11 DE JANEIRO DE 2018

Destaques da Voz do Brasil: Meta do Minha Casa Minha Vida é entregar 400 mil novas moradias, como destaca presidente Michel Temer. Valor do seguro-desemprego tem reajuste. Programa Agora é Avançar entrega mais um trecho duplicado na BR-135. Força tarefa monitora diariamente as condições de tráfego na BR-163.

audio/mpeg 11_01_18 - A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23556 KB




Transcrição

A VOZ DO BRASIL - 11/01/2018

 

 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h00.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Alessandra Bastos: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Alessandra: Quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Alessandra: Entregar 400 mil novas moradias.

 

Nasi: É a meta do Minha Casa Minha Vida para este ano.

 

Alessandra: Quem destaca é o presidente Michel Temer ao responder depoimentos dos nossos ouvintes.

 

Presidente Michel Temer: Vamos continuar esse programa para que, até o final desse ano, possamos entregar ao todo 400 mil moradias.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Alessandra: Valor do Seguro-Desemprego tem reajuste.

 

Nasi: Programa Agora É Avançar entrega mais um trecho duplicado na BR-135.

 

Alessandra: E atenção, caminhoneiros: uma força-tarefa monitora diariamente as condições de tráfego na BR-163.

 

Nasi: E você já a recebeu a lista dos materiais escolares do seu filho?

 

Alessandra: Então, fique atento. Vamos dar dicas para você não levar prejuízo na hora de comprar.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Alessandra Bastos e Nasi Brum.

 

Alessandra: E para assistir a gente ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: E uma força-tarefa monitora todos os dias as condições da BR-163.

 

Alessandra: DNIT, Polícia Rodoviária Federal e Exército já estão por lá para garantir o tráfego de caminhões nas áreas da rodovia que ainda não estão pavimentadas.

 

Nasi: São 90 quilômetros, parte em Novo Progresso e entre Santa Luzia e Trairão, no estado do Pará.

 

Alessandra: No ano passado, durante o escoamento da safra, as chuvas intensas causaram atoleiros e congestionamentos, e geraram transtornos.

 

Nasi: E para falar dessa operação e ajudar quem vai passar por esse trecho, nós vamos conversar agora ao vivo, por telefone, com o engenheiro Fábio Nunes, coordenador-geral de Manutenção Rodoviária do DNIT. Uma boa noite.

 

Coordenador-Geral de Manutenção Rodoviária do DNIT - Fábio Nunes (ao vivo): Boa noite.

 

Nasi: Fábio, essa operação começou quando e o que está sendo feito para tentar minimizar os impactos das chuvas para quem passa pelo local?

 

Coordenador-Geral de Manutenção Rodoviária do DNIT - Fábio Nunes (ao vivo): A Operação Radar BR-163, ela começou no dia 15 de dezembro e vai se estender aí até o mês de maio de 2018. Nós estamos com um efetivo de cerca de mais de 190 homens e mais de 175 equipamentos para poder garantir a trafegabilidade nesse período de chuva da Região Amazônica.

 

Alessandra: E nós vimos também que, até então, não choveu tão forte por lá, mas a previsão para os próximos dias é de bastante chuva. Os motoristas precisam ficar atentos, coordenador? Qual que é a orientação?

 

Coordenador-Geral de Manutenção Rodoviária do DNIT - Fábio Nunes (ao vivo): É, a orientação principal, esse período de chuva ainda não está no pico, mas, provavelmente agora nos meses de janeiro e fevereiro, as chuvas devem ficar mais intensas. Então, a orientação para todo mundo que está utilizando a rodovia, principalmente os caminhoneiros, é ficar atento aos postos de controle de trânsito localizados em Novo Progresso, Moraes Almeida, Santa Luzia e Campo Verde, e principalmente obedecer as nossas autoridades de trânsito e aos militares lá da nossa força envolvidos na operação. Então, principalmente tomar muito cuidado ao trafegar com chuva, não fazer fila dupla nos postos de controle e respeitar o tempo de parada de cada posto de controle.

 

Nasi: Certo. E tem também um site da internet que informa em tempo real a situação da rodovia, não é isso? A ideia é também ajudar esses caminhoneiros para que, antes de sair do local, saibam o que vão encontrar pela frente?

 

Coordenador-Geral de Manutenção Rodoviária do DNIT - Fábio Nunes (ao vivo): Exatamente, é importante. O site, que é www.br163pa.com, tem atualizado o boletim diário das condições e a informação dos tempos de parada nos postos de controle que eu citei anteriormente, que é Novo Progresso, Moraes Almeida, Santa Luzia e Campo Verde. O boletim é atualizado toda vez pela manhã até as 10h e ao final do dia até 6h da tarde. Então, lá o caminhoneiro pode verificar se existe algum tempo de parada e algum tipo de retenção para que ele possa programar melhor a sua viagem.

 

Alessandra: Então, muito obrigada pela entrevista, coordenador. E a Voz do Brasil vai continuar acompanhando de perto essa operação. Nós agradecemos a sua entrevista aqui, Fábio Nunes, coordenador-geral de Manutenção Rodoviária do DNIT.

 

Coordenador-Geral de Manutenção Rodoviária do DNIT - Fábio Nunes (ao vivo): Muito obrigado.

 

Nasi: Mais comodidade e rapidez para os motoristas que viajam pela BR-135, que liga o interior do Maranhão à capital do estado.

 

Alessandra: Um novo trecho duplicado da rodovia foi inaugurado, em mais uma obra entregue pelo Programa Agora É Avançar.

 

Nasi: O repórter Nei Pereira acompanhou essa inauguração do trecho e tem, ao vivo, mais informações. Uma boa noite, Nei.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Nasi. Boa noite, Alessandra e ouvintes da Voz do Brasil. Pista novinha e duplicada para quem chega à capital maranhense, em São Luís, pela BR-135. A obra era uma demanda antiga da população e que agora se concretiza. Pelo local passam diariamente cerca de 25 mil veículos. O motorista Jean Aguiar, que transporta combustível de São Luís para o interior do estado, presenciou muitos acidentes na rodovia. Ele achava que o projeto nunca sairia do papel.

 

Motorista - Jean Aguiar: Eu pensava que nunca ia terminar, não. Ah, vai ficar bem melhor, né? Vai diminuir muito os acidentes. Que o principal é isso aí, né, diminuir os acidentes.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Motorista há mais de 20 anos, Carlos Menezes sofria nos congestionamentos. Agora acredita que a situação vai melhorar.

 

Motorista - Carlos Menezes: Vai nos trazer mais segurança no trânsito, confiança, liberdade no trânsito, né, porque a gente ficava muito travado, perdia tempo.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): A BR-135 é o único acesso entre o interior do estado e a capital. Com a liberação do trecho de 11 quilômetros, fica concluída a duplicação do Lote 1 da rodovia, que tem um total de 26 quilômetros. O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, destacou a importância da obra para o estado do Maranhão.

 

Ministro dos Transportes - Maurício Quintella: É uma obra de integração nacional. É uma rodovia que era chamada de rodovia da morte, né? Hoje, duplicada na sua primeira etapa, é uma rodovia agora com muito mais segurança.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): O Governo Federal investiu R$ 503 milhões na obra por meio do Programa Agora é Avançar. O investimento vai facilitar o acesso ao Porto de Itaqui e pode reduzir o frete para os produtos movimentados no terminal, com destaque para os grãos produzidos no estado. E o povo vai ganhar mais uma obra nos próximos meses, garantiu o ministro da Secretaria-Geral de Governo, Moreira Franco.

 

Ministro da Secretaria-Geral de Governo - Moreira Franco: Em março agora nós estaremos aqui para a entrega do Berço 108, que vai aumentar em 40% o volume e a movimentação de carga no porto, o que significa mais emprego, mais riqueza para o Brasil e, sobretudo, para o Maranhão.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): A duplicação do trecho da BR-135 vai beneficiar 1,5 milhão de pessoas da região metropolitana de São Luís. Além das novas faixas, as pistas antigas estão sendo restauradas. Ao vivo de São Luís, no Maranhão, Nei Pereira.

 

"Você na Voz do Brasil".

 

Alessandra: E como a gente ouviu aí, o Programa Agora É Avançar está retomando obras em todo o país.

 

Nasi: Entre elas, obras do Minha Casa Minha Vida. José Jairo da Silva, que mora em Bauru, São Paulo, mandou uma mensagem para a gente contando que recebeu a chave da casa própria pelo programa no mês de novembro.

 

Alessandra: Jairo diz que agora, além de morar no que é seu, tem mais qualidade de vida.

 

Morador Contemplado pelo Programa Minha Casa Minha Vida - José Jairo da Silva: Eu morava de aluguel. Eu morava com a minha família de aluguel e parte do meu salário era destinado ao aluguel. Então, eu tinha que resolver alguma coisa, né? Ou casa ou rua, não sei. Era bem difícil mesmo. Mas agora, graças a Deus, tem melhorado bastante. Eu morava, assim, de outubro para lá, anterior, era num bairro bem mais precário. Agora tem um bairro bem melhor, tem mercearia. É tudo que um cidadão precisa para viver bem.

 

Nasi: E nessa semana quem participa do nosso quadro e responde os nossos ouvintes é o presidente Michel Temer.

 

Alessandra: E olha, Jairo: além de você, o presidente destaca que mais brasileiros também vão ter a chance de realizar o sonho da casa própria e anuncia a meta do Minha Casa Minha Vida para este ano. Vamos ouvir.

 

Presidente Michel Temer: Boa noite, Jairo. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Então, Jairo, parabéns pela casa nova. E quero dizer para quem está nos ouvindo que não paramos as entregas, não. O Minha Casa Minha Vida continua e faz parte do Programa Agora É Avançar. Quando assumimos o governo, nós deparamos com obras paradas em todo o país, e o objetivo do Avançar é exatamente esse, retomar essas obras e entregar à população. Eu, inclusive, estive no início de dezembro em Limeira e Americana, aí no estado de São Paulo, e fiz pessoalmente a entrega das casas. Fui visitar uma família que recebeu um apartamento e pude ver de perto a emoção de uma senhora que entrou pela primeira vez na sua casa. E não é sem razão, Jairo, que vamos continuar esse programa, finalizando essas moradias para que até o final desse ano possamos entregar ao todo 400 mil moradias, não é? Eu estou otimista, tenho certeza que os brasileiros também estão mais otimistas, e isso nos ajuda a olhar para frente e tomar as decisões que o Brasil precisa para continuar a crescer. Boa noite a todos.

 

Nasi: O valor do Seguro-Desemprego teve um reajuste de 2,07%.

 

Alessandra: Isso significa um aumento de R$ 34,00 no valor da maior parcela do benefício, que é pago aos trabalhadores com salário médio acima de R$ 2.467,00.

 

Nasi: O reajuste das parcelas do Seguro-Desemprego é feito todos os anos pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC, do ano anterior.

 

Alessandra: O secretário nacional de Políticas Públicas do Emprego, do Ministério do Trabalho, Igor Franco, lembra quem tem direito ao benefício.

 

Secretário Nacional de Políticas Públicas do Emprego, do Ministério do Trabalho - Igor Franco: Tem direito ao Seguro-Desemprego todo trabalhador que tenha a sua carteira assinada aí dentro de pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses trabalhados ou nove meses nos últimos 12 meses imediatamente anterior à data da dispensa quando da segunda solicitação, e cada um dos seis meses imediatamente anterior à data de dispensa quando das demais solicitações. O valor pago é de acordo com os salários. Sendo acima de R$ 2.467,33 o salário, o valor da parcela será de R$ 1.677,74, já em cima do novo valor do salário mínimo que está em vigência desde o dia 1º de janeiro, que é R$ 954,00.

 

Alessandra: Dezenove e onze no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Alessandra: Pescadores que estavam com registro suspenso a partir de hoje podem retirar permissão para a pesca.

 

Nasi: E você já recebeu a lista de materiais escolares do seu filho?

 

Alessandra: Então, fique atento. Daqui a pouquinho vamos dar dicas para você não levar prejuízo na hora de comprar.

 

"Momento Social".

 

Nasi: A pergunta do nosso quadro de hoje é da Sônia Franca, que está saindo de Guarulhos, São Paulo, para morar na Bahia.

 

Alessandra: Ela quer saber como faz para continuar recebendo o Bolsa Família. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, responde.

 

Beneficiária do Bolsa Família - Sônia Franca: Olá, ministro. Eu me chamo Sônia Franca, tenho três filhos e estou morando em Guarulhos, São Paulo, e recebo o Bolsa Família. É que eu estou indo morar na Bahia e gostaria de saber como que eu faço para estar recebendo o meu benefício lá.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Sônia, você deve procurar o setor do Bolsa Família ou o Centro de Referência de Assistência Social, o CRAS, assim que chegar no seu novo município, lá na Bahia, para evitar que você fique sem receber o benefício. Você terá que atualizar as suas informações. Então, além do novo endereço, leve o seu CPF ou o título de eleitor, o número do NIS e o documento das pessoas que moram com você. Na escola das crianças, quando for matriculá-las, informe também que elas são beneficiárias do Bolsa Família, para que nós possamos acompanhar a frequência escolar, que é um compromisso que todas as famílias com crianças devem cumprir.

 

Nasi: E, se você também tem alguma pergunta sobre programas sociais, manda aqui para a gente.

 

Alessandra: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br. Tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe!

 

Alessandra: As Olimpíadas de Tóquio, no Japão, só vão ocorrer em 2020, mas o treinamento dos atletas já está a todo vapor.

 

Nasi: E os esportistas que querem participar de grandes competições têm uma chance de receber o suporte operacional, técnico e financeiro oferecido pelo Exército Brasileiro.

 

Alessandra: As inscrições para a seleção dos atletas de alto rendimento do Exército estão abertas e vão até amanhã.

 

Repórter Raquel Mariano: Nas Olimpíadas de 2016, o primeiro atleta a garantir uma medalha para o Brasil foi Felipe Wu, na prova de tiro esportivo com pistola de ar de 10 metros. Muito além dessa conquista, Felipe tem orgulho do destaque que trouxe para a modalidade.

 

Atleta - Felipe Wu: Para o tiro esportivo foi bastante importante isso. Mais pessoas puderem conhecer como é que funciona o esporte e muitas pessoas, talvez, nem soubessem o que é que era o tiro esportivo, né?

 

Repórter Raquel Mariano: O Felipe faz parte do Programa de Alto Rendimento do Exército. Esse programa seleciona atletas que já tenham grandes resultados no esporte para representar o Exército e o Brasil. Eles precisam ter entre 19 e 37 anos, e serem inscritos na Federação do Esporte de Interesse. O gerente do programa, major Mauro Davi Martins, explica quais são as vantagens oferecidas aos participantes.

 

Gerente do Programa de Alto Rendimento do Exército - Major Mauro Davi Martins: Os quartéis ao longo do Brasil, né, oferecem essa estrutura de treinamento para eles. Tem a parte de saúde, não só a parte médica, né, que eles podem fazer todos os exames necessários, quanto a parte odontológica, a parte fisioterapêutica. E a remuneração que ele tem direito como 3º sargento.

 

Repórter Raquel Mariano: E novos atletas que quiserem se inscrever para concorrer a uma vaga têm até a próxima sexta-feira, dia 12, para enviar o curriculum. Para mais informações sobre o edital é só acessar o site do Exército, no endereço www.eb.mil.br. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Nasi: Pescadores que estavam com registros suspensos ou não avaliados poderão ter permissão para a pesca.

 

Alessandra: Foi publicada hoje portaria para registro na categoria pescador profissional artesanal.

 

Nasi: A regularização também vai servir para que o pescador tenha direito ao Auxílio-Doença ou Aposentadoria.

 

Repórter Pablo Mundim: Suspensa desde 2015, a Carteira de Atividade Pesqueira do Profissional Artesanal voltou hoje a ser autorizada. O governo federal publicou portaria que valida a identidade desse pescador desde que cumpra os requisitos para exercer a atividade. Também vão ser autorizadas as solicitações entregues a partir de 2014 e os relatórios de exercício da atividade pesqueira que ainda não foram devidamente regularizados. A medida dá tranquilidade para que o pescador exerça a atividade sem ser penalizado pelos órgãos de fiscalização, como explica o secretário de Aquicultura do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Dayvson Franklin.

 

Secretário de Aquicultura do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Dayvson Franklin: Com essa portaria e mais esse protocolo de que ele fez a sua parte, ele possa realizar a sua atividade sem ser impedido pelos órgãos de fiscalização.

 

Repórter Pablo Mundim: Segundo o secretário, o registro de pescador também vai servir como comprovante para recebimento de benefícios previdenciários.

 

Secretário de Aquicultura do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Dayvson Franklin: Imagine um trabalhador desse da pesca, ele sofre algum tipo de acidente, ele fica impossibilitado de trabalhar. Ele que recolhe, que trabalha, que segue as suas funções como cidadão, ele pode, agora com essa portaria, chegar ao INSS e pode requer o seu benefício previdenciário.

 

Repórter Pablo Mundim: O registro dá direito também ao recebimento do Seguro-Defeso para pescadores que não possuem outra profissão, como explica o secretário Dayvson Franklin.

 

Secretário de Aquicultura do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Dayvson Franklin: Para o Seguro-Defeso-Desemprego é só aquele pescador que vive exclusivamente da atividade da pesca. Nos períodos que ele não pode pescar, uma piracema, por exemplo, ele não pode trabalhar. Como é que ele vai dar o sustento da família? Nesse período, ele pode solicitar o Seguro-Desemprego-Defeso.

 

Repórter Pablo Mundim: Os registros vão ter validade até o final de 2018, quando o governo pretende finalizar o recadastramento nacional dos pescadores. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Alessandra: Janeiro chegou e, com ele, vem um monte de conta para pagar. É IPVA, IPTU...

 

Nasi: E para os pais, o material escolar também entra no orçamento.

 

Alessandra: E para ajudar, Nasi, a gente preparou uma reportagem e dá dicas para quem já está com a lista na mão.

 

Nasi: É que, na hora de sair atrás de preços baixos, é importante levar a calculadora, pesquisar muito, mas não deixar de lado a qualidade e a segurança, como conta a repórter Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Com o início do ano, as papelarias e livrarias ficam cheias. São crianças que pesquisam novidades e pais à procura do material escolar. A jornalista Ana Rita Telles conta que sempre observa a qualidade e o preço dos produtos.

 

Jornalista - Ana Rita Telles: Eu costumo pesquisar em três lojas. A parte que ele usa eu pego com melhor qualidade. A parte que a escola vai usar, eu pego uma coisinha mais inferior.

 

Repórter Márcia Fernandes: E não é só com os preços que os pais precisam se preocupar. A recomendação é que o comprador, antes de levar o produto para casa, observe a presença do selo do Inmetro, que geralmente fica no verso da embalagem. É ele que indica se o material foi testado e se oferece segurança para o estudante. Se o produto for vendido por unidade, como canetas e apontadores, a certificação tem que estar na prateleira, visível para o cliente. A pesquisadora do Inmetro, Milene Cleto, explica que há uma lista de 25 itens que precisam apresentar a certificação do Inmetro, uma garantia de que o produto não oferece risco ao estudante.

 

Pesquisadora do Inmetro - Milene Cleto: Dentre os 25 produtos nós temos o lápis, o lápis de cor, o hidrocor, a caneta, a borracha, o apontador. Nós temos uma gama de produtos. Tinta, cola. E esses produtos são objeto de ensaios, de acordo com uma norma de referência, na qual são identificados alguns riscos potenciais. Tudo isso para ter um cuidado com a segurança daquele produto que está indo para o seu filho.

 

Repórter Márcia Fernandes: A pequena Júlia, de 2 anos, vai à escola pela primeira vez neste ano, e a mãe dela, a estudante Laiane Scarcella, contas que na hora das compras conferiu se cada item tinha certificação do Inmetro.

 

Mãe de Aluna - Laiane Scarcella: A gente teve todo o cuidado em olhar cada item se tinha o selo do Inmetro. Os itens que a gente achou que não tinha, a gente não comprou.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os pais também devem ficar atentos à lista de material escolar. O coordenador-geral de Estudos e Monitoramento de Mercado da Secretaria Nacional do Consumidor, Bernardo Argôlo, destaca que o colégio não pode exigir produtos que sejam de uso coletivo.

 

Coordenador-Geral de Estudos e Monitoramento de Mercado da Secretaria Nacional do Consumidor - Bernardo Argôlo: Os que sejam de uso corriqueiro por todos na escola, isso é abusivo. A escola não pode, por exemplo, solicitar a compra de pasta de dente, de papel higiênico, porque isso já são itens que estão incluídos na mensalidade escolar.

 

Repórter Márcia Fernandes: O gerente de uma papelaria no Distrito Federal, João Carlos da Motta, recomenda que, antes de levar o material para casa, os pais pesquisem bastante e peçam desconto.

 

Gerente de Papelaria - João Carlos da Motta: Assim, a dica que eu dou é sempre pechinchar com o gerente uma melhor forma de pagamento. Dependendo do pagamento você consegue um descontado maior.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os comerciantes que venderem produtos sem o selo do Inmetro podem ser penalizados com advertências, apreensão do produto e multas que variam de R$ 100,00 a R$ 1,5 milhão. O consumidor que encontrar irregularidades pode fazer uma denúncia na ouvidoria do Inmetro, no telefone 0800-28501818. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Alessandra: 19h, no horário brasileiro de verão.

 

"Salve o nosso Senhor do Bonfim, salve todos os orixás. Que nos protejam nesta vida para nada nos faltar. Xeu Êpa Babá!".

 

Nasi: Salvador, na Bahia, foi palco hoje de uma tradição que se repete todos os anos há mais de dois séculos.

 

Alessandra: Milhões de pessoas formaram um cortejo para acompanhar a tradicional lavagem da escadaria da Igreja do Senhor do Bonfim.

 

Nasi: A festa é reconhecida como patrimônio imaterial pelo Iphan, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

 

Repórter Natália Koslyk: Milhares de baianos e turistas vestiram branco nesta quinta-feira e subiram a Colina Sagrada para celebrar um símbolo de fé e devoção, o Senhor do Bonfim. Uma tradição que começou no século XVIII e se renova todos os anos. A celebração reúne ritos, representações religiosas e manifestações culturais, e recebeu o título de patrimônio cultural do Brasil, em 2013. Hermano Queiroz, diretor de Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, explica o motivo desse reconhecimento.

 

Diretor de Patrimônio Imaterial do Iphan - Hermano Queiroz: Esta não é uma festa que traz apenas elementos da liturgia católica. Tanto é assim que você vê também a presença muito forte das baianas de acarajé, os afoxés, grupos de capoeira que se apresentam espontaneamente ao longo de todo o percurso do cortejo e também no Largo do Bonfim. Há uma série de cumprimento de promessas, romarias, e uma festa que se completa com rodas de samba na praça. Por isso ela é reconhecida como patrimônio, porque ela extrapola a dimensão da religiosidade para ser algo que, de fato, consegue representar bem a cultura do Brasil.

 

Repórter Natália Koslyk: São oito quilômetros de caminhada até chegar à Colina Sagrada, onde baianas, filhas de santos, lavam as escadarias da Basílica Santuário Senhor Bom Jesus do Bonfim, com jarros cheios de flores e água de cheiro. E tem gente que viaja de longe para ver. Luciene de Carvalho e o marido, que moram em Brasília, estavam passando férias em Minas Gerais e resolveram esticar o roteiro até Salvador para participar da festa.

 

Turista - Luciene de Carvalho: Para mim significa fé, esperança em dias melhores, e a gente está aproveitando as nossas férias em Salvador para participar desse momento que eu, como católica que sou, eu acho que é um momento muito importante.

 

Repórter Natália Koslyk: A festa do Senhor do Bonfim também ajuda a desenvolver o turismo doméstico brasileiro, como explica José Francisco de Sales Lopes, diretor de Estudos Econômicos e Pesquisas do Ministério do Turismo.

 

Diretor de Estudos Econômicos e Pesquisas do Ministério do Turismo - José Francisco de Sales Lopes: Nós vamos ter uma movimentação de mais de 74 milhões de viajantes, o que vai corresponder a um faturamento para o turismo de quase R$ 101 bilhões.

 

Repórter Natália Koslyk: As festividades duram 11 dias: começam no dia seguinte ao dos Santos Reis, que conclui o ciclo natalino, e terminam no segundo domingo seguinte, em que se comemora o Dia do Senhor do Bonfim. Reportagem, Natália Koslyk.

 

Alessandra: E uma última informação.

 

Nasi: O presidente Michel Temer esteve na tarde de hoje no Hospital Sírio-Libanês para consulta de retorno dos procedimentos cardiológicos e urológicos realizados no fim do ano passado. O presidente está bem e já foi liberado.

 

Alessandra: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Alessandra: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Alessandra: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, Ordem e Progresso".