06 DE JULHO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: 300 mil novas vagas estão garantidas para o Fies no ano que vem. E presidente Michel Temer anuncia juro ZERO para estudantes de baixa renda. Projeto Rondon comemora cinquenta anos com nova operação em 15 municípios de Rondônia. Carteira Nacional de Habilitação, mesmo vencida, pode servir como documento de identificação.

audio/mpeg 06-06-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23540 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Nasi: Boa noite.

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Nasi: Quinta-feira, 6 de julho de 2017.

 

Gabriela: E vamos ao destaque do dia: Trezentas mil novas vagas estão garantidas para o Fies no ano que vem.

 

Nasi: E Presidente Michel Temer anuncia juro zero para estudantes de baixa renda.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nós somos voltados exatamente para aqueles mais carentes, né? E estamos agindo compativelmente com as necessidades sociais do país.

 

Gabriela: E para quem aguarda uma chance ainda este ano, 75 mil novas vagas vão ver abertas. Alessandra Bastos.

 

Repórter Alessandra Bastos: As inscrições para o segundo semestre de 2017 começam no dia 1 de agosto.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Projeto Rondon comemora 50 anos com nova operação em 15 municípios de Rondônia.

 

Nasi: Carteira Nacional de Habilitação, mesmo vencida, pode servir como documento de identificação.

 

Gabriela: E Presidente Michel Temer faz balanço positivo da semana. Exportações em alta, aumento nas vendas de veículos e crescimento da indústria.

 

Nasi: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Nasi: Novas mudanças no financiamento estudantil para 2018.

 

Gabriela: Trezentas mil vagas já estão garantidas para quem precisa do Fies.

 

Nasi: É, e agora a principal novidade anunciada hoje é que estudantes de baixa renda vão poder financiar o curso superior com juros zero.

 

Gabriela: Isso mesmo, ao anunciar as medidas, o Presidente Michel Temer disse que a prioridade é ajudar quem mais precisa.

 

Repórter Gabriela Noronha: A partir de 2018 o número de vagas ofertadas vai aumentar. No total o Ministério da Educação vai garantir 300 mil vagas. Para o Presidente Michel Temer o novo Fies vai garantir um programa mais eficiente e voltado para quem precisa.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nós estamos voltados exatamente para aqueles mais carentes, né? E estamos agindo compativelmente com as necessidades sociais do país. Portanto, o que fazemos é criar um Fies mais sustentável, talvez mais efetivo, um Fies mais eficiente e voltado sempre, naturalmente, para quem mais precisa.

 

Repórter Gabriela Noronha: O ministro da Educação, Mendonça Filho, explicou que o novo Fies será divido em três modalidades. Na modalidade um, para estudantes de renda familiar mensal de até três salário mínimo, o aluno começará a pagar as prestações de até 10% de sua renda mensal. As 100 mil vagas terão juros zero.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Então, somente a correção pela inflação e juro algum para o estudante pobre que precisa acessar a universidade com curso superior no nosso país. É inovador, ousado e importante.

 

Repórter Gabriela Noronha: A segunda faixa do Fies terá para o ano que vem 150 mil vagas centradas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que serão ofertadas a alunos com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos, para o chamado Fies três serão 60 mil vagas, também para estudantes com renda familiar por mês de até cinco salários mínimos. O ministro da Educação anunciou também mais 75 mil novas vagas já para este ano.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: A publicação da Portaria será feita amanhã pelo Ministério da Educação e consagrando uma oferta global para o ano de 2017 de 225 mil contratos neste ano em curso.

 

Repórter Gabriela Noronha: As mudanças, segundo o governo, são uma forma viabilizar o programa, que possui um índice de inadimplência que gira em torno de 46%. Mendonça Filho afirmou ainda que agora as universidades serão responsáveis por bancar os custos com as taxas bancárias para os empréstimos. Com isso, a economia para a União será de R$300 milhões. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: E desde que assumiu o governo o Presidente Michel Temer fez algumas mudanças no Fies para garantir a sustentabilidade do programa e aumentar o número de estudantes atendidos.

 

Gabriela: E o resultado é que o Fies criou 300 mil novas vagas para garantir a realização do sonho de muitos brasileiros. É o que a gente vai conferir agora a reportagem de Alessandra Bastos.

 

Repórter Alessandra Bastos: Felipe Gomes da Silva entrou numa faculdade particular e no meio do curso precisou abandonar os estudos. Ficou desempregado e trancou a faculdade por mais de um ano. Sem dinheiro para pagar a mensalidade, pesquisou aqui e ali e descobriu o Fies, se inscreveu, conseguiu fechar o contrato e voltou para o curso. Hoje está prestes a se formar e com um pezinho no mercado de trabalho.

 

Entrevistado - Felipe Gomes da Silva: Sou bolsista 100% do Fies e por maneira consegui... me possibilitou, na verdade, o término da faculdade agora, a conclusão agora nesse semestre. Eu estou prestando um concurso que é de superior. Então, um emprego melhor está aí, possibilidade de uma conquista maior.

 

Repórter Alessandra Bastos: Eduardo Henrique Braga já é um advogado e explica que o financiamento estudantil foi fundamental para ajudar em sua formação.

 

Advogado - Eduardo Henrique Braga: Comecei a utilizar o Fies no sexto semestre para poder me formar. Era a única forma que eu tinha, porque o salário de estagiário é normalmente muito baixo. Então, realmente foi o Fies que me ajudou.

 

Repórter Alessandra Bastos: No ano passado, logo que assumiu o governo, o Presidente Michel Temer solicitou o crédito extra ao Congresso para garantir a renovação de 1,5 milhão contratos, que corriam o risco de serem encerrados. Em seguida, anunciou também a abertura para 75 mil novas vagas no segundo semestre de 2016. Já no final do ano, o Ministério da Educação abriu mais 150 mil novas vagas no Fies para o primeiro semestre deste ano, e agora 75 mil. Isso significa que desde o início da gestão já foram 300 mil novas vagas abertas para o financiamento estudantil. O programa que ajudou hoje o advogado Eduardo Henrique Braga a realizar um sonho.

 

Advogado - Eduardo Henrique Braga: Eu não conseguia pensar em outra forma de me formar que não fosse usando o Fies. Do estágio já foi contratado como advogado no escritório que trabalhava antes. Sem o Fies eu não conseguiria me formar.

 

Repórter Alessandra Bastos: E quem também quer uma chance para fazer um curso de graduação, as inscrições para o segundo semestre de 2017 começam no dia 1 de agosto. Reportagem, Alessandra Bastos.

 

Nasi: E várias cidades do estado de Rondônia, a partir de hoje, vão receber visitas muito especiais.

 

Gabriela: São 310 estudantes e professores universitários de diferentes partes do país que fazem parte da Operação Rondônia Cinquentenário.

 

Nasi: E o motivo é de festa, a comemoração dos 50 anos do Projeto Rondon, que desde 67 leva saúde e cidadania a várias partes do país.

 

Repórter Beatriz Amiden: Era o ano de 1977. Uma menina de dez anos que se dizia esquecida num vilarejo perto de Parnaíba, no Piauí, recebeu a visita dos agentes do Projeto Rondon. Esta é a história que a Tânia Macau, hoje com 50 anos, conta entre lágrimas.

 

Entrevistada - Tânia Macau: O Projeto Rondon fez muita diferença na minha vida, porque trouxe a arte, né, cultura, né? Porque a cidade era muito carente e não oferecia para a comunidade, para o jovem, para as crianças, né?

 

Repórter Beatriz Amiden: O Projeto Rondon, do Ministério da Defesa, comemora 50 anos nesta quinta-feira e retornou a Rondônia, o local da primeira missão. Para o orgulho da Tânia, o filho Ricardo faz parte da equipe de 310 professores e alunos da Operação Rondônia Cinquentenário. Ele acredita que dividir esse conhecimento com quem precisa vai trazer ainda alegria para ele do que para os moradores das cidades atendidas.

 

Entrevistado - Ricardo: A gente está muito feliz, assim, muito honrado, né? O grupo está muito animado em estar vestindo a camisa mesmo. Eu acredito que a gente vai fazer um grande trabalho.

 

Repórter Beatriz Amiden: E uma das ações do projeto desse ano é o navio hospital da marinha, que leva atendimento médico e odontológico para as populares ribeirinhas. Mateus Pascolo é médico nesse navio e garante que esse atendimento salva muitas vidas.

 

Médico - Mateus Pascolo: Às vezes é a única oportunidade que eles têm de ver um médico ou um dentista nesse período.

 

Repórter Beatriz Amiden: E a Maria do Perpétuo Socorro confirma, ela diz que se não fosse o navio ela e sua família teriam que andar muito para encontrar atendimento médico, já que o único posto de saúde da cidade foi destruído pela enchente.

 

Entrevistada - Maria do Perpétuo Socorro: O povo daqui é ribeirinho, né? Pescadores, agricultores, então a renda deles é uma renda pequena. Então, tudo o que vier, né, em matéria de saúde, porque está tudo muito caro, então, é muito importante.

 

Repórter Beatriz Amiden: O ministro da Defesa, Raul Jungmann, participou das comemorações dos 50 anos e falou que todas as ações do Projeto Rondon são essenciais para aproximar universitários da realidade do país.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: A motivação é a mesma de 1967, a necessidade que nós temos de aproximar os nossos estudantes universitários de um Brasil profundo, de um Brasil vulnerável, de um Brasil pobre, e essa juventude, aqui se encontra, ela tem energia, ela tem a paixão.

 

Repórter Beatriz Amiden: Nesses 50 anos o projeto atendeu 1.142 municípios com a participação da 21 mil estudantes e professores. A operação vai até o dia 23 de julho. Reportagem, Beatriz Amiden.

 

Gabriela: Cursos de graça e pela internet são sendo oferecidos pelo Ministério do Turismo.

 

Nasi: É a plataforma Brasil Braços Abertos, que já tem mais de 7 mil inscritos.

 

Gabriela: Lançado há cerca de dois meses a ferramenta oferece capacitação para melhorar a qualidade da mão de obra do setor.

 

Nasi: Se você trabalha ou pretende trabalhar com turismo, então, fique atento à plataforma Brasil Braços Abertos.

 

Repórter José Luiz Filho: A plataforma Brasil Braços Abertos, oferece um curso de capacitação para quem quer entrar no mercado ou já trabalha com turismo. São 80 horas aulas em que o aluno aprende desde práticas simples, como receber um turista, até noções de inglês, matemática financeira e administração. Ana Paula Martins, que é funcionária da Secretaria de Turismo do município de Itapevi, na Grande São Paulo, decidiu fazer o curso para conhecer melhor o setor. Ela ainda não chegou à metade do conteúdo, mas diz que já aprendeu muito.

 

Funcionária da Secretaria de Turismo do município de Itapevi - Ana Paula Martins: Eu aprendi, assim, a atender bem, a importância da marca, de como expor o produto que você está vendendo. Você aprende desde como dar um 'bom dia', a como vale dizer o seu balanço orçamentário. Hoje em dia, e, principalmente nesse tempo de crise, nós temos que nos qualificar.

 

Repórter José Luiz Filho: O curso da plataforma Brasil Braços Abertos é gratuito e qualquer pessoa pode fazer, 74 municípios de todos os estados e o Distrito Federal já aderiram, são mais de 7.400 inscritos. A plataforma é uma maneira simples e direta de formar mão de obra para receber bem os turistas que viajam pelo Brasil, um setor que gera muitos empregos é um importante para a economia, como explica o chefe de gabinete da Secretaria Nacional de Qualificação e Promoção do Ministério do Turismo, Hercy Ayres.

 

Chefe de gabinete da Secretaria Nacional de Qualificação e Promoção do Ministério do Turismo - Hercy Ayres: Qualificar essas pessoas que atendem ao turista faz com que o turismo seja fomentado, que ele seja aumentado. Dizem que se você for ao lugar e não for bem atendido, aquele lugar não se atraio de novo. É preciso que você atenda bem ao turista.

 

Repórter José Luiz Filho: Além do conteúdo abrangente, outra vantagem da plataforma Brasil Braços Abertos é que o inscrito pode fazer o curso a qualquer hora e onde quiser. No final do curso o participante recebe um certificado do Ministério do Turismo. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: O endereço da plataforma é: brasilbracosabertos.turismo.gov.br.

 

Nasi: Você tem em casa uma carteira de motorista vencida?

 

Gabriela: Olha, então, não joga fora, não.

 

Nasi: É o Conselho Nacional de Trânsito, Contran, decidiu que a Carta Nacional de Habilitação vencida agora pode ser utilizada para identificação.

 

Gabriela: É, o órgão entendeu que a validade do documento corresponde apenas ao exame de aptidão física e mental para dirigir, como explica o ministro das Cidades, Bruno Araújo, que conversou com a Voz do Brasil com exclusividade.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: A pessoa não deixa de ser aquela pessoa porque o documento venceu, sobretudo, porque esse documento já está emitido numa fase adulta, onde as mudanças do ponto de vista de identificação são praticamente nenhuma. Então, é para dar racionalidade e permitir que esse documento que se transformou um documento mais usado do ponto de vista de identificação sirva à população brasileira. Agora, é muito importante que nós possamos dividir com todos os brasileiros, a carteira vencida continua inabilitando, tornando inapta fisicamente as pessoas para poder dirigir. É importante que a carteira seja renovada para garantir a aptidão física e mental na direção e no sentido de tornar o trânsito cada vez mais seguro para todos nós.

 

Gabriela: 19h14 em Brasília.

 

Nasi: E você vai conferir ainda nesta edição da Voz do Brasil.

 

Gabriela: Presidente Michel Temer está a caminho com a Alemanha para reunião do G20, grupo de países com as maiores economias do mundo.

 

Nasi: E antes de embarcar o presidente fez um balanço desta semana com bons resultados para a economia do país.

 

Presidente da República - Michel Temer: O Brasil avança e a gente não perde a disposição de reencontrar o caminho do crescimento. A resposta está aí para todo mundo ver.

 

"Momento Social".

 

Gabriela: O Cadastro Único para programas sociais reúne informações para famílias da baixa renda e permite ao governo conhecer as reais condições de vida da população.

 

Nasi: E é a partir desse cadastro que as famílias são selecionadas para mais de 20 programas sociais, como o Bolsa Família.

 

Gabriela: A paulista Ariane Santana recebe o Bolsa Família e quer saber se é possível trocar o nome da pessoa responsável pelas informações do cadastro. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, responde.

 

Entrevistada - Ariane Santana: Olá, ministro. Meu nome é Ariane, eu falo com a cidade de São Paulo. Eu gostaria de saber se há possibilidade de fazer a troca do responsável familiar do Cadastro Único.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Ariane, o responsável familiar é quem presta as informações de todos os membros da família para o entrevistador do Cadastro Único. Caso seja necessário, é possível, sim, fazer a troca, mas se o responsável familiar atual continuar a fazer parte da família, ele próprio deve ir até o posto de cadastramento junto com o novo responsável. Se o atual não puder ir ao posto, porque não faz mais parte da família, ou porque está incapacitado, a pessoa que irá no seu lugar deve levar os documentos que comprovam a situação, tais como: uma certidão de óbito ou laudo médico, Boletim de Ocorrência ou outros. Se a pessoa não tiver como levar esses documentos, o profissional do Cadastro Único vai avaliar a situação e confirmar se é possível fazer a troca do responsável familiar. É importante reforçar que o novo responsável deve ser morador do domicílio, maior de 16 anos e ter CPF ou título de eleitor.

 

Nasi: E se você também tem alguma pergunta sobre ações e programas sociais do governo, manda para a gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail no endereço voz@ebc.com.br e também tem o nosso Facebook: Facebook.com/bolsafamilia.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

 

Gabriela: A economia do Brasil está voltando a crescer.

 

Nasi: As reformas adotadas pelo governo desde o ano passado já estão dando resultado.

 

Gabriela: Controle nos gastos pública, queda na inflação e juros menores interromperam dois anos da maior recessão da história do país.

 

Gabriela: E essas medidas implementadas pelo governo foram apresentadas pelo ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, a um grupo de empresários do setor de serviços, hoje, em São Paulo.

 

Gabriela: E as mudanças não param por aí, a ideia é tornar o governo ainda mais eficiente, o que também vai gerar novas oportunidades de negócio e empregos.

 

Repórter José Luiz Filho: O setor de serviços reúne desde empresas de crédito e das áreas de saúde, educação, tecnologia da informação até cabeleireiros, é um dos mais dinâmicos da economia do país, responde por 70% do cálculo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de tudo o que é produzido por aqui. E foi para representantes de várias empresas de serviços que o ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, apresentou os avanços conquistados pelo governo na economia. Para o ministro, medidas como o controle dos gastos públicas, melhora do ambiente de negócios e o cumprimento da meta de inflação tem colaborado para a geração de empregos e a queda dos juros, o que indica uma recuperação economia.

 

Ministro do Planejamento - Diogo Oliveira: O conjunto de dados já presentes no crescimento da indústria, 0,8% agora no último mês, o crescimento da geração de empregos, quase 40 mil empregos no último mês, vários indicadores de comércio, de serviços, de exportações apontam para o sentido de consolidação da retomada, e, portanto, o fim da recessão que nós tivemos, que durou oito trimestres.

 

Repórter José Luiz Filho: O ministro Diogo Oliveira também apresentou iniciativas para a digitalização dos serviços do Governo Federal, medidas como a plataforma Cidadania, que vai possibilitar o acesso aos serviços de governo por apenas um canal, o sistema TáxiGov, que já contribui para a redução de gastos com transporte de servidores públicos e o painel de preços, fornece os valores de todos os produtos e serviços comprados pelo Governo Federal. O painel já gerou mais de R$4 milhões em economia de recursos públicos. Para o ministro do Planejamento, as iniciativas geram, além da economia, transparência e aumento da eficiência do estado.

 

Ministro do Planejamento - Diogo Oliveira: Isso vai melhorar enormemente a capacidade de o governo atender a população, reduzir os custos desse atendimento, né? E, portanto, melhorar a eficiência do governo no atendimento das necessidades da população.

 

Repórter José Luiz Filho: O movimento considerado pelo empresário como Sérgio Paulo Gallindo, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicações, fundamental para a geração de negócios no país.

 

Presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicações - Sérgio Paulo Gallindo: Quando você move das plataformas antigas para as plataformas novas, que são todas elas centradas na internet com aplicativos de interação muito rápidas, surgem novos modelos de negócio, nós estamos apenas começando nessa jornada de novos modelos de negócio.

 

Repórter José Luiz Filho: Os empresários também deram sugestões e pediram a colaboração do ministro Diogo Oliveira para a criação de programas de incentivo ao setor. O ministro concordou em analisar os pedidos. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: 19h19 em Brasília.

 

Nasi: O Presidente Michel Temer está neste momento a caminho de Hamburgo, na Alemanha, para mais uma reunião de G20.

 

Gabriela: Vão ser dois dias de encontro entre a cúpula das 20 maiores potências econômicas do mundo.

 

Nasi: Além de falar da recuperação econômica do país, o governo também vai levar ao G20 a experiência brasileira em temas como meio ambiente e política de imigração.

 

Repórter Luana Karen: Na 12ª cúpula do G20 os líderes das maiores economias do mundo vão tratar de temas como o comércio internacional, imigração e combate ao terrorismo. Segundo o professor de economia da Universidade de São Paulo, Paulo Feldman, o Brasil tem experiências a compartilhar em todos os campos.

 

Professor de economia da Universidade de São Paulo - Paulo Feldman: O Brasil pode colaborar com os temas, na questão do ciberterrorismo, nós temos uma experiência importante nessa questão. Veja, por exemplo, que no caso dos Olimpíadas, no caso da Copa do Mundo, o Brasil estava muito bem preparado, não conto eu absolutamente nada porque a gente tem know-how nessa área.

 

Repórter Luana Karen: O professor de relações internacionais da Universidade de Brasília, Alcides Costa Vaz, acredita que o Brasil também deve relatar aos líderes mundiais o momento da recuperação econômica no país.

 

Professor de relações internacionais na Universidade de Brasília - Alcides Costa Vaz: É uma grande oportunidade para o Brasil e para as autoridades econômicas de mostrarem à comunidade internacional o que consideram ser os aspectos positivos da trajetória recente da economia brasileira, ou seja, uma trajetória de recuperação.

 

Repórter Luana Karen: O meio ambiente deve ganhar destaque com a saída dos Estados Unidos do Acordo do Paris sobre mudanças climáticas. Firmado em dezembro do 2015, o acordo prevê que os países devem trabalhar para que o aumento médio da temperatura do planeta fique baixo de dois graus Celsius. O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, acredita que o G20 vai reafirmar os compromissos assumidos em Paris e afirma, o Brasil já está fazendo a sua parte.

 

Ministro do Meio Ambiente - Sarney Filho: Já faz parte da legislação nacional os acordos e os compromissos assumidos em Paris. Portanto, nós estamos muito bem e a nossa intenção é cumprir integralmente os nossos compromissos.

 

Repórter Luana Karen: Outro tema que pode ser destaque nesta edição do G20 é a situação dos refugiados e a tradição do Brasil de receber migrantes de todo mundo credenciam o país a discutir o tema das nações mais afetadas pela migração na Europa. A ministra dos Direitos Humanos, LuisLinda Valois, defende a criação de um estatuto mundial do refugiado.

 

Ministra dos Direitos Humanos - LuisLinda Valois: Este fórum do G20, nenhum local mais apropriado do que ele para que se discuta a situação dessas pessoas que deixam seus países não porque querem, são obrigados ou por alguns desastres meteorológicos, às vezes por política ou pela sua religiosidade, mas essas pessoas merecem o acolhimento de todos os países.

 

Repórter Luana Karen: A cúpula do G20 vai ser realizada sexta-feira e sábado, em Hamburgo, na Alemanha. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: E o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já está em Hamburgo na Alemanha, para participar do G20.

Nasi: Ele afirmou mais cedo que está mantida a previsão de crescimento da economia brasileira em 0,5% este ano.

 

Gabriela: Meirelles destacou ainda a queda da inflação e dos juros no Brasil. Segundo ele, há no país uma trajetória positiva e virtuosa com economia crescendo.

 

Nasi: E antes de viajar para a reunião do G20 o Presidente Michel Temer divulgou um vídeo nas redes social em que cita mais uma semana de bons resultados para a economia do país.

 

Gabriela: Temer lembrou do saldo positivo da balança comercial nos primeiros seis meses deste ano, US$36 bilhões e US$200 milhões, o melhor resultado dos últimos 29 anos, com 53% de crescimento se comparado ao primeiro semestre do ano passado.

 

Nasi: Num pronunciamento o presidente também falou sobre as 70 mil novas vagas de emprego criadas para jovens de até 29 anos em maio, o aumento na venda de veículos e o crescimento na produção da indústria.

 

Gabriela: Para Temer, esses fatos comprovam que o Brasil está no caminho da recuperação da economia.

 

Presidente da República - Michel Temer: Os fundamentos econômicos estão todos melhorando, inflação, juros, emprego, exportação, indústria, comércio, agricultura, por isso eu digo que há motivo para o otimismo. A recuperação é inequívoca, o câmbio é competitivo, o Brasil é competitivo. Podem ter certeza, não estamos ocupados somente com as pedras no caminho, estamos fazendo a tarefa de casa, estamos fazendo a travessia, mas os resultados positivos não param por aí. Aliás, para mim, o melhor é o retorno da confiança no país. Isso me alegra muito. Voltando a acreditar, o emprego vem na hora.

 

Nasi: O transporte de órgãos para transplante aumentou 35% no primeiro trimestre deste ano.

 

Gabriela: Foram 330 órgãos e 1.150 tecidos e itens transportados para transplantes.

 

Nasi: O transporte é feito de forma gratuita por cinco empresas de aviação civil, que assinaram um termo de cooperação com o governo.

 

Gabriela: Além das empresas, nos três primeiros meses deste ano a Força Aérea Brasileira transportou 69 órgãos, a maior parte deles corações e fígados.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".