05 DE ABRIL DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Fim do horário de verão. Presidente Jair Bolsonaro decide não adotar mudança de horário este ano após estudos do Ministério de Minas e Energia. Governo realiza leilão de mais seis terminais em portos, localizados no Pará. E A Voz do Brasil explica os benefícios dessas concessões para três regiões do país. Atendimentos de saúde de graça em pontos de parada. No Minuto do Caminhoneiro de hoje, vamos falar de um serviço para quem pega as estradas do país ter mais qualidade de vida.

audio/mpeg 05.04.19.mp3 — 45032 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 5 de abril de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Fim do horário de verão.

 

Gabriela: Presidente Jair Bolsonaro decide não adotar mudança de horário este ano após estudos do Ministério de Minas e Energia.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Não causa economia para nós e mexe no teu relógio biológico, atrapalha, então, a economia em parte. E só temos o que ganhar, no meu entender, mantendo o horário como está.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Governo realiza leilão de mais seis terminais em portos localizados no Pará.

 

Nasi: E a Voz do Brasil explica os benefícios dessas concessões para três regiões do país. Vanessa Casalino.

 

Repórter Vanessa Casalino: Esses terminais portuários recebem e armazenam combustíveis e vão facilitar a logística e distribuição nas regiões Norte, Noroeste e Centro-Oeste do país.

 

Gabriela: Atendimentos de saúde de graça em pontos de parada.

 

Nasi: No Minuto do Caminhoneiro de hoje vamos falar de um serviço para quem pega as estradas do país ter mais qualidade de vida.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: O presidente Jair Bolsonaro anunciou em rede social, agora, no fim da tarde, mudanças no horário de verão.

 

Nasi: E nós vamos conversar, ao vivo, com o repórter Pablo Mundim, que tem mais informações.

 

Gabriela: Boa noite, Pablo. O que muda no horário de verão?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi, e, principalmente a você ouvinte da Voz do Brasil. O presidente Jair Bolsonaro decidiu nessa sexta-feira não adotar o horário de verão neste ano, a decisão foi baseada em uma pesquisa do Ministério de Minas e Energia que revela a opinião de 53% dos entrevistados a favor do fim do horário de verão. Um parecer do deputado federal João Campos também aponta pouca efetividade na economia energética, razões que levaram o presidente a não aplicar o horário em 2019.

 

Presidente Jair Bolsonaro: O João Campos nos procurou, trouxe um arrazoado, eu encaminhei para o ministro Bento, das Minas e Energia, ele trouxe um parecer 100% favorável ao fim do horário de verão no parecer dele, lógico que eu acredito no trabalho dele. Não causa economia para nós e mexe no teu relógio biológico, atrapalha, então, a economia em parte. E só temos o que ganhar, no meu entender, mantendo horário como está.

 

Nasi: Agora, Pablo, o presidente também falou sobre a nova previdência?

 

Gabriela: Falou sim, Nasi. Ele disse que o Poder Legislativo tem autonomia para aperfeiçoar o sistema de capitalização, uma das metidas previstas na proposta do governo. Mas disse que aprovação da nova previdência é muito importante para equilibrar as contas do país.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Nós temos que convencer o pessoal para mostrar que a questão da previdência, se não aprovar agora, pelo menos grande parte, daqui 30 anos vai faltar dinheiro para pagar quem está na ativa, aqui, o serviço público. Nós vamos nos transformar numa Grécia, essa é uma realidade.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Nesta semana o governo recebeu representantes de cinco partidos para discutir sobre a nova previdência. Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na semana que vem serão reuniões com líderes de mais seis partidos. A proposta da nova previdência está em análise no Congresso Nacional. Nasi e Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Pablo Mundim, pelas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: E hoje de manhã o presidente Jair Bolsonaro realizou uma conversa com jornalistas.

 

Gabriela: Entre outros assuntos, Bolsonaro defendeu a necessidade de ampliar a transparência do uso de recurso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES.

 

Repórter Luana Karen: O dia do presidente Jair Bolsonaro começou com um café da manhã com cerca de 15 jornalista no Palácio do Planalto. Bem humorado, o presidente Bolsonaro comparou o encontro com os jornalistas com que teve nesta quinta-feira com presidentes de partidos políticos para discutir a nova previdência. Na conversa desta sexta-feira, o presidente destacou a escolha de ministros por critérios técnicos.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Eu acredito nos ministros, que foram indicados pelos critérios técnicos, 90% critérios técnicos, e dei carta branca a eles para ajudar a cada um fazer o melhor de si para ajudar a tirar o país da situação que se encontra. O mais importante dos ministros, no momento, é o da Economia, na pessoa do Paulo Guedes.

 

Repórter Luana Karen: O presidente Jair Bolsonaro também reforçou a importância da transparência no BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Conversei há duas semanas com o Levy, eu nem queria tocar nesse assunto, e vou cobrar dele hoje uma resposta do que foi acertado comigo. Transparência total nos contratos do BNDES, quer seja para outros países, quer seja quem comprou isso ou aquilo com o dinheiro do BNDES lá dentro daquele banco. Esse banco não pode continuar... não está sendo mais, né? Mas o que foi feito no passado tem que tornar-se público, porque nós temos que ter transparência nas ações do banco.

 

Repórter Luana Karen: Esta é a terceira que o presidente Jair Bolsonaro participa de café da manhã com jornalistas desde que tomou posse. Nesta sexta-feira também participaram os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Justiça, Sérgio Moro, do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e da Secretaria-Geral da Presidência, Floriano Peixoto. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: E durante solenidade de promoção dos novos oficiais generais da Forças Armadas, hoje, aqui em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro falou do lugar de destaque do Brasil no cenário internacional.

 

Gabriela: E lembrou das recentes viagens internacionais que fez para os Estados Unidos, Chile e Israel.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Temos esse grande compromisso de colocar essa pátria maravilhosa chamada Brasil no lugar de destaque que ela merece. Temos tudo para sermos uma grande nação. Em nossas recentes viagens ao Estados Unidos, ao Chile, a Israel, entre outras no corrente ano, como por exemplo, a China, a forma como estamos sendo recebidos bem demonstra que o mundo está de olho em nós.

 

Nasi: O presidente também destacou o compromisso das Forças Armadas com o povo brasileiro, com a democracia e com a liberdade, e disse que são uma esperança para o Brasil.

 

Gabriela: O Governo Federal quer ouvir a opinião do cidadão. Para isso foi inaugurado hoje o espaço de atendimento da ouvidoria da Presidência da República.

 

Nasi: Sugestões, elogios e até mesmo reclamações. O que já era feito pela internet, agora também vai poder ser feito de forma presencial.

 

Gabriela: A ideia é ter um espaço de portas abertas ao cidadão. Como destaca o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Floriano Peixoto.

 

Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República - Floriano Peixoto: Colocar o cidadão como foco, como objetivo de toda a ação governamental, de todos nós. Então, esse espaço de integridade é uma porta aberta, é um canal aberto para sugestões, reclamações, opiniões, para todos os brasileiros acessarem essas informações e serem encaminhadas ao nosso presidente.

 

Nasi: Para o presidente Jair Bolsonaro, esse canal de comunicação direto e sem filtro vai ser um aliado no governo.

 

Gabriela: O espaço da ouvidoria funciona de segunda à sexta-feira, entre 8h e 18h, no anexo do Palácio do Planalto.

 

"Concessões, parcerias para o crescimento do Brasil".

 

Nasi: Quase R$ 450 milhões foram arrecadados hoje no leilão de seis terminais portuários.

 

Gabriela: Mas para o governo o mais importante é que essas áreas, localizadas no estado do Pará, vão receber investimentos de aproximadamente R$ 430 milhões em melhorias.

 

Repórter Vanessa Casalino: Cinco áreas foram leiloadas no porto de Belém e uma no porto de Vila do Conde, no Pará. Esses terminais portuários recebem e armazenam combustíveis e vão facilitar a logística e distribuição nas regiões Norte, Noroeste e Centro-Oeste do país. Ao todo, foram arrecadados R$ 447,9 milhões. Entre investimentos e a arredamentos, a estimativa é de que pelo menos R$ 430 milhões sejam investidos nos seis terminais ao longo dos contratos, que variam entre 15 e 25 anos. O secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, comemorou o resultado.

 

Secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários - Diogo Piloni: O leilão tem um resultado excepcional e vou dizer, assim, alguns motivos que nos levam a essa conclusão. O primeiro deles é a outorga, estamos falando de meio bi, e a outorga paga na cabeça nos primeiros anos desse contrato, mas nós temos também valores de arrendamentos que são pagos ao longo da vida do contrato, estamos falando também em algo na casa de R$ 0,5 bilhão. O segundo motivo é a realização dos investimentos mínimos obrigatórios nessas áreas, estamos falando de R$ 430 milhões de investimentos numa região que é carente de investimentos e que depende fortemente dessa logística de distribuição de transporte aquaviário.

 

Repórter Vanessa Casalino: Este é o segundo leilão de portos realizado pelo governo este ano. Até agora os investimentos superaram os R$ 650 milhões. Segundo Herlon Brandão, diretor de Inteligência e Estatística do Comércio Exterior do Ministério da Economia, os investimentos em infraestrutura devem estimular o desenvolvimento da região.

 

Diretor de Inteligência e Estatística do Comércio Exterior - Herlon Brandão: Uma malha viária, uma infraestrutura de transportes desenvolvida é uma condição para o avanço e para melhoraria da economia de qualquer região. O desenvolvimento econômico passa por ter uma infraestrutura de transportes eficiente. Então, melhora o escoamento de mercadorias na exportação e também a internalização de produtos com prazos no exterior na economia nacional. Então, tempo é custo. Então, isso reduz o tempo de transporte, o que faz com que nossa economia ganhe competitividade.

 

Repórter Vanessa Casalino: Além das empresas de distribuição de combustíveis, o setor de logística também entrou na disputa. O ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, falou sobre as vantagens da administração pela iniciativa privada.

 

Ministro de Infraestrutura - Tarcísio Gomes de Freitas: Isso é emprego que vai ser gerado, isso é movimentação, é indução de outras atividades econômicas, isso é dinamização da economia. Então, fazer leilões de terminais portuários como nós fizemos aqui há duas semanas, de Cabedelo e Vitória, e hoje fazendo os terminais do Norte, tem um aspecto fundamental na logística dos líquidos que acontece a região Norte, que abastece Centro-Oeste, que abastece o Nordeste.

 

Repórter Vanessa Casalino: Com o leilão do hoje o governo completa a meta de 23 concessões de portos, aeroportos e ferrovias definida para os cem dias de gestão. Reportagem, Vanessa Casalino.

 

Nasi: Medir a pressão arterial, ser atendido por dentista e ter aulas para prevenir doenças na coluna, tudo de graça.

 

Gabriela: Daqui a pouco a gente dá mais detalhes sobre esses serviços que vão estar disponíveis para caminhoneiros de todo o país em pontos de parada.

 

Nasi: As unidades básicas de saúde que perderam profissionais do Mais Médicos em fevereiro, vão continuar a receber a verba de custeio do Ministério da Saúde.

 

Gabriela: O prazo para o pagamento desse recurso, que era de dois meses, foi estendido para seis meses.

 

Nasi: O Ministério da Saúde, entendeu solicitação de estados e municípios que poderão usar o dinheiro para contratar outros profissionais.

 

Repórter Gabriela Noronha: Desde fevereiro os profissionais designados para postos de saúde em locais menos vulneráveis, como grandes cidades, não têm o vínculo renovado ao completarem três anos no Mais Médicos, prazo previsto em lei. O repasse dos recursos do programa era cortado caso a unidade permanecesse sem médicos mais de dois meses. Com uma portaria publicada no Diário Oficial da União, agora a unidade básica vai receber a verba de custeio e outros financiamentos federais, mesmo sem o médico por um prazo de seis meses. A medida, de acordo do Ministério da Saúde, foi solicitada por estados e municípios. Os municípios que perderam profissionais do Mais Médicos poderão utilizar os recursos também para contratar seus próprios profissionais. O governo mantém a renovação de profissionais no programa apenas em cidades classificadas como mais vulneráveis, como pequenos municípios e distritos sanitários indígenas, nesses locais, além de pagar os salários dos médicos, cerca de R$ 11,8 mil, a Pasta vai repassar às equipes mais R$ 4 mil para custeio. Gabriela Noronha para o Voz do Brasil.

 

"Nova previdência - É para todos, é melhor para o Brasil".

 

Gabriela: As mudanças na previdência são necessárias para manter o setor público funcionando no país.

 

Nasi: Essa foi uma das afirmações feitas hoje, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

 

Gabriela: Ele participou de um fórum de lideranças empresariais em Campos do Jordão, em São Paulo, junto com outros ministros do governo.

 

Nasi: O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu a privatização de parques nacionais.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Para uma plateia formada por mais de 700 empresários e presidentes de empresas, o ministro da Economia, classificou a proposta de reforma da previdência como sendo inescapável e disse que está confiante na aprovação pelo Congresso Nacional. Paulo Guedes afirmou que o que está em jogo é a sobrevivência do sistema previdenciário brasileiro.

 

Ministro da Economia - Paulo Guedes: O que está acontecendo já em alguns estados é que eles não estão pagando nem salários, nem previdência. Então, tem que ficar muito claro o seguinte, quem está quebrando é o setor público. O setor privado vai olhar vai ser uma crise tremenda, mas todo mundo seguir trabalhando. O que está acontecendo é o setor público brasileiro está quebrando.

 

Repórter Ricardo Ferraz: O ministro da Economia também falou sobre outros pontos da política econômica que considera importantes para a retomada do crescimento. A privatização de empresas estatais, o aumento dos repasses do Governo Federal para estados e municípios e a reforma tributária são considerados prioridades do governo.

 

Ministro da Economia - Paulo Guedes: Temos a previdência, nós temos as privatizações. Nós vamos fazer essa reforma do Estado amparada também no desenho diferente do futuro do Brasil, que é essa federação que nós queremos fornecer. O dinheiro tem que ir para estados e municípios, e vai ser o dinheiro que vai sair do Pré-Sal. A outra, vamos abrir a economia, mas, primeiro, fazer a reforma tributária. Precisamos fazer a reforma tributária. Você tem que começar a reduzir os impostos, eliminar impostos, simplificar e reduzir. Vamos pegar, três, quatro, cinco impostos, vira só um imposto único federal.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Também presente ao evento, o ministro do Meio Ambiente destacou que uma das prioridades do governo será a atuação nas grandes cidades. Ricardo Salles disse que o governo vai rever processos de licenciamento ambiental e firmar parcerias da iniciativa privada em áreas que dependem de recursos públicos, como os parques nacionais.

 

Ministro do Meio Ambiente - Ricardo Salles: Nós vamos ter que cuidar agora de 335 unidades de conservação, das quais os parques nacionais e algumas delas com grande potencial de concessão para o setor privado cuidar. Aliás, nós temos Foz do Iguaçu, Porto Seguro, Fernando de Noronha, Bahia, lá o Pau Brasil, Porto Seguro, Itatiaia, pouquíssimos parques na mão do setor privado, mas os que estão na mão do setor privado são muito melhores do que aqueles que estão no setor público.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Já o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, traçou um panorama nos entraves para a educação básica no Brasil. Ele identificou o ensino médio e o início do clico fundamental como períodos críticos que devem ser enfrentados pelo governo.

 

Ministro da Educação - Ricardo Vélez Rodríguez: Nosso governo busca recuperar o ensino básico e reduzir os índices de analfabetismo. Vamos unir forças, especialmente para realizar nossos sonhos, unindo a experiência da responsabilidade pública com a competência da iniciativa privada.

 

Repórter Ricardo Ferraz: O encontro das lideranças empresariais contou ainda com a participação dos presidentes da Câmara Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

"Minuto do caminhoneiro".

 

Gabriela: Você, caminhoneiro que está escutando a gente agora, sabia que quando você pega a estrada quem acelera é o Brasil?

 

Nasi: É com esse lema que o Ministério da Infraestrutura e o Sest/Senat vão promover a Semana Mundial da Saúde do Caminhoneiro, para cuidar de quem dirige de Norte a Sul do país.

 

Gabriela: O secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, explica que essa ação atende a uma reivindicação da categoria.

 

Secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura - Marcelo Sampaio: Nós estamos muitos felizes em estar trabalhando com conjunto com o Sest/Senat para melhorar a qualidade de vida dos nossos caminhoneiros. Então, isso passa por saúde bucal, por aferição de pressão, a questão da postura no trânsito. Então, vai ser muito importante termos o Sest/Senat ativo, e é uma demanda clara da categoria, e nós queremos trabalhar sempre em conjunto eles.

 

Nasi: E esses serviços de saúde vão ser oferecidos em postos de combustíveis, terminais de carga e centros de distribuição em todas as cinco regiões do país, como conta, Nicole Goulart, diretora executiva do Sest/Senat.

 

Diretora executiva do Sest/Senat - Nicole Goulart: Nós vamos ao encontro desses profissionais em locais que eles já param hoje. Então, a aproximadamente 70 pontos em postos de combustíveis que já são usados hoje para parada desses profissionais, e lá nós vamos levar todos os serviços do Sest/Senat: fisioterapia, nutrição, psicologia, odontologia, além disso, instrutores para mostrar como ele pode conduzir o veículo, o caminhão de forma econômica e economizar do diesel.

 

Gabriela: Então, caminhoneiro, não se esqueça, a Semana Mundial de Saúde ocorre de domingo até a próxima sexta-feira, dia 12, em 58 cidades do Brasil.

 

Nasi: E você que está na estrada pode participar do Minuto do Caminhoneiro.

 

Gabriela: Basta entrar em contato com a gente pelo Whatsapp.

 

Nasi: Suas perguntas vão ser respondidas toda sexta-feira.

 

Gabriela: Então, não tem aí o nosso número é o 61 99965-2358.

 

Nasi: Defesa e segurança juntas no Rio de Janeiro.

 

Gabriela: Agentes na Marinha, Exército, Aeronáutica, segurança pública e até particular participaram nessa semana da Feira Internacional de Defesa e Segurança, que terminou hoje.

 

Nasi: E a Força Aérea Brasileira aproveitou para mostrar a evolução da produção do caça Gripen, que já está em teste na Europa e vai ser produzido aqui no Brasil a partir de 2024.

 

Repórter Maurício de Almeida: Em breve o caça Gripen vai sobrevoar e patrulhar o céu brasileiro. As aeronaves desenvolvidas por uma empresa sueca, em parceria com a Embraer, foram encomendadas pela Aeronáutica e já são sendo testadas na Europa. O Gripen faz parte do projeto de modernização da frota aérea militar do Brasil. É um caça de última geração, considerado o mais inteligente do mundo. Durante uma missão, o computador do avião analisa o cenário e fornece sugestões para o piloto, como a melhor arma que deve ser utilizada e uma manobra que pode ser realizada. O caça também consegue avaliar e atacar o inimigo à distância sem ser detectado, isso é possível devido aos sistemas de avançadas de guerra eletrônica e comunicação, e de busca e rastreamento infravermelho. O coronel Paulo Carvalho, o gerente do projeto, da Força Aérea Brasileira, diz que o Gripen vai garantir a segurança do Brasil.

 

Gerente do projeto Gripen - Coronel Paulo Carvalho: Ele será empregado em missões de defesa aérea, missões de guerra eletrônica, missões de ataque ao solo, missões de reconhecimento. Então, vai ser uma gama bem variada de missões que vai substituir todos os outros modelos de aeronaves que a Força Aérea tem no acervo atualmente.

 

Repórter Maurício de Almeida: O contrato de compra dos aviões também conclui a transferência de tecnologia para melhorar a indústria nacional, tanto que os 350 profissionais brasileiros estão aprendendo na Suécia os segredos do Gripen. O coronel Paulo Carvalho diz que o técnicos que já concluíram o curso agora ajudam a construir o Gripen brasileiro, e, no futuro, vão atuar em diversos outros projetos aqui no país.

 

Gerente do projeto Gripen - Coronel Paulo Carvalho: Eu diria que a Embraer entrará na última geração do que há de tecnologia, de modernização, de equipamento após a conclusão do recebimento de todos os projetos de transferência de tecnologia agradados ao projeto FX-2. Nós temos de grande importância a nossa cadeia produtiva. Ela está sendo toda reformulada por gerações de emprego, novas tecnologias estão sendo trazidas. Existem empresas brasileiras puramente nacionais envolvidas na fabricação do nosso projeto. Então, é uma cadeia de indústria aeronáutica muito grande desenvolvida na produção desse projeto, e aí está a grande importância da absorção dessa tecnologia para o Brasil.

 

Repórter Maurício de Almeida: Segundo a Embraer, a versão brasileira do caça Gripen, que será produzido na fábrica da empresa em Gavião Peixoto, interior de São Paulo, será entregue à Força Aérea Brasileira em 2024. Do Rio de Janeiro, Maurício de Almeida.

 

Gabriela: E depois do ar, agora nó vamos para o mar.

 

Nasi: Durante a feira, a Marinha do Brasil assinou um contrato para aquisição de duas lanchas de ação rápida com proteção antibalas.

 

Gabriela: Os veículos devem ser utilizados na proteção do mar e dos rios da Bahia, Sergipe e Minas Gerais.

 

Repórter Alessandra Lago: São duas lanchas no modelo DGS-888 Raptor NK-2 blindadas, que vão atuar em missões da Marinha e dar suporte às ações de segurança pública das polícias Militar, Civil e Federal. As embarcações serão utilizadas no combate ao narcotráfico e à pirataria, além de auxiliar Ibama de combate de crimes ambientais. De acordo com comandante do Segundo Distrito Naval, vice-almirante, Marcelo Francisco Campos, as lanchas são adequadas para o local de atuação.

 

Comandante do Segundo Distrito Naval - Vice-almirante Marcelo Francisco Campos: São lanchas blindadas com um casco de polietileno. Então, é rígido, é um casco que permite a operação de abordagem, ela pode passar até por cima de pedrais. Então, é uma lancha muito resistente, e ela vai apoiar a Secretaria de Segurança Pública do estado da Bahia, principalmente ali no entorno da Baía de Todos os Santos, no Recôncavo Baiano.

 

Repórter Alessandra Lago: As embarcações vão ser produzidas no Rio de Janeiro. De acordo com o presidente da empresa que fornecerá os equipamentos, Abílio de Gerard, elas devem ser entregues é o final deste ano e são um produto totalmente nacional.

 

Presidente da empresa - Abílio de Gerard: Elas vão entrar uma produção agora, é uma produção muito técnica, demorada porque é um barco que requer muitos cuidados especiais na sua fabricação. As lanchas vão ser fabricadas no Rio de Janeiro, então, é um produto desenvolvido por brasileiros, para brasileiros, com sempre o objetivo de aumentar a capacidade de patrulha e inspeção da Marinha do Brasil para proteger o nosso país.

 

Repórter Alessandra Lago: As embarcações são ver destinadas a Segundo Distrito Naval para operaram na Baía de Todos os Santos, no litoral baiano. Além disso, as lanchas vão poder ser utilizadas na fiscalização dos rios de Sergipe e parte de Minas Gerais, e atuar no combate aos crimes nesses estados. A previsão de entrega das lanchas é de oito meses. Do Rio de Janeiro, Alessandra Lago.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e, em seguida, as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você até segunda.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".