15/03/2017 - A Voz do Brasil

Michel Temer lança programa Senhor Orientador. Distrito Federal recebe recursos do governo federal para captar água do Lago Paranoá. Brasil estabelece metas para diminuir índice de obesidade na população.

audio/mpeg 15 03 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23093 KB




Transcrição


A VOZ DO BRASIL - 15/03/2017

 

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19h00.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje.

 

Airton: Olá, boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: Quarta-feira, 15 de março de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque do dia: micro e pequenos empresários vão ter orientação de quem entende na hora de pegar um empréstimo.

 

Airton: Oito bilhões de reais estão disponíveis em crédito para essas empresas. Taíssa Dias.

 

Repórter Taíssa Dias: Trezentos e dez bancários aposentados foram selecionados para trabalhar como consultores de crédito na parceria entre o Sebrae e o Banco do Brasil.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

 

Airton: Presidente Michel Temer reforça a necessidade da reforma da Previdência.

 

Presidente Michel Temer: Por isso que nós apresentamos também um caminho para salvar a Previdência do colapso, para salvar os benefícios dos aposentados de hoje e dos jovens que se aposentarão amanhã.

 

Gláucia: Governo libera R$ 55 milhões para obra emergencial de abastecimento de água no Distrito Federal.

 

Airton: E vamos falar como os as escolas vão participar da vacinação de adolescentes contra a meningite e o HPV. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Uma parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação vai incentivar as escolas de todo o país a vacinarem os alunos.

 

Gláucia: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Quando você precisa de dinheiro ou quer comprar uma casa, um carro, fazer uma viagem ou realizar um sonho de consumo, mas não pode pagar à vista, o mercado oferece várias opções de crédito.

 

Airton: Cheque especial, cartão de crédito, empréstimo, financiamento, consórcio... Você sabe qual é a diferença entre eles?

 

Gláucia: Pois é, muita gente tem essa dúvida, e nessas horas uma ajuda de quem tem conhecimento é uma mão na roda, não é mesmo, Airton?

 

Airton: Ah, sem dúvida, Gláucia. E se nós temos dúvidas, imaginem quem tem uma pequena empresa e também precisa saber como pegar dinheiro para crescer.

 

Gláucia: É por isso que o Sebrae e o Banco do Brasil vão ajudar com uma ideia simples: usar a experiência dos mais velhos.

 

Airton: Bancários aposentados com mais de 60 anos vão atuar como consultores de crédito. São os senhores orientadores.

 

Gláucia: A parceria prevê a liberação de mais de R$ 8,2 bilhões em linhas de crédito, e os aposentados vão orientar os empreendedores em como ter acesso a este dinheiro.

 

Repórter Taíssa Dias: Depois de 28 anos de dedicação ao Banco do Brasil, Leda Maria Fonseca se aposentou em 2004 para cuidar da família, mas nunca conseguiu ficar muito tempo sem trabalhar. Agora, integra o time que vai auxiliar donos de micro e pequenas empresas a usar o crédito da melhor maneira possível.

 

Bancária Aposentada - Leda Maria Fonseca: Eu gostava do que eu fazia principalmente porque a gente via as empresas crescendo com o que a gente fazia, né? Agora quando fui selecionada fiquei superfeliz, achei que isso dá uma injeção de ânimo na gente, né?

 

Repórter Taíssa Dias: Trezentos e dez bancários aposentados foram selecionados para trabalhar como consultores de crédito na parceria entre o Sebrae e o Banco do Brasil. É o Programa Senhor Orientador, que faz parte do Empreender Mais Simples: Menos Burocracia, Mais Crédito. Segundo o diretor-presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a ideia é aproveitar a experiência dos mais velhos para melhorar o atendimento às micro e pequenas empresas do país.

 

Diretor-Presidente do Sebrae - Guilherme Afif Domingos: É um desafio da incorporação de uma experiência vivida, e essa experiência vivida vale muito para um país, principalmente nesta explosão tecnológica que nós estamos vivendo, onde os jovens sobre os mais velhos dão de 10 em matéria de tecnologia, mas falta a eles a visão estratégica que só a idade pode trazer.

 

Repórter Taíssa Dias: Cada profissional deve atender cerca de 10 empresas por mês até o fim de 2018. Para o presidente Michel Temer, o apoio às micro e pequenas empresas é importante para o crescimento do país.

 

Presidente Michel Temer: Os pequenos negócios são pequenos apenas no nome. Em verdade, são os grandes campeões nacionais do emprego, porque eles respondem por mais de 50% dos postos de trabalho com carteira assinada no Brasil.

 

Repórter Taíssa Dias: Rodrigo Vidal é empresário de tecnologia em Brasília e teve um projeto aprovado pelo Banco do Brasil pelo Programa Empreender Mais Simples. Segundo ele, o crédito com orientação traz expectativa de sucesso.

 

Empresário - Rodrigo Vidal: Principalmente na área financeira, quando você pega uma pessoa com experiência, elas normalmente já passaram por situações onde, vamos dizer assim, já sofreram. E, com isso, você não precisa sofrer de novo, né? Eu acho que a experiência é fundamental para você construir o futuro.

 

Repórter Taíssa Dias: A estimativa do Sebrae é que 36 mil micro e pequenos empresários receberam consultoria só este ano. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Airton: E durante o evento do Sebrae, o presidente Michel Temer voltou a defender a aprovação da reforma da Previdência para garantir o pagamento das aposentadorias para as futuras gerações.

 

Gláucia: A gente recebe aqui no estúdio o jornalista Eduardo Biagini, que tem mais informações. Boa noite, Eduardo. O que o presidente disse?

 

Repórter Eduardo Biagini (ao vivo): Boa noite, Gláucia. Boa noite, Airton. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Temer afirmou que a reforma é um caminho para salvar as contas da Previdência do colapso. A seguridade social, da qual a Previdência faz parte, vem apresentando gastos maiores do que a arrecadação dos últimos anos. Somado a isso o fato de que a população brasileira está envelhecendo e com menos jovens nascendo, o cenário para o futuro das aposentadorias e pensões é preocupante caso nada seja feito agora. Temer voltou a explicar: a reforma não retira direitos de ninguém.

 

Presidente Michel Temer: Isso, meus amigos, parece uma coisa: será que é para tirar direitos de pessoas? Em primeiro lugar, não vai tirar direito de ninguém. Quem tem direito já adquirido, ainda que esteja no trabalho, não vai perder nada do que tem. Mas é prevenir o Brasil do futuro.

 

Repórter Eduardo Biagini (ao vivo): Temer citou o exemplo de estados que estão pedindo ajuda do governo federal por não conseguir pagar o funcionalismo em dia, nem fazendo investimentos em áreas prioritárias. É o caso do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Hoje, esses governos gastam mais com as aposentadorias do que arrecadam com os funcionários da ativa. Segundo Temer, a reforma proposta pelo governo torna a Previdência sustentável a longo prazo, evitando situações nas quais passam estados brasileiros e outros países.

 

Presidente Michel Temer: Nós não queremos que o Brasil tenha que fazer o que fez Portugal, ou seja, cortar salários dos da ativa e dos aposentados, ao mesmo tempo que elevava a idade mínima para 66 anos, por exemplo, eliminando o 13º salário. Nós não queremos chegar a esse ponto. Ou fazemos uma reformulação da Previdência agora, é claro, poderá haver uma ou outra adaptação, o Congresso é que está cuidando disso, mas não podemos fazer uma coisa modestíssima agora para daqui a quatro, cinco anos, termos que fazer como Portugal, Espanha, Grécia.

 

Airton: A reforma da Previdência é apenas das uma das ações que o governo vem tomando para que as contas públicas fiquem em equilíbrio, isto é, se gaste apenas o que arrecada. Eduardo, o presidente falou sobre essas outras ações e os resultados para a economia do país?

 

Repórter Eduardo Biagini (ao vivo): Falou sim, Airton. São medidas como a que coloca um teto nos gastos públicos, que só podem crescer baseados na inflação do ano anterior, e o incentivo ao consumo com a liberação do saque de contas inativas do FGTS. Temer lembrou que as ações que o governo vem tomando depois da maior recessão da história de país já geraram a queda da inflação e da taxa de juros Selic, usada como base para empréstimos e financiamentos. Segundo Temer, essa injeção na economia vai trazer reflexo na criação de empregos.

 

Presidente Michel Temer: A partir do segundo semestre, quem sabe o último trimestre do ano, começa a reduzir sensivelmente o desemprego. Já vem dando notícias nessa direção. Quando eu leio que no mês de janeiro abriram-se 17 mil postos no Rio de Janeiro, em São Paulo sete ou oito mil postos já contratados, isso significa aquilo que nós todos aguardamos, que num dado momento não fiquemos apenas em mil, mas em milhões, porque o objetivo, tendo em vista os 12, 13 milhões de desempregados, é reduzir sensivelmente esse índice ao longo do tempo.

 

Gláucia: E o equilíbrio das contas públicas foi defendido por outro representante do governo, não é mesmo, Eduardo?

 

Repórter Eduardo Biagini (ao vivo): Sim, Gláucia. Esse foi o tom da desconversa que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, teve com os secretários de Fazenda dos estados, hoje, aqui em Brasília. Gastar apenas o que arrecada é uma das formas para o país voltar a crescer e para isso o Brasil precisa fazer as reformas necessárias, uma delas, a da Previdência.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: O que vai resolver o problema de fato de todos, estados, municípios cidadãos e empresas é a recuperação econômica, o Brasil voltar a crescer, criar emprego, e isso vai gerar não só aumento de arrecadação de estado, aumento de arrecadação de município, também aumento da arrecadação federal e a melhora do padrão de vida para todos. Para isso é fundamental o ajuste fiscal federal, portanto, o que nós não podemos é sacrificar o ajuste fiscal federal, porque ele é fundamental para a economia voltar a crescer.

 

Repórter Eduardo Biagini (ao vivo): E, agora há pouco, a agência de classificação de risco Moody's subiu a nota do Brasil de negativa para estável. Para a agência, o fim da queda do PIB, a diminuição dos juros e da inflação, que está perto da meta do governo, mostram um cenário mais positivo para a economia do país. Para você aí de casa entender melhor o que isso significa, essas avaliações são usadas pelo mercado financeiro para saber se um país é um bom pagador dos títulos da dívida pública, isto é, um local onde é favorável para receber investimentos estrangeiros. Em nota, o presidente Michel Temer manifestou satisfação com o reconhecimento pela agência dos esforços do governo para recuperar a credibilidade da economia, reduzir a inflação e retomar o crescimento. Gláucia.

 

Airton: Obrigado, Eduardo Biagini, pela sua participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Gláucia: As escolas vão ter uma maior participação na vacinação de adolescentes contra a Meningite 'C' e o Vírus HPV.

 

Airton: Para ampliar a cobertura da imunização em meninos e meninas, a vacinação pode acontecer também nas salas de aula.

 

Gláucia: A campanha para chamar a atenção da garotada sobre a importância da vacina já começou. Vamos conferir na reportagem de Gabriela Noronha.

 

>> "A vida é muito parecida com o jogo: nos dois mundos existem fases fáceis e difíceis. Agora chegou a fase de se proteger tomando a vacina. Você está preparado?"

 

Repórter Gabriela Noronha: Com uma campanha voltada para os adolescentes, o governo quer ampliar a vacinação contra o HPV, causador de doença como o câncer de colo de útero, e a Meningite 'C'. A meta é atingir adolescentes entre nove e 14 anos. As vacinas estão disponíveis no Sistema Único de Saúde, mas, de acordo com o governo, a cobertura vacinal está abaixo das expectativas. Para reforçar esse objetivo, uma parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação vai incentivar as escolas de todo o país a vacinarem os alunos. Cada estado vai avaliar as condições para aplicar as vacinas nas escolas, mas o governo estuda exigir dos estudantes a carteira de vacinação atualizada no momento da matrícula, como explica o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Rossieli Soares da Silva.

 

Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação - Rossieli Soares da Silva: Vamos evitar que a criança não seja vacinada por falta de informação, por exemplo. Que ela tenha acesso à vacina disponibilizada pela saúde e com uma informação devida.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, não faltam recursos e nem vacinas para garantir o Programa Nacional de Humanização.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: O Ministério da Saúde investe R$ 4 bilhões por ano só no Programa de Imunização, são 300 milhões de unidades de vacina por ano disponíveis para a população, e agora, com o acesso à escola, isso está facilitará muito a imunização da população para essas doenças que estão no nosso calendário.

 

Repórter Gabriela Noronha: E o Ministério da Saúde vai fornecer materiais sobre HPV e Meningite 'C' às escolas para conscientizar sobre a importância da vacinação. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Airton: Beber menos refrigerante e suco industrializado.

 

Gláucia: E aumentar o consumo de frutas e verduras.

 

Airton: Essas são as metas que o Brasil assumiu para controlar o crescimento da obesidade entre os brasileiros.

 

Gláucia: E para seguir essas orientações o Ministério da Saúde faz o alerta: mais da metade da população está acima do peso.

 

Repórter Huab Kalil: Até 2019, o governo brasileiro pretende deter o ressarcimento da obesidade na população adulta com políticas de saúde e segurança alimentar e nutricional. A ideia é reduzir o consumo regular de refrigerantes e suco artificial em pelo menos 30% e ampliar no mínimo 17% o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, ressaltou a importância dessas metas.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Nós temos várias novas ações que serão implementadas pelo Ministério, aplicativos que vão induzir as pessoas a controlar a qualidade da sua alimentação, que vão induzir as pessoas a fazer a necessária atividade física diária. Vamos ter a orientação a ser dada nas escolas que vai permitir que as crianças sejam orientadas nessa questão de alimentação, do exercício físico.

 

Repórter Huab Kalil: Segundo o Ministério da Saúde, mais da metade dos brasileiros está acima do peso. O advogado Luciano Monti percebeu isso no final da adolescência. Com 98 quilos e já com problemas de saúde, resolveu mudar seus hábitos. Hoje, 26 quilos a menos, ele conta como enfrentou a obesidade.

 

Advogado - Luciano Monti: Foi um processo de reeducação mesmo alimentar, não foi utilizado nenhum remédio, nenhuma cirurgia. Ainda tenho o acompanhamento com nutricionista, continuo seguindo um cardápio. Não deixo de comer as coisas que eu gosto, como, por exemplo, frutas e carne, carboidratos que eles consideram os carboidratos bons que eles falam, e comer de hora em hora certa.

 

Repórter Huab Kalil: Histórias como a de Luciano inspiraram um grupo de auditores dos Correios. Eles criaram um bolão diferente para incentivar a saúde e os bons hábitos da alimentação saudável. Roseleine Reis participa do grupo e conta as melhoras que observa depois de 40 dias de atividade.

 

Participante do Grupo de Auditores dos Correios - Roseleine Reis: A minha pressão, ela estabilizou. Mesmo com o remédio ela alterava. Eu estou sentindo mais motivada a permanecer com a minha dieta.

 

Repórter Huab Kalil: O Ministério da Saúde também incentiva a prática de atividades físicas por meio do Programa Academia da Saúde em mais de 1.700 municípios em todo o Brasil. Reportagem, Huab Kalil.

 

Gláucia: 19hs15min, em Brasília.

 

Airton: Hoje é o Dia do Consumidor.

 

Gláucia: E daqui a pouco a gente dá dicas de como você pode ter certeza da quantidade e da qualidade do combustível na hora de abastecer.

 

Airton: O presidente Michel Temer se reuniu hoje com representantes dos poderes Legislativo e Judiciário para discutir a reforma política.

 

Gláucia: Temer recebeu o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, e os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira.

 

Repórter Mara Kenupp: O encontro discutiu a necessidade da reforma política e eleitoral. Ao final da reunião foi divulgada a nota assinada pelas autoridades, em que reconhecem a necessidade e a urgência de reforma do sistema político eleitoral brasileiro. Quatro objetivos foram apontados para melhorar a representação política nacional: buscar a racionalização do sistema político, redução dos custos das campanhas políticas, fortalecimento institucional das legendas e maior transparência e simplificação das regras eleitorais. A nota informa ainda que o encontro foi de iniciativa do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, mas que cabe ao Congresso Nacional analisar a questão. Mara Kenupp, para a Voz do Brasil.

 

Airton: A capital do país passa por um momento delicado em relação à água: tem chovido muito menos que os outros anos e isso fez com que o Distrito Federal entrasse em situação de emergência.

 

Gláucia: As medidas de captação de água tradicionais já não dão conta de atender à população, e o governo local apresentou um plano de emergência.

 

Airton: Uma das ações é captar água do Lago Paranoá que envolve Brasília. O governo federal vai investir R$ 55 milhões na obra.

 

Repórter Luana Karen: Com o racionamento de água em vigor desde janeiro no Distrito Federal, a empresária Érica Coelho da Silva teve de aprender a se virar para atender os clientes no salão de beleza que tem em Taguatinga, a cerca de 30 quilômetros do centro de Brasília. Na falta de água na torneira, o jeito é improvisar.

 

Empresária - Érica Coelho da Silva: Quando a cliente já é uma cliente do salão fidelizada, a gente pede para ela vir com o cabelo já molhado, já lavado de casa, né? Quando é uma cliente que chega, eu normalmente armazeno um pouco de água, normalmente no balde mesmo [risos].

 

Repórter Luana Karen: Há dois anos o Distrito Federal tem chuvas abaixo da média e por conta disso passa pela maior crise hídrica da história. Para amenizar o problema, o Ministério da Integração Nacional liberou R$ 55,5 milhões para a construção de um sistema provisório de captação de água do Lago Paranoá. Segundo o ministro Helder Barbalho, a vida vai evitar o colapso e levar tranquilidade à população.

 

Ministro da Integração Nacional - Helder Barbalho: Além de evitar o racionamento do hoje, nós estamos investindo para que evitemos o colapso do amanhã.

 

Repórter Luana Karen: O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirma que a ação é uma das medidas para evitar que o racionamento se agrave. Ele garante que a retirada de água do Paranoá não vai prejudicar o lago, que é um cartão postal da cidade.

 

Governador do Distrito Federal - Rodrigo Rollemberg: E já amanhã sairá publicado no Diário Oficial do Distrito Federal a licitação por pregão eletrônico para a contratação dessa captação emergencial, porque temos muita pressa.

 

Repórter Luana Karen: No discurso durante a cerimônia de liberação dos recursos, o presidente Michel Temer afirmou que as ações de água e saneamento são prioridades do governo federal.

 

Presidente Michel Temer: O saneamento também é uma área prioritária do nosso Programa de Parceria de Investimentos. Temos variados projetos para a distribuição de água que estão com o cronograma em dia. Aliás, todo PPI tem seu programa em dia.

 

Repórter Luana Karen: Com o investimento do governo federal será possível captar 700 litros de água por segundo e garantir o abastecimento a 1,8 milhão de pessoas. A obra deve ficar pronta em até seis meses. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: 19hs20min, em Brasília.

 

Airton: A gente está sempre trazendo para você, nosso ouvinte, matérias sobre os direitos do consumidor. E, hoje, não vai ser diferente. No Dia do Consumidor nós vamos falar de combustível.

 

Gláucia: Muita gente não sabe, mas os consumidores têm o direito de pedir aos postos um teste para fiscalizar a qualidade do combustível e também se a quantidade abastecida está correta.

 

Airton: A ANP, Agência Nacional do Petróleo, fez uma ação hoje para deixar os motoristas bem informados.

 

Repórter Raquel Mariano: Como saber se um combustível é de qualidade? E a quantidade de combustível que você paga é a mesma que é colocada no tanque do seu carro?

 

Entrevistado: A única técnica que eu uso é abastecer no mesmo posto para diminuir o risco de pegar alguma gasolina aí adulterada, né?

 

Entrevistada: Eu dou uma olhada para ele ver que eu estou atenta, mas não dá para saber se está certo ou se está errado.

 

Repórter Raquel Mariano: E para tirar essas dúvidas, a ANP, a Agência Nacional do Petróleo, foi para os postos de 14 cidades para explicar como identificar esses problemas e quais são os direitos do consumidor. Mesmo com 97% de qualidade garantida do combustível usado no Brasil, o motorista deve ficar atento à quantidade de misturas em todos os tipos de combustível. Mas como é possível saber se essas medidas estão corretas? O diretor-geral da ANP, Décio Odoni, explica como o consumidor pode se precaver desses possíveis prejuízos.

 

Diretor-Geral da ANP - Décio Odoni: Se ele tiver dúvida quanto à qualidade, ele pode exigir do posto um teste de proveta, um teste que mostra o percentual de etanol na gasolina, isso se ele tiver dúvida com relação à qualidade. Se ele tiver dúvida em relação a volume, ele pode exigir que o posto faça um teste volumétrico. Esse teste consiste em trazer um balde e aferir, que o posto é obrigado a ter, no qual ele coloca 20 litros de gasolina e tem que aparecer 20 litros na bomba e tem que ter 20 litros dentro daquele balde.

 

Repórter Raquel Mariano: O superintendente de Fiscalização de Abastecimento ANP, Francisco Neves, explica a importância do papel do consumidor nessa fiscalização.

 

Superintendente de Fiscalização de Abastecimento ANP - Francisco Neves: Se o consumidor chega num posto de gasolina e está se sentindo inseguro em relação à quantidade e à qualidade do produto, ele pode solicitar que seja realizado esses testes.

 

Repórter Raquel Mariano: Caso o posto se recuse a fazer esse teste, o consumidor ainda pode fazer a reclamação pelo telefone da ANP. O número é 0800-9700267. Repetindo: 0800-9700267. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gláucia: Começou hoje a vacinação contra a febre aftosa.

 

Airton: Amazonas e Pará são os primeiros a receber a vacina, e a estimativa é de que quase 23 milhões de animais sejam humanizados nos dois estados no primeiro semestre.

 

Gláucia: O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento recomenda que a vacinação seja feita na hora mais fresca do dia.

 

Airton: Também é importante que as vacinas sejam compradas em lojas registradas e que se tomem os devidos cuidados de higiene e limpeza.

 

Gláucia: Os próximos estados a receber as vacinas são Roraima e Rondônia, a partir do mês de abril.

 

Airton: O governo de Sergipe vai receber R$ 10 milhões para terminar a duplicação da adutora do São Francisco que abastece a capital Aracaju e a região metropolitana.

 

Gláucia: A obra já beneficia a população da capital sergipana e vai garantir o abastecimento da Grande Aracaju pelos próximos 20 anos.

 

Airton: As universidades federais do Rio Grande do Sul e do Rio Grande do Norte abriram chamadas para a aquisição de alimentos da agricultura familiar.

 

Gláucia: As compras vão ser feitas por meio do Programa de Aquisição de Alimentos, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

 

Airton: A Universidade Federal do Rio Grande do Sul vai comprar 63 mil litros de leite longa vida e a federal potiguar deve comprar no ano 80 toneladas de frutas, verduras e legumes.

 

Gláucia: Essas foram as notícias do governo federal.

 

Airton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Airton: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã.