08 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: R$ 7 bilhões de lucro do FGTS vão ser depositados nas contas dos trabalhadores. Presidente Michel Temer antecipa o anúncio. Nova linha de crédito da Caixa vai financiar construção de loteamentos. MEC libera R$ 12 milhões para reconstruir creches e escolas atingidas por enchentes em Alagoas.

audio/mpeg 08-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23377 KB




Transcrição

A Voz do Brasil - 08/08/2017

 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19 horas.
 
 "Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."
 
 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.


 Nasi: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 8 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: R$ 7 bilhões de lucro do FGTS vão ser depositados nas contas dos trabalhadores.

 

Nasi: presidente Michel Temer antecipa o anúncio.

 

Presidente Michel Temer: Quinta-feira nós vamos anunciar R$ 7 bilhões do Fundo de Garantia para os trabalhadores brasileiros, fruto de uma nova remuneração para o Fundo de Garantia.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Nova linha de crédito da Caixa vai financiar construção de loteamentos. José Luís Filho.

 

Repórter José Luís Filho: Além de contribuir para uma melhora na urbanização das cidades, com o financiamento de loteamentos que ofereçam toda a infraestrutura, o Produlote vai ajudar a gerar empregos.

 

Gabriela: Ministério da Educação libera R$ 12 milhões para reconstruir creches e escolas atingidas por enchentes em Alagoas.

 

Nasi: Você se preocupa com o que come? Gordura, açúcar, sódio?

 

Gabriela: Hoje, no Dia Nacional de Combate ao Colesterol, vamos falar dos cuidados para prevenir doenças graves.

 

Nasi:: Hoje, na apresentação, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: O Governo Federal vai depositar R$ 7 bilhões na conta do FGTS dos trabalhadores.

 

Gabriela: Esse dinheiro deve estar disponível nas contas até o final deste mês. E pra saber mais detalhes sobre a novidade, a gente conversa aqui no estúdio com a jornalista Natália Koslik. Boa noite, Natália, conta pra gente de onde vem esse dinheiro.

 

Jornalista Natália Koslik (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi, ouvintes da Voz do Brasil. Então, esses R$ 7 bilhões correspondem à metade do lucro que o FGTS teve no ano passado. Até agora, esse valor era usado para financiar obras de habitação, saneamento e infraestrutura, mas agora esse lucro vai ser dividido: metade pros trabalhadores e metade pras obras do governo. Essa novidade faz parte da mesma lei que permitiu o saque das contas inativas do FGTS, que beneficiou 26 milhões de trabalhadores. No total, eles sacaram R$ 44 bilhões. E hoje o presidente Michel Temer fez uma espécie de pré-anúncio dos valores que vão ser depositados nas cerca de 240 milhões de contas do FGTS. Pré-anúncio porque ele adiantou um pouquinho do que vai ser divulgado na quinta-feira, e com humor. Vamos ouvir como é que foi.

 

Presidente Michel Temer: Nós modificamos a forma de remuneração dos valores do Fundo de Garantia. Então ele tem lá um acréscimo de R$ 7 bilhões, não é isso? R$ 7 bilhões, não é isso? Ah... Então eu pré-anunciei aqui. Mas faz de conta que ninguém ouviu, ninguém conta pra imprensa, né? Que na quinta-feira nós vamos anunciar R$ 7 bilhões do Fundo de Garantia para os trabalhadores brasileiros, fruto de uma nova remuneração para o Fundo de Garantia, não é verdade? E depois dizem que nós não nos preocupamos com o social.

 

Nasi: É, o presidente antecipando o que será anunciado na quinta-feira. E Natália, o trabalhador que sacou o dinheiro de sua conta inativa do FGTS nesse ano também vai receber parte do lucro?

 

Jornalista Natália Koslik (ao vivo): Sim, Nasi. A medida permite isso. Todo trabalhador com saldo na conta do FGTS em 31 de dezembro do ano passado, ativa ou inativa, vai participar da distribuição do lucro. Ou seja, mesmo que o dinheiro já tenha sido sacado, o valor vai ser creditado na conta do trabalhador, com base no que ele tinha de saldo no último dia do ano passado.

 

Gabriela: E como é que vai ser feita a distribuição desse dinheiro?

 

Jornalista Natália Koslik (ao vivo): Ela vai ser proporcional ao saldo de cada conta nessa data que eu falei, 31 de dezembro de 2016, somado ao rendimento do fundo até aquela ocasião. E o depósito vai ser feito ainda nesse mês, até o dia 31 de agosto. Só pra lembrar, esse dinheiro só vai poder ser sacado nas situações específicas previstas em lei, como demissão sem justa causa, aposentadoria ou doença grave. Então, se você já sacou o saldo da conta inativa do FGTS neste ano, o lucro vai ficar lá rendendo. Nasi.

 

Nasi: É isso aí, obrigado, Natália Koslik, pela participação ao vivo aqui no estúdio da Voz do Brasil.

 

Gabriela: E só pra lembrar, na quinta-feira vamos dar ainda mais informações sobre esses R$ 7 bilhões nas contas do FGTS dos trabalhadores. Fique ligado com a gente.

 

Nasi: E esse anúncio foi feito durante lançamento de uma nova linha de crédito da Caixa.

 

Gabriela: Isso, Nasi. A partir de agora, empresas que trabalham na construção de loteamentos urbanos, como condomínios ou lotes individuais, vão contar com financiamento especial.

 

Nasi: É o Produlote, que vai financiar até 70% da infraestrutura dos empreendimentos.

 

Repórter José Luís Filho: Financiar a infraestrutura de loteamentos e o desenvolvimento urbano, este é o papel do Produlote, a nova linha de crédito lançada hoje pela Caixa Econômica Federal. Na opinião do presidente da Caixa, Gilberto Occhi, além de contribuir para uma melhora na urbanização das cidades, com financiamento de loteamentos que ofereçam toda a infraestrutura, como água, esgoto, energia elétrica e asfalto, o Produlote vai ajudar a gerar empregos.

 

Presidente da Caixa - Gilberto Occhi: Com a participação da Caixa, na busca das alternativas que possam levar a um aumento do número de trabalho, de posições de emprego, e também que nós possamos ter aqui uma condição de crescimento da economia.

 

Repórter José Luís Filho: Com orçamento inicial de R$ 1,5 bilhão, o Produlote, Produção de Lotes Urbanizados, é destinado a incorporadoras imobiliárias e empresas de urbanização. Para ter acesso, o empreendimento deve estar numa área urbana, o loteamento deve ser implantado em até 24 meses. O presidente Michel Temer participou do lançamento em São Paulo e disse que o estímulo ao setor da construção civil, com programas como o Produlote e o Minha Casa Minha Vida, contribui para o crescimento da economia.

 

Presidente Michel Temer: É o setor que mais facilmente emprega, porque exige muita mão de obra. E, segundo a área econômica relata, menciona, enfatiza até, a partir de setembro vai crescer muito o combate ao desemprego. Portanto, nós chegaremos em 2018 com um otimismo ainda maior.

 

Repórter José Luís Filho: A empresa que recorrer ao Produlote terá carência de seis meses e prazo de quatro anos para quitar o contrato. Reportagem, José Luís Filho.

 

"Defesa do Brasil, Defesa do Brasil, Defesa do Brasil"

 

Gabriela: Nós já falamos aqui sobre a participação do Brasil em missões de paz da Organização das Nações Unidas ao redor do mundo.

 

Nasi: Falamos também como isso é importante para a imagem do nosso país lá fora.

 

Gabriela: Hoje, graças à excelente avaliação dos soldados brasileiros, a presença do Brasil dá mais credibilidade às missões de paz da ONU.

 

Nasi: Isso ocorre no Haiti e também no Líbano, onde a Marinha comanda toda a parte marítima da missão. Vamos conhecer esse trabalho na reportagem de Marina Melo.

 

Repórter Marina Melo: A Força Interina das Nações Unidas, no Líbano, foi criada pela Organização das Nações Unidas por causa de sucessivos ataques israelenses ao Líbano. Como boa parte das armas utilizadas nesses conflitos chegava à região por meio de navios clandestinos, foi instituída também uma força marítima da missão, que já foi comandada por países como Alemanha, França e Itália e que está, desde 2011, sob o comando do Brasil, que participa com meios navais e com militares da Marinha. No último domingo, a Corveta Barroso saiu do Rio de Janeiro levando 195 militares que atuarão na missão nos próximos seis meses. O comandante da embarcação, o Capitão de Fragata Dino Avila Busso fala da saudade que vai sentir da família.

 

Capitão de Fragata - Dino Avila Busso: É impossível dizer que eu consigo separar o comandante do Avila, né, que é pai de família, que tem uma filha de sete anos. A saudade é muito grande, mas é o que eu escutei ontem: Essa saudade, esse tempo, isso eu escutei da minha esposa, solidificará, fortalecerá nossa relação.

 

Repórter Marina Melo: Em 2015, um navio brasileiro que viajava para mais uma etapa desta missão resgatou mais de 200 imigrantes que corriam risco de vida em alto-mar. O supervisor de sistemas de armas da Corveta Barroso, suboficial Flávio Ramos, estava a bordo e fala da emoção do resgate.

 

Suboficial - Flávio Ramos: Considero uma experiência fantástica, foi resgatar vidas, né? Sempre que você parte pra uma ação humanitária igual a nossa, que ela é uma ação humanitária, quando você resgata vidas, você está atingindo um ápice.

 

Repórter Marina Melo: A chegada da Corveta Barroso ao Líbano está prevista para o início de setembro. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: Navios da Esperança, assim são chamadas as embarcações da Marinha do Brasil que levam atendimento médico-hospitalar, odontológico e sanitário até as populações indígenas e ribeirinhas da Amazônia.

 

Nasi: As ações são feitas de forma contínua há mais de 20 anos. Ao todo, são quatro navios que realizam imunizações contra viroses mais presentes na região e ainda fazem atendimentos previdenciários.

 

Gabriela: Um deles, o navio Carlos Chagas, percorreu comunidades do estado de Rondônia. Os detalhes sobre esse trabalho da Marinha a gente ouve agora, na reportagem de Beatriz Albuquerque.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Quatro navios-hospitais, que atendem a população ribeirinha. Esses navios da Marinha, encomendados pelo Ministério da Saúde, navegam na região amazônica levando médicos e dentistas a pessoas que não conseguem chegar aos postos de saúde e hospitais. A Rosana Firmino de Souza, moradora de uma comunidade atendida pelo navio, garante que, se não fosse a embarcação, eles ficariam sem ir ao médico. Ela diz que é muito difícil se locomover na região e ter médico na porta de casa faz toda a diferença.

 

Entrevistada - Rosana Firmino de Souza: A gente muitas vezes não tem acesso, né? A dificuldade de ter acesso a dentista mesmo, ao clínico. Então, assim, eles vindo pra cá, é uma, assim, se torna fácil pra gente, né, não ter que deslocar até a cidade.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: As pessoas têm atendimento médico e odontológico, vacinação e realização de exames laboratoriais. E os navios da Marinha não fazem apenas o atendimento de saúde, são oferecidos serviços previdenciários. A Jaine Maia aproveitou a visita do navio para solicitar benefícios do INSS.

 

Entrevistada - Jaine Maia: Dar entrada no auxílio-maternidade, né, até porque eu já tentei lá pela rua e não consegui. E vindo pra cá também ia ficar mais fácil.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Luís Bandeira, técnico de seguro social, explica quais são os principais atendimentos previdenciários oferecidos para as populações ribeirinhas da Amazônia.

 

Técnico de seguro social - Luís Bandeira: Salário-maternidade, a pensão por morte, a aposentadoria rural e os amparos assistenciais aos portadores de deficiências e aos idosos, a partir de 65 anos.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Só em 2016, os navios visitaram mais de 40 comunidades, atenderam cerca de cinco mil pessoas e realizaram 40 mil procedimentos. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: 19h11 em Brasília.

 

Nasi: Você cuida da alimentação?

 

Gabriela: Faz exercícios regulares?

 

Nasi: Hoje, no Dia Nacional de Combate ao Colesterol, você vai ouvir por que é tão importante manter hábitos saudáveis. Até daqui a pouco.

 

Gabriela: E o ministro da Defesa, Raul Jungmann, apresentou a parlamentares do Rio de Janeiro um balanço das ações de segurança realizadas no estado.

 

Nasi: O encontro terminou agora há pouco e a repórter Luana Karen traz ao vivo as informações. Boa noite, Luana.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Boa noite, Nasi, boa noite, Gabriela, e boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Essa foi a terceira reunião de trabalho para discutir as ações de segurança pública no Rio de Janeiro. Foram tratados temas como ações da Polícia Rodoviária Federal no entorno da cidade, fronteiras com outros estados e orçamento para as polícias Federal e Rodoviária. O ministro da Defesa afirmou que as operações vão continuar sendo surpresa e que as duas fases realizadas até agora foram bem-sucedidas. Os objetivos da operação O Rio Quer Segurança e Paz, segundo Raul Jungmann, são deixar a população tranquila e mostrar para os bandidos que não existe lugar que a polícia não vai estar. O ministro também pediu que o cidadão contribua ligando para o Disque Denúncia, no número 2253 1177, ou o 190. Ainda segundo Raul Jungmann, o reforço atual de tropas militares é suficiente, mas se for preciso poderão ser mobilizados mais agentes de segurança. Ao todo, são 10 mil homens das Forças Nacionais de Segurança presentes no Rio de Janeiro. Na próxima semana, serão realizadas mais duas reuniões, uma com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para discutir uma agenda legislativa voltada para as ações de segurança, como impor penas mais graves para alguns crimes, e outra com militares da Marinha e da Aeronáutica para traçar um plano de combate ao tráfico de armas e de drogas que entram no país pelo mar e por via aérea, Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Luana Karen, pelas informações ao vivo aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: O Governo Federal vai criar uma estrutura de segurança de longo prazo para as ações de combate ao crime organizado no Rio de Janeiro.

 

Gabriela: Vai ser criado um comitê para integrar as forças de segurança federais, estaduais e municipais como o que foi feito nas Olimpíadas.

 

Nasi: E, ao vivo, o repórter Paulo La Salvia tem mais informações. Boa noite, Paulo.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela, a todos os ouvintes da Voz do Brasil. A criação do chamado Comitê Integrado de Pronta-Resposta a Eventos Críticos foi anunciada na tarde desta terça-feira pelo ministro do gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen. Segundo o ministro, o decreto que cria o comitê já está pronto e só depende da assinatura do presidente Michel Temer. A ação faz parte do Plano Nacional de Segurança Pública Fase Rio e vai ter a participação de estruturas de segurança pública do Governo Federal, do estado e do município do Rio de Janeiro. O comitê vai funcionar até o fim do ano que vem, nos mesmos moldes do comitê criado para as Olimpíadas de 2016, com ações de integração, cooperação e inteligência. O Plano Nacional de Segurança Pública Fase Rio chegou ao 12º dia. Militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica e de outras forças policiais atuam em ações de inteligência e nas ruas, fazendo policiamento. Segundo o ministro Sérgio Etchegoyen, o investimento previsto até o fim do ano nas ações de apoio e inteligência das Forças Armadas e de órgãos federais é de R$ 700 milhões. Já para 2018, o investimento deve chegar a R$ 1,2 bilhão. O ministro Sérgio Etchegoyen também disse que o governo estuda até 36 mudanças legislativas em 20 áreas, com a meta de combater a criminalidade no Rio de Janeiro, como por exemplo aumentar a pena para pessoas que portem fuzis. Ao vivo, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: Confiança, esse foi o tema do encontro da Fenabrave, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores que aconteceu hoje em São Paulo.

 

Nasi: A animação dos empresários vem do aumento nas vendas de automóveis no primeiro semestre do ano, sinal de que a economia começa a andar nos trilhos.

 

Gabriela: O presidente Michel Temer participou da abertura do evento e destacou que o fim da recessão só foi possível com reformas.

 

Nasi: E Temer reforçou que ainda é preciso mais para consolidar a economia e dar continuidade ao crescimento.

 

Repórter José Luís Filho: Presente em mil municípios do país, com sete mil concessionárias, os distribuidores de veículos formam um segmento importante para a economia. Geram 305 mil empregos diretos e movimentam 3,5% do PIB, a soma das riquezas e serviços do país. Um setor que começa a sair do vermelho e aposta no crescimento da economia, como afirma o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, Alarico Assumpção.

 

Presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Alarico Assumpção: Inflação até abaixo da meta, sob controle. O governo conseguiu, em consequência disso, queda de juro, que é extremamente favorável ao setor. Agregado a isso, traz um índice de confiança muito positivo, com que faça que o investidor possa investir, o comprador possa consumir. Economia precisa deslanchar, e é o momento.

 

Repórter José Luís Filho: O comércio de veículos novos é um segmento sensível às variações da economia, o que pode explicar ter sido um dos primeiros a reagir positivamente às medidas adotadas pelo governo. Prova disso foi o aumento de 3,65% nas vendas, registrado no primeiro semestre, em comparação com o ano passado. E para o futuro, a expectativa é de que as vendas sejam ainda maiores, como explica J. R. Caporal, presidente da Auto Avaliar, que integra concessionárias e lojistas de todo o Brasil.

 

Presidente da Auto Avaliar - J. R. Caporal: Com a queda da taxa Selic e a queda da inflação, vai haver uma renegociação dos próprios tomadores de empréstimo, que pegaram com taxas mais altas, com taxas mais baixas, que vai disponibilizar um dinheiro no mercado, no bolso do consumidor, que vai proporcionar a compra de mais carros, bens duráveis e serviços de maneira geral.

 

Repórter José Luís Filho: O presidente Michel Temer participou da abertura da exposição e do congresso anual da Fenabrave em São Paulo, e fez um balanço das reformas aprovadas até agora, como o teto dos gastos públicos, a reforma do ensino médio e a nova legislação trabalhista. E reafirmou a necessidade de se aprovar a reforma da previdência.

 

Presidente Michel Temer: Fazer a previdência reformada hoje é ter previdência para o futuro, num país em que este ano o déficit previdenciário é de R$ 184 bilhões, e no ano que vem de R$ 205 bilhões, se nós não fizermos essa reforma, vai ser dificílimo enfrentar os próximos anos.

 

Repórter José Luís Filho: O presidente lembrou que as reformas contribuem para a queda da inflação e dos juros e geram confiança no mercado e na população. Michel Temer definiu o governo dele como reformista e disse que quer entregar ao próximo presidente da República um país mais moderno.

 

Presidente Michel Temer: Este é um governo, ouso dizer, reformista. É um governo que, na verdade, busca colocar os trilhos no lugar para que, quem chegar em 2018, possa apanhar a locomotiva e caminhar com toda a naturalidade.

 

Repórter José Luís Filho: Temer falou ainda da queda do risco-Brasil divulgada hoje, que caiu ao menor nível desde 2013, considerado uma espécie de seguro contra risco de calote por parte de um país. O presidente destacou que esse resultado mostra que a confiança é algo que está acontecendo no mundo real, no dia a dia e no cotidiano dos Brasileiros. Reportagem, José Luís Filho.

 

Gabriela: 19h19 em Brasília.

 

Nasi: O colesterol alto é um fator de risco para várias doenças, como infarto por exemplo.

 

Gabriela: E hoje, no Dia Nacional de Combate ao Colesterol, a Voz do Brasil também faz o alerta: É preciso manter hábitos saudáveis, com boa alimentação e atividade física regular.

 

Repórter Gabriela Noronha: Doenças cardiovasculares, como os ataques cardíacos e derrames, são as principais causas de morte no planeta. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, mais de 17 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas dessas doenças. No Brasil, a estimativa é de que sejam a causa da morte de 300 mil pessoas a cada ano, e um dos fatores que contribuem para o avanço dessas enfermidades é o colesterol alto, como explica o endocrinologista Marcelo Canto.

 

Endocrinologista - Marcelo Canto: Colesterol é uma gordura que a gente tem circulando no sangue da gente. Ele tem várias utilidades no nosso organismo, como produção de vitamina D. O problema é quando ele está em quantidades excessivas, ele pode se acumular nos vasos sanguíneos do indivíduo e acabar causando placas de gordura. Essas placas de gordura, se isso acontece no coração, por exemplo, o indivíduo pode ter um infarto. Se acontece numa artéria do cérebro, o indivíduo vai ter um derrame.

 

Repórter Gabriela Noronha: Quem quer evitar o colesterol alto deve praticar exercícios físicos e ficar muito atento ao que come. Uma das formas de controle do colesterol é a alimentação equilibrada, com pouco açúcar, poucas gorduras e pouco sal. Um guia disponível na página do Ministério da Saúde, na internet, reúne dicas para uma alimentação saudável. Além disso, o governo pretende assinar um acordo com a indústria para reduzir a quantidade de açúcar em alimentos processados, como já ocorreu com o sódio. O coordenador substituto de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Eduardo Nilson, explica que essas medidas fazem parte do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis.

 

Coordenador substituto de Alimentação e Nutrição - Eduardo Nilson: Então o Brasil estabeleceu metas nacionais e já vem mostrando efeitos muito positivos, já temos um avanço na questão da redução do sódio nos alimentos industrializados no país, mas, em termos gerais, nós já vemos, ano a ano, a redução de vários fatores de risco e na própria mortalidade por doenças crônicas.

 

Repórter Gabriela Noronha: Nesta terça-feira, Dia Nacional de Combate ao Colesterol, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia fez uma ação num shopping na área central de Brasília. Quem passou por ali, pôde fazer de graça um exame que mede o nível de colesterol no sangue. Davi Vital aproveitou o tempo livre para fazer o teste. O professor de educação física também ganhou uma consulta, ali mesmo, onde recebeu orientações médicas.

 

Professor - Davi Vital: Às vezes a gente se preocupa muito com estudo, trabalho, a gente esquece um pouquinho da saúde. A gente tem, sim, que priorizar a saúde, fazer os exames básicos de rotina, né?

 

Repórter Gabriela Noronha: O Ministério da Saúde também tem uma plataforma virtual sobre alimentação saudável. Para acessar, basta entrar em portalsaude.saude.gov.br e clicar na aba "Eu quero me alimentar melhor". Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: O Ministério da Educação liberou recursos para recuperação de escolas e creches atingidas pelas chuvas em Alagoas.

 

Gabriela: Algumas escolas foram tão prejudicadas que terão que ser reconstruídas. Serão quase R$ 13 milhões para 47 obras no estado.

 

Repórter Luana Karen: As chuvas do final de maio não vão ser esquecidas pelos Alagoanos. O secretário de Educação de Marechal Deodoro, Marcelo Beltrão, relembra os prejuízos.

 

Secretário de Educação - Marcelo Beltrão: As chuvas destruíram em alguns locais a estrutura física das escolas, a água invadiu sete unidades.

 

Repórter Luana Karen: A única creche do povoado de Massagueira, em Marechal Deodoro, estava entre as afetadas. Lá, as aulas para 150 crianças de 3 a 6 anos tiveram de ser suspensas. A diretora Maria Silvana de Oliveira conta que a chuva afetou a estrutura da unidade.

 

Diretora - Maria Silvana de Oliveira: Molhou as paredes, perdemos livros, queimou a geladeira, também queimou televisão.

 

Repórter Luana Karen: O município de Marechal Deodoro é um dos seis contemplados com quase R$ 13 milhões do Ministério da Educação, para recuperação e reconstrução de creches e escolas danificadas pelas chuvas do fim de maio. Em todo o estado de Alagoas, 40 escolas serão reformadas e outras sete vão ser construídas do zero, beneficiando mais de 15 mil estudantes nos municípios de Barra de Santo Antônio, Jacuípe, Maceió, Marechal Deodoro, Pilar e São Luís do Quitunde. O ministro da Educação, Mendonça Filho, comenta.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Muitas escolas terão, a partir de agora, recursos pra recuperação da estrutura física e alguns casos específicos nós vamos construir novas unidades escolares ou de pré-escola e creche.

 

Repórter Luana Karen: Na época das chuvas, 27 municípios alagoanos ficaram em situação de emergência. Segundo o Ministério da Educação, as outras cidades afetadas também poderão ser contempladas à medida que as demandas forem aprovadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.
 
 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso."