10 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Mais de R$ 7 bilhões vão ser depositados em contas do FGTS até o final deste mês. E presidente Michel Temer destaca mais essa nova conquista dos trabalhadores. Nova Política de atenção básica vai ampliar atendimento a população e desafogar hospitais. Previsão de mais uma safra recorde na agricultura. Governo vai investir mais de R$ 9 MILHÕES em start-ups.

audio/mpeg 10-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23363 KB




Transcrição

A Voz do Brasil - 10/08/2017

 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.


Nasi: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 10 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Mais de R$ 7 bilhões vão ser depositados em contas do FGTS até o final deste mês.

 

Nasi: Presidente Michel Temer destaca mais essa nova conquista dos trabalhadores.

 

Presidente Michel Temer: Nós celebramos mais uma conquista dos trabalhadores brasileiros. É a primeira vez que os lucros do fundo de garantia são divididos com os verdadeiros donos do dinheiro.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Nova política de atenção básica vai ampliar atendimento à população e desafogar hospitais.

 

Gabriela: E tem mais previsão de safra recorde na agricultura. Beatriz Albuquerque.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O clima, o aumento das áreas plantadas e o crescimento da produtividade são os principais responsáveis pelos resultados positivos.

 

Nasi: E atenção empreendedores: Governo vai investir mais de R$ 9 milhões em startups.

 

Gabriela: A gente vai explicar direitinho o que é e como receber o incentivo.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: 88 milhões de trabalhadores serão beneficiados com a nova forma de remuneração do FGTS.

 

Gabriela: A partir de agora, o governo vai dividir os lucros com os trabalhadores. São R$ 7,3 bilhões a mais que vão ser depositados nas contas no dia 31 de agosto.

 

Nasi: A novidade vai permitir um rendimento no saldo do FGTS maior do que o da inflação, mais uma conquista para os trabalhadores do país.

 

Repórter Paulo La Salvia: Um FGTS com melhor rendimento, este é o principal resultado das mudanças no funcionamento do fundo. A partir de agora, as contas vão ter uma nova remuneração e os lucros vão ser divididos entre governo e trabalhadores. O economista da Escola Nacional de Administração Pública José Luiz Pagnussat avalia que a medida é positiva e pode deixar o FGTS atraente no médio prazo.

 

Economista - José Luiz Pagnussat: Em função até do comportamento da inflação, do comportamento da economia, ele pode se tornar uma poupança forçada, claro, mas uma poupança competitiva com as demais aplicações.

 

Repórter Paulo La Salvia: As contas do FGTS teriam neste ano uma remuneração de 5,11%, que é o valor da taxa referencial mais 3%. Com a mudança, o reajuste vai ser de 7,14%, próximo ao da poupança, que foi de 8,34% em 2016 e maior do que a inflação no ano passado, que foi de 6,28%. O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, defendeu que a mudança atende ao trabalhador.

 

Presidente da Caixa Econômica Federal - Gilberto Occhi: O trabalhador brasileiro e a sociedade brasileira saem ganhando, porque terão um benefício a mais na sua conta, que poderá ser usado no seu saque, na sua aposentadoria, até mesmo na utilização desses recursos para a sua aquisição da casa própria. Então, são medidas como essa que valorizam, que fortalecem e trazem benefícios à sociedade brasileira.

 

Repórter Paulo La Salvia: A parte destinada aos trabalhadores, cerca de R$ 7,3 bilhões, vai ser dividida de forma proporcional, levando em conta o saldo na conta em 31 de dezembro de 2016. O presidente Michel Temer explicou que a divisão dos lucros do fundo com os trabalhadores é uma medida de justiça e se assemelha com a distribuição dos lucros entre os funcionários de uma empresa. Michel Temer também afirmou que a nova remuneração do FGTS terá impacto no dia a dia do trabalhador.

 

Presidente Michel Temer: Na última década, o fundo de garantia acumulou perdas expressivas frente à inflação, começa a reverter esse processo. E o trabalhador, que é quem mais precisava do dinheiro, recebia o pior rendimento. Hoje, com a inflação sob controle, os juros em queda e a nova rentabilidade do fundo de garantia, o dinheiro do trabalhador estará mais protegido, ou seja, o trabalhador vai ganhar mais.

 

Repórter Paulo La Salvia: Nos casos em que o trabalhador sacou o saldo que tinha nas contas inativas do FGTS, o valor vai ser creditado na conta do trabalhador, com base no que ele tinha de saldo no último dia do ano passado, mas esse dinheiro só vai poder ser sacado nas situações específicas previstas em lei, como na compra da casa própria, demissão sem justa causa, aposentadoria e doenças graves. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: Em breve, todas as unidades básicas de saúde vão oferecer mais serviços para a população, como pré-natal, acompanhamento de hipertensos e diabéticos e procedimentos cirúrgicos de pequena complexidade.

 

Nasi: Além disso, a pessoa vai ser atendida em qualquer unidade de saúde, não só aquela perto da sua casa.

 

Gabriela: As novidades fazem parte da nova política nacional de atenção básica, apresentada hoje pelo Ministério da Saúde.

 

Nasi: A ideia é dar mais eficiência ao atendimento, ampliando o número de consultas na atenção básica e desafogando os hospitais.

 

Repórter Gabriela Noronha: A dona de casa Auri Alves Moreira não precisa mais ir longe para conseguir fazer exames de rotina e consultar médicos. Ela tem 55 anos e mora a 25 quilômetros de Brasília. Hoje, faz suas consultas perto de casa, na unidade básica de saúde, e gosta da praticidade.

 

Dona de casa - Auri Alves Moreira: Eu chego aqui, marco uma consulta, ou venho, ela me atende, mas muito bom.

 

Repórter Gabriela Noronha: Até agora, para ser atendida, a pessoa precisava procurar a unidade mais próxima da sua casa, que era a única que tinha o seu prontuário. Mas isso está mudando. Em breve, o paciente vai ser atendido em qualquer unidade de saúde. A mudança vai ser possível com a implementação do prontuário eletrônico. Com ele, histórico, dados e resultados de exame dos pacientes vão poder ser consultados em qualquer lugar que a pessoa chegar precisando de atendimento, como explica o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Só aquela unidade tinha o seu histórico. Hoje, com o prontuário eletrônico, em qualquer lugar está disponível o seu prontuário eletrônico, pra que a gente possa permitir que as pessoas tenham mais facilidade de acesso à saúde, se dirijam a qualquer unidade mais próxima e vão ter o seu atendimento.

 

Repórter Gabriela Noronha: Outra novidade é que todas as unidades básicas de saúde vão oferecer mais serviços para a população, como pré-natal, acompanhamento de hipertensos e diabéticos, procedimentos cirúrgicos de pequena complexidade e aplicação de vacinas. Com a informatização do sistema de saúde será possível melhorar o agendamento das consultas e as pessoas não vão mais precisar dormir na fila como conta o ministro.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Nós vamos implantar o prontuário eletrônico, biometria e vamos agendar as consultas de 15 em 15 minutos. Não vai chegar todo mundo às 7h da manhã na unidade e ficar esperando ser atendido. Cada um vai chegar no seu horário agendado, tudo vai funcionar direitinho.

 

Repórter Gabriela Noronha: Todas essas medidas fazem parte das novas propostas para melhorar a política nacional de atenção básica, apresentadas hoje. As medidas que estão ainda sendo discutidas também devem reforçar o programa Saúde da Família, com melhoria nas equipes. Somando todas as mudanças, a expectativa é de 12 milhões a mais de consultas. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E ainda falando de saúde, o câncer de mama, descoberto no início, tem grandes chances de cura. Por isso, o autoexame é tão importante.

 

Nasi: Por outro lado, quando diagnosticada em estágio avançado, a doença pode se espalhar para outras partes do corpo.

 

Gabriela: Por isso, o Ministério da Saúde decidiu incluir nos tratamentos de câncer de mama um medicamento indicado para pacientes nessa situação. O repórter Nei Pereira explica.

 

Repórter Nei Pereira: A doméstica Maria Evandra Freitas concluiu esta semana a segunda etapa do tratamento contra o câncer de mama no Hospital Universitário de Brasília. Além da cirurgia, foram 12 sessões, que incluíram quimioterapia e o uso do Trastuzumabe, remédio que ajuda a impedir que a doença se espalhe pelo corpo. O tratamento com esse medicamento deu mais segurança à paciente.

 

Doméstica - Maria Evandra Freitas: Quando a gente começa a fazer o tratamento, a gente fica seguro. E eu me senti bem, é um tratamento que não dá enjoo. É muito importante ter disponível pra quem não tem um plano de saúde.

 

Repórter Nei Pereira: O Trastuzumabe já é oferecido desde 2013 pelo Sistema Único de Saúde, para mulheres com um tipo específico de câncer de mama, na fase inicial. O governo decidiu agora ampliar a oferta do remédio. Em seis meses, ele começa a ser oferecido a mulheres em que a doença já tenha se espalhado para outros órgãos do corpo, a chamada metástase. O objetivo é aumentar o tempo de vida e melhorar a saúde das pacientes. A medida do governo vai beneficiar quem não pode pagar pelo medicamento, já que na rede privada a dose pode chegar a R$ 10 mil. O chefe de Oncologia do Hospital Universitário de Brasília, Marco Santos, destaca que, com o tratamento à base do Trastuzumabe, essas mulheres podem ter a chance de viver mais.

 

Chefe de Oncologia - Marco Santos: Antes, a mulher com câncer de mama metastático HER2-positivo tinha em torno de um ano de sobrevida média. Hoje, com a disponibilização do Trastuzumabe, a gente consegue estender a sobrevida média dessas mulheres pra em torno aí de dois anos.

 

Repórter Nei Pereira: Atualmente, o Ministério da Saúde atende com o medicamento quase quatro mil pacientes que têm câncer de mama na fase inicial. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: A agricultura brasileira está produzindo como nunca.

 

Gabriela: Este ano, teremos mais uma safra recorde de grãos, e isso impacta diretamente na vida dos brasileiros, que terão alimentos mais baratos à mesa.

 

Nasi: São 238 milhões de toneladas, 52 milhões de toneladas a mais que a safra anterior, segundo a Conab.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Soja e milho, essas são as estrelas da supersafra 2016-2017, que deve fechar o ciclo com aumento de quase 28% na produção, se comparado à safra anterior. O clima, o aumento das áreas plantadas e o crescimento da produtividade são os principais responsáveis pelos resultados positivos. É o que explica Cleverton Santana, gerente de levantamento e avaliação de safras da Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab.

 

Gerente - Cleverton Santana: Esse conjunto de fatores, que é o produtor usando um pacote tecnológico avançado, combinado com as condições climáticas favoráveis, resultou nessa safra recorde de 238 milhões de toneladas.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A safra, que começou em outubro de 2016 e vai até setembro desse ano, deve ser a maior da história. A soja e o milho representam mais de 88% dos grãos colhidos no Brasil. A produção da soja deve subir 19,5% em comparação à safra passada e chegar a 114 milhões de toneladas. Já para o milho, a expectativa é que ultrapasse os 97 milhões de toneladas, crescimento superior a 46%. Para Cleverton Santana, a expectativa para a próxima safra é muito boa. Segundo ele, o acesso ao crédito para investir e melhorar a produtividade são essenciais.

 

Gerente - Cleverton Santana: Sinal que o produtor vai poder contar com crédito rural, pra continuar produzindo, e produzindo cada vez mais.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O produtor de milho Glauber Silveira garante que o acesso ao crédito faz a diferença na hora do plantio e da colheita.

 

Produtor - Glauber Silveira: É muito bom, especialmente quando o recurso vem na época certa, no momento certo, ele é muito positivo, porque você consegue comprar os insumos de forma antecipada, você consegue negociar, isso é muito bom. E isso contribui, né, com certeza o Plano Safra, isso aí é fundamental pra nós.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A pesquisa foi realizada no período de 23 a 29 de julho, em todas as regiões produtoras. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: 19h12 em Brasília.

 

Nasi: Boas ideias na área de tecnologia.

 

Gabriela: Daqui a pouco, vamos falar de investimentos de mais de R$ 9 milhões em startups no Brasil.

 

"Momento Social"

 

Nasi: Mais amor e carinho para crianças que foram afastadas do convívio familiar por medida de proteção. Este é um dos objetivos do Programa Família Acolhedora.

 

Gabriela: E a Silvana Massaneiro, de Florianópolis, quer saber mais sobre esse programa. Quem explica é o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

 

Ouvinte - Silvana Massaneiro: Olá, ministro. Meu nome é Silvana, eu moro em Florianópolis, Santa Catarina, e gostaria muito de saber mais detalhes sobre o programa Família Acolhedora. Obrigada.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Silvana, o Família Acolhedora é um serviço que busca oferecer um lar temporário pras crianças que foram afastadas do convívio familiar por medidas de proteção, ou crianças que vivem em abrigos. O objetivo é que as famílias que participam do programa possam oferecer pra essa criança, num determinado tempo, um ambiente de amor e carinho, enquanto a sua família de origem é atendida pelo serviço de assistência social do seu município. Nada substitui a convivência de uma família, não há abrigo que substitua isso. As crianças, em sua maioria, voltam para os seus familiares ou são adotadas depois. O serviço faz parte do Sistema Único de Assistência Social, o SUAS, e recebe recurso do Ministério do Desenvolvimento Social, que pretende reduzir o número de crianças de zero a seis anos em abrigo no país até 2018. Para participar do serviço Família Acolhedora, as famílias interessadas devem procurar as prefeituras ou o Centro de Referência de Assistência Social, o CRAS mais próximo. Elas passam por avaliação e treinamento e, caso atendam às exigências, podem acolher uma criança por vez, exceto quando forem um grupo de irmãos, no período entre seis meses até dois anos. A família acolhedora deve assumir os cuidados com educação, atendimento à saúde e ainda recebe uma ajuda de custo do Ministério.

 

Nasi: E se você também tem alguma pergunta sobre programas sociais, manda pra gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br, e tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

 

Gabriela: Programas de incentivo à produção e exportação foram apresentados hoje em Boa Vista, capital do estado de Roraima.

 

Nasi: O programa Brasil Mais Produtivo e o Plano Nacional da Cultura Exportadora foram criados para melhorar a produtividade de empresas em todo o país.

 

Repórter Natália Koslik: Uma consultoria personalizada para empresas dos setores de alimentos e bebidas e vestuário e calçados. Essa é a proposta do programa Brasil Mais Produtivo. A ideia é identificar os principais desafios para tornar o processo de produção mais eficiente e lucrativo. Jane Mendes Bezerra, administradora de uma empresa de alimentos e bebidas em Boa Vista, Roraima, participou da experiência. Ela conta que, em um mês, alcançou um aumento de quase 30% na produtividade e os ganhos foram além.

 

Administradora - Jane Mendes Bezerra: Eles vieram, fizeram o diagnóstico, né, as propostas, e deu muito certo. Os funcionários ficaram mais organizados, tiveram uma rotina mais própria, né? Eu achei muito interessante, porque ultrapassamos a meta que eles propuseram, né, no aumento da produção.

 

Repórter Natália Koslik: Nesta quinta-feira, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, afirmou em Boa Vista que já existe um outro grupo de empresas selecionadas para participar do programa Brasil Mais Produtivo. O ministro também apresentou no estado o Plano Nacional da Cultura Exportadora, que pretende capacitar empresas para venderem no mercado externo.

 

Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Marcos Pereira: Já temos aí 20 empresas inscritas no Brasil Mais Produtivo, mais de 500 empresas selecionadas como empresas que poderão ser atendidas pelo Plano Nacional da Cultura Exportadora.

 

Repórter Natália Koslik: O Plano Nacional da Cultura Exportadora já foi lançado em 22 estados e tem mais de seis mil empresas cadastradas. Já o programa Brasil Mais Produtivo conta com mais de mil empresas atendidas, que obtiveram aumento médio de produtividade de 50%. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gabriela: Startup é uma palavra em inglês que significa o começo de alguma coisa.

 

Nasi: É, Gabriela, e pra muito empreendedor, é uma palavra que significa mais, é um primeiro passo de uma boa ideia, que precisa só de um empurrãozinho pra dar certo.

 

Gabriela: E esse incentivo pode vir do Governo Federal, por meio do programa Startup Brasil.

 

Nasi: Cinquenta projetos inovadores vão ser selecionados e podem receber até R$ 200 mil.

 

Repórter José Luís Filho: Uma pequena sala com mesas e computadores em um prédio comercial na região central de São Paulo seria facilmente confundida com um escritório de contabilidade ou uma agência de publicidade. Mas no lugar funciona uma startup, uma empresa de serviços e inovações tecnológicas, como detalha pra gente Sávio Arruda, um dos sócios.

 

Empresário - Sávio Arruda: A startup é uma empresa de tecnologia que vem com inovações para melhorar o mercado, né? Então você pode ter esses produtos já no mercado, mas uma startup traz de uma forma mais ágil, mais barata, com melhorias pros seus clientes.

 

Repórter José Luís Filho: A startup nasceu dois anos atrás, tem como principal produto um aplicativo de caixa e cupom fiscal para pequenos comércios. A solução foi feita com apoio de um investidor-anjo, uma pessoa que põe dinheiro para desenvolver uma boa ideia, além de um programa privado de desenvolvimento. A startup atende 6 mil pontos de venda em todo o Brasil, cresce em média 15% ao mês e, em um ano, passou de 5 para 28 funcionários. Para o empresário Sávio Arruda, o crescimento rápido e a geração de empregos mostram a importância de se investir nas startups.

 

Empresário - Sávio Arruda: O investimento, ele permite investir numa equipe comercial, numa equipe de marketing, numa ótima equipe de desenvolvimento, pro produto ser bom de fato. Então, o investimento te auxilia nessa escalada.

 

Repórter José Luís Filho: Para incentivar o desenvolvimento de projetos criados por empresas com esse perfil, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações mantém o programa Startup Brasil, que lançou uma nova etapa para selecionar iniciativas inovadoras em várias áreas. Nessa etapa, serão selecionados 50 projetos para serem desenvolvidos entre 2017 e 2018. Cada um poderá receber até R$ 200 mil. O investimento total do Governo Federal é de quase R$ 10 milhões. Para o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, investimentos como o do programa Startup Brasil, são fundamentais para o desenvolvimento econômico e tecnológico do país.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: As startups, elas são a essência do desenvolvimento de qualquer país. Elas proporcionam a formação de quadros, a descoberta e o apoio de novos projetos, que geram empregos, riquezas e que, efetivamente contribuem para o crescimento do país.

 

Repórter José Luís Filho: O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações investiu até agora no Startup Brasil quase R$ 35 milhões. Os projetos financiados geraram 1.200 empregos diretos. Reportagem, José Luís Filho.

 

Gabriela: Alugar carro ou manter uma grande frota para transportar funcionários e autoridades em serviço não sai nada barato.

 

Nasi: Por isso o Governo criou o TáxiGov, um serviço para transporte administrativo.

 

Gabriela: Agora, cinco meses depois, comemora a economia de 60% nos gastos.

 

Repórter Luana Karen: Pelo menos uma vez por semana, a analista Patrícia Morais precisa pegar um transporte para se deslocar no trabalho. Desde fevereiro, ela usa o TáxiGov, um aplicativo para celular que pôs em prática o novo modelo de transporte do serviço público federal. Patrícia tem na ponta da língua a vantagem do novo serviço.

 

Analista - Patrícia Morais: É uma solução que vem melhorar a vida do servidor que precisa se deslocar constantemente em serviço.

 

Repórter Luana Karen: O TáxiGov substituiu carros próprios e locados por táxi, reduzindo custos e levando economia para os cofres públicos. Desde fevereiro, quando o TáxiGov entrou em operação, foram feitas mais de 15 mil corridas. Nesse período, foram gastos R$ 407 mil com os deslocamentos. Se o governo ainda usasse o modelo anterior, de frota própria e carros locados, esse gasto teria chegado a mais de R$ 1 milhão, uma economia de 60% para os cofres públicos. É o que explica Gleisson Rubin, secretário de gestão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

 

Secretário de gestão - Gleisson Rubin: Se desonera de uma série de incumbências, como manutenção de veículos, abastecimento, contratos de motorista, administração de garagens e de equipes para setor de transporte.

 

Repórter Luana Karen: Até janeiro do ano que vem, todos os 28 ministérios deverão usar o aplicativo. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: 19h22 em Brasília.

 

Nasi: Hoje o Brasil deu mais um passo para conquistar uma justiça mais rápida, diminuindo o número de processos nos tribunais.

 

Gabriela: Foi criado o Fórum Nacional de Advocacia Pública, que vai atuar na busca da conciliação em processos que envolvem a União.

 

Nasi: Também foram fechados acordos para fortalecer a defesa jurídica do Brasil em processos no exterior.

 

Repórter João Pedro Neto: Foram assinados dois acordos. Um deles tem o objetivo de fortalecer a defesa jurídica do estado brasileiro no exterior. A ideia é promover uma aproximação e integração maior entre os representantes jurídicos dos estados e da União, pra atuação junto às entidades internacionais. É o que afirma a advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça.

 

Advogada-geral da União - Grace Mendonça: Sabemos que, muitas vezes, o país é demandado, o país é um só, né? O estado brasileiro é um só e a nossa Federação deve dar a resposta à comunidade internacional, que de fato ele merece.

 

Repórter João Pedro Neto: O outro termo, assinado pela Advocacia-Geral da União e pelas procuradorias dos estados e do Distrito Federal, pretende diminuir conflitos judiciais entre a União e os estados brasileiros. A ideia é estimular a solução de conflitos por meio de conciliações, o que, segundo a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, contribui para a prestação de justiça em tempo adequado.

 

Presidente do Supremo Tribunal Federal - Cármen Lúcia: O que nós queremos e acho que estamos realizando aqui hoje é tentar o acordo para se impedir o litígio, que onera todo mundo, onera a União, onera o estado, arrasta soluções.

 

Repórter João Pedro Neto: Para o presidente Temer, que acompanhou o ato, a medida fortalece o princípio federativo.

 

Presidente Michel Temer: E a lei é que deve imperar em todos os momentos, como deve imperar a história da harmonia entre os poderes, né?

 

Repórter João Pedro Neto: O acordo define ainda a criação do Fórum Nacional de Advocacia Pública, que vai atuar na busca de soluções alternativas pra reduzir os litígios. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: As inscrições para o segundo semestre do programa Bolsa Permanência estão abertas até 29 de setembro.

 

Nasi: O programa do Ministério da Educação oferece ajuda financeira a alunos de comunidades indígenas e quilombolas matriculados em instituições de ensino superior.

 

Gabriela: O valor da bolsa é de R$ 900 reais. Atualmente, 87 instituições de ensino aderiram ao programa e o Bolsa Permanência atende mais de 6.800 alunos indígenas e quilombolas.

 

Nasi: A expectativa é que outros mil estudantes possam aderir à bolsa. Para isso, os interessados precisam se inscrever no processo seletivo, na internet, em www.mec.gov.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso."