13/04/17 - A Voz do Brasil

Campanha de vacinação contra a gripe começa na próxima segunda-feira. Polícia Rodoviária Federal realiza operação de fiscalização nas estradas federais. Enem deste ano terá uma série de adaptações para surdos.

audio/mpeg 13 04 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23424 KB




Transcrição


A Voz do Brasil - 13/04/2017
 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.
 
 "Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."
 
 Aírton: Olá, boa noite.

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.
 
 Aírton: Quinta-feira, 13 de abril de 2017.

 

Gabriela: E vamos ao destaque do dia: Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda-feira.

 

Aírton: E além de crianças e idosos, mais um grupo vai ter direito à imunização. Taíssa Dias.

 

Repórter Taíssa Dias: A grande novidade é a inclusão dos professores da rede pública e privada nos grupos que devem tomar a vacina.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Aírton: Fiscalização reforçada nas estradas. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Deve ficar atento. Já começou a operação Semana Santa da Polícia Rodoviária Federal. Volto daqui a pouco com mais informações.

 

Gabriela: Também vamos falar da fiscalização e dos cuidados que você deve tomar na hora de comprar ovos de Páscoa.

 

Aírton: Tem ainda pente fino no auxílio doença, que gerou economia de quase R$ 1,6 bilhão. André Luís Gomes.

 

Repórter André Luís Gomes: 84% dos exames resultaram no cancelamento do benefício. Na maior parte dos casos, as avaliações médicas apontaram que as pessoas já estavam aptas para voltar ao trabalho.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação, Gabriela Mendes e Airton Medeiros.

 

Aírton: E pra assistir a gente ao vivo na internet, é fácil. Basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Já estamos no outono e você deve ter percebido que as temperaturas estão mais amenas.

 

Aírton: E daqui a pouco chega o inverno. Por causa das temperaturas mais frias, é comum que se feche janelas e portas, para conservar o calor dentro do trabalho, de casa, não é mesmo, Gabriela?

 

Gabriela: É isso, Aírton, mas fazer esse tipo de coisa é um perigo pra saúde, porque ambientes fechados favorecem a circulação dos vírus, como o da gripe.

 

Aírton: E uma das formas de evitar a doença é se vacinar.

 

Gabriela: A campanha de vacinação deste ano começa na segunda-feira e tem novidades. Professores também têm direito a tomar a vacina de graça.

 

Repórter Taíssa Dias: A campanha de vacinação contra a doença este ano começa na segunda, dia 17 de abril, e vai até 26 de maio. O Ministério da Saúde quer imunizar mais de 54 milhões de pessoas, quase 5 milhões a mais que no ano passado. A grande novidade é a inclusão dos professores da rede pública e privada nos grupos que devem tomar a vacina. Segundo o ministro Ricardo Barros, o governo espera vacinar 2,3 milhões de professores.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Os professores sempre solicitaram serem incluídos nesse grupo preferencial e, claro, pelo fato de que eles têm contato com dezenas de alunos diariamente e estão mais expostos também a essa contaminação.

 

Repórter Taíssa Dias: O governo adquiriu 6 milhões de doses a mais da vacina que em 2016, um investimento de quase R$ 865 milhões. Elas vão ser distribuídas nas unidades de saúde de todo o país. O ministro Ricardo Barros explica que o objetivo é reduzir em até 45% o número de hospitalizações por pneumonias associadas à gripe e em até 75% o número de mortes por complicações da doença.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Eu peço à população que, o mais rápido possível, se mobilize para tomar a vacina. O dia D é o dia 13 de maio, quando nós faremos então uma grande mobilização pra ver se completamos a cobertura.

 

Repórter Taíssa Dias: Além dos professores, devem ser vacinados contra a gripe pessoas com mais de 60 anos, trabalhadores de saúde, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, povos indígenas, pessoas privadas de liberdade, incluindo adolescentes que cumprem medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional, pessoas transplantadas ou com doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão e as crianças entre seis meses e cinco anos. O entregador de Brasília Wellington Correia já sabe da importância da imunização e vai levar o filho Lucas, de dois anos, para tomar a vacina.

 

Entregador - Wellington Correia: As crianças pequenas, que estão em fase de crescimento, né, que nascem, estão crescendo, tudo tem que ser vacinada, porque se não é vacinada corre o risco de ter alguma doença, alguma coisa, né?

 

Repórter Taíssa Dias: Matilde Holsbach, de 78 anos, mora em Campo Grande e toma a vacina desde os primeiros anos de campanha. Ela comprova o resultado.

 

Entrevistada - Matilde Holsbach: Olha, está com uns 15 anos que eu estou tomando, não tive mais gripe, não. É importante, não deve ficar sem vacinar, não.

 

Repórter Taíssa Dias: A meta do Ministério da Saúde para este ano é vacinar 90% do público alvo. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Aírton: O feriado de Páscoa chegou e quem vai pegar a estrada pra viajar precisa ter cuidado redobrado.

 

Gabriela: E a Polícia Rodoviária Federal vai estar atenta. Começou à 0h de hoje a operação Semana Santa, e quem dá mais detalhes ao vivo pra gente é a repórter Gabriela Noronha, que está aqui no estúdio. Boa noite, Gabriela.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Boa noite, Gabriela, boa noite, Aírton, boa noite aos ouvintes da Voz do Brasil. Durante quatro dias, os policiais vão concentrar a fiscalização nos trechos com maiores índices de acidentes e crimes. A operação Semana Santa vai contar com viaturas e motocicletas, mais de 2.700 aparelhos de etilômetros, os conhecidos bafômetros, e mais de 200 radares portáteis. Segundo o porta-voz da Polícia Rodoviária Federal, Diego Brandão, o objetivo é diminuir o número de acidentes e garantir a segurança do trânsito aos motoristas.

 

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal - Diego Brandão: A gente vai intensificar principalmente a fiscalização daquelas condutas mais lesivas ao trânsito, né? Excesso de velocidade, ultrapassagem indevida, alcoolemia, né, uso de álcool ao volante. Então, são as condutas que levam a uma maior letalidade, e são essas que a gente vai ter foco.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Diego Brandão dá algumas dicas pra quem vai pegar a estrada nesse feriado.

 

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal - Diego Brandão: Bom, nós temos diversas dicas. Uma é que você conheça o seu caminho, você conheça o seu trajeto, os pontos de parada de abastecimento, isso é importante. Outra, o seu equipamento, o seu veículo, ele tem que estar em condições de fazer aquela viagem. E por último você mesmo, o motorista, você tem que estar em condições físicas e psicológicas pra fazer aquela viagem. Sono, cansaço, algum estresse específico, algum problema, esses são inimigos da direção segura, do foco na direção. Então você tem que estar em condições de fazer a viagem também.

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): A operação Semana Santa vai até o fim do próximo domingo. Em 2016, a PRF registrou uma redução de 18% no índice de mortes e de 44% no índice de acidentes graves em rodovias federais, em relação ao mesmo período de 2015. Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Gabriela Noronha, pelas informações ao vivo.

 

Aírton: A troca de ovos de chocolate é uma tradição em quase todo o mundo durante a Páscoa.

 

Gabriela: Pois é. Ontem nós falamos aqui na Voz do Brasil sobre a qualidade do peixe que está na mesa de grande parte dos brasileiros nesta Semana Santa.

 

Aírton: É, e hoje nós fomos conferir como está a fiscalização dos tão saborosos ovos de Páscoa.

 

Gabriela: E o Inmetro dá dicas de cuidados com os brinquedos nos ovos infantis.

 

Repórter Natália Melo: Todos os anos, lá estão eles enfeitando as fileiras dos supermercados. Fica difícil escolher qual levar para casa. Mas se o chocolate for para crianças, a atenção deve ser redobrada. O selo do Inmetro é obrigatório para todos os brinquedos comercializados no Brasil. Dona Yolanda, que tem netos pequenos, diz que vai ficar mais atenta.

 

Entrevistada - Yolanda: A gente tem que prestar atenção o que faz mal, se for muito pequeno...

 

Repórter Natália Melo: Jeferson Alberto Prestes, chefe substituto de Vigilância de Mercado, do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, o Inmetro, dá algumas dicas pra quem pretende presentear os pequenos.

 

Chefe de Vigilância de Mercado - Jeferson Alberto Prestes: Três dicas básicas. A primeira delas é observar realmente se há o selo de indicação da conformidade do Inmetro. A segunda é com relação à faixa etária e a terceira é com relação aos cuidados com as embalagens. Tomando cuidado com grampos, com fitas, com plásticos, que esses materiais podem ser muito perigosos para as crianças.

 

Repórter Natália Melo: Dúvidas sobre o tamanho e o peso dos ovos de Páscoa também são comuns entre os consumidores. O chefe substituto de Vigilância do Inmetro esclarece que a numeração dos produtos não é padronizada e varia de acordo com o fabricante.

 

Chefe de Vigilância de Mercado - Jeferson Alberto Prestes: E essa numeração não tem nenhuma relação exata com o peso. Portanto, é muito importante que o consumidor verifique o peso efetivo, o peso líquido do produto, e não apenas a numeração que foi atribuída pelo fabricante.

 

Repórter Natália Melo: Os chocolates com brindes devem trazer dois selos. Do lado de fora da embalagem, um aviso informando que o conteúdo do produto está certificado no âmbito do sistema brasileiro de avaliação da conformidade. E dentro do ovo, na embalagem do brinquedo, o selo do Inmetro. Reportagem, Natália Melo.

 

Aírton: E se os chocolates estão dentro das normas, quase 40% dos azeites vendidos no Brasil não estão.

 

Gabriela: E a maioria dessas irregularidades são relacionadas à baixa qualidade do produto.

 

Aírton: A Voz do Brasil foi ao Mercado Municipal de São Paulo conferir como o consumidor consegue atestar essa qualidade.

 

Gabriela: E nós também conversamos com a fiscalização do Ministério da Agricultura, que deu dicas.

 

Repórter José Luís Filho: A professora Eliane Cesário tem uma receita tradicional de Páscoa.

 

Professora - Eliane Cesário: Bacalhau desfiado, bastante azeitona, pimentão vermelho, verde, amarelo, batatas muito bem feito, com requeijão gratinado.

 

Repórter José Luís Filho: E no prato, um ingrediente não pode faltar.

 

Professora - Eliane Cesário: O azeite, muito azeite.

 

Repórter José Luís Filho: No Mercado Municipal de São Paulo, quem procura azeite de oliva sempre tem uma forma de saber se o produto é de qualidade, como a aposentada Eroni Darso (F).

 

Aposentada - Eroni Darso (F): Procuro um extravirgem, com menos acidez e eu gosto muito de português, mas às vezes não dá pra comprar, né? Agora, quando os outros me dão, aí dado você... Cavalo dado não se olha pelo.

 

Repórter José Luís Filho: Para garantir a qualidade do azeite, a fiscalização é feita pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nos últimos dois anos, 38% dos azeites importados apresentaram irregularidades. 79% delas tinham relação com a baixa qualidade do produto. A fraude mais comum é a mistura de óleo de soja com o azeite, chamado lampante, extraído de azeitonas deterioradas ou fermentadas, que não deve ser destinado ao consumo. Segundo o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Luís Rangel, os estados com mais irregularidades foram São Paulo, Paraná e Santa Catarina, além do Distrito Federal.

 

Secretário da Defesa Agropecuária - Luís Rangel: Os produtos que já vêm envasados de fora, normalmente a gente é um grande importador desse tipo de azeite virgem, extravirgem, que vêm embalado de fora, normalmente estão sujeitos a menor fraude. Os que vêm em big bags ou que vêm em grandes tonéis, que são reenvasados aqui no Brasil, é nesse ponto que acontece a fraude.

 

Repórter José Luís Filho: Pra fugir das fraudes, o consumidor pode seguir dicas como as que Francisco Dejane, dono de uma banca no Mercadão de São Paulo, sempre dá aos clientes dele.

 

Comerciante - Francisco Dejane: Se o azeite, principalmente, ele foi embalado na origem. Se de Portugal, ele tem que ter sido embalado em Portugal. Se for no Chile, embalado no Chile. Se o azeite não tem essa informação, a probabilidade de ele ter sido falsificado é muito grande. E desconfiar se o azeite for muito barato.

 

Repórter José Luís Filho: O secretário de Defesa Agropecuária concorda. No caso dos azeites, descofie sempre do preço. Reportagem, José Luís Filho.

 

Gabriela: 19h12 em Brasília.

 

Aírton: 1,7 milhão de pessoas que recebem auxílio doença deixaram de passar por perícia nos últimos anos.

 

Gabriela: E agora o INSS está convocando esses beneficiários. Daqui a pouco vamos fazer um balanço dessas revisões. A economia já chega a R$ 1,6 bilhões.

 

Aírton: Ontem, a Voz do Brasil destacou a forte queda na taxa de juros anunciada pelo Banco Central.

 

Gabriela: E essa nova redução deve ajudar a movimentar a economia, com aumento do consumo, da produção de bens e do emprego.

 

Aírton: Entre os setores beneficiados, deve estar o de imóveis e construção civil. Isto porque, com a redução dos juros, muitos investidores devem dar preferência à caderneta de poupança que financia o setor imobiliário.

 

Repórter Paulo La Salvia: Foi a quinta queda consecutiva dos juros e a maior desde março de 2009. De outubro do ano passado até abril deste ano, o Banco Central cortou três pontos percentuais na taxa. No período, a Selic caiu de 14,25% para 11,25% ao ano. O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, comentou a redução.

 

Porta-voz da Presidência da República - Alexandre Parola: A decisão do Copom foi justificada com base nos sólidos indicadores recentes da economia brasileira. A inflação no país, no primeiro trimestre de 2017, atingiu seu nível mais baixo desde o Plano Real.

 

Repórter Paulo La Salvia: A Selic é uma taxa básica, é utilizada como referência para definição dos juros cobrados em toda a economia. E com a queda nos juros, investidores devem migrar de aplicações que têm a Selic como referência para, por exemplo, a poupança. O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do DF, Hermes Alcântara, afirma que o setor imobiliário vai se beneficiar com esta mudança.

 

Presidente do Conselho Regional de Corretores - Hermes Alcântara: Esse aumento do depósito de poupança vai ter um aumento de oferta de crédito imobiliário. Teremos aí uma procura por imóvel que vai favorecer o mercado imobiliário.

 

Repórter Paulo La Salvia: Para o economista José Luiz Pagnussat, da Escola Nacional de Administração Pública, taxas menores significam maior consumo e mais produção em todos os setores. Isso porque, com os juros acessíveis, fica mais barato fazer um financiamento para ampliar um negócio, o que movimenta a economia. E, de acordo com José Luiz Pagnussat, para os juros caírem ainda mais, o Brasil deve continuar arrumando as contas públicas.

 

Economista - José Luiz Pagnussat: As reformas ligadas ao setor público e também as ligadas ao setor produtivo, elas melhoram o ambiente de negócios, reduzem os custos do setor produtivo e criam, portanto, condições para uma redução mais forte da taxa de juros, da inflação e de retomada do crescimento da economia.

 

Repórter Paulo La Salvia: A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro e a Confederação Nacional da Indústria, a CNI, divulgaram comunicados apoiando a redução dos juros. A próxima reunião do Banco Central vai ocorrer no fim de maio. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: Começou hoje o pagamento de abril do Bolsa Família.

 

Aírton: Neste mês, vão ser liberados mais de R$ 2,4 bilhões para pegar o benefício a 13 milhões de famílias.

 

Repórter Carolina Grazziadei: Com o que recebe do programa, a Ivanir Mendes garante a compra do material escolar para os dois filhos. Mas, para ela, o Bolsa Família vai muito além disso. O compromisso de manter os filhos na escola e de estar com a vacinação das crianças em dia faz toda a diferença para quem está no programa.

 

Entrevistada - Ivanir Mendes: É bom, né? Mostra que eles estão tendo responsabilidade com a gente também, né? A gente já tem aquela responsabilidade, e a gente sabe que tem mais alguém também se responsabilizando pelos filhos da gente. Não é só a preocupação da gente, tem mais gente preocupando.

 

Repórter Carolina Grazziadei: Outro compromisso do beneficiário é manter o Cadastro Único sempre atualizado. O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, fala que o processo de atualização é importante para garantir que o benefício chegue corretamente para a família, evitando que ocorram suspensões no pagamento.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Procurem atualizar, procurem dizer como vocês estão, aonde vocês estão, passar as informações reais sobre a vida de vocês, que nós vamos garantir que vocês continuem recebendo os benefícios.

 

Repórter Carolina Grazziadei: O pagamento do Bolsa Família segue um calendário. O beneficiário que tem o Número de Identificação Social, o NIS, com final 1 pode sacar no primeiro dia do pagamento. Os que terminam com o número 2, no segundo dia, e assim por diante. Para saber o NIS é só conferir o número impresso no cartão do Bolsa Família. Reportagem, Carolina Grazziadei.

 

"Momento Social"

 

Gabriela: E por falar em Bolsa Família, o Momento Social de hoje traz a dúvida da gaúcha Flávia Marques, que quer saber a partir de que idade ela pode se inscrever no programa.

 

Aírton: Flávia, pra receber o benefício, o primeiro passo é fazer a inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

 

Gabriela: E o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, também tem mais detalhes e responde a sua pergunta.

 

Ouvinte - Flávia Marques: Olá, ministro, meu nome é Flávia, sou de Cruz Alta, Rio Grande do Sul. Gostaria de saber com que idade a gente pode fazer o cadastro do Bolsa Família.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Flávia, pra se inscrever no Cadastro Único é preciso que tenha uma pessoa da família que se responsabilize por prestar as informações corretas de todos os membros da família pro entrevistador. Essa pessoa vai no CRAS pra se cadastrar, deve ter pelo menos 16 anos e preferencialmente ser mulher. Os documentos que ela precisa pode ser o CPF ou o título de eleitor. Para outras pessoas da família, é importante a apresentação de qualquer desses documentos de identificação que eu vou falar agora: Certidão de nascimento, certidão de casamento, CPF, carteira de identidade, carteira de trabalho ou título de eleitor. Qualquer um desses documentos é suficiente pra essa pessoa ficar cadastrada como da família. Então, são coisas simples que podem ser feitas para haver a inscrição no Cadastro Único.

 

Aírton: E se você também tem alguma pergunta sobre ações e programas sociais do governo, mande pra gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br e tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Aírton: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe.

 

Gabriela: Uma forma de economizar e destinar o dinheiro só pra quem realmente precisa.

 

Aírton: O pente fino no benefício de auxílio doença já gerou uma economia de R$ 1,6 bilhão.

 

Gabriela: O balanço foi divulgado hoje pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e mostra o resultado da medida do governo para acabar com pagamentos indevidos pelo INSS.

 

Repórter José Luís Gomes: Até agora foram realizadas 87.500 perícias em todo o país. 84% dos exames resultaram no cancelamento do benefício. Na maior parte dos casos, as avaliações médicas apontaram que as pessoas já estavam aptas para voltarem ao trabalho. Há também pessoas que foram chamadas, mas não compareceram à perícia. O Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra, destaca o esforço que o Governo Federal vem fazendo para aperfeiçoar a gestão de programas sociais, evitando desperdícios com pagamentos indevidos e destinando os recursos públicos para quem realmente precisa.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: As pessoas que estão realmente doentes e que não melhoraram, que têm problema crônico, que a impossibilita de trabalhar, não precisa se preocupar. Essas pessoas vão ser examinadas e vão continuar recebendo o auxílio doença. Esses 84% são pessoas que realmente não tinham mais nada, que estavam bem, já estavam inclusive trabalhando e que estavam ainda recebendo o auxílio doença, como se estivessem doentes. Então, o programa é pra fazer justiça, praqueles que realmente precisam.

 

Repórter José Luís Gomes: O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Alberto Beltrame, lembra que uma pessoa que recebe o benefício do INSS indevidamente lesa duas vezes o fundo de previdência. A primeira porque não contribui para o fundo, a segunda porque fica com o dinheiro que deveria ser destinado a outra pessoa.

 

Secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário - Alberto Beltrame: E esse recurso que ele recebe indevidamente é o que pode faltar pra atender aquele que realmente necessita de um benefício dessa natureza.

 

Repórter José Luís Gomes: Neste primeiro momento, o INSS está convocando todos os beneficiários do auxílio doença que, há mais de dois anos, não passavam por perícia. Também serão chamados aqueles que recebem aposentadoria por invalidez, têm menos de 60 anos e que estejam há dois anos sem avaliação médica. Após o comunicado, o segurado tem cinco dias úteis para agendar a perícia pelo número 135. O beneficiário que não atender a convocação ou não comparecer na data agendada terá o benefício suspenso. Reportagem, José Luís Gomes.

 

Gabriela: 19h21 em Brasília.

 

Aírton: O Exame Nacional do Ensino Médio, Enem, deste ano, vem com uma novidade para os estudantes surdos.

 

Gabriela: O objetivo de tornar a disputa mais justa, eles vão ter a opção de ver vídeos que traduzem as questões da prova para a Língua Brasileira de Sinais, Libras.

 

Aírton: Isso porque os surdos não têm o português como primeira língua, o que dificultava a interpretação dos textos das questões.

 

Gabriela: E como vai ser na prática? Vamos conferir na reportagem de Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: No mundo do estudante Israel Ferreira, as mãos rompem o silêncio, falam. Ele nasceu surdo e usa a Língua Brasileira de Sinais, Libras, para se comunicar com o mundo. Israel hoje é aluno da Universidade de Brasília e nós fomos até lá para bater um papo e conhecer um pouco mais a história desse jovem de 23 anos. O estudante nos contou que teve de enfrentar muitas barreiras para aprender a língua portuguesa e chegar à universidade. Um dos desafios foi fazer a prova do Enem. A tradução é da intérprete de Libras Dani Vasconcelos.

 

Estudante - Israel Ferreira: Minha vida escolar foi difícil, eu me esforcei muito. Eu sempre gostei de estudar. Eu era sozinho, eu ficava em casa sozinho estudando o dia inteiro, sozinho, tentando entender matemática, português, eu fazia pesquisas pra conseguir aprender e desenvolver. Então assim, português era o mais difícil, às vezes eu ficava até nervoso, como é que ia organizar as palavras, como eu fazia?

 

Repórter Gabriela Noronha: Diferente dos ouvintes, a primeira língua dos surdos é a Língua Brasileira de Sinais, não o português. Por isso, o Exame Nacional do Ensino Médio traz este ano uma novidade: estudantes surdos poderão ter acesso a vídeo com as questões do Enem traduzidas em Libras. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, INEP, vai disponibilizar salas adaptadas. O professor de Libras Messias Ramos Costa comemorou a mudança. Messias, que é surdo, foi o primeiro professor substituto de Língua Brasileira de Sinais da Universidade de Brasília e participou das discussões para incluir Libras no Enem. Para conversar com o professor, também tivemos a ajuda da intérprete de Libras Dani Vasconcelos.

 

Professor - Messias Ramos Costa: Então o surdo vai ter um intérprete e a prova em Libras, porque o intérprete também significa acessibilidade naquele momento de prova.

 

Repórter Gabriela Noronha: No Brasil, existem quase 10 milhões de brasileiros com algum grau de deficiência auditiva. Para Maria Inês Fini, presidente do Inep, instituto que faz o Enem, a novidade atende a pedidos desta população.

 

Presidente do Inep - Maria Inês Fini: Porque a primeira vez que o fazemos, para atender também prerrogativas legais e o anseio dessa população, de dispositivos em vídeo contendo questões traduzidas na Linguagem Brasileiras de Sinais, em vídeo em Libras.

 

Repórter Gabriela Noronha: Além do vídeo em Libras, os candidatos também terão tradutor na sala para tirar dúvidas sobre o vocabulário e vão contar com uma hora a mais para fazer o exame. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Aírton: E é bom lembrar que o Enem vai ser realizado em novembro e as inscrições vão estar abertas de 8 a 19 de maio.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.
 
 

Aírton: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de comunicação.

 

Aírton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e um bom feriado.

 

Gabriela: Lembrando que amanhã, feriado nacional, não tem Voz do Brasil. Uma boa noite pra você.

 

 

"Brasil, ordem e progresso."