13 de dezembro de 2018 - Poder Executivo

Destaques da Voz do Brasil: Economia para o bolso dos motoristas. Seguro DPVAT fica mais barato no ano que vem. E Brasil vai fabricar o primeiro carro que pode ser movido a gasolina, etanol ou energia elétrica. Tecnologia é resultado do Rota 2030 e para presidente Michel Temer, mostra a capacidade da inovação nacional. Maior preparação no combate a crimes. Policiais vão ser treinados pelo Exército em um ambiente que simula situações que eles estão acostumados a passar no dia a dia. Governo permite maior investimento estrangeiro nas empresas aéreas do país. Medida permite crescimento e mais geração de empregos.

audio/mpeg 13-10-18-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46838 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

  

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

  

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

  

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Economia para o bolso dos motoristas.

 

Gabriela: Seguro DPVAT fica mais barato no ano que vem. Natália Koslyk.

 

Repórter Natália Koslyk: A redução no valor do DPVAT, no caso de automóveis particulares, foi de mais de 70%.

 

Nasi: E o Brasil vai fabricar o primeiro carro que pode ser movido a gasolina, etanol ou energia elétrica.

 

Gabriela: Tecnologia é resultado do Rota 2030, e para o presidente Michel Temer, mostra a capacidade da inovação nacional.

 

Presidente Michel Temer: Um grande país não se desenvolve sem desenvolvimento tecnológico. E é exata e precisamente esse desenvolvimento que nós estamos celebrando, lançando a tecnologia para a produção do híbrido flex.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Maior preparação no combate a crimes.

 

Nasi: Policiais vão ser treinados pelo Exército em um ambiente que simula situações que eles estão acostumados a passar no dia a dia.

 

Gabriela: Governo permite maior investimento estrangeiro nas empresas aéreas do país.

 

Nasi: Medida permite o crescimento e mais geração de empregos.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: Quem tem carro já sabe: Todo ano precisa pagar o DPVAT, o seguro obrigatório para veículos.

 

Nasi: E para o ano que vem, o seguro vai ficar mais barato. É que foi aprovada hoje uma redução de mais de 60% em média no valor do DPVAT.

 

Gabriela: No caso dos automóveis particulares, por exemplo, o valor passou de 41 para R$ 12.

 

Repórter Natália Koslyk: Todo começo de ano, o bancário Carlos de Figueiredo Haddad gasta mais de R$ 4 mil com os quatro veículos que tem em casa, em Belém, no Pará. O dinheiro é usado para quitar os impostos dos carros e também o DPVAT, seguro obrigatório para os proprietários de veículos. Mas, no ano que vem, ele vai ter uma economia. O valor do seguro passou de R$ 41,20 para R$ 12. Carlos fez as contas e comemorou.

 

Bancário - Carlos de Figueiredo Haddad: É um grande desconto, de 41 para 12, no meu orçamento no caso aí dá cento e poucos reais a menos por ano. Já é um tanque de um carro por uma semana, entendeu? Então, tudo que vem para enxugar o orçamento é benéfico, né?

 

Repórter Natália Koslyk: A redução no valor do DPVAT, no caso de automóveis particulares, como os de Carlos, foi de mais de 70%, e também vale para táxis e carros de aluguel. No caso das motocicletas, o preço do seguro ficou 56% menor, passou de R$ 180,65 para R$ 80,11. Mas a principal redução foi para transportes coletivos, que vão pagar quase 80% a menos pelo seguro no ano que vem. A medida foi aprovada nesta quinta-feira pelo Conselho Nacional de Seguros Privados. De acordo com nota divulgada pelo Ministério da Fazenda, a redução dos valores é consequência das ações de combate à fraude, somadas à rentabilidade dos recursos acumulados. O seguro DPVAT cobre casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistência médica por acidentes de trânsito. O dinheiro arrecadado é destinado para o SUS, Sistema Único de Saúde, para o Denatran, Departamento Nacional de Trânsito, e para o pagamento de sinistros e despesas administrativas. Reportagem: Natália Koslyk.

 

Nasi: E o Brasil vai produzir o primeiro carro híbrido flex do mundo.

 

Gabriela: Vai ser o primeiro carro em que o motorista pode escolher gasolina, etanol ou apenas energia elétrica.

 

Nasi: A nova tecnologia foi desenvolvida aqui no país e já é resultado do Rota 2030, programa do governo que incentiva a fabricação de carros menos poluentes, desenvolvendo a indústria e a geração de empregos.

 

Repórter Cleide Lopes: A tecnologia do veículo híbrido flex começou a ser elaborada em 2015, uma parceria entre a montadora japonesa Toyota e pesquisadores de universidades brasileiras. O carro, com tecnologia híbrida flex, que pode ser movida a gasolina, etanol ou eletricidade, é o primeiro do mundo. O ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, disse que a nova tecnologia deve melhorar a qualidade de vida dos brasileiros.

 

Ministro de Minas e Energia - Moreira Franco: Esse carro terá a companhia do etanol, de maneira que nós vamos ter, andando, espero eu, pelo mundo todo, um carro que vai nos permitir viver num ambiente muito mais limpo do que vivemos hoje.

 

Repórter Cleide Lopes: O lançamento do veículo é um dos resultados do Programa Rota 2030, que é uma nova política industrial para o setor automotivo. Transformado em lei essa semana, o programa oferece descontos de impostos, como explica o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima.

 

Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Marcos Jorge de Lima: Carros híbridos, equipados com motor flex, terão redução ainda maior na alíquota do imposto.

 

Repórter Cleide Lopes: O Programa Rota 2030 também tem o objetivo de oferecer uma matriz nacional de combustíveis mais limpa, com a participação de biocombustíveis, e apoia o desenvolvimento tecnológico, a inovação e a eficiência energética. O presidente da Toyota no Brasil, Rafael Chang, disse que o desenvolvimento do projeto híbrido flex no Brasil foi possível por causa das mudanças promovidas no país nos últimos anos.

 

Presidente da Toyota no Brasil - Rafael Chang: A nova política industrial automotiva, Rota 2030, é, sem dúvida, a chave para acelerar a inovação, com horizonte de longo prazo e apoios em pesquisa e desenvolvimento. E a reforma trabalhista foi outro passo importante para fortalecer a economia e dar ânimos para novos investimentos. Foi por conta desse cenário favorável que o híbrido flex agora se torna uma realidade aqui no Brasil.

 

Repórter Cleide Lopes: O presidente Michel Temer, que participou nessa quinta-feira da apresentação do modelo híbrido flex, disse que o avanço tecnológico é a chave para o desenvolvimento do país.

 

Presidente Michel Temer: Um grande país não se desenvolve sem desenvolvimento tecnológico. E é exata e precisamente esse desenvolvimento que nós estamos celebrando no dia de hoje, lançando a tecnologia para a produção do híbrido flex.

 

Repórter Cleide Lopes: A montadora Toyota começou a realizar testes de rodagem com o protótipo híbrido flex no Brasil no mês de março deste ano. Reportagem: Cleide Lopes.

 

Nasi: E o presidente Michel Temer agradeceu o trabalho das Forças Armadas especial no apoio às ações de segurança durante o seu governo.

 

Gabriela: O presidente participou de um almoço oferecido pelo ministro da Defesa e pelos comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

 

Nasi: Temer lembrou que as Forças Armadas estiveram presentes em ações, como a vistoria de presídios, policiamento nas ruas em estados, como Espírito Santo e Roraima, além da intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro.

 

Presidente Michel Temer: Quando eu dizia, nos vários momentos, de dificuldades até relativas à segurança pública, segurança dos presídios, por exemplo, quando eu pedi auxílio, eu ouvia dos Srs. Comandantes uma expressão constitucional, de quem preza as instituições: "Presidente, o senhor é o comandante supremo das Forças Armadas. Diga o que nós devemos fazer". E, claro que, com este dizer, eu me senti à vontade para, em várias oportunidades, chamar as Forças Armadas para auxiliar-me na tarefa governativa. E foi precisamente a força significativa das Forças Armadas do nosso país, ao lado do meu governo, que fez com que nós evitássemos uma série de crises, nos momentos mais delicados que enfrentamos ao longo desse período.

 

Gabriela: Uma área que simula o ambiente de uma cidade, para o treinamento de policiais em situações que eles estão acostumados a passar no dia a dia.

 

Nasi: A construção do espaço vai ser possível com o repasse de R$ 20 milhões por parte do Ministério da Segurança Pública para o Exército.

 

Gabriela: Os recursos também vão permitir a compra de equipamentos de radiocomunicação.

 

Repórter Graziela Mendonça: O complexo destinado ao treinamento de tiro vai reproduzir uma cidade com áreas estruturadas e espaços de ocupação informal, como favelas. Ali, forças de segurança, como polícias militares, vão poder simular situações bem parecidas com aquelas que encontram no cotidiano. Para a construção do centro, o Exército vai investir R$ 14 milhões, repassados nesta quinta-feira pelo Ministério da Segurança Pública. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, explicou os objetivos da nova estrutura de treinamento.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: O nosso objetivo aqui, em primeiro lugar, é efetivamente proteger aquela comunidade onde se dá uma intervenção policial, alcançar os bandidos, prendê-los e levá-los para a cadeia, e, em terceiro e último lugar, também proteger as forças de segurança que enfrentam determinadas situações em áreas, tanto estruturadas como áreas irregulares ou informais.

 

Repórter Graziela Mendonça: O Exército também vai receber R$ 6 milhões para adquirir mais equipamentos de radiocomunicação digital, como explica o comandante do Estado Maior do Exército, general Paulo Humberto.

 

Comandante do Estado Maior do Exército - General Paulo Humberto: O que nós vamos fazer é ampliar o sistema que nós temos existente hoje, em alguns lugares onde nós temos mais uso e onde nós estamos atuando com maior intensidade. Em alguns lugares que nós vemos que a demanda já exige uma ampliação dos meios existentes.

 

Repórter Graziela Mendonça: Dados divulgados nesta quinta-feira mostram que, este ano, quase 6 mil policiais militares e bombeiros foram capacitados pelo Exército, em 164 atividades, como cursos e treinamentos em inteligência, armamentos e gestão. Reportagem: Graziela Mendonça.

 

Nasi: O presidente Michel Temer assinou hoje uma medida provisória que amplia o investimento estrangeiro nas empresas aéreas do país.

 

Gabriela: A ideia é promover crescimento e maior geração de empregos, além de mais competitividade e passagens mais baratas ao consumidor.

 

Nasi: A participação estrangeira nessas empresas, que atualmente é limitada a 20% do capital, passa a ser de até 100%.

 

Gabriela: Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, a mudança vai trazer diversos benefícios para o mercado de aviação e para o país.

 

Ministro-chefe da Casa Civil - Eliseu Padilha: O que nós teremos de vantagem com isso? Primeiro, financiamento, a facilidade para o financiamento das nossas companhias aéreas e de novas companhias que se estabeleçam aqui no Brasil. Nós vamos ter novas companhias, nós vamos ter novos destinos e, com isso, nós vamos estimular o turismo, com isso nós vamos estimular a geração de emprego na aviação civil, com isso nós vamos ter passagens muito mais baratas, teremos competitividade. Nós teremos companhias dessas chamadas companhias de baixo custo, que virão, seguramente, para o Brasil imediatamente.

 

Nasi: O Museu Nacional do Rio de Janeiro, atingido por um incêndio três meses atrás, recebe mais R$ 7,5 milhões.

 

Gabriela: Daqui a pouco a gente traz os detalhes de como essa verba vai ser usada.

 

"Momento Social".

 

Nasi: Incentivo ao empreendedorismo, qualificação profissional e acesso ao microcrédito, para que pessoas de baixa renda possam investir em um negócio próprio.

 

Gabriela: É, Nasi. Essas são algumas das ações do Plano Progredir, que tem como foco os beneficiários do Bolsa Família.

 

Nasi: A Janaína Marques, de Altamira, no Pará, recebe o Bolsa e quer saber como faz para participar do Progredir.

 

Gabriela: E quem explica é o ministro do Desenvolvimento Social Alberto Beltrame.

 

Ouvinte - Janaína Gláucia da Silva Marques: Olá, ministro. Me chamo Janaína Gláucia da Silva Marques, sou de Altamira, do Estado do Pará. Eu queria saber, assim, que eu recebo Bolsa Família, e como é que eu faço para participar do Progredir? E se eu participar do Progredir, meu Bolsa Família vai ser cortado?

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Janaína, se você é beneficiária do Bolsa Família, você é a usuária preferencial do Progredir. E fique tranquila, não há a menor hipótese de você perder o Bolsa Família pelo fato de ingressar no Plano Progredir. Ao contrário, esse é realmente o objetivo. Ao acessar o Progredir, através do site mds.gov.br/progredir, você terá acesso a várias informações, acesso a qualificação profissional, a colocação no mercado de trabalho e, eventualmente, a microcrédito, para você poder abrir um pequeno negócio, um pequeno empreendimento e, com isso, melhorar de vida, melhorar a renda da sua família e conseguir se emancipar no futuro, de programas sociais.

 

Nasi: E se você também tem alguma pergunta sobre programas sociais, manda para a gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br, e tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

 

Gabriela: Medidas de gestão adotadas pelo governo ajudaram o país a economizar recursos públicos.

 

Nasi: Um balanço do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão mostra que só a digitalização de serviços poupou mais de R$ 600 milhões.

 

Gabriela: Para o ministro Esteves Colnago, a retomada do crescimento do país depende da continuidade das reformas.

 

Repórter Luana Karen: Em pouco mais de dois anos, o Ministério do Planejamento pôs em prática medidas que resultaram em milhões de reais economizados para os cofres públicos. Entre elas, o TáxiGov, o aplicativo para celular que substituiu carros próprios ou alugados para transportar servidores durante o trabalho, pelo uso de táxi. Outra medida foi o aumento da oferta de serviços públicos em plataformas digitais, como o alistamento militar. Levantamento feito pelo Ministério do Planejamento no ano passado mostrou que o setor público federal oferecia 1.740 serviços, cerca de 30% deles estavam disponíveis em plataformas digitais. De lá para cá, foram digitalizados outros 90 serviços. E em 30 desses serviços que passaram a ser oferecidos por meios digitais, o secretário executivo do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Gleisson Rubin, estima que foram economizados R$ 600 milhões.

 

Secretário executivo do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Gleisson Rubin: O cidadão, a economia é do tempo que ele economiza, é o dia de trabalho que ele não perde, é o custo de deslocamento até a unidade de atendimento físico, custos em cartórios, enfim. Para o Governo, a economia está na alocação de servidores, redução de processos internos, redução de unidades físicas de atendimento, tudo isso também é contabilizado.

 

Repórter Luana Karen: A meta é oferecer todos os serviços públicos em plataformas digitais em até três anos. O Ministério do Planejamento também entregou à equipe de transição do próximo governo sugestões para continuidade das reformas no setor público. Uma delas é a redução de carreiras no serviço público federal, das atuais 309 para menos de 20 carreiras. Também foi feito levantamento dos imóveis em poder da União e em condições de serem vendidos. Na avaliação do ministro do Planejamento, Esteves Colnago, é fundamental manter a agenda de reformas do país.

 

Ministro do Planejamento - Esteves Colnago: Não há alternativa para o país, que não seja a continuidade e o aprofundamento da agenda de reformas já empreendidas, sejam reformas estruturais, sejam reformas de ganhos de produtividade. São também as medidas microeconômicas, que nós cresceríamos acima de 4% ao ano. Então, a gente precisa recuperar a nossa competitividade, que nós perdemos.

 

Repórter Luana Karen: Também foi apresentado um planejamento para os próximos 12 anos. A elaboração do documento contou com a participação da sociedade, por meio de consultas públicas. A estratégia tem cinco eixos: econômico, infraestrutura, institucional, ambiental e social, e traz desafios a serem vencidos nos próximos anos, com o objetivo de aumentar a renda e a qualidade de vida dos brasileiros. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: Após o Governo Brasileiro recorrer, a Organização Mundial do Comércio, OMC, decidiu hoje algumas punições ao país definidas em 2017.

 

Gabriela: Na época, o país foi condenado por uma série de programas de incentivos fiscais a setores da indústria. O argumento era de que esses incentivos violavam acordos internacionais e prejudicavam a competitividade de outros países no mercado nacional.

 

Nasi: Foi revertida, por exemplo, a decisão que dava ao Brasil 90 dias para implementar as determinações da organização. Agora, não há mais prazo estabelecido.

 

Gabriela: Outra reversão ocorreu no programa destinado a empresas exportadoras, o PEC, e no regime especial de aquisição de bens de capital para empresas exportadoras, o Recap. Eles não foram mais considerados irregulares pela OMC e as condenações foram retiradas.

 

Nasi: Acabar com a pobreza, garantir emprego digno para a população, fornecer energia limpa e reduzir as desigualdades.

 

Gabriela: Esses são alguns dos chamados objetivos de desenvolvimento sustentável, um conjunto de medidas da ONU que vários países se comprometeram a seguir.

 

Nasi: E para incentivar que se chegue a essas metas, o Governo criou um prêmio para ações que ajudem a solucionar esses problemas, tanto de instituições públicas quanto privadas.

 

Gabriela: A entrega dos prêmios foi realizada hoje.

 

Repórter Pablo Mundim: Água limpa e saneamento para a população. Esse é um dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, e também é o trabalho do Sistema Integrado de Saneamento Rural, Sisar, premiado nesta quinta-feira. Este modelo de gestão leva água para mais de 600 mil pessoas na zona rural do Ceará, como explica Marcondes Ribeiro Lima, representante do instituto.

 

Representante do Sisar - Marcondes Ribeiro Lima: Foi criada essa ONG em 1996, no estado do Ceará, na região Norte, onde a Cagece, a Companhia de Água e Esgoto, replicou esse modelo e hoje o Ceará tem oito ONGs dessa atuando em todo o Ceará, onde traz o tratamento de água, a qualidade de vida e a capacitação social, resgatando a cidadania do povo rural.

 

Repórter Pablo Mundim: Ao todo, foram 12 práticas premiadas. Além do reconhecimento, as iniciativas serão multiplicadas em um banco de práticas criado pelo Governo Federal. O Prêmio ODS Brasil tem o objetivo de ajudar a cumprir as metas da Agenda 2030, o protocolo internacional, assinado em 2015, e que prevê um conjunto de objetivos de desenvolvimento sustentável, como por exemplo a erradicação da pobreza, educação de qualidade e combate às alterações climáticas. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, representou o presidente Michel Temer durante o evento e disse que a Agenda 2030 é um compromisso do Brasil.

 

Ministro da Casa Civil - Eliseu Padilha: A Agenda 2030 não é só uma agenda da ONU, é uma agenda do Brasil para o Brasil. Erradicar a pobreza, acabar com a fome, assegurar educação de qualidade, esses são objetivos refletidos em nossa Constituição, são metas fundamentais na tarefa de construir um Brasil mais próspero e mais justo.

 

Repórter Pablo Mundim: Esta é a primeira edição do Prêmio ODS Brasil e é uma iniciativa da Secretaria de Governo da Presidência da República. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Nasi: O Museu Nacional do Rio de Janeiro, atingido por um grande incêndio em setembro, vai receber mais de R$ 7,5 milhões para pesquisas e obras de recuperação.

 

Gabriela: E quem quiser pode fazer uma visita virtual a parte do acervo do museu, seja por celular, tablet ou computador.

 

Nasi: Pois é, Gabriela. A novidade é uma parceria entre o Ministério da Educação e uma empresa de tecnologia.

 

Gabriela: Desde o acidente, o Governo já repassou mais de R$ 10 milhões para a restauração do museu.

 

Repórter Bruna Sanieli: Três meses depois do incêndio que atingiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro, uma exposição mostrou parte dos 1,5 mil itens já restaurados, como peças da coleção egípcia, minerais e cerâmicas. A mostra ocorreu após o anúncio do Ministério da Educação da liberação de mais R$ 5 milhões para o projeto arquitetônico de recuperação do museu. O secretário executivo do MEC, Henrique Sartori, detalha as etapas da obra.

 

Secretário executivo do MEC - Henrique Sartori: Agora a etapa inicial, ela foi vencida, a etapa emergencial. Nós liberamos R$ 10 milhões para a Universidade Federal do Rio de Janeiro, para o museu, para as etapas emergenciais. Agora vem a etapa do projeto executivo, mais R$ 5 milhões, Museu Nacional, junto com a Unesco, com o Icom, com o Iphan, vão sentar juntos e vão fazer a nova concepção do museu, para poder executar a parte de obra física.

 

Repórter Bruna Sanieli: A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Capes, também garantiu mais de R$ 2,5 milhões para manutenção de programas de pesquisa que funcionam no Museu Nacional. Desse total, R$ 2 milhões vão para investimentos, e cerca de R$ 530 mil para custeio de projetos em áreas como antropologia, arqueologia, geociências, ciências biológicas e linguística. O diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, diz que a partir de janeiro os profissionais vão poder começar os trabalhos dentro do museu.

 

Diretor do Museu Nacional - Alexander Kellner: Você vai ter várias equipes trabalhando em salas diferentes. É como se você tivesse sítios arqueológicos diferentes, em cada um dos espaços do museu. Então, essas equipes vão, então, minuciosamente, fazer o resgate do material. E vocês vão ver que é um trabalho que demora muito tempo e tem que ser feito com cuidado, porque senão a gente perde informação, e é tudo que a gente não precisa.

 

Repórter Bruna Sanieli: No evento, a empresa Google anunciou que já é possível fazer uma visita virtual a 160 itens que faziam parte do acervo do Museu Nacional, por meio do aplicativo de artes e cultura. O conteúdo pode ser acessado por meio de celular, computador ou com óculos de realidade virtual. Reportagem, Bruna Sanieli.

 

Nasi: Começou o pagamento do abono salarial para os trabalhadores nascidos no mês de dezembro.

 

Gabriela: O abono é pago aos trabalhadores inscritos no PIS ou Pasep há pelo menos cinco anos.

 

Nasi: Também é necessário ter trabalhado por pelo menos 30 dias no ano passado, com carteira assinada e com remuneração mensal média de até dois salários mínimos.

 

Gabriela: Os valores variam de R$ 80 a R$ 950, dependendo do tempo de trabalho no ano passado.

 

Nasi: Este mês, 1,8 milhão de trabalhadores vão receber R$ 1,3 bilhão.

 

Gabriela: Os trabalhadores que não tiverem o dinheiro depositado automaticamente em conta bancária podem receber o benefício em qualquer agência da Caixa.

 

Nasi: Já trabalhadores do setor público inscritos no Pasep recebem pelo Banco do Brasil.

 

Gabriela: Mais de 60% dos estudantes inscritos fizeram as provas da segunda aplicação do Enem.

 

Nasi: A reaplicação foi realizada na terça e na quarta-feira, em 16 cidades, por conta de problemas, como a falta de energia elétrica, durante as primeiras datas das provas em novembro.

 

Gabriela: Apenas uma ocorrência foi registrada.

 

Nasi: E mais de 32% dos inscritos no Enem para pessoas privadas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa faltaram aos dias de prova.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".