15 DE ABRIL DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques do dia: R$ 1.040,00. Esse é o valor do salário mínimo proposto pelo governo para o ano que vem. Mosquitos que reduzem a transmissão da dengue, zika e chikungunya. Mais três cidades do país vão receber testes com aedes aegipty modificados. Exército vai comprar R$ 30 mi em alimentos de agricultores familiares. Professores do Brasil. Prêmio que incentiva o trabalho de quem faz a diferença em sala de aula está com inscrições abertas.

audio/mpeg 15-04-19-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46915 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 15 de abril de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia: R$ 1.040.

 

Gabriela: Esse é o valor do salário mínimo proposto pelo governo para o ano que vem. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Se aprovado no Congresso, o reajuste no salário mínimo começa a valer em janeiro do ano que vem. Ele serve de referência para mais de 45 milhões de brasileiros.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Mosquitos que reduzem a transmissão da dengue, zika e chikungunya.

 

Nasi: Mais três cidades do país vão receber testes com aedes aegypti modificados. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: Essa é última fase de testes antes do procedimento ser incorporado ao Sistema Único de Saúde, o SUS.

 

Gabriela: Exército vai comprar R$ 30 milhões em alimentos de agricultores familiares. André Luiz Gomes.

 

Repórter André Luiz Gomes: A medida é possível por meio da modalidade de compra institucional do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA.

 

Nasi: Professores do Brasil.

 

Gabriela: Prêmio que incentiva o trabalho de quem faz a diferença em sala de aula está com inscrições abertas. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Podem participar todos os professores de escolas públicas da Educação Básica.

 

Nasi: Hoje, na apresentação: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br .

 

Nasi: O valor do salário mínimo para o ano que vem começou a ser definido hoje.

 

Gabriela: O governo federal propõe que ele seja de R$ 1.040. A proposta agora precisa ser avaliada por deputados e senadores.

 

Nasi: Seria a primeira vez que o salário mínimo passaria à casa dos mil reais. Hoje, ele está no valor de R$ 998.

 

Repórter Pablo Mundim: Se aprovado no Congresso, o reajuste no salário mínimo começa a valer em janeiro do ano que vem, com pagamento a partir de fevereiro. Ele serve de referência para mais de 45 milhões de brasileiros. Para 2021, está sendo proposto R$ 1.082, e para 2022, R$ 1.123. O governo usou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC, para calcular o aumento. O secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, explica que o valor é uma projeção.

 

Secretário especial da Fazenda - Waldery Rodrigues: Nós estamos colocando esse valor como uma previsão, não é uma política do salário mínimo, o governo tem até dezembro desse ano para apresentar qual será a sua política de salário mínimo, e assim faremos.

 

Repórter Pablo Mundim: O valor do salário mínimo está dentro do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias que o governo enviou ao Congresso nessa segunda-feira, é o primeiro passo para que seja definido o orçamento para o próximo ano. Ainda segundo estimativas da equipe econômica, 2020 será mais um ano com as contas públicas no vermelho, o oitavo ano seguido. A previsão é de um rombo superior a R$ 124 bilhões. Os benefícios previdenciários são a principal despesa. Para o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, as privatizações e as reformas, como a da Previdência, são essenciais para os próximos anos.

 

Secretário do Tesouro Nacional - Mansueto Almeida: Ao longo desses períodos, nos próximos anos, seria extremamente necessário a Reforma da Previdência e outras reformas. E do ponto de vista de arrecadação, algo que pode mudar esse cenário ao longo dos próximos anos é uma eventual revisão do que a gente chama de gastos tributários, aqueles benefícios tributários. O governo agora está aprofundando esses estudos dos vários benefícios tributários que existem para, ao longo dos próximos três, quatro anos, isso ser revisado.

 

Repórter Pablo Mundim: Ainda segundo o governo, a economia deve crescer 2,7% no ano que vem, e em ritmo menor nos dois anos seguintes. A inflação estimada para 2020 é de 4% e se estabiliza em 3,7% até 2022. Reportagem: Pablo Mundim.

 

Gabriela: Nasi, você já ouviu falar de controle biológico?

 

Nasi: Sim, Gabriela, e, olha, é uma técnica muito comum na agricultura que utiliza meios naturais. Em geral, organismos vivos, como fungos e bactérias, para diminuir as pragas que estragam as plantações.

 

Gabriela: Pois, Nasi, agora uma tecnologia bem parecida vai ser usada para ajudar a acabar com o aedes aegypti, causador de doenças, como zika, chikungunya, febre amarela, e, claro, a dengue.

 

Nasi: E é uma maneira inovadora, sustentável e que vai complementar as ações já em curso de controle do mosquito.

 

Repórter Graziela Mendonça: Eles não são mosquitos aedes aegypti comuns, em laboratório, recebem uma bactéria chamada Wolbachia, que reduz a sua capacidade de transmitir doenças, como a dengue, a zika e o chikungunya. O método, uma forma de controle biológico, está sendo implantado no Brasil pelo Ministério da Saúde e Fundação Oswaldo Cruz. O pesquisador da Fiocruz, Luciano Moreira, explica como funciona.

 

Pesquisador da Fiocruz - Luciano Moreira: A ideia é liberar esses mosquitos que não são geneticamente modificados na natureza, eles, ao cruzarem com os mosquitos de campo, vão passando a bactéria, e a ideia é ter uma população que não vá transmitir os vírus que eles transmitem. É totalmente complementar com vacinas, com outras formas de controle, inclusive, com inseticida, se necessário.

 

Repórter Graziela Mendonça: Desde 2015, o método já é aplicado em municípios do estado do Rio de Janeiro. E, hoje, o Ministério da Saúde anunciou que a tecnologia será implantada em mais três cidades com mais de 1,5 milhão habitantes, as escolhidas foram Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Belo Horizonte, em Minas Gerais, e Petrolina, em Pernambuco. O investimento será de R$ 22 milhões. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou que essa é a última fase de testes antes do procedimento ser incorporado ao Sistema Único de Saúde, o SUS.

 

Ministro da Saúde - Luiz Henrique Mandetta: A gente começa com um número pequeno, a gente vai vendo como ele vai se multiplicando, como que ele vai se adaptando, isso envolve agentes comunitários, armadilhas colocadas a campo e ao monitoramento dos casos. A gente espera que nessa fase agora a gente consiga concluir a pesquisa. E aí, sim, fazer uma estratégia nacional.

 

Repórter Graziela Mendonça: Belo Horizonte é uma das cidades que vai receber os mosquitos. A cidade registrou 3.200 casos de dengue nesse ano e outros 10 mil estão sendo investigados. O diretor de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Eduardo Viana, conta que antes de liberar os mosquitos nas ruas será feito um diálogo com os moradores.

 

Diretor de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte - Eduardo Viana: Nós vamos estar produzindo e soltando mosquitos no ambiente. Então, vai haver uma etapa que nós denominamos de engajamento, no sentido de explicar de uma forma bem didática à população essa nova estratégia, ou seja, mesmo com a presença do mosquito, nós vamos ter uma menor possibilidade de transmissão de arboviroses.

 

Repórter Graziela Mendonça: Em Campo Grande, o aedes também preocupa, já foram confirmados mais de 4 mil casos de dengue este ano e 6 mortes pela doença. O estudante Marcos Rivani teve dengue na semana passada e ficou feliz em saber que o projeto vai chegar à sua cidade.

 

Estudante - Marcos Rivani: A gente vai para os postos de saúde, a gente vê como os hospitais, tanto os públicos quanto os particulares, ficam lotados por conta da doença e a gente sabe que muitas pessoas sofrem. Então, assim, saber que uma tecnologia vai poder ajudar bastante e que Campo Grande seria uma das cidades para ser aplicada é muito importante.

 

Repórter Graziela Mendonça: O método Wolbachia é seguro para as pessoas e para o ambiente, os recursos para as ações de vigilância das doenças transmissíveis, que incluem dengue, zika e chikungunya, chegaram a R$ 1,7 bilhão em 2018. Reportagem: Graziela Mendonça.

 

Gabriela: Dar aula é uma atividade que requer criatividade.

 

Nasi: Principalmente quando o desafio é aproveitar melhor os recursos disponíveis.

 

Gabriela: É assim que surgem nas escolas boas ideias que ajudam no processo de aprendizado dos alunos.

 

Nasi: Tornar essas boas práticas conhecidas e permitir que elas sejam aplicadas em outras instituições é um dos objetivos do Prêmio Professores do Brasil.

 

Gabriela: E os educadores que quiseram participar já podem se inscrever.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os aplicativos de mensagem estão entre os meios mais utilizados para se comunicar hoje em dia e as crianças não querem ficar de fora. Numa escola pública em Brasília, a Profa. Vandete Lima viu no aplicativo de mensagens uma oportunidade para aperfeiçoar a leitura e a escrita dos pequenos em sala de aula. E não precisa nem de celular, ela criou telefones móveis de papel para estimular os alunos do segundo ano a escrever e ler mensagens.

 

Professora - Vandete Lima: Criança gosta de brincar, e qual é a brincadeira preferida de uma criança? Imitar as coisas que só os adultos podem fazer e ainda elas não têm condição de fazer. E aqui, como são crianças um pouco mais carentes, nós não temos um celular para elas, né? Então, eu imprimi uma folha com Iphones, e, por conta disso, as crianças tiveram um interesse enorme, muito maior do que acontecia anteriormente, para escrever e para ler.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os alunos escrevem mensagens nos celulares de papel, e com a Páscoa chegando o assunto é um só, como conta Pablo Rafael dos Santos Brito, de 8 anos.

 

Estudante - Pablo Rafael dos Santos Brito: Eu escrevi para o meu amigo William. Perguntei se ele ia fazer alguma coisa na Páscoa e ia comprar ovos. Antes eu não escrevia direito, agora eu escrevo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Com o sucesso na sala de aula, os resultados do projeto chamado Uma Mensagem Para Você não demoraram a aparecer, e a Profa. Vandete foi uma das vencedoras do ano passado no Prêmio Professores do Brasil, organizado pelo Ministério da Educação. O prêmio está na 12ª edição. Podem participar todos os professores de escolas públicas da Educação Básica. O objetivo é reconhecer o trabalho de docentes que contribuem de forma relevante para a área no Brasil, como explica Mara Ewbank, da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação.

 

Coordenadora-Geral de Apoio a Certames e Programas Especiais da Secretaria de Educação Básica - Mara Ewbank: Esse prêmio promove a valorização do trabalho docente. E aí um dos requisitos básicos desse projeto é que é preciso que o desenvolvimento de um determinado tema na sala de aula com determinados recursos, e isso seja possível de ser replicado por qualquer professor do Brasil.

 

Repórter Gabriela Noronha: As inscrições para a edição deste ano já podem ser feitas pela internet no endereço: premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br até o dia 31 de maio. Os ganhadores serão conhecidos no dia 28 de novembro. Serão distribuídos R$ 278 mil em prêmios além de uma viagem para os seis vencedores nacionais e mais seis coordenadores pedagógicos. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Nasi: Arroz, feijão, macarrão e carnes.

 

Gabriela: Alguns dos alimentos que vão ser comprados pelo Exército direto de agricultores familiares.

 

Nasi: Você vai ouvir daqui a pouco mais detalhes dessa ação, que é possível por meio do PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos.

 

"Conheça a nova TV Brasil. Muito mais informação, muito mais serviço e ainda mais notícias sobre políticas públicas. Então, não esqueça, assista às notícias do governo federal na nova TV Brasil".

 

Gabriela: Chocolate ao leite, branco, crocante, amargo, trufado.

 

Nasi: Nossa, Gabriela, são muitas as delícias nessa época de Páscoa, não é?

 

Gabriela: Pois é, Nasi, e além de adoçar um pouco a vida, os ovos e bombons também criam muitas vagas de emprego temporário no país.

 

Repórter Cleide Lopes: A Páscoa está chegando, e com ela a tradição dos ovos e bombons de chocolate. Com a indústria a todo vapor nesse período e as lojas de doces movimentadas, surgem chances de emprego para quem está fora do mercado. O empresário Alexandre Ferreira tem uma 'chocolateria' em Brasília que produz mais de cem tipos de doces, ele conta que nessa época contrata temporários para conseguir atender à demanda.

 

Empresário - Alexandre Ferreira: Hoje a gente tem, efetivos, cinco colaboradores e chegamos a triplicar contando, assim, com funcionários temporários, né? Que nos ajudam nesse período de sazonal.

 

Repórter Cleide Lopes: Só este ano, a Páscoa abriu quase 11 mil vagas de trabalho temporário, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Pela lei, esse tipo de contrato pode durar até 180 dias e ser prorrogado por mais 90. Depois disso, o trabalhador que continuar no cargo deve ser efetivado. O auditor fiscal do trabalho do Ministério da Economia, Leif Naas, explica que o temporário está coberto por vários direitos, assim como um trabalhador comum.

 

Auditor fiscal do trabalho do Ministério da Economia - Leif Naas: Ele tem direito a receber, além do salário em dia, o FGTS, ele tem direito a uma indenização em caso de dispensa sem justa causa, ou seja, a proteção previdenciária, ele tem todo o arcabouço legal de proteção que é devido aos empregados contratados diretamente.

 

Repórter Cleide Lopes: Muitos empresários acabam admitindo os trabalhadores depois desse tempo, oportunidade que a estudante Tainara Cabral não desperdiçou, há dois meses, ela entrou como temporária na 'chocolateria' do Alexandre e agora já vai ser efetivada. Para ela, é uma chance de adoçar a vida das pessoas.

 

Estudante - Tainara Cabral: É uma oportunidade que eu estou tendo de crescer, de poder preparar esse presente para as pessoas nessa Páscoa e fazer com que quando essa pessoa receber esse presente, ela se sinta satisfeita.

 

Repórter Cleide Lopes: Os trabalhadores temporários também têm direito a repouso semanal remunerado, adicional por trabalho noturno, férias proporcionais e horas extras. Reportagem: Cleide Lopes.

 

Nasi: O Brasil mais perto da tecnologia de dessalinização da água.

 

Gabriela: O processo retira o excesso de sal e de minerais e a torna potável, ajudando quem sofre com a seca.

 

Nasi: No sábado, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, inaugurou o Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização, em Campina Grande, na Paraíba.

 

Gabriela: O centro, que tem tecnologia israelense, vai trabalhar em diversos projetos e teste de equipamentos que poderão reduzir os impactos da seca em diversos municípios brasileiros, como explicou o ministro.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Marcos Pontes: Junto com o nosso Instituto Nacional do Semiárido e com a Universidade Federal de Campina Grande, onde já existe uma base para se criar um centro dessa natureza, nós criamos, então, um centro de testes. Esse centro já vai estar em operação, ele está pronto para operação para testar máquinas de dessalinização, máquinas de reuso de água. Então, existe uma série de possibilidades para a utilização desse centro. E na sequência esse centro vai se transformar num centro de tecnologia de águas.

 

Nasi: Agricultores familiares da Região Sul têm a oportunidade de aumentar a renda e garantir a venda na produção.

 

Gabriela: E que o comando da 5ª Região Militar do Exército em Curitiba, no Paraná, está com chamada pública para a compra de produtos, como arroz, feijão, macarrão e carnes.

 

Nasi: A compra é feita por meio do PAA, o Programa de Aquisição de Alimentos.

 

Gabriela: E o investimento é de até R$ 30 milhões.

 

Nasi: E as propostas podem ser encaminhadas até amanhã.

 

Repórter André Luiz Gomes: A medida é possível por meio da modalidade de compra institucional do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA, que determina que 30% dos produtos adquiridos para a alimentação nas instituições públicas venham da agricultura familiar. A coordenadora-geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos do Ministério da Cidadania, Hetel Santos, destaca o fortalecimento das cooperativas de produtores em torno de aquisições como esta.

 

Coordenadora-geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos do Ministério da Cidadania - Hetel Santos: Tem aí então uma possibilidade para todos os empreendimentos mais estruturados do Sul do Brasil, da Região Sudeste também, poderem fazer suas ofertas para entregar. O Exército está abrindo um quantitativo interessante de recurso para ver o que ele vai conseguir comprar da agricultura familiar e organizar, então, quem serão esses fornecedores.

 

Repórter André Luiz Gomes: Para acompanhar as chamadas públicas abertas em todo o país, basta acessar o portal: comprasagriculturafamiliar.gov.br. Na modalidade compra institucional do PAA, cada agricultor pode vender até R$ 20 mil por ano para cada órgão comprador. Já para as cooperativas ou associações, o teto é de R$ 6 milhões por ano por órgão comprador. Reportagem: André Luiz Gomes.

 

Gabriela: E o Programa de Aquisição de Alimentos também atua para garantir a produção da agricultura familiar.

 

Nasi: Por meio do PAA, pequenos agricultores recebem sementes que são compradas de cooperativas e associações.

 

Gabriela: E produtores rurais e instituições interessadas em receber sementes já podem enviar propostas para a Conab, que vai selecionar aqueles com maiores dificuldades na produção.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Michele Ornelas é agricultora familiar. A pequena propriedade fica em um assentamento em São Sebastião, no Distrito Federal. São frutas, hortaliças e grãos, o milho e o feijão foram plantados a partir de sementes que a pequena produtora recebeu do Programa de Aquisição de Alimentos do governo federal.

 

Agricultora familiar - Michele Ornelas: Reduz muito o nosso custo de produção, né? Essas sementes no mercado, hoje, elas são bem caras. Então, o governo nos dá a semente, depois a gente planta e revende para o estado.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: A distribuição de sementes é um incentivo para os pequenos agricultores, além de valorizar a agricultura familiar. Também impulsiona as cooperativas e associações que vão fornecer as sementes. Este ano, o Ministério da Cidadania destinou R$ 5 milhões para o programa, que é viabilizado pela Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab. A intenção é atender ao maior número de propostas, mas a prioridade são os produtores com maiores dificuldades, é o que explica Newton Araújo Silva Junior, presidente da Conab.

 

Presidente da Conab - Newton Araújo Silva Junior: É uma ação de incentivo, de contribuição, de apoio à agricultura familiar, pequenos agricultores que têm dificuldades de produzir, para que esses agricultores possam permanecer no mercado de forma digna.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: A Conab já está recebendo as propostas, que devem ser entregues nas superintendências regionais da companhia até o dia 26 deste mês. E há novidades, agora, por exemplo, as propostas devem incluir no mínimo três opções de sementes por produto apresentado e a instituição precisa informar como fará o armazenamento e a logística de distribuição das sementes adquiridas. Outra mudança importante é a necessidade do pequeno produtor e da organização fornecedora estarem no Cadastro Nacional de Produtores Rurais, o Sican. Esse registro garante mais agilidade e transparência na execução das operações e aumenta a segurança na aplicação dos recursos públicos. Todas as informações estão na página da Conab na internet: www.conab.gov.br . Reportagem: Luciana Colares de Holanda.

 

Nasi: Levar a ciência na prática para as escolas, despertando o interesse dos alunos.

 

Gabriela: Um método inovador de ensino da ciência foi adotado em Pernambuco, depois que os professores foram capacitados.

 

Nasi: O treinamento, que faz parte do Programa Ciência na Escola, uma das metas dos cem primeiros dias de governo, agora será levado para mais oito estados.

