05 DE MARÇO DE 2018

Destaques da Voz do Brasil: Áreas de conservação marinha vão aumentar. Conversamos ao vivo com o ministro do meio ambiente, José Sarney Filho. Operação da Polícia Federal e Ministério da Agricultura fecha 3 frigoríficos. Distribuição de repelentes vai ser ampliada pelo Ministério da Saúde. Maior facilidade para obtenção do visto aumentou o número de turistas estrangeiros no Brasil no mês de janeiro.

audio/mpeg 05_03_18 - A VOZ DO BRASIL.mp3 — 47032 KB




Transcrição


 

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 5 de março de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Áreas de conservação marinha vão aumentar.

 

Luciano: Governo acaba de anunciar aumento nessas áreas, para preservação da costa brasileira.

 

Gabriela: E vamos conversar ao vivo com o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Operação da Polícia Federal e Ministério da Agricultura fecha três frigoríficos. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: Segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, a produção dessas carnes para o consumo interno não foi afetada e não há risco para a saúde pública.

 

Luciano: Distribuição de repelentes vai ser ampliada pelo Ministério da Saúde. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Idosos, pessoas que não podem tomar a vacina da febre amarela, gestantes acompanhadas pelo SUS, moradores de áreas rurais e profissionais de saúde fazem parte do novo público alvo.

 

Gabriela: E vamos falar do recorde de estrangeiros no Brasil.

 

Luciano: Maior facilidade para obtenção do visto aumentou o número de turistas que entraram no país em janeiro.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Uma decisão importante para o meio ambiente.

 

Luciano: O Governo Brasileiro anunciou hoje um aumento na área de conservação marinha. Nós vamos ao vivo ao Palácio do Planalto, de onde fala o repórter Pablo Mundim. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Luciano. Boa noite, Gabriela. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Bom, foi uma reunião que aconteceu hoje à noite aqui no Palácio do Planalto, e nessa reunião foi decidido que os arquipélagos São Pedro, São Paulo, Trindade e Martim Vaz, localizados na costa brasileira, mas especificamente no estado do Espírito Santo, serão transformadas em unidades de conservação federal. Trata-se de uma riqueza localizada nessa costa brasileira, onde estima-se mais de 270 espécies de peixes recifais e 140 tipos de moluscos nessas ilhas, muitos inclusive ameaçados de extinção. A presidente da Mission Blue, uma importante organização internacional de preservação, participou da reunião e, segundo ela, a decisão do Governo Federal não é apenas em prol dos brasileiros, mas é uma salvaguarda para a toda a nação mundial. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Gabriela: Bem, para explicar para a gente o que isso significa, nós vamos conversar, ao vivo, aqui no estúdio, com o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho. Boa noite, ministro.

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: Boa noite, boa noite, amigos e amigas que estão me ouvindo aí pela Voz do Brasil.

 

Gabriela: Ministro, explica para os nossos ouvintes a importância de criar essas unidades de conservação.

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: Olha, ninguém desconhece hoje a importância dos mares para a manutenção do clima no planeta Terra. Os mares são responsáveis por mais de 50% do oxigênio que respiramos, também são nos oceanos que nós temos o maior sequestro de gases do efeito estufa, portanto eles ajudam a diminuir o aquecimento global, e os mares estão se tornando lixeiros do mundo. Então, os mares hoje, os oceanos, precisam de proteção. E é justamente dentro dessa perspectiva que o Governo Brasileiro está aumentando a área de proteção do mar de 1,5% para 25%. É histórico. É um fato, eu acho que único até hoje, de países que fazem isso, de uma só tacada, e essas áreas são ilhas oceânicas distantes, que têm não só vegetações específicas, mas também espécies endêmicas, que só dão naqueles lugares e que, portanto, precisam ser preservadas.

 

Luciano: Essa decisão foi tomada hoje em reunião com o presidente Michel Temer, não é isso, ministro?

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: Sim, foi uma reunião bastante concorrida, com membros da sociedade civil organizada, empresários, o comandante da Marinha estava lá, então foi uma reunião muito bem discutida. E, mais uma vez, o presidente Michel Temer teve a sensibilidade com a causa ambiental e, por isso, ele concordou com essa criação. Então, acordadamente com as Forças Armadas, porque essas áreas também são áreas de segurança nacional, a gente está propondo, e o presidente já acatou, junto com o conjunto do Governo, a criação dessas unidades de conservação.

 

Gabriela: Ministro, e que atividades vão poder ser feitas nesses arquipélagos?

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: Bem, nós vamos criar, em cada um desses arquipélagos, dois tipos de unidade de conservação. Um são as APAs, Área de Proteção Ambiental, que você vai poder, desde que o plano de manejo indique, você vai poder ter atividades econômicas planejadas, estudadas e também sob um critério muito rigoroso de fiscalização. E também tem áreas que são Monumentos Naturais, MONAs, essas áreas, não, essas áreas são áreas restritas de uso restrito. Não vai poder ter atividade econômica nessas áreas.

 

Luciano: E quando é que vão ser assinados esses decretos, criando essas unidades de conservação?

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: A ideia é que até dia 12, segunda-feira, já esteja o decreto pronto e, assim que tivermos o Fórum Mundial das Águas, que vai ser aqui em Brasília, o presidente vai anunciar no primeiro dia.

 

Gabriela: Nós agradecemos aqui então, ministro, a presença do senhor, ao vivo, aqui, na Voz do Brasil.

 

Ministro do Meio Ambiente - José Sarney Filho: Eu que agradeço, muito obrigado pela atenção.

 

Luciano: Obrigado. Boa noite. A Polícia Federal e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento realizaram hoje a terceira fase da operação Carne Fraca, a Operação Trapaça.

 

Gabriela: O alvo foram cinco laboratórios que fraudavam laudos sobre presença de Salmonella, um tipo de bactéria que faz parte da flora intestinal de aves e que, se a carne for cozida ou frita, não oferece nenhum risco à saúde.

 

Luciano: Mesmo assim, a bactéria não é aceita em 12 países e, por isso, o Ministério suspendeu a exportação dos produtos de quatro plantas industriais da BRF e uma fábrica de rações.

 

Repórter Raíssa Lopes: Operação Trapaça teve como foco cinco laboratórios que modificavam laudos, para que alimentos que continham a presença de Salmonella pudessem ser exportados para países que não aceitam produtos contendo a bactéria. Segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, a produção dessas carnes para o consumo interno não foi afetada e não há risco para a saúde pública.

 

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi: Posso garantir à população brasileira de que não há nenhum risco no consumo de carnes de aves produzidas por qualquer uma das empresas citadas ou não. Até porque, o problema aqui discutido é um problema de Salmonella e, como todos nós sabemos, Salmonella, ela desaparece quando cozida ou quando frita uma carne, a 60 graus. E nós estamos absolutamente tranquilos aqui, defendendo a agricultura, os agricultores, o agronegócio brasileiro, e queremos que a coisa seja feita de forma correta, transparente e assim será feito.

 

Repórter Raíssa Lopes: Os laboratórios alvo da operação vão ser suspensos junto ao Ministério da Agricultura. O Ministério vai adotar novos modelos de controle de laboratórios credenciados, para reduzir as fraudes. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: A volta da exportação pela unidade excluída da lista dependerá de auditoria sanitária do país importador e as empresas envolvidas vão continuar sob investigação.

 

Luciano: Segundo o Ministério, se forem comprovadas práticas que afetam também o mercado interno, serão adotadas medidas cabíveis.

 

Gabriela: Repelente de graça. O Governo Brasileiro decidiu ampliar o público que vai poder receber o produto nos postos de saúde.

 

Luciano: Antes, o repelente era distribuído apenas para gestantes cadastradas no Programa Bolsa Família.

 

Gabriela: Agora, moradores de áreas rurais e grávidas acompanhadas pelo SUS, por exemplo, vão poder receber o produto, que pode evitar doenças, como Zika, Dengue e Chikungunya.

 

Repórter Márcia Fernandes: Uma precaução comum entre as gestantes é com o mosquito Aedes aegypti. Ninguém quer descobrir que tem dengue ou febre amarela durante a gravidez. O medo é ainda maior com o vírus da Zika, que também é transmitido pelo mosquito. Estudos apontaram que este vírus é uma das causas de microcefalia em bebês. Tatiana Gomes é gerente de uma unidade de saúde básica em Ceilândia, cidade próxima de Brasília. Ela conta que a maioria das gestantes que procura o local em busca de orientações se preocupa com o vírus da Zika.

 

Gerente de unidade de saúde básica - Tatiana Gomes: Então, o fato de você entregar o repelente, explicar para elas como se utiliza e que vai ter no próximo mês, isso traz para elas uma tranquilidade, e diminui um pouco a ansiedade, né?

 

Repórter Márcia Fernandes: Para evitar que grávidas e outras pessoas sofram com essas doenças, o Governo Federal expandiu o número de pacientes que vão receber repelentes de graça. Além das gestantes cadastradas no programa Bolsa Família, as secretarias estaduais e municipais de saúde podem definir quem mais pode receber o produto. Idosos, pessoas que não podem tomar a vacina da febre amarela, gestantes acompanhadas pelo SUS, moradores de áreas rurais e profissionais de saúde fazem parte do novo público alvo. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, explica que houve uma queda no número de casos de pessoas infectadas com o vírus da Zika. Com isso, aumentou a quantidade de repelentes disponíveis na rede pública de saúde.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Houve agora uma redução muito significativa da Zika, de 90%, dois anos seguidos, 90% e 90% sobre os 90%, e, portanto, esses repelentes estão agora em estoque e nós disponibilizaremos para todas as grávidas brasileiras e também para as pessoas que estão em áreas de risco de contaminação da febre amarela, porque é um insumo disponível, que nós vamos disponibilizar para a população.

 

Repórter Márcia Fernandes: Para a empregada doméstica Joelice da Fonseca, usar o repelente é uma tranquilidade a mais, afinal o que ela mais quer é que o bebê chegue ao mundo com um bem precioso: a saúde.

 

Empregada doméstica - Joelice da Fonseca: Porque às vezes tem repelente que a gente vai comprar na farmácia, é caro. Dependendo, se você quer um repelente bom, ele custa um pouco mais caro. Então, assim, às vezes a gente não tem condições de comprar. E, com a ajuda do Governo, é sempre bem-vinda.

 

Repórter Márcia Fernandes: Para receber o repelente, é preciso procurar um centro ou um posto que fique perto da sua casa. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Luciano: Durante 15 anos, o Brasil e demais países que fazem parte das Nações Unidas, trabalharam para cumprir oito metas, que ficaram conhecidas como Objetivos do Milênio.

 

Gabriela: Agora, o desafio é ainda maior, com 17 novas metas, que devem ser alcançadas até 2030.

 

Luciano: Objetivos que incluem promover uma agricultura sustentável, o trabalho decente, incentivar novas tecnologias para reduzir o desperdício e combater as mudanças do clima.

 

Gabriela: E para cumprir essas metas, o Governo Brasileiro divulgou um plano. A ideia é unir ações de estados, municípios e de toda a sociedade.

 

Repórter Nei Pereira: Parece difícil cumprir os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável, que incluem acabar com a pobreza, dar educação para todos e até mesmo a igualdade de gênero. Mas o Brasil já tem experiência, conseguiu alcançar sete dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Para o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, o grande desafio agora é crescer economicamente, mas de forma sustentável.

 

Ministro da Secretaria de Governo - Carlos Marun: Busca fazer com que duas necessidades, que são a prosperidade humana e a preservação do planeta, deixem de ser conflitantes e passem a ser colaborativas. Elas têm que se tornar colaborativas.

 

Repórter Nei Pereira: Para alcançar esses objetivos, o Governo anunciou um plano nacional, com cinco linhas de ação, entre elas estratégias para que os objetivos cheguem a todos os cantos do país. Para fazer, por exemplo, com que um estado do Sul aproveite uma ideia surgida lá no Norte, vai ser criado um banco nacional, com as atividades de todo o Brasil, como explica o secretário nacional de Articulação Social da Secretaria de Governo, Henrique Villa da Costa Ferreira.

 

Secretário nacional de Articulação Social - Henrique Villa da Costa Ferreira: Diversos municípios brasileiros hoje têm desafios que outros municípios já interessaram. Então vamos reunir essas ações, disponibilizar para todo e qualquer gestor público, onde se ele tiver um processo de lixo, pode estar à disposição dos parceiros para essa troca de informações.

 

Repórter Nei Pereira: Além dessa coordenação nacional das atividades, alcançar esses 17 objetivos é algo que vai necessitar do empenho não só do Governo Federal, estados e municípios, mas de todos os brasileiros, como ressalta a integrante da Fundação Abrinq, pelos direitos da criança e do adolescente, Heloísa de Oliveira.

 

Integrante da Fundação Abrinq - Heloísa de Oliveira: Nós precisamos ligar isso ao dia a dia, à toda a nossa rotina, não só nos governos, mas nós mesmos, como pessoa física, nós temos uma responsabilidade.

Repórter Nei Pereira: E para incentivar que todo o país participe, o Governo lançou o Prêmio ODS Brasil, que será concedido a cada dois anos a pessoas e entidades que promovam boas práticas de qualidade de vida. A primeira premiação vai ocorrer ainda este ano. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: 19h14 em Brasília.

 

Luciano: Número de estrangeiros no Brasil é recorde.

 

Gabriela: Daqui a pouco, vamos falar do aumento de turistas que entraram no país em janeiro.

 

Luciano: Mais de 7 mil pessoas foram atendidas pelo programa Minha Casa, Minha Vida em Porto Velho, Rondônia.

 

Gabriela: Foram entregues na capital do estado 1,9 mil moradias para famílias que atendem a faixa 1 do programa, ou seja, têm renda de até R$ 1,8 mil.

 

Luciano: O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, participou da entrega das chaves neste final de semana, e aproveitou para anunciar a retomada de obras para equipar os condomínios que já foram entregues em todo o país.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Nós estaremos também retomando, depois de quase cinco anos sem equipamentos sociais serem liberados. Em todo o Brasil, serão aproximadamente R$ 850 milhões que serão destinados somente para equipamentos sociais. E vocês sabem o que são os equipamentos sociais? São as creches, são as escolas, são o posto de saúde. Entregar a chave para realizar o sonho é maravilhoso, mas é muito melhor saber que nós tenhamos aqui a creche, a escola, o posto de saúde, o posto policial, para garantir que vocês estarão bem cuidados, estarão bem olhados e, principalmente, estarão aqui com o apoio da Prefeitura, do Governo do Estado e do Governo Federal, em uma aliança para o bem do povo.

 

"Criança Feliz - Primeira infância".

 

Gabriela: Uma lei que cria uma série de programas e serviços para promover o desenvolvimento das crianças, desde o nascimento até os seis anos de idade.

 

Luciano: Estamos falando do Marco Legal da Primeira Infância, a lei que completa dois anos nesta semana e é a base para ações que o Governo vem criando para garantir crianças mais saudáveis e prontas para enfrentar os desafios da vida adulta.

 

Gabriela: Nesta semana, você vai ouvir aqui, na Voz do Brasil, que iniciativas são essas, e como já estão mudando a vida de famílias em várias regiões do país.

 

Repórter Diego Queijo: É nesse período, chamado primeira infância, que o ser humano desenvolve a inteligência e competências essenciais para as demais fases da vida. Entre as inovações propostas pelo Marco Legal, estão a garantia às crianças do direito de brincar, a ampliação da licença paternidade e a divisão igualitária de direitos e responsabilidades entre pais, mães e responsáveis. Segundo a chefe da área de Desenvolvimento Infantil do Fundo das Nações Unidas para a Infância no Brasil, Unicef, Cristina Albuquerque, uma sociedade que se preocupa com o futuro investe no desenvolvimento de suas crianças. Nesse aspecto, ela considera o Marco Legal um avanço na legislação, comparável também à criação do Estatuto da Criança e do Adolescente.

 

Chefe de Desenvolvimento Infantil da Unicef - Cristina Albuquerque: E apesar do Estatuto da Criança e do Adolescente ser uma lei extremamente avançada, algum detalhamento para especificar a sensibilidade e a importância dessa primeira fase da vida foi necessário.

 

Repórter Diego Queijo: O Marco Legal também reforça a importância do atendimento domiciliar, especialmente para crianças de famílias em condições de vulnerabilidade. Esta é uma das bases do programa Criança Feliz, lançado em 2016, para promover o desenvolvimento integral infantil. Diversos estudos científicos têm comprovado que os seis primeiros anos de vida da criança, incluindo a gestação, são cruciais para o desenvolvimento humano. Assim, de acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, o Criança Feliz é uma forma de investir no futuro e tornar a sociedade mais justa e igualitária.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: A materialização dessa proposta no Governo Federal se estabeleceu o Criança Feliz. Ele é um passo muito importante de avanço, de materialização do Marco Legal da Primeira Infância, unificando as ações de primeira infância no Brasil.

 

Repórter Diego Queijo: Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social, no Criança Feliz, visitadores capacitados realizam acompanhamento semanal de crianças beneficiárias do programa Bolsa Família, com idades entre zero e três anos, e daquelas de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC. Eles mostram aos pais a maneira correta de estimular e garantir o desenvolvimento pleno das crianças. Reportagem, Diego Queijo.

 

Luciano: O Fies, o programa que oferece financiamento estudantil em universidades particulares, vai divulgar o resultado dos candidatos pré-selecionados ainda hoje.

 

Gabriela: Para essa primeira edição, são ofertadas 155 mil vagas. Para concorrer a uma vaga, o estudante deve ter feito alguma edição da prova do Enem a partir de 2010 e ter média igual ou superior a 450 pontos, e não ter zerado a redação.

 

Luciano: Recorde no setor de turismo. O Brasil registrou o melhor mês de janeiro da história.

 

Gabriela: O dinheiro gasto aqui por estrangeiros só perde para junho e julho de 2014, quando foi realizada a Copa do Mundo.

 

Luciano: Os turistas estrangeiros injetaram quase US$ 800 milhões na economia brasileira.

 

Repórter Raquel Mariano: Seja para curtir o verão brasileiro ou comemorar o ano novo, os estrangeiros que visitaram o Brasil em janeiro deste ano deixaram US$ 779 milhões no país. Esse é o maior valor para o primeiro mês do ano em toda a série histórica, desde 1990. De acordo com o ministro do Turismo, Marx Beltrão, esse número já é resultado da facilitação de vistos para o Brasil. Turistas do Japão, Canadá, Austrália e Estados Unidos que quiserem visitar o Brasil recebem o visto em até 72 horas.

 

Ministro do Turismo - Marx Beltrão: Nós temos que facilitar a entrada de turistas estrangeiros no nosso Brasil. Nas Olimpíadas, o Brasil, através de uma medida provisória, liberou, durante três meses, a entrada de turistas dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão, e cerca de 130 mil turistas estrangeiros, desses quatro países, vieram aos Jogos Olímpicos, por conta da liberação dos vistos. E eles afirmaram isso nas pesquisas que o Ministério do Turismo fez.

 

Repórter Raquel Mariano: Na comparação com janeiro do ano passado, o dinheiro gasto pelos estrangeiros aqui no Brasil aumentou em 17,86%. A receita com o turismo internacional só não foi maior que junho e julho de 2014, os meses da Copa do Mundo. E o ministro do Turismo acredita que essa cifra vai crescer ainda mais.

 

Ministro do Turismo - Marx Beltrão: Segundo estudos da Organização Mundial do Turismo, a perspectiva é que tenhamos um aumento de cerca de 25% ao ano no número de visitantes para o nosso país. A balança comercial deverá ter um incremento de mais de US$ 1,1 bilhão, com as visitações dos turistas desses países no nosso Brasil.

 

Repórter Raquel Mariano: Os destinos mais procurados pelos estrangeiros neste verão foram São Paulo, Florianópolis e Rio de Janeiro. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: 19h21 em Brasília.

 

Luciano: Os 67 municípios de 17 estados, que diminuíram o tempo de espera dos pacientes nas filas para cirurgias eletivas, vão ganhar um bônus, o dobro de verba neste semestre.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde liberou mais R$ 61 milhões para esses municípios criarem novos mutirões e realizarem ainda mais cirurgias.

 

Repórter Raíssa Lopes: O objetivo é realizar mais procedimentos e diminuir o tempo de espera dos pacientes. O dinheiro vai para os 67 municípios, de 17 estados, que conseguiram organizar os pacientes em uma fila única e cumpriram a meta de cirurgias que deveriam ser realizadas no ano passado. Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a informatização do sistema vem ajudando a agilizar procedimentos e diminuir filas de espera.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Temos que ter uma única fila de pessoas em cirurgia. Então, eu acredito que, com a informatização, que está já quase 50% de todas as unidades básicas de saúde do Brasil, têm prontuário eletrônico, têm conectividade, nós conseguiremos brevemente controlar a demanda e, portanto, planejar o atendimento dessa demanda.

 

Repórter Raíssa Lopes: Barcarena, no Pará, é um desses 67 municípios que vão receber recursos adicionais neste ano. A cidade realizou cerca de 50 cirurgias por mês e criou mutirões nas áreas de oftalmologia e ginecologia. Segundo a subcoordenadora de Regulação, da Secretaria de Saúde de Barcarena, Rosa Palma, o dinheiro extra vai ajudar na criação de novos mutirões, compra de equipamentos e qualificação de profissionais.

 

Subcoordenadora de Regulação - Rosa Palma: São uma demanda muito grande, e elas são as que menos estão feitas, justamente porque são menos graves, mas a gente pretende intensificar, programando um mutirão provavelmente para o meio do ano.

 

Repórter Raíssa Lopes: No ano passado, mais de 80 mil cirurgias eletivas foram feitas em todo o país. As mais procuradas são do aparelho digestivo e de visão. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: A Receita Federal apreendeu 1,3 mil quilos de cocaína no Porto do Rio de Janeiro.

 

Luciano: É a maior apreensão de drogas realizada no país nos últimos anos.

 

Gabriela: A carga estava distribuída em dois contêineres que foram escaneados logo que chegaram ao porto.

 

Luciano: Os contêineres tinham como destino final o Porto de Tema, em Gana, mas com uma escala na Europa.

 

Gabriela: O primeiro carregamento, identificado no dia 28, continha 500 quilos da droga, e o segundo, identificado ontem, trazia 800 quilos de cocaína.

 

Luciano: Começou a segunda fase de implantação do eSocial para empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões por ano.

 

Gabriela: Nesta fase, os grandes empregadores devem incluir no sistema informações relativas aos seus trabalhadores e seus vínculos, como admissões, afastamentos e demissões, por exemplo.

 

Luciano: São mais de 14 mil empresas com 15 milhões de trabalhadores a serem incluídos no eSocial nesta primeira fase.

 

Gabriela: Além de reduzir a burocracia e do ganho de produtividade para as empresas, o eSocial vai assegurar, de forma mais efetiva, o acesso aos direitos trabalhistas e previdenciários dos empregados.

 

Luciano: E estas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".