13 DE MARÇO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Inflação baixa e sob controle. E ajudar no crescimento do país. Objetivos do novo presidente do Banco Central. Governo acompanha atendimento às vítimas da tragédia em escola de Suzano. E oferece apoio ao estado de São Paulo para investigação dos fatos. Dinheiro extra para moradores de Brumadinho que recebem o Bolsa Família, BPC e Renda Mensal Vitalícia. Em mais uma reportagem sobre o leilão de aeroportos, vamos falar sobre os terminais do Sudeste. Concessões devem aumentar investimentos no setor de óleo e gás.

audio/mpeg 13.03.19.mp3 — 46798 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentador Luciano Seixas: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Luciano: Quarta-feira, 13 de março de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Inflação baixa e sob controle e ajudar do crescimento do país.

 

Luciano: Objetivos do novo presidente do Banco Central. Márcia Fernandes.

 

Márcia: Roberto de Oliveira Campos Neto destacou a importância de diminuir a intervenção do Estado no mercado.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Luciano: Governo acompanha atendimento às vítimas da tragédia em escola de Suzano.

 

Nasi: E oferece apoio a estado de São Paulo para investigação dos fatos.

 

Luciano: Dinheiro extra para moradores de Brumadinho que recebem o Bolsa Família, BPC e renda mensal vitalícia. Diego Queijo.

 

Repórter Diego Queijo: Cada uma das 2.281 pessoas receberá R$ 600.

 

Nasi: Em mais uma reportagem sobre o leilão de aeroportos vamos falar sobre os terminais do Sudeste.

 

Luciano: Concessões devem aumentar investimentos no setor de óleo e gás. Ricardo Ferraz.

 

Repórter Ricardo Ferraz: São melhorias em pistas e ampliação da capacidade dos terminais para garantir mais conforto aos passageiros.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Luciano Seixas e Nasi Brum.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Nasi: Um dia triste para todo o Brasil.

 

Luciano: Dois atiradores invadiram uma escola em Suzano, São Paulo, e mataram crianças, funcionárias e se suicidaram.

 

Nasi: O presidente da República, Jair Bolsonaro, ministros e autoridades lamentaram o ocorrido e prestaram condolências aos familiares das vítimas.

 

Luciano: Nós vamos agora conversar, ao vivo, com o repórter Ricardo Ferraz, que está em Suzano e traz os detalhes dessa tragédia. Boa noite, Ricardo. Você pode contar para a gente como é que tudo ocorreu?

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): Boa noite, Luciano. Boa noite, Nasi e também aos ouvintes da Voz do Brasil. Pois é, hoje o país inteiro ficou chocado com esse massacre na escola de Suzano, em São Paulo. Logo pela manhã, por volta das 9h30, um homem de 25 anos e um adolescente de 17 entraram na Escola Estadual Raul Brasil armados, atiraram contra alunos e funcionários e se suicidaram logo em seguida. De acordo com as investigações, o que se sabe até agora é que eles são ex-alunos da escola. Segundo as últimas informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, foram mortos cinco alunos que estavam na escola, duas funcionárias que trabalhavam lá e o proprietário de uma loja próxima ao local. Ou seja, contando com os atiradores, um total de dez mortos.

 

Nasi: Ricardo, um massacre que deixou todo mundo perplexo, né? Como o governo se manifestou?

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): Olha, Nasi, em uma rede social o presidente Jair Bolsonaro prestou condolências aos familiares. Disse o presidente: "Presto minhas condolências aos familiares das vítimas no desumano atentado ocorrido hoje na Escola Professor Raul Brasil, em Suzano, São Paulo, uma monstruosidade e uma covardia sem tamanho. Que Deus conforte o coração de todos". E o Palácio do Planalto também divulgou uma nota que foi lida agora há pouco pelo porta-voz Otávio Rêgo Barros.

 

Porta-voz da Presidência da República - Otávio Rêgo Barros: A respeito da tragédia ocorrida na cidade de Suzano, em São Paulo, o presidente da República publicou a seguinte nota de pesar: "Mais uma vez nosso país é abalado por uma grande tragédia. O Governo Federal manifesta seu profundo pesar com os fatos ocorridos na cidade de Suzano, em São Paulo, apresentando suas condolências e sinceros sentimentos às famílias das vítimas de tão desumana ação. Ao estado de São Paulo colocamos nosso total apoio para auxiliar na apuração dos fatos".

 

Luciano: O vice-presidente também se manifestou, né, Ricardo?

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): Pois é, Luciano, mais cedo o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, também lamentou profundamente o ocorrido. Vamos ouvir.

 

Vice-presidente da República - Hamilton Mourão: Muito triste, né? A gente tem que chegar à conclusão porque isso está acontecendo, essas coisas não aconteciam no Brasil, né? Ocorriam em outros países, nós tivemos lá em Realengo, no Rio de Janeiro, aí um tempo atrás. Agora ocorre na escola de São Paulo, já teve um tempo atrás. Eu lamento profundamente tudo o que ocorreu.

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): O ministro da Educação também se manifestou sobre essa tragédia. Ricardo Vélez Rodríguez deve vir a São Paulo para acompanhar mais de perto a situação em Suzano. Mais cedo conversamos com ele, que também lamentou ocorrido.

 

Ministro da Educação - Ricardo Vélez Rodríguez: Lamento muito esse crime bárbaro que enlutou famílias de alunos e funcionários dessa escola. É inconcebível que crimes como esses afetem escolas e municípios onde moram os cidadãos. Vamos enfrentar isso com as armas que temos, que são a educação e o ensino da cidadania.

 

Nasi: Ricardo, outros ministérios também se manifestaram, não é mesmo?

 

Repórter Ricardo Ferraz (ao vivo): Pois é, Nasi, o Ministério da Justiça e Segurança Pública divulgou uma nota oficial e se colocou à disposição do governo do estado de São Paulo para o que for preciso. Em uma rede social a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humano, Damares Alves, disse que ficou estarrecida com a notícia e que é preciso nesse momento atender aos feridos e confortar as famílias. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também usou as redes sociais para lamentar o caso. Nesse momento, acontece aqui em frente à Escola Raul Brasil um culto ecumênico feito por alguns moradores aqui da região. Nasi, Luciano.

 

Luciano: Ricardo Ferraz, que continua em Suzano acompanhando esse caso, obrigado pela participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

"Expedição Antártica".

 

Nasi: Hoje nós vamos voltar a falar sobre a nova estação do Brasil na Antártica, a casa dos pesquisadores brasileiros no continente gelado.

 

Luciano: A inauguração oficial vai ser no início do ano vem, mas a infraestrutura de telecomunicações já foi inaugurada nesta semana.

 

Nasi: A repórter Luana Karen está lá conhecendo tudo e passado muito frio. E traz as informações, ao vivo, para a gente. Uma boa noite, Luana.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Porto Alegre noite, Nasi, Luciano e boa no dia todos os ouvintes da Voz do Brasil. Hoje, eu finalmente pude conhecer com calma a Estação Antártica Comandante Ferraz, a casa do Brasil no continente gelado. Foi um dia muito agradável, a temperatura ficou entre menos dois e zero graus celsius, com sensação térmica de menos seis graus. E teve momentos em que até me atrevi a ficar sem luvas ao ar livre. Bom, metade da obra da estação foi feita na China e depois levada para a Antártica. Por conta das condições climáticas no continente gelado, só é possível trabalhar aqui no verão, que vai de mais ou menos novembro a março. Agora em abril começa o inverno, e a estação fica com o número alguém reduzido de pessoas, apenas para cuidar da manutenção e manter a estrutura funcionando. Na visita às instalações da nova estação, observei que a estrutura é bem ampla com vários ambientes, todos com o isolamento acústico e térmico e com uma vista incrível da Baía do Almirantado.

 

Luciano: Luana, em relação à nova antena de telecomunicação?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Luciano, o novo sistema de telecomunicação foi inaugurado no início desta semana, pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, por meio de videoconferência. O sistema conta com rede de internet móvel 4G e capacidade de transmissão de dados 20 vezes maior do que o anterior. O que vai facilitar a comunicação e reduzir o isolamento de pesquisadores e cientistas. Inclusive, Luciano, eu só estou conseguindo conversar com vocês ao vivo, por conta desse sinal de internet, para o ouvinte entender que eu estou falando através de uma chamada de Whatsapp. O secretário da Comissão Interministerial Para Recursos do Mar, almirante Guida, destacou outras possibilidades com a nova estrutura de telecomunicação.

 

Secretário da Comissão Interministerial Para Recursos do Mar - Almirante Guida: Nós vamos conseguir fazer coisas que nós não conseguimos fazer, como, por exemplo, ações de telemedicina e também transmitir alguns dados da estação para o Brasil, como, por exemplo, dados de alarme, que permitirão um monitoramento remoto da estação como um todo.

 

Nasi: E, Luana, você conversou com alguns ministros que estiveram aí na Antártica para essa inauguração, não é mesmo?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): É isso mesmo, Nasi. Nós contamos rapidamente, entre a nossa chegada e o retorno deles para o Brasil. Eu estive com ministro da Casa Civil, Civil Onyx Lorenzoni, que falou sobre a importância de o Brasil estar presente no Continente Antártico.

 

Ministro-chefe da Casa Civil - Onyx Lorenzoni: É um esforço do governo brasileiro muito importante, a presença aqui, junto com mais de uma dezena de países que também atuam aqui nas pesquisas, para que o próprio planeta conheça as suas condições e os seus recursos.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Também conversei com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Que descascou alguns temas estudados pelos pesquisadores brasileiros aqui no continente antártico.

 

Ministro do Meio Ambiente - Ricardo Salles: Essa base faz pesquisas de diversas naturezas, mas nós podíamos destacar as pesquisas com a biodiversidade, pesquisas com a parte mineral muito importante, pesquisas com fármacos, enfim, pesquisas de mudanças climáticas. Ter um sistema aqui que preveja, e, portanto, seja de prevenção para o Sul do Brasil, da parte de meteorologia, é muito importante.

 

Luciano: Mas vocês vão precisar voltar antes do tempo previsto, não é, Luana? Como é que ficou a programação agora?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Pois é, Luciano, infelizmente é isso mesmo. Inicialmente a gente ficaria aqui até sábado, mas, por conta das condições meteorológicas do Mar de Drake, que é o mar que liga os Oceanos Atlântico e Pacífico, e é considerado o mar mais revoltoso do planeta, o comandante do Navio Almirante Maximiliano, capitão-de mar e guerra, Cândido Marques, da Marinha do Brasil, achou mais seguro antecipamos a saída. Nós vamos começar o deslocamento em instantes. Se não fizéssemos isso, poderíamos pegar ondas de seis a oito metros de altura no Drake, o que, claro, ninguém quer. Aliás, nesses dias nós ficamos hospedados no Navio Almirante Maximiliano e contamos com todo o apoio da tripulação. A embarcação completou, em fevereiro, dez anos que foi incorporada à Marinha do Brasil. Bom, apesar do pouco tempo, foi uma experiência incrível vir à Antártica e conhecer a estação brasileira. Nunca havia entrado em contato com temperaturas tão baixas, o que me deixou até apreensiva no começo, mas logo fui me acostumando, e agora posso dizer que vou sentir falta. Amanhã, na matéria que fiz para a Voz do Brasil, vocês terão todos os detalhes dessa visita que fiz à estação. Luciano, Nasi.

 

Nasi: Luana, só mais uma pergunta aqui de curiosidade, onde é que você está nesse momento e qual é a temperatura aí?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Olha, neste exato momento, eu estou dentro do Navio Almirante Maximiliano olhando a estação brasileira, me despedindo dela. O comandante está aqui aguardando só a nossa entrada ao vivo para zarpar rumo ao continente sul-americano e a temperatura aqui está quanto nesse momento, comandante? Acho que está em torno aí... menos três graus. O comandante aqui do navio acabou me informar a gente tem está com menos três graus, mas aqui no navio é aquecido, a gente não passa frio. Não tem nenhum problema.

 

Nasi: Então, Luana, obrigado pelas informações, ao vivo, e por ter trazido um pouquinho aí do frio da Antártica para frente nesses dias de viagem. Uma boa viagem para vocês aí.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Obrigada.

 

Luciano: O esporte como grande aliado no combate à pobreza e à violência.

 

Nasi: Você vai ouvir, ainda nesta edição, mais detalhes do Programa Segundo Tempo Forças no Esporte, que oferece atividades a estudantes de baixa renda, no turno contrário ao da escola.

 

Luciano: Ajudar a manter a inflação em baixa e o poder de compra dos brasileiros. Essa é uma das funções do Banco Central.

 

Nasi: O órgão que regula o sistema financeiro no Brasil tem um novo presidente a partir de hoje, é o economista Roberto de Oliveira Campos Neto.

 

Luciano: Além de reafirmar o compromisso com o controle da inflação, o novo presidente defendeu também democratizar o mercado financeiro e reduzir o papel do governo.

 

Repórter Márcia Fernandes: O novo presidente do Banco Central recebeu cargo repassado por Ilan Goldfajn, que, desde 2016, estava à frente do banco. Roberto de Oliveira Campos Neto, havia tomado posse em fevereiro, mas, pela primeira vez, falou como presidente do Banco Central. Ele destacou a importância de diminuir a intervenção do estado no mercado e garantir um Banco Central mais autônomo e também citou alguns objetivos da sua atuação no comando do órgão financeiro.

 

Presidente do Banco Central - Roberto de Oliveira Campos Neto: Queremos manter a inflação baixa, controlada, dando seguimento à ótima atuação na condução de política monetária e continuar aprimorando nossos mecanismos de comunicação. Manter o sistema financeiro sólido e eficiente com um mercado de capitais maior, mais democrático com a participação de mais pessoas e empresas, ter a autonomia do BC registrada na lei, ajudando a reduzir o risco do Brasil e aumentando o crescimento de longo prazo.

 

Repórter Márcia Fernandes: Durante a cerimônia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou que a economia do país enfrentou uma forte crise nos últimos anos e que o Banco Central foi fundamental para a recuperação do Brasil.

 

Ministro da Economia - Paulo Guedes: Nós temos um Banco Central independente, nós continuamos um Banco Central independente ao longo do tempo. A preservação do poder de compra da moeda, do valor das aposentadorias, dos valores dos benefícios, estabilidade do mercado financeiro, quer dizer, essa conquista nós temos. O Brasil tem uma moeda forte.

 

Repórter Márcia Fernandes: Roberto de Oliveira Campos Neto tem mestrado em economia pela Universidade da Califórnia e mestrado em matemática aplicada pelo Instituto Tecnológico da Califórnia. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: Mais de 2 mil moradores de Brumadinho, em Minas Gerais, que recebem o Bolsa Família, BPC ou renda mensal vitalícia vão receber o valor extra.

 

Luciano: Cada beneficiário tem direito a R$ 600 para atender as demandas emergenciais, depois do rompimento da barragem com rejeitos de mineração em janeiro.

 

Repórter Diego Queijo: O ministro da Cidadania, Osmar Terra, anunciou nesta quarta-feira a liberação de mais de R$ 1,3 milhão em recursos extras para beneficiários do Bolsa Família, do Benefício de Prestação Continuada, o BPC, e da renda mensal vitalícia, residentes em Brumadinho, Minas Gerais. Cada uma das 2.281 pessoas receberá R$ 600. A ação emergencial foi garantida por meio de uma medida provisória e é mais uma resposta do Governo Federal para atender às demandas do município atingido pelo rompimento da barragem com rejeitos de mineração em janeiro. Terão direito aos recursos as famílias que constavam como beneficiárias desses programas em janeiro de 2019. Osmar Terra destaca que os danos do desastre devem atingir a população por um longo tempo, com queda na atividade econômica do município. Segundo ele, o socorro emergencial, aliado a outras ações desenvolvidas pelo governo, vai ajudar a amenizar o sofrimento das famílias.

 

Ministro da Cidadania - Osmar Terra: Essa população vai receber, além da antecipação dos seus benefícios, vai receber o recurso extra de R$ 600 para ajudá-la na sua sobrevivência, suportar aí, a queda de atividade econômica, o período aí, de dificuldades que vai se instalar ainda por algum tempo em Brumadinho.

 

Repórter Diego Queijo: A secretária de Desenvolvimento Social de Brumadinho, Cristiane Passos, falou da importância da chegada dos recursos.

 

Secretária de Desenvolvimento Social de Brumadinho - Cristiane Passos: Com a liberação desse recurso para o município, para os munícipes diretamente beneficiados, é de extrema importância e vai trazer uma geração para município muito necessária nesse momento.

 

Repórter Diego Queijo: A data para retirar o dinheiro ainda não está definida, mas o secretário Nacional de Renda de Cidadania, Tiago Falcão, explica que deve ocorrer antes do pagamento de abril.

 

Secretário Nacional de Renda de Cidadania - Tiago Falcão: Nós já temos as famílias e vamos fazer isso de maneira automática, o mais rápido possível, para que as famílias tenham acesso a esse recurso adicional para darem conta de aliviar parte dos prejuízos e das complicações ocorridas a partir do desastre de janeiro.

 

Repórter Diego Queijo: Os recursos do auxílio emergencial ficarão disponível para saque por 180 dias após a liberação. Em fevereiro, o Ministério da Cidadania realizou outras ações para entender os beneficiários do Brumadinho, como a antecipação dos pagamentos do BPC e do Bolsa Família e a liberação de R$ 300 mil para ampliar o Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA no município. Reportagem, Diego Queijo.

 

Luciano: Concessões, parceiras para o crescimento do Brasil.

 

Nasi: Aeroportos mais modernos para atender a demanda do setor de óleo e gás.

 

Luciano: Essa é a ideia do leilão de sexta-feira, que vai passar para a iniciativa privada gestão de dois aeroportos na região Sudeste.

 

Nasi: No total, 12 terminais agrupados em três blocos vão ser concedidos.

 

Luciano: E na reportagem de hoje sobre as concessões, você vai conhecer a expectativa de usuários dos aeroportos de Macaé, no Rio de Janeiro, e Vitória, no Espírito Santo.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A exploração de petróleo na chamada do Pré-Sal gera riqueza para o país e também demanda investimentos em infraestrutura. Foi pensando nisso que o Governo Federal separou um lote voltado para o setor de óleo e gás no leilão de 12 aeroportos que acontecem na próxima sexta-feira, em São Paulo. O bloco do Sudeste vai conceder à iniciativa privada a operação dos aeroportos de Macaé, no Rio de Janeiro, e de Vitória, no Espírito Santo. O empresário Marcelo de Almeida, de Macaé, gostou da iniciativa e acredita que outros setores da economia local também serão beneficiados. O aeroporto da cidade ganhou um novo terminal e inaugurado nesta terça-feira.

 

Empresário - Marcelo de Almeida: Gostaria de destacar a importância desse novo momento que a cidade vive, e, principalmente, pelo grande presente que cidade recebeu, que foi o novo aeroporto. Ferramenta essa que vai servir de grande valia para a cidade, não só no tocante ao fomento das atividades do óleo e gás, que cidade vive dessa economia, mas também com a expectativa de voos comerciais, que é mais importante para todos nós, que a gente sabe da importância não só do óleo e gás, mas também do turismo para a cidade de Macaé.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Uma estimativa dos estudos de viabilidade mostra que, nos cinco primeiros anos, as empresas concessionárias devem investir em torno de R$ 1,5 bilhão. São melhorias em pistas e ampliação da capacidade dos terminais para garantir mais conforto aos passageiros. A perspectiva de melhorias nos aeroportos concedidos anima usuários como o advogado Jader Mutsec, que mora em Vila Velha, região metropolitana de vitória.

 

Advogado - Jader Mutsec: Os usuários, não só nós capixabas, mas nosso visitantes, seja a lazer ou a trabalho, têm que chegar num terminal moderno, ágil, onde a operação seja feita de forma tranquila e nossos visitantes tenham sempre a boa lembrança, e, assim, retornem ao nosso estado para fazer negócios e para passar suas férias.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Ao contrário dos leilões anteriores, neste, um mesmo concessionário pode arrematar os três blocos. Tiago Sousa Pereira, superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos da Agência Nacional de Aviação Civil, acredita que a gestão dos terminais pela iniciativa privada deve melhorar o serviço prestado aos passageiros.

 

Superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos - Tiago Sousa Pereira: O que a gente nota com as concessões anteriores é que os operadores privados, eles têm uma visão de negócio muito aguçada, né? Eles têm a tendência trazer mais tráfego, de atrair mais empresas aéreas, de tentar trazer mais voos internacionais, de ampliar as opções de comércio no aeroporto e as possibilidades de exploração do sítio aeroporto portuário.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Outra boa notícia é que, segundo o secretário nacional de Aviação do Ministério da Infraestrutura, Ronei Glanzmann, as concessões não vão elevar os preços das tarifas dos aeroportos.

 

Secretário nacional de Aviação - Ronei Glanzmann: O passageiro vai continuar pagando a mesma tarifa de embarque que ele já paga hoje nos aeroportos operados pela Infraero. Os investimentos são investimentos privados e eles são remunerados por essas tarifas de embarque e por elas operações comerciais nesses aeroportos. O que nós percebemos, na experiência que nós temos com a concessão de aeroportos, é que melhora bastante a qualidade do serviço para a população. Melhora porque recebe investimento, porque são atraídos novos parceiros comerciais, grandes marcas de alimentação, de varejo, né? O nível de conforto e a experiência de viagem do passageiro, ela tem melhorias significativas.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Na reportagem de amanhã nós vamos falar dos quatro aeroportos do bloco Centro-Oeste. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

Nasi: O presidente Jair Bolsonaro viaja no próximo domingo para os Estados Unidos, onde vai se encontrar com o presidente Donald Trump e outras autoridades.

 

Luciano: De acordo com o porta-voz, Otávio Rêgo Barros, a viagem tem o objetivo de promover uma agenda positiva em diversas áreas, tratando de temas que já estão na pauta e também de novos assuntos.

 

Porta-voz da Presidência da República - Otávio Rêgo Barros: A visita é a primeira de caráter bilateral realizada pelo nosso presidente Jair Bolsonaro ao exterior, demonstrando a prioridade que o governo atribui à construção de uma sólida parceria com os Estados Unidos da América.

 

Nasi: Um dia de alegria para milhares de crianças atendidas pelo Programa Segundo Tempo Forças no Esporte.

 

Luciano: O programa atende jovens em situação de risco e oferece uma série de atividades esportivas, reforço escolar e atendimento médico.

 

Entrevistada - Júlia Emanuelle Mendes: O que eu mais gosto aqui é teatro e dança. E eu agora sou fazendo dança.

 

Repórter Gabriela Noronha: Júlia Emanuelle Mendes, de dez anos, está empolgada, ela mora com a família em Itapuã, num dos assentamentos mais pobres e violentos do Distrito Federal. Júlia tinha medo de ficar sozinha em casa, mas tudo mudou quando ela entrou no programa Segundo Tempo Forças no Esporte, e ela adora.

 

Entrevistada - Júlia Emanuelle Mendes: Depois eu vou fazer judô, aí capoeira, essas coisas.

 

Repórter Gabriela Noronha: O programa do Ministério da Defesa tem o apoio da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e atende quase 26 mil jovens no Brasil, em 104 municípios. As atividades são feitas no contraturno escolar, e tem para todo gosto: futebol, vôlei, natação, dança, aulas de inglês. O Sidney Freitas, de nove anos, pratica judô e aprendeu a ficar menos no celular.

 

Entrevistado - Sidney Freitas: E aqui é lugar onde eu posso praticar esportes.

 

Repórter Gabriela Noronha: O programa ainda oferece médico, dentista e serviços de assistência social. E, de acordo do general de divisão, Jorge Antônio Smicelato, diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa, a ideia é ampliar a iniciativa.

 

Diretor do Departamento de Desporto Militar - General Jorge Antônio Smicelato: O programa, ele tem 15 anos de execução, já atendeu mais de 200 mil crianças nesses 15 anos e veio sendo expandido por conta dos seus resultados. Com a participação e o apoio do todos os parceiros, nós, até o final do ano, do próximo, 2020, chegarmos a 35 mil crianças atendidas.

 

Repórter Gabriela Noronha: O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, que participou da cerimônia de abertura das atividades do programa, gostou do que viu.

 

Ministro da Educação - Ricardo Vélez Rodríguez: Me parece um programa fantástico, que sinaliza que ações de abrangência nacional podem ser desenvolvidas para resgatar as nossas crianças.

 

Repórter Gabriela Noronha: No primeiro dia atividades muita alegria entre as crianças.

 

"Ó pátria amada, idolatrada, salve, salve...".

 

Repórter Gabriela Noronha: E para os pequenos, empolgação também não falta na hora de cantar o Hino Nacional. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Luciano: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".