14 DE FEVEREIRO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Reforma da Previdência proposta por governo já está fechada. Definidos idade mínima para homens e mulheres e período de transição. E projeto de Lei Anticrime também já tem data para ser discutido por deputados e senadores. Governo recomenda que moradores do Sul e Sudeste procurem postos de saúde e se protejam contra a febre amarela. 50 milhões de pessoas não estão vacinadas contra a doença nas duas regiões do país.

audio/mpeg 14.02.19.mp3 — 46503 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Reforma da Previdência proposta pelo Governo já está fechada.

 

Gabriela: Definidos idade mínima para homens e mulheres e período de transição. Daniele Popov.

 

Repórter Daniele Popov: Reforma vai para o Congresso na próxima semana. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Nasi: E projeto de Lei Anticrime também já tem data para ser discutido por deputados e senadores.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Governo recomenda que moradores do Sul e Sudeste procurem postos de saúde e se protejam contra a febre amarela.

 

Nasi: Cinquenta milhões de pessoas não estão vacinadas contra a doença nas duas regiões do país. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os sete estados das duas regiões têm cobertura abaixo da meta do Governo.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: A reforma da Previdência vai prever uma idade mínima para a aposentadoria, idade que já foi definida agora, no fim da tarde.

 

Nasi: E hoje o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com a equipe que trabalha no projeto de reforma e acertou os últimos detalhes do texto.

 

Gabriela: Sobre esse assunto, nós vamos conversar agora, ao vivo, com a repórter Daniele Popov, que está no Palácio da Alvorada. Boa noite, Daniele.

 

Repórter Daniele Popov (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi e também aos ouvintes da Voz do brasil. Após uma reunião de aproximadamente duas horas aqui no Palácio da Alvorada, onde está despachando, desde que recebeu alta, o presidente Jair Bolsonaro concluiu o texto de reforma da Previdência. A reforma será apresentada ao Congresso Nacional e à população dia 20 de fevereiro. A proposta prevê que as mulheres se aposentem a partir dos 62 anos de idade e os homens a partir dos 65. Até chegar a essas idades, vai haver um período de transição de 12 anos. Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, Rogério Marinho, o presidente Bolsonaro definiu esses números com base nas informações nos técnicos que estão trabalhando no texto da reforma.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho - Rogério Marinho: O texto está pronto, já começa a circular dentro das instâncias internas do Governo, para ser validado no que tange à sua constitucionalidade, à sua adequação, para que o presidente possa assinar. E a ideia é que ele assine esse texto na quarta-feira, dia 20 de fevereiro. Nesse dia, o texto irá para o Congresso Nacional, onde ele será apresentado inicialmente à Câmara Federal e aos parlamentares. Esperamos, seja aprovado brevemente, que o Brasil precisa e tem pressa de voltar a crescer.

 

Repórter Daniele Popov (ao vivo): Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a ideia é chegar com a reforma da Previdência à uma economia de até R$ 1 trilhão. Na próxima quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro vai fazer um pronunciamento à nação explicando a reforma. Ao vivo, Daniele Popov.

 

Gabriela: E o projeto de Lei Anticrime deve ser encaminhado ao Congresso Nacional na próxima semana.

 

Nasi: O ministro da Justiça e Segurança Pública apresentou hoje a proposta a magistrados e juristas.

 

Gabriela: Sérgio Moro reafirmou que o Governo está aberto a sugestões que possam aprimorar o texto.

 

Repórter Cleide Lopes: O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, detalhou a proposta, que prevê alterações e inclusões em 14 leis, como o Código Penal, o Código de Processo Penal e as leis de execução penal e de crimes hediondos. Entre as mudanças previstas, está a prisão imediata após a condenação em segunda instância. A proposta também agrava a pena para crimes graves, dificulta a soltura de pessoas reincidentes, haverá maior rigor ainda nas liberações e saídas temporárias e a possibilidade de progressão de regime será mais rigorosa em crimes hediondos que envolvam a morte da vítima. Durante o encontro com magistrados e juristas, o ministro Sérgio Moro afirmou que deve entregar o projeto ao Congresso Nacional provavelmente na semana que vem.

 

Ministro da Justiça e Segurança Pública - Sérgio Moro: Como eu disse anteriormente, estamos abertos a sugestões e críticas. Deve ser apresentado na próxima semana, já que o presidente Jair Bolsonaro se restabeleceu.

 

Repórter Cleide Lopes: Juristas elogiaram o projeto. Para o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Herman Benjamin, a proposta veio ao encontro do apelo da população brasileira, que não suporta mais a impunidade.

 

Ministro do Superior Tribunal de Justiça - Herman Benjamin: A impunidade, no Brasil, é algo que solapa os alicerces do Estado de Direito, e a corrupção destrói o princípio da soberania do voto popular.

 

Repórter Cleide Lopes: Para o juiz federal e coordenador do Fórum Permanente de Presídios Federais, Walter Nunes, para o sucesso no combate ao crime organizado é preciso melhorar a gestão do sistema penitenciário, além de desmontar financeiramente as organizações criminosas.

 

Juiz Federal - Walter Nunes: Tem que se trabalhar na inteligência, tem que desconstruir financeiramente essas organizações.

 

Repórter Cleide Lopes: O projeto de Lei Anticrime será encaminhado primeiro à Câmara dos Deputados. Após ser discutido e aprovado, será encaminhado ao Senado. Se aprovado sem mudanças, o projeto segue para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: Programas do Ministério da Educação com indícios de irregularidades serão investigados pela Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Advocacia-Geral da União.

 

Gabriela: Para isso, foi assinado um acordo entre os ministros da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, e o advogado-geral da União, André Mendonça.

 

Nasi: Serão apurados indícios de favorecimentos no programa Universidade para Todos, possíveis desvios no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec, e concessão ilegal de bolsas de ensino à distância e atos de corrupção em universidades federais.

 

Gabriela: A investigação de irregularidades e casos de corrupção é uma das metas do plano de ações dos cem primeiros dias de governo.

 

Gabriela: E se você mora no Sul ou no Sudeste do país, ou está com viagem marcada para essas regiões, aí vai um alerta de saúde.

 

Nasi: O Ministério da Saúde está recomendando que pessoas nessas condições estejam vacinadas contra a febre amarela.

 

Gabriela: E é sobre esse assunto que a gente conversa agora, com a repórter Gabriela Noronha, que está aqui no estúdio. Boa noite, Gabriela. Primeiro explica para a gente por que o Ministério da Saúde está fazendo essa recomendação?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, ainda há registro de circulação do vírus nos estados dessas regiões, por isso o alerta. Para se ter uma ideia, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foram registrados 36 casos de febre amarela em humanos, em 11 cidades do Brasil. A maioria dos casos foi registrado no estado de São Paulo e dois no Paraná. E apesar dessas localidades já fazerem parte da área de recomendação para a vacina, todas ainda registram coberturas abaixo da meta de 95%. Hoje eu conversei com o médico sanitarista da Fundação Oswaldo Cruz aqui de Brasília, é o Claudio Maierovitch, e ele falou sobre a situação do vírus da febre amarela no Brasil.

 

Médico sanitarista - Claudio Maierovitch: Hoje, praticamente todas as regiões do Brasil têm risco de febre amarela. Exceto uma pequena faixa da região Nordeste, que ainda não tem casos confirmados e não está com transmissão do vírus, no resto do Brasil as pessoas devem buscar vacina para a febre amarela, em especial aquelas pessoas que moram ou vão entrar em lugares próximo a matas, próximo à região rural, onde circulam animais silvestres e também o mosquito silvestre, que transmite a febre amarela.

 

Nasi: Agora, Gabriela, e quais os procedimentos para quem quiser tomar a vacina?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Nasi, a vacina, em dose única, é indicada para pessoas de 9 meses a 59 anos de idade, que nunca tenham se vacinado, ou sem comprovante de vacinação. Hoje, fazem parte da área de recomendação todos os estados do Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte, além do Maranhão, alguns municípios da Bahia, Piauí e Alagoas. Para pessoas que viajam para áreas onde a vacina é recomendada, a orientação é tomar a dose pelo menos dez dias antes da viagem.

 

Gabriela: E Gabriela, tem vacina suficiente para a população?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Olha, segundo o Ministério da Saúde, tem sim. Só em 2018, foram enviadas 32 milhões de doses da vacina para todo o país. Este ano, de acordo com o Ministério, mais de um milhão de doses já foram enviadas, para atender a demanda dos estados. E olha, apesar dos casos confirmados e da campanha feita ano passado, ainda tem muita gente que não tomou a vacina. Mais cedo, eu fui ao Aeroporto de Brasília conversar com passageiros que iam para essas regiões que fazem parte da recomendação do Ministério. E a maioria não tinha tomado a vacina ainda, como é o caso da professora Carmen Lúcia Barros. Ela vai passar um final de semana no Rio de Janeiro, mas esqueceu de um item importante antes de embarcar: a vacina contra a febre amarela.

 

Professora - Carmen Lúcia Barros: Para ser sincera, não. Eu não me atinei a esse fato da febre amarela, até porque não estou ouvindo falar mais, não é? Agora, aqui em Brasília, a onda é a Dengue. Então, a gente está aqui tomando os cuidados com a Dengue.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Depois da conversa com a Carmen, ela falou que vai procurar um posto e se vacinar. Então, fica o alerta para que todos façam como ela, porque a vacina é o único meio de prevenir e evitar um surto dessa doença no Brasil.

 

Nasi: Gabriela, e o Governo também está preocupado com o crescimento de casos de sarampo no Brasil. Conta para a gente como é que está essa situação.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Pois é. Hoje, inclusive, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, se reuniu com gestores de estados e prefeituras para discutir o assunto. Atualmente, Amazonas, Roraima e Pará estão com transmissão ativa do vírus, por registrarem casos confirmados recentes. Desde fevereiro de 2018 até janeiro deste ano, foram confirmados mais e 10,3 mil casos de sarampo no Brasil, por isso tem que vacinar. O SUS oferta gratuitamente duas vacinas que protegem contra o sarampo: a tetraviral, que protege, além do sarampo, contra a rubéola, caxumba e varicela, e é administrada aos 15 meses, e a tríplice viral, também aos 15 meses. Nasi, Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Gabriela Noronha, pelas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: A repórter Márcia Fernandes continua no Paraná, acompanhando o trabalho dos fiscais da Agência Nacional de Energia Elétrica em barragens de águas do país.

 

Gabriela: E ela também conversa, ao vivo, com a gente. Boa noite, Márcia. Conta para a gente como é que foi a agenda aí hoje.

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi e todos que nos acompanham na Voz do Brasil. Hoje os técnicos da Aneel fizeram mais uma vistoria em barragem, desta vez em outra usina hidrelétrica aqui do interior do Paraná, e que, por uma questão estratégica, também não podemos identificar.

 

Nasi: E, Márcia, quais foram as ações dos técnicos da Aneel nesta outra barragem?

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Olha, Nasi, como a documentação dessa usina já tinha sido analisada no decorrer da semana, hoje o foco foi a verificação in loco, ou seja, eles foram ver de perto as condições das estruturas, o estado de conservação das barragens, a manutenção do local e os instrumentos utilizados. À tarde, eles também se reuniram com a Defesa Civil Municipal.

 

Gabriela: E como é a participação da Defesa Civil nessas ações, Márcia?

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Olha, Gabriela, o trabalho da Defesa Civil, seja dos municípios ou estados, é fundamental em situações de emergência, para ajudar na prevenção de acidentes. Eles ficam atentos para dar respostas rápidas à população. Por isso, a importância desse encontro de hoje. Os fiscais da Aneel, representantes da empresa responsável pela usina e também da Defesa Civil, debateram vários temas e alinharam as ideias para melhorar a segurança da barragem.

 

Nasi: E as atividades dos fiscais da Aneel, aí no Paraná, vão até amanhã, não é isso, Márcia?

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Olha, Nasi, essa informação ainda não é confirmada. Neste momento, os fiscais estão reunidos e conversando sobre os últimos detalhes, mas a gente ainda não sabe se eles vão concluir todos esses trabalhos hoje ou apenas amanhã. Logo, logo, a gente vai ter essa confirmação. Mas, independente disso, depois daqui, a fiscalização segue para outros estados. Amanhã eu volto contando como foi essa semana aqui no Paraná, com muito mais detalhes. Então, Gabriela, Nasi, fica a dica para ninguém perder a Voz do Brasil amanhã, hein?

 

Gabriela: É isso mesmo, Márcia. Obrigada pelas suas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: Você, que está a caminho do bar, sabia que a cerveja é a bebida alcoólica mais consumida no país?

 

Gabriela: Já são mais de 17 mil tipos no mercado.

 

Nasi: Com as facilidades do registro, esse número deve aumentar. A gente conta mais daqui a pouco.

 

Gabriela: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou nesta quinta-feira, no Diário Oficial, resolução determinando o recolhimento de lotes de cortes de frango da marca Perdigão.

 

Nasi: A ação foi motivada pela suspeita de contaminação dos produtos por uma bactéria.

 

Gabriela: Os frangos recolhidos iriam ser comercializados no mercado internacional e em 13 estados do país.

 

Repórter Rosamélia de Abreu: A Anvisa determinou que a Perdigão, marca da empresa BRF, retire do mercado 23 lotes de cinco diferentes produtos de frango, por suspeita de contaminação por Salmonella. A presença dessa bactéria no organismo pode causar infecção intestinal, além de vômitos, diarreia e febre alta. O problema foi identificado pelo controle de qualidade da própria empresa. Os frangos suspeitos de contaminação foram produzidos na unidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está acompanhando o recolhimento, assim como a destinação correta do produto em estoque e o que vai voltar para a indústria. Rosamélia de Abreu para a Voz do Brasil.

 

Nasi: A contratação de crédito agropecuário por produtores familiares chegou a 20% entre julho do ano passado e janeiro deste ano, de acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Gabriela: Entre médios e grandes produtores, o crédito alcançou R$ 93 bilhões nos seis meses.

 

Nasi: O volume contratado é 12% maior do que o contratado no mesmo período da safra 2017/2018, que somava R$ 83 bilhões.

 

Gabriela: O Brasil tem cerca de 75 milhões de pessoas que gostam de jogos eletrônicos, os famosos videogames.

 

Nasi: E, ao mesmo tempo, tem também muita gente produzindo esse tipo de entretenimento digital.

 

Gabriela: É, Nasi, de acordo com o último censo do setor, o número de empresas brasileiras que desenvolvem jogos eletrônicos mais que dobrou nos últimos cinco anos.

 

Nasi: E é por isso que o Governo tem investido nessa área da economia criativa.

 

Gabriela: E só para este ano estão previstos R$ 45 milhões para o setor.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Um jogo em realidade virtual, em que o jogador usa um óculos 3D e precisa encontrar relíquias ao redor do mundo. Esse é o mais novo projeto de uma produtora de videogames em São Paulo. O projeto exige o investimento de R$ 600 mil e foi viabilizado graças ao apoio da Agência Nacional de Cinema, a Ancine, como explica Fernando Chamis, diretor da empresa.

 

Produtor de games - Fernando Chamis: É um caminho muito bom para a gente conseguir escoar essa nossa produção. Então, para a gente aqui, é uma possibilidade de a gente fazer esses produtos e, obviamente, esses produtos vão dar certo, vão vender e vão realimentar a empresa, para a gente poder construir novos jogos, às vezes sem até a necessidade de novos editais.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A Agência já realizou dois editais no valor de R$ 10 milhões cada, e prepara mais um para esse ano, no valor de R$ 45 milhões, por meio do Fundo Setorial do Audiovisual. O Brasil é o quarto país do mundo que mais joga, e décimo terceiro que mais gasta com esse tipo de diversão. O apoio da Ancine ajuda as empresas a explorar esse mercado. Christian de Castro, presidente da Agência, diz que o edital deste ano vai contemplar também as empresas que precisam de apoio para desenvolver o primeiro projeto.

 

Presidente da Ancine - Christian de Castro: Os projetos que vão ser contemplados, é de produção e comercialização de games, realidade virtual e aumentada, também contemplados. Então, uma novidade nessa linha é que uma das modalidades de investimento vai ser a modalidade de investimento em aceleradoras de empreendimentos, relacionados com games e realidade virtual e aumentada. A gente pretende com isso estabelecer uma conexão maior do mercado de games com o mercado de audiovisual e, com isso, estabelecer essa conexão de maneira mais decisiva.

 

Repórter Ricardo Ferraz: De acordo com a Secretaria Especial de Cultura, nos últimos cinco anos, o número de desenvolvedores de jogos mais que dobrou no país, foi de 142 em 2013 para 375 em 2018. Desenvolver jogos é um investimento de risco, já que todo o trabalho e dinheiro podem se perder se não agradar os usuários mais exigentes, como diz o produtor de games, Fernando Chamis.

 

Produtor de games - Fernando Chamis: Quando a gente faz um game, a gente realmente está numa concorrência com o mundo inteiro. Então, se a gente está fazendo um jogo aqui no Brasil, a gente está concorrendo com alguém que está fazendo um jogo lá na Holanda, por exemplo. Então a concorrência é muito grande, e aí, obviamente, o risco de você lançar um jogo e ele não aparecer, não vender, existe, e ele é grande.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A estimativa da Secretaria Especial de Cultura é que a indústria de games continue a crescer no Brasil a um índice médio de quase 15% ao ano até 2022. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

Nasi: Já são mais de 4,7 mil venezuelanos beneficiados pelo processo de interiorização do Governo Federal.

 

Gabriela: Eles viajaram de Boa Vista para 17 estados brasileiros, em busca de trabalho e melhores condições de vida.

 

Nasi: Nesta sexta e sábado, por exemplo, mais 226 venezuelanos viajam para oito cidades do país.

 

Gabriela: Eles partem imunizados e acompanhados de registro e documentação.

 

Nasi: A maior parte dos que saíram de Roraima está no estado do Rio Grande do Sul, seguido por São Paulo e Paraná.

 

Gabriela: A interiorização começou em abril do ano passado e faz parte da Operação Acolhida, que integra esforços de diversos órgãos do Governo Federal para receber e acomodar essas pessoas aqui no Brasil.

 

Nasi: A operação foi prorrogada por mais um ano e termina em março de 2020.

 

Gabriela: As cervejas artesanais estão em alta no Brasil.

 

Nasi: Só no ano passado, o número de cervejarias que abriram as portas cresceu mais de 20% no Brasil.

 

Gabriela: E agora elas vão contar com mais agilidade para fazer o registro dos rótulos das bebidas.

 

Nasi: É que todo o processo passa a ser automático. Vamos ouvir.

 

Repórter Pablo Mundim: Líder na preferência dos consumidores, a cerveja é a bebida alcoólica mais consumida pelos brasileiros. E para atender este público, o que não falta é variedade no mercado. São quase 17 mil produtos registrados no país. Tem pra todo gosto. O Davi Gustavo, por exemplo, gerente de projetos em Brasília, prefere as mais fortes.

 

Gerente de projetos - Davi Gustavo: Na medida que a gente vai viajando, e a gente vai tendo acesso a novas opções de degustação, a gente vai afiando um pouco nosso paladar, inclusive vai tolerando um pouco mais o amargor. Então hoje eu valorizo mais as cervejas que têm mais lúpulo.

 

Repórter Pablo Mundim: Já para o gerente de marketing, Humberto Caetano, a preferência são sempre para as mais fermentadas.

 

Gerente de marketing - Humberto Caetano: Como a gente vive no Brasil, um país que é muito quente, o clima tropical, o chope tem o seu momento.

 

Repórter Pablo Mundim: Clara, escura, forte ou mais suave. Para que a cerveja chegue ao consumidor, é preciso que o produto esteja registrado no Ministério da Agricultura. E a partir desse ano, todo esse processo de registro será 100% digitalizado, como explica o geógrafo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eduardo Fernandes.

 

Geógrafo - Eduardo Fernandes: Antes, um processo que era uma solicitação, que vinha para o fiscal analisar toda uma formulação, passou a ser automático. Então, a cervejaria ou a indústria de bebidas vai inserir a sua solicitação de registro de produto e vai ter, automaticamente, o seu certificado.

 

Repórter Pablo Mundim: O empresário Paulo César Borges, dono de uma cervejaria em Brasília, produz 11 tipos de cerveja. São 50 mil litros por mês. Ele acredita que, com a modernização no processo de registro, a linha de produtos pode aumentar.

 

Empresário - Paulo César Borges: A partir do momento que isso passa a ser ágil, uma coisa rápida, eu não tenho dúvida nenhuma que vai aumentar bastante o número de rótulos, e vai ser uma coisa muito boa para o mercado.

 

Repórter Pablo Mundim: A novidade vai valer apenas para o registro de cervejas. Os estabelecimentos que produzem a bebida ainda terão que cumprir as normas vigentes, explica o coordenador-geral de Vinhos e Bebidas do Ministério da Agricultura, Carlos Müller.

 

Coordenador-geral de Vinhos e Bebidas - Carlos Müller: Uma empresa formalizada, que precisa solicitar esse registro de estabelecimento. A cervejaria, ela tem que então obedecer a algumas condições higiênico-sanitárias estabelecidas pelo Ministério da Agricultura para começar suas atividades.

 

Repórter Pablo Mundim: Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o número de cervejarias registradas no país aumentou. Somente no ano passado, foram abertas mais de 200 fábricas. Ao todo, o Ministério já registrou 900 estabelecimentos. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, começou uma viagem ao Nordeste, para conhecer a realidade das pessoas que vivem lá.

 

Nasi: Hoje, ela estava no Piauí, onde visitou empreendimentos de fruticultura irrigada, e destacou que é preciso ter um olhar especial para o pequeno produtor.

 

Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Tereza Cristina: Se nós colocarmos políticas públicas para o pequeno agricultor, mas não der a ele a assistência técnica, não levar a ele a tecnologia e fazer a cadeia completa da produção à comercialização, não adianta.

 

Gabriela: A ministra também destacou que as obras paradas são uma prioridade do Governo.

 

Nasi: A viagem segue até domingo em quatro estados nordestinos: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba.

 

Gabriela: O Ministério da Integração Nacional reconheceu situação de emergência em 14 municípios de seis estados brasileiros.

 

Nasi: Alguns, por conta da estiagem, como o município de Araripe, no Ceará.

 

Gabriela: Outros, como Torrinha, em São Paulo, por conta das chuvas intensas.

 

Nasi: Com o reconhecimento, as prefeituras vão poder contar com recursos do Governo Federal para a assistência e o restabelecimento de serviços básicos à população.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".