06 DE SETEMBRO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Banco Central anuncia queda na taxa de juros. Com alimentos mais baratos, inflação é a menor desde 1994. Brasil está livre de surto da Febre Amarela.

audio/mpeg 06-09-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 22546 KB




Transcrição

A VOZ DO BRASIL - 06/09/2017

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h00.

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

Gabriela: Quarta-feira, 6 de setembro de 2017.

Luciano: E vamos ao destaque do dia...

Gabriela: Banco Central acaba de anunciar queda na taxa de juros. Eduardo Biagini.

Repórter Eduardo Biagini: Taxa Selic cai um ponto percentual, para 8,25% ao ano. É o menor resultado desde julho de 2013. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Luciano: E, com alimentos mais baratos, inflação é a menor desde 1994. Natália Mello.

 

Repórter Natália Mello: Alimentos como o feijão carioca, tomate, carnes e leite ajudaram para que a inflação ficasse em 0,19% em agosto.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

 

Luciano: Brasil está livre do surto de febre amarela.

 

Gabriela: E com o feriado vamos falar do movimento nas estradas e aeroportos. Tem reforço na fiscalização.

 

Luciano: Superação. Esse o tema da Semana da Pátria neste ano.

 

Gabriela: E a Voz do Brasil conta histórias de brasileiros que foram à luta, como o empresário Diego Moreira.

 

Empresário - Diego Moreira: Para os próximos anos a coisa tende a melhorar muito e a gente tende a surfar numa onda positiva aí no Brasil.

 

Luciano: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Luciano: O Banco Central anunciou agora há pouco mais uma redução na taxa básica de juros da economia.

 

Luciano: Quem traz mais informações para gente é o jornalista Eduardo Biagini, que está ao vivo que no estúdio da Voz do Brasil. Boa noite, Eduardo.

 

Repórter Eduardo Biagini: Boa noite, Gabriela. Boa noite, Luciano. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil.

 

Luciano: Eduardo, canta para a gente, então, qual é a nova taxa de juros e o que isso significa?

 

Repórter Eduardo Biagini: Antes, Luciano, de eu comentar essa taxa de juros, nós vamos ouvir o porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, que está falando nesse momento, ao vivo, sobre esse resultado da taxa de juros.

 

Porta-Voz da Presidência da República - Alexandre Parola: Em particular, o crescimento de 3,2% na região Nordeste, com destaque para a Bahia com 7,2% de aumento. A retomada do crescimento também se revela na produção de veículos no Brasil, que subiu 45,7% em agosto, na comparação com o mesmo mês de 2016. De acordo com informações de hoje da Anfavea, a produção em agosto superou as 260 mil unidades. As exportações de veículos brasileiros, que superam 500 mil unidades no acumulado de 2017, cresceram 56,1% em relação a igual período de 2016. Os dados positivos divulgados hoje somam-se às recentes medidas aprovadas pelo Congresso Nacional. A congratular-se com os parlamentares da base de apoio ao governo, o Michel Temer realça a importância da aprovação ontem da nova taxa de juros do BNDES, a chamada Taxa de Longo Prazo, TLP, bem como da nova meta fiscal do governo para 2017. Inflação sob controle, juros mais baixos, aumento das exportações, crescimento do PIB, recuperação do emprego, equilíbrio fiscal. Todos esses dados positivos são resultados do compromisso inequívoco e intransigente do presidente Michel Temer com a promoção da prosperidade social e econômica no Brasil.

 

Repórter Eduardo Biagini: Bom, Gabriela e Luciano, nós ouvimos agora o porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, dando um panorama da retomada do econômico do país. O Banco Central reduziu a taxa básica de juros da economia em um ponto percentual. Com a decisão, a Selic passa a ser de 8,25% ao ano. É o menor resultado dos últimos quatro anos. Com a decisão de agora há pouco, é o oitavo corte seguido na taxa básica de juros. A Taxa Selic serve como referência para o mercado. A partir dela são calculados, por exemplo, os juros tanto do empréstimo bancário quanto das parcelas de um crediário numa loja. Logo após a decisão do Banco Central, o Banco do Brasil já anunciou uma nova redução nas taxas de juros das operações de crédito imobiliário. Em média as taxas foram reduzidas em 0,25% e passam a valer a partir de agora de segunda-feira, dia 11 de setembro. Uma taxa básica de juros mais baixa também pode incentivar o consumo e a produção, já que compensa menos para os empresários investirem no mercado financeiro, que também remunera a partir da Selic. Segundo o Banco Central, alguns fatores justificam essa redução dos juros anunciada hoje: a recuperação gradual da economia brasileira, o comportamento da inflação, que permanece bastante favorável com a contínua queda no preço de alimentos, além do cenário externo que contribui para investimentos aqui no país. No comunicado divulgado logo após a decisão, o Banco Central indicou que o corte na taxa básica de juros da economia vai continuar, podendo chegar em 7,25% até o fim do ano. Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Eduardo. E os alimentos que fazem parte do dia a dia do brasileiro, como o feijão carioca, o tomate, carnes e o leite, estão mais baratos no supermercado.

 

Luciano: Além deles, as contas de celular também caíram, aliviando o bolso dos consumidores.

 

Gabriela: Tudo isso contribuiu para que o índice que mede a inflação oficial do país caísse em agosto.

 

Repórter Natália Mello: Alguns dos principais alimentos consumidos pelas famílias brasileiras, como o feijão carioca, tomate, carnes, açúcar e leite, estão mais baratos. A queda nos preços dos alimentos foi a maior responsável para que o IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, ficasse em 0,19% em agosto. É o menor resultado para o mês desde 2010. Somando a inflação de janeiro a agosto, o acumulado ficou em 1,62%, o menor resultado desde o início do Plano Real, em 1994. O gerente de Índice de Preços ao Consumidor do IBGE, Fernando Gonçalves, explica os motivos para a inflação baixa.

 

Gerente de Índice de Preços ao Consumidor do IBGE - Fernando Gonçalves: O que vinha acontecendo ao longo do ano é que a gente tem uma inflação que está um pouco mais contida, principalmente por causa dos alimentos, por causa da safra recorde. Nós temos a taxa de juros em queda, tivemos uma injeção de alguns bilhões de reais por correta das contas inativas do Fundo de Garantia e a renda das famílias vem começando a apresentar uma pequena melhor. Então, tudo isso abre um espaço para que as famílias possam voltar a consumir.

 

Repórter Natália Mello: Além de alimentação e bebidas, o grupo comunicação também ficou negativo em função das contas de celular, que ficaram mais baratas. O economista da Fundação Getúlio Vargas, André Brás, explica que os resultados vieram ainda mais baixos que o esperado pelo mercado. Para ele, a expectativa é de mais quedas na inflação, o que vai aumentar o poder de compra das famílias.

 

Economista da Fundação Getúlio Vargas - André Brás: A indexação a gente vê aí no dia a dia, né? Você paga o aluguel indexado ao índice de preços, você paga o colégio indexado ao índice de preços, plano de saúde, medicamentos. Então, se a inflação desse ano vem baixa, isso significa que tudo que é orientado em 2018 pela inflação passada, todos os preços são meio que indexados à inflação de 2017, vão sofrer uma indexação menor, né, vão subir menos, né? E isso também alivia essas pressões no orçamento das famílias.

 

Repórter Natália Mello: Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o resultado da inflação é mais um sinal de que a economia do país está em recuperação.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Não há dúvida de que os índices de inflação são uma excelente notícia para o país, não só pelo fato de que a inflação mais baixa permite o país crescer mais, aumenta o poder de compra da população, permite às empresas investirem com maior segurança, os juros estão caindo, os juros de mercado de longo prazo estão num nível já bastante baixo dentro dos padrões de estoque brasileiro. Tudo isso é algo que se soma a todo esse processo de recuperação da economia.

 

Repórter Natália Mello: Nos últimos 12 meses a inflação está em 2,46%, abaixo da meta definida pelo governo, que é de 4,5% ao ano. Reportagem, Natália Mello.

 

Luciano: O Brasil não registra um caso de febre amarela desde junho deste ano.

 

Gabriela: E, por isso, hoje o Ministério da Saúde declarou que o país está livre do surto da doença.

 

Luciano: É, Gabriela, mas todo cuidado ainda é pouco. Mesmo com a interrupção da transmissão da doença, a vacina é ainda o jeito mais eficaz de prevenir novos casos.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Brasil enfrentou este ano a pior epidemia de febre amarela da história. Desde o início do surto, em 1º de dezembro de 2016, até 1º de agosto de 2017, foram 261 mortes. Para conter o avanço da doença, o governo enviou aos estados mais de 36,5 milhões de doses da vacina ao longo deste ano. Além disso, foram liberados quase R$ 67 milhões aos estados. De acordo com o diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, João Paulo Toledo, o fim do surto se dá pelo ciclo da doença e pelo sucesso das ações de vigilância.

 

Diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, João Paulo Toledo: É na época do calor, né, dos meses que vão de dezembro até começo de abril, meados de abril. Com o fim da sazonalidade da doença, a expectativa é que se diminua o número de casos de febre amarela.

 

Repórter Gabriela Noronha: Desde abril deste ano o Brasil adota o esquema de apenas uma dose da vacina durante toda a vida, de acordo com recomendações da Organização Mundial da Saúde. Isso significa que quem já foi vacinado em qualquer momento da vida não precisa de doce de reforço. A vacinação para a febre amarela é ofertada na rotina em 20 estados, e segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o governo estuda a possibilidade de uma ampliação das áreas da vacina.

 

Ministro da Integração Nacional - Helder Barbalho: A situação está sob controle, mas precisamos ampliar a cobertura vacinal, precisamos que todas as áreas de recomendação de vacinação tenham 90% de cobertura. Essa é a meta e vamos insistir com os gestores locais para que alcancem esse objetivo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Em 2018, a vacina para a febre amarela será incluída no calendário de vacinação para crianças a partir dos nove meses. A doença é transmitida pela picada de mosquitos infectados pelo vírus. Pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: O primeiro dia de implementação do acordo de recuperação fiscal entre o estado do Rio de Janeiro e o governo federal foi acompanhado de perto pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

 

Luciano: O Rio de Janeiro é o primeiro a aderir ao regime de recuperação fiscal, que estabelece a suspensão temporária da dívida com a União. Em contrapartida o estado se compromete a cortar gastos e equilibrar as contas, como reforçou Meirelles.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: É um acordo histórico, é um acordo que permite ao Rio recuperar as suas finanças em primeiro lugar. É um acordo que permite acertar as contas do estado. Em seguida, construir as bases para uma sustentabilidade da situação fiscal do estado do Rio nos próximos anos.

 

Gabriela: E segundo o governador do estado, Luiz Fernando Pezão, assim que os primeiros recursos entrarem em caixa o pagamento do 13º salário dos servidores, que está atrasado, será prioridade.

 

Governador do Estado do Rio de Janeiro - Luiz Fernando Pezão: Nós estamos finalizando aí as operações bancárias que vão, primeiro, pagar o 13º, né, de 2016 e 2017. Depois nós vamos vendo o que é que dá para fazer.

 

Luciano: 19h12.

 

Gabriela: Amanhã é feriado e daqui a pouco a Voz do Brasil vai falar para quem está se preparando para viajar.

 

Luciano: E tem desfile cívico-militar em todo o país. No especial da Semana da Pátria vamos falar de superação. Não saia daí.

 

Gabriela: Uma organização social criada para incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias. Essa é a Embrapii.

 

Luciano: Ela credencia entidades públicas ou instituições privadas sem fins lucrativos que junto com a indústria desenvolve soluções para melhorar a produção ou a gestão dessas empresas.

 

Gabriela: E, hoje, mais nove entidades foram credenciadas para receber mais de R$ 50 milhões para financiar o desenvolvimento de inovações.

 

Repórter Nei Pereira: A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial, Embrapii, é uma organização social que tem parceria com os Ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, com o objetivo de financiar pesquisas de inovações tecnológicas para a indústria. Nesta quarta-feira, mais nove instituições foram credenciadas para receber até R$ 52 milhões do governo federal, destinados ao financiamento de pesquisas, como detalha Pedro Wongtschowski, representante da / Embrapii.

 

Representante da Embrapii - Pedro Wongtschowski: Imediatamente eles já passam a ter recursos da Embrapii e já passam a ter que ir atrás de empresas que têm problemas de tecnologia. A expectativa é que ao longo do próximo ano a gente já tenha aprovado um grande número de projetos.

 

Repórter Nei Pereira: Segundo o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, investir em pesquisa é fundamental para o desenvolvimento do país.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Não há país que consiga ter graus de crescimento, desenvolvimento da sua economia, geração de empregos sem investir em pesquisa, em ciência e tecnologia.

 

Repórter Nei Pereira: Das nove instituições credenciadas nesta quarta-feira, quatro são institutos federais de educação. Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, ensino e inovação tecnológica têm de andar juntos.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Qualquer nação para alcançar o desenvolvimento precisa da educação e precisa da integração entre a produção, a pesquisa, a inovação e o setor educacional.

 

Repórter Nei Pereira: Com essa seleção, a Embrapii chega a 42 unidades e polos aptos a desenvolverem projetos de inovação em parceria com as empresas. Reportagem, Nei Pereira.

 

Luciano: Você gosta de viajar?

 

Gabriela: E, quando viaja, qual o destino preferido, qual o meio de transporte, onde costuma ficar?

 

Luciano: Bem, é assim que o Ministério do Turismo quer saber sobre o perfil do viajante brasileiro. E, para isso, quer ouvir você.

 

Gabriela: Moradores de 137 municípios estão sendo cadastrados por telefone para participar da entrevista, que já começou nesta semana.

 

Luciano: A ideia, segundo a diretora substituta de Estudos Econômicos e Pesquisas do Ministério, Gilce Battistuz, é ter informações que possam ajudar na formulação de novas políticas para incentivar o turismo.

 

Diretora Substituta de Estudos Econômicos e Pesquisas do Ministério - Gilce Battistuz: Essa é uma pesquisa realmente de um cunho muito importante porque ela traz para o Ministério do Turismo subsídios para a implantação de políticas públicas e conhecer um pouco mais como que está esse universo de brasileiros. Por isso, se você receber uma ligação do Ministério do Turismo, que está sendo realizada pela Fipe, que é o instituto de pesquisa, responda, porque você sabe que é uma pesquisa oficial, e o Ministério do Turismo realmente está interessado em ouvir você.

 

Gabriela: E atenção viajantes: a Polícia Rodoviária Federal já está nas rodovias para fiscalizar o trânsito nesse feriadão.

 

Luciano: O reforço na fiscalização é principalmente nos trechos com maiores índices de acidentes e crimes.

 

Gabriela: E para quem for de avião também tem reforço nos aeroportos.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Paciência e responsabilidade. Essas são as principais dicas dadas pela Polícia Rodoviária Federal para os motoristas nesse feriado prolongado. Nos cinco dias da Operação Independência, mais de duas mil viaturas e mais de 200 radares móveis vão ajudar a polícia a fiscalizar as rodovias de todo o país. Mas, apesar de todo esse efetivo, o cidadão ainda é o principal responsável por garantir a segurança nas estradas. É o que diz o policial rodoviário federal Éder Rommel.

 

Policial Rodoviário Federal - Éder Rommel: O cidadão deve participar, ele deve evitar os abusos que nós sempre falamos, mas que nunca é pouco: excesso de velocidade, em pistas simples evitar as ultrapassagens forçadas e, claro, todo mundo que estiver dentro do carro deverá usar obrigatoriamente o sinto de segurança. Não é só o passageiro e motorista da frente, mas aquelas pessoas que estão atrás também deverão usar o cinto. E quem viaja com criança usar os equipamentos obrigatórios.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: E para melhorar o fluxo, a Polícia Rodoviária Federal também vai restringir o trânsito de veículos grandes em rodovias federais de pistas simples na quinta-feira das 6h00 da manhã ao meio-dia e no domingo das 4h00 da tarde às 10h00 da noite. E não é só nas estradas que vai ter fiscalização extra. Para garantir a tranquilidade de quem vai viajar de avião mais funcionários e fiscalização nas áreas de embarque e desembarque dos aeroportos. Márcio Jordão, diretor de Gestão e Operações de Navegação Aérea da Infraero, alerta para os direitos e deveres de quem viaja.

 

Diretor de Gestão e Operações de Navegação Aérea da Infraero - Márcio Jordão: É importante sempre conferir os documentos antes de sair e chegar pelo menos nos voos domésticos, pelo menos com duas horas de antecedência.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: E o Émerson Otero, que vai viajar para Vitória com a família, já sabe direitinho o que fazer para ter uma viagem tranquila.

 

Turista - Émerson Otero: Nós fazemos as malas com um dia antes, nós evitamos materiais ou malas que sejam... que necessitam ser despachadas e evitamos de comer aqui fora. Nós comemos lá dentro, que é para ficar com já tudo compactado.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O telefone da Infraero para atendimento ao passageiro é 0800-7271234. Já o número da Polícia Rodoviária Federal é 191. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

>> "Viva a Sua Independência".

 

Luciano: O tema da Semana da Pátria deste ano é "Viva a Sua Independência".

 

Gabriela: E correndo atrás dos seus sonhos muitos são os anônimos heróis do Brasil.

 

Luciano: Hoje vamos conhecer alguns deles, pequenos heróis de sua própria independência.

 

Repórter Raquel Mariano: Foi no dia 7 de setembro de 1822 que Dom Pedro, às margens do Rio Ipiranga, declarou a independência do Brasil.

 

>> "Independência ou morte".

 

Repórter Raquel Mariano: E o país deixou de ser colônia de Portugal para se tornar uma nação. E no dia 7 de setembro de 2017, 195 anos depois, além de comemorar a data, muitos brasileiros também podem comemorar a sua própria independência. São pessoas que não mediram esforços para correr atrás dos seus sonhos e, agora, comemoram o tão soado resultado. Dois mil e dezessete foi um ano de independência para Xaiane Rafaela da Rocha. A falta de dinheiro não foi motivo para ela deixar os planos de lado. Há alguns anos conquistou 100% de desconto na universidade com o ProUni, o programa do governo federal de bolsas para quem quer fazer uma faculdade, e neste ano Xaiane comemora finalmente a realização do tão esperado sonho: a conclusão do curso de marketing.

 

Estudante - Xaiane Rafaela da Rocha: Se não fosse a bolsa eu tenho certeza que eu não teria continuado a faculdade. Provavelmente eu não teria começado ela porque eu moro sozinha, eu pago aluguel, então não teria como bancar essas suas despesas.

 

Repórter Raquel Mariano: O diploma da faculdade foi o que fez a diferença e ajudou a Xaiane a conseguir emprego na empresa do Diego Moreira. Em 2017, o Diego acreditou na retomada de crescimento da economia e abriu mais duas das suas 17 lojas especializadas em acessórios esportivos.

 

Empresário - Diego Moreira: No começo desse ano a gente sentiu que a coisa tende a melhorar, que as pessoas têm se mostrado mais confiantes, né, mesmo com relação ao que vai acontecer.

 

Repórter Raquel Mariano: Hoje o Diego emprega 70 pessoas e, além da Xaiane, mais nove funcionários foram contratados. Segundo ele, agora é o momento de acreditar no Brasil.

 

Empresário - Diego Moreira: A gente acha, assim, que para os próximos anos a coisa tende a melhorar muito e a gente tende a surfar numa onda positiva aí no Brasil.

 

Repórter Raquel Mariano: E esse ano também foi de autonomia para a aposentada Porcina Oliveira, de Caxias do Sul. Ela, o marido e o filho conseguiram finalmente sair de casa, numa área de risco com inundações e uma rodovia perigosa, cheia de acidentes como vizinha. Eles se mudaram para um apartamento novinho financiado pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Morando há poucos dias na nova residência, D. Porcina já sente a diferença.

 

Aposentada - Porcina Oliveira: Ele é bem preparadinho, bem grandinho, bem bonito, né? É beleza pura. Muito lindo ele. Até a minha saúde melhorou mesmo, que lá onde eu morava lá era muito aberto, entrava vento, frio, chuva, molhava.

 

Repórter Raquel Mariano: Superação também no esporte. Os brasileiros torceram muito pelo nosso atleta Daniel Dias, que tem o maior número de medalhas na natação paralímpica masculina. Apesar da deficiência, Daniel supera os limites a cada prova: coleciona 81 medalhas de competições internacionais. Sessenta e cinco são de ouro. E há três anos recebe o Bolsa-Pódio, a ajuda do governo federal para atletas de alto rendimento. Ele usa esse dinheiro para garantir o bom desempenho nas piscinas.

 

Paratleta - Daniel Dias: A gente sabe que não é barato você se manter um alto rendimento. As coisas são caras, os equipamentos, o material. Então, quanto mais a gente puder investir na nossa carreira para poder dar um resultado para o país é melhor. E hoje o Bolsa-Pódio nos impossibilita a investir ainda mais na nossa carreira.

 

Repórter Raquel Mariano: Xaiane, Diego, Porcina, Daniel... São nossos heróis da independência que escrevem pequenas histórias de esperança e ajudam a construir um país independente e mais forte a cada dia. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: E amanhã tem desfile cívico-militar em todo o país.

 

Luciano: Participe, não fique de fora, veja aí na sua cidade qual a programação para comemorar os 195 anos da Independência do Brasil.

 

Gabriela: Aqui em Brasília o desfile na Esplanada dos Ministérios será aberto pelo presidente Michel Temer.

 

Luciano: Mais de quatro mil pessoas entre civis e militares vão participar, com destaque para a formação da pirâmide humana em cima de uma motocicleta e a apresentação da Esquadrilha da Fumaça.

 

Gabriela: E você pode acompanhar tudo de casa pela TV. A partir das 8h30 da manhã, a TV NBR transmite todo o desfile ao vivo. Para assistir acesse nbr.gov.br.

 

Luciano: Na próxima sexta-feira, a Receita Federal libera a consulta ao quarto lote de restituição do Imposto de Renda de 2017.

 

Gabriela: Mais de 2,2 milhões de contribuintes vão receber a restituição. Serão liberados mais de R$ 2,7 bilhões.

 

Luciano: Para fazer a consulta o contribuinte pode ligar de graça no Receitafone, no nº 146, ou acessar a página na internet: receita.fazenda.gov.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Luciano: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Luciano: Fique agora com o Minuto do TCU. Em seguida, a notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gabriela: Lembrando que amanhã, feriado de 7 de setembro, não tem Voz do Brasil. A gente volta na sexta. Boa noite para você e bom feriado.