16 DE JUNHO DE 2017

Presidente Michel Temer viaja, na semana que vem, a Rússia e a Noruega para apresentar o país a líderes e empresários estrangeiros. Em mais um debate sobre a reforma da previdência, governo esclarece porque é preciso reformar para crescer. Ministério da Saúde assina pacto com países do Mercosul para compra conjunta de medicamentos.

audio/mpeg 16-06-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23393 KB




Transcrição

A Voz do Brasil 16.06.2017

 

 

Apresentador Roberto Camargo: Em Brasília, dezenove horas.

[vinheta] Está no ar a Voz do Brasil, as notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje.

Roberto: Boa noite.

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

Roberto: Sexta-feira, 16 de junho de 2017.

Gláucia: E vamos ao destaque do dia. Oportunidades de negócios e mais investimentos no Brasil.

Roberto: Na semana que vem presidente Michel Temer viaja à Rússia e à Noruega para apresentar o país à líderes e empresários estrangeiros.

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

Roberto: Em mais um debate sobre a reforma da Previdência governo esclarece porque é preciso reformar para crescer. Nei Pereira

Repórter Nei Pereira: Mais da metade de tudo que o governo arrecada vai para a Previdência Social, o que compromete os investimentos em outros setores.

Gláucia: E vamos responder dúvidas dos nossos ouvintes sobre a proposta para garantir as aposentadorias no futuro.

Roberto: Ministério da Saúde assina pacto com países do Mercosul para compra conjunta de medicamentos. Helen Bernardes.

Repórter: Com o pedido grande, eles esperam conseguir preços mais baixos e assim economizar recursos.

Gláucia: Hoje na apresentação, Gláucia Gomes e Roberto Camargo.

Roberto: E para assistir a gente ao vivo na internet basta acessar www.voz.gov.br.

Gláucia: O presidente Michel Temer embarca na segunda-feira para uma viagem de quatro dias na Rússia e na Noruega.

Roberto: Temer vai se reunir com autoridades e com investidores dos dois países para apresentar oportunidades de investimentos no Brasil.

Gláucia: O repórter Nei Pereira está no Palácio do Planalto e tem ao vivo outras informações. Boa noite, Nei.

Repórter Nei Pereira: Boa noite, Gláucia, Roberto e aos ouvintes da Voz do Brasil. O presidente Michel Temer chega a Moscou na terça-feira, quando participa de reunião com investidores russos. Temer falará sobre as reformas na economia brasileira e sobre oportunidades de negócios, como o Projeto Crescer, com oportunidades na área de petróleo e gás, ferrovias e portos. No dia seguinte, Michel Temer vai se reunir com o presidente russo Vladimir Putin, com o primeiro-ministro Dmitry Medvedev e com outras autoridades russas. Está previsto ainda a assinatura de acordos bilaterais em temas como promoção de comércio e investimentos, intercâmbio cultural e consultas políticas. De acordo com o porta-voz da presidência Alexandre Parola, o comércio entre Brasil e Rússia cresceu mais de 40% nos cinco primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado e ainda pode aumentar. Na quinta-feira, o presidente Michel Temer segue para Oslo, na Noruega, onde também se reúne com investidores para falar das oportunidades abertas pelas reformas em curso no Brasil. Segundo Alexandre Parola, a Noruega já é o oitavo maior investidor estrangeiro no Brasil com forte presença no setor de energia. Temer terá ainda encontros com o rei da Suécia(F) Harold V, com a primeira-ministra Erna Solberg e com o presidente do Parlamento. O porta-voz da presidente informou que entre os temas que vão ser discutidos está a parceria entre o Brasil e a Noruega na área de meio ambiente e combate e às mudanças climáticas. Michel Temer partirá de Oslo para Brasília na noite de sexta-feira. Ao vivo, Nei Pereira.

Roberto: E entre as reformas que o presidente deve apresentar lá fora está a da Presidência.

Gláucia: Fazer mudanças para garantir o equilíbrio das contas sinaliza aos empresários que é seguro investir por aqui.

Roberto: E além de apresentar por lá, o governo também busca esclarecer à população brasileira sobre a necessidade da reforma para garantir o pagamento das aposentadorias no futuro.

Gláucia: A proposta que foi enviada pelo governo e está em discussão no Congresso foi tema de um debate hoje no Recife, Pernambuco. O repórter Nei Pereira também acompanhou esse encontro.

Repórter Nei Pereira: O debate promovido pelo Jornal Diário de Pernambuco reuniu em Recife o secretário da Previdência Social do Ministério da Fazenda Marcelo Caetano, que defendeu a urgência na aprovação da PEC na reforma da Previdência.

Secretário da Previdência Social do Ministério da Fazenda - Marcelo Caetano: Essa reforma é urgente para a gente poder continuar pagando as aposentadorias e pensões lá na frente. Se nós não fizermos nada a gente corre um grande risco de ficar numa situação muito parecida com a que está hoje o Rio de Janeiro, que está há alguns meses sem pagar benefício, e também pagar por situações como se passou há alguns anos a Grécia e Portugal, onde teve que se reduzir o valor do benefício pago.

Repórter Nei Pereira: O assessor especial do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, afirmou que mais da metade que tudo que o Governo arrecada vai para a Previdência Social, o que, segundo ele, compromete os investimentos em outros setores.

Assessor especial do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Arnaldo Barbosa de Lima Junior: A Previdência gasta 54%, saúde 8%, educação menos de 3%. Sem uma reforma da Previdência a gente vai cada vez mais exprimindo os outros investimentos que aumenta a capacidade de o país crescer.

Repórter Nei Pereira: O projeto da reforma da Previdência está em discussão no Congresso Nacional. A proposta fixa idades mínimas de aposentadoria de 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens. Quem já está no mercado de trabalho vai cumprir um pedágio de 30% sobre o período que faltar para completar os tempos de contribuição atuais, de 35 anos para o homem e 30 anos para a mulher. Reportagem, Nei Pereira.

>> Reforma da Previdência. A Voz explica.

Roberto: E já que estamos falando sobre a reforma da Previdência, vamos tirar dúvidas dos nossos ouvintes que mandaram perguntas para a gente.

Gláucia: O José Rodrigues, de Brasília, mandou uma dúvida por e-mail. Ele é servidor público do Governo Federal e tem mais de 26 anos de serviço.

Roberto: O José Rodrigues tem 51 anos de idade e um total de contribuição até o momento de 33 anos. Ele quer saber como fica a situação dele com a reforma da Presidência.

Gláucia: Quem responde é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Dentro dos termos da reforma, ele vai se aposentar aos 55 anos de idade, que é a idade mínima quando a reforma começa a ser implantada. Portanto, ele não vai ter que esperar os 65 anos não, pode ficar tranquilo, 55 você se aposenta. Eu acredito que 55 anos para você é uma idade boa, não é, para se aposentar, para todos nós, não é? Porque é importante que, em primeiro lugar, você ter a garantia de que aos 55 anos você se aposenta, mas recebe aposentadoria. