08 de novembro de 2018 - Poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Carros elétricos ou movidos a combustíveis menos poluentes. Lei do governo que incentiva indústria no Brasil foi aprovada pelo Congresso. E presidente Michel Temer comemora ganhos para o setor e para os brasileiros. E governo autoriza o aumento do percentual de biodiesel no diesel. Vamos dar todos os detalhes de mais um dia da transição para o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. E hoje, na última reportagem sobre os 3 do acidente da barragem de Mariana, em Minas Gerais, vamos falar sobre o processo de reconstrução do que foi destruído pela lama.

audio/mpeg 08-11-18-VOZ DO BRASIL - valeste.mp3 — 44985 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar o Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 08 de novembro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Carros elétricos ou movidos a combustíveis menos poluentes.

 

Gabriela: Lei do governo que incentiva a indústria no Brasil foi aprovada pelo Congresso.

 

Nasi: E presidente Michel Temer comemora ganhos para o setor e para os brasileiros.

 

Presidente Michel Temer: Sem o Rota 2030 já houve esse avanço tecnológico. Agora, com o Rota 2030, o avanço será muito maior.

 

Gabriela: E governo autoriza o aumento do percentual de biodiesel do diesel. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: O aumento vai ser gradual e segue a política do governo de incentivar combustíveis limpos.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Vamos dar todos os detalhes de mais um dia da transição para o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

Nasi: E hoje, na última reportagem sobre os três anos do acidente da barragem de Mariana, em Minas Gerais, vamos falar sobre o processo de reconstrução do que foi destruído pela lama.

 

Gabriela: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: Modernizar a indústria automotiva do país sem prejudicar o meio ambiente, este é o objetivo do Rota 2030, que foi aprovado hoje, no Senado.

 

Nasi: Para o presidente Michel Temer, o setor outro automotivo do país vai ganhar em desenvolvimento tecnológico.

 

Nasi: O presidente deu a declaração durante a abertura do Salão do Automóvel, em São Paulo.

 

Repórter Luana Karen: O futuro bate ponto no Salão de Automóvel, em São Paulo, e pode ser visto em cada esquina. O presidente Michel Temer participou da abertura do Salão e durante a cerimônia assinou o decreto que regulamenta o programa de inovação voltado para a indústria automotiva, o Rota 2030. Temer comentou sobre a aprovação da reforma trabalhista e outras medidas econômicas tomadas pelo governo que garantiram o aumento do Produto Interno Bruto, o PIB, que é a soma das riquezas produzidas no país, e a redução da inflação. Temer destacou que ainda, que o Rota 2030 foi possível por conta do conexão entre os setores público e privado.

 

Presidente Michel Temer: Sem o Rota 2030 dá houve esse avanço tecnológico. Agora, com o Rota 2030, o avanço será muito maior. E esta conexão extraordinária entre iniciativa privada e o poder público é que nos tem permitido chegar até aqui.

 

Repórter Luana Karen: A indústria automobilística no Brasil responde por 4% do PIB e emprega diretamente mais de 130 mil pessoas. É só sobre esta área da economia que trata o Rota 2030, programa lançado pelo governo em julho deste ano, e aprovado agora, pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. A medida define regras para a produção de automóveis no país pelos próximos 15 anos, como explica o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge.

 

Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Marcos Jorge: Insistimos tanto no lançamento do Rota 2030 para garantir que o Brasil seja competitivo na atração de investimentos destinados ao desenvolvimento de novas tecnologias que possam ser usadas em todos os elos da cadeia automotiva.

 

Repórter Luana Karen: Entre as empresas de olho nos incentivos do Rota 2030 está uma montadora de caminhões que emprega 4,3 mil funcionários em São Bernardo do Campo, São Paulo. Segundo Gustavo Bonini, diretor institucional da Scania, a companhia vai investir R$ 2,6 bilhões na modernização da fábrica até 2020, e conta com o novo programa para ampliar os investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

 

Diretor institucional da Scania - Gustavo Bonini: A questão de ter um programa que dê visibilidade, previsibilidade de 15 anos faz com que os investimentos que são feitos aqui no país sejam direcionados com mais clareza, com mais segurança, e aí permitir assim que a gente esteja na rota desse desenvolvimento.

 

Repórter Luana Karen: A expectativa do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Antônio Megale, é que com a aprovação do Rota 2030 o Brasil ganhe destaque mundial na produção combustíveis para o futuro.

 

Presidente da Anfavea - Antônio Megale: Com isso, a gente consegue reter no Brasil conhecimento, gerar novos conhecimentos, criar novas tecnologias, enfim, a gente consegue utilizar as potencialidades do Brasil, né, que é o caso, por exemplo, do etanol. É importante que a gente tenha relevância na inovação mundial.

 

Repórter Luana Karen: O Rota 2030 reduz tributos para o setor e cria contrapartidas para que empresas aumentem investimento em produtos e tecnologias do país. Um dos itens do Rota 2030 é a concessão de até R$ 1,5 bilhão em créditos tributários a empresas que investirem, ao menos, R$ 5 bilhões em projetos de pesquisa e desenvolvimento. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: E como ouvimos agora há pouco, além de investirem em carros menos poluentes, o Brasil deve ter destaque na produção de combustíveis mais limpos.

 

Gabriela: E o governo vem fazendo sua parte. Foi aprovada hoje uma mistura maior de biodiesel esse ser adicionada no diesel.

 

Nasi: A medida vai fazer com que menos gases poluentes sejam emitidos, gerando benefícios para o meio ambiente.

 

Gabriela: E o aumento na fabricação de biodiesel também vai gerar mais empregos.

 

Repórter Graziela Mendonça: O biodiesel é um combustível renovável extraído a partir de óleos vegetais, como da soja e de gorduras animais. Atualmente, todo o diesel que é vendido nos postos para abastecer caminhões e ônibus, por exemplo, têm 10% de biodiesel na mistura. Com a nova resolução, esse percentual vai passar para 15% nos próximos cinco anos. Segundo o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, João Vicente Carvalho, o aumento vai ser gradual e segue a política do governo de incentivar combustíveis limpos.

 

Secretário de Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis - João Vicente Carvalho: Hoje, a gente tem uma mistura de 10% no diesel comercializado e agora a gente vai ter, nos próximos anos, um incremento de um 1% ao ano nessa mistura. Isso está alinhado também com as metas do RenovaBio, que tem metas de redução da emissão de carbono.

 

Repórter Graziela Mendonça: Além de melhorar a qualidade do ar as grandes cidades, já que é menos poluente, o biodiesel também ajuda a proteger a camada de ozônio, isso porque, no momento da sua produção, ele emite 70% menos gases causadores do efeito estufa. E os benefício de aumentar o percentual do biodiesel são também econômicos. Segundo o presidente da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil, Erasmo Carlos Battistella, a medida do governo vai aquecer o setor.

 

Presidente da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil - Erasmo Carlos Battistella: A estimativa é que, para os próximos cinco anos, nós devemos dobrar o tamanho do mercado de biodiesel, passando dos atuais 5,5 podendo chegar a quase 11 bilhões de litros produzidos e consumidos no Brasil.

 

Repórter Graziela Mendonça: Com o aumento da produção nos próximos anos, o setor também deve gerar mais postos de trabalho. Atualmente a cadeia produtiva do biodiesel emprega cerca de 200 mil pessoas. Alberto Souza é dono de uma indústria que produz biodiesel nos estados de Goiás e Mato Grosso, e já está prevendo novas contratações.

 

Empresário - Alberto Souza: O grupo emprega 2,6 mil colaboradores, e, com essa medida, temos a expectativa de chegar em 3,5 mil colaboradores.

 

Repórter Graziela Mendonça: O Brasil já é o segundo maior produtor de biodiesel do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Somente este ano a produção deve ultrapassar os 5 bilhões de litros. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Nasi: O Michel Temer voltou a falar hoje sobre o processo de transição do seu governo para o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

Gabriela: Temer falou que vai deixar os dados de tudo o que já foi feito e o que ainda precisa ser realizado.

 

Presidente Michel Temer: Começamos a transição agora, uma transição civilizada, civilizada e constitucionalmente determinada. Nós temos dois meses para fazer esta transição, transmitindo àqueles que chegam, àqueles que foram eleitos soberanamente pela vontade popular, nós estamos transmitindo todos os dados do governo, não só aquilo que foi feito, mas aquilo que ainda deva ser feito. E muita coisa ainda há pela frente. Como eu dizia ontem ao presidente eleito, disse: Olha, estou fazendo o possível para lhe entregar uma estrada asfaltada. Nós pegamos uma estrada esburacada e estamos entregando uma estrada asfaltada, e trilhe este caminho certo que nós abrimos.

 

Nasi: E hoje foi mais um dia de reuniões entre técnicos do governo e membros da equipe de transação.

 

Gabriela: Um dos temas discutidos foi a reforma da Previdência.

 

Nasi: O secretário do Tesouro do atual governo defendeu a aprovação do projeto que está em análise no Congresso.

 

Repórter Danielle Popov: O secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida Junior, levou à equipe de transição de governo, dados sobre o controle de gastos promovido pelo governo de Michel Temer. O secretário informou que este ano o governo deve gastar R$ 120 bilhões a mais do que o arrecadado. Mas, o valor, segundo ele, é R$ 40 bilhões menor do que o previsto no orçamento. Mansueto de Almeida Junior afirmou que, para equilibrar as contas públicas, o Brasil precisa fazer a reforma da Previdência.

 

Secretário do Tesouro - Mansueto de Almeida Junior: Tanto a equipe econômica nova, o governo novo, quanto o governo que está saindo, sobre falam que é necessário a reforma da Previdência, né? E acho que o mercado espera não é a reforma da Previdência até novembro, até dezembro, é que a reforma de Previdência ocorra em 2019. Se a reforma da Previdência ocorrer em 2019, uma reforma da Previdência que seja factível para controlar o crescimento do gasto público, isso vai ajudar não só o Governo Federal, como, principalmente, os estados.

 

Repórter Danielle Popov: A deputado federal Tereza Cristina, confirmada para assumir o comando do Ministério da Agricultura no próximo governo, também se reuniu com integrantes da equipe de transição e com o presidente eleito Jair Bolsonaro. A futura ministra, que também é presidente da Frente Parlamentar Agropecuária, reforçou que as prioridades da agricultura serão debatidas com Bolsonaro na semana que vem, dia 13. Ela citou os pontos que considera mais importantes.

 

Futura ministra da Agricultura - Tereza Cristina: Principalmente a parte de comércio exterior, os convênios, os acordos bilaterais que nós temos que ter, ver aí o posicionamento desse problema do mercado de carnes, que é um mercado importantíssimo para o nosso país e que temos alguns problemas aí, acontecendo, outros melhorando, tivemos aí a abertura da Rússia para carne de suínos brasileira.

 

Repórter Danielle Popov: O ministro já confirmado para o governo Bolsonaro no Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno, também apresentado de dar continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido na pasta. O general Augusto Heleno elogiou o trabalho dos antecessores.

 

Futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Augusto Heleno: O Gabinete de Segurança Institucional, ele foi se consolidando ao longo do tempo e hoje já tem uma estabilidade funcional muito grande. A expectativa é continuar o trabalho que já se vem realizando. O GSI tem chefes excepcionais, né? Eu vou aproveitar o que eles fizeram e continuar no mesmo caminho que eles seguiram aí.

 

Repórter Danielle Popov: O Gabinete de Segurança Institucional é responsável pela segurança pessoal no presidente da República e do vice. O gabinete também atua na área de segurança na internet e na produção dão programa nuclear brasileiro, que inclui a prevenção a acidentes nucleares. Reportagem, Danielle Popov.

 

Gabriela: E o atual ministro da Justiça, Torquato Jardim, e o futuro ministro da pasta, juiz federal Sérgio Moro, se reuniram hoje, em Brasília.

 

Nasi: Sérgio Moro disse que houve avanços nas políticas da área nos últimos anos e afirmou que pretende aprofundar essas conquistas.

 

Repórter Gabriela Noronha: O juiz federal Sérgio Moro visitou hoje, o Ministério da Justiça, Pasta que vai comandar a partir do ano que vem. Depois de se reunir com o atual titular do ministério, Torquato Jardim, Sérgio Moro voltou a destacar a importância do processo de transição para o bom desempenho do novo governo, e disse que à frente da pasta vai dar continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido na atual gestão.

 

Futuro ministro da Justiça - Sérgio Moro: A intenção é dar continuidade ao bom trabalho que vem sendo realizado, aos bons projetos que estão sendo executados para evitar perda de continuidade. É inegável que houve avanços nos últimos anos nessa área. Eu pretendo poder aprofundar esses avanços.

 

Repórter Gabriela Noronha: Sérgio Moro disse ainda, que pretende reunir-se com outros representantes do Ministério da Justiça nas próximas semanas. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E você vai ouvir nesta edição mais uma reportagem sobre os três anos do acidente de Mariana, em Minas Gerais.

 

Nasi: A ideia é que tudo, casas, praças e igrejas, sejam reconstruídos do mesmo sujeitado que antes do acidente da Barragem de Fundão.

 

"A primeira etapa já foi, agora é a vez da ciências da natureza e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias. Dia 11 de novembro tem a segunda etapa do Enem. E na sexta-feira, dia 9, a TV NBR e a TV Escola trazem, mais uma vez, para você, um supertime de professores no Aulão do Enem. Tem dúvida sobre o que vai cair na prova? Mande pelo WhatsApp (61) 99867-8787. Não perca, segundo Aulão do Enem, dia 9, as 5h da tarde. Transmissão ao vivo pela TV NBR, pelo Youtube da NBR, redes sociais da TV Escola ou pelo site redenacionalderadio.com.br".

 

Gabriela: E no quadro Minuto Enem de hoje, a gente tira dúvida da Ana Carolina.

 

Nasi: Ela quer saber se mães que ainda estão amamentando podem levar os bebês no dia da prova.

 

Gabriela: A diretora de Avaliação e Educação Básica do Inep, Luana Soares, responde.

 

"Minuto Enem".

 

Candidata - Ana Carolina: Uma mãe que acabou de ter um filho, ela pode levar o bebê no dia da prova?

 

Diretora de Avaliação e Educação Básica do Inep - Luana Soares: Sim, pessoal. Todas as mães que solicitaram esse atendimento no momento da inscrição do Enem, poderão levar os seus bebês no dia de realização de provas. Ela terá direito a uma sala especial adicional, em que ela vai fazer a amamentação do bebê durante a prova. Ela deverá levar um acompanhante para que fique com o bebê enquanto ela está rezando a prova. Mas veja, essa mãe não terá direito a tempo adicional.

 

"Minuto Enem".

 

"Momento Social".

 

Nasi: Agricultores em situação de extrema pobreza contam com a ajuda do governo para melhorar e aumentar a produção do campo.

 

Gabriela: Isso é possível com o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais.

 

Nasi: Com ele, os produtores recebem assistência e recursos do governo.

 

Gabriela: O agricultor familiar Raimundo de Souza, que mora em Benevides, no Pará, quer saber como as pessoas devem fazer para participar do programa.

 

Nasi: E quem responde é o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

 

Agricultor familiar - Raimundo de Souza: Eu sou o Raimundo Nonato de Souza, aqui de Benevides. Ministro, eu queria como é que pode fazer para participar desse programa do Fomento Rural?

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Raimundo, para participar do Programa de Fomento Rural a primeira providência a tomar é estar inscrito no Cadastro Único dos programas sociais do Governo Federal. Se você ainda não é inscrito do CAD Único, procure a sua prefeitura ou alguma unidade da Assistência Social do seu município. Feito o cadastro, a seleção das famílias que serão beneficiadas com o Fomento Rural são aquelas mais vulneráveis no meio do campo e são selecionadas normalmente pela Emater de cada estado. Selecionada a sua família, você vai receber um empréstimo não reembolsável de R$ 2,4 mil. Esses recursos são destinados à compra de sementes de melhor qualidade, à compra de matrizes de animais, tudo isso destinado a melhorar a sua capacidade de produzir na sua pequena propriedade. Além disso, vai ser fornecida assistência técnica e extensão rural para que a sua produtividade aumente, aumente sua renda e de se sua e família, e, por fim, a qualidade de vida de todos vocês.

 

Gabriela: E se você tem alguma pergunta sobre programa sociais, manda para a gente.

 

Nasi: Pode ser por e-mail no endereço: voz@ebc.com.br. Tem também o no Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Gabriela: A sua pergunta esvai se respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe.

 

Nasi: O Brasil deve colher mais de 238 milhões de toneladas de grãos na atual safra, um aumento de até 4% em relação à safra passada.

 

Gabriela: Os dados foram divulgados hoje, pela Conab.

 

Nasi: Entre os grãos que apresentam esse crescimento estão o algodão, amendoim, o milho primeira safra e a soja.

 

Gabriela: Também está previsto um crescimento de mais de 2% na área plantada em relação à última safra.

 

Nasi: Segundo Savio Pereira, secretário substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, este vai ser o terceiro ano consecutivo de boa safra, o que interfere diretamente no crescimento das exportações.

 

Secretário substituto de Política Agrícola - Savio Pereira: No caso da área, há uma perspectiva de aumento de incremento até de 1,4 milhão hectares, que é o limite superior anunciado pela Conab. E tudo indica, o clima aparentemente está bem, foram apresentadas boas perspectivas para o clima nos próximos três meses. Então, aparentemente teremos novamente, pelo terceiro ano consecutivo, uma safra extraordinária no Brasil. O algodão nos últimos dois, três anos, tem sido realmente muito rentável, isso tem estimulado a produção. É importante mencionar o seguinte, o Brasil ano que vem, será o segundo maior exportador de algodão. Aliás, seremos segundo maior exportador de milho, segundo maior exportador de algodão e o primeiro de soja, só superados os outros dois pelos Estados Unidos.

 

Gabriela: Depois do acidente, a esperança.

 

Nasi: O rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, em 2015, deixou milhares de famílias sem suas casas.

 

Gabriela: A promessa é reconstruir tudo o que foi destruído pela lama: casas, praças e igrejas.

 

Nasi: E hoje, na última reportagem especial sobre os três anos do acidente, a repórter Taíssa Dias conversa com um dos moradores que acompanha de perto cada passo da reconstrução do local onde vivia. Vamos ouvir.

 

Repórter Taíssa Dias: Chego a um pequeno edifício em Mariana para encontrar o presidente da Associação de Moradores de Bento Rodrigues, a comunidade mais atingida pela lama que vazou da barragem rompida de Fundão, da mineradora Samarco, em novembro de 2015. José do Nascimento de Jesus, o seu Zezinho, vai me contar como está o processo de reassentamento das famílias. Mas eu resolvo começar a história pelo meio e pergunto sobre as mudas de plantas que se espalham pela área comum de prédio, ocupado por quatro famílias que perderam as casas em Bento Rodrigues. Aos 73 anos, ele me explica que são de laranja, limão, mexerica e outras que não eu conhecia, e que é elo mesmo quem cuida delas. Me conta ainda que vão ser plantadas na nova casa, quando a comunidade for reassentada, e que cada folha que nasce lembra um pouquinho do que era a vida em Bento.

 

Presidente da Associação de Moradores de Bento Rodrigues - José do Nascimento de Jesus: A gente colhia alface, colhia almeirão, colhia beterraba, banana, laranja, leite, tudo, colhido lá. Então, é uma coisa que hoje a gente compra, então a gente espera voltar a mais rápido possível.

 

Repórter Taíssa Dias: Além do aluguel, que é pago pela mineradora, seu Zezinho e outras famílias que perderam a casa no desastre, recebem um auxílio mensal com a empresa enquanto a vida não volta à normalidade. As obras do reassentamento de Bento Rodrigues já começaram e uma das mudas o seu Zezinho pretende plantar ainda na fase da construção, para ela crescer bastante até a chegada dos moradores e substituir a antiga, também plantada por ele, é a castanheira que ficava bem no meio da praça e era o ponto de encontro da comunidade.

 

Presidente da Associação de Moradores de Bento Rodrigues - José do Nascimento de Jesus: É onde a gente ficava, passava a fim de semana, época de festa, toda festa era aí, o palco de cantor ficava ao lado dessa árvore.

 

Repórter Taíssa Dias: A prosa nos banquinhos embaixo da sobra era o melhor programa do fim de semana, bem ao lado na Igreja de São Bento, que também será reconstruída e que terá que parte do acervo devolvido. É que a Fundação Renova, responsável pela reparação do desastre, está fazendo resgate à conservação de imagens sacras e outros instrumentos dos templos atingidos. São 2.352 peças ou fragmentos religiosos. Segundo a historiadora e antropóloga da Renova, Bianca Pataro, se tornaram documentos históricos.

 

Historiadora e antropóloga da Renova - Bianca Pataro: Esses acervos, eles foram recuperados da lama por meio de um processo de escavação arqueológica, onde a gente usou técnicas arqueológicas para buscar essas peças no meio do rejeito e o acervo veio para cá para ser salvaguardado até que se defina o destino dessas peças.

 

Repórter Taíssa Dias: Preservar o modo de vida antigo é o lema também nos reassentamentos. O arquiteto na Fundação Renova, Alfredo Zanon, explica que todo os passos foram dados em conjunto com a comunidade e que a ideia é que tudo seja o mais parecido possível com o que era antes, com um detalhe, as casas agora serão maiores.

 

Arquiteto na Fundação Renova - Alfredo Zanon: A gente buscou manter o vizinho de lado, sempre o vizinho de lado, de frente, né? A relação dos equipamentos de uso coletivo, principalmente as igrejas. A gente fez um acordo com o Ministério Público e as famílias que que todas as casas vão ter 20 metros quadrados a mais do que tinham na área original.

 

Repórter Taíssa Dias: As obras estão na fase de retirada das árvores e terraplanagem. Para quem chega desavisado, pode parecer só poeira, mas para o seu Zezinho e as outras famílias de Bento, a terra vermelha, como a lama de rejeitos, já tem um significado novo.

 

Presidente da Associação de Moradores de Bento Rodrigues - José do Nascimento de Jesus: O dia que nós estivermos morando aqui, colhendo sua couvinha aqui, colhendo sua cebolinha, suas galinhas, ovo caipira, tudo aqui sem comprar, sem depender de Mariana, vai ser o dia de maior felicidade.

 

Repórter Taíssa Dias: E se depender do cuidado e da dedicação do seu Zezinho, Bento Rodrigues e a castanheira da praça serão novos, mas iguaizinhos ao antigos, só que ainda mais fortes. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Gabriela: A Receita Federal libera amanhã a consulta ao sexto lote de restituição do imposto de renda.

 

Nasi: O pagamento de quase R$ 2 bilhões para os cerca de 1,142 milhão contribuintes será feito no dia 16 de novembro.

 

Gabriela: Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte pode acessar a página da Receita na internet no endereço receita.fazenda.gov.br ou ligar para o Receita Fone no número 146.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e, em seguida, as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".