04/04/17 - A Voz do Brasil

Presidente Michel Temer sanciona lei que aumenta proteção para crianças e adolescentes vítimas de violência. Trabalhadores poderão utilizar FGTS como garantia de empréstimos consignados. Termômetros que usam mercúrio serão proibidos no Brasil a partir de 2019.

audio/mpeg 04 04 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23471 KB




Transcrição

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.
 
 "Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."
 
 Aírton: Olá, boa noite.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.
 
 Aírton: Terça-feira, 4 de abril de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque do dia: Presidente Michel Temer sanciona lei que garante direito de proteção a criança e adolescente vítima de violência. José Luís Filho.

 

Repórter José Luís Filho: A lei sancionada cria o depoimento especial. As vítimas passam a ser acompanhadas por profissionais especializados em saúde, assistência social e segurança pública.

 

Aírton: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gláucia: A empresários, Temer defende reformas e diz que o Brasil está de volta.

 

Presidente Michel Temer: Nós estamos voltando a ser um país de oportunidades. Quem aqui investir não se arrependerá. Pode investir, que o Brasil, o nosso Brasil está de volta.

 

Aírton: E está valendo. O trabalhador já pode fazer empréstimo consignado e oferecer o FGTS como garantia. Natália Koslik.

 

Repórter Natália Koslik: Mais de 40 milhões de trabalhadores vão poder usar o FGTS como garantia pra contratar empréstimos.

 

Gláucia: Na apresentação da Voz do Brasil de hoje, Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Aírton: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: O Brasil vai contar agora com mais um reforço na proteção de meninos e meninas em todo o país.

 

Aírton: É que o presidente sancionou hoje uma lei que cria um sistema de garantias para crianças e adolescentes que sejam testemunhas ou vítimas de violência.

 

Gláucia: O ato ocorreu durante a abertura do Fórum Global da Criança, iniciativa sueca, que está sendo realizada pela primeira vez na América do Sul.

 

Repórter José Luís Filho: A lei sancionada pelo presidente Michel Temer nesta terça-feira cria o Depoimento Especial, que assegura à criança e ao adolescente vítima de violência o direito de ser ouvido em local apropriado e acolhedor, com infraestrutura e garantia de privacidade. Uma lei elaborada com a participação e o apoio do Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância. A Coordenadora do Unicef em São Paulo, Adriana Alvarenga, falou sobre essa conquista.

 

Coordenadora do Unicef - Adriana Alvarenga: A gente acredita que há um grande avanço pra garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. O Brasil está avançando. A gente ainda tem muita coisa pra fazer, mas com certeza estamos avançando.

 

Repórter José Luís Filho: A sanção da lei ocorreu na presença do casal real da Suécia, Rei Carlos XVI Gustavo e Rainha Sílvia. Eles criaram, há oito anos, o Global Child, que tem o objetivo de promover o direito das crianças. Ao falar aos convidados na abertura do encontro, o Rei Carlos XVI Gustavo lembrou a importância de expandir as iniciativas do Global Child para a América Latina, uma região em desenvolvimento que precisa proteger e garantir os direitos das crianças, o que depende de ações de governos, empresas e toda a sociedade. O presidente Michel Temer afirmou que o Brasil começa a sair da pior crise econômica da história, que vitimou principalmente os segmentos mais vulneráveis, como as crianças, e que, por isso, é preciso manter um estado com as contas em dia, em condições de investir em programas sociais. O presidente disse ainda que, no Brasil, o desenvolvimento da criança e do adolescente tem sido política de estado.

 

Presidente Michel Temer: É trajetória que continuamos agora a trilhar com o Criança Feliz, programa que assegurará, ao final de 2018, que mais ou menos quatro milhões de crianças sejam acompanhadas semanalmente por visitadores.

 

Repórter José Luís Filho: Temer citou avanços que foram conquistados ao longo do tempo, como a redução do trabalho infantil nos últimos 20 anos. Lembrou também que o Brasil está entre os países que mais oferecem vacinas de graça, com aproximadamente 300 milhões de doses por ano. Reportagem, José Luís Filho.

 

Aírton: E o Fórum Global da Criança terminou agora há pouco. Fecharam o evento a rainha Sílvia e a primeira-dama Marcela Temer, que também é embaixadora do programa Criança Feliz.

 

Gláucia: A repórter Luana Karen acompanhou e traz as informações ao vivo. Boa noite, Luana.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Boa noite, Gláucia, Aírton e a todos os ouvintes da Voz do Brasil. O programa Criança Feliz, lançado no ano passado, quer ampliar a rede de atenção e o cuidado integral com as crianças em seus primeiros anos de vida. Todos os estados e mais de 2.500 municípios brasileiros aderiram ao programa. O Criança Feliz vai acompanhar aproximadamente um milhão de crianças em 2017 e até quatro milhões até o final de 2018. A embaixadora do programa e primeira-dama Marcela Temer ressaltou a importância do cuidado com a criança.

 

Marcela Temer: É nosso dever comum amparar a infância e garantir que os jovens de hoje possam crescer dignamente e realizar seu potencial. Enquanto houver crianças desassistidas, vítimas da violência, de doenças, da fome, de maus tratos, haverá trabalho urgente a fazer, e esse trabalho não é tarefa apenas de governos, mas de toda a sociedade, famílias, empresários, trabalhadores, meios de comunicação. A contribuição de todos é indispensável.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): A Rainha Sílvia, da Suécia, filha de mãe brasileira, saudou a iniciativa do presidente Michel Temer, que, na abertura do fórum, sancionou lei que reforça os direitos à proteção e o atendimento às crianças e adolescentes vítimas e testemunhas de agressão. Ao vivo, Luana Karen.

 

Aírton: E mais cedo a primeira-dama Marcela Temer esteve em um hospital da periferia de São Paulo. A repórter Luana Karen também acompanhou essa visita.

 

Repórter Luana Karen: Gustavo, de dois anos, tem refluxo. A mãe, Neidilu Moreira, fazia o acompanhamento da criança pelo convênio. Mas, quando perdeu o emprego, teve de buscar uma alternativa e encontrou bem perto de casa, no programa Einstein, em Paraisópolis.

 

Entrevistada - Neidilu Moreira: Desde a triagem, você vê que o cuidado é muito bom. O Gustavo fazia acompanhamento numa rede particular e eu não vejo diferença daqui pra lá.

 

Repórter Luana Karen: Paraisópolis é uma das maiores favelas de São Paulo, com cerca de 80 mil habitantes. O lugar foi escolhido para o Programa Einstein, do hospital israelita Albert Einstein. Nesta terça-feira, a primeira-dama Marcela Temer conheceu de perto o trabalho e as oficinas dos cursos profissionalizantes. Desempregada há quase um ano, Emanuela Timóteo está fazendo o segundo curso no Einstein.

 

Entrevistada - Emanuela Timóteo: Então eu fiz, o ano passado, um curso de corte e costura, e esse ano entrei num de pintura em tecido.

 

Repórter Luana Karen: Marcela Temer visitou ainda o ambulatório, com mais de 20 especialidades médicas. No ano passado, 8.300 pacientes foram atendidos de graça na unidade, em mais de 28 mil consultas. Também foram realizados 48 mil exames. Jussara Coutinho participa, com a pequena Milena Vitória, de três meses, da oficina de bebês.

 

Entrevistada - Jussara Coutinho: Ela faz acompanhamento com pediatra e com neurologista, com alguns profissionais.

 

Repórter Luana Karen: As mães podem fazer o acompanhamento da gestação. Há atendimento médico para crianças de zero a 14 anos. Já as famílias contam com o Centro de Promoção e Assistência Social, como explica Telma Sobolh, presidente do voluntariado do Einstein.

 

Presidente de voluntariado - Telma Sobolh: Sempre o trabalho foi feito em conjunto com a comunidade, nunca foi imposto por nós.

 

Repórter Luana Karen: O investimento do programa em Paraisópolis ultrapassou R$ 24 milhões no ano passado. Desse total, R$ 18,4 milhões são do programa de desenvolvimento do SUS. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: Ainda em São Paulo, Michel Temer apresentou a investidores nacionais e internacionais as reformas que o governo vem fazendo.

 

Aírton: O objetivo é equilibrar as contas públicas, recuperar a credibilidade, para retomar o crescimento econômico e a geração de empregos.

 

Repórter José Luís Filho: As reformas propostas e realizadas pelo governo federal, como a criação do teto de gastos públicos, a modernização das leis trabalhistas e da previdência social são necessárias. Somado a isso, a política econômica adotada está no caminho certo. Esta é a opinião de Luís Carlos Trabuco, presidente de um dos maiores bancos do Brasil, que realizou hoje em São Paulo um encontro com a participação de 800 empresários, executivos e investidores.

 

Presidente de banco - Luís Carlos Trabuco: E quais os fatores em que a gente sente essa retomada de crescimento? Primeiro, horas trabalhadas. Segundo, aumento do consumo de energia. Terceiro, o aumento de trânsito nas estradas. São fatores que sinalizam que o crescimento está por vir, está chegando.

 

Repórter José Luís Filho: O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi um dos palestrantes do fórum e afirmou que o país está saindo da maior recessão da história, situação que vem sendo revertida com as medidas de ajuste das contas adotadas pelo governo há quase um ano.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Os pilares econômicos têm melhorado, a taxa de confiança tem aumentado muito, a produção industrial, no dado mês a mês, já subiu um pouquinho, vendas de automóveis e de veículos automotores também já cresceu. Resumo, já existem indicadores de que o país está crescendo. O governo está comprometido com a redução do papel do estado e um ambiente favorável à produção.

 

Repórter José Luís Filho: O presidente explicou aos empresários que a reforma da previdência é um alicerce para o equilíbrio fiscal. Temer afirmou que, hoje, o déficit da Previdência está em R$ 150 bilhões, isto é, o governo gasta mais pagar as aposentadorias e pensões do que arrecada com contribuições e impostos na área. Ele disse que se não houver uma mudança na previdência, o futuro do país está comprometido.

 

Presidente Michel Temer: Se nós não reformularmos a previdência no nosso país, nós teremos, daqui a 10, 12 anos, quem sabe, verbas apenas para pagar os servidores públicos e a previdência. Nada de programas sociais, nada de investimentos. A reforma é um dever que temos perante todos os brasileiros.

 

Repórter José Luís Filho: Temer aproveitou para convocar os empresários a investir e ajudar o Brasil a voltar a crescer.

 

Presidente Michel Temer: Nós temos clareza do que deve ser feito e temos coragem, quase ousadia, para implementar uma agenda de transformação no Brasil. Estamos avançando em várias frentes. O que queremos é um estado eficiente, moderno, responsável.

 

Repórter José Luís Filho: O presidente afirmou que o empenho do governo em estabilizar as finanças do país colabora com a retomada da confiança de empresários do mercado internacional e dos consumidores. Além disso, vai provocar a queda ainda maior dos juros, que devem fechar este ano abaixo dos 10%. Reportagem, José Luís Filho.

 

Gláucia: E em conversa com os jornalistas, logo após o fórum, o presidente Michel Temer falou da Lei de Terceirização, aprovada no Congresso e sancionada na última semana.

 

Aírton: Temer reforçou que as novas regras não retiram direitos e podem ajudar a criar mais empregos.

 

Presidente Michel Temer: Tenho certeza que a terceirização vai incentivar o emprego, vai incentivar o trabalho. Não tem um prejuízo sequer aos trabalhadores. Se algum dado for apontado, nós temos dito com muita frequência, ainda temos oportunidade de, seja na reforma trabalhista ou por outro meio qualquer, naturalmente consertar essa eventual observação. Porque a última coisa que o governo quer é prejudicar o trabalhador. Ao contrário, quando se pensa na terceirização, num momento de muitos milhões de desempregados, é exatamente para incentivar o emprego. Se houver necessidade, nós faremos.

 

Gláucia: E você sabe o que é terceirização de serviços?

 

Aírton: Bem, na hora de contratar trabalhadores de áreas como segurança e limpeza, muitas empresas e inclusive órgãos públicos recorrem a firmas especializadas.

 

Gláucia: E são essas firmas que contratam os funcionários que vão trabalhar nessas funções. São chamados terceirizados.

 

Aírton: Nós fomos a uma empresa para saber como a nova lei pode beneficiar a economia e o trabalhador.

 

Repórter João Pedro Neto: A nova lei autoriza que uma empresa terceirize tarefas, ou seja, contrate outra companhia para prestar serviços em todas as áreas, inclusive nas chamadas atividades-fim. Para Maurício Brownstein, diretor-presidente de uma empresa que oferece mão de obra terceirizada, a regulamentação dá mais segurança jurídica e melhora o ambiente de negócios no país.

 

Empresário - Maurício Bronwstein: Quando a gente melhora o ambiente de negócio, a gente precisa produzir. A produção está intimamente ligada à geração de emprego. Desde o momento que você começa a construir a fábrica, ao momento que tem que tocar a fábrica, qualquer tipo de crescimento econômico, você gera emprego.

 

Repórter João Pedro Neto: A empresa de Maurício Brownstein tem mais de mil clientes em 12 estados do país e conta com cerca de 12 mil colaboradores, como o Emerson Arevalo, que é vigilante e há nove anos trabalha como terceirizado.

 

Vigilante - Emerson Arevalo: Trabalho há nove anos na área de terceirizada, todas na área de segurança, e, até o momento, não tive problemas em relação à parte de benefício, assim, também nunca tive problemas com relação a salário.

 

Repórter João Pedro Neto: A nova lei estabelece que a empresa contratante deve garantir condições de segurança, higiene e salubridade aos trabalhadores, e pode ser responsabilizada por obrigações trabalhistas dos terceirizados. Para a gestora de carreiras, Andrea Deis (F), as mudanças são importantes para um mercado de trabalho mais dinâmico.

 

Gestora de carreiras - Andrea Deis (F): Acho que favorece, porque abre a oportunidade de outros pequenos empreendedores e empresários, atuarem no mercado.

 

Repórter João Pedro Neto: As novas regras já estão em vigor e aumentam o prazo dos contratos temporários para 180 dias, prorrogáveis por mais 90. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gláucia: 19h14 em Brasília.

 

Aírton: A partir de agora, trabalhadores vão poder fazer empréstimo consignado dando como garantia o FGTS.

 

Gláucia: Daqui a pouco vamos detalhar essa novidade pra você. Não saia daí.

 

"Defesa do Brasil, defesa do Brasil, defesa do Brasil!"

 

Aírton: Proteger as riquezas do país, como a Amazônia, e atuar nas fronteiras contra o tráfico de drogas, armas e o contrabando.

 

Gláucia: Além disso, levar assistência à população. Essas são algumas das missões das Forças Armadas.

 

Aírton: No Quadro Defesa do Brasil de hoje, a repórter Marina Melo vai mostrar uma dessas ações, um trabalho realizado entre o Brasil e a Colômbia, e que vai além de defender nosso território.

 

Repórter Marina Melo: O Brasil tem uma das maiores fronteiras terrestres do planeta. São quase 17 mil quilômetros cobertos por florestas e muito distantes das grandes cidades. Por isso, garantir a presença do estado é fundamental para reduzir crimes como contrabando nessas regiões. As medidas de controle são ainda mais eficazes em parceria com os países que são nossos vizinhos. Por isso, os ministérios da Defesa do Brasil e da Colômbia realizaram recentemente uma ação que levou serviço médico aos municípios de Tabatinga, do lado brasileiro, e de Letícia, do lado colombiano. O comandante [ininteligível], do 9º Distrito Naval de Manaus, fala sobre o sucesso da ação.

 

Comandante: Foram 3.450 atendimentos de saúde, 1.190 atendimentos físicos, de atendimentos em Tabatinga e Letícia, que é reflexo direto da qualidade dos serviços obtidos e pra essa demanda. Existe uma demanda lá, logicamente um local de fronteira, Tabatinga é um local que você só acessa ou pelo rio ou pelo ar, ou seja, você não tem uma facilidade de acesso e, com isso, você gera uma demanda reprimida, e essa ação, essa iniciativa, tanto da parte da Colômbia quanto da parte do Brasil, pôde atender essa demanda e houve uma grande receptividade.

 

Repórter Marina Melo: O comandante explica que, além do apoio às comunidades que vivem por ali, a ação também contribui para ampliar a segurança nas fronteiras.

 

Comandante: Aqui nós temos grandes vazios demográficos. Então, a presença das Forças Armadas naquela região, elas conseguem fazer com que o estado esteja presente em alguns locais onde você não tem uma certa fixação. Então, nós vamos para estes locais. A Marinha, com a sua mobilidade, ela consegue colocar navios em certas posições, por um período de tempo, seja qual for, para que nós estejamos presentes efetivamente lá e estado Brasileiro, porque as Forças Armadas também são parte do estado.

 

Repórter Marina Melo: Batizada de 1ª Jornada Binacional de Apoio ao Desenvolvimento entre Brasil e Colômbia, a ação é fruto de encontro realizado em janeiro deste ano entre ministros da Defesa do Brasil e da Colômbia.

 

Gláucia: O Rio de Janeiro é sede da maior feira de produtos voltados para área de defesa e segurança da América Latina.

 

Aírton: As Forças Armadas Brasileiras participam da exposição.

 

Gláucia: E o presidente Michel Temer visitou hoje os stands na abertura da feira.

 

Aírton: A repórter Natália Melo esteve lá e conta os detalhes pra gente. Olá, boa noite, Natália.

 

Repórter Natália Melo (ao vivo): Olá, boa noite. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Na maior exposição de defesa e segurança da América Latina, no Rio, mais de 600 marcas apresentaram novidades da área, como os simulares de voo que parecem videogame, aviões e helicópteros gigantes para garantir a defesa do país e sistemas de monitoramento do espaço aéreo de última geração. As Forças Armadas do Brasil trouxeram projetos como os Caças Gripen, que vão ser produzidos aqui em parceria com uma empresa sueca, e o KC-390, aeronave militar de carga, a maior produzida no Brasil, que vai operar aqui e na Antártica, em operações de desembarque de tropas, transporte de carga, busca e salvamento. O Coronel Frederico Junior, da Força Aérea Brasileira, explicou a importância dos novos projetos.

 

Coronel - Frederico Junior: Pra prospecções futuras, nós estamos completando 100 anos da Força Aérea Brasileira e estamos fazendo essas missões de hoje, mas já olhando pro futuro, em todas as capacidades que a nossa Força Aérea tem que ter.

 

Repórter Natália Melo (ao vivo): O presidente Michel Temer visitou a exposição nesta terça-feira e disse que o stand da Embraer, a Empresa Brasileira de Aeronáutica, mostra que a indústria nacional está se desenvolvendo. Temer falou sobre os benefícios que a feira pode trazer para o Brasil.

 

Presidente Michel Temer: Isso divulga muito o país. Uma feira dessa natureza, realizada aqui no Rio de Janeiro, leva os nossos produtos para conhecimento do exterior.

 

Repórter Natália Melo (ao vivo): Na abertura, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciou medidas para incrementar a base industrial de defesa, como uma linha internacional de crédito, criada pelo Ministério da Fazenda e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, para financiar países que queiram comprar os produtos brasileiros de defesa e segurança. O ministro Raul Jungmann também informou que o Ministério da Defesa receberá este ano recursos de cerca de R$ 5,5 bilhões, valor que pode ser aumentado com a recuperação de valores que foram contingenciados. Ao vivo, do Rio de Janeiro, Natália Melo.

 

Gláucia: Em quatro dias de atuação, a Operação Rastilho III, comandada pelo Exército, fiscalizou mais de 250 empresas cadastradas para o uso de material explosivo.

 

Aírton: Cinquenta e uma foram autuadas em uma ação que contou com militares estaduais e federais de 13 estados.

 

Gláucia: Na fiscalização, os agentes verificam se empresas autorizadas a trabalhar com produtos explosivos estão atuando dentro da legislação, para evitar desvios desse material.

 

Aírton: Segundo o Exército, foi verificado uma redução de 30% dos crimes com uso de explosivos no Brasil, entre 2015 e 2016.

 

Gláucia: 19h21 em Brasília.

 

Aírton: Agora está valendo. Trabalhadores vão poder usar o FGTS como garantia para contratar empréstimos consignados.

 

Gláucia: Os bancos já podem começar a firmar convênios com as empresas, pra que seus trabalhadores tenham acesso a essa nova linha de crédito.

 

Repórter Natália Koslik: A partir de agora, os trabalhadores vão poder usar o FGTS, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, como garantia para contratar empréstimos consignados, que são os descontados direto da folha de pagamento ou do benefício previdenciário do trabalhador. Essa nova linha de crédito vai permitir a contratação de empréstimos com prazo de até 48 meses e juros mais baixos, como explica o secretário executivo do Conselho Curador do FGTS, Bolivar Moura Neto.

 

Secretário executivo do Conselho Curador do FGTS - Bolivar Moura Neto: A taxa de juro máxima que foi estabelecida pelo Conselho Curador foi 3,5%. Também com prazo mais longo.

 

Repórter Natália Koslik: Atualmente, trabalhadores da iniciativa privada respondem por mais de R$ 18 bilhões contratados em consignados. Já entre servidores públicos, o valor no contratado chega a R$ 167 bilhões. E a expectativa é de que o uso do FGTS faça crescer o número de operações. A medida também é vantajosa para os bancos e instituições financeiras, de acordo com o secretário Bolivar Moura Neto.

 

Secretário executivo do Conselho Curador do FGTS - Bolivar Moura Neto: Em caso do trabalhador ser demitido, a Caixa, que é o agente operador do FGTS, ela vai reter uma parte do FGTS para pagamento do empréstimo.

 

Repórter Natália Koslik: O trabalhador que quiser contratar empréstimo utilizando o FGTS deve procurar a empresa onde trabalha e se informar sobre os bancos conveniados. Vale destacar que não vai haver nenhum prejuízo no saque do FGTS para outras finalidades, como a compra da casa própria. Reportagem, Natália Koslik.

 

Aírton: Os termômetros que usam mercúrio, aqueles com um filete vermelho, que percorre uma canaleta, para indicar a temperatura, vão sair do mercado.

 

Gláucia: A Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, determinou que, a partir de 2019, vai ser proibida a comercialização desses termômetros.

 

Repórter Nei Pereira: Para quem tem criança em casa, o termômetro é essencial para acompanhar a saúde do bebê. É o caso da economista Clarissa Ludovico, moradora de Brasília, que se preocupa com a temperatura do corpo da filha recém-nascida.

 

Economista - Clarissa Ludovico: Para medir a temperatura de crianças, a gente geralmente quer uma coisa mais rápida, porque a gente fica meio desesperado, né, em casa. Aí eu fico vendo de 10 em 10 minutos, pra ver se precisa controlar.

 

Repórter Nei Pereira: Os modelos antigos dos termômetros utilizam coluna de mercúrio na fabricação, o que pode trazer risco para as pessoas em caso de acidente, como explica o pediatra Antônio Ronaldo Rodrigues.

 

Pediatra - Antônio Ronaldo Rodrigues: Um acidente com o termômetro infelizmente pode ocorrer, porque criança é muito curiosa, às vezes fica acessível em casa, né? De a criança ou deglutir o produto, ou, mesmo por inalação, que é a forma mais grave. Basicamente, ela vai atacar o cérebro, os pulmões e o rim.

 

Repórter Nei Pereira: Para evitar o risco de contaminação por mercúrio nesses casos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, vai proibir a fabricação, importação e comercialização dos termômetros que utilizam o mercúrio para diagnóstico em saúde. O gerente de tecnologia em equipamentos da Anvisa, Anderson Pereira, lembra que o mercado já disponibiliza os modelos digitais de termômetro e medidor de pressão.

 

Gerente - Anderson Pereira: Hoje, essa tecnologia já está praticamente substituída pela tecnologia digital. Em poucas farmácias você vai encontrar o termômetro com coluna de mercúrio.

 

Repórter Leonardo Meira: A restrição entra em vigor no dia 1 de janeiro de 2019. Reportagem, Nei Pereira.

 

Aírton: E essas foram as notícias do Governo Federal.
 
 

Gláucia: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Aírton: Com produção da Empresa Brasil de comunicação.

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.
 
Aírton: Boa noite pra você e até amanhã.

"Brasil, ordem e progresso."