09/02/2017 - A VOZ DO BRASIL

Congresso aprova reforma do Ensino Médio e presidente Michel Temer promete sancionar lei nos próximos dias. Novo currículo começa a valer em 2018 e prevê formação técnica profissional. Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional participa ao vivo de A Voz do Brasil. FGTS poderá ser usado para quitar parcelas atrasadas de financiamento imobiliário. Tudo isso você ouviu nesta quinta-feira em A Voz do Brasil!

audio/mpeg 09 02 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 11928 KB




Transcrição


Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

 

Airton: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gláucia: Quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017.

 

Airton: E vamos ao destaque do dia. Congresso aprova reforma do Ensino Médio e Presidente Michel Temer promete sancionar lei nos próximos dias.

 

Presidente da República - Michel Temer: Foi aprovada as segundas reformas fundamentais para o Brasil, que é a reforma do Ensino Médio.

 

Gláucia: Novo currículo vai começar nas escolas no ano que vem e prevê formação técnica profissional. Nós conversamos com o ministro da Educação, que vai detalhar tudo para você.

 

Airton: E você ainda vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gláucia: Segurança nacional, vamos conversar ao vivo com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional.

 

Airton: A partir de agora tem novidade para quem está com as parcelas do imóvel atrasadas. Natália Melo.

 

Repórter Natália Melo: Agora vai ser possível quitar até 12 parcelas atrasadas usando o FGTS.

 

Gláucia: E a boa notícia para quem tem intolerância à lactose. Todos os alimentos vão ter que exibir no rótulo que contêm ou não a substância.

 

Airton: E hoje a Voz do Brasil na apresentação de Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Gláucia: E para assistir a gente ao vivo, internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Airton: Grato as Olimpíadas ouvimos falar muito de ações contra o terrorismo.

 

Gláucia: É, o governo também tem falado em combate ao crime nas fronteiras, ações de inteligência, enfim, uma série de medidas para garantir a segurança do país e que incluem atividades das Forças Armadas, Ministério da Justiça e o Gabinete de Segurança Institucional.

 

Airton: É, esse último órgão, que antes era responsável só pela segurança do Presidente da República, agora incluem inúmeras atividades que acabam interferindo diretamente aí na sua vida.

 

Gláucia: Para a gente saber mais sobre essas ações hoje nós vamos receber aqui no estúdio, estamos recebendo aqui no estúdio da Voz do Brasil o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, o General de Exército Sérgio Etchegoyen. Boa noite, ministro.

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: Boa noite, Glaucia. Boa noite, Airton. Boa noite a todos nos assistem. Boa noite.

 

Gláucia: Ministro, para a gente começar, nós gostaríamos de falar de um assunto que é preocupação entre muitos brasileiros, a segurança na internet. O gabinete possui um departamento só para cuidar disso, não é mesmo?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: É verdade.

 

Gláucia: Que trabalho tem sido feito para garantir a tranquilidade dos internautas no nosso país?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: Olha, a internet, nós entendemos que a internet é um espaço de exercício da cidadania, consequentemente o estado deve aportar a internet com universalidade, a universalidade do acesso e segurança como qualquer espaço que seja exercida a cidadania. Então, o trabalho do Gabinete de Segurança Institucional e o departamento que cuida disso é garantir que esse espaço esteja seguro para que os cidadãos possam... cidadãs e cidadãos possam relacionar-se em todos os aspectos da sua vida seguros com os seus dados, com a aquilo que lhe diz respeito.

 

Airton: O senhor, inclusive, esteve na França há pouco tempo discutindo essa questão com órgãos internacionais. O governo brasileiro está atento a tudo o que vem sendo desenvolvido para garantir cada vez mais que a nossa comunicação seja segura, ministro?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: Olha, a internet é um espaço universal, não existem fronteiras, consequentemente, neste mundo sem fronteiras, que nós chamamos de internet, as ameaças, os riscos a que estão sujeitos todos os países são os mesmos, são exatamente os mesmos. A chave, consequentemente, para fazer frente a isso e para garantir esse espaço de acesso universal e livre que eu já citei, nós precisamos ter um grande intercâmbio, uma grande cooperação entre todas as nações que cuidam efetivamente dos seus cidadãos.

 

Gláucia: Ministro, mas é bom deixar claro, né, que tudo depende da segurança da rede, mas também dos cuidados de quem acessa ou está acessando a internet, não é mesmo?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: É verdade.

 

Gláucia: O que é que o senhor poderia nos dizer a respeito da segurança dessas pessoas que acessam à internet? Qual é a orientação?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: A orientação é cumprir os protocolos que estão em praticamente todos os provedores. Quem bater no Google, procurar a segurança de acesso à internet vai encontrar uma série de... uma lista enorme de providências ou muitas listas e que são muito simples, é cuidar da sua própria segurança como... ou seja, o acesso que nós temos à internet é como a nossa carteira, nós não deixamos em qualquer lugar. Então, vamos cuidar desse acesso com o mesmo cuidado que temos com os nossos bens pessoais.

 

Airton: Ministro, para a gente terminar, eu gostaria que o senhor falasse também o trabalho conjunto da inteligência do governo para combater a criminalidade e a apoiar ações de segurança pelo país. É também uma atividade do seu gabinete, né?

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: Exatamente. Isso é feito por intermédio da Agência Brasileira de Inteligência, que é o órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência e que é o órgão de inteligência federal. Esse é o órgão que tem a competência exclusiva da inteligência nos níveis políticos e estratégicos para poder atender as necessidades basicamente do Sr. Presidente da República. E nesse papel, ela integra todas as informações e coopera com os outros órgãos de segurança, o Ministério da Justiça, Ministério da Defesa, para que tenhamos... possamos combater o flagelo do crime, do tráfico, de tudo que tem nos trazido tanta preocupação. O GSI desempenha um papel importante, particularmente no Programa de Proteção Integral de Fronteiras e em toda a atividade de inteligência prevenindo e reagindo às ocorrências que nós temos hoje por aí.

 

Gláucia: E a partir de agora você ouvinte vai acompanhar essas ações do Gabinete de Segurança Institucional aqui nos próximos programas. Nós agradecemos a presença aqui no estúdio do ministro general de Exército, Sérgio Etchegoyen. Muito obrigada, ministro, pela sua participação com a gente aqui na Voz do Brasil.

 

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen: Muito obrigado a vocês e à oportunidade e a todos que nos ouviram.

 

Airton: Garantir uma educação mais moderna e a permanência dos jovens na escola.

 

Gláucia: O Congresso Nacional aprovou a reforma do Ensino Médio e o texto segue agora para a sanção do Presidente Michel Temer.

 

Airton: No novo Ensino Médio os jovens vão ter mais liberdade para fazer suas escolhas, tudo de acordo com a sua vocação.

 

Repórter Mara Kenupp: O caminho para as mudanças na educação dos jovens brasileiros está aberto. Por 43 votos a 13 foi aprovada no Plenário do Senado a reforma do Ensino Médio, sinal do que o dia a dia de milhares de estudantes não vai ser mais o mesmo. Para Carolina Mesquita, de 16, de uma escola de Brasília, os jovens vão precisar de mais responsabilidade na hora de escolher uma profissão.

 

Aluna de escola de Brasília- Carolina Mesquita: Pessoas que já estão decididas sobre o que elas querem cursar vão poder ter uma base maior, estar mais preparadas para o vestibular.

 

Repórter Mara Kenupp: Entre as principais alterações estão a flexibilização do currículo, sendo que Português e Matemática são obrigatórias nos três anos, a ampliação da carga horária, que vai passar gradativamente de 800 para 1.400 horas e a formação técnica dentro da grade do Ensino Médio. Para o professor de Física, Carlos Fernando Oliveira, a longo, a educação do Brasil vai viver uma outra realidade.

 

Professor de Física - Carlos Fernando Oliveira: A gente vai ter que fazer um trabalho muito mais de conscientização na base e trabalhar no Ensino Médio cada vez mais cativante para trazer ele para realmente a área de conhecimento que ele entende, que ele gosta e que ele quer.

 

Repórter Mara Kenupp: De acordo com o Ministério da Educação, mais de 1 milhão de jovens de 17 anos, que deveriam estar no terceiro do Ensino Médio, estão fora da escola. Outros 1 milhão e 700 mil jovens não estudam, nem trabalham. O Presidente Michel Temer comemorou o resultado e disse que deve sancionar logo a medida.

 

Presidente da República - Michel Temer: Quero comemorar com o Mendonça Filho aqui a aprovação da reforma do Ensino Médio. Vocês sabem que a primeira vez que eu fui presidente da Câmara dos Deputados foi em 1997 e já se falava na reforma do Ensino Médio. Passou-se um período de 20 anos e a única coisa que se disse ao longo desse tempo é que as pessoas que faziam o Ensino Fundamental não sabiam falar português, não sabiam multiplicar, não sabiam dividir, etc., fruto precisamente da inadequação daquilo que se ensinava, portanto, empunha-se a reforma do Ensino Médio.

 

Repórter Mara Kenupp: O texto também prevê que as escolas vão ter cinco anos a partir de 2018 para se adaptarem. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gláucia: E a jornalista Alessandra Bastos conversou com exclusividade com o ministro da Educação, Mendonça Filho, ele explicou como vai se dar essa adaptação das escolas e dos alunos ao um novo currículo. Vamos ouvir.

 

Repórter Alessandra Bastos: Muito obrigada, ministro, pela participação do senhor aqui na Voz do Brasil. O ministro da Educação, ele já vinha trabalhando com o Conselho Nacional de Educação, de acordo com a medida provisória, né? Como é que fica de agora para frente, ministro? Vai ser acelerado isso?

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Deve acelerar a partir da conclusão da base nacional comum curricular do Ensino Médio, que estará concluída até o final desde ano de 2017.

 

Repórter Alessandra Bastos: E as mudanças, elas começam mesmo a partir do ano que vem?

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Começam. Gradualmente a gente tem aí um prazo de cinco anos para aumento da carga horária dedicada ao Ensino Médio no Brasil, hoje é de 800 horas, migrará para mil horas anuais, ou seja, cinco horas diárias, diferente das quatro que hoje existem na maior parte do Brasil.

 

Repórter Alessandra Bastos: E o aluno precisa se preocupar, ministro? Vai ter uma mudança muito brusca para o estudante?

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Não, eu alerto e chamo a atenção dos alunos, dos pais preocupados com os seus filhos, de que esse processo vai ser lento, gradual e evolutivo no tempo para que cada escola, cada rede estadual, cada estudante possa se adaptar a essa evolução positiva, que vai facilitar a vida dos jovens, a empregabilidade, vai, de certo modo, dialogar com o próprio projeto de futuro de cada jovem que quer ter um horizonte que satisfaça a sua vocação pessoal, a sua vontade individual.

 

Repórter Alessandra Bastos: E as escolas, ministro? Como elas se adaptam a essas mudanças? O que é que elas precisam fazer?

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Na prática, as escolas seguirão aquilo que será determinado pelas redes estaduais, os sistemas estaduais de educação.

 

Repórter Alessandra Bastos: E, ministro, como que essa reforma, essas mudanças vão ajudar a melhorar a educação principalmente no Ensino Médio?

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: O Ensino Médio brasileiro, ele está distante na realidade internacional, e o próprio jovem não é ouvido com relação à sua vontade pessoal, ao seu projeto de vida, à sua vocação, seu talento. Então, quando você tem um Ensino Médio que dialoga mais com a vontade, com os sonhos, com os desejos do jovem, evidentemente que a gente vai construir um modelo que permitirá uma maior atração para a escola.

 

Repórter Alessandra Bastos: Ministro da Educação, Mendonça Filho, aqui na Voz do Brasil. Muito obrigada, ministro, pela sua participação tirando dúvidas aí de estudantes, professores, educadores de todo o país.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Muito obrigado. Um abraço e... meu abraço a todos os ouvintes da Voz do Brasil.

 

Airton: E o governo anuncia um alívio para quem está com as prestações da casa própria em atraso.

 

Gláucia: É, agora o devedor poderá usar o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço para quitar até 12 prestações vencidas.

 

Airton: A medida vale para quem financiou o imóvel com recursos do FGTS.

 

Repórter Natália Melo: Dona Aparecida nunca imaginou que um dia teria um cantinho só dela. Foi depois de participar de um feirão da casa própria, da Caixa Econômica Federal, que este sonho ficou mais próximo da realidade.

 

Técnica de enfermagem - Aparecida: Foi fácil. Foi. Pelo feirão foi. Foram três meses eu já estava dentro da minha casa própria.

 

Repórter Natália Melo: De acordo com a técnica de enfermagem, foi graças ao dinheiro do Fundo de Garantia, o FGTS, que ela conseguiu dar entrada no imóvel e financiar o restante.

 

Técnica de enfermagem - Aparecida: Dei R$5 mil de entrada, R$5 mil. Aí adquiri esse imóvel.

 

Repórter Natália Melo: E quem finança o imóvel com recursos do FGTS tem outros benefícios. Para quem está com dificuldades de pagar as prestações, uma novidade, a partir da agora o saldo do o FGTS pode ser usado para quitar até 12 parcelas atrasadas. A medida vai ajudar as famílias endividadas a dar mais um impulso na economia, ressalta o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi.

 

Presidente da Caixa Econômica Federal - Gilberto Occhi: Isso também estimula a economia, isso dá segurança à família de que pode permanecer no imóvel enquanto a economia retomar o seu crescimento, enquanto ele possa recuperar o seu emprego ou que ele possa ter uma melhoria na sua condição financeira.

 

Repórter Natália Melo: A dona Aparecida, que está em dia com as prestações da casa própria, não esconde o alívio que essa medida traz.

 

Técnica de enfermagem - Aparecida: A sensação, meu Deus, a gente dorme, e, assim, deita e dorme porque a prestação que a gente vai pagando a gente sabe que um dia termina, né?

 

Repórter Natália Melo: A medida vale para quem financiou o imóvel de até R$950 mil em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal, e de até R$800 mil nos outros estados. Além disso, a pessoa não pode ser proprietária de outros imóveis. Reportagem, Natália Melo.

 

Gláucia: As medidas e reformas enviadas pelo governo ao Congresso, como essa da reforma do Ensino Médio, a do teto dos gastos públicos, da previdência e da lei trabalhista foram citadas pelo Presidente Michel Temer como exemplos de diálogo e bom relacionamento com os deputados, senadores e o Judiciário.

 

Airton: É, Temer participou da abertura de um encontro com gestores da Caixa Econômica Federal em Brasília e falou sobre a importância que o banco tem na execução dos programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família.

 

Repórter João Pedro Neto: O encontro discute o cenário econômico e o planejamento da Caixa Econômica Federal para 2017. O presidente do banco, Gilberto Occhi, afirmou que a instituição está adotando uma série de medidas para se tornar mais eficiente.

 

Presidente da Caixa Econômica Federal - Gilberto Occhi: Medidas de racionamento de despesa, redução de despesas, melhoria das receitas e trazer para a sociedade brasileira uma Caixa Econômica mais forte, mais eficiente e mais sustentável.

 

Repórter João Pedro Neto: Na abertura do evento o Presidente Michel Temer destacou que o banco exerce uma função social importante no país.

 

Presidente da República - Michel Temer: Os projetos fundamentais do governo na área social Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, Cartão Reforma, outros tantos projetos, são muitíssimos projetos na área social, são todos capitaneados pelos ministérios, mas executados e igualmente capitaneados pela Caixa Econômica Federal.

 

Repórter João Pedro Neto: Temer afirmou que a palavra-chave do Governo Federal é o diálogo, que tem permitido enfrentar questões importantes para o país. O presidente destacou o apoio do Congresso Nacional na aprovação de medidas ao lembrar do teto dos gastos públicos. Michel Temer lembrou que a reforma da previdência e a modernização da legislação trabalhista também estão sendo discutidas por deputados e senadores. O Presidente ressaltou que governo estuda agora uma simplificação tributária que vai dar mais eficiência ao país.

 

Presidente da República - Michel Temer: Vamos tentar agora, não vou falar exatamente numa reforma tributária, mas simplificação do sistema tributário para que possamos desburocratizar vários procedimentos que trarão agilidade para os investimentos nacionais e estrangeiros no nosso país.

 

Repórter João Pedro Neto: O encontro reúne mais de mil gestores da Caixa Econômica de todo o Brasil. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gláucia: 19h17 no horário brasileiro de verão.

 

Airton: Foi publicada hoje medida da Anvisa que obriga a indústria a informar em todos os alimentos se contêm ou não lactose.

 

Gláucia: Daqui a pouquinho vamos explicar para você como isso vai funcionar.

 

"Momento social".

 

Airton: Cuidar do primeiro momento de vida, acompanhar e desenvolver a criança desde que é pequenininha.

 

Gláucia: Essa é a proposta do programa Criança Feliz, que quer atender 4 milhões de crianças até 2018.

 

Airton: Hoje o nosso quadro Momento Social vai ser um pouco diferente. Vamos falar da mobilização que o governo vem fazendo para que mais e mais cidades possam participar desse programa.

 

Gláucia: É, hoje a embaixadora do Criança feliz, a primeira dama Marcela Temer, se encontrou com mulheres de todo o país para falar da importância dos cuidados com os pequenos.

 

Repórter Rodrigo Saccone: Primeiras damas de municípios e estados, prefeitas e vice-governadoras forem recebidas pela embaixadora do programa Criança Feliz, a primeira dama do Brasil, Marcela Temer, para uma reunião de mobilização a favor de implantação do programa em todo o país. A reunião ocorreu nesta quinta-feira no Palácio da Alvorada e contou com a presença de representantes de entidades parceiras, do Governo Federal e das Nações Unidas. Marcela Temer ressaltou a importância dos investimentos na atenção à primeira infância para garantir um futuro melhor para as crianças e convocou todas para atuarem mobilizando e explicando à sociedade a importância dos cuidados adequados com os pequenos desde o início da vida.

 

Primeira dama - Marcela Temer: Quando investimos na primeira infância estamos, na verdade, assegurando que as próximas gerações tenham um futuro melhor, o de justiça social, que tanto queremos, que tanto buscamos.

 

Repórter Rodrigo Saccone: O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, que coordena o programa, explicou durante palestra as razões científicas que demonstram que investir na primeira infância é uma das melhores formas de combater a pobreza e construir uma geração de pessoas menos violentas e mais bem preparadas para a vida.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Uma criança bem estimulada, bem cuidada vai ter um desenvolvimento humano muito melhor, sócio emocional, cognitivo. E uma criança que tiver dificuldades nesse início da vida vai ter o seu desenvolvimento muito prejudicado daí para frente.

 

Repórter Rodrigo Saccone: A prefeita do município de Pelotas, no Rio Grande do Sul, Paula Mascarenhas, também esteve no evento. O município já realiza um programa local de atenção à primeira infância. Para a prefeita, esta mobilização tem um efeito de ampliar o envolvimento da sociedade com a causa e potencializar os ganhos do Criança Feliz.

 

Prefeita do município de Pelotas - Paula Mascarenhas: Isso ficou muito claro para quem participou, né, o quanto é fundamental a gente estimular e desenvolver a primeira infância para o futuro, né, de toda uma nação.

 

Repórter Rodrigo Saccone: A meta do programa é acompanhar 4 milhões de crianças até 2018. Reportagem, Rodrigo Saccone.

 

Airton: Começou a funcionar hoje na Câmara dos Deputados a comissão especial que vai analisar a propostas de emenda à Constituição sobre a reforma da Previdência Social.

 

Gláucia: É, a comissão especial vai analisar o conteúdo da proposta de reforma.

 

Repórter Luana Karen: A presidência da comissão especial que vai discutir reforma da previdência ficou com o deputado federal Carlos Marun, do PMDB do Mato Grosso do Sul. Ele afirmou que pretende marcar reuniões da comissão pelo menos duas vezes por semana e ouvir todos os pontos de vista sobre o assunto.

 

Deputado federal - Carlos Marun: Para que a partir daí os deputados possam formar suas convicções e votarem em conformidade com elas.

 

Repórter Luana Karen: Já a relatoria ficou a cargo de Arthur Oliveira Maia, do PPS da Bahia. O relator pretende fazer nove audiências públicas e um seminário internacional para discutir o modelo de previdência em outros países. Para Arthur Oliveira Maia, é possível apresentar o parecer final na segunda quinzena de março.

 

Relator - Arthur Oliveira Maia: Você tem a oportunidade de com toda profundidade debater as variadas questões que fazem parte da PEC.

 

Repórter Luana Karen: Após a análise da comissão especial, a proposta deverá ser votada no Plenário da Câmara dos Deputados em dois turnos com intervalo de cinco sessões entre uma e outra votação. Vencida a etapa na Câmara, a proposta segue para análise do Senado Federal. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: 19h21 no horário brasileiro de verão.

 

Airton: E agora uma boa notícia para quem tem intolerância à lactose. Uma regra publicada hoje pela Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, vai exigir que os alimentos tenham mais informações nos rótulos.

 

Gláucia: Agora o mercado brasileiro vai ter três tipos de rotulagem: zero lactose, baixo teor de lactose e contém lactose.

 

Airton: O repórter Nei Pereira explica para você como vai ser a nova regra que começa a valer a partir de 2019.

 

Repórter Nei Pereira: Com a determinação, qualquer alimento com lactose em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão "contém lactose" em seu rótulo. Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão "baixo teor de lactose" nos casos em que a quantidade da substância for reduzida para valores entre cem miligramas e um grama por cem gramas do alimento pronto. Já com menos de cem miligramas por cem gramas do produto terão que trazer a inscrição "zero lactose". A medida cria um padrão e facilita a vida do consumidor. Na geladeira da professora Cida Monteiro, moradora de Brasília, só entra produto sem lactose. Quase todos da família da educadora são intolerantes à substância. Comprar as mercadorias no supermercado não é uma tarefa tão fácil para ela.

 

Professora - Cida Monteiro: Você chega no mercado, para você descobrir, porque classifica como está aqui "zero lactose", alguns produtos têm, outros não têm, você tem que ler os ingredientes para ver se ele contém lactose. Vai facilitar muito a vida da gente.

 

Repórter Nei Pereira: A lactose é o principal açúcar presente no leite e é encontrada em produtos alimentícios lácteos como iogurte, queijo, leite condensado e seus derivados. Para as pessoas intolerantes a essa substância, consumir os produtos é um transtorno para a saúde, como explica a médica especialista em alergia e imunologia, Márcia Guidatti.

 

Médica especialista em alergia e imunologia - Márcia Guidatti: Geralmente os pacientes apresentam então uma dor na barriga, às vezes a barriga se distende, enche de gases. Tem paciente que tem diarreia, às vezes náuseas, vômitos e até prisão de ventre, devido a intolerância à lactose.

 

Repórter Nei Pereira: Os fabricantes terão dois anos para se adaptar às novas regras. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gláucia: Os juros do cartão de crédito e do cheque especial caíram no mês de janeiro em comparação com o mês de dezembro de 2016.

 

Airton: No cartão de crédito a taxa caiu de 453% ao ano para 441%.

 

Gláucia: É, já os juros do cheque especial passaram de 314% ao ano para 309%.

 

Airton: É, os dados são da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade e refletem os três cortes de taxa básica de juros promovidos pelo Banco Central desde o ano passado.

 

Gláucia: Essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Airton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional e tenha uma boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã.