13/02/17 - A Voz do Brasil

E vamos ao destaque do dia: Presidente Michel Temer disse hoje que qualquer ministro, denunciado pela Operação Lava Jato, vai ser afastado do cargo. E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje: Governo vai enviar ao Congresso projeto para regulamentar direito a greve dos servidores públicos. E a situação no Espírito Santo está voltando ao normal. Vamos falar ainda de novos critérios adotados pelo Ministério da Saúde para identificar os sintomas e iniciar logo tratamento do câncer em crianças e adolescentes!

audio/mpeg 13 02 17.mp3 — 11713 KB




Transcrição

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.

 

"Está no ar a Voz do Brasil - As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

 

Airton: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gláucia: Segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017.

 

Airton: E vamos ao destaque do dia. Presidente Michel Temer disse hoje que qualquer ministro denunciado pela operação Lava Jato vai ser afastado do cargo.

 

Presidente da República - Michel Temer: Portanto eu faço essa declaração para dizer que o governo não quer blindar ninguém, e não vai blindar.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Airton: Governo vai enviar ao Congresso projeto para regulamentar direto a greve dos servidores públicos.

 

Gláucia: Depois de garantir a ordem no Espírito Santo, Forças Armadas vão atuar no Rio de Janeiro. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: Presidente Temer autorizou o envio de militares para o estado. Eles vão atuar na região metropolitana da capital. Daqui a pouco eu volto com mais informações.

 

Airton: Vamos falar ainda de novos critérios adotados pelo Ministério da Saúde para identificar os sintomas e iniciar logo o tratamento do câncer em crianças e adolescentes.

 

Gláucia: Hoje na apresentação da Voz do Brasil, Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: Para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: O ministro que for denunciado na operação Lava Jato vai ser afastado do governo.

 

Airton: A afirmação é do presidente Michel Temer, que fez uma declaração à imprensa para falar mais uma vez que o Governo Federal não tem qualquer influência na operação, que investiga corrupção e desvios de dinheiro da Petrobras.

 

Gláucia: O presidente também afirmou que pretende mudar a regulamentação do direito de greve dos trabalhadores do serviço público.

 

Airton: A mudança não atinge os policiais militares do Espírito Santo, que já são proibidos por lei de entrar em greve.

 

Repórter Mara Kenupp: Na declaração à imprensa, o presidente Michel Temer voltou a afirmar que o governo não vai interferir nas investigações da operação Lava Jato.

 

Presidente da República - Michel Temer: Eu quero anunciar em caráter definitivo, e talvez pela enésima vez, que o governo jamais poderá interferir nessa matéria, que corre por conta da Polícia Federal, inauguralmente, no Ministério Público e no Judiciário.

 

Repórter Mara Kenupp: No caso de possível denúncia de qualquer ministro na operação Lava Jato, Temer foi claro: O governo não vai proteger ninguém. O presidente afirmou que vai afastar de forma provisória o ministro que for denunciado, e em definitivo se o ministro virar réu. Em um processo na justiça, o primeiro passo é a denúncia no Ministério Público, quando considera que existem provas de que um crime foi cometido por alguém. Caso o juiz que julgue o caso aceite a denúncia, o investigado vira réu e então responde a um processo. Segundo Temer, o afastamento vai ser definitivo e independente do julgamento final.

 

Presidente da República - Michel Temer: O governo não quer blindar ninguém e não vai blindar. Apenas não pode aceitar que a simples menção inauguradora de um inquérito para depois inaugurar uma denúncia, para depois inaugurar um processo, já seja de molde a incriminá-lo em definitivo, e em consequência, afastar o eventual ministro.

 

Repórter Mara Kenupp: Michel Temer afirmou ainda que o governo vai encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei que regulamenta o direito à greve. Segundo a ele, falta regulamentação sobre o tema.

 

Presidente da República - Michel Temer: Pela Constituição, certos serviços essenciais não podem ficar paralisados. E até hoje, embora haja muitos projetos correndo pelo Congresso Nacional, nós vamos adicionar mais um projeto para que possa ser examinado pelo Congresso Nacional. Eu sei, e todos sabemos, que o Supremo Tribunal Federal, em vários momentos, já se manifestou sobre essa matéria, em face, precisamente, da omissão, da não realização, ou da não aprovação de um projeto disciplinador do texto constitucional.

 

Repórter Mara Kenupp: Temer explicou ainda que o projeto não diz respeito à greve dos policiais militares no Espírito Santo na última semana. A Constituição Federal já proíbe que militares façam greve. Reportagem: Mara Kenupp.

 

Gláucia: E o presidente Michel Temer voltou a falar sobre a atuação das Forças Armadas nas ruas das cidades do Espírito Santo.

 

Airton: Temer afirmou que as tropas do Exército, Marinha e Aeronáutica estão garantindo a segurança e que elas podem ser enviadas a outros estados em caso de desordem. No entanto, o presidente espera que os policiais militares cumpram a sua missão, a de garantir a lei e a ordem.

 

Presidente da República - Michel Temer: Por isso eu espero que em outras oportunidades haja um comportamento tal que eles possam cumprir a sua missão constitucional, independentemente da participação de natureza federal.

 

Gláucia: E a situação no Espírito Santo começa a ficar mais tranquila.

 

Airton: Depois de um acordo entre o governo do estado e representantes dos policiais, a polícia está voltando às ruas.

 

Gláucia: O governo acompanha de perto a situação por lá. Ministros estiveram em Vitória neste final de semana para ajudar a solucionar a crise de segurança.

 

Airton: Ônibus voltaram a rodar. Escolas, postos de saúde e outros órgãos públicos reabriram as portas.

 

Repórter Nei Pereira: Aos poucos, os moradores do Espírito Santo retomam a rotina após a onda de violência que tomou conta do estado desde que a Polícia Militar iniciou uma paralisação dez dias atrás. Nesta segunda-feira, 1200 policiais voltaram para as ruas. Eles se somam aos mais de 3 mil integrantes das Forças Armadas e da Força Nacional que atuam no estado em razão da crime. Nesse domingo, o presidente Michel Temer se reuniu com ministros da área de segurança para avaliar a estação no Espírito Santo. O ministro da Defesa Raul Jungman afirmou que a ordem e a segurança pública estão recuperadas no estado e os militares ficam mais um pouco por lá.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungman: Nós estamos com 3130 homens e nós não vamos sair de lá enquanto não esteja assegurada de maneira permanente a ordem pública e a segurança, o direito à vida e à propriedade no Espírito Santo.

 

Repórter Nei Pereira: O ministro lembrou que a segurança pública é de responsabilidade dos estados, mas que o Governo Federal está pronto a atuar sempre que necessário. Jungman também afirmou que o governo está monitorando outros estados.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungman: Fora o Rio de Janeiro, tudo segue normal em outras unidades da federação, não havendo indícios de contágio ou qualquer outra possibilidade de repetição até aqui do que aconteceu no Espírito Santo.

 

Repórter Nei Pereira: Hoje o ministro em exercício da Justiça e Segurança Pública, José Levi Mello do Amaral Júnior, voltou a Vitória para conversar com autoridades capixabas. Reportagem: Nei Pereira.

 

Gláucia: Hoje mais cedo o presidente Michel Temer autorizou o envio de tropas das Forças Armadas para reforçar a segurança no Rio de Janeiro. O repórter Nei Pereira está no Palácio do Planalto e tem os detalhes ao vivo. Boa noite, Nei.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Gláucia e ouvintes da Voz do Brasil. As Forças Armadas vão atuar em garantia da lei e da ordem na região metroplitana da capital. O pedido de envio das tropas foi feito na manhã dessa segunda-feira pelo governador do estado, Luiz Fernando Pezão, durante reunião com o presidente Michel Temer aqui no Palácio do Planalto. O governador disse que os militares vão ajudar na segurança da cidade durante o carnaval.

 

Governador do Rio de Janeiro - Luiz Fernando Pezão: A Polícia Militar trabalhou nesses dias todos, mais de 97% do efetivo da polícia militar se desdobrando com o jogo do Flamengo, praia lotada, 1040 blocos de carnaval desfilando. É muito difícil fazer esse patrulhamento. A Polícia Civil e a Polícia Militar estiveram na rua. Agora, são períodos difíceis. Tanto que hoje eu pedi ao presidente Michel Temer reforço das Forças Armadas para nos ajudar nesses próximos, até depois do carnaval, porque é um período que a cidade está muito cheia. A Força de Segurança Nacional já está no Rio de Janeiro há três semanas, a gente quer é reforçar cada vez mais o policiamento.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): O ministro da Defesa, Raul Jungman, segue amanhã pela manhã para o Rio de Janeiro para participar da reunião para definir toda a logística da operação. Às 11 horas da manhã, o ministro concede entrevista coletiva na sede do Comando Militar do Leste na capital, onde vai detalhar os locais e o tempo da atuação das tropas. Familiares de policiais militares estão nas portas de batalhões desde a semana passada e pedem melhores condições de trabalho, entre outras reivindicações. Apesar do protesto, o policiamento está sendo feito nas ruas do Rio de Janeiro. Ao vivo, Nei Pereira.

 

Airton: A inflação deste ano deve ficar em 4,47%.

 

Gláucia: Esta é a estimativa de economistas do mercado financeiro, que baixaram o índice com base no último resultado da inflação divulgado na semana passada.

 

Airton: Com isso, o mercado financeiro passou a estimar que a inflação ficará abaixo do centro da meta, fixada em 4,5%. Essa meta não é atingida desde 2009.

 

Gláucia: Além disso, o mercado financeiro manteve a previsão para a Taxa Básica de Juros da Economia, a Selic. Segundo especialistas, em 2017 ela deve ficar em 9,5%. Hoje, os juros estão em 13%.

 

Airton: E a estimativa dos economistas faz parte do Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central.

 

Gláucia: Para o governo, esses números mostram que o Brasil está entrando nos trilhos, na rota de crescimento econômico.

 

Airton: Resultado do trabalho da equipe de econômica e das reformas que vêm sendo propostas.

 

Gláucia: E se a inflação vem numa trajetória de queda, aliviando o bolso dos consumidores, com isso também vem a queda na Taxa Básica de Juros.

 

Airton: E com juros e inflação caindo, a tendência é o aquecimento do consumo no país. Nós conversamos com alguns especialistas que confirmam esse cenário.

 

Repórter Paulo La Salvia: É o reajuste de preços que determina o ritmo da inflação. O IPCA, Índice de Preço ao Consumidor Amplo, é oficial no Brasil. Para chegar a esse indicador, o IBGE analisa nove tipos diferentes de despesas, como explica o economista da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, Luiz Fernando Mendes.

 

Economista - Luiz Fernando Mendes: Os alimentos têm um peso muito grande. É a primeira grande despesa de uma família. Transporte, educação, o próprio custo com a manutenção da habitação, da moradia.

 

Repórter Paulo La Salvia: Em 2016, a despesa alimentação e bebidas registrou alta de 8,6%, abaixo dos 12% registrados em 2015, o que permitiu que a inflação fechasse o ano passado em menos de 6,3%, a mais baixa desde 2013. Contribuíram para a queda os preços do tomate, da batata inglesa e da cebola, além de outro produto, como lembra a supervisora de vendas de São Paulo, Natália Kabulon.

 

Supervisora de vendas - Natália Kabulon: No supermercado dá para olhar que até o feijão deu uma diminuida.

 

Repórter Paulo La Salvia: Com a inflação perdendo fôlego, os juros também começaram a cair. De novembro do ano passado a janeiro deste ano, o Banco Central reduziu a taxa em 1,25 ponto percentual. No fim deste mês, o Banco Central se reúne mais uma vez. Para o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo, a tendência é de mais uma redução.

 

Economista - Marcel Solimeo: Para determinados produtos de maior valor, a taxa de juros é muito importante. Então a expectativa de que o juros vão continuar caindo acaba beneficiando o comércio desses bens.

 

Repórter Paulo La Salvia: Juros menores significam crédito mais barato e consumo maior, já que as prestações tendem a ficar menores. Reportagem: Paulo La Salvia.

 

Gláucia: 19 horas, 13 minutos no horário brasileiro de verão.

 

Airton: Sinais e sintomas do câncer em crianças e adolescentes são comuns a outras doenças.

 

Gláucia: Por isso muitas vezes é difícil identificar rapidamente.

 

Airton: Pensando nisso, o Ministério da Saúde quer que os profissionais adotem novos critérios de atendimento. Nós vamos detalhar esse assunto daqui a pouquinho. Não saia daí.

 

Gláucia: Você já ouviu falar em Identidade Jovem?

 

Airton: Então jovens de baixa renda podem tirar esse documento e ter acesso a vários benefícios.

 

Gláucia: É, 16 milhões de pessoas em todo o país têm direito. Saiba mais no nosso quadro 'Pra Você, Cidadão' de hoje. Vamos ouvir.

 

"Pra você, cidadão!"

 

Repórter Mirna Ledo: A Identidade Jovem, conhecida como ID Jovem, é o documento emitido pelo Governo Federal para pessoas de baixa renda que tenham entre 15 a 29 anos de idade. Ele dá acesso a dois benefícios garantidos pelo estatuto da juventude. O primeiro é a meia entrada, que é o direito a comprar pela metade do preço ingressos de cinema, eventos culturais, esportivos e de lazer. Quem tem o documento também pode viajar de graça em linhas interestaduais e convencionais de ônibus, barcas ou trens. Para tirar a identidade jovem, é preciso ter renda familiar mensal de até dois salários mínimos. Também é necessário estar inscrito há pelo menos 24 meses no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, o Cad Único. Se você atende a esses requisitos, peça o seu documento pelo site www.juventude.gov.br/idjovem. Você também pode baixar o aplicativo ID Jovem no seu celular informando seus dados e solicitando seu cartão virtual. Mirna Ledo para a Voz do Brasil.

 

Airton: Começou hoje o calendário de pagamento da parcela de fevereiro do Bolsa Família.

 

Gláucia: Neste mês, muitas famílias começaram a receber o benefício. A fila foi zerada depois que o pente fino cancelou pagamentos a quem não tinha direito.

 

Repórter Carolina Graziadei: São pessoas como a Sirlei Amaral. Ela aguardava na fila para ter acesso ao benefício e a partir de fevereiro, irá receber pela primeira vez. A Sirlei conta que o Bolsa Família irá ajudar nas despesas com os estudos da filha de 8 anos.

 

Entrevistada - Sirlei Amaral: O que vai me ajudar bastante sobre a educação, como eu pago aluguel também, as coisas ficam mais difíceis. Para mim vai ser uma ajuda muito importante. Precisa de uma cartolina, já aconteceu ano passado, eu não poder ter ajudado ela com uma simples cartolina.

 

Repórter Carolina Graziadei: Para incluir pessoas que aguardavam na fila, como a Sirlei, é que o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário vem aperfeiçoando a gestão do programa. O pente fino, realizado a partir do cruzamento de informações de diversas bases de dados do governo, identificou mais de um milhão e cem mil famílias que tinham renda superior ao que declaravam ao Cadastro Único e não se enquadravam mais nas regras do Bolsa Família. Essas pessoas tiveram o benefício bloqueado ou cancelado. Em janeiro, foram incluídas no programa todas as 460 mil pessoas que estavam à espera do Bolsa Família. O ministro Osmar Terra afirma que o processo de cruzamento de dados será permanente para que a fila de espera seja cada vez menor e o Bolsa Família seja pago sempre para quem realmente precisa.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Então nós fizemos um grande esforço de gestão, de fazer um pente fino aí para ver quem realmente precisa e tem que ter o Bolsa Família, quem não precisa dele para sobreviver. E conseguimos com isso abrir um espaço para que todas as pessoas que estavam na fila de espera e que realmente precisam fossem atendidas.

 

Repórter Carolina Graziadei: O pagamento do Bolsa Família acontece de forma escalonada. No primeiro dia, podem sacar os beneficiários que possuem o Número de Identificação Social, o NIS, com final um. No segundo dia, final dois, e assim por diante. Reportagem: Carolina Graziadei.

 

Airton: Este mês o programa vai injetar mais de 2 bilhões de reais na economia do país. Mais de 3 milhões de famílias recebem o Bolsa Família.

 

Gláucia: Em qualquer doença grave, quanto antes o paciente iniciar o tratamento, maiores as chances de cura.

 

Airton: E no caso do câncer infantojuvenil, o Ministério da Saúde lançou um novo protocolo para o diagnóstico precoce da doença.

 

Gláucia: Com esses critérios, o governo quer entender o aumento dos casos para determinar as melhores soluções.

 

Repórter Taíssa Dias: A estudante Paola da Costa no Rio de Janeiro descobriu ano passado que tinha um tumor na perna. De lá pra cá, a jovem de 16 faz quimioterapia, mas enfrenta a luta contra o câncer com um sorriso no rosto.

 

Estudante - Paola da Costa: Em nenhum momento me abalei, nem nada não. Fiquei bem.

 

Repórter Taíssa Dias: Leonardo Barbosa, de 17 anos, teve o mesmo tipo de câncer e a mesma confiança ao enfrentar a doença.

 

Estudante - Leonardo Barbosa: Nada que você não possa resolver se você quiser mesmo, de verdade.

 

Repórter Taíssa Dias: Estimativas do Ministério da Saúde indicam que em 2016 ocorreram no Brasil cerca de 12600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes até os 19 anos. Entre os tipos mais comuns da doença nessa faixa etária estão as leucemias, os linfomas, e os tumores do sistema nervoso central. Os dados estão no protocolo de diagnóstico precoce do câncer pediátrico lançado pelo Ministério da Saúde para auxiliar os profissionais a conduzir casos suspeitos e confirmados da doença, e o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento do câncer infantojuvenil, tarefa que envolve médicos e familiares. é o que afirma a chefe do serviço de oncologia infantil do INCA, Sima Ferman.

 

Chefe do serviço de oncologia infantil do INCA - Sima Ferman: Olhem para a criança, que prestem atenção nas queixas da criança para que o paciente possa rapidamente ser encaminhado para um centro de tratamento.

 

Repórter Taíssa Dias: Para aprimorar o tratamento da doança, o Instituto Nacional de Câncer, que faz parte da rede pública de saúde, inaugurou uma nova ala infantojuvenil. O local na sede do INCA no Rio de Janeiro foi reformado, e de acordo com o secretário de Atenção à Saúde do  Ministério da Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, outros investimentos estão sendo feitos pelo Governo Federal.

 

Secretário de Atenção à Saúde - Francisco de Assis Figueiredo: Conseguimos ampliar aquilo que a população precisa, entre outros serviços, mas foram 79 serviços de oncologia no país. Estamos lançando os Registros de Câncer no Brasil, um protocolo também para ajudar na atenção base, na detecção do câncer.

 

Repórter Taíssa Dias: O protocolo de diagnóstico precoce do câncer pediátrico lançado pelo Ministério da Saúde está disponível na internet no endereço saude.gov.br. Reportagem: Taíssa Dias.

 

Airton: A Operação Verão da Marinha está nas praias de todo o país.

 

Gláucia: É, a ação é realizada todos os anos nas áreas onde nesta época circulam mais embarcações de esporte e recreio.

 

Airton: O objetivo é aumentar a segurança de tripulantes, passageiros e banhistas, e evitar acidentes.

 

Repórter Natália Melo: Durante o verão, aumenta nas praias de todo o Brasil o tráfego de lanchas e motos aquáticas, também conhecidas como jet skis, e a Marinha está de olho nessas embarcações. Nos últimos três verões, elas representaram mais de 70% do número de acidentes registrados. Por isso, a operação verão 2016/2017 da Marinha mobiliza militares em todo o país para verificar o cumprimento das regras de segurança de navegação, como explica o diretor de Portos e Costas, vice-almirante Lima Filho.

 

Diretor de Postos e Costas - Vice-almirante Lima Filho: Nós conversamos com os proprietários, buscando passar para eles a importância de cumprir todas as normas da autoridade marítima.

 

Repórter Natália Melo: O marinheiro Fernando Silva foi um dos condutores abordados pela fiscalização da marinha, e garantiu estar sempre em dia com as normas.

 

Entrevistado - Fernano Silva: Barcos à vela tem prioridade, precisa ter coletes em dia. Documentação tem que estar em dia, o seguro. Extintores, principalmente. Os extintores acabam demais, tem que estar em dia.

 

Repórter Natália Melo: Para uma navegação mais segura, a Marinha recomenda que o condutor mantenha a embarcação a mais de 200 metros da praia, tenha sempre em mãos documentos obrigatórios, conduza dentro do limite de velocidade e faça a manutenção da embarcação regularmente. Reportagem: Natália Melo.

 

Gláucia: 19 horas, 21 minutos no horário brasileiro de verão.

 

Airton: Hoje é dia de festa aqui para a gente, não é, Gláucia?

 

Gláucia: É verdade, Airton. Hoje é o dia mundial do rádio. A data foi criada em 2012 para lembrar o rádio, como esse meio é essencial, de informação, diálogo e prestação de serviços.

 

Airton: E o Brasil comemora a data levando mais qualidade de áudio a você: 70% das rádios do país já migraram da AM para FM.

 

Gláucia: Nesta semana, rádios de Santa Catarina também vão ser beneficiadas com a mudança de frequência.

 

Repórter Alessandra Bastos: Oi, boa noite ouvintes da Voz do... oi? Vocês estão me ouvindo? Sabe quando você sintoniza uma rádio para acompanhar um jogo de futebol ou um noticiário, e os ruídos dificultam e até impedem de entender o que estão falando? Muito provavelmente você está ouvindo uma rádio AM. A necessidade de garantir mais qualidade às transmissões gerou nos últimos anos a migração das rádios AM para FM. Com a mudança, é possível, por exemplo, sintonizar emissoras em tablets e celulares. Das 1781 emissoras AM do Brasil, mais de 70% já pediram a alteração ao Governo Federal. O coordenador-Geral de Pós-Outorgas do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Altair de Santana Pereira, explica que a migração é um presente tanto para os ouvintes, quanto para as rádios.

 

Coordenador-Geral de Pós-Outorgas - Altair de Santana Pereira: Os ouvintes estão ganhando com uma melhor prestação de serviço. Vai haver integração com celulares, rádios automotivos e diversos tipos de dispositivos eletrônicos, o que não era possível com as estações em AM, e para as rádios vai se ter agora um baixo custo para a instalação e manutenção das estações, e também um baixo consumo de energia.

 

Repórter Alessandra Bastos: As emissoras interessadas em fazer a mudança de AM para FM precisam pedir autorização para o Ministério da Ciência e Tecnologia. Em Santa Catarina, 11 emissoras já migraram e mais 15 vão ser beneficiadas nesta sexta-feira. O presidente da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão, Acaert, Marcelo Corrêa Petrelli, lembra que é preciso sempre se reinventar.

 

Presidente da Acaert - Marcelo Corrêa Petrelli: E o rádio continua existindo, mas é importante: só existe aquele que se reinventa, que se readapta.

 

Repórter Alessandra Bastos: Marcelo Corrêa lembra a proximidade do rádio com a comunidade e com os ouvintes nessa tarefa de levar informação e entretenimento.

 

Presidente da Acaert - Marcelo Corrêa Petrelli: No teu cotidiano, que você precisa saber todos os dias o que tá acontecendo, socialmente, economicamente, politicamente, que é ali que você vive, tem a sua família, estuda e trabalha, esse é o serviço que o rádio faz muito bem, né? Então o rádio supre isso muito bem, melhor do que todos os outros. O rádio não vai morrer.

 

Repórter Alessandra Bastos: Existem no Brasil mais de 10 mil emissoras de rádio. A todas elas: Parabéns pelo dia mundial do rádio! Reportagem: Alessandra Bastos.

 

Airton: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gláucia: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Airton: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Airton: Boa noite para você. Hoje é dia do rádio, não é, Gláucia?

 

Gláucia: É verdade!

 

Airton: Boa noite para todos vocês que estão no rádio brasileiro.