13 DE NOVEMBRO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer entrega Cartão Reforma aos primeiros beneficiados e destaca porque a Reforma da Previdência é tão importante para o país. Nova lei trabalhista entra em vigor e deve gerar 2 milhões de empregos nos próximos anos. Lançado programa amplia recursos para levar esporte, cultura e cidadania a 50 mil jovens do Rio de Janeiro. 13°salário vai injetar R$200 bilhões na economia.

audio/mpeg 13-11-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 47013 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.




"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".




Apresentadora Alessandra Bastos: Olá, boa noite.




Nasi: Boa noite para você que nos houve aí e em todo o país.




Alessandra: Segunda-feira, 13 de novembro de 2017.




Nasi: E vamos ao destaque do dia.




Alessandra: Presidente Michel Temer entrega Cartão Reforma aos primeiros beneficiados.




Nasi: E volta a destacar por que a reforma da Previdência é tão importante para o país.




Presidente Michel Temer: Nós vamos trabalhar sem descanso para melhorar a vida dos brasileiros e para criar novas oportunidades. É assim que se traz de volta o desenvolvimento.




Alessandra: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.




Nasi: Nova lei trabalhista entra em vigor e deve gerar 2 milhões de empregos nos próximos anos.




Alessandra: Mais recursos para levar esporte, cultura e cidadania a 50 mil jovens do Rio de Janeiro. Natália Mello.




Repórter Natália Mello: R$ 157 milhões serão destinados ao Programa Emergencial de Enfrentamento à Violência.




Nasi: E o dinheirinho que todo trabalhador espera no final do ano vai aquecer a economia. Gabriela Noronha.




Repórter Gabriela Noronha: Mais de 83 milhões de brasileiros vão receber o 13º salário. Mais da metade, 48 milhões, recebem até o dia 20 de dezembro.




Alessandra: Na apresentação, Alessandra Bastos e Nasi Brum.




Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.




Alessandra: Recursos para construir um banheiro, um quarto, consertar um telhado ou fazer alguma outra reforma na casa.




Nasi: O Cartão Reforma, que passou por um teste num programa piloto, foi lançado oficialmente hoje pelo presidente Michel Temer.




Alessandra: As famílias beneficiadas vão pagar apenas pela mão de obra, ferramentas e equipamentos usados na execução do serviço.




Repórter Paulo La Salvia: São as primeiras famílias beneficiadas com o Cartão Reforma. Elas fazem parte de um universo de 150 moradores do Bairro São João da Escócia, em Caruaru, no interior de Pernambuco, que participaram de um projeto-piloto do programa neste ano. Luiz Santos da Silva foi um dos contemplados.




Contemplado com o Cartão Reforma - Luiz Santos da Silva: Eu entendo que o sonho de um pai de família é chegar em casa e ter aquela satisfação de ser o provedor daquela casa, né? E o outro é a gente pode ver aquela casa bem arrumadinha, né? Graças a esse programa do Cartão Reforma nós estamos vendo a realidade acontecer.




Repórter Paulo La Salvia: O Cartão Reforma é destinado a famílias com renda bruta mensal de até R$ 2.811. O beneficiário precisa ter mais de 18 anos e deve também ser dono e morar no imóvel residencial, que não pode estar em área sem regularização. O benefício pode variar entre R$ 5 mil e R$ 9 mil, com repasse médio em torno de R$ 6 mil. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu que o Cartão Reforma se insere no processo de recuperação da economia brasileira.




Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Estamos trabalhando intensamente em várias coisas referentes ao mercado da construção civil. Por exemplo, a melhora do crédito como um todo, principalmente do crédito imobiliário, e, em função disso, viabilizar o crescimento maior do setor. O Cartão Reforma se insere fortemente nesse trabalho do governo, com um componente fortíssimo social, que é permitir às pessoas, que de outra maneira não teriam acesso a recursos para melhorar a sua casa, para reformarem, etc., pudessem fazer.




Repórter Paulo La Salvia: O Cartão Reforma vai chegar primeiro a municípios que decretaram neste ano calamidade pública por conta das chuvas em cinco estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Alagoas e Pernambuco. As prefeituras vão cadastrar os lojistas que vão vender e receber pagamentos por meio do Cartão Reforma. O lojista Mário Florêncio Júnior, que já vendeu produtos em Caruaru, no piloto do programa, fala sobre o impacto do Cartão Reforma.




Lojista - Mário Florêncio Júnior: A importância desse cartão para Caruaru é grandiosa porque não só é o cartão. Quem adquirir o cartão vai ter algo mais para fazer uma reforma dentro da sua casa, e para a economia da nossa cidade é de muita importância.




Repórter Paulo La Salvia: O presidente Michel Temer fez uma comparação da reforma da casa, principal meta do programa, com as reformas que estão ocorrendo no país.




Presidente Michel Temer: Nós estamos fazendo reformas fundamentais. Toda vez que você vai fazer uma reforma a casa fica feia, né? Tem problema, suja. Quando você termina a reforma da casa, a casa está um brinco, está uma maravilha. Nesse episódio da reforma a casa vai ficar barulhenta, etc., mas nós vamos levar adiante, e quando a casa estiver pronta todos irão aplaudir.




Repórter Paulo La Salvia: São os próprios municípios que vão selecionar as famílias beneficiadas, fiscalizar as obras e fornecer a assistência técnica. Até agora, quase 2 mil municípios já se habilitaram junto ao Ministério das Cidades para participar do Cartão Reforma. Reportagem, Paulo La Salvia.




 "Entenda a modernização das leis trabalhistas".




Nasi: Agora é para valer: desde sábado já está valendo no país a nova Lei Trabalhista.




Alessandra: A lei cria novas modalidades de contratos de trabalho. E a expectativa do governo é criar aproximadamente 2 milhões de empregos em dois anos.




Nasi: Em vídeo divulgado nas redes sociais, o presidente Michel Temer diz que 18 milhões de pessoas, que hoje trabalham na informalidade, vão ter direitos assegurados.




Presidente Michel Temer: Fiquei muito satisfeito em saber que existem pesquisas mostrando que os jovens têm expectativa muito positiva com essa modernização da Lei Trabalhista, e ouço relatos de empresários que as contratações aumentarão a partir de agora. Os jovens estão certos, perceberam que, finalmente, conectamos o mundo do trabalho no Brasil ao Século XXI. Agora, com a jornada parcial, os estudantes terão mais chance de obter uma colocação com todos os direitos garantidos sem risco de interromper os estudos. Mães e pais, por exemplo, que queiram conciliar a atividade profissional com a atenção à família poderão também se beneficiar da meia jornada. Também é uma opção para quem quer se qualificar melhor. Profissionais das mais diversas áreas passam a poder trabalhar em casa. Agora há regras claras para o chamado trabalho remoto.




Alessandra: O presidente Temer também afirmou que o país está em recuperação e que a população pode esperar um fim de ano melhor.




Presidente Michel Temer: Tudo indica que teremos um Natal melhor, com mesa mais farta e mais presentes para a família. É muito bom que seja assim. Os que apostaram no pessimismo não prosperaram. O Brasil se mostrou maior do que todas as dificuldades. Os brasileiros querem paz para trabalhar e merecem chegar ao final deste ano com esperanças renovadas. Continuaremos a buscar junto com o nosso povo novas conquistas.




Nasi: É, e aos poucos a população vai se informando e se preparando para as novidades da legislação trabalhista.




Alessandra: E é sobre esse período de transição que nós preparamos mais uma reportagem especial sobre a modernização trabalhista. A reportagem é de Luana Karen.




Repórter Luana Karen: Nas ruas do centro de Brasília nem todo trabalhador sabe das novidades.




Entrevistada: Eu não sei de nada.




Entrevistada: Eu sei da Previdência. Da Lei Trabalhista, infelizmente, eu não sei muita pouca.




Entrevistada: Não estou sabendo. Juro, não estou sabendo.




Repórter Luana Karen: Mas têm também os mais antenados.




Entrevistado: A questão das férias, né? A forma da carga horária, questões de horário de almoço. Esse tipo de informações básicas, né?




Entrevistada: Tem um intervalo entre a jornada, onde deveria ser... é... não mudado, né, 60 minutos, não era negociável, mas agora você pode reduzir para sair mais cedo.




Repórter Luana Karen: E não é só o trabalhador que está se familiarizando com as novas regras. Algumas confederações estão promovendo debates e tirando dúvidas sobre a atualização das leis trabalhistas. É o caso da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, como afirma Patrícia Duque, chefe da Divisão Sindical da CNC.




Chefe da Divisão Sindical da CNC - Patrícia Duque: Ela é importante porque traz para o comércio uma nova forma de contratação. E nós estamos divulgando a importância da segurança jurídica para o empregador.




Repórter Luana Karen: Para ajudar os gestores das instituições particulares de ensino a compreenderem a nova legislação, a Federação Nacional das Escolas Particulares lançou uma cartilha. O presidente da federação, Ademar Pereira, explica que a cartilha traz em 30 páginas as principais dúvidas sobre as novas regras.




Presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares - Ademar Pereira: Nós como federação temos que instrumentalizar os sindicatos e as escolas para, a partir de agora, a negociação ser levada muito a sério, porque o que está escrito na convenção é lei.




Repórter Luana Karen: O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, está confiante nos impactos da modernização no futuro.




Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: A legislação trabalhista, ela foi concebida na década de 1940, há exatos 74 anos atrás. No Século XXI existem outras modalidades de contratos de trabalho nos países modernos e o Brasil precisa estar inserido na modernidade.




Repórter Luana Karen: O empresário Claudecir Luarte tem mais de 20 lojas de calçados no Distrito Federal e conta com cerca de 400 funcionários que ajudam a tocar o negócio. Ele ainda não está por dentro de todas as mudanças trabalhistas, mas acredita que se o trabalhador estiver bem todo mundo ganha.




Empresário - Claudecir Luarte: Os empresários vão acreditar no país e vai investir mais: vai contratar mais gente, vai gerar mais emprego de balconista, de vendedor, de gerente. Então, todo mundo vai ganhar com essa ação aí.




Repórter Luana Karen: Na página do Ministério do Trabalho na internet, em trabalho.gov.br, empregado e patrão podem tirar dúvidas e checar as informações sobre as novas regras. Reportagem, Luana Karen.




Nasi: Oitenta e três milhões de trabalhadores vão receber o 13º salário.




Alessandra: R$ 200 bilhões serão injetados na economia e a expectativa é aumento das vendas e geração de empregos.




Repórter Gabriela Noronha: O dinheiro ainda nem entrou na conta, mas, para muita gente, o 13º já tem destino certo, como é o caso da engenheira Ludmila Lima. A mineira conta que esse ano conseguiu planejar melhor os gastos e vai usar o extra para presentear a família.




Engenheira - Ludmila Lima: Com uma parte vamos presentear aí um ou outro familiar e a outra parte guardar para as despesas, né, já do início de 2018.




Repórter Gabriela Noronha: Assim como Ludmila, mais de 83 milhões de brasileiros vão receber o 13º salário. Mais da metade, 48 milhões, recebem até o dia 20 de dezembro. Segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, o Dieese, o pagamento vai injetar mais de R$ 200 bilhões na economia, crescimento de 4,7% na comparação com o ano passado. Segundo Felipe Vella Pateo, coordenador-geral substituto de Cadastro, Identificação Profissional e Estudos do Ministério do Trabalho, esse dinheiro vem aquecer a economia do país.




Coordenador-Geral Substituto de Cadastro, Identificação Profissional e Estudos do Ministério do Trabalho - Felipe Vella Pateo: A gente culturalmente tem as festas de final de ano, feriados, viagens que as pessoas gostam de fazer. Então, acaba contribuindo muito. Esse consumo vai gerar postos de trabalho, principalmente nas atividades de serviços. Então, o comércio varejista é muito afetado, de produtos alimentícios. Também como é um valor grande que o trabalhador às vezes recebe de uma vez só, ele pode investir em eletrodomésticos, na linha branca, nas atividades de turismo.




Repórter Gabriela Noronha: Final de ano com 13º no bolso é sempre sinônimo de mais vendas para o comércio, que aumenta o emprego e aquece toda a economia, como ressalta o presidente da Associação Comercial do Distrito Federal, Cléber Pires.




Presidente da Associação Comercial do Distrito Federal - Cléber Pires: O setor produtivo vê de uma forma muito positiva toda e qualquer injeção de recursos na economia, já é um motivo de comemoração. E toda e qualquer recurso que entre na economia, isso aí será retornado em emprego, renda e impostos.




Repórter Gabriela Noronha: Tem direito ao 13º trabalhadores com carteira assinada, beneficiários da Previdência Social e aposentados e pensionistas da União, dos estados e dos municípios. Reportagem, Gabriela Noronha.




Alessandra: 19h13 no horário brasileiro de verão.




Nasi: Esporte, cultura e cidadania.




Alessandra: Mais recursos vão reforçar acesso de 50 mil jovens a programas sociais no Rio de Janeiro. Vamos detalhar cada um daqui a pouquinho. Não saia daí.




Nasi: Um milhão e meio de estudantes estão se preparando para fazer o Encceja.




Alessandra: E é por meio desse exame que jovens e adultos que não concluíram os estudos podem retirar o certificado de conclusão do ensino médio e fundamental.




Nasi: E o nosso quadro "Para você, Cidadão" de hoje traz dicas importantes para garantir um bom rendimento na prova.




"Para você, cidadão".




Repórter Daniel Costa: Neste domingo, dia 19 de novembro, 1,5 milhão de pessoas vão fazer as provas do Exame Nacional para a Certificação de Competências de Jovens e Adultos, o Encceja 2017. As provas são aplicadas para quem não concluiu os estudos na idade correta. Elas vão ser realizadas em dois turnos. É importante lembrar que o horário a ser seguido é o oficial de Brasília. Para obter o certificado ou a declaração de proficiência o participante deve fazer no mínimo 100 dos 200 pontos possíveis em cada uma das áreas de conhecimento. No caso de língua portuguesa e língua estrangeira moderna, artes e educação física, para candidatos do ensino fundamental, e linguagens e códigos e suas tecnologias para o ensino médio, é preciso obter também a proficiência em redação. Neste ano são 301 mil participantes do ensino fundamental e 1,2 milhão do ensino médio. Daniel Costa, para a Voz do Brasil.




Alessandra: E mais de 4,5 milhões de candidatos participaram neste domingo do último dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio.




Nasi: O Enem é a porta de entrada a vagas em universidades federais, bolsas em instituições particulares, além do Fies.




Alessandra: Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, foi o exame mais seguro dos últimos anos, e ele também anunciou novidades para o próximo exame.




Repórter Pablo Mundin: No segundo dia de exame, realizado no último domingo, os candidatos responderam questões de química, física, biologia e matemática.




Entrevistado: Ah, acho exatas um pouco mais complicado.




Entrevistada: A pessoa tem que ficar muito calma porque o nervosismo atrapalha muito, e ler e reler bastante a prova. Fazer com calma mesmo, sem pressa.




Repórter Pablo Mundin: Neste ano, o Ministério da Educação fez uma série de mudanças no formato do exame. Agora, as provas passaram a ser aplicadas em domingos diferentes, com intervalo de uma semana. Outra novidade estava nos cadernos de prova, que passaram a ter também o nome dos candidatos para aumentar a segurança. Andriele Alves quer cursar pedagogia. Esta é a sexta vez que ela faz o Enem. Para ela, as 90 questões de ciências exatas não assustaram.




Candidata - Andriele Alves: Eu estou bem tranquila. Apesar de ser matemática, né, que matemática e física pesa um pouquinho, mas eu estou tranquila.




Repórter Pablo Mundin: Com as provas encerradas em todos os estados, o Ministério da Educação divulgou o balanço do Enem 2017. A média de candidatos presentes nos dois dias de prova foi de 4,5 milhões pessoas. No quesito segurança a Polícia Federal divulgou que realizou mais uma operação para combater fraudes no exame. No domingo, a Operação Passe Fácil cumpriu 62 mandados de busca e apreensão e condução coercitiva em 13 estados. Para o Ministério da Educação, Mendonça Filho, o exame ocorreu dentro do previsto.




Ministro da Educação - Mendonça Filho: Foi o Enem mais seguro dos últimos anos e transcorreu com absoluta tranquilidade. E eu acho que a aplicação em dois domingos garantiu um maior conforto para os estudantes de todo o país, tendo uma aprovação considerável com relação a todos que participaram do Enem 2017.




Repórter Pablo Mundin: O ministro da Educação anunciou que para o Enem de 2018 vai ter novidade: os candidatos que obtiverem pontuação mínima no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para residentes no Brasil, o Encceja, terão isenção da taxa do Enem. Reportagem, Pablo Mundin.




Nasi: Os gabaritos oficiais do Enem vão ser divulgados pelo Inep até a próxima quinta-feira, dia 16.




Alessandra: A previsão é que o resultado com a nota individual dos candidatos seja divulgado somente no ano que vem.




Nasi: O presidente Michel Temer lançou um reforço em programas sociais para crianças e jovens no Rio de Janeiro.




Alessandra: São R$ 157 milhões para ações de esporte, cultura e capacitação em tecnologia e cidadania.




Nasi: Só as atividades esportivas devem atender 50 mil crianças e adolescentes.




Repórter Natália Mello: Basquete, judô, esgrima. Essas são apenas algumas das atividades praticadas no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes, da Marinha, no Rio de Janeiro. Muitas delas têm apoio do Programa Forças no Esporte, do Governo Federal, que para os alunos Ranlen Souza e Henrique Silva vão muito além do exercício físico.




Aluno - Ranlen Souza: Antes eu não fazia nada. Eu só ficava dormindo, ia para a escola.




Aluno - Henrique Silva: Aqui é a minha segunda família. O esporte é a minha terceira. E eu não tenho vergonha de falar isso.




Repórter Natália Mello: O Programa Forças no Esporte tem hoje mais de 23 mil alunos em todo o país. E o Governo Federal quer ampliar o acesso de crianças e adolescentes a atividades como essas. R$ 157 milhões serão destinados ao Programa Emergencial de Enfrentamento à Violência, lançado na manhã desta segunda-feira, no Rio de Janeiro. Para o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, a esperança de um Rio melhor começa no berço.




Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Incrementar isso, aumentar essas ações, tem um impacto positivo e ajuda a reduzir a violência junto com as operações de segurança pública.




Repórter Natália Mello: O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, garantiu a oferta de programas esportivos para o estado.




Ministro do Esporte - Leonardo Picciani: Vamos, a partir do plano emergencial, ampliar, e muito, essa oferta para chegar à meta estabelecida de mais de 60 mil... de novos 60 mil jovens em programas de esporte no seu contraturno... no seu contraturno escolar.




Repórter Natália Mello: O presidente Michel Temer também participou do lançamento do programa. Além de conhecer as instalações do local, ele também interagiu com os pequenos atletas. Para o presidente, integração é a palavra chave para o sucesso das ações.




Presidente Michel Temer: É integração entre o governo do estado do Rio de Janeiro, a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, o Governo Federal e, no particular, das Forças Armadas em geral. Quando nós percebemos que todos esses setores estão reunificados, que todos esses setores estão trabalhando juntos, nós podemos dizer sempre, como está acontecendo hoje, que o Brasil tem jeito e cada vez mais futuro.




Repórter Natália Mello: Ao todo, oito Ministérios contribuem com ações nas áreas de esporte, cultura e tecnologia. Reportagem, Natália Mello.




Alessandra: Trinta e três mil cirurgias entre julho e agosto.




Nasi: E este é o balanço do mutirão de operações que não são de emergência. O Ministério da Saúde já liberou mais de R$ 40 milhões para hospitais que realizam os procedimentos.




Alessandra: E mais de R$ 200 milhões ainda vão ser liberados.




Repórter José Luiz Filho: A dona de casa Eziela Abreu está internada para fazer uma cirurgia. Há sete meses, durante exames de rotina no posto de saúde, foram descobertos cálculos na vesícula. A dona de casa vai ser operada em um hospital público de São Paulo, o Hospital Estadual de Sapopemba, com tudo pago pelo SUS. Eziela conta as horas para entrar na sala de cirurgia e sair de lá livre do sofrimento causado pelo problema.




Dona de Casa - Eziela Abreu: Agora é se recuperar bem para viver a vida normal agora, sem dor.




Repórter José Luiz Filho: A operação da D. Eziela faz parte de um mutirão patrocinado pelo Governo Federal para a realização em todo o Brasil de mais de 640 mil cirurgias eletivas, aquelas que não são de emergência e podem ser agendadas. Cerca de R$ 42 milhões, de um total de R$ 250 milhões anunciados pelo Ministério da Saúde, já foram liberados a estados e municípios para o pagamento dos procedimentos. E as cirurgias já estão sendo feitas. Entre julho e agosto foram mais de 33 mil. O Hospital Estadual de Sapopemba, na zona leste da capital paulista, é um dos que estão recebendo recursos para a realização dos procedimentos. Segundo Fernanda Lopes, superintendente do hospital, graças ao repasse do mutirão vai ser possível realizar mais cirurgias.




Superintendente do Hospital Estadual de Sapopemba - Fernanda Lopes: Dentro do mutirão nós vamos realizar 120 cirurgias a mais, com foco nas cirurgias de vesícula e varizes, que é a maior demanda aqui da região.




Repórter José Luiz Filho: A aposentada Dirce Tannus já foi atendida. Três semanas atrás, sem gastar um centavo ou enfrentar uma longa espera, ela fez uma cirurgia vascular na perna.




Aposentada - Dirce Tannus: Eu estou muito bem. Foi muito rápido, tão rápido que eu até me assustei.




Repórter José Luiz Filho: Em todo o Brasil, as cirurgias mais comuns comtempladas pelo mutirão são relacionadas ao aparelho digestivo e parede abdominal, procedimentos oftalmológicos e urológicos. Reportagem, José Luiz Filho.




Alessandra: 19h22 no horário brasileiro de verão.




Nasi: Barreiras impostas por outros países podem dificultar as vendas dos nossos produtos lá fora.




Alessandra: E para facilitar as exportações e reduzir esses entraves, o governo criou um sistema de monitoramento pela internet, o Sem Barreiras.




Nasi: A ideia é que através dessa ferramenta empresários brasileiros possam denunciar dificuldades para que o governo possa interferir e solucionar o problema de maneira mais rápida.




Repórter Carolina Rocha: Quem quer vender em outro país um produto feito no Brasil muitas vezes se depara com exigências de documentos, atestados e comprovações, uma papelada que acaba interrompendo os negócios. Para reverter isso foi lançada uma plataforma na internet que une exportadores e governo em torno dos desafios da exportação de produtos brasileiros. Abraão Neto, secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, conta mais sobre as novidades da nova plataforma. A ideia é aumentar a competitividade do Brasil no exterior.




Secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Abraão Neto: Oferecer uma plataforma eletrônica para que o setor privado possa trazer a conhecimento do governo barreiras comerciais às suas exportações e, com isso, permite uma atuação para eliminar ou amenizar os efeitos negativos dessas barreiras às nossas vendas externas.




Repórter Carolina Rocha: Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em parceria com a Confederação Nacional das Indústrias, a CNI, barreiras de mais de 40 setores já foram levantadas. Diego Bonomo, gerente executivo de Assuntos Internacionais da CNI, explica a importância do mapeamento dessas barreiras.




Gerente Executivo de Assuntos Internacionais da CNI - Diego Bonomo: Tem um sistema do lado do governo em que essas barreiras possam ser colocadas e possam ser acompanhadas e removidas para que haja um ganho de competitividade para a indústria.




Repórter Carolina Rocha: A Organização Mundial do Comércio revela que a quantidade de barreiras para exportações cresceu de 3.300, em 2013, para 3.500 em 2016. Reportagem, Carolina Rocha.




Alessandra: E essas foram as notícias do Governo Federal.




Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.




Alessandra: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.




Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.




Alessandra: Boa noite para você e até amanhã.




"Brasil, ordem e progresso".