11 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer faz balanço da semana e destaca bons resultados da economia. Quem viaja de ônibus ou trem vai aproveitar mais descontos nas passagens com novas regras da ANTT. Relançado plano para combater violência que atinge jovens de todo o país.

audio/mpeg 11-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23434 KB




Transcrição


A Voz do Brasil - 11/08/2017

 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.


Nasi: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 11 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Taxa de inflação em queda e geração de mais empregos.

 

Nasi: Recorde na safra agrícola e aumento nas vendas de veículos.

 

Gabriela: Presidente Michel Temer faz balanço da semana e destaca bons resultados da economia.

 

Presidente Michel Temer: O Brasil não parou, o Brasil não vai parar. Os bons resultados nos animam, vamos continuar trabalhando para construir uma economia forte e próspera para todos.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Quem viaja de ônibus ou trem vai aproveitar mais desconto nas passagens, com novas regras da ANTC.

 

Nasi: E amanhã é Dia Internacional da Juventude.

 

Gabriela: Vamos falar de novas ações do governo para combater a violência que atinge jovens de todo o país.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: A gente abre essa edição da Voz do Brasil com uma mensagem do presidente Michel Temer, que falou aos brasileiros em vídeo divulgado nas redes sociais.

 

Gabriela: O presidente comemorou mais um mês de geração de empregos, alguns setores produtivos pararam de demitir e começaram a contratar, mais um sinal de que a economia começa a crescer.

 

Presidente Michel Temer: Iniciamos o segundo semestre com boas notícias que quero compartilhar com vocês. No mês passado, houve nova recuperação de empregos. Julho foi o quarto mês positivo na geração de postos de trabalho com carteira assinada. Criamos 35 mil novos empregos. No semestre, foram mais de cem mil trabalhadores contratados. A indústria, que sempre foi a grande empregadora, está decolando. E é a primeira vez, em quase três anos, que a construção civil para de demitir e começa a contratar.

 

Nasi: Outro número positivo da semana, destacado por Michel Temer, foi mais uma queda na taxa de inflação, a menor desde 1999.

 

Presidente Michel Temer: Antes de assumirmos, vocês se lembram: a inflação estava acelerando e já passava de 10%. Hoje, podemos dizer que vencemos a carestia. É uma grande vitória, porque sem inflação gastamos menos para morar, menos para vestir, gastamos menos pra viver.

 

Gabriela: O presidente também citou o depósito de R$ 7 bilhões nas contas do FGTS até o final deste mês. É o lucro dos recursos do fundo que, pela primeira vez, vai ser distribuído entre os trabalhadores.

 

Nasi: Michel Temer falou ainda do aumento nas vendas de veículos e nos recordes na produção agrícola. Para o presidente, bons resultados, que incentivam o governo a continuar o trabalho na retomada da economia.

 

Presidente Michel Temer: Por isso, não canso de dizer: O Brasil não parou, o Brasil não vai parar. Os bons resultados nos animam e nos incentivam ainda mais. E, podem confiar, vamos continuar trabalhando para construir uma economia forte e próspera para todos.

 

Gabriela: E, ao falar do recorde na safra deste ano, o presidente também comentou sua ida ao Mato Grosso hoje.

 

Nasi: O presidente participou da abertura da colheita de algodão em Lucas do Rio Verde. O Brasil está entre os cinco maiores produtores e exportadores mundiais de algodão em pluma.

 

Gabriela: Michel Temer também inaugurou a primeira usina do Brasil que vai produzir etanol exclusivamente a partir do milho.

 

Repórter Luana Karen: A fábrica, localizada em Lucas do Rio Verde, a 340 quilômetros da capital mato-grossense, é a primeira do Brasil criada especificamente para produzir etanol a partir do milho. A fábrica vai empregar diretamente 150 pessoas e, quando estiver em pleno funcionamento, vai produzir 210 milhões de litros de etanol por ano, mais de 180 mil toneladas de produtos para alimentação animal e 6 mil toneladas de óleo de milho, além de gerar 60 mil Megawatts de eletricidade. Segundo o vice-presidente da FS Bioenergia, Rafael Abud, a indústria vai absorver grande parte da produção de milho do Mato Grosso, que, nesta safra, vai chegar a 30 milhões de toneladas.

 

Vice-presidente da FS Bioenergia - Rafael Abud: Na verdade, uma alternativa para o produtor rural aqui da região, que ficava sem liquidez para o milho e agora tem uma alternativa de colocação desse milho no mercado.

 

Repórter Luana Karen: O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, destacou a necessidade de dar destino à produção de milho brasileira.

 

Ministro da Agricultura - Blairo Maggi: O Brasil é um grande produtor desse cereal, que é o milho, esse ano são 100 milhões de toneladas. E o mercado não consegue absorver toda essa mercadoria. Então, uma indústria de etanol a partir de milho, dá uma sustentação de preço aos produtores agrícolas.

 

Repórter Luana Karen: O presidente Michel Temer destacou a funcionalidade da nova indústria de Lucas do Rio Verde.

 

Presidente Michel Temer: Esta usina, pelas explicações que recebi aqui, tem múltiplas finalidades, ela não produz apenas o combustível, mas o farelo, aquilo que resta, ainda vai para ração animal, produz óleo de milho, energia elétrica, fruto da criatividade, do empenho, da coragem dos empreendedores brasileiros.

 

Repórter Luana Karen: Mais cedo, também em Lucas do Rio Verde, o presidente acompanhou a abertura da colheita de algodão. Terra de clima seco e temperatura favorável para o cultivo da fibra, o Mato Grosso responde por 67% da produção nacional de algodão, como afirma Orcival Guimarães, presidente do núcleo norte da Associação Mato-grossense de Produção de Algodão.

 

Presidente do núcleo norte da Associação Mato-grossense de Produção de Algodão - Orcival Guimarães: Gera muito emprego e muita renda, né? Eu acho que na agricultura dos produtos agrícolas, ele é o líder na geração de empregos. Então, e nós temos um potencial muito grande.

 

Repórter Luana Karen: Há 16 anos, Gustavo Pícolo produz algodão em Lucas do Rio Verde. Este ano, ele deve produzir 400 mil arrobas de algodão em pluma, gerando emprego para mais de 100 pessoas.

 

Produtor - Gustavo Pícolo: O algodão, ele exige muita mão de obra e a geração de emprego é importante nessa cultura. Eu gero mais de 100 empregos, os meus negócios envolvendo o algodão, e tem mais a algodoeira, mais a indústria, mais o transporte.

 

Repórter Luana Karen: O presidente Michel Temer destacou o desenvolvimento tecnológico da produção brasileira.

 

Presidente Michel Temer: Ao colher algodão, e eu colhi, e verifiquei a facilidade extraordinária para a colheita de algodão, a nova tecnologia, uma tecnologia extraordinária. Ou seja, nós não estamos atrasados, não apenas na plantação, na agricultura. Nós estamos avançados, mas estamos avançados também no campo tecnológico.

 

Repórter Luana Karen: Em Mato Grosso, são 400 produtores e mais de 20 mil trabalhadores diretos e indiretos, que, na safra 2016-2017, vão produzir quase 1 milhão de toneladas de pluma. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: Cinquenta e um milhões de brasileiros têm entre 15 e 29 anos.

 

Gabriela: E amanhã, 12 de agosto, é o dia deles, o Dia Internacional da Juventude.

 

Nasi: para comemorar a data, foi relançado hoje o Plano Juventude Viva, que tem o objetivo de atender jovens expostos a situações de violência, principalmente os negros.

 

Repórter Gabriela Noronha: Aos 19 anos, Jonata Amador de Souza ganha a vida fazendo bicos de servente. Mora sozinho em uma das regiões mais pobres do Distrito Federal, a Cidade Estrutural. A mãe, cozinheira, não se adaptou à realidade dura da região e voltou, com o restante da família, para a cidade de origem em Minas Gerais. Ele conta que encontra seus momentos de paz e tranquilidade nas aulas de violão.

 

Servente - Jonata Amador de Souza: Violão é uma coisa mais delicada e é bom pra pessoa descontrair um pouco, né?

 

Repórter Gabriela Noronha: Jonata faz parte de um projeto que vem mudando a realidade da comunidade carente na Estrutural. O Centro da Juventude atende mais de 300 jovens de 15 a 29 anos. Segundo Eliane Pereira da Silva, pedagoga e coordenadora do projeto, o centro oferece diversas oficinas gratuitas, que vão desde o lazer à formação profissional.

 

Pedagoga - Eliane Pereira da Silva: Aqui na Estrutural, eles também não têm nenhum tipo de lazer e é uma forma de tirar um pouco da vulnerabilidade também, né?

 

Repórter Gabriela Noronha: O Governo Federal quer incentivar iniciativas como esta em todo o país. Por isso, reativou nesta quinta-feira o Plano Juventude Viva. A ideia é garantir direitos básicos aos jovens, sobretudo aos negros, principais vítimas da violência no Brasil. Mais de 318 mil jovens foram assassinados no Brasil entre 2005 e 2015. A cada 100 pessoas assassinadas no país, 71 são negras. Para Francisco de Assis Costa Filho, secretário nacional da Juventude, esses indicadores mostram urgência de políticas voltadas para esse público.

 

Secretário nacional da Juventude - Francisco de Assis Costa Filho: Esses indicadores apontam que é necessário que o Governo Federal tenha uma política pública voltada para esse setor da sociedade, e é com esses indicadores que o governo visa aplicar uma política pública específica pra mudar esses números e transformar essa realidade social.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para monitorar as ações de execução do plano e acompanhar a implementação, foi instituído o Comitê Federal Gestor da Juventude Viva. O comitê é formado por integrantes de ministérios e secretarias, além de integrantes da sociedade civil e do Conselho Nacional do Ministério Público. A representante do Ministério do Desenvolvimento Social, Tarsila Rorato Crusius, falou sobre a importância do trabalho integrado.

 

Representante do Ministério do Desenvolvimento Social - Tarsila Rorato Crusius: É um trabalho de retomada de ações coordenadas, organizadas, no sentido de enfrentar uma das maiores preocupações de toda a nossa sociedade. E é refletida também como uma das maiores preocupações no nosso Governo Federal e dos nossos ministérios e todos os parceiros, secretarias, ministérios que estão compondo hoje este comitê.

 

Repórter Gabriela Noronha: O plano será implementado pela União em cooperação com os estados, municípios e o Distrito Federal. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E são esses brasileiros com idade de 15 e 29 anos que têm direitos assegurados no Estatuto da Juventude.

 

Nasi: O documento começou a valer há quatro anos e, a partir daí, foram criadas várias políticas.

 

Gabriela: A mais recente é o ID Jovem, identidade que permite aos jovens de baixa renda meia-entrada em eventos culturais e esportivos, e viagens rodoviárias gratuitas.

 

Repórter Natália Melo: Ivan Monsoros, de 28 anos, é morador de Mesquita, um município na região metropolitana do Rio de Janeiro. A renda do Bolsa Família ajuda no sustento da casa, onde mora com a mãe e as irmãs. Há seis anos, Ivan descobriu que era soropositivo. Desde então, o ativismo na luta contra a Aids pelo país se tornou uma missão. No momento, ele está desempregado e pagar pelas passagens poderia doer no bolso. Até que ele conheceu o ID Jovem, programa lançado pelo Governo no final do ano passado, que oferece aos jovens diversos benefícios, como passagens de graça ou mais baratas. Agora, Ivan mal pode esperar para participar do congresso sobre HIV em Curitiba.

 

Entrevistado - Ivan Monsoros: A importância do ID Jovem é que faz os jovens conhecerem outros ares, outros lugares. E pro lazer também, né, porque o jovem que não tem renda, ele não consegue ir num teatro, por exemplo. E a ID Jovem ajuda isso.

 

Repórter Natália Melo: O Cadastro Único, necessário para ter acesso ao programa, pode ser feito em um Centro de Referência de Assistência Social do município onde o jovem mora. Cristina Quaresma, secretária municipal de Assistência Social em Mesquita, afirma que diversas ações têm sido promovidas para divulgar o ID Jovem na região. Ela fala dos benefícios do programa.

 

Secretária municipal de Assistência Social - Cristina Quaresma: Eles vão poder ter meia entrada em jogos, em cinemas, em teatros, e também pras viagens interestaduais as companhias têm que reservar, para cada ônibus, dois assentos para jovens que estão inscritos no ID Jovem. Se eles não tiverem acesso a essas duas poltronas, eles vão poder ter acesso à meia passagem.

 

Repórter Natália Melo: O ID Jovem nasceu do Estatuto da Juventude, do Governo Federal, lançado em 2013 para garantir os direitos e dar mais visibilidade aos jovens entre 15 e 29 anos. Para o secretário nacional de Juventude, Francisco Costa Filho, o estatuto é um instrumento de emancipação, empoderamento e autonomia para os jovens brasileiros.

 

Secretário nacional da Juventude - Francisco de Assis Costa Filho: Nós queremos que o estatuto seja, de fato, um instrumento de garantia de direitos. E é nessa perspectiva que o governo tem buscado transformar os preceitos e as diretrizes do estatuto em programas e políticas públicas.

 

Repórter Natália Melo: O Brasil tem hoje 51 milhões de jovens entre 15 e 29 anos. Reportagem, Natália Melo.

 

Nasi: O Brasil tem uma fronteira de quase 17 mil quilômetros, extensão que acaba se tornando porta de entrada de armas, drogas e munições.

 

Gabriela: Para proteger as fronteiras, o Governo Federal vai atuar junto a outros países com troca de informações e ações em conjunto.

 

Nasi: É, e hoje foi fechada uma parceria com o governo do Peru.

 

Repórter Natália Koslik: Tabatinga, no Amazonas, faz fronteira com o Peru e a Colômbia. Por esta localização, acaba sendo porta de entrada para o tráfico de drogas, armas, pessoas e munições. Para combater esses crimes, representantes do governo brasileiro se reuniram com autoridades peruanas na sexta-feira. Foram discutidas estratégias de integração das estruturas de segurança e inteligência dos dois países para combater o tráfico, como explica o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: É aqui que, conjuntamente, nós iniciamos a golpear o crime organizado, atuando, trocando informações, com integração entre as polícias, com comandos operacionais conjuntos, com troca de imagem, então tenham certeza que essa fronteira entre Brasil e Peru, a partir de agora, estará muito mais fortalecida, muito melhor fiscalizada e, obviamente, dando uma contribuição para reduzir a capacidade operacional do crime no Brasil.

 

Repórter Natália Koslik: De acordo com o ministro Raul Jungmann, não é possível resolver os crimes nas fronteiras sem a colaboração entre países. O ministro explica como vai funcionar essas operações conjuntas.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Vão atuar juntos, vão trocar informações, vão trocar imagens, vão trocar cadastro, vão trocar nome, enfim, e vão trocar sobretudo inteligência.

 

Repórter Natália Koslik: A operação também vai atuar nos rios da região. O almirante de Esquadra Leal Ferreira fala sobre a participação da Marinha Brasileira no combate ao tráfico.

 

Almirante de Esquadra - Leal Ferreira: Nós temos efetivamente incrementado as patrulhas navais nos principais rios, nas calhas dos principais rios, inclusive com algum sucesso recente por aqui na região, em que nós obtivemos algum apresamento de drogas e inclusive pegando os traficantes.

 

Repórter Natália Koslik: Na próxima semana, o encontro vai ser em La Paz, capital da Bolívia, com membros do governo local. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gabriela: 19h15 em Brasília.

 

Nasi: Quem viaja de ônibus ou trem deve ficar atento.

 

Gabriela: É, daqui a pouco vamos falar de novas regras pra que as empresas possam oferecer descontos nas passagens da mesma maneira que hoje fazem as companhias aéreas.

 

Nasi: O trabalho da Polícia Federal no combate aos crimes relacionados a drogas agora tem o apoio do Inmetro.

 

Gabriela: Substâncias importantes usadas nas investigações já são produzidas pelo instituto, o que traz economia e rapidez na elucidação dos casos.

 

Repórter José Luís Filho: Identificar com mais rapidez e precisão a presença de drogas ou resíduos delas em locais onde foram cometidos crimes, ou em pessoas envolvidas neles e, assim, agilizar a validação de provas e as investigações. Estas são algumas das funções dos materiais de referência certificados, como explica o presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, Inmetro, Carlos Augusto de Azevedo.

 

Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, Inmetro - Carlos Augusto de Azevedo: Se você não tiver o seu instrumento calibrado, aquilo não serve como prova. Para que a polícia possa fazer o processo criminal perfeito, ele, na hora, ele precisa da parte forense, da parte de... Ele precisa provar que é aquela substância. Pra ele provar que aquela substância é aquela ali, ele precisa ter um material de referência pra poder comparar.

 

Repórter José Luís Filho: Em parceria com o Ministério da Justiça, o Inmetro desenvolveu materiais de referência certificados, para identificar a presença de três drogas com alto grau de pureza: cocaína, diazepam e flunitrazepam, conhecido como "Boa noite, Cinderela". Os materiais de referência certificados produzidos pelo Instituto de Metrologia têm a mesma qualidade de outros, disponíveis no mercado nacional e de fora do país. Mas, segundo o presidente do Inmetro, custaram quase 12 vezes menos para serem desenvolvidos e serão entregues de graça para a Polícia Federal. Reportagem, José Luís Filho.

 

Nasi: O ônibus escolar para meninos da zona rural é muitas vezes fundamental para que a criança consiga chegar à escola.

 

Gabriela: Só neste mês, o Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar destinou R$ 55 milhões para atender 4,5 milhões de crianças em todo o país.

 

Repórter Nei Pereira: Estamos em uma escola rural de Planaltina, no Distrito Federal, que atende quase cem alunos que moram no campo. E eles só conseguem chegar até o local de estudo graças ao transporte escolar rural. A Verônica Santos, de nove anos, é uma delas. Ela está no 4º ano do ensino fundamental, estuda aqui desde os quatro anos e tem planos de continuar na mesma escola no futuro.

 

Estudante - Verônica Santos: Eu quero ser professora, dar aula na escola que eu estudo. Porque aqui, eu acho muito legal, tem transporte escolar pra todas as crianças.

 

Repórter Nei Pereira: São dois ônibus para atender os 94 alunos da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental, que moram no campo. Sem o transporte, Yasmim do Carmo Farias teria dificuldades para estudar.

 

Estudante - Yasmim do Carmo: Eu ia vir com o meu pai, mas ia atrapalhar ele trabalhar.

 

Repórter Nei Pereira: A escola tem um aluno especial que usa cadeira de rodas para se locomover. E, para atender as necessidades de estudantes como ele, os veículos são equipados com elevador hidráulico. A diretora, Denise de Carvalho, destaca a importância do transporte escolar para os alunos.

 

Diretora - Denise de Carvalho: Nós temos casos de alunos que, caso não fossem atendidos pelo transporte escolar, eles teriam que andar até seis quilômetros de distância para chegarem até aqui, dificultaria bastante a presença deles na escola.

 

Repórter Nei Pereira: O transporte escolar para alunos da zona rural é mantido com dinheiro do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar, do Ministério da Educação. Neste mês, o programa recebeu R$ 55 milhões para atender estudantes da zona rural, como explica Maria Nazaré Marinheiro, coordenadora-geral de apoio à manutenção escolar do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE.

 

Coordenadora-geral de apoio à manutenção escolar - Maria Nazaré Marinheiro: De um lado, a escola recebe ônibus e, de outro lado, ela recebe um recurso financeiro e esse recurso, ele pode ser usado em todas as despesas que estejam relacionadas com o transporte. São beneficiados 4,5 milhões de alunos por todo o país.

 

Repórter Nei Pereira: Os recursos do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar são liberados em dez vezes, cobrindo todo o ano letivo da educação básica. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: A partir de agora, empresas de ônibus e trem que fazem transporte interestadual e internacional vão ter mais liberdade para oferecer tarifas promocionais aos passageiros.

 

Gabriela: É, Nasi, a ideia é que elas possam oferecer descontos, da mesma maneira que hoje fazem as companhias aéreas.

 

Nasi: A ANTT publicou novas regras para facilitar esses descontos e quem tem os detalhes é a jornalista Natália Koslik.

 

Repórter Natália Koslik: As empresas de ônibus e trens agora vão ter mais liberdade para oferecer bilhetes com desconto para os passageiros. A resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres foi publicada nesta semana no Diário Oficial. Alexandre Munhoz, especialista em Regulação da ANTT, explica as principais mudanças.

 

Especialista em Regulação - Alexandre Munhoz: Essa nova resolução, ela trouxe duas novidades: As empresas podem fazer a tarifa promocional, comunicando posteriormente a ANTT a prática da tarifa promocional, e ela pode fazer por trechos de uma linha, ela não precisa ser a linha completa.

 

Repórter Natália Koslik: Essas novas regras já estão valendo para o transporte interestadual e internacional de ônibus e trens. Ainda de acordo com o especialista da ANTT, Alexandre Munhoz, as medidas se aproximam do que é oferecido hoje pelas companhias aéreas e devem trazer benefícios para os usuários.

 

Especialista em Regulação - Alexandre Munhoz: Como no aéreo, você vai lá, o aéreo fala: "Ah, agora está na promoção pra tal lugar. Agora está promoção pra tal." Hoje, o rodoviário não conseguia fazer isso. Com essa nova resolução, eles já podem fazer, no momento que for mais interessante pra eles, a tarifa promocional. Isso vai ampliar a concorrência entre as operadoras dos serviços e trazer mais benefícios aos usuários.

 

Repórter Natália Koslik: A resolução também prevê que as empresas vão ter que divulgar as linhas de ônibus, os horários, o número de lugares ofertados e a validade da promoção. E se o passageiro tiver qualquer dúvida ou reclamação, é só entrar em contato com a ouvidoria da ANTT pelo número 166. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gabriela: 19h22 em Brasília.

 

Nasi: Bom atendimento, rapidez, simpatia, alguns fatores que fazem com que uma pessoa pague a gorjeta em restaurantes e bares.

 

Gabriela: E essa taxa de serviço tem uma lei própria. Entre outros pontos, ela torna a gorjeta uma parte do salário do funcionário e não apenas uma gratificação.

 

Nasi: Três meses depois de entrar em vigor, a medida beneficia quase 200 mil trabalhadores, já diminuiu os conflitos entre patrões e empregados.

 

Gabriela: Com regras claras, todo mundo sai ganhando.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Simpatia e rapidez no atendimento. Para Narfilho (F) Pinheiro, que é garçom há mais de 25 anos, essa é a combinação perfeita para ele sempre receber gorjeta dos clientes que atende.

 

Garçom - Narfilho (F) Pinheiro: Você tem seu carisma, educação. Se você atender bem o cliente, do início, que ele chega, até o final, com certeza ele vai sair satisfeito. Pelo menos eu faço assim e dá certo.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Três meses depois da criação da lei que regulamenta a gorjeta como parte da remuneração do trabalhador, a relação entre patrão e empregado melhorou muito. Isso é o que garantem os funcionários de um bar em Brasília. Para eles, todo mundo saiu ganhando. É o que explica o gerente do bar, Plínio Salgado.

 

Gerente - Plínio Salgado: Pra gente, o balanço é positivo. Dava problema, porque o que é certo, o que é errado, né? Então ficava sempre essa briga entre empresa, funcionário, sindicato. Agora com a lei, pra gente, como empregador, ficou melhor, porque agora a gente já consegue caminhar sem ter problemas futuros, né? Até as brigas com os funcionários diminuiu.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A lei, criada em 12 de maio desse ano, não definiu um percentual para a gorjeta. O valor agora é distribuído entre os funcionários após os descontos dos impostos. Antes da lei, o que era pago como taxa de serviço não entrava no contracheque do empregado e poderia ser incorporado ao faturamento da empresa. Outra novidade da lei é que os funcionários que antes não recebiam gorjetas, como cozinheiro, caixa e barman, agora entram na divisão de 2% do valor total. Para o barman Franklin Costa, esse dinheirinho extra veio em boa hora e já tem destino certo.

 

Barman - Franklin Costa: Eu quero trocar agora de carro, dá até pra mim não ter que entrar numa prestação.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A empresa que descumprir a lei pode pagar multa de 3,5% da média das gorjetas arrecadadas por dia de atraso. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Nasi: Domingo é Dia dos Pais e a Voz do Brasil lembra que mamães podem ser acompanhadas pelo pai da criança ou parceiro durante o trabalho de parto em hospitais públicos de todo o país.

 

Gabriela: É a Lei do Acompanhante, que, segundo o Ministério da Saúde, garante o melhor atendimento às mulheres.

 

Nasi: Pois é, Gabriela, e essa lei é válida tanto para o parto normal quanto para a cesariana, e a presença do pai não pode ser impedida pelo hospital, médicos, enfermeiros ou por qualquer outro membro da equipe.

 

Gabriela: E caso isso aconteça, a família pode procurar a ouvidoria do Ministério da Saúde e denunciar. É só ligar de graça para o número 136.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite pra você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso."