03 DE NOVEMBRO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Domingo é dia de Enem e pela primeira vez provas serão aplicadas em dois domingos. Motorista que atingir 20 pontos na carteira pode ficar até 6 meses sem dirigir. Começa prazo para novas adesões ao Simples Nacional.

audio/mpeg 03-11-2017_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 47131 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você que está nos ouvindo aí, em todo o país.

 

Alessandra: Sexta-feira, 2 de novembro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Alessandra: Domingo é dia de Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio.

 

Nasi: E pela primeira vez as provas vão ser aplicadas em dois domingos. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Neste domingo, os quase sete milhões de candidatos vão responder a questões de linguagem, ciências humanas e redação.

 

Alessandra: Maioria dos candidatos são mulheres e alunos que já concluíram o ensino médio.

 

Nasi: A prova vai contar com questões traduzidas para surdos. Carolina Rocha.

 

Repórter Carolina Rocha: Neste ano, o Enem inaugura a opção de vídeos com as questões traduzidas em Libras.

 

Alessandra: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Motorista que atingir 20 pontos na carteira pode ficar até seis meses sem dirigir.

 

Alessandra: E vamos explicar para você, que tem uma empresa, como aderir ao novo Simples Nacional. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Com as novas regras, o número de empresas que participam do Simples pode aumentar.

 

Nasi: Hoje na apresentação, Alessandra Bastos e Nasi Brum.

 

Alessandra: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Faltam dois dias. Neste domingo, quase sete milhões de estudantes participam do Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio.

 

Alessandra: Com novidades na aplicação da prova, neste primeiro domingo os inscritos vão encarar a redação e questões de linguagem e ciências humanas.

 

Nasi: O Enem é a porta de entrada para vagas em universidades públicas, bolsas em instituições particulares e financiamento pelo FIES.

 

Repórter Gabriela Noronha: Alunos concentrados, ouvidos atentos ao que o professor diz.

 

Professor: H2O. Aí agora a gente tem que fazer o balanço da reação.

 

Repórter Gabriela Noronha: Começou a contagem regressiva para o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem 2017. Nos cursinhos, os alunos não querem saber de descansar. A aluna Maria Cecília Jardim tem 19 anos e não se importou de passar o feriado prolongado entre livros e lições.

 

Estudante - Maria Cecília Jardim: No meu caso, me ajuda mais estudar até o último minuto, que é para que não ficar pensando na hora da prova que eu teria visto esse conteúdo se eu tivesse revisado.

 

Repórter Gabriela Noronha: Pela primeira vez, o Enem será aplicado em dois domingos consecutivos. Neste domingo, os quase sete milhões de candidatos vão responder a questões de linguagem, ciências humanas de redação. A prova tem 5h30 de duração. Por isso, o professor César Bersô (F) alerta: É preciso tranquilidade.

 

Professor - César Bersô (F): Normalmente seria bom dar uma lida no tema da redação antes de começar a prova. Também não é hora de você perder o tempo nesse tema. Você dá uma lida e vai fazer sua prova.

 

Repórter Gabriela Noronha: Nesta semana, a Justiça proibiu o zeramento da nota da redação por desrespeito aos Direitos Humanos no texto. Mesmo com a decisão, o desrespeito continua acarretando perda de até um quinto da nota final. O Ministro da Educação, Medonça Filho, recomenda que se considere os Direitos Humanos na redação.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Até porque o candidato, ele estará diante de dois cenários possivelmente negativos para o candidato: Ou o zeramento total da prova de redação ou o zeramento de um quinto da nota, ou 20% do total que pode ser avaliado, levando em consideração a questão do respeito ou não aos Direitos Humanos.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os portões vão ser fechados às 13h. Os candidatos que moram em estados que não têm o horário de verão precisam ficar atentos. O que está no cartão é o horário de Brasília, não o da sua cidade. Caneta preta e documentos de identificação são os únicos itens obrigatórios, mas se recomenda levar o cartão de confirmação impresso, já que ele tem o local da prova, endereço e número da sala. A candidata Ana Luísa Dias já está com tudo pronto e não quer que nada atrapalhe.

 

Estudante - Ana Luísa Dias: O aluno que está estudando para o Enem, ele tem que sempre estar ligado nas coisas. Então, assim, se você for descansar, é bom ver um documentário, alguma coisa que você possa usar para a redação, comprar caneta, dar uma olhada no lugar antes, comprar as comidas, tudo mais, os recipientes transparentes, isso é muito importante.

 

Repórter Gabriela Noronha: Quem vai fazer o Enem tem que ficar atento ao cartão de confirmação, disponível na internet, no endereço enem.inep.gov.br. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Alessandra: E o Inep protocolou hoje no Supremo Tribunal Federal o pedido de suspensão da decisão judicial que proibiu anular a redação caso o aluno desrespeite os Direitos Humanos no texto.

 

Nasi: Em nota, o Ministério da Educação ressalta que respeita a decisão judicial, mas reafirma que a educação está associada aos Direitos Humanos e deve ser objeto de avaliação na prova.

 

Alessandra: E a maioria dos candidatos que vão fazer o Enem são mulheres, já concluíram o Ensino Médio e não pagaram a inscrição, por serem de baixa renda ou de escola pública.

 

Nasi: Ah, e tem também uma parcela de alunos com algum tipo de deficiência. Os surdos, por exemplo, vão contar com mais uma novidade: provas com questões na Linguagem Brasileira de Sinais.

 

Repórter Carolina Rocha: Medicina é a profissão que Carina Fabiano, de São Paulo, escolheu para exercer. Para isso, vai prestar este ano o Enem pela primeira vez. Diferente da grande maioria dos candidatos, o português não é a sua principal língua. Carina é surda e desde pequena aprendeu a se comunicar por Libras, a Língua Brasileira de Sinais. Na hora da prova, isso não vai ser um problema, já que, neste ano, o Enem inaugura a opção de vídeos com as questões traduzidas em Libras. Por meio de Rubens Gomes, intérprete da sua escola, o Centro Educacional para Surdos Rio Branco, Carina conta que ficou emocionada com a novidade.

 

Intérprete - Rubens Gomes: Eu fiquei muito animada, muito emocionada, porque tem uma novidade, né, pro surdo, que até então sofria com essa questão de não ter a opção da língua de sinais. Então, agora a gente vai poder prestar um exame na nossa própria língua.

 

Repórter Carolina Rocha: O atendimento especializado no Enem, que inclui também sala de fácil acesso, tempo extra, auxílio para leitura e transcrição, foi requisitado por 0,5% dos inscritos com alguma deficiência, de um total de cerca de 6,732 milhões de pessoas. 70% dos candidatos tiveram garantida a gratuidade da taxa do exame, ou porque concluíram o ensino médio na rede pública ou porque apresentam baixa renda, segundo os critérios do Governo Federal. É o caso de Juliana Souza, de 18 anos, que mora em Seropédica, no Rio de Janeiro, e estudou em um cursinho social durante todo o ano para tentar uma vaga em Comunicação Social, com habilitação em jornalismo. A jovem comenta sobre outra novidade deste ano, a prova feita em dois domingos e não mais em um único fim de semana.

 

Estudante - Juliana Souza: A pessoa, aí no caso, quando ia estudar, ficava meio dividida entre a parte de exatas e a parte de humanas misturado. Assim, com a humanas e a redação junto, eu acho que melhorou, ajuda.

 

Repórter Carolina Rocha: Maria Inês Fini, presidente do Inep, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, também comenta outra mudança no Enem deste ano. A partir de agora o exame não serve mais como certificação do ensino médio. Ela explica o porquê.

 

Presidente do Inep - Maria Inês Fini: E não era justo, não era adequado que esse mesmo exame pudesse ser usado para certificar este nível de ensino. E o Ministério da Educação, o próprio Inep, já tinha criado em 2000 um exame próprio pra isso, que é o Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos.

 

Repórter Carolina Rocha: Ainda de acordo com o Inep, 58% dos inscritos são mulheres e 63% já concluíram o ensino médio. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Alessandra: Há um ano, o Denatran mudou a punição para o motorista que atingir 20 pontos na carteira no período de um ano.

 

Nasi: Antes, quem atingia essa pontuação, ficava um mês com a carteira suspensa.

 

Alessandra: Agora, com a mudança na regra, o motorista perde o direito de dirigir por no mínimo seis meses.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O estudante Lucas Oliveira, de 23 anos, tem carteira de habilitação há três anos e se orgulha de nunca ter levado nenhuma multa. Ele garante que fica muito atento para não cometer nenhum delito no trânsito.

 

Estudante - Lucas Oliveira: Tento manter sempre o máximo na velocidade máxima da estrada. E com isso eu consigo evitar, de não levar nenhuma multa.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Para incentivar quem dirige a respeitar as leis de trânsito, como Lucas, o Departamento Nacional de Trânsito tornou mais rígidas as regras para motoristas infratores. Agora, quem atingir 20 pontos na carteira vai ter a CNH suspensa por no mínimo seis meses. E, se houver reincidência, esse prazo pode chegar até dois anos. É o que explica Francisco Garonce, coordenador-geral de Educação para o Trânsito do Denatran.

 

Coordenador-geral de Educação para o Trânsito - Francisco Garonce: Desde 1 de novembro de 2016 que o Código de Trânsito Brasileiro, ele foi alterado. Agora, a partir de 1 de novembro deste ano, nós já temos 12 meses para trás, ou seja, todos os condutores que acumularam 20 pontos neste período já acumularam esses pontos sob as novas regras desta lei, que completou um ano.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Quem continuar dirigindo, mesmo com a carteira de habilitação suspensa, vai ter o documento cassado e pode perder definitivamente o direito de dirigir. Francisco Garonce garante que  a medida tem a intenção de punir os motoristas que não respeitam as leis de trânsito e levam riscos para as ruas e estradas do país

 

Coordenador-geral de Educação para o Trânsito - Francisco Garonce: Estas regras, elas existem, não são para o bom condutor, para aquele que cumpre as regras. É para aquele que, mesmo sabendo o que é o certo e o que é o errado, ele opta por fazer o errado e cometer as infrações.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Quem atingir a pontuação máxima vai receber, no endereço cadastrado do Detran do seu estado, a notificação de suspensão. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

"Criança Feliz - Primeira Infância"

 

Nasi: O Criança Feliz está presente em todas as regiões do Brasil.

 

Alessandra: As visitas dos profissionais do programa às famílias já acontecem em mais de mil municípios.

 

Nasi: São quase 85 mil crianças e gestantes que recebem o Bolsa Família e são acompanhadas por visitadores, que incentivam o desenvolvimento infantil.

 

Repórter Diego Queijo: Em Parnaíba, no litoral do Piauí, as visitas começaram em setembro. Hoje, 23 visitadores atendem mais de 700 pessoas por semana. Uma delas é a dona de casa Gláucia de Castro, mãe do pequeno João Miguel de dois anos e dois meses. Desde que começou a ser acompanhada, Gláucia, que é beneficiária do Bolsa Família, vê a evolução no comportamento do caçula.

 

Dona de casa - Gláucia de Castro: É muito bom ter uma pessoa para acompanhar a gente, acompanhar os filhos da gente, porque às vezes nem só a gente, mãe, às vezes você não descobre porque aquilo ali é  a necessidade do seu filho, mas aparece outra pessoa que vai ali, além do que você pode ver.

 

Repórter Diego Queijo: Moradora de uma comunidade carente, marcada pela violência, Gláucia torce para que o programa amplie os horizontes do menino e represente novas possibilidades de futuro.

 

Dona de casa - Gláucia de Castro: É isso que a gente pede pros filhos da gente, até mesmo porque, no bairro que a gente mora é muito precário, estava realmente precisando mesmo desse programa, de um acompanhamento bem legal.

 

Repórter Diego Queijo: A aceitação do Criança Feliz pela população surpreendeu a supervisora do programa em Parnaíba, Juliana Portela.

 

Supervisora - Juliana Portela: Estamos recebendo muita procura aqui também na sala, pra gente ir nas casas. Eles mesmos estão vindo aqui, querem fazer parte do projeto.

 

Repórter Diego Queijo: Juliana garante que o programa está chegando a quem mais precisa. Outro ponto positivo, segundo ela, é que os visitadores orientam e servem como ponte para as famílias acessarem outros serviços da Rede de Proteção Social.

 

Supervisora - Juliana Portela: Até na parte de atualizar o cadastro, na parte de cesta básica, alguma consulta no BPC... Estamos chegando na população mais carente que tem.

 

Repórter Diego Queijo: Em todo o país, 2.615 municípios aderiram ao programa. Até 2018, o Governo Federal pretende atender cerca de 4 milhões de crianças. Reportagem, Diego Queijo.

 

Alessandra: 19h13 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Começou o prazo para novas adesões ao Simples Nacional.

 

Alessandra: Daqui a pouquinho, vamos dar todos os detalhes sobre as vantagens para você, empresário. Não saia daí.

 

Nasi: Aumento em mais de 1.000% nas apreensões de armas e munições, em vias que ligam estados da faixa de fronteira ao Rio de Janeiro.

 

Alessandra: Já são mais de cem dias de operação envolvendo a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Polícia Rodoviária Federal. A repórter Raquel Mariano tem os detalhes.

 

Repórter Raquel Mariano: Em 113 dias de operação, a Polícia já apreendeu 73 mil munições, quase seis vezes mais do que o ano passado e 11 vezes mais do que em 2015. Essas apreensões aconteceram entre julho e outubro, durante a Operação Égide, uma parceria entre a Polícia Rodoviária Federal, a Senasp, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, a Força Nacional e a Polícia Federal. O ministro da Justiça, Torquato Jardim, explica quais são as áreas cobertas pela Operação Égide.

 

Ministro da Justiça - Torquato Jardim: Começamos na fronteira, no Mato Grosso, no Paraná, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rondônia, toda aquela chegada aos países vizinhos. Depois, nosso segundo arco de controle, que é Goiânia, Belo Horizonte, a estrada federal que desce, a BR-101 que desce ao Espírito Santo, e o Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo.

 

Repórter Raquel Mariano: Além de reduzir a circulação de armas, a operação tem como foco combater drogas e produtos contrabandeados, como destaca o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias.

 

Diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal - Renato Dias: Através da parceria com a Senasp, pudemos aumentar o número de equipes em trechos estratégicos e também estamos utilizando melhor a tecnologia e a inteligência policial.

 

Repórter Raquel Mariano: A Operação Égide faz parte do Plano Nacional de Segurança Pública. As Forças Armadas, a Abin e polícias estaduais também participam da operação. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Nasi: Agricultores familiares de Minas Gerais, Alagoas e Rio Grande do Sul têm boas chances de ampliar a renda e garantir preço justo para seus produtos.

 

Alessandra: É que unidades do Exército nesses três estados estão com chamadas públicas abertas para comprar alimentos produzidos pelos agricultores.

 

Nasi: A compra será feita pelo PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos, do Ministério do Desenvolvimento Social.

 

Repórter Roberto Rodrigues: O agricultor Roberto Luís Balem (F), morador da cidade Aratiba, no Rio Grande do Sul, produz frutas, legumes e hortaliças. Ele está se preparando para participar desta chamada no estado. O agricultor diz que as compras institucionais dão segurança para quem vive do trabalho no campo.

 

Agricultor - Roberto Luís Balem (F): É uma oportunidade a mais que se abre para que a gente possa não só estar produzindo, mas também tendo destino para comercializar os alimentos.

 

Repórter Roberto Rodrigues: No estado de Minas Gerais, a chamada pública é da 4ª Brigada de Infantaria Leve, conhecida como Brigada Trinta e Um de Março, que vai investir R$ 23 mil na compra de frutas e legumes. Já no estado de Alagoas, é o 59º Batalhão da Infantaria Motorizado que vai investir R$ 346.700 na compra de itens como frutas, legumes, farinhas e carnes. E no Rio Grande do Sul, o 6º Grupo de Artilharia da Campanha, Grupo Marquês de Tamandaré, vai comprar frutas e legumes com investimento de R$ 17.300. O segundo tenente Élvio Casimiro Doss (F), responsável pela área de compras da Brigada, afirma que o programa contribui para o desenvolvimento local, além de garantir alimentos frescos e de boa qualidade para a alimentação dos militares.

 

Segundo Tenente - Élvio Casimiro Doss (F): Com certeza, vai aumentar o número de fornecedores e com certeza vai atender à nossa necessidade, porque pega cooperativa de outras regiões que já estão solicitando o edital também.

 

Repórter Roberto Rodrigues: Segundo a coordenadora-geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos, do Ministério do Desenvolvimento Social, Hetel Santos, o governo está trabalhando para assegurar o fortalecimento da agricultura familiar e assim gerando renda e inclusão social.

 

Coordenadora-Geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos - Hetel Santos: O Ministério do Desenvolvimento Social trabalha na promoção da agricultura familiar, pelo Programa de Aquisição de Alimentos, buscando exatamente mostrar para os órgãos da União que estão nos estados que comprar de um agricultor familiar é fundamental para promover inclusão social, geração de renda, fortalecendo o circuito curto de comercialização, de oferta de alimentos de qualidade.

 

Repórter Roberto Rodrigues: O prazo para o envio das propostas e dos documentos de habilitação vai até o dia 7 no Rio Grande do Sul. Já em Alagoas é até dia 9 e em Minas Gerais até o dia 16 deste mês. Para saber mais sobre as chamadas públicas abertas no país, é só acessar o portal www.comprasagriculturafamiliar.gov.br. Reportagem, Roberto Rodrigues.

 

Alessandra: Micro e pequenas empresas já podem fazer a adesão ao Simples Nacional para o ano que vem.

 

Nasi: As novas regras do regime vão permitir que mais empresas sejam beneficiadas pelas vantagens do sistema.

 

Repórter Pablo Mundim: A partir do ano que vem, as empresas que pretendem aderir ao Simples Nacional poderão ter faturamento anual maior. O teto de faturamento do Microempreendedor Individual passou de R$ 60 mil para R$ 81 mil. Também foi criada uma faixa de transição de até R$ 4,8 milhões de faturamento anual para as empresas que ultrapassarem o limite de R$ 3,6 milhões, com recolhimento do ICMS, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, e o ISS, Imposto Sobre Serviços, fora do Simples Nacional. Com as novas regras, o número de empresas que participam do Simples pode aumentar, como avalia o especialista em Administração, Lucas Esmeraldo.

 

Especialista em Administração - Lucas Esmeraldo: Com essa alteração de teto, é um benefício para aquelas empresas que não eram consideradas empresas grandes e também não eram consideradas empresas pequenas o suficiente para participar de uma alíquota subsidiada pelo governo, uma alíquota menor.

 

Repórter Pablo Mundim: Criado há 10 anos, o Super Simples reúne hoje 12 milhões de empresas em todo o país. O regime facilita a regularização do empreendedor com a Receita Federal. O secretário executivo do Comitê Gestor do Simples Nacional, Silas Santiago, destaca quais são as principais vantagens de aderir ao Super Simples.

 

Secretário executivo - Silas Santiago: Aderir ao Simples Nacional tem duas grandes vantagens: Redução da carga tributária que a empresa optante paga, dentro do Simples Nacional, bem menos do que fora do Simples Nacional. E a segunda grande vantagem é a simplificação de procedimentos. Em uma guia só, uma declaração mensal, é possível passar os oito tributos do Simples Nacional, dos quais três são federais, tem o ICMS, que é estadual e o ISS dos municípios.

 

Repórter Pablo Mundim: A adesão ao Super Simples deve ser feita pela internet, no site www.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional. O analista de Políticas Públicas do Sebrae, Tiago Moreira, alerta que, antes de fazer a inscrição, o empreendedor deve se informar sobre as regras.

 

Analista de Políticas Públicas - Tiago Moreira: A gente recomenda que o empresário procure o seu contador para que ele informe se a empresa pode se beneficiar do Simples Nacional, e que faça os procedimentos para adesão. Por exemplo, empresas de fabricação de munição não podem, assim como empresas que lidam com fabricação de cigarros.

 

Repórter Pablo Mundim: A adesão ao Super Simples pode ser feita até o dia 28 de dezembro. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Alessandra: 19h21 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: A TV por assinatura está presente em mais de 18 milhões de casas brasileiras.

 

Alessandra: E uma lei de 2011 obriga canais de TV paga a destinar uma cota para conteúdos brasileiros e independentes.

 

Nasi: Uma pesquisa da Ancine, a Agência Nacional do Cinema, mostrou se esses canais estão mesmo cumprindo a lei. Vamos conferir o resultado.

 

"Calma, pai."

"A pessoa mais linda do mundo, de quem vou sentir saudades o tempo todo."

 

Repórter Natália Melo: O drama dos imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos é contado no filme "Olhos azuis". O longa, do cineasta José Joffily, é uma das produções nacionais que ganhou espaço nas telinhas das TVs. Desde 2011, canais da TV paga são obrigados a destinar uma cota para conteúdos brasileiros e independentes, e a Agência Nacional de Cinema, a Ancine, está de olho no cumprimento dessa lei. Uma publicação mensal traz as principais informações sobre a participação nacional na TV por assinatura, como explica a superintendente de Análise de Mercado da Ancine, Luana Rufino.

 

Superintendente de Análise de Mercado - Luana Rufino: É a primeira vez que a gente está fazendo um estudo com toda a programação, que antes era uma amostragem, então nós temos todos os canais.

 

Repórter Natália Melo: Para a diretora-presidente da Ancine, Débora Ivanov, os canais estão fazendo o dever de casa.

 

Diretora-presidente da Ancine - Débora Ivanov: Os canais têm cumprido, sim, a sua obrigação, e eles estão cumprindo acima da cota, porque há muito interesse no conteúdo brasileiro. O público consumidor quer ver e os canais veem nesse conteúdo um bom negócio.

 

Repórter Natália Melo: O cineasta e produtor José Joffily acredita que o país tem um grande potencial audiovisual e considera uma vitória as cotas para o conteúdo nacional.

 

Cineasta - José Joffily: Esse casamento com a televisão é o que consolida a atividade, é o que dá continuidade à atividade. O público ganha uma diversidade, num país que na realidade é plural, porque, na medida que você vai tendo mais escoamento para a produção audiovisual, você vai fortalecendo também um produtor independente.

 

Repórter Natália Melo: Para quem busca mais variedade na programação, o aumento da veiculação do conteúdo brasileiro veio em boa hora. É o que diz o especialista em Regulação da Ancine, Vinícius Portela.

 

Especialista em Regulação - Vinícius Portela: Eu acho que foi um avanço a questão das cotas, sem dúvida alguma. Acho que, com o tempo, a gente vai criando esse hábito e as pessoas vão cada vez gostar mais, porque a gente tem produção de qualidade no Brasil também.

 

Repórter Natália Melo: A estudante de Direito Fernanda Nascimento aprovou a ideia.

 

Estudante - Fernanda Nascimento: Até para a sociedade conhecer mais a cultura brasileira, né, ver que a gente tem potencial para fazer cinema e crescer na televisão. Então, acho importante.

 

Repórter Natália Melo: A TV por assinatura está presente em mais de 18 milhões de casas brasileiras. Com a lei da TV paga, os canais são obrigados a dedicar pelo menos três horas e meia por semana ao conteúdo nacional em horário nobre. Metade dele deve ser independente. Reportagem, Natália Melo.

 

"Eles estão checando nossos documentos..."

 

Alessandra: A gente termina essa edição da Voz do Brasil com um recado do presidente Michel Temer sobre os saques do PIS e do Pasep.

 

Nasi: Quem tem mais de 60 anos já pode retirar o dinheiro, ou melhor, 70 anos, já pode retirar o dinheiro.

 

Alessandra: A partir do dia 17, é a vez dos aposentados. E em dezembro, recebem mulheres com 62 anos ou mais e homens a partir de 65 anos.

 

Presidente Michel Temer: O governo liberou quase R$ 16 bilhões do PIS e do Pasep para saque dos trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público. Podem retirar os recursos os trabalhadores que tiveram carteira assinada até 1988. Assinei medida provisória mudando a idade para saque, que diminuiu de 70 anos, para 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, tanto das cotas do PIS quanto do Pasep. Não perca tempo, esse dinheiro é seu. Invista, pague contas, compre um presente para quem você gosta e faça bom uso do fruto do seu trabalho. Vá à Caixa Econômica Federal se trabalhou na iniciativa privada ou vá ao Banco do Brasil se foi servidor público.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Alessandra: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite

 

Nasi: Boa noite.

 

"Brasil, ordem e progresso".