 

Repórter Luana Karen: No agreste de Pernambuco, em Santa Cruz do Capibaribe, a Profa. Gorete Alves encontrou um jeito diferente de ensinar aos alunos temas como a poluição dos rios. A nova dinâmica parte do conhecimento que os alunos já têm sobre o assunto, passa pela análise de textos informativos e vídeos e é incrementada com visitas ao rio da cidade. Gorete mudou a metodologia de ensino depois que participou do projeto piloto do curso de pós-graduação Ciência é 10. O retorno veio em forma de mais interesse por parte dos alunos.

 

Professora Gorete Alves: Eles ficam mais participativos, mais críticos, né? Querem descobrir as coisas, querem descobrir o mundo, a realidade. Então, foi muito bom.

 

Repórter Luana Karen: Além da Gorete, outros cem professores também fizeram a capacitação, o curso foi oferecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Capes, por meio do Universidade Aberta do Brasil. A coordenadora-adjunta da Universidade Aberta do Brasil em Pernambuco, Rosa Vasconcelos, explica que a pós-graduação tem uma abordagem inovadora, é feita toda online e conjuga teoria e prática.

 

Coordenadora-adjunta da Universidade Aberta do Brasil em Pernambuco - Rosa Vasconcelos: Ele trabalhava em cima de quatro eixos: vida, meio ambiente, tecnologia e universo. Ele fazia esse estudo, essa escolha a partir de atividades investigativas no ambiente e levava essa atividade para experienciar, experimentar com os seus alunos em sala de aula.

 

Repórter Luana Karen: Agora, o Ciência é 10 vai ser levado para mais oito estados. Vão ser selecionados 4 mil professores do quinto ao nono ano do Ensino Fundamental para participar do curso de especialização. Com isso, a expectativa é que 400 mil alunos em sala de aula sintam a diferença no ensino de ciências nos próximos anos. Carlos Lenuzza, diretor de Educação a Distância e Formação de Professores da Educação Básica da Capes, explica que a ideia é tornar a ciência mais do que acessível, uma atividade natural.

 

Diretor de Educação a Distância e Formação de Professores da Educação Básica da Capes - Carlos Lenuzza: Não é simplesmente pegar um livro e tentar a partir daí decifrar o ambiente teórico, mas também convivendo nos espaços práticos, entender que a ciência está permanentemente vinculada à sua vida e o seu cotidiano.

 

Repórter Luana Karen: As inscrições para a seleção do Ciência é 10 começam em setembro. As aulas serão realizadas no ano que vem. O Ciência é 10 faz parte do Programa Ciência na Escola, divulgado pelo governo federal na semana passada, para incrementar o ensino no país. Reportagem: Luana Karen.

 

Gabriela: Prorrogado até o dia 30 deste mês o prazo para pré-seleção de candidatos participantes da lista de espera do Fies.

 

Nasi: Todos os candidatos inscritos que não foram pré-selecionados em chamadas anteriores estão participando da lista de espera.

 

Gabriela: O Fies permite que universitários financiem os estudos numa faculdade particular e possibilita juros zero a quem mais precisa e uma escola de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato.

 

Nasi: O acompanhamento da eventual pré-seleção deve ser realizado por meio da página do Fies em: fies.mec.gov.br.

 

Gabriela: Empresas do setor agropecuário podem se inscrever para participar da missão comercial do Brasil em uma feira internacional que ocorre em junho no Irã.

 

Nasi: A missão é promovida pelos Ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores.

 

Gabriela: No ano passado, 11 empresas brasileiras participaram da feira no Irã.

 

Nasi: Foram realizadas quase 500 negociações, com US$ 5,6 milhões em negócios fechados.

 

Gabriela: As inscrições podem ser feitas até o dia 21 de abril.

 

Nasi: E mais informações na página do Ministério da Agricultura na internet, em: agricultura.gov.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você até amanhã.

 

"Governo federal. Pátria amada, Brasil".