15/05/17 - A Voz do Brasil

Presidente Temer é entrevistado por radialistas de todo o país no programa Agora Brasil. Saque das contas inativas do FGTS aquece a economia, e o comércio no Dia das Mães registra primeiro saldo positivo em três anos. Força Nacional envia mais 300 homens ao Rio de Janeiro.

audio/mpeg 15 05 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23266 KB




Transcrição

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Airton: Olá. Boa noite.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: Segunda-feira, 15 de maio de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque do dia. Primeira vez em três anos vendas do comércio têm desempenho positivo no Dia das Mães.

 

Airton: Impacto tem relação com o saque do FGTS e bom momento da economia.

 

Gláucia: Economia que hoje mostra a recuperação, segundo dados do Banco Central. Beatriz Amiden.

 

Repórter Beatriz Amiden: De janeiro a março desse ano a atividade econômica cresceu um 1,12% se comparado ao trimestre anterior.

 

Airton: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gláucia: Presidente Michel Temer diz que reforma da Previdência é necessária para pagar aposentadorias no futuro.

 

Presidente da República - Michel Temer: Uma senhora aposentada no Rio de Janeiro, que estava no centro do Rio uma placa dizendo: "Sou aposentada, não recebo minha aposentadoria há três meses, e, por isso, estou pedindo esmola". Esta é a situação que se encontrou, ou se encontrava, ou se encontra ainda o Rio de Janeiro. Eu quero evitar que que essas placas se espalhem pelo Brasil.

 

Airton: Vamos falar ainda do satélite brasileiro que estacionou no espaço e agora começa a fase de testes para a ampliação da internet pelo país.

 

Gláucia: Hoje na apresentação: Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Combater o desemprego e melhorar as condições de vida dos brasileiros.

 

Airton: Em entrevista a emissoras de rádio de todo o país o Presidente Michel Temer falou das medidas que o governo vem tomando para que o Brasil volte a crescer.

 

Gláucia: A reforma da Previdência é a modernização das leis trabalhistas são prioridade.

 

Airton: Temer também reforçou compromisso com a população de baixa renda com a construção de mais moradias pelo Minha Casa Minha Vida e o acesso ao Cartão Reforma, que vai atender mais de 100 mil famílias.

 

Repórter Nasi Brum: Foram vários os assuntos abordados pelos radialista em entrevista com o Presidente Michel Temer. A reforma da Previdência, enviada pelo governo ao Congresso, foi um dos destaques. O Presidente reforçou a importância do diálogo com o Congresso, que já fez algumas alterações na proposta inicial. Temer explicou que a reforma é necessária para garantir o pagamento das aposentadorias no futuro.

 

Presidente da República - Michel Temer: Uma das coisas mais doloridas que eu já vi nos últimos tempos foi uma foto, que vocês devem ter visto, de uma senhora aposentada no Rio de Janeiro, que estava no centro do Rio com uma placa dizendo: "Sou aposentada, não recebo minha aposentadoria há três meses, e, por isso, estou pedindo esmola". Esta é a situação em que se encontrou, ou se encontrava, ou se encontra ainda o Rio de Janeiro. Eu quero evitar que essas placas se espalhem pelo Brasil, porque se não fizermos uma reforma da Previdência já, o que vai acontecer é que vão surgir muitas placas dessa natureza em todo o país.

 

Repórter Nasi Brum: Ao ser questionado sobre modernização das leis trabalhistas, Temer foi claro, o projeto não tira direitos dos trabalhadores e vai ajudar a gerar novos empregos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nenhum direito do trabalhador, o que se alterou, isso, sim, foi a flexibilização das normas trabalhistas para poder gerar emprego. Vocês sabem que nós temos cerca de 14 milhões de desempregados e é preciso estabelecer meios e modos para que haja a redução do desemprego.

 

Repórter Nasi Brum: Michel Temer também destacou a preocupação do governo com a população mais pobre, citou o aumento de 12,5% no Bolsa Família, ampliação das vagas no Fies, o financiamento estudantil, a continuidade do Minha Casa Minha Vida com a construção de 140 mil novas moradias e a última medida anunciada, o Cartão Reforma.

 

Presidente da República - Michel Temer: Está sendo formatado, logo será lançado. Pode ir à Caixa Econômica e pegar R$5 mil a fundo perdido, ou seja, não tem que pagar, não tem que devolver, fazer uma pequena pintura na sua casa, aumentar um quarto, melhorar o banheiro, coisas dessa natureza. Isso daqui, no primeiro momento vai atingir mais de 100 mil famílias. E se necessário for, nós vamos ampliando.

 

Repórter Nasi Brum: Ao se despedir dos ouvintes, o Presidente Michel Temer falou que não é hora de divisões entre os brasileiros, e, sim, de otimismo.

 

Presidente da República - Michel Temer: Eu peço a você, que embora você esteja passando, quem sabe dificuldades, os que não estiveram também, que façam essa corrente de energia em favor do Brasil, primeiro ajudando a pacificar o país, e, segundo lugar, talvez torcendo para que nós, que temos boas intenções, possamos chegar a um porto seguro logo no final do mandato, reduzindo sensivelmente o desemprego no país.

 

Repórter Nasi Brum: Onze rádios de todas as regiões do país participaram da entrevista. Reportagem, Nasi Brum.

 

"Reforma da Previdência. A Voz explica".

 

Gláucia: E já que estamos falando da necessidade de mudanças na Previdência, vamos responder aos ouvintes que estão enviando suas dúvidas para a gente.

 

Airton: Vamos ouvir então a pergunta da Darlene, lá de Belo Horizonte.

 

Entrevistada - Darlene: Boa noite. Meu nome é Darlene, sou de Belo Horizonte. Completei em abril 53 anos de idade e 31 anos de contribuição junto ao INSS. O que acontecerá com o meu case eu só solicitar a minha aposentaria após a aprovação desse novo projeto?

 

Gláucia: Darlene, quem vai responder a sua pergunta é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Darlene, agora todos vão se enquadrar na mesma regra, o que significa o seguinte, no início da reforma as mulheres vão se aposentar com idade mínima de 53 anos. E durante 20 anos essa idade vai crescendo devagar, chegando depois de 20 anos à idade de 62 anos. Portanto, hoje é esta a situação, quem se aposenta, vamos supor no próximo ano, se for mulher, vai se aposentar com 53 anos. E daqui a 20 anos, quem se aposentar, mulher, será aposentada com a idade de 62 anos. Portanto, é uma evolução gradual, não se preocupe.

 

Airton: Se você tem alguma dúvida sobre a reforma da Previdência, manda para a gente.

 

Gláucia: É só gravar uma mensagem e mandar para o nosso e-mail: voz@ebc.com.br ou no WhatsApp no: (61) 99862-7345. Eu vou repetir: (61) 99862-7345.

 

Airton: A nossa produção vai procurar a resposta para você. Então, participe.

 

Gláucia: 19h07 em Brasília.

 

Airton: Os saques das contas inativas do FGTS já dão sinais de comércio brasileiro.

 

Gláucia: Pela primeira vez em três anos as vendas registraram desempenho positivo para o Dia das Mães.

 

Airton: Segundo a Serasa Experian, as vendas cresceram 2% na comparação com igual período do ano passado, para a empresa, um dos fatores que contribuíram para isso foram os recursos do FGTS.

 

Gláucia: Com mais dinheiro no bolso os trabalhadores também quitam as dívidas e movimentam a economia.

 

Repórter Natália Coslique: Entre março e maio deste ano trabalhadores brasileiros sacaram quase R$17 bilhões pelas contas inativas do FGTS. De acordo com o Presidente Michel Temer esse dinheiro já gerou impacto positivo no comércio.

 

Presidente da República - Michel Temer: Teve um efeito extraordinário essa liberação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. É interessante notar, talvez haja uma relação, talvez lógica entre a liberação dos valores do Fundo de Garantia, que já alcançam cerca de R$28 bilhões e a melhora das compras no varejo, né? Acho que houve uma relação muito próxima entre uma coisa e outra, entre uma razão e outra.

 

Repórter Natália Coslique: No comércio de São Paulo o saque das contas inativas do FGTS somado a outros fatores como a diminuição dos juros e o controle da inflação, têm contribuído para o crescimento do consumo e da confiança do empresário. Mesmo quando o dinheiro é usado para quitar as dívidas ajuda o comércio, como explica Guilherme Dietze, assessor econômico da Fecomércio, a Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo de São Paulo.

 

Assessor econômico da Fecomércio - Guilherme Dietze: Ajuda até mesmo porque aquelas pessoas que estão endividadas com carnês, diretamente com as lojas, você quitando esse financiamento anterior, você gera caixa para esses estabelecimentos comerciais. Então, isso é importante também para o comércio. E à medida que a economia voltar a crescer é importante também que esse consumidor tenha a capacidade de contrair novos créditos por longo prazo, médio, prazo. Eu estou falando do segundo semestre desse ano, as coisas tendem a melhorar.

 

Repórter Natália Coslique: Nas duas primeiras fases do programa, mais de 10 milhões e 500 mil trabalhadores sacaram o saldo das contas inativas do FGTS. Agora está na vez dos nascidos em junho, julho ou agosto sacaram o benefício. Na terça-feira as agências da Caixa vão funcionar com um horário estendido em todo o país para atender esses trabalhadores. Reportagem, Natália Coslique.

 

Airton: E não é só o comércio que começa a se sentir os impactos das medidas da equipe econômica do governo.

 

Gláucia: O Índice de Atividade Econômica apresentou resultado positivo para o primeiro trimestre do ano.

 

Airton: Esse índice é considerado uma prévia do PIB, que é a soma de todos as bens e serviços produzidos no país, mais um sinal de que a economia está se recuperando e que o país volta a crescer.

 

Repórter Beatriz Amiden: O Índice de Atividade Econômica do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira, apontou o crescimento da economia do país. De janeiro a março desse ano a atividade economia cresceu 1,12% se comparado a trimestre anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado o índice subiu 0,29%. O IBC-BR, como é chamado, é medido mensalmente é considerado uma prévia do PIB, ele leva em conta dados como arrecadação fiscal, atividades nos setores de serviço, indústria e agropecuária. As ações do governo para recuperar a economia foram essenciais para mudar o cenário de crise do país. As reformas estão tendo um papel decisivo como explica o economista Luiz Mendes.

 

Economista - Luiz Mendes: Você retira o caráter estrutural de insegurança e de incerteza da economia, por isso a importância de reforma.

 

Repórter Beatriz Amiden: E para quem pensa que essa notícia só é positiva para o mercado, está enganado, Luiz garante que a tendência agora é que o cidadão consiga sentir no dia a dia a melhora do país.

 

Economista - Luiz Mendes: Na prática, tem menor pressão inflacionária porque você tem mais disponibilidade de bens para essas famílias e consequentemente também uma melhora da capacidade de renda, né?

 

Repórter Beatriz Amiden: Agora a expectativa dos economistas é que o crescimento do PIB encerre o ano em 0,5%, cenário bem diferente do ano passado, quando houve queda. Reportagem, Beatriz Amiden.

 

Gláucia: 19h12 em Brasília.

 

Airton: Satélite brasileiro estaciona no espaço para iniciar testes.

 

Gláucia: E daqui a pouco vamos detalhar para você quando começa na prática a ampliação da internet pelo país.

 

"Agora, Brasil".

 

Airton: A gente já ouviu hoje o Presidente Michel Temer destacando a preocupação do governo com a população mais pobre.

 

Gláucia: E dando continuidade à nossa série de matérias especiais sobre esse primeiro ano de governo, foram muitas as conquistas na área social.

 

Airton: Vários programas foram melhorados e novos foram criados, como o programa Criança Feliz.

 

Gláucia: Mudanças que já beneficiaram milhões de brasileiros.

 

Repórter Taíssa Dias: A mais velha tem 16 anos e o mais novo apenas três. Com seis filhos, Cristiane da Costa, que mora em Brasília, faz faxinas, mas não pode trabalhar fora todos os dias. O principal sustento da casa vem do Bolsa Família e ela conta que de que julho do ano passado para cá as coisas melhoraram, é que o benefício aumentou.

 

Entrevistada - Cristiane da Costa: Faz muita diferença, ajuda muito porque esse dinheiro é a garantia do alimento deles.

 

Repórter Taíssa Dias: Foi o maior reajuste da história do programa, 12,5%. E em fevereiro deste ano o governo anunciou que a fila de espera para a conclusão do Bolsa Família foi zerada, 463 mil novas famílias foram incluídas no programa, e assim como a de Cristiane, vão poder mudar suas histórias de vida.

 

Entrevistada - Cristiane da Costa: A gente passava fome mesmo, a gente chegou a passar fome. Aí minha filha falou assim: "Mãe, hoje em dia nós somos riscas, não esquece de ressaltar isso, viu? Nós estamos ricas porque hoje em dia a gente pode escolher o que comer". E antes se alguém doasse a gente comeria, se não doasse, fazer o quê?

 

Repórter Taíssa Dias: E o governo ampliou cuidados com as crianças do Bolsa Família. Em outubro de 2016 foi lançado o programa Criança Feliz, o objetivo é ampliar a rede de atenção e cuidado integral na primeira infância. Com o Criança Feliz, quem tem até três anos de idade e as gestantes que são atendidas pelo Bolsa vão contar com acompanhamento em casa de equipes de saúde e assistência social, e isso no momento que segunda embaixatriz do programa, a primeira-dama Marcela Temer, é fundamental para o futuro.

 

Primeira dama - Marcela Temer: Essa é a fase mais importante da vida, é o momento que vai definir o adulto de amanhã.

 

Repórter Taíssa Dias: Quase metade dos municípios brasileiros já aderiram ao Criança Feliz, e de acordo com o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, as equipes estão sendo capacitadas para transformar a vida das famílias atendidas.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Nós já capacitamos os multiplicadores estaduais e eles já estão capacitando os visitadores em cada município. É um programa estruturante que muda a história das ações sociais no Brasil.

 

Repórter Taíssa Dias: Redução da pobreza e acesso à moradia. O programa Minha Casa Minha Vida retomou mais de 11 mil obras paralisadas em 25 municípios de 15 estados. E uma nova modalidade no programa foi criado para quem tem renda mensal familiar de até R$2.600,00, é a faixa 1,5, que realizou 40 mil contratações só no ano passado. E novas obras do Minha Casa Minha Vida estão previstas para este ano, é o que afirma o ministro das Cidades, Bruno Araújo.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: O faixa 1,5 do programa Minha Casa Minha Vida se transformou numa realidade com 40 mil contratações até dezembro e mais 40 mil contratações ao longo do ano que vem. Em 2017 serão em torno de 600 mil contratações na faixa 1, 1,5, 2 e 3 do programa.

 

Repórter Taíssa Dias: E em abril deste ano as famílias de baixa renda que recebem até três salários mínimos passarão a ter acesso a crédito para melhorar ou aumentar as casas. É o Cartão Reforma, que disponibiliza em média R$5 mil para a compra de material de construção, e traz mais dignidade para as famílias, segundo o Presidente Michel Temer.

 

Presidente da República - Michel Temer: A fazer com que a pessoa tenha melhores e mais dignas condições de vida.

 

Repórter Taíssa Dias: O Cartão Reforma tem orçamento inicial de R$1 bilhão e a previsão do Governo Federal é que cerca de 100 mil pessoas sejam beneficiadas nesta primeira fase. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Airton: A Força Nacional já começou a atuar no Rio de Janeiro.

 

Gláucia: A primeira operação vai combater o roubo de cargas e reprimir ações do crime organizado na zona norte da cidade, junto aos complexos do Chapadão e da Pedreira, onde ocorrem a maior parte dos ataques a caminhões.

 

Airton: A ação conta de reforço de 300 policiais da Força Nacional, além de outros 125 integrantes que já estavam no estado desde fevereiro.

 

Gláucia: O subsecretário de Segurança do Rio, Roberto Alzir, afirmou que nessa primeira etapa o Força Nacional vai atuar em regiões de alta criminalidade e vias expressas.

 

Airton: A Força Nacional de Segurança Pública atua em diversas situações onde é solicitada e para isso os integrantes recebem um treinamento especial.

 

Gláucia: Nós acompanhamos um dia de formação desses homens e mulheres dedicados a promover a segurança dos brasileiros.

 

Repórter Gabriela Noronha: A caminhonete sacode e até parece que vai virar na estrada de chão, é preciso habilidade do piloto para completar o trajeto. O circuito na Academia Nacional de Polícia em Brasília simula estradas da região norte, onde polícia poderão ter que dirigir em missões na fronteira. No asfalto a situação não fica mais fácil, curvas, fechadas e freadas bruscas. De curso de direção às aulas de tiro, tudo faz parte da instrução de nivelamento de conhecimento da Força Nacional de Segurança Pública. Hoje 506 homens e mulheres estão em treinamento. Eles vêm os 26 estados brasileiros e do Distrito Federal, são policiais militares e civis, bombeiros, peritos, todos fizeram exames de seleção. Há também os mil ares reservistas como o cabo, Josemar Silva, que é do Rio de Janeiro e serviu o Exército por oito anos

 

Cabo - Josemar Silva: Entre esses serviços, cumpri uma missão de paz. Trabalhamos no Rio de Janeiro também com as missões oriundas lá do Rio, dentro do Complexo do Alemão e missões de diversas, de escolta, porque eu participei do Batalhão de Polícia do Exército. Então, a gente tinha essa missão que identificava muito com a Força Nacional.

 

Repórter Gabriela Noronha: Na Academia, esses homens e mulheres recebem ainda instrução sobre direitos humanos, combate à violência doméstica e abordagem a grupos vulneráveis. Segundo o major Alkimar Sampaio de Souza, coordenador de treinamento e capacitação, o objetivo é padronizar os procedimentos, tudo de acordo com a atuação da Força Nacional.

 

Major - Alkimar Sampaio de Souza: Quando ele for empregado em qualquer estado da Federação, ele esteja atuando dentro dos padrões nacionais e internacionais do uso progressivo da força, do respeito à pessoa humana, dignidade da pessoa humana.

 

Repórter Gabriela Noronha: O treinamento é pesado, mas o cabo Josemar tem orgulho da missão que tem agora.

 

Cabo - Josemar Silva: E hoje estou aqui na Força Nacional para cumprir mais uma missão, ajudar a segurança pública, trabalhar em prol do Brasil.

 

Repórter Gabriela Noronha: Depois de aprovados, os profissionais vão atuar em lugares que requisitem a presença da Força Nacional em missões do Plano Nacional de Segurança Pública. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gláucia: 19h20 em Brasília.

 

Airton: O momento foi histórico, há 11 dias o Brasil lançava o primeiro satélite de comunicações estratégicas brasileiro.

 

Gláucia: Hoje o satélite atingiu a posição exata onde deve ficar nos próximos 18 anos e levar internet a cidades brasileiras onde o sinal não chega.

 

Repórter Mara Kenupp: Onze dias depois de ser lançado ao espaço do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, o primeiro satélite geoestacionário de defesa e comunicações estratégicas brasileiro já está posicionado a 36 mil quilômetros de atitude em relação à superfície da Terra e entra agora na fase de testes por três meses. Em terra, engenheiros controlam as funções do satélite por meio de uma antena gigante de 18 metros de altura e 13 de diâmetro instalada no comando de operações aeroespaciais em Brasília. Segundo o presidente da Telebras, Antônio Loss, são passos rumo à implementação do Plano Nacional de Banda Larga.

