14 DE MARÇO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Leilão de 12 aeroportos vai ser amanhã. Concessões vão melhorar estrutura e conforto aos passageiros de terminais de 3 regiões. Previsão é de investimentos bilionários. Antecipada campanha de vacinação contra a gripe no Amazonas. Governo contribui no atendimento às vítimas e famílias atingidas pela tragédia em escola de Suzano. Lei garante compra de remédios controlados com receita de qualquer estado.

audio/mpeg 14.03.19.mp3 — 44697 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 14 de março de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Leilão de 12 aeroportos vai ser amanhã.

 

Gabriela: Concessões vão melhorar estrutura e conforto aos passageiros de terminais de três regiões.

 

Nasi: Previsão é de investimentos bilionários. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: Isso porque as empresas que vão administrar os terminais serão obrigadas a fazer uma série de melhorias.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Nasi: Antecipada a campanha de vacinação contra a gripe no Amazonas.

 

Gabriela: Governo contribui no atendimento às vítimas e famílias atingidas pela tragédia em escola de Suzano. Ricardo Ferraz.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A intenção é dar apoio psicológico e ajudar na implementação de políticas públicas voltadas para evitar, por exemplo, a prática do bullying nas escolas.

 

Nasi: Lei garante compra de remédios controlados com receita de qualquer estado. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Todas as farmácias são obrigadas a aceitar o documento, inclusive no caso dos medicamentos de uso controlado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar: www.voz.gov.br .

 

"Concessões, parcerias para o crescimento do Brasil".

 

Gabriela: Está marcado para amanhã o leilão do governo de 12 aeroportos.

 

Nasi: Quem arrematar o leilão, vai ficar responsável por melhorar a infraestrutura e tornar os terminais mais confortáveis para os passageiros.

 

Gabriela: Para o leilão, os aeroportos foram agrupados em três blocos.

 

Nasi: E a Voz do Brasil tem detalhado cada um destes blocos durante essa semana.

 

Gabriela: Hoje, vamos falar do bloco do Centro-Oeste, que reúne quatro terminais que atendem ao setor do agronegócio.

 

Nasi: Os aeroportos de Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta, todos no Mato Grosso, devem receber em 30 anos investimentos de mais de R$ 700 milhões em modernização e ampliação.

 

Repórter Graziela Mendonça: Neste novo modelo de concessões, que agrupa aeroportos por setor econômico, o Centro-Oeste foi chamado de bloco do agronegócio. Isso porque a região é grande produtora de grãos, como soja e milho, e tem um grande rebanho bovino. Serão quatro aeroportos concedidos no leilão desta sexta-feira, todos no Mato Grosso: o da capital, Cuiabá, e os de Sinop, Alta Floresta e Rondonópolis. Quem mora no estado está otimista. O empresário Ralph Rueda(F) diz que a região é estratégica e precisa de um aeroporto melhor.

 

Empresário - Ralph Rueda: Cuiabá é geograficamente estratégico, e o movimento do aeroporto tem aumentado cada vez mais, por conta do aumento de produtividade de grãos e do agronegócio em Mato Grosso. Então, falta condição estrutural, falta o conceito de uma nova pista, falta lojas. E se não fizer uma substancial ampliação e reacomodação dos equipamentos, ele não vai conseguir suprir a demanda do mercado futuro.

 

Repórter Graziela Mendonça: Hoje, os quatro aeroportos movimentam 3 milhões de passageiros por ano. A expectativa é que, após 30 anos de concessão, esse número salte para 9 milhões, isso porque as empresas que vão administrar os terminais serão obrigadas a fazer uma série de melhorias, como explica o superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos, da Agência Nacional de Aviação Civil, Tiago Sousa Pereira.

 

Superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos - Tiago Sousa Pereira: São investimentos nos sistemas de pista, para trazer esses aeroportos para a situação de conformidade com os regulamentos da agência, e os terminais, os investimentos nos terminais, eles são destinados a ampliar a capacidade dos terminais e dar mais conforto e qualidade do serviço para os passageiros.

 

Repórter Graziela Mendonça: Segundo o secretário especial do Programa de Parcerias de Investimentos, Adalberto Vasconcelos, as melhorias promovidas pelas concessionárias vão dar mais segurança para o usuário.

 

Secretário especial do Programa de Parcerias de Investimentos - Adalberto Vasconcelos: Todo mundo consegue enxergar como que era o aeroporto antes de ser concedido e como que é o aeroporto depois da concessão. A filosofia é outra, a filosofia de negócio, de prestação de serviço, da qualidade, das instalações e das possibilidades de negócios que você faz e que você atende também o usuário do aeroporto. Então, o que você tem é regularidade, você tem conforto, você tem segurança para o usuário.

 

Repórter Graziela Mendonça: As melhorias são aguardadas por quem depende desses terminais. O produtor rural Ilson Redivo, de Sinop, conta que atualmente o aeroporto de lá só funciona de dia.

 

Produtor rural - Ilson Redivo: O nosso aeroporto hoje não opera por instrumentos, o avião não decola à noite, só em período diurno. A gente espera que a concessão resolva esse problema, que é uma demanda de muitos anos da nossa região.

 

Repórter Graziela Mendonça: O jornalista de Rondonópolis, Gino Rondon, acha que as concessões podem atrair mais empresas aéreas para o aeroporto, gerando mais concorrência.

 

Jornalista - Gino Rondon: A expectativa é de que aumente inclusive o número de empresas operando na cidade. Isso pode impactar na diminuição do preço das passagens, que a concorrência gera isso, e também investir numa infraestrutura do aeroporto, para oferecer maior conforto.

 

Repórter Graziela Mendonça: E Vicente da Riva, de Alta Floresta, Mato Grosso, acredita que as concessões vão aumentar a ligação da região com o restante do país.

 

Entrevistado - Vicente da Riva: Significa possibilidades de ligações com novos polos, Manaus, Belém, Brasília, já que Alta Floresta é conhecida como a capital do turismo do norte mato-grossense aqui. E isso vai possibilitar a melhoria também da parte de cargas, a vinda de novos produtos.

 

Repórter Graziela Mendonça: Para essa rodada de leilões, o governo vai receber dos concessionários R$ 2,1 bilhões no período de 30 anos, que é o prazo de duração dos contratos. Segundo o secretário nacional de Aviação, do Ministério da Infraestrutura, Ronei Glanzmann, a expectativa para o leilão é positiva.

 

Secretário nacional de Aviação - Ronei Glanzmann: Nós mapeamos, no último ano, cerca de 12 operadores brasileiros e estrangeiros que estão estudando essa rodada de concessão. Geralmente, eles se associam em consórcios, então devem aparecer alguns consórcios com esses operadores aí envolvidos. De toda maneira, há uma expectativa muito grande de bastante competição nesse leilão e de atração de operadores estrangeiros e brasileiros de primeira linha.

 

Repórter Graziela Mendonça: Na próxima semana, o governo deve lançar a sexta rodada de concessões para mais 22 aeroportos. A expectativa é que esse leilão ocorra no segundo semestre de 2020. Reportagem: Graziela Mendonça.

 

Gabriela: A Anac, Agência Nacional de Aviação Civil, suspendeu os voos com aviões Boeing 737 MAX 8 no Brasil.

 

Nasi: A medida deve ser cumprida inclusive pelas empresas que já tinham anunciado a suspensão das operações com este modelo de avião, como a Gol Linhas Aéreas.

 

Gabriela: A medida foi anunciada depois da queda de uma aeronave do mesmo modelo no Quênia, no domingo. Cento e cinquenta e sete pessoas morreram no acidente.

 

Nasi: Em outubro do ano passado, outro acidente com um Boeing 737 MAX 8 matou 189 pessoas na Indonésia.

 

Gabriela: A decisão da Anac se junta à medida de vários países que suspenderam a utilização do modelo.

 

Nasi: Um dia triste para os moradores de Suzano, em São Paulo.

 

Gabriela: Foram enterradas as vítimas do massacre ocorrido ontem em uma escola da cidade.

 

Nasi: O governo federal anunciou um plano de ação para apoiar os familiares das vítimas e desenvolver políticas para evitar que outras tragédias se repitam.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Milhares de moradores de Suzano e região foram ao ginásio municipal conhecido como Arena Suzano para velar as vítimas do atentado da Escola Raul Brasil. A secretária nacional de Direitos da Criança e Adolescente, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Petrúcia Melo, esteve no velório coletivo e anunciou um plano de ação integrado entre o governo federal, o estado de São Paulo e a prefeitura de Suzano para dar suporte às famílias das vítimas. A intenção é dar apoio psicológico e ajudar na implementação de políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes, para evitar, por exemplo, a prática do bullying nas escolas, como explica a secretária Petrúcia Melo.

 

Secretária nacional de Direitos da Criança e do Adolescente - Petrúcia Melo: Olha, essa linha está sendo construída, com vários atores, porque eu só entendo a política pública quando eu coloco a comunidade também, principalmente as instituições que trabalham com criança e adolescente, para a gente estar cumprindo essa agenda e trazendo tecnologia social, como eu falei com vocês, a respeito dessa abordagem do bullying, não só do bullying, mas essa questão também de se entender um cidadão de direitos e deveres.

 

Repórter Ricardo Ferraz: No ginásio da cidade, a fila de moradores dava voltas pelo pátio. A frentista Ana Paula Amaral se formou na Escola Raul Brasil e hoje fez questão de prestar solidariedade à família das vítimas.

 

Frentista - Ana Paula Amaral: Conhecia muitos dos alunos também.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Chocou demais essa notícia?

 

Frentista - Ana Paula Amaral: Demais, demais. Suzano inteiro parou.

 

Repórter Ricardo Ferraz: O pastor Marcos da Silva, que conhecia algumas das vítimas, também fez questão de consolar as famílias.

 

Pastor - Marcos da Silva: A gente veio trazer as nossas condolências. Dois dos meninos eram da nossa igreja, sentindo a dor dos pais, a cidade inteira de luto.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Seis das oito vítimas foram veladas no ginásio. Marilena Ferreira Vieira Umezo e Eliane Regina Oliveira Xavier, funcionárias da escola, e os estudantes Kaio Lucas da Costa Limeira, Clayton Antônio Ribeiro, Samuel Melquíades Silva de Oliveira e Caio Oliveira. O aluno Douglas Celestino foi velado em uma igreja frequentada pela família. Jorge Antônio Moraes, empresário e tio de um dos autores do crime, foi velado em São Paulo. Os assassinos, Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, foram enterrados em Mogi das Cruzes. Pela manhã, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, esteve com as famílias das vítimas. Ele expressou condolências e utilizou as redes sociais para parabenizar Silmara Cristina Silva de Moraes. A funcionária da escola salvou mais de 50 vidas ao se refugiar com os alunos na cantina. Ao final da tarde, os corpos foram sepultados em diversos cemitérios da região. Reportagem: Ricardo Ferraz.

 

Nasi: Uma facilidade para quem usa remédios controlados e precisa viajar.

 

Gabriela: Já está valendo a lei que permite comprar esses medicamentos com a receita de qualquer estado.

 

Nasi: Antes, as farmácias não recebiam as receitas de médicos de outros estados, o que trazia transtornos para muita gente.

 

Repórter Gabriela Noronha: A Profa. Eliane Campos Vieira tem hipertensão e todos os meses vai à farmácia comprar medicamentos que exigem a apresentação da receita médica. Mas nem sempre é tão simples. Ela, que mora em Brasília, conta que precisa viajar com frequência para visitar as filhas, e até ano passado, a receita não valia em outros estados, o que causava alguns transtornos.

 

Professora - Eliane Campos Vieira: Algumas vezes eu já viajei, vou para Santos, vou para São Paulo, com muita frequência. Já tentei algumas vezes ir à farmácia, tentar comprar, com a receita do meu médico daqui, de Brasília, e não foi possível, não vendem. Ou então, tinha que me dirigir correndo a um hospital e procurar um médico que me ajudasse a conseguir uma receita.

 

Repórter Gabriela Noronha: Mas isso é passado. Agora, as receitas médicas são válidas em todo o território nacional, graças a uma lei que entrou em vigor no mês de fevereiro. Todas as farmácias são obrigadas a aceitar o documento, inclusive no caso dos medicamentos de uso controlado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, como explica Fernanda Rebelo, gerente geral de Monitoramento da Anvisa.

 

Gerente geral de Monitoramento da Anvisa - Fernanda Rebelo: Independente dela ter sido prescrita num estado, ela pode, estando em viagem ou tendo feito uma consulta num estado, comprar em outro estado. É uma facilidade para o paciente.

 

Repórter Gabriela Noronha: A lei vale para todas as prescrições de medicamentos de controle especial, como antibióticos e remédios para convulsão. A regra se aplica às receitas de medicamentos manipulados. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Gabriela: Atendimento pela internet para quem tem débitos do imposto de renda.

 

Nasi: Ainda nesta edição você vai ouvir as novidades da Receita Federal para as pessoas e empresas não precisem ir até um posto do órgão para serem atendidas.

 

Gabriela: O Ministério do Desenvolvimento Regional reconheceu a situação de emergência da cidade de São Paulo e de outros cinco municípios da região metropolitana da capital paulista, em função das fortes chuvas dessa semana.

 

Nasi: O reconhecimento federal é um dos requisitos da lei, que permite que famílias afetadas possam sacar até R$ 6.200 do FGTS.

 

Gabriela: No entanto, este saque só vai ser autorizado após o mapeamento realizado pelas prefeituras e repassado à Caixa Econômica Federal.

 

Nasi: Quem explica é o ministro do Desenvolvimento Regional Gustavo Canuto.

 

Ministro do Desenvolvimento Regional - Gustavo Canuto: O que é importante é definir a área do desastre, a área que realmente aconteceu e quais são os impactados. Isso ficando claro no sistema da Defesa Civil Nacional é o que vai viabilizar o saque junto à agência da Caixa Econômica. Indo até a agência e apresentando o comprovante que mora naquela área que foi afetada e que foi registrada no sistema, vai ter o direito à antecipação do saque, conforme determinado em norma.

 

Gabriela: Para agilizar o atendimento e facilitar a vida do cidadão, a Receita Federal vai ampliar o atendimento pela internet.

 

Nasi: Vamos conhecer essas novidades, que juntas podem evitar até 500 mil atendimentos presenciais em postos do órgão.

 

Repórter Márcia Fernandes: O contribuinte que precisar de instruções para quitar débitos com o Fisco vai poder resolver a situação pela internet, sem precisar sair de casa. Isso por causa de um novo serviço de atendimento da Receita Federal via chat, anunciado nesta quinta-feira, em que o contribuinte vai poder conversar diretamente com o servidor. Só no ano passado, foram 210 mil atendimentos presenciais sobre imposto devido. O chat também vai atender quem precisar converter processo eletrônico em digital. Uma outra ferramenta vai permitir que as empresas obtenham a Certidão Negativa de Débitos de Pessoa Jurídica online, sem a necessidade de agendamento prévio ou deslocamento a uma unidade de atendimento. É o Dossiê Digital de Atendimento à Distância. Essas medidas vão facilitar a vida do contribuinte, de acordo com o subsecretário de Arrecadação e Finanças da Receita Federal, Frederico Faber.

 

Subsecretário de Arrecadação e Finanças - Frederico Faber: Dos 200 milhões de atendimentos que prestamos em 2018, 15 milhões ainda eram presenciais. Então, por meio do Dossiê Digital de Atendimento e por meio do e-chat, que é um serviço de conversa online do contribuinte e o nosso servidor, a ideia é que o contribuinte não necessite mais ir no atendimento presencial, reduzindo essa quantidade de 15 milhões, de forma que simplifique a vida dele, ele tenha um atendimento conclusivo e célere de forma remota.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Dossiê Digital, voltado para os empresários, já está no ar. Já o chat online começa a funcionar a partir de 8 de abril. Ao longo deste ano, outros processos devem ser informatizados. Vai ser possível, por exemplo, emitir pela internet certidão vinculada a obras, área rural, além de realizar retificações de pagamentos, parcelamentos e alterações cadastrais de pessoas jurídicas. Reportagem: Márcia Fernandes.

 

"Expedição Antártica".

 

Gabriela: A Estação Brasileira na Antártica renasce com segurança reforçada, sete anos depois de um incêndio que destruiu as antigas instalações.

 

Nasi: A nova estrutura tem mais de 4 mil metros quadrados e é capaz de suportar condições de baixíssimas temperaturas, nevascas e ventos de até 200 quilômetros por hora.

 

Gabriela: Tudo para garantir a presença dos pesquisadores brasileiros no continente gelado, o maior regulador das temperaturas do planeta.

 

Nasi: A nossa equipe de reportagem esteve lá nesta semana para conhecer o espaço, um verdadeiro desafio de engenharia.

 

Gabriela: E a repórter Luana Karen traz os detalhes da nova Estação Antártica Comandante Ferraz.

 

Repórter Luana Karen: Uma estrutura de ponta com uma visão de tirar o fôlego. Essa é a nova Estação Antártica Comandante Ferraz, a casa do Brasil no continente gelado. Após três anos de uma obra que foi feita metade na China, metade na Antártica, a estação está pronta. O investimento foi de quase US$ 100 milhões. A estrutura tem quase o dobro do tamanho da anterior e é composta por três blocos com capacidade para até 64 pessoas, como explica o capitão de fragata (sic) José Costa dos Santos, engenheiro da Marinha.

 

Engenheiro da Marinha - José Costa dos Santos: Um bloco para moradia, vamos dizer assim, um bloco para armazenamento, que é o bloco de laboratórios. A gente tem a parte de manutenção da estação e a parte de controle da estação, a temperatura, consumo de água, consumo de energia, o bloco norte, o bloco técnico, é o bloco onde está a parte de energia.

 

Repórter Luana Karen: Ao todo, foram usadas 700 toneladas de aço na estação. Segundo o comandante Fagundes, engenheiro geotécnico, tudo para fazer com que a estrutura resista às condições adversas do continente gelado.

 

Engenheiro geotécnico - Fagundes: Essas condições são basicamente três aqui: são os ventos fortes, que chegam até cerca de 200 quilômetros por hora, os abalos sísmicos também e os solos permanentemente congelados.

 

Repórter Luana Karen: Na área interna, ambientes amplos e com isolamento térmico e acústico. Há 32 dormitórios, que comportam 64 pessoas. Em cada um, duas camas, armários e um banheiro. Nos corredores, cerca de 200 trabalhadores chineses da empresa contratada para construir a estação fazem os últimos ajustes antes do inverno, em abril, quando a maior parte deles deixa a estação e retorna para casa. A segurança é prioridade na nova estação. O local tem nove saídas de emergência e equipamentos contra incêndio. O capitão de fragata (sic) José Costa dos Santos explica que, em casos de incêndio, as paredes da estação seguram o fogo por um tempo.

 

Engenheiro da Marinha - José Costa dos Santos: E no caso de uma possibilidade de um incêndio, a gente segrega os compartimentos. No mínimo, as paredes resistem a 30 minutos de fogo.

 

Repórter Luana Karen: A pesquisa científica é um dos principais motivos da presença do país no continente antártico e condição para qualquer país que também queira estar aqui. A nova estação tem quase o dobro de laboratórios da antiga, são 14 unidades que poderão atender até 50 cientistas na época do verão. A preocupação em preservar o meio ambiente antártico está por toda a parte. A estação conta com geradores de energia eólica e placas solares, como explica o capitão de corveta Daniel Pontes, engenheiro eletricista.

 

Engenheiro eletricista - Daniel Pontes: A nova Estação Comandante Ferraz, ela possui quatro geradores a diesel. Complementarmente a essa energia, nós temos as energias renováveis da estação, são oito aerogeradores, também no modal solar, nós temos 30 painéis solares, para geração de energia.

 

Repórter Luana Karen: A estação brasileira também tem dois lagos à disposição, que abastecem o local com água limpa o ano inteiro. É a segunda vez que o comandante Luís Filho, chefe da Estação Antártica Comandante Ferraz, passa uma temporada na estação. Ele tem o desafio de gerenciar pessoas num ambiente isolado e inóspito.

 

Chefe da Estação Antártica Comandante Ferraz - Luís Filho: A palavra de ordem seria o respeito mútuo, porque, através do respeito mútuo, a gente sabe quais são os [ininteligível], a gente sabe quando alguém está triste, quando alguém está feliz, para nós podermos desenvolver nossas atividades, sem maiores percalços.

 

Repórter Luana Karen: A previsão é de que todos os móveis e equipamentos sejam montados até o final do ano para a inauguração, no início de 2020. Da Antártica: Luana Karen.

 

Nasi: O estado do Amazonas está enfrentando um desafio na área de saúde. Várias pessoas morreram em decorrência da gripe H1N1.

 

Gabriela: Por isso, o governo federal vai apoiar o estado, antecipando o envio de vacinas para lá.

 

Nasi: A informação foi confirmada agora há pouco, em uma conversa ao vivo que o presidente Jair Bolsonaro fez em uma rede social.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Daqui 30 dias, nós vamos começar uma vacinação em massa sobre gripe aqui no Brasil. Mas o problema que se antecipou lá no estado do Amazonas, em função do número grande de pessoas que contraíram a gripe, a partir de amanhã, de segunda-feira, 1 milhão de novas vacinas, de vacinas serão direcionadas para Manaus, obviamente, para distribuição em todo o estado, com a participação da nossa Força Aérea Brasileira.

 

Gabriela: O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou que a vacinação já deve começar na próxima segunda-feira no estado.

 

Ministro da Saúde - Luiz Henrique Mandetta: Capaz de nesse final de semana, segunda-feira, a gente já está vacinando, primeiro, gestantes e crianças, que é o grupo de risco principal, depois o público-alvo, com bastante organização. E aí, gradativamente, a gente vai produzindo as vacinas para o restante do Brasil. Mas era extremamente importante a notícia que o senhor está dando, pela ansiedade do pessoal lá do Amazonas, que vem cobrando aí que a gente estava trabalhando para exatamente poder entregar uma vacina pública, nossa, com as cepas, com os vírus que ocorrem ali, que com certeza vão ajudar a controlar essa crescente de números de gripe lá na Região Norte, lá no Amazonas.

 

Nasi: O presidente Bolsonaro também tratou de outros temas, como a viagem que começa no próximo domingo aos Estados Unidos, onde vai ser recebido pelo presidente americano Donald Trump.

 

Gabriela: Ele adiantou que vai ser assinado um acordo que vai permitir o uso comercial da Base de Alcântara, no Maranhão, para lançamento de satélites.

 

Presidente Jair Bolsonaro: É muito importante que nós estamos perdendo dinheiro naquela região há muito tempo, podíamos estar lançando satélites do mundo todo ali. E esse é o acordo que nós pretendemos fazer com os Estados Unidos, transformar essa área [ininteligível] estado do Maranhão, para uma área realmente que traga lucro para todos nós.

 

Nasi: O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deu mais detalhes do acordo.

 

Ministro das Relações Exteriores - Ernesto Araújo: Isso vai trazer muitos recursos. O Brasil pode ser o principal ponto, talvez, de lançamento de satélites comerciais, e não era possível se não tivesse esse acordo, porque sem o acordo não é possível utilização de tecnologia americana nesses lançamentos, e sem tecnologia americana ninguém faz lançamento de satélite. Então, para dar um exemplo de algo que a retomada de uma parceria natural pode trazer para o Brasil.

 

Gabriela: E o presidente também comentou o corte de 21 mil cargos, funções e gratificações da estrutura federal.

 

Nasi: A medida prevê uma economia de R$ 195 milhões por ano.

 

Gabriela: A extinção dos cargos atinge todos os ministérios e a medida faz parte das ações dos primeiros cem dias do governo.

 

Nasi: O presidente Jair Bolsonaro afirmou ainda que esta medida faz parte de um dos seus compromissos de governo, de enxugar a máquina pública e torná-la eficiente.

 

Gabriela: E, segundo o presidente, ainda há muito a se fazer sobre este assunto.

 

Nasi: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e em seguida as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

 

Nasi: Boa noite pra você e até amanhã.