente na Nova Zelândia, ou no Japão, ou na Austrália.

 

Repórter Márcia Fernandes: Só pode votar quem declarou que mora naquele país e o nome consta no Caderno de Votação Eleitoral. O voto é facultativo para quem tem entre 16 e 18 anos, mais de 70 anos ou para os analfabetos. E para quem tem entre 18 e 70 anos o voto é obrigatório nas eleições presidenciais. O jornalista Marcelo Diniz mora em Atlanta nos Estados Unidos, ele conta que no domingo vai votar em exercício de democracia.

 

Jornalista - Marcelo Diniz: É muito importante você participar das eleições e poder ter o seu nome gravado na história da democracia, e dar o direito de os filhos terem a democracia como herança.

 

Repórter Márcia Fernandes: Se a pessoa não mora em outro país, mas estiver viajando, precisa justificar o voto. Isso vale também para aqueles que moram fora, mas ainda não transferiram o título, para isso é preciso apresentar um requerimento do consulado ou na embaixada. E no domingo, votando aqui ou fora do país, é preciso lembrar de levar documento oficial com foto. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Luciano: O incêndio que atingiu o Museu Nacional, que já abrigou reis, múmias e a Luzia, a mais liga fóssil do Brasil, completa um mês, e a mobilização continua.

 

Nasi: Além das obras emergenciais, o objetivo agora é retomar as atividades em escolas, especialmente de ensino fundamental e médio.

 

Repórter João Pedro Neto: Um mês depois do incêndio que atingiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro e destruiu parte do acervo da instituição, a operação de isolamento, reforço da estrutura e cobertura do prédio está em andamento, a empresa que faz o trabalho já atua no local, é o que explica a ministro da Educação, Rossieli Soares.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Os recursos já foram descentralizados para a universidade, a universidade já contratou empresas, que já está fazendo especialmente o escoramento para, com segurança, adentrar e já começar a fazer a busca dos acervos que ainda possam estar dentro do museu.

 

Repórter João Pedro Neto: Nessa terça-feira, funcionários, pesquisadores e amigos do Museu Nacional deram um abraço simbólico no prédio. Para o biólogo, Igor Rodrigues, que atuava no setor educativo, uma amostra de que a equipe continua unida.

 

Biólogo Igor Rodrigues: Esse abraço, ele é bastante simbólico, ele mostra que a equipe do museu continua unida, que a gente continua querendo trabalhar, que a gente continua amando a instituição, mesmo que a gente não tenha a possibilidade de entrar nela todo dia, como antigamente a gente fazia.

 

Repórter João Pedro Neto: E o Museu Nacional está com uma campanha de financiamento coletivo para retomar atividades junto às escolas do Rio e a atendimento a estudantes do nível fundamental e médio. É possível doar a partir da R$ 20. O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, fala da importância de trazer de volta as escolas para a instituição.

 

Diretor do Museu Nacional - Alexander Kellner: Nós atendíamos algo em torno de 600 escolas, o que dava algo aproximadamente de 20 mil alunos, esses 20 mil alunos ficaram órfãos em termos de conhecimento, e nós precisamos voltar a trabalhar e abrir o Museu Nacional para esses alunos.

 

Repórter João Pedro Neto: As obras emergenciais no Palácio da Quinta da Boa Vista tiveram início depois que o Ministério da Educação liberou cerca de R$ 9 milhões para a UFRJ. O MEC também articula o trabalho com órgãos e entidades públicas e privadas interessados em ajudar na preservação e restauração do museu. Especialistas da Unesco e de outros países vão apoiar as ações de reconstrução e recuperação do acervo. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: E, se você quiser colaborar para que o Museu Nacional volte a receber turmas escolares entre agora no Twitter da Voz do Brasil, que a gente te dá todas ás informações.

 

Nasi: O endereço é: twitter.com/avozdobrasil.

 

Luciano: Promover a autonomia e melhorar a qualidade de vida das famílias inscritas no Cadastro Único, principalmente as que recebem o Bolsa Família.

 

Nasi: Objetivos do Programa Progredir, que acaba de completar um ano.

 

Luciano: Por meio do Progredir as famílias de baixa renda recebem incentivo para acessar o mercado de trabalho e podem conseguir pequenos empréstimos para criar ou melhorar o próprio negócio.

 

Nasi: Hoje e amanhã, aqui na Voz do Brasil, você vai saber como o programa funciona e vai conhecer pessoas que já estão se beneficiando com a iniciativa.

 

Repórter Graziela Mendonça: Amanda Ferreira é beneficiária do Bolsa Família e mora em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. Há tempos ela esperava uma oportunidade de fazer um curso de informática, área em que sonha trabalhar, foi quando conheceu o site do Plano Progredir do Governo Federal, que oferece cursos profissionalizantes de graça para pessoas de baixa renda.

 

Entrevistada - Amanda Ferreira: Tivemos o Word, nós tivemos planilhas, tivemos Excel. Eu acho que você acaba acrescentando no seu currículo, entendeu?

 

Repórter Graziela Mendonça: Assim como Amanda, todos os beneficiários do Cadastro Único podem fazer os cursos do Progredir. Cerca de 30 mil pessoas já se qualificaram desde que o plano foi lançado, em setembro do ano passado. O secretário de Inclusão Produtiva do Ministério do Desenvolvimento Social, Vinícius Botelho, ressalta os benefícios da qualificação para melhorar a vida de quem tem baixa renda.

 

Secretário de Inclusão Produtiva - Vinícius Botelho: A qualificação, ela é um passo essencial para que as pessoas possam conseguir emprego e para que elas possam gerir melhor suas atividades de subsistência. A qualificação, ela faz com que as pessoas estejam mais preparadas para todas as dificuldades que surgem, tanto do ambiente de trabalho, como no processo criativo para a contratação.

 

Repórter Graziela Mendonça: Além de qualificar, o governo também faz a intermediação entre as empresas e o público do Cadastro Único. O objetivo é dar oportunidade de emprego para quem mais precisa. Por meio do site do Progredir o beneficiário pode montar um currículo online, que fica disponível para as empresas parceiras. Foi por meio do Progredir que a vida do jovem Gilberto Cordeiro, paulistano de 29 anos, deu uma guinada. Com o apoio da plataforma, Gilberto foi contratado em uma grande empresa varejista parceira do Progredir.

 

Entrevistado - Gilberto Cordeiro: Entrei no site do Progredir, fiz a inscrição. Aí, quando menos esperava, recebi a ligação do pessoal para fazer o processo seletivo. E, graças a Deus, ocorreu tudo bem, seis meses e eu fui promovido. Eu estou bem feliz, para ser sincero.

 

Repórter Graziela Mendonça: Mais de 300 empresas estão cadastradas como parceiras e têm acesso aos currículos dos beneficiários. A Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores é uma delas. O presidente da Abad, Emerson Destro, conta como está sendo a parceria com o programa.

 

Presidente da Abad - Emerson Destro: A gente tem pedido aos empresários do setor que deem uma preferência às pessoas que se enquadram dentro dos requisitos do Programa Progredir. Então, todas as ferramentas possíveis de comunicação, elas são utilizadas no dia a dia para a comunicação do Programa Progredir como forma de conscientizar os empresários do setor a buscar mão de obra nesse grupo de pessoas.

 

Repórter Graziela Mendonça: Qualquer pessoa que faça parte do Cadastro Único do Governo Federal pode acessar o site do Prosseguir e se inscrever em um curso de qualificação ou montar um currículo online. É só colocar o CPF e o estado começar a usar o portal, o endereço é: mds.gov.br/progredir. O site também traz informações para empresas interessadas em se tornar parceiras do programa. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Luciano: Agricultores familiares podem vender a produção para o governo.

 

Nasi: Órgãos públicos estão com chamadas abertas para compra de alimentos como frutas, verduras, carnes e sucos.

 

Luciano: Os detalhes daqui a pouco.

 

Nasi: Receber o salário no banco que ofereça mais vantagens ao trabalhador.

 

Luciano: Esta é a ideia da portabilidade salarial, que também permite uma maior concorrência entre as instituições financeiras.

 

Nasi: O Banco Central criou novas regras para a portabilidade em julho, desde então, mais de 400 mil pessoas fizeram o pedido para receber o salário em outro banco.

 

Repórter Cleide Lopes: O analista de sistemas de Brasília, Anderson Neiva, não estava contente com o banco onde a empresa em que ele trabalha depositava o seu pagamento. Aí ele pesquisou um banco que gostaria de receber o seu salário e fez o pedido de portabilidade pelo site da própria instituição.

 

Analista de sistemas - Anderson Neiva: A gente, que recebe salário por algum banco, e quer mudar, a gente tem que ver as vantagens que o outro banco está te oferecendo, né? Eu não tenho taxa nenhuma. Então, para mim isso é uma grande vantagem, né?

 

Repórter Cleide Lopes: A exemplo do telefone celular, que você pode escolher a operadora, a portabilidade bancária também é possível desde 2007. Em julho deste ano, o Banco Central definiu novas regras para a portabilidade, agora, o banco escolhido pelo cliente se encarrega de solicitar a mudança à instituição que detém que a folha de pagamento. E a mudança ocorre num prazo de dez dias, como explica a chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, Paula Ester Farias de Leitão.

 

Chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central - Paula Ester Farias de Leitão: Então, normalmente o que é que vai acontecer? Você vai pedir num mês para que a partir de próximo mês o seu salário seja transferido automaticamente.

 

Repórter Cleide Lopes: De acordo com o Banco Central, em três meses, das novas regras de portabilidade de conta-salário, 443 mil pessoas já fizeram pedido para mudar de banco, destes, mais da metade foram concretizados. Muitos pedidos são cancelados por desistência do próprio cliente, em função de melhores condições ofertadas pela instituição detentora da conta-salário, aumentando a concorrência no mercado. O Banco Central lembra que o correntista pode mudar de banco quantas vezes quiser sem nenhum custo. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Luciano: Você já ouviu aqui na Voz do Brasil que depois de décadas de disputa na justiça, bancos e poupadores chegaram a um acordo sobre as perdas causadas na poupança pelos planos econômicos das décadas de 1980 e 90.

 

Nasi: O acordo só foi possível com a mediação da AGU, a Advocacia Geral da União.

 

Luciano: E como parte desse acordo, os interessados em encerrar essa disputa na justiça devem se cadastrar em uma plataforma digital.

 

Nasi: Até agora, mais de 85 mil poupadores já se cadastraram.

 

Repórter Raíssa Lopes: Três milhões de brasileiros perderam rendimentos da poupança nas décadas de 1980 e 90 durante os Planos Bresser, Verão e Collor 2, eles entraram na justiça e depois de quase 30 anos de espera veio a chance de reparar a perda. Isso porque entidades representativas de bancos e de consumidores chegaram a acordo com mediação da AGU, como explica a advogada-geral da União, Grace Mendonça.

 

Advogada-geral da União - Grace Mendonça: A perspectiva que se tinha era de que esse desfecho ainda demandaria um tempo mais prolongado. Então, nosso esforço foi no sentido de avançarmos através do diálogo para tentar chegar num ponto comum.

 

Repórter Raíssa Lopes: De acordo com o Grace Mendonça, o valor fixado no acordo é superior àquele que o poupador alcançaria no caso de uma decisão judicial favorável e vai facilitar a vida da maioria dos que já têm idade avançada.

 

Advogada-geral da União - Grace Mendonça: O esforço nosso foi no sentido de se chegar a um consenso mais rápido possível para que esses recursos pudessem estar verdadeiramente à disposição do poupador, e, em especial, daqueles com idade mais avançada, para que pudessem usufruir não somente na doença, mas também, não é, para coisas boas da vida.

 

Repórter Raíssa Lopes: Para recuperar o dinheiro perdido os poupadores ou seus representantes legais devem se cadastrar na plataforma digital criada para esse fim e inserir os dados da ação que está na justiça. As informações são enviadas às instituições financeiras responsáveis pelos pagamentos, conferidas e validadas. Devem ser injetados em torno de R$ 12 bilhões na economia ao longo de dois anos, como explica Estevan Pegoraro, presidente da Federação Brasileira de Bancos.

 

Presidente da Federação Brasileira de Bancos - Estevan Pegoraro: Os poupadores vão usar esse valor para trocar de carro, para comprar uma geladeira, para fazer uma viagem, enfim.

 

Repórter Raíssa Lopes: As adesões estão sendo feitas em fases, começando pelos poupadores mais idosos e exclusivamente por via eletrônica. No endereço www.pagamentodapoupanca.com.br . Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Luciano: Usar mais tecnologia dentro das salas de aula das escolas brasileiras.

 

Nasi: Para isso as faculdades privadas do Brasil vão contar com um incentivo financeiro para realizarem projetos de inovação para a educação básica.

 

Luciano: Foi criada uma nova linha de crédito de R$ 500 milhões com juros reduzidos.

 

Nasi: A verba vai ser viabilizada por meia da Financiadora de Inovação e Pesquisa, Finep, órgão vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

 

Repórter Márcia Fernandes: Estimular projetos que modernizem a educação básica do país, esse é o objetivo do Programa de Apoio à Inovação em Educação no Ensino Superior. Para participar as faculdades precisam apresentar ideias de novas formas de ensinar e sugerir recursos digitais que ajudem no processo de ensino. Vão ser disponibilizados R$ 500 milhões em crédito para os projetos escolhidos. O ministro da Educação, Rossieli Soares, destaca que hoje mais de 80% dos professores das escolas públicas são formados em instituições particulares, por isso a importância dessas faculdades participarem de projetos sobre a criação de novos métodos de ensino.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: E nós precisam que também as instituições privadas inseriram nos seus planejamentos estratégicos, nas suas ações, pesquisas sobre metodologia de aprendizagens, a prática didática dentro da sala de aula, como que a gente pode melhorar a educação básica.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os projetos devem ser de, no mínimo, R$ 3 milhões. O pagamento pode ser feito em até 12 anos e as instituições podem pagar com juros mais baixos, como explica o Ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab.

 

Ministro da Ciência e Tecnologia - Gilberto Kassab: É um financiamento com juros subsidiados, juros mais baixos, que vão possibilitar diversas a instituições o acesso a um recurso que vai modernizar os instrumentos à disposição dos alunos, em especial no meio universitário.

 

Repórter Márcia Fernandes: O professor da Unidade Federal de Santa Catarina, Paulo Esteves, assistiu o lançamento do projeto. Ele conta que a universidade vai apoiar um projeto de uma instituição privada, a Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina. O projeto tem quatro frentes de ação, uma delas prevê a capacitação de professores para usar tecnologias em sala de aula e tornar e o aluno mais ativo no processo de aprendizagem. Para Paulo Esteves, linhas de financiamento como essas são importantes para o desenvolvimento da educação.

 

Professor - Paulo Esteves: A universidade, a Unesp, faria esse investimento, só que num prazo de dez, 15 anos. Agora, com essa linha de financiamento, ela pode acelerar essas estratégias dela, né? E se tornar mais competitiva, mais qualificada, mais competente, né?

 

Repórter Márcia Fernandes: Para solicitar o financiamento é preciso acessar o site do Finep, preencher um cadastro e enviar o projeto. O endereço é finep.gov.br. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Luciano: Agricultores familiares têm a oportunidade de aumentar a renda e garantir a venda da produção por meio do PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos.

 

Nasi: Órgãos do governo estão com chamadas públicas abertas para a compra de alimentos como fruta e verduras, carnes e sucos.

 

Repórter Roberto Rodrigues: Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, e do Rio Grande do Sul, além de unidades do Exército, da Aeronáutica em Rondônia, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, estão com chamadas públicas abertas para a compra de alimentos produzidos por pequenos agricultores e suas cooperativas. Os processos fazem parte do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA, e somam R$ 8,9 milhões em investimentos. Serão comprados itens como cereais, poupa de frutas, hortifrúti, carnes e sucos. A coordenadora-geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos do Ministério do Desenvolvimento Social, Hetel Santos, explica como os interessados podem participar.

 

Coordenadora-geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos - Hetel Santos: Todos os empreendimentos da agricultura familiar que têm tenho interesse nesse editais, nós temos outros ainda que estão abertos neste momento, devem entrar no Portal de Compras da Agricultura Familiar, buscar em Chamadas Abertas do PAA Compra Institucional, também tem chamadas abertas do Pnae, que estão disponíveis ali e buscar seu estado, acessar os editais porque cada edital tem uma data de validade, uma especificação técnica diferente do produto. Então, tem que ser estudado esse edital para, então, fazer sua proposta de venda. Nosso papel é ajudar esses órgãos a qualificar a busca de produtos da agrícola familiar para fazer gerar a economia local.

 

Repórter Roberto Rodrigues: A legislação determinada que, pelo menos, 30% dos alimentos adquiridos para abastecer órgãos federais venham da agricultura familiar. Cada agricultor familiar pode vender até o limite de R$ 20 mil por ano para cada órgão comprador. Já para as cooperativas ou associações, o limite é de R$ 6 milhões por ano por órgão comprador. Para acompanhar os editais e os prazos para envio das propostas é só acessar o Portal de Compras da Agricultura Familiar www.comprasagriculturafamiliar.gov.br . Reportagem, Roberto Rodrigues.

 

Luciano: Cerca de 383 mil contribuintes que caíram na malha fina no Imposto de Renda vão ser notificados por carta pela Receita Federal. Ao receber a carta, o contribuinte pode fazer a correção da declaração do imposto.

 

Luciano: De acordo com a Receita, não é necessário comparecer às unidades de atendimento do órgão.

Nasi: Para saber a situação da declaração do imposto de renda o contribuinte pode entrar na página da Receita Federal em receita.fazenda.gov.br, no serviço Extrato da DIRPF, usando código de acesso ou o certificado digital.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Luciano: Boa noite e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".