 

Presidente da Telebras - Antônio Loss: Todas as regiões do Brasil passarão a ter acesso à banda larga.

 

Repórter Mara Kenupp: Ao todo são 300 profissionais envolvidos no projeto do satélite brasileiro, que deve ficar no espaço por 18 anos. Para Antônio Loss, essa infraestrutura em comunicações eleva o Brasil a um novo patamar tecnológico.

 

Presidente da Telebras - Antônio Loss: Nós estamos vivendo uma era de conectividade, todas as pessoas precisam estar conectadas. Então, nós temos aí um gigante protegendo o Brasil, nossa soberania, nossa economia e nossa nação.

 

Repórter Mara Kenupp: Quando a sistema estiver em pleno funcionamento, os dados de telemetria do satélite vão ser enviados para cinco estações espalhadas no país e vão ajudar a levar a internet a cidades brasileiras onde o sinal ainda não chega. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Airton: Até o próximo dia 26 segue no país a campanha de vacinação contra a gripe.

 

Gláucia: A meta do governo é imunizar mais de 54 milhões de pessoas. E para chegar nessa meta os postos de saúde em todo o país foram abertos no último sábado.

 

Repórter João Pedro Neto: No dia D de vacinação contra a gripe muita gente foi cedo aos postos de saúde para garantir a imunização. Em Brasília os idosos eram maioria em muitas unidades, caso do aposentado Eraldo Monso.

 

Aposentado - Eraldo Monso: Eu tenho problemas pulmonares, por exemplo, isso me livra de uma série de possibilidades de complicação. Acho que todo mundo devia tomar essa vacina, é simples, sucinto e não tem despesa.

 

Repórter João Pedro Neto: Postos de saúde de todo o país ficaram abertos no dia D de mobilização pela vacinação contra a gripe. Muita gente aproveitou para levar os filhos para serem vacinados, como a auxiliar administrativa Viviane Fogaça, que foi com o pequeno Carlos Eduardo de quatro anos.

 

Auxiliar administrativa - Viviane Fogaça: Ah, sim, com certeza, né, filho? Todo ano. Todo ano a gente vacina ele. Tem que se prevenir.

 

Repórter João Pedro Neto: A ideia da data é chamar atenção para importância dessa imunização. Fazem parte do grupo prioritário os idosos, crianças de seis meses a cinco anos de idade, trabalhadores de saúde, indígenas, gestantes e mulheres que deram à luz recentemente, população carcerária e funcionários do sistema prisional, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, e, ainda, os professores, que são a novidade deste ano. No Estado de São Paulo também foi foram incluídos profissionais que trabalham em contato direto com a população, como os policiais civis e militares, guardas municipais, profissionais dos Correios e do Poupatempo, é o que explica Maria Lígia Nerger coordenadora de imunização do município de São Paulo.

 

Coordenadora de imunização do município de São Paulo - Maria Lígia Nerger: O objetivo maior é para eles não faltarem no trabalho, principalmente os policiais, que fazem a segurança da população.

 

Repórter João Pedro Neto: No Rio de Janeiro, além dos postos, várias tendas extras com agentes de saúde foram espalhadas no dia D de vacinação. Na capital fluminense, a expectativa da Secretaria de Saúde é imunizar cerca de 1 milhão e 400 mil pessoas, como a pequena Helena Garret, que tomou a vacina e sabe que é por um bom motivo.

 

Entrevistada - Helena Garret: A gente toma a vacina quando está dodói.

 

Repórter João Pedro Neto: O ministro da Saúde comprou 60 milhões de doses da vacina. A campanha vai até o próximo dia 26. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Airton: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite para você.

 

Airton: Boa noite para você e até amanhã.