12 DE ABRIL DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Petrobras suspende reajuste no preço do diesel. E presidente Jair Bolsonaro anuncia reunião com diretoria da empresa para discutir política de preços do combustível e demostra preocupação com caminhoneiros. 32 mortes todos os dias. Números do suicídio em todo o país. E governo vai atuar para atender brasileiros que precisam de ajuda. Combate à dengue. Ministério da Saúde mantém alerta para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti. E locais com maiores casos da doença contam com apoio do Exército.

audio/mpeg 12-04-19-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46905 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 12 de abril de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Petrobras suspende reajuste no preço do diesel.

 

Gabriela: E presidente Jair Bolsonaro anuncia reunião com diretoria da empresa para discutir política de preços do combustível e demonstra preocupação com caminhoneiros.

 

Presidente Jair Bolsonaro: E eu estou preocupado também com o transporte de carga no Brasil, com os caminhoneiros. Eles são pessoas que realmente movimentam as riquezas de norte a sul, leste a oeste, que têm que ser tratadas com o devido carinho, com consideração.

 

Nasi: Você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Trinta e duas mortes todos os dias.

 

Nasi: Números do suicídio em todo o país. Governo vai atuar para atender brasileiros que precisam de ajuda. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou a campanha Acolha a Vida. A ideia é prevenir esses casos em crianças e adolescentes.

 

Gabriela: Combate à dengue.

 

Nasi: Ministério da Saúde mantém alerta para evitar a proliferação do mosquito aedes aegypti.

 

Gabriela: E locais com maiores casos da doença contam com apoio do Exército. Cleide Lopes.

 

Repórter Cleide Lopes: Militares estão atuando nos locais onde há mais registros de casos de dengue e focos do mosquito.

 

Nasi: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Nasi: Quem transporta cargas está sempre de olho nos preços dos combustíveis, do diesel.

 

Gabriela: E por enquanto o valor do litro do combustível continua o mesmo.

 

Nasi: É que a Petrobras decidiu esperar mais alguns dias para definir o reajuste nas refinarias.

 

Gabriela: O presidente Jair Bolsonaro convocou uma reunião sobre o assunto e quer garantir um preço justo aos caminhoneiros.

 

Repórter Graziela Mendonça: A Petrobras decidiu adiar o reajuste do diesel nas refinarias. O aumento de 5,7% chegou a ser anunciado nesta quinta-feira, mas a Petrobras revisou a posição e vai esperar mais alguns dias para reajustar o preço. O presidente Jair Bolsonaro telefonou para o presidente da companhia pedindo mais informações sobre esse aumento, que está acima da inflação projetada para o ano. Nesta sexta-feira, Jair Bolsonaro ressaltou que não quer intervir nos preços, mas sim entender o custo do combustível.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Eu não vou ser intervencionista, não vou praticar política que fizeram no passado, mas eu quero os números da Petrobras, tanto é que na terça-feira convoquei todos da Petrobras para me esclarecerem por que 5,7% de reajuste, quando a inflação projetada para esse ano está abaixo de 5.

 

Repórter Graziela Mendonça: A decisão da Petrobras segue a nova orientação da companhia, de reajustar o diesel com menor frequência. Desde o mês passado, os preços nas refinarias só podem mudar a cada 15 dias, dando mais estabilidade para quem pega a estrada. O presidente Jair Bolsonaro destacou a preocupação do governo com os caminhoneiros. Disse que eles são importantes para o país e que é preciso garantir combustível a preço justo.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Eu estou preocupado também com o transporte de carga no Brasil, com os caminhoneiros. Eles são pessoas que realmente movimentam as riquezas de norte a sul, leste a oeste, que têm que ser tratadas com o devido carinho, com consideração. E nós queremos... Não é o reajuste, o preço justo para o óleo diesel.

 

Repórter Graziela Mendonça: Também no mês passado, a Petrobras anunciou o Cartão Caminhoneiro, que vai permitir ao motorista comprar diesel a preço fixo nos postos com a bandeira BR. Reportagem: Graziela Mendonça.

 

"Minuto do Caminhoneiro".

 

Nasi: Você, que pega a estrada e ajuda no desenvolvimento do país, já deve ter dirigido ou ouvido muitas histórias sobre a BR-163.

 

Gabriela: Ela é a principal rota para o escoamento dos grãos do Centro-Oeste para o Norte do país, principalmente a soja, porque chega até os portos de Miritituba, no Pará.

 

Nasi: E como não é totalmente pavimentada, em períodos de chuva, alguns trechos ficam críticos, por causa da lama, e os caminhões não conseguem passar.

 

Gabriela: Por isso, o governo realiza por lá uma verdadeira força-tarefa.

 

Nasi: É a Operação Radar, que tem a participação do Exército e Dnit, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, para recuperar os trechos da rodovia prejudicados pela chuva entre os municípios de Novo Progresso e Morais Almeida, no Pará.

 

Gabriela: Mas a ideia é que, ano que vem, esse trecho da BR-163 esteja totalmente asfaltado, acabando com os problemas recorrentes para os caminhoneiros.

 

Nasi: A gente conversou com o chefe da Seção de Acompanhamento de Obras do Exército, coronel José Sirnando Cavalcante das Neves, que explica como vai ser o trabalho para pavimentar esta parte da rodovia. Vamos ouvir.

 

Chefe da Seção de Acompanhamento de Obras do Exército - Coronel José Sirnando Cavalcante das Neves: A expectativa é que, no mês de maio, com a redução do período de chuva na região amazônica, a gente possa reiniciar os trabalhos de pavimentação dos 65 quilômetros que ainda restam para serem asfaltados naquele trecho da rodovia, e assim permitir uma condição melhor de segurança e conforto para, não só os caminhoneiros, mas à população em geral que utiliza aquela rodovia. Então, nesse período de inverno, além da Operação Radar, que visa dar o apoio emergencial nesse período crítico de chuva, nós também fazemos a preparação, a logística, manutenção dos nossos meios, para que assim que as chuvas permitirem, que as condições climáticas estiverem permitindo os trabalhos, a gente possa reiniciar o trabalho definitivo de pavimentação da rodovia.

 

Gabriela: E você, que está na estrada, pode participar do Minuto do Caminhoneiro.

 

Nasi: Basta entrar em contato com a gente pelo WhatsApp.

 

Gabriela: Suas perguntas vão ser respondidas toda sexta-feira.

 

Nasi: Agora é a hora de anotar o número: É 61 99965-2358. Eu vou repetir: 61 99965-2358.

 

Gabriela: Inaugurado hoje o novo Aeroporto Internacional de Macapá.

 

Nasi: O terminal foi modernizado e agora vai poder receber por ano cinco vezes mais passageiros que o antigo.

 

Gabriela: Ele agora conta com mais balcões de check-in, mais esteiras de bagagens e elevadores.

 

Nasi: E além de mais conforto para os usuários, o novo aeroporto também vai ajudar a impulsionar a economia e o turismo no estado do Amapá.

 

Gabriela: O presidente Jair Bolsonaro participou da inauguração.

 

Repórter Luana Karen: A estrutura chama a atenção. O novo Aeroporto Internacional de Macapá é quase cinco vezes maior que o antigo terminal e poderá receber 5 milhões de passageiros por ano, o dobro da capacidade do aeroporto anterior. A empresária Carmen Vasques espera que a nova estrutura atraia turistas e movimente a economia da cidade.

 

Empresária - Carmen Vasques: Nós temos a nossa fortaleza, o nosso Rio Amazonas, nossa gastronomia, que é fantástica, o nosso açaí, o nosso camarão, e com isso a nova estrutura do aeroporto vem trazendo isso para fomentar a nossa economia do nosso estado.

 

Repórter Luana Karen: A funcionária pública Neiva Nunes costuma viajar com frequência e aguardava ansiosa pelo novo terminal.

 

Funcionária pública - Neiva Nunes: Esteiras antigas, aqueles prédios ultrapassados que a gente esperava muito ver um dia aqui uma coisa evoluída.

 

Repórter Luana Karen: O novo Aeroporto de Macapá conta com 25 balcões de check-in, 6 escadas rolantes, 13 elevadores e 3 novas esteiras de restituição de bagagem. A obra custou pouco mais de R$ 166 milhões. Na estrutura, também está presente a preocupação com a sustentabilidade. O terminal tem iluminação natural e sistema automatizado de lâmpadas de LED, o que vai permitir uma economia de energia de 50% em relação ao antigo aeroporto. Martha Seillier, presidente da Infraero, destaca as características do novo aeroporto.

 

Presidente da Infraero - Martha Seillier: Investimos em iluminação natural, temos conforto térmico com os equipamentos de ar-condicionado, os vidros têm tecnologia para permitir manter o conforto térmico dentro do terminal, gastando menos energia.

 

Repórter Luana Karen: Macapá tem cerca de 500 mil habitantes e é a única capital brasileira que não possui interligação por rodovia com outras capitais do país. A meta, segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, é integrar o Amapá ao resto do Brasil.

 

Ministro da Infraestrutura - Tarcísio Gomes de Freitas: O Ministério da Infraestrutura vai trabalhar firmemente para que a gente possa concluir a pavimentação da BR-156. Vamos trabalhar muito para melhorar as condições do Porto de Macapá e integrar finalmente, da melhor forma possível, o estado do Amapá na infraestrutura nacional.

 

Repórter Luana Karen: Pela primeira vez no Amapá desde que assumiu o mandato, o presidente Jair Bolsonaro destacou a importância do aeroporto para a região.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Um aeroporto de primeiro mundo, que abrirá cada vez mais as portas desse estado para o turismo, para o comércio e para a integração.

 

Repórter Luana Karen: O terminal abre as portas ao público neste sábado. Os primeiros 45 dias vão ser de operação assistida. Nesse período, a Infraero vai monitorar o funcionamento das instalações e equipamentos. De Macapá, Luana Karen.

 

Nasi: Aproximação maior entre polícia e a população.

 

Gabriela: Com uma atuação não só na repressão, mas também no diálogo com moradores para identificar problemas que contribuem para a violência, como uma rua sem iluminação, por exemplo.

 

Nasi: Essa é a ideia do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que lançou hoje a Diretriz Nacional de Polícia Comunitária.

 

Gabriela: A iniciativa foi inspirada na polícia comunitária do Japão.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Aproximar a polícia do cidadão, este é o objetivo da Diretriz Nacional de Polícia Comunitária. O texto é resultado da experiência adquirida a partir de um acordo firmado entre o Brasil e o Japão em 2014. De lá para cá, o Brasil tem enviado representantes da Segurança Pública ao país asiático para uma troca de experiências. E na volta, eles replicam aqui o que aprenderam lá. Major Oliveira, coordenador estadual de Polícia Comunitária de Pernambuco, é um destes militares que tiveram a oportunidade de aprofundar os conhecimentos neste intercâmbio.

 

Coordenador estadual de Polícia Comunitária de Pernambuco - Major Oliveira: Vai fazer com que o policial, ele se aproxime da população, ele conheça a área onde ele trabalha, ele comece a mobilizar aquela comunidade, todo problema na comunidade se torna importante, não apenas os crimes mais violentos, e com isso a população vai se aproximando da polícia, vai contribuindo.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: O policiamento comunitário japonês tem mais de 130 anos. Aqui no Brasil, a intenção do governo federal é disseminar essa filosofia de polícia comunitária nas instituições de segurança pública de todo o país. Na prática, é a aproximação da polícia com a comunidade, como detalha o secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel.

 

Secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública - Luiz Pontel: O policial, ele passa a se relacionar diretamente com a sociedade, atendendo às necessidades pontuais e sobretudo trabalhando num policiamento preventivo.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Em São Paulo, a polícia comunitária nasceu em 1997 e nestas mais de duas décadas a realidade da maior cidade do país mudou, é o que afirma a coronel Helena, diretora de Polícia Comunitária e Direitos Humanos de São Paulo.

 

Diretora de Polícia Comunitária e Direitos Humanos de São Paulo - coronel Helena: Nós chegamos a ter um índice no passado de 30 homicídios por grupo de cem mil habitantes, e hoje nós estamos com 7 homicídios por grupo de cem mil habitantes, que é um índice aprovado pela Organização Mundial de Saúde e se compara a países de primeiro mundo inclusive.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: O embaixador do Japão, Akira Yamada, também participou do evento. Reportagem: Luciana Colares de Holanda.

 

Nasi: Estamos no outono, mas o combate à dengue continua.

 

Gabriela: Daqui a pouco você vai ouvir que locais com maiores casos da doença contam com o apoio do Exército para evitar a proliferação do mosquito aedes aegypti.

 

"Conheça a nova TV Brasil. Muito mais informação, muito mais serviço e ainda mais notícias sobre políticas públicas. Então, não esqueça, assista às notícias do governo federal na nova TV Brasil".

 

Nasi: Ampliar as relações comerciais, para que o Brasil e a Argentina consigam um espaço maior no mercado internacional.

 

Gabriela: O vice-presidente brasileiro Hamilton Mourão e a vice-presidente argentina Gabriela Michetti se encontraram hoje em Brasília e se comprometeram a trabalhar juntos para fortalecer as vendas ao exterior.

 

Repórter Gabriela Noronha: A Argentina é o terceiro maior parceiro comercial do Brasil e um dos principais parceiros políticos. De acordo com a vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti, os dois países têm a oportunidade de buscar uma participação no mercado mundial junto aos países do Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

 

Vice-presidente da Argentina - Gabriela Michetti: 'Brasil y Argentina, juntos, tienen muchas posibilidades de ir al mercado internacional'.

 

Repórter Gabriela Noronha: O vice-presidente Hamilton Mourão ressaltou que os países do bloco econômico devem trabalhar para ampliar a participação no comércio internacional, em especial no agronegócio.

 

Vice-presidente - Hamilton Mourão: Nós temos plenas condições de, juntos, e também com os outros integrantes do Mercosul, abastecermos o mundo daquilo que é fundamental para a vida de cada um, que é alimento.

 

Repórter Gabriela Noronha: No ano passado, o Brasil exportou cerca de US$ 15 bilhões para o país vizinho e importou mais de US$ 11 bilhões em produtos argentinos. A venda de automóveis, produtos derivados de metais e de petróleo são a base do comércio bilateral. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Nasi: E agora há pouco, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, conversou com os jornalistas sobre assuntos do dia, como o preço do diesel e a Nova Previdência.

 

Gabriela: O repórter Pablo Mundim acompanhou e traz os detalhes ao vivo pra gente. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi, e principalmente a você, ouvinte da Voz do Brasil. O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, informou há pouco que o presidente Jair Bolsonaro convocou os ministros da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e de Minas e Energia, Bento Albuquerque, além do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e de técnicos da área, para discutirem sobre aspectos técnicos da política de preços do óleo diesel. Segundo o porta-voz, o presidente Bolsonaro defende que a Petrobras deve estar sujeita a regras de mercado e não deve sofrer interferência política em sua gestão.

 

Porta-voz da Presidência da República - Otávio Rêgo Barros: Por princípio, o Sr. Presidente da república entende que a Petrobras, uma empresa de capital aberto, sujeita às regras de mercado, não deve sofrer interferência política em sua gestão. No entanto, em face do impacto sobre a população do ajuste anunciado, cerca de 5,7%, ele recomendou aguardar a implantação e convidou ministros ligados à área e uma equipe técnica da Petrobras para comparecerem ao Palácio do Planalto na próxima terça-feira, com o intuito de discutir os aspectos técnicos da decisão.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Otávio Rêgo Barros também falou sobre a Nova Previdência. De acordo com o porta-voz, o presidente está confiante no empenho dos líderes de governo no Congresso para convencer os parlamentares a aprovarem o relatório do deputado Marcelo Freitas na Comissão de Constituição e Justiça, na próxima semana.

 

Porta-voz da Presidência da República - Otávio Rêgo Barros: É um processo que os senhores vêm acompanhando, que a sociedade está debruçada sobre ele e, quanto mais rápido essas fases regimentais forem alcançadas, mais rápido o Congresso, inicialmente a Câmara e depois o Senado, terão oportunidade de trabalhar sobre a proposta, corrigi-la, se acharem que é o caso, colocando, por fim, a sua firma no documento e propiciando ao nosso país a capacidade de alavancar-se rumo ao futuro.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): A expectativa é que o relatório da proposta da Nova Previdência seja aprovado na CCJ da Câmara, na próxima quarta-feira, dia 17. Nasi e Gabriela.

 

Nasi: Obrigado, Pablo, pelas informações ao vivo para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde mantém o alerta à população de cuidados permanentes para evitar a proliferação do mosquito aedes aegypti.

 

Nasi: Este ano, o número de casos no país mais que dobrou em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Gabriela: No Distrito Federal, onde as notificações de dengue aumentaram mais de 500%, os agentes de saúde ganharam o apoio do Exército para combater os focos do mosquito.

 

Repórter Cleide Lopes: O estudante Welito(F) Santana teve a dengue há dois anos e sabe o que ela provoca.

 

Estudante - Welito(F) Santana: Dá preguiça, um cansaço, você sente calor e frio ao mesmo tempo, fica na impossibilidade de fazer qualquer coisa, não tem fome, não tem sede, é horrível.

 

Repórter Cleide Lopes: O Ministério da Saúde está preocupado com o aumento de 264% no número de casos da doença no país, que passaram de quase 63 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para mais de 229 mil no mesmo período deste ano. O número de óbitos pela doença também aumentou em 67%, sendo grande parte no estado de São Paulo. Alguns estados têm situação mais preocupante, por apresentarem mais de cem casos por cem mil habitantes. É o caso de Tocantins, Acre, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo e também no Distrito Federal, onde agora, além dos bombeiros, conta com o apoio do Exército para combater o mosquito aedes aegypti. Segundo o tenente-coronel Medeiros, militares estão atuando nos locais onde há mais registros de casos de dengue e focos do mosquito.

 

Tenente-coronel - Medeiros: Nós temos cerca de cem homens envolvidos nessa operação, e eles estão distribuídos nas áreas mais endêmicas do Distrito Federal. E sempre que a população precisar, a nossa mão amiga estará sempre estendida para a nossa população.

 

Repórter Cleide Lopes: E nós acompanhamos uma operação do Exército junto à Secretaria de Vigilância Ambiental, na região administrativa de Itapuã, a cerca de 25 quilômetros do centro de Brasília. A chefe de Vigilância Ambiental do Paranoá, Zeneide Duarte, disse que a situação da cidade é preocupante.

 

Chefe de Vigilância Ambiental do Paranoá - Zeneide Duarte: Nós fizemos, com a ajuda do Exército, 787 casas trabalhadas. E fizemos 45 coletas de foco. Não adianta a gente fazer todo esse trabalho se a própria população não cuidar, não se preocupar em cuidar do seu próprio lote, não é?

 

Repórter Cleide Lopes: A dona de casa Maria Eunice Barbosa, moradora de Itapuã, diz que na casa dela o mosquito não entra.

 

Dona de casa - Maria Eunice Barbosa: Bom, eu não deixo água acumulada, aqui na frente eu sempre estou lavando, limpando. Planta, eu já ponho penduradas e não tem como acumular água.

 

Repórter Cleide Lopes: Dados do Ministério da Saúde apontam que o Distrito Federal registrou este ano 3.467 casos da doença, um aumento de 528% em comparação com o mesmo período do ano passado. Reportagem: Cleide Lopes.

 

Nasi: Um assunto tão complexo que muitas vezes é ignorado.

 

Gabriela: Pelas famílias, pelas escolas, por nós mesmos, né, Nasi?

 

Nasi: Pois é, Gabriela. A prevenção ao suicídio merece muita conversa séria e uma atenção redobrada.

 

Gabriela: E é por isso que o Ministério da Família e Direitos Humanos lançou uma campanha que vai nos ensinar a acolher essas pessoas e diminuir esses números.

 

Repórter Márcia Fernandes: Quando o telefone toca, é hora de ajudar.

 

"Você ligou para o CVV, que oferece apoio emocional gratuito. Por favor, aguarde alguns instantes para conversar com um de nossos voluntários".

 

Repórter Márcia Fernandes: A chamada é feita ao Centro de Valorização à Vida, o CVV. O centro atende pessoas que passam por algum problema e pensam em suicídio. O atendimento é feito por e-mail, bate-papo pela internet ou por telefone. A ligação é de graça e pode ser feita até pelo celular, mesmo sem crédito. O serviço funciona 24 horas todos os dias, com um objetivo: convencer quem já não tem esperança de que a vida vale a pena, como explica o coordenador do CVV em Brasília, Amauri Teixeira.

 

Coordenador do CVV em Brasília - Amauri Teixeira: Quando você tem algum problema e procura alguém, a pessoa rapidamente te apresenta uma solução ou passa a contar o problema dela. Então, você não consegue ser ouvida. O que a gente faz é ouvir com atenção e estabelecendo uma conversa franca, mas sem julgamento, sem nenhum tipo de aconselhamento.

 

Repórter Márcia Fernandes: Para ajudar na prevenção dos casos de suicídio e automutilação, que é quando a pessoa propositalmente faz cortes em seu corpo, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou a campanha Acolha a Vida. A ideia é orientar conselheiros tutelares, profissionais da saúde e segurança, professores e principalmente as famílias sobre como lidar com a situação e prevenir esses casos em crianças e adolescentes. A atriz Luíza Brunet participou da campanha.

 

Atriz - Luíza Brunet: Se você conhece alguém que está passando por esse tipo de problema, não agrida, não se omita. Ela não está fazendo isso para chamar a atenção. Acolha essa pessoa com amor e com carinho, depois encaminhe aos profissionais da saúde mental. Abrace, envolva, acolha a vida.

 

Repórter Márcia Fernandes: Na prevenção ao suicídio, é preciso ficar atento a alguns sinais. Se a pessoa cita a própria morte constantemente ou se fala sobre desaparecer, sumir, ou que não tem esperança, é preciso ver essas ações como um sinal de alerta. O isolamento também pode ser um indicativo. A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, aconselha que os pais acolham os filhos neste momento.

 

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos - Damares Alves: Eles estão sentindo dor, sim. Nós queremos tirar esse estigma de que essas crianças que estão se cortando no Brasil estão querendo apenas aparecer. Não julguem, pais, não condenem. Abrace, abrace e abrace.

 

Repórter Márcia Fernandes: Se você conhece alguém nessa situação, procure ouvir a pessoa sem julgamentos e oferecer ajuda, e oriente sobre a importância de procurar algum profissional da saúde mental. O Centro de Valorização à Vida funciona o dia todo, no número 188. Reportagem: Márcia Fernandes.

 

Nasi: E a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, também detalhou as medidas adotadas nos primeiros cem dias de governo.

 

Repórter Selma Dias: Nestes cem primeiros dias de gestão do ministério, os idosos do país foram beneficiados por uma campanha que alerta para o envelhecimento ativo e saudável. Para as mulheres, sete ações concretas saíram do papel, com foco na prevenção do assédio e da violência, explicou a secretária nacional de Política Para as Mulheres, Tia Eron.

 

Secretária nacional de Política Para as Mulheres - Tia Eron: Primeira campanha, Meu Corpo Não é Sua Fantasia, nós fizemos aí a assinatura interministerial com o ministro Moro, que trata sobre monitoramento dessas medidas protetivas. Nós fizemos depois implementação da educação e reabilitação do homem agressor, também tornando como referência nacional.

 

Repórter Selma Dias: Para a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, a pasta também avançou no projeto que regulamenta a educação domiciliar.

 

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos - Damares Alves: Nós temos pais no Brasil que estão respondendo processos porque estão fazendo o ensino domiciliar. Então a lei vem para abrigar essas famílias que optaram pelo ensino domiciliar.

 

Repórter Selma Dias: O evento detalhou também a regulamentação de dois artigos da Lei Brasileira de Inclusão, que prevê a adaptação da frota de táxis e locadoras de veículos para pessoas com deficiência. Reportagem: Selma Dias.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e bom fim de semana.

  

Gabriela: Uma boa noite pra você e até segunda.

 

"Governo federal. Pátria amada, Brasil".