10/04/17 - A Voz do Brasil

Inscrições para o Enem começam no dia 8 de maio. Equipe econômica do governo participa de debate sobre a reforma da previdência social. Agências da Caixa Econômica Federal abrem mais cedo na segunda, terça e quarta-feira para saques de contas inativas do FGTS.

audio/mpeg 10 04 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23424 KB




Transcrição

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Airton: Boa noite.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: Segunda-feira, 10 de abril de 2017.

 

Gláucia: E vamos a destaque do dia: saiu o edital da Enem, inscrições começam no dia 8 de maio.

 

Airton: E nesse ano tem novidades na aplicação das provas. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: A prova vai ser realizada em dois domingos e os participantes vão receber este ano uma prova personalizada com nome e número de inscrição para evitar fraudes.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Airton: Organização Mundial de Saúde aprova ações do Brasil de combate à febre amarela. Ao vivo, dos Estados Unidos. Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): O ministro da Saúde anunciou hoje aqui em Washington o aumento da produção de vacinas contra a febre amarela. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Gláucia: Saque do FGTS: agências da Caixa abrem mais cedo para atender nascidos em março, abril e maio.

 

Airton: E ministros reforçam necessidade de aprovação da reforma da previdência para garantir pagamento das aposentadorias. Natália Melo.

 

Repórter Natália Melo: O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou que a aprovação da reforma vai trazer mais confiança para a retomada do crescimento econômico do país e a criação de empregos.

 

Gláucia: Na voz de Brasil de hoje, apresentação com Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: E para assistir a gente ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Atenção estudantes, saiu hoje o edital com as regras do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem 2017.

Airton: As provas deste ano vão ser feitas em dois domingos e a partir de agora os cadernos vão ter o nome do aluno para evitar fraudes.

 

Gláucia: A expectativa é que mais de 7 milhões de alunos se inscrevam para o exame.

 

Airton: As inscrições começam em menos de um mês, no dia 8 metro maio.

 

Repórter Gabriela Noronha: As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio, Enem 2017, começam no dia 8 de maio e ficam abertas até o dia 19. A taxa de inscrição custa R$82. Todas as regras estão no edital do exame, publicado nesta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estudos E Pesquisas Educacionais Anízio Teixeira, o Inep. A presidente do instituto, Maria Inês Fini, explica que a correção do valor levou em conta a avaliação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA e ressalta que a maioria das estudantes é isento da taxa.

 

Presidente do instituto - Maria Inês Fini: Um terço dos participantes é que recolhem a taxa de inscrição e os demais são subsidiados pelo MEC. Tem direito à isenção todos os estudantes concluintes de escola pública do Ensino Médio em 2017. Também participantes carentes já declarados com o CAD Único.

 

Repórter Gabriela Noronha: A nova edição trouxe mudanças, pela primeira vez o Enem vai ser realizado em dois domingos consecutivos nos dias 5 e 12 de novembro. Os participantes vão receber este ano uma prova personalizada com nome e número de inscrição. Para o estudante Sebastião Gilberto Mota, as mudanças não assustam e a preparação já está a todo vapor.

 

Estudante - Sebastião Gilberto Mota: Eu começo um dia a estudar a matéria do dia, termino e faço exercício de revisão.

 

Repórter Gabriela Noronha: A estudante Ana Caroline Constantine, de 17 anos, já aprendeu a primeira das grandes lições, que uma boa nota pode garantir a tão sonhada vaga na universidade.

 

Estudante - Ana Caroline Constantine: Independente do curso é bom tirar uma boa nota porque você pode escolher as universidades que você quiser.

 

Repórter Gabriela Noronha: A vice-diretor de uma escola de Brasília, Euclides Chacon, dá dicas para quem está se preparando.

 

Vice-diretor de uma escola de Brasília - Euclides Chacon: O aluno tem que fazer, no mínimo, duas redações por semana, treinar a tipo de prova do Enem, tem que fazer leituras extras, tem que criar argumentação.

 

Repórter Gabriela Noronha: As notas obtidas pelo estudante podem ser usadas em processos seletivos para vagas nas universidades públicas, para bolsas de estudo em faculdades particulares e para financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gláucia: Os trabalhadores que têm direito a sacar o dinheiro de contas inativas do FGTS têm uma facilidade essa semana.

 

Airton: Assim como foi hoje, as agências da Caixa Econômica abrem duas horas mais cedo amanhã e quarta-feira.

 

Gláucia: A saque segue um calendário e agora é a vez de quem nasceu nos meses de março, abril e maio.

 

Airton: Essa segunda fase dos saques começou no último sábado, quando mais de 2 mil agências foram abertas para atender ao público. A repórter Beatriz Amiden foi lá conferir quem tirou uma horinha no fim de semana para sacar o benefício.

 

Repórter Beatriz Amiden: Sábado, 10h, e a agência da Caixa Econômica que a gente visitou em Brasília já estava lotada e junto com essas pessoas que vieram sacar o dinheiro das contas inativas do FGTS sonha-se muitos, muitos projetos.

 

Entrevistada: Eu quero dar entrada na minha carteira de motorista, né? E quem sabe, o que sobrar dar uma entrada num carro, né?

 

Entrevistado: Mas ajuda. Ajuda, sim, com certeza. Muito bom.

 

Repórter Beatriz Amiden: É que começou o pagamento para quase 8 milhões de trabalhadores nascidos nos meses de março, abril e maio. A expectativa é que o valor a ser pago nessa segunda fase passe dos 11 bilhões de reais. O vice-presidente de tecnologia da Caixa, José Eirado, visitou a agência em Brasília e afirmou que nessa etapa o número de trabalhadores que serão atendidos é 60% maior do que da primeira fase. Ele disse que a Caixa está preparada para atender todos os trabalhadores e que as pessoas não precisam ter pressa.

 

Vice-presidente de tecnologia da Caixa - José Eirado: O movimento é maior porque ele abrange três meses, né, de data de nascimento. A caixa está preparada. Então, não precisa ficar agitado, desesperado, pode vir com tranquilidade, o dinheiro está aqui.

 

Repórter Beatriz Amiden: E com o dinheirinho que a enfermeira Karine Kelly sacou o desejo da pequena Ana Luísa, de dez anos, agora vai poder ser realizado.

 

Enfermeira - Karine Kelly: Vamos sanar algumas dívidas e aquilo que sobrar eu vou gastar com ela, que ela já me cobrou.

 

Repórter Beatriz Amiden: E aí, o que é que você quer que a sua mãe dê para você.

 

Entrevistada - Ana Luiza: Quero que ela cumpre o meu uniforme.

 

Repórter Beatriz Amiden: As agências da Caixa vão abrir duas horas mais cedo nesta segunda, terça e quarta-feira para atender os trabalhadores. O repórter Paulo La Salvia acompanhou o movimento numa agência em Brasília e traz mais informações sobre o saque do FGTS.

 

Repórter Paulo La Salvia: Este período ampliado de atendimento das agências da Caixa Econômica Federal vai beneficiar trabalhadores como o Gustavo Tavares, que com 22 anos trabalha como assessor parlamentar no Congresso. Este é o atual emprego dele, mas há cinco anos Gustavo foi estagiário como menor aprendiz dos Correios em Brasília e tem um saldo de R$100,00 numa conta inativa do FGTS, dinheiro que ele já sabe como utilizar.

 

Assessor parlamentar - Gustavo Tavares: Na verdade, não tinha nada previsto, né, para usar esse dinheiro, mas como é o meu aniversário, talvez eu compre alguma coisa com esse dinheiro.

 

Repórter Paulo La Salvia: O motorista de ônibus, também de Brasília, Walter Oliveira, não esconde a alegria.

 

Motorista de ônibus de Brasília - Walter Oliveira: Só felicidade. Só alegria. Dormir mais tranquilo, né, sem conta para pagar... quer dizer, sem conta atrasada, tudo paga. Melhor é impossível.

 

Repórter Paulo La Salvia: Walter tinha cinco contas inativas na Caixa da época em que trabalhou em outras empresas de transporte coletivo de ônibus na capital do país. Tudo somado, o saque rendeu R$4.300,00.

 

Motorista de ônibus de Brasília - Walter Oliveira: Eu vou pagar as contas, né? Colocar as contas em dia e se sobrar um pouco eu vou economizar, né, colocar na... fazer uma poupança.

 

Repórter Paulo La Salvia: E no caso de a pessoa ter conta inativa, mas a empresa não ter depositado os valores, a Caixa passa uma orientação segundo a superintendente da Caixa Econômica Federal, no Distrito Federal, Tereza Cristina Teixeira de Freitas.

 

Superintendente da Caixa Econômica Federal no DF - Tereza Cristina Teixeira de Freitas: O ideal é que ela procure primeiramente a empresa para saber o motivo do não depósito, caso não tenha sucesso nesse contato, que ela procure o sindicato ou a Delegacia Regional do Trabalho.

 

Repórter Paulo La Salvia: O calendário de saques das contas inativas do FGTS segue no mês que vem quando os beneficiários vão ser aqueles que nasceram nos meses de junho, julho e agosto. Em junho poderão realizar os saques quem nasceu em setembro, outubro e novembro. E já para quem nasceu em dezembro o dinheiro estará liberado em julho. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gláucia: O governo gasta mais da metade do orçamento de todo o ano para pagar a aposentadorias, pensões e outros benefícios da previdência.

 

Airton: Como o que é arrecadado com contribuições e impostos previdenciários não é suficiente, o governo tem que tirar dinheiro de outras áreas para pagar esses benefícios.

 

Gláucia: Resultado: o país deixa de ter investimentos como a construção de mais hospitais, creches, conjuntos habitacionais.

 

Airton: É, e esse foi um dos argumentos apresentados por integrantes do governo para justificar a aprovação da reforma da previdência.

 

Gláucia: A proposta de reforma foi tema de debate promovido hoje por um jornal no Rio de Janeiro.

 

Repórter Natália Melo: No debate que reuniu representantes do governo e economistas, o alerta foi unânime: sem uma reforma na previdência, as contas públicas vão ficar insustentáveis. Atualmente mais da metade do orçamento do governo é destinado para o pagamento de aposentadorias e demais benefícios da previdência. São R$700 bilhões de reais por ano, cerca de sete vezes mais que o que se investe na saúde, por exemplo. O ministro da fazenda, Henrique Meirelles, explicou que além de garantir o pagamento dos benefícios no futuro, a aprovação da reforma vai trazer mais confiança a empresários e investidores, o que é fundamental para a retomada do crescimento econômico do país e a criação de empregos.

 

Ministro da fazenda - Henrique Meirelles: É importante, sim, que aprovemos a reforma o mais rápido possível, de maneira que as expectativas já continuem melhorando, já estão melhorando, a confiança continua melhorando e a economia, de fato, possa crescer em 2017, como já está dando sinais de acontecer e já alguns itens, já temos aí alguns dados importantes a esse respeito.

 

Repórter Natália Melo: Diogo Oliveira, ministro do Planejamento Orçamento e Gestão, falou sobre as alterações na proposta de reforma anunciada na semana passada para atender à população menos favorecida. O ministro defendeu o diálogo com o Congresso, que analisa a proposta para aperfeiçoar temas como regras de transição, pensões, aposentadoria de trabalhadores rurais, benefício de prestação continuada e aposentadoria especial para professores e policiais.

 

Ministro do Planejamento Orçamento e Gestão - Diogo Oliveira: O mais importante hoje é nós criamos o diálogo, o espaço de discussão e as adaptações necessárias na proposta para que tornem ela viável de ser aprovada e para que isso gere os impactos que o país precisa para tornar, não só a previdência sustentável, como garantir os benefícios, garantir que as pessoas que se aposentam receberão seus recursos, garantir que haja uma justiça na previdência. Esse é o ponto principal dessa reforma, é colocar a mesma regra para servidores, para políticos, para pessoas do setor privado.

 

Repórter Natália Melo: A reforma da previdência, prevê que os trabalhadores terão que contribuir por 25 anos para se aposentar e a idade mínima vai ser de 65 anos, tanto para homens, quanto para mulheres, pessoas que vão se aposentar vão passar por regras de transição. O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, explicou que a reforma respeita os direitos adquiridos.

 

Secretário da Previdência - Marcelo Caetano: Todo mundo que já está aposentado ou aquelas pessoas, né, que ainda que não estejam aposentadas, que já completaram as condições de acesso ao benefício, para essas pessoas nada se altera.

 

Repórter Natália Melo: O debate contou ainda com a participação da Firjan, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro. Guilherme Mercês, economista-chefe da unidade, explicou que as reformas adotadas pelo governo para equilibrar as contas públicas estão recuperando a economia do país.

 

Economista-chefe da unidade - Guilherme Mercês: Por que é que tudo isso melhorou? A confiança melhorou? A percussão quanto ao Brasil melhorou? A inflação tem dado sinais de queda e permitido ao Banco Central descer os juros? Porque, de fato, a gente identificou qual era o maior problema do Brasil e está atacando ele. Qual é o maior problema do Brasil hoje? O principal objetivo de política econômica do governo? Evitar que a dívida pública ganhe uma trajetória insustentável.

 

Repórter Natália Melo: O relator da comissão que analisa a reforma da Câmara, deputado Arthur Maia, deve apresentar o relatório com as mudanças no texto na semana que vem. Depois de ser votado na comissão, o relatório é enviado para votação em Plenário. Reportagem, Natália Melo.

 

Airton: É, e diante da queda dos preços e do otimismo com a economia, os analistas do mercado financeiro reduziram mais uma vez a previsão de juros neste ano.

 

Gláucia: A expectativa é que de que a taxa básica Selic encerre o ano em 8,5%.

 

Airton: As informações são do Boletim Focus do Banco Central, que também projeta um cenário melhor para o custo de vida dos brasileiros.

 

Gláucia: A estimativa é de que a inflação encerre o ano em 4,09%, dentro da meta de 4,5%. O Presidente Michel Temer tem acompanhado a queda dessas projeções para 2017 e 2018.

 

Airton: Diante desse cenário favorável foi informado pela equipe econômica que a reunião de junho do CMN vai avaliar a possibilidade de alteração do centro da meta da inflação para 2019.

 

Gláucia: 19h14 em Brasília.

 

Airton: Produção de mais vacinas e imunização em dose única.

 

Gláucia: Daqui a pouco vamos falar das ações de combate à febre amarela apresentadas hoje pelo governo brasileiro à OMS.

 

Airton: Dia 28 de abril termina o prazo para a declaração do imposto de renda pessoa física.

 

Gláucia: Você está entre os contribuintes que ainda não enviaram a declaração à Receita?

 

Airton: Então, fique atento nas dicas do nosso quadro Pra Você, Cidadão de hoje.

 

"Pra Você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: É possível fazer a declaração do imposto de renda por meio de um aplicativo para tablets e smartphones. A Receita Federal disponibiliza o aplicativo para os sistemas Android e IOS. Para começar a declarar é preciso selecionar no aplicativo o comando "fazer declaração". Para declarações com imposto a restituir é preciso informar os dados bancários para o crédito da restituição. Para as declarações com imposto a pagar, é preciso informar a quantidade de cotas em que será pago o imposto. A Receita Federal recomenda que após a transmissão da declaração, os arquivos e recibo e PDF sejam iniciados e salvos em outros dispositivos ou computador. Esse procedimento de segurança evita que o contribuinte tenha que comparecer a uma unidade da Receita Federal para recuperar a cópia da declaração ou do recibo de entrega nos casos de extravio ou mal funcionamento do aparelho. Daniel Costa para a Voz do Brasil.

 

"Criança Feliz. Primeira Infância".

 

Gláucia: O Rio Grande do Sul e 72 municípios gaúchos oficializaram hoje a adesão ao Criança Feliz.

 

Airton: O estado é pioneiro na área com o Primeira Infância Melhor e serviu de referência para o programa lançado pelo Governo Federal em todo o país.

 

Repórter Carolina Graziadei: Com o Criança Feliz as ações de atenção à primeira infância ganham força. As famílias mais vulneráveis são o foco principal. O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, destacou que cuidar do início da vida das crianças é um dos investimentos de maior resultado que um país pode fazer para enfrentar a pobreza, a violência e promover o desenvolvimento.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Nós tentamos, com o Criança Feliz, mudar esse ciclo, né? Modificando o início, a gente muda o resultado do jogo. E, com isso, a gente tem certeza que essas crianças vão ter uma escolaridade maior, uma renda maior no futuro e vão ajudar sua família também a sair da pobreza.

 

Repórter Carolina Graziadei: O governador José Ivo Sartori, afirmou que o programa transforma a realidade das famílias, mas também das pessoas que trabalham no cuidado das crianças.

 

Governador - José Ivo Sartori: Porque eles vão entrar numa casa pobre, numa casa humilde e vai mudar, vai mudar a consciência dessa pessoa.

 

Repórter Carolina Graziadei: Gisele Silva é coordenadora do Primeira Infância Melhor. Há 14 anos trabalhando no programa, ela conta que pesquisas demonstram que crianças que recebem esta atenção chegam à vida adulta melhor preparadas.

 

Coordenadora do Primeira Infância Melhor - Gisele Silva: Essa criança, ela vai estar muito mais preparada para a escola. A prontidão escolar dela é muito melhor. Além disso, depois, os valores, por exemplo, os salários são maiores.

 

Repórter Carolina Graziadei: Em todo o país, 2.547 municípios já aderiram ao Criança Feliz. Serão acompanhadas pelo programa as crianças beneficiárias do Bolsa Família até os três anos de idade e aquelas que recebem o benefício de prestação continuada, o BPC, até os seis anos. Reportagem, Carolina Graziadei.

 

Gláucia: O ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirmou que não vai haver fracionamento das doses da vacina contra a febre amarela, já que a doença agora está sob controle no Brasil.

 

Airton: O fracionamento pode ser aplicado em casos de grandes epidemias, mas que uma dose atenda a vários pacientes.

 

Gláucia: O ministro também anunciou que a partir de novembro uma nova fábrica vai passar a produzir mais 4,5 milhões de vacinas no Brasil.

 

Airton: Ricardo Barros está em Washington, nos Estados Unidos, e a nossa correspondente, Paola de Orte, acompanhou a reunião do ministro com a Organização Mundial de Saúde. Ela tem, ao vivo, outras informações. Boa noite, Paola.

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Boa noite, Airton. Boa noite, Glaucia. Boa noite, ouvintes. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirmou hoje depois uma reunião da Organização Pan-Americana de Saúde que não haverá fracionamento da vacina contra a febre amarela no Brasil. Segundo o ministro, a Opas concorda com a avaliação do governo brasileiro.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Na semana passada, numa reunião com os secretários municipais e estaduais das áreas afetadas, decidimos que ao governo faria a preparação para uma eventual necessidade de fracionamento. Então, adquirimos as seringas, estamos treinando o pessoal, preparando um carimbo especial na carteira que a vacina é fracionada e vamos deixar tudo pronto. E, hoje, na avaliação geral que foi feita, chegou-se à conclusão de que a tendência é de haver necessidade de fracionamento. Apenas a confirmação de um caminho que nós já tínhamos adotado anteriormente.

 

Repórter Paola de Orte: O ministro lembrou que se acontecerem fatos novos, como uma cidade muito populosa ser classificada como área de recomendação da vacina, o governo pode voltar a discutir o fracionamento. Ricardo Barros disse ainda que o governo tem doses suficientes para vacinar todos os moradores de áreas afetadas e também os que não moram em áreas afetadas, mas estão procurando postos de saúde para se vacinar e anunciou que em novembro uma nova fábrica de vacinas vai aumentar a capacidade brasileira de responder à necessidade de imunizar a população.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Nós estamos apenas, já com 3,5 milhões de doses que a Unicef nos encaminhou para o Brasil, importamos mais de 3 milhões de doses da Sanofi e temos a produção normal da Fiocruz de 6 milhões de doses. A partir de novembro teremos uma nova fábrica com mais 4,5 milhões de doses por mês.

 

Repórter Paola de Orte: O ministro também esteve em Boston no final de semana, onde fez um panorama do sistema de saúde do Brasil para a Brazil Coference, da Universidade de Harvard. Ao vivo de Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Gláucia: 19h21 em Brasília. Quem tira da terra o sustento da família depende sempre do clima.

 

Airton: Secas prolongadas ou chuva torrenciais podem significar a destruição de uma safra inteira de trabalho e comprometer o rendimento do agricultor.

 

Gláucia: O seguro Agricultura Familiar existe para proteger o pequeno produtor rural de eventos climáticos e pragas na plantação.

 

Airton: E o Governo Federal anunciou o aumento do limite de cobertura desse seguro.

 

Repórter Natália Coslique: O seguro Agricultura Familiar foi criado em 2004 para que o agricultor plante com segurança. Se chove demais, se a seca estica ou se dá alguma praga na plantação, o agricultor recebe do seguro uma indenização para pagar dívidas de financiamento e para o sustento da família Magdiel Kreshner planta milho e cria gado no município de Mondaí, em Santa Catarina. Devido à seca em dezembro do ano passado, a persecução caiu pela metade e ele conta que precisou acionar a seguro pela primeira vez.

 

Entrevistado - Magdiel Kreshner: O milho (falha no áudio) e daí ele não produziu o que precisava. A estimava era de 200 sacos e produziu só cem por hectare.

 

Repórter Natália Coslique: Têm acesso ao seguro todos os agricultores que contrataram o financiamento de custeio agrícola do Pronaf, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. A boa notícia é que a cobertura do seguro vai aumentar, como explica o diretor substituto do Departamento de Financiamento e Proteção da Produção do Incra, José Carlos Zukowski.

 

Diretor substituto do Departamento de Financiamento e Proteção da Produção do Incra - José Carlos Zukowski: Nós tínhamos um limite de R$20 mil para renda assegurável e neste ano o limite foi ampliado para até R$40 mil. Isso vai apoiar muito essa produção de frutas, principalmente, verduras, os legumes.

 

Repórter Natália Coslique: Se o produtor perder mais de 30% da lavoura por causa de um evento climático coberto pelo seguro, ele deve fazer a comunicação de perdas no banco onde contratou o financiamento. Um perito vai vistoriar a lavoura e apurar as perdas para então liberar o pagamento. Reportagem, Natália Coslique.

 

Gláucia: Agricultores familiares de 14 estados e que seus produtos tiveram preço de mercado abaixo do previsto em março vão ter direito a desconto no pagamento do Pronaf.

 

Airton: A Secretaria Especial de Agricultura Familiar publicou a Portaria com seus percentuais de descontos.

 

Gláucia: Entre os produtos que vão ter direito a bônus, está batata, babaçu, cacau, cebola, leite, manga e trigo.

 

Airton: Em Santa Catarina, por exemplo, a batata não obteve bons preços e o desconto do Pronaf para os agricultores chega a 51%.

 

Gláucia: O programa de garantia de preços foi criado para assegurar o custo de produção, assim, quando o preço de mercado fica muito abaixo, o programa define um bônus a ser aplicado nos financiamentos dos agricultores familiares.

 

Airton: A Força Nacional de Segurança Pública vai permanecer no Espírito Santo por mais 30 dias conforme publicado hoje no Diário Oficial da União.

 

Gláucia: Os profissionais de segurança pública estão em Vitória e outras cidades capixabas desde o dia 6 de fevereiro ajudando no policiamento das ruas e na repercussão da ordem pública... a recuperação, ou melhor, da ordem pública.

 

Airton: Eles falam convocados depois de uma greve dos policiais militares, que durou mais de 20 dias, e ocasionou a morte de mais de uma centena de pessoas.

 

Gláucia: E caso seja necessário, o prazo de permanência dos profissionais pode ser prorrogado novamente.

 

Airton: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gláucia: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Airton: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite para você.

 

Airton: Boa noite e até amanhã.