9 de novembro de 2018 - Poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Domingo é dia de mais uma prova do Enem. E a gente traz dicas para os estudantes ficarem ligados em cada questão na hora do exame. Produtores de gado de quase todos os estados do país devem ficar atentos. É que neste mês tem a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa. Boi Caprichoso e boi Garantido. Boi Bumbá de Parintins, no Amazonas, é agora Patrimônio Cultural do Brasil.

audio/mpeg 09-11-18-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46833 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.




"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".




Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.




Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.




Gabriela: Sexta-feira, 9 de novembro de 2018.




Nasi: E vamos ao destaque do dia. Domingo é dia de mais uma prova do Enem. Nei Pereira.




Repórter Nei Pereira: No segundo dia de prova provas do Enem, os candidatos vão resolver as questões de ciências da natureza e suas tecnologias, que envolvem matérias de química, física e biologia, além de matemática e suas tecnologias.




Gabriela: E a gente traz dicas pros estudos antes ficarem ligados em cada questão na hora da prova.




Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.




Gabriela: Produtores de gado de quase todos os estados do país devem ficar atentos.




Nasi: É que neste mês tem a segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa.




Gabriela: Boi Caprichoso e Boi garantido.




Nasi: Boi-Bumbá de Parintins, no Amazonas, é agora patrimônio cultural do Brasil.




Gabriela: Hoje, na apresentação da voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.




Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .




Gabriela: Domingo é dia de mais 4 milhões de candidatos participarem do segundo dia de provas do Enem.




Nasi: Os candidatos vão fazer provas de ciências de natureza e suas tecnologias, com questões de química, física e biologia, além de matemática e suas tecnologias.




Gabriela: O repórter Nei Pereira foi a um cursinho ver de perto como os estudantes estão se preparando nessa etapa final.




Repórter Nei Pereira: No último dia da aula, antes da segunda prova do Enem, os alunos do terceiro ano do ensino médio de uma escola de Brasília passaram por em reforço na disciplina de física. Na turma, quase todo mundo vai fazer o Exame Nacional do Ensino Médio no próximo. Uma das estratégias da estudante Gabriela Rodrigues para se preparar melhor é resolver o caderno do exame do ano passado e fazer revisões.




Estudante - Gabriela Rodrigues: Eu tenho focado no que eu realmente tenho dificuldade desde o primeiro ano, e tudo que eu já estudei no terceiro ano, por exemplo, eu não estou focando tanto, porque eu revisei muito.




Repórter Nei Pereira: Os participantes vão ter cinco horas para responder as 90 questões. E para conseguir uma boa nota é preciso estar atento aos enunciados de cada questão, como lembra o professor de física Vinícius Cambraia.




Professor de física - Vinícius Cambraia: Sempre ficar atento ao comando, né? Porque às vezes o texto, ele é muito longo, mas o desenvolvimento é curto, então, ficar atento ao que ele está pedindo.




Repórter Nei Pereira: Os participantes precisam levar um documento com foto e caneta preta de material transparente, há também regras para quem deseja levar o caderno de provas para cá casa, como explica Eunice Santos, diretora de Planejamento do Inep, o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.




Diretora de planejamento do Inep - Eunice: Apenas os participantes que deixam a sala terminando 30 minutos para o término da prova poderão levar o caderno de questões.




Repórter Nei Pereira: E quando o assunto é segurança, o Enem deste domingo terá reforço na fiscalização para evitar fraudes. O Centro Integrado de Comando e Controle, em Brasília, concentra todas as ações. São mais de 30 mil policiais envolvidos no transporte das provas e segurança dos estudantes. Os locais de prova contam ainda com detectores de pontos eletrônicos. A equipe também está atenta à divulgação de notícias falsas relacionadas ao Enem, como conta Wellington Clay Silva, diretor de operações da Senasp, a Secretaria Nacional de Segurança Pública.




Diretor de operações da Senasp - Wellington Clay Silva: Caso seja identificada alguma 'fake news', são duas ações imediatas, a primeira, através da comunicação social do Inep, desmentir a 'fake news', e a segunda, que é a repressão, encaminhar a notícia crime à Polícia Federal, a quem compete a investigação, nesse caso.




Repórter Nei Pereira: Segurança garantida e candidatos preparados, o mais importante é chegar cedo para não perder a prova. A recomendação é da estudante Maria Fernanda Franco.




Estudante - Maria Fernanda Franco: Chegar mais cedo antes do portão fechar, chegar tipo meia hora antes, uma hora antes, é o indicado.




Repórter Nei Pereira: O exame é a porta de entrada para o ensino superior por meio do Sisu, o Sistema de Seleção Unificada, que seleciona candidatos para instituições públicas, ou do Programa Universidade para Todos, o Prouni, que oferece bolsas em faculdades particulares. Reportagem, Nei Pereira.




Nasi: E para dar mais dicas nessa reta final antes da prova, a repórter Bruna Saniele conversou com o gerente de conteúdo da TV Escola, do Ministério da Educação, Walmir Cardoso, vamos ouvir.




Repórter Bruna Saniele: Queria perguntar para o Valmir o que as pessoas podem esperar aí, da prova desse domingo?




Gerente de conteúdo da TV Escola - Walmir Cardoso: É uma prova bastante importante dentro do exame como um todo, e essa é a segunda etapa do exame. Eu acho que os estudantes devem ler com calma a prova, entender como que os conteúdos vão conversar entre si, entender determinados momentos de interdisciplinaridade entre cada um dos conteúdos curriculares e fazer com calma. É isso. Basicamente eu diria: Faça com calma, com tranquilidade e use bem o seu tempo e o conteúdo que você já estudou.




Repórter Bruna Saniele: Como que essas pessoas podem controlar o tempo aí, da prova? São cinco horas nesse domingo, é isso?




Gerente de conteúdo da TV Escola - Walmir Cardoso: É. O tempo na prova é um dos piores algozes. Em outras palavras, as pessoas olham para o tempo e fica desesperadas, elas ficam pensando: Eu tenho três minutos para resolver cada questão, então, tenho que resolver muito rapidamente. Está lendo a questão, já leu, tentou resolver não conseguiu, pode deixar para resolver mais para a frente, porque o cérebro fica, muitas vezes, com aquela questão, depois, quando você voltar, às vezes a solução aparece. Então, faça primeiro as questões que você considerar mais fáceis, depois as médias e depois as difíceis.




Repórter Bruna Saniele: E na véspera da prova, no sábado, o que os estudantes devem fazer? É descansar ou dar um revisão final?




Gerente de conteúdo da TV Escola - Walmir Cardoso: É. Normalmente a pessoa deve descansar, porque a gente precisa desse tempo até mesmo para preparação de prova e para a prova. Mas, algumas pessoas ficam ansiosas. Então, eu diria que aquela última olhadinha vai dar um conforto psicológico para a pessoa. Se ela se sentir bem assim, dê uma olhadinha, mas, não estude demais nesse momento. Aquilo que você já estudou até agora é suficiente para você fazer uma prova com qualidade.




Repórter Bruna Saniele: E o que a TV Escola preparou aí para depois da prova, no domingo, sair, o que eles vão poder assistir?




Gerente de conteúdo da TV Escola - Walmir Cardoso: Depois a prova a gente trabalha também os conteúdos de cada uma das disciplinas. Então, segunda, terça e quarta-feira teremos programas de matemática, física, química e biologia para trabalharmos os conteúdos dessa prova especificamente.




Repórter Bruna Saniele: Muito obrigada pela entrevista. E nós conversamos aqui, na Voz do Brasil, com Walmir Cardoso, gerente de conteúdo da TV Escola, do Ministério da Educação.




Gabriela: E uma última dica. Com o horário de verão, que começou no último fim de semana, a abertura e o fechamento dos portões ocorre em quatro horários diferentes em todo o país.




Nasi: A 1h hora da tarde, as portas fecham no Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.




Gabriela: No Amapá, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, o fechamento é ao meio-dia, seguindo o horário local.




Nasi: Nos estados do Amazonas, Rondônia e Roraima, o fechamento é as 11h, seguindo o horário local.




Gabriela: No Acre, os portões serão abertos às 9h da manhã e fechados às 10h, também pelo horário local.




Nasi: E todos os candidatos do Enem têm acesso à página do participante.




Gabriela: A página não é importante apenas para acessar o cartão de confirmação com dados, como local e horário de prova, mas também, para depois do exame, conferir o resultado individual e o espelho da redação.




Nasi: E se o estudante perder a senha de acesso da página? Esta é a pergunta da Rafaela Ferreira, do quadro Minuto Enem de hoje.




Gabriela: A resposta é da diretora de avaliação e educação básica do Inep, Luana Soares.




"Minuto Enem".




Candidata - Rafaela Ferreira: Perdi a senha de acesso do Enem, e agora, o que eu faço?




Diretora de avaliação básica do Inep - Luana Soares: Não se preocupe, pessoal. Se você perdeu a sua senha, vá até à página do participante, no portal do Inep, e verifique o link 'esqueci a minha senha'. Depois de você clicar nesse link é necessário que você digite o e-mail com que você se cadastrou no momento da inscrição, no mês de maio, lembra? Depois disso, vai receber, na sua caixa de e-mail, uma nova senha. Com essa nova senha você vai acessar novamente a página do participante e ter acesso a todas as facilidades que lá estão.




"Minuto Enem".




Nasi: O Brasil possui o maior rebanho de gado comercial do mundo, com quase 218 milhões de cabeças.




Gabriela: E não é por acaso que somos os maiores exportadores de carne do mundo.




Nasi: E garantir esse rebanho seguro é muito importante.




Gabriela: Por isso segue, até o fim do mês, a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa.




Nasi: Nessa fase devem ser imunizados os bovinos e búfalos com até dois anos de idade.




Gabriela: Vacinar o rebanho significa garantir a sanidade dos nossos animais e evitar prejuízo à economia do país, principalmente nas exportações.




Repórter Luciana Collares de Holanda: O produtor rural José de Oliveira Cardoso, de Brasília, cria gado para produção de leite. O pequeno produtor vai imunizar pouco mais de 20 animais com contra a febre Aftosa, doença altamente contagiosa para os rebanhos.




Produtor rural - José de Oliveira Cardoso: Nós obedecemos a todos os critérios corretos. Nós estamos livres dessa maldita doença. Nós estamos com o rebanho devidamente vacinado, é menos problema, é menos dinheiro que nós vamos gastar.




Repórter Luciana Collares de Holanda: Em maio, na primeira etapa, foram vacinados cerca de 200 milhões de animais de todas as idades. Agora, serão os bovinos e búfalos de até 24 meses de idade, uma estimativa de 100 milhões de animais. Diego Viale, da divisão de febre aftosa do Ministério da Agricultura, fala sobre a importância de manter o país livre da doença.




Responsável pela Divisão de Febre Aftosa - Diego Viale: A febre aftosa é uma doença viral, extremamente contagiosa para os animais, não para humanos, e ela causa perdas, principalmente de produtividade nos animais, que têm uma perda de peso, perda de produção, e é uma considerada mundialmente a que mais afeta o mercado internacional. Então, países que possuem essa doença, como diversos outros países que não a tem, não aceitam comprar produtos que são oriundos desses países.




Repórter Luciana Collares de Holanda: A Organização Mundial de Saúde Animal considera o Brasil livre da doença pela vacinação. E as autoridades sanitárias querem dar um passo adiante. O Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, criado em 2017, prevê a retirada completa da vacinação, como detalha Diego Viale, responsável pela Divisão de Febre Aftosa do Ministério da Agricultura.




Responsável pela Divisão de Febre Aftosa - Diego Viale: Nós esperamos começar já, a partir do ano que vem, a retirada gradual em alguns estados que já estão dentro deste plano, a previsão. E esperamos completar esse ciclo no Brasil inteiro em 2021. Para que, em 2023, a gente possa ter o reconhecimento internacional como país livre da doença sem a vacinação, que é o melhor status no mercado internacional.




Repórter Luciana Collares de Holanda: Na hora de comprar as vacinas, alguns cuidados são fundamentais, como comprar somente em lojas registradas, verificar a temperatura ideal, que é a gelada, escolher a melhor hora para a aplicação, que é a mais fresca de dia, usar a dosagem correta para cada animal, aplicar no local correto no animal e preencher a declaração de vacinação, que deve ser entregue no serviço veterinário oficial local. Reportagem, Luciana Collares de Holanda.




Nasi: O Brasil deve fechar este ano com a criação de mais de 1 milhão de empregos com carteira assinada.




Gabriela: É o que afirmou o presidente Michel Temer durante um evento da Associação Brasileira de Supermercados, em São Paulo, ontem à noite.




Nasi: Temer lembrou de medidas tomadas pelo seu governo para o setor, como a que permite o funcionamento de supermercados aos domingos e feriados.




Gabriela: Para o presidente, a parceria do governo com a iniciativa privada incentiva a geração de empregos não só nos supermercados, mas em todo o país.




Presidente Michel Temer: Cada mês que passa aumenta o número de carteiras assinadas, nesse mês passado foram 137 mil carteiras, então, quando eu verifico que nós vamos chegar ao final do ano com mais de 1 milhão de carteiras assinadas, quando eu verifico que nós vamos chegar com mais de 2,2 milhões postos de trabalho, posto de trabalho significa o seguinte: gente que estava paralisada porque a economia estava fragilizada e começou a instalar um pequeno negócio, uma pequena atividade. Então, o Brasil está tomando forma, novamente, e isto se deve, meus amigos, minhas amigas, à parceria que nós, do governo, fizemos com a iniciativa privada.




Nasi: Boi Caprichoso ou Boi Garantido?




Gabriela: Na rivalidade do Festival do Boi-Bumbá de Parintins, a grande vencedora é a cultura nacional.




Nasi: Você vai ouvir ainda nesta edição todos os detalhes do reconhecimento dessa manifestação como patrimônio cultural do Brasil.




Gabriela: Hoje mais 42 venezuelanos deixaram Boa Vista, capital de Roraima, em mais uma etapa do processo de transferência para os outros estados.




Nasi: Eles foram enviados para Pernambuco, Paraíba e Distrito Federal.




Gabriela: A chamada interiorização é uma oportunidade para os imigrantes recomeçarem a vida em outras cidades.




Nasi: Ontem, um grupo de 30 imigrantes foi transferido para os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.




Gabriela: Desde abril, o processo de interiorização já levou cerca de 3 mil venezuelanos para outros estados.




Nasi: Todos que viajam com ajuda do governo participam voluntariamente do processo.

 

Gabriela: Eles recebem informações sobre as cidades de destino, são vacinados e recebem documentos, como carteira de trabalho e CPF.




Nasi: Alertar a população para reduzir a perda e o desperdício de alimentos.




Gabriela: Para isso, o Ministério do Meio Ambiente, com apoio do Ministério do Desenvolvimento Social, promove até amanhã uma semana nacional com atividades para que todos aproveitem melhor os alimentos, evitando que eles parem no lixo.




Nasi: E uma das ações do governo para evitar o desperdício é o investimento na criação e manutenção de bancos de alimentos.




Gabriela: E esses locais aproveitam alimentos que estão em boas condições de consumo, mas que não servem mais para a venda e que seriam jogados fora.




Nasi: No Brasil, mais de 200 bancos recebem frutas e verduras, selecionam e distribuem para instituições que atendem famílias de baixa renda.




Repórter André Luiz Gomes: Em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o Banco Municipal de Alimentos Herbert de Souza vem garantindo uma alimentação mais saudável e de qualidade para os cidadãos, a unidade atende pouco mais de 3,5 mil pessoas em situação de insegurança alimentar em 23 entidades do município e da região. Por mês, cerca de 8 toneladas saem da unidade diretamente para as entidades socioassistenciais cadastradas nos Conselhos Municipais de Assistência Social e de Segurança Alimentar e Nutricional. Os doadores são redes de supermercados da cidade. Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos de Niterói, Alexandre Costa, o trabalho tem um impacto considerável no funcionamento das entidades.




Secretário de Assistência Social e Direitos Humanos de Niterói - Alexandre Costa: A gente tem algumas instituições que são creches privadas, comunitárias e eles conseguem atender a mais crianças com essa atuação de banco de alimentos. Eu acho que é primordial a atuação de banco de alimentos, em dois sentidos, a gente está alertando e a gente faz campanhas contra a questão do desperdício de alimentos quanto para atendimento dessas pessoas menos favorecidas, porque eles conseguem estar fazendo uma alimentação mais saudável.




Repórter André Luiz Gomes: Em Niterói, além da doação, o banco oferece cursos de educação alimentar e nutricional e de aproveitamento integral dos alimentos, em todo o Brasil, são 208 unidades públicas e privadas que auxiliam na alimentação de beneficiários de aproximadamente 14 mil entidades socioassistenciais. Para a diretora de Estruturação e Integração dos Sistemas Públicos Agroalimentares do Ministério do Desenvolvimento Social, Patrícia Gentil, os bancos de alimentos permitem a entrega de alimentos que seriam desperdiçados a grupos mais vulneráveis da população.




Diretora de Estruturação e Integração dos Sistemas Públicos Agroalimentares - Patrícia Gentil: Esse é um tema que a gente precisa atuar no processo produtivo dos alimentos, mas também a gente tem que atuar sobre a forma de utilização dos alimentos das famílias, porque o desperdício também acontece dentro de casa, né? Então você tem uma agenda que engloba toda a população, então, tem que ter uma ação educativa também para as pessoas se conscientizarem com o tema.




Repórter André Luiz Gomes: Os bancos de alimentos são uma das principais ferramentas para combater a perda e o desperdício de alimentos no Brasil. A implantação dessas unidades é apoiada pelo Ministério do Desenvolvimento Social, que já repassou R$ 12 milhões nos últimos dois anos para implantação e melhoria de bancos em 28 municípios. Reportagem, André Luiz Gomes.




Gabriela: Policiais do Brasil vão poder continuar a perseguir e fazer buscas por criminosos em outros países do Mercosul.




Nasi: E a medida também vai valer para as polícias dos outros países do bloco que entrarem no Brasil.




Gabriela: A proposta do governo brasileiro foi aprovada hoje na reunião de ministros de Interior e Segurança do Mercosul, realizada em Montevideo, no Uruguai.




Nasi: Segundo o ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, a atuação em outros países é necessária porque o crime organizado atua além das fronteiras.




Ministro de Segurança Pública - Raul Jungmann: O grande crime das facções, que são aproximadamente 70 no Brasil, essas facções, elas são internacionais nessa altura, elas estão presentes no Brasil e no exterior, então, não há combater essas facções de crime organizado só no Brasil, porque ao mesmo tempo se encontram em outros países, no Paraguai, na Bolívia, na Argentina e vice-versa eles também têm criminosos que estão no Brasil. Por isso, é preciso integrar os países.




Gabriela: Antes de entrar em vigor, o acordo de cooperação deve ser formalizado na próxima reunião do conselho de ministros de Interior e Segurança do Mercosul, que vai ser realizada na Argentina, no ano que vem.




Nasi: Mais de R$ 4 bilhões foram recuperados para o FGTS entre janeiro e setembro deste ano.




Gabriela: O valor é resultado de autuações realizadas pela fiscalização do Ministério do Trabalho e é 19% maior do que o alcançado no mesmo período do ano passado.




Nasi: Para o auditor fiscal do Ministério do Trabalho, Jefferson Toledo, a melhoria no sistema de fiscalização ajudou a chegar a esse resultado, que tem como objetivo beneficiar toda a população.




Auditor fiscal do Ministério do Trabalho - Jefferson Toledo: A gente trabalha, a gente audita as empresas com foco na melhoria do Fundo de Garantia, para recolher esses valores, para fazer com que o fundo, ele seja recuperado, esses valores sejam recuperados ao fundo e de forma que a população seja beneficiada, tanto os trabalhadores que têm direito a esses valores do fundo quanto a população em geral, porque os valores de FGTS, eles são utilizados para compor obras de saneamento básico, de infraestrutura urbana e de habitação popular. Então, o objetivo, o foco principal da fiscalização é recuperar esses valores para o FGTS.




Gabriela: Boi-Bumbá de Parintins e marabaixo, expressões culturais das Regiões Norte e Nordeste.




Nasi: E que agora foram reconhecidas como patrimônio cultural do Brasil.




Gabriela: E o título também foi concedido a uma herança dos povos amazônicos no Acre, um geoglifo, aquelas grandes figuras feitas no solo, em um sítio arqueológico na capital Rio Branco.




Repórter Graziela Mendonça: De um lado, o azul vibrante do Boi Caprichoso.




"Vou saudar o pavilhão azul do meu Bumbá".




Repórter: Do outro, o vermelho vivo do Boi Garantido.




"Boi Garantido é o mais querido da baixa do São José".

 

Repórter Graziela Mendonça: É nessa explosão de cores e sons que acontece todos os anos o Festival Folclórico de Parintins no Amazonas. O evento acontece no final do mês de junho e celebra o Boi Bumbá, uma manifestação cultural típica da região, são três dias de competição no Bumbódromo, onde cada boi se apresenta com muita dança, música e teatro. Erick Nakanomi é presidente do Conselho de Artes do Boi Caprichoso e conta que essa paixão vem desde o berço.




Presidente do Conselho de Artes do Boi Caprichoso - Erick Nakanomi: Quando eu nasci, minha roupa foi tecida pela minha mãe, de crochê, nas cores azul e branco do Boi Caprichoso e cresci no meio da comunidade.




Repórter Graziela Mendonça: No Boi Garantido, a paixão da torcida também é grande e a preparação dura o ano todo. O coordenador musical do grupo, Alder Oliveira, conta que acompanha o Garantido desde criança e que o boi é motivo de orgulho para a região.




Coordenador musical do Boi Garantido - Alder Oliveira: Eu sou torcedor do Garantido desde a minha infância, é um orgulho, não só para Parintins, mas para todos, a família do Norte, é uma identidade cultural que nós não tínhamos e acabou se tendo depois do Festival de Parintins.




Repórter Graziela Mendonça: E a manifestação cultural do Boi-Bumbá acabo de ganhar um reconhecimento nacional, o título de patrimônio cultural do Brasil, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional, o Iphan. O diretor de Patrimônio Material do instituto, Andrey Rosenthal, explica o que significa esse reconhecimento.




Diretor de Patrimônio Material do Iphan - Andrey Rosenthal: É o destaque que se dá para esses bens, em função da sua importância e de serem cada um desses bens, certamente, referências culturais para determinados grupos sociais, ou seja, o Iphan passa a articular uma série de eventos e questões para exatamente apoiar esse bem.




Repórter Graziela Mendonça: Outra manifestação que se tornou patrimônio cultural foi o marabaixo, dança típica do Amapá que celebra a cultura africana.




"Quem ouvir o meu cantar,

Um pouco me conheceu.

Vou levar no coração

A fulô que tu me deu".

 

Repórter Graziela Mendonça: Patrícia Costa faz parte do Quilombo Alto Pirativa no Amapá e já dança o marabaixo há mais de 15 anos. Ela conta que esse reconhecimento é importante para as comunidades negras do estado.




Representante do Quilombo Alto Pirativa - Patrícia Costa: Ter mais valorização, que só nós, negros, só nós, quilombolas, sabemos que é essa reflexão para a gente passar para as novas gerações.




Repórter Graziela Mendonça: O Iphan também reconheceu como patrimônio cultural do Brasil um geoglifo que fica no sítio arqueológico Jacó Sá, em Rio Branco no Acre. Os geoglifos são grandes figuras feitas no solo e são considerados uma herança cultural dos antigos povos amazônicos. Reportagem, Graziela Mendonça.




Nasi: Para reforçar o combate à malária na Região Amazônica o Ministério da Saúde vai entregar 300 mil mosquiteiros com inseticida.




Gabriela: A ação vai atender de forma emergencial quase 365 mil pessoas de 34 municípios nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima.




Nasi: Essas cidades concentram cerca de 80% dos casos de malária no país.

 

Gabriela: De janeiro a setembro deste ano já foram registrados mais de 144 mil casos de malária na Região Amazônica.




Nasi: E essas foram as notícias do governo federal.




Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.




Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.




Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e um bom fim de semana.




Nasi: Boa noite para você e até segunda.




"Brasil, ordem e progresso".