06 DE DEZEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Inscrições para o Mais Médicos terminam amanhã. Restam poucas vagas para serem preenchidas. E mais de 2,3 mil médicos já estão trabalhando, garantindo o atendimento à população. Fiscalização mais intensa nas rodovias do país. Vai começar mais uma edição da Operação Rodovida. Presidente Michel Temer faz balanço do governo. Cita ações que ajudaram na retomada do crescimento e afirma que deixa um país pronto para o próximo presidente. Transição de governo: anunciada nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos.

audio/mpeg 06.12.18.mp3 — 46245 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 6 de dezembro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Inscrições para o Mais Médicos terminam amanhã.

 

Gabriela: E restam poucas vagas para serem preenchidas. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: Segundo o Ministério da Saúde, restam apenas 115 vagas em 31 municípios.

 

Nasi: E mais de 2,3 mil médicos já estão trabalhando, garantindo o atendimento à população.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Fiscalização mais intensa nas rodovias do país.

 

Gabriela: Vai começar mais uma edição da Operação Rodovida. Luciana Collares de Holanda.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Já são oito edições da Operação Rodovida, uma ação integrada que reúne órgãos federais, estaduais e municipais, com o objetivo de reduzir a violência no trânsito.

 

Nasi: Presidente Michel Temer faz balanço do Governo.

 

Gabriela: Cita ações que ajudaram na retomada do crescimento e afirma que deixa o país pronto para o próximo presidente.

 

Presidente Michel Temer: Nós, na verdade, encontramos, digamos assim, uma estrada esburacada. Estamos entregando uma estrada asfaltada para o próximo governo. Agora é só colocar o carro e ir para a frente.

 

Nasi: Transição de governo. Anunciada a nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: Amanhã é o último dia de inscrições para o Mais Médicos.

 

Nasi: E segundo o último balanço do Ministério da Saúde, restam 115 vagas para atuação, em 31 municípios do país.

 

Gabriela: O edital abriu mais de 8 mil vagas, para substituir os profissionais cubanos que deixaram o programa no mês passado.

 

Nasi: E mais de 2,3 mil médicos selecionados já estão trabalhando nos postos de saúde e garantindo que não falte atendimento à população.

 

Repórter Graziela Mendonça: O médico José Roberto Viana começou a atuar nesta quinta-feira em uma unidade básica de saúde da Cidade Ocidental, no estado de Goiás. Ele é um dos mais de 2,3 mil médicos que começaram a atender nos municípios no lugar dos profissionais cubanos, pelo programa Mais Médicos. Atendimento que, de acordo com José Roberto, é muito necessário e pode inclusive evitar doenças.

 

Médico - José Roberto Viana: É uma população mais humilde, essas pessoas realmente precisam de um apoio de saúde mais próximo, do ponto de vista de prevenção. Várias doenças poderiam ter sido prevenidas anteriormente, não é?

 

Repórter Graziela Mendonça: No mês passado, Cuba encerrou a parceria no programa Mais Médicos e o Ministério da Saúde abriu um edital com mais de 8 mil vagas para não deixar a população desassistida. A médica Fernanda Oliveira também foi selecionada no edital e já está trabalhando em Ouro Preto do Oeste, no estado de Rondônia. Além de ajudar quem mais precisa, o programa também desafoga os hospitais, como explica a médica.

 

Médica - Fernanda Oliveira: Melhor prevenir, na atenção primária, do que acabar com complicações, até para diminuir o fluxo em hospital.

 

Repórter Graziela Mendonça: O prazo para os médicos se inscreverem no edital acaba nesta sexta-feira, dia 7, e quase todas as vagas já foram preenchidas. Segundo o Ministério da Saúde, restam apenas 115 vagas, em 31 municípios, grande parte, na Região Norte. O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Marcelo Melo, explica que, caso essas vagas não sejam preenchidas, o Ministério vai fazer uma nova chamada, para nenhum município ficar sem atendimento.

 

Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde - Marcelo Melo: Se essas vagas não forem preenchidas até amanhã, às 23h59, e no máximo até o dia 17, nós estaremos publicando um novo edital, com o restante das vagas que sobrarem, até amanhã, e com as eventuais desistências dos médicos. E desta vez, também abriremos para os médicos brasileiros formados no exterior. Nós temos a convicção que nós conseguiremos preencher todas as vagas e não haverá desassistência em nenhum município do território nacional.

 

Repórter Graziela Mendonça: Os médicos selecionados pelo edital do Ministério da Saúde têm até o dia 14 de dezembro para se apresentarem nas unidades básicas de saúde de todo o país. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Gabriela: Fim de ano chegando e o movimento nas estradas começa a aumentar.

 

Nasi: É, Gabriela, e por isso começa na sexta-feira da semana que vem, dia 14, mais uma edição da Operação Rodovida.

 

Gabriela: É uma ação integrada entre as polícias que, desde 2011, promove uma fiscalização mais intensa nas rodovias, entre o fim do ano e o fim do carnaval.

 

Nasi: A operação vem dando resultados, com redução de mortes e acidentes.

 

Gabriela: E, desta vez, vai contar com mais policiais fiscalizando as rodovias.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Já são oito edições da Operação Rodovida, uma ação integrada que reúne órgãos federais, estaduais e municipais, com o objetivo de reduzir a violência no trânsito. Na última edição, foram quase 60 dias de ações. Entre dezembro do ano passado e fevereiro deste ano, foram registrados mais de 13,6 mil acidentes, e 913 mortes. Comparando a última operação, houve redução de 7,7% no número de acidentes e 14% no número de mortes. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, comentou este resultado.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Ao final de 2020, quando se encerra a Década do Trânsito Seguro, que é exatamente um objetivo estabelecido pela ONU, e que foi assimilado e tornado compromisso do Brasil, que é reduzir em 50%, exatamente, a questão dos acidentes graves, dos homicídios, enfim, nas rodovias que nós temos, rodovias... Aqui falo rodovias federais. Nós já alcançamos 35% de redução, e tenho certeza que a Polícia Rodoviária Federal, com a sua excelência, com a sua capacidade, com o seu compromisso, com os seus excelentes recursos humanos, vai alcançar essa meta.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: O Ministério da Saúde também comemora a redução alcançada, porque a violência nas estradas também representa um impacto grande para o Governo. É o que explica a diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério, Fátima Marinho.

 

Diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde - Fátima Marinho: Se eu puder evitar doenças, evitar a morte, eu vou conseguir ter mais orçamento para tratar o câncer, não é? Que vem aumentando. Para tratar as doenças cardiovasculares. Começar a reduzir mortalidade traz para a sociedade em geral um grande benefício, que é essa redução desse sofrimento.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Este ano, a estimativa da Polícia Rodoviária Federal é contar com pelo menos 90% do efetivo na Operação Rodovida. E isso porque, pela primeira vez, existe a possibilidade de adesão voluntária de policiais que não estejam na escala de trabalho. Serão R$ 10 milhões para pagar essas horas extras dos policiais que se oferecerem, como detalha o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal Renato Dias.

 

Diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal - Renato Dias: O policial, ele vai se voluntariar num banco de dados, conforme estipulado na Lei, e aí o superintendente fará o planejamento operacional e, de acordo com o número de policiais voluntários no seu estado, ele terá esse incremento extraordinário no reforço do policiamento.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: O consumo de álcool, a alta velocidade e as ultrapassagens proibidas são os grandes responsáveis pelas mortes no trânsito. Reportagem, Luciana Collares de Holanda.

 

Nasi: As reformas e medidas para atrair investimentos ajudaram o país a retomar o crescimento da economia.

 

Gabriela: As afirmações foram feitas pelo presidente Michel Temer, que fez, hoje, uma avaliação geral do seu governo.

 

Nasi: O presidente também defendeu a continuação dos debates para a aprovação de uma reforma na Previdência.

 

Repórter Helen Bernardes: Em conversa com jornalistas estrangeiros, o presidente Michel Temer fez um balanço de dois anos de governo. Na área econômica, destacou a retomada do crescimento da economia e a queda no déficit nas contas do governo. Na área social, citou o aumento do Bolsa Família, a retomada de obras e entregas do Minha Casa, Minha Vida e a regularização de terras. Temer também falou das reformas, aprovou mudanças no ensino médio para combater o abandono na escola e implantar o ensino profissionalizante. E, com diálogo com o Congresso Nacional, empresários e centrais sindicas, foi possível modernizar as relações de trabalho e gerar mais empregos.

 

Presidente Michel Temer: Nós, na verdade, encontramos, digamos assim, uma estrada esburacada. E estamos entregando uma estrada asfaltada para o próximo governo. Agora, é só colocar o carro e ir para a frente.

 

Repórter Helen Bernardes: O presidente também falou do novo governo. Disse que, pela primeira vez, realiza uma transição com harmonia, abrindo ao próximo presidente todas as informações e projetos da administração.

 

Presidente Michel Temer: Acho que nós estamos fazendo uma das transições mais civilizadas e cordiais de que se tem notícia nos últimos tempos. Nós criamos um grupo no governo, incumbido à transição, e conectamos com o grupo de transição do governo eleito. E eles estão trabalhando, numa transição de uma harmonia extraordinária, o que é importante para o país, porque, no geral, as transições são um pouco, digamos, doloridas, ou pouco pensadas, pouco meditadas, não é? Veja o meu caso: Eu, quando cheguei lá, não tinha nada. Eu tinha uma mocinha sentada na sala, os computadores estavam todos apagados, não tinha absolutamente nada. E eu digo isto porque nós precisamos começar do zero. O governo novo não começa do zero.

 

Repórter Helen Bernardes: Michel Temer também fez uma espécie de despedida. Falou que deve ser lembrado como um presidente que tentou retomar a confiança dos brasileiros.

 

Presidente Michel Temer: Eu acho que eu serei recordado como alguém que, pelo menos, tentou colocar o Brasil nos trilhos. E, pelo relato que eu fiz, conseguiu muita coisa, especialmente como um presidente reformista, que não conseguiu todas as reformas, porque não conseguiu fazer a previdência, mas conseguiu boa parte das reformas, primeiro ponto. Segundo ponto, serei recordado como alguém que não se preocupou com populismo.

 

Repórter Helen Bernardes: E entre os desafios para o próximo presidente, Temer citou a reforma da previdência e defendeu a proposta do governo, que já está em tramitação no Congresso Nacional. Reportagem, Helen Bernardes.

 

Gabriela: E outra ação do governo do presidente Michel Temer que teve impactos na economia foi o saque das contas inativas do FGTS e a antecipação da idade para saque das cotas PIS/Pasep.

 

Nasi: Foram mais de R$ 80 bilhões usados para pagar dívidas e movimentar o comércio e serviços.

 

Gabriela: É o que afirmou hoje o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca, que participou de um evento em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul.

 

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República - Ronaldo Fonseca: É um governo sensível ao setor social. Por exemplo: Atendeu mais de 50 milhões de pessoas no Brasil, dando a eles, liberando PIS/Pasep, liberando R$ 35 bilhões para essas pessoas, também as contas inativas do FGTS, atendendo mais de 25 milhões de pessoas, com R$ 44 bilhões no bolso do trabalhador. Se você somar isso, nós vamos ter mais de R$ 80 bilhões que foram colocados no bolso do trabalhador, colocou esse dinheiro na economia, e ainda mais, diz a pesquisa que quase 40% desse dinheiro foi colocado para liquidar dívidas.

 

Nasi: E como ouvimos agora há pouco, o presidente Michel Temer falou sobre reformas implantadas em seu governo, e uma delas foi a modernização trabalhista.

 

Gabriela: Em pouco mais de um ano, a nova legislação contribuiu para a geração de milhares de empregos com carteira assinada e a redução de ações trabalhistas na Justiça.

 

Nasi: Uma das novidades foi a regulamentação de novas formas de contratação, como a modalidade de trabalho intermitente, pago por hora e o teletrabalho.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Dono de um bar em Brasília, Aílton Tristão precisava de reforço na equipe de garçons nos fins de semana, quando o movimento é mais intenso. Mas a contratação de novos funcionários era inviável, porque eles ficariam ociosos no resto da semana. O problema foi resolvido com a nova legislação trabalhista, que prevê a contratação por trabalho intermitente, modalidade em que o empregador paga o funcionário por hora trabalhada. Agora, dois novos funcionários foram contratados por Aílton, para trabalharem por apenas três dias, como explica o empresário.

 

Empresário - Aílton Tristão: Eles trabalham quinta, sexta e sábado. Tem um limite de hora, que o contador passou para a gente, e também um limite de hora extra que eles podem fazer. Para mim, é muito vantajoso, porque eu não tenho que pagar o vale-transporte da segunda-feira, ou alimentação, e somente no dia específico do trabalho deles.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Quase 50 mil contratos de emprego intermitente foram firmados desde que a nova lei entrou em vigor, em novembro do ano passado. A reforma trabalhista também formalizou o teletrabalho, regulamentou a demissão por meio de acordo entre empregado e patrão, trouxe a possibilidade de divisão das férias em três períodos e o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, por exemplo. De acordo com a assessora-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Martha Seillier, as mudanças contribuíram para o aumento dos empregos formais.

 

Assessora-chefe da Casa Civil da Presidência da República - Martha Seillier: Nós tivemos, no terceiro trimestre de 2018, o melhor resultado de geração de empregos desde 2012. Então, acho que nós estamos no caminho certo e tivemos, nos últimos 12 meses, quase 400 mil novos postos de trabalho. A gente tem visto aí uma recuperação importante do nível de emprego formal no país.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A reforma também trouxe mais segurança para as relações de trabalho, como explica a advogada trabalhista Jaqueline Domenico.

 

Advogada - Jaqueline Domenico: A nova legislação, ela traz multas, penalidades, para as empresas que não registram os seus funcionários. E essas multas variam de R$ 800 a R$ 3 mil por cada funcionário não registrado. Então, isso também foi um grande avanço, que beneficia o empregado, que traz a segurança, porque a empresa se vê com maior responsabilidade de, efetivamente, proceder o mais rápido possível esse registro.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A modernização da lei diminuiu o número de ações trabalhistas e o estoque de processos pendentes, de acordo com o balanço do Tribunal Superior do Trabalho. Em dezembro de 2017, eram quase 2,5 milhões de processos aguardando julgamento. Em agosto deste ano, esse número caiu para menos de 2 milhões, cerca de 20% a menos do que o registrado quando a reforma entrou em vigor. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

Gabriela: Estimular o desenvolvimento de crianças de famílias de baixa renda.

 

Nasi: Daqui a pouco, vamos falar sobre o programa Criança Feliz, que já realizou mais de 9 milhões de atendimentos.

 

Gabriela: A advogada e educadora Damares Alves vai assumir, em janeiro, o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

 

Nasi: A nova Pasta, que vai ser criada pelo governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, também vai ser a responsável pelos direitos dos povos indígenas.

 

Repórter Danielle Popov: A Funai vai ser transferida, no governo de Jair Bolsonaro, para o recém-criado Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. A fundação, responsável por proteger os direitos dos povos indígenas no Brasil, é vinculada atualmente ao Ministério da Justiça. A pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos vai ser comandada pela advogada e educadora Damares Alves. Ela falou sobre as prioridades do novo ministério.

 

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos - Damares Alves: Nós vamos trazer para o protagonismo políticas públicas que ainda não chegaram até mulheres, e as mulheres que ainda não foram alcançadas pelas políticas públicas. Será prioridade a mulher ribeirinha, a mulher pescadora, a mulher catadora de siri, a quebradora de coco, essas mulheres que são anônimas e invisíveis. Elas irão para o protagonismo nessa pasta. Na questão infância também, nós vamos dar uma atenção especial, porque está vindo para a pasta também a Secretaria da Infância. E o objetivo é propor para a nação um grande pacto pela infância, um pacto de verdade pela infância.

 

Repórter Danielle Popov: Já o futuro ministro Marcos Pontes, que vai ficar à frente do Ministério de Ciência e Tecnologia, se encontrou hoje com representantes da Academia Brasileira de Ciência, da SBPC, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, e outras entidades da área. Segundo Marcos Pontes, o objetivo do encontro foi ouvir a comunidade científica para ajudar a desenvolver políticas públicas do setor. Pontes falou sobre as diretrizes que devem orientar o trabalho da pasta de Ciência e Tecnologia.

 

Futuro ministro da Ciência e Tecnologia - Marcos Pontes: O primeiro pilar é ciência e tecnologia para o ensino fundamental e médio, para motivar jovens para as carreiras de ciência e tecnologia. Num segundo pilar, a pesquisa, a importância da pesquisa básica para a geração de ideias, soluções. Em terceiro, a inovação, nós precisamos incentivar, e muito, no Brasil esse ambiente inovador, para que nós tenhamos novas startups, novas empresas, desenvolvendo produtos de ciência e tecnologia. E o quarto, as cooperações entre os ministérios e cooperações internacionais.

 

Repórter Danielle Popov: Marcos Pontes disse ainda que o Ministério da Ciência e Tecnologia vai trabalhar em parceria com outras pastas para melhorar a qualidade de vida da população. Reportagem, Danielle Popov.

 

"Momento Social".

 

Gabriela: Atendimento individual em casa. É assim que os visitadores estimulam o desenvolvimento de crianças de famílias de baixa renda.

 

Nasi: E, de casa em casa, eles levam aos pequenos diferentes estímulos, carinho, acolhimento e amor.

 

Gabriela: Estamos falando do programa Criança Feliz, assunto do Momento Social de hoje.

 

Nasi: A Vanessa Menezes, de Fortaleza, no Ceará, está grávida e quer saber em qual momento o filho dela pode participar no Criança Feliz.

 

Gabriela: E quem responde é o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

 

Ouvinte - Vanessa Menezes: Olá, Ministro. Aqui quem fala é a Vanessa Menezes, sou de Fortaleza, Ceará. É que eu estou gestante, eu queria saber se eu já posso incluir meu filho no Criança Feliz.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Vanessa, se você está grávida, é usuária do Bolsa Família, é seu direito entrar, ingressar no programa Criança Feliz. Então, procure a prefeitura do seu município, ou o Centro de Referência da Assistência Social mais próximo da sua casa, e obtenha informações sobre o programa. Ele é composto por visitação domiciliar, o visitador vai comparecer à sua casa no período da gestação uma vez por mês e, depois do seu bebê nascer, uma vez por semana estará presente para auxiliar a compreender a importância da estimulação das crianças.

 

Nasi: E se você também tem alguma pergunta sobe programas sociais, manda para a gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br, e tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui, na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

 

Gabriela: E o Criança Feliz já realizou mais de 9 milhões de visita nas casas das famílias beneficiadas.

 

Nasi: Os números foram revelados hoje, durante o Encontro Nacional do Criança Feliz, em Brasília.

 

Repórter André Luís Gomes: São mais de 422 mil pessoas, entre gestantes, crianças do Bolsa Família de até três anos e do Benefício de Prestação Continuada, o BPC, até os seis anos, que passaram a ter uma atenção especial por parte do Estado na área do desenvolvimento infantil. Para celebrar estes resultados, nesta quinta-feira o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, participou do Encontro Nacional do Criança Feliz, que ocorre em Brasília, nesta semana. Cerca de 200 gestores, entre coordenadores estaduais, multiplicadores e supervisores do programa, além de parceiros e consultores, estão reunidos para avaliar o programa e projetar a expansão dos atendimentos. O ministro Alberto Beltrame avalia que, em tão pouco tempo, o programa já é um sucesso, que deve ser compartilhado com os profissionais que passam de casa em casa, orientando as famílias de baixa renda sobre a melhor forma de estimular o desenvolvimento das crianças.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Atingir 420 mil crianças e gestantes é a prova do acerto dessa iniciativa.

 

Repórter André Luís Gomes: O idealizador do programa e futuro ministro da Cidadania e da Ação Social, Osmar Terra, participou do encontro e garantiu a expansão do atendimento às famílias que recebem o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada.

 

Futuro ministro da Cidadania e Ação Social - Osmar Terra: Eu quero já estabelecer como uma meta para o meu trabalho no ministério chegar pelo menos a 2 a 3 milhões de crianças acompanhadas em casa.

 

Repórter André Luís Gomes: O Criança Feliz integra as áreas de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. As visitas ocorrem semanalmente e os visitadores orientam as famílias sobre como estimular e desenvolver integralmente as crianças, por meio de atividades como conversas e brincadeiras. Reportagem, André Luís Gomes.

 

Gabriela: Nós vamos falar agora de mar azul, natureza preservada, belezas naturais por todos os lados.

 

Nasi: Assim é o Parque Nacional Marinho, em Fernando de Noronha, arquipélago no estado de Pernambuco.

 

Gabriela: Protegido e administrado pelo ICMBio, o parque ganhou um novo ponto turístico totalmente sustentável, sem causar qualquer tipo de interferência no meio ambiente.

 

Nasi: Um novo modelo, que será adotado em outros parques de conservação do país.

 

Repórter Pablo Mundim: Considerado um paraíso natural, o Parque Nacional Marinho é um santuário da biodiversidade. Localizado no arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco, a reserva, criada há 30 anos, tem mais de 11 mil hectares e milhares de espécies, como golfinhos, tartarugas, aves e corais. Um patrimônio mundial reconhecido pela Unesco e pelos turistas, como a Bruna Müller Stravinski, juíza federal de Campinas. De férias na ilha, ela ficou impressionada com a estrutura.

 

Juíza federal - Bruna Müller Stravinski: Sensacional. A gente fica impressionada, porque é uma ilha e eles conseguem deixar a estrutura adequada aos turistas, e, além disso, o que a gente fica impressionada é justamente com a preservação do meio ambiente, os passeios são controlados, enfim.

 

Repórter Pablo Mundim: E para garantir que toda a riqueza seja preservada, a fiscalização do parque é feita pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, o ICMBio, órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. Nesta quinta-feira, o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, inaugurou mais um posto de informação e controle ao turista no local. Segundo o ministro, um modelo que pode ser adotado em outros parques nacionais.

 

Ministro do Meio Ambiente - Edson Duarte: É um modelo que nós estamos aplicando em várias regiões do país. Esse modelo, ele traz a iniciativa privada para ser parceira, todos ganham. Ganha o meio ambiente, porque há colaboração e parceria para ajudar a preservar. Ganha o turista, porque vai encontrar aqui todas as condições para aquilo que ele deseja e para aquilo que ele quer. Ganha as empresas, os empresários, os empreendedores e ganha a comunidade.

 

Repórter Pablo Mundim: Inaugurado na Praia do Leão, o posto de informação tem estrutura sustentável, com mínimo impacto para a natureza. A energia vem das placas solares e os banheiros têm um sistema de tratamento dos resíduos por compostagem. Já a água é captada e armazenada quando chove. De Fernando de Noronha, em Pernambuco, Pablo Mundim.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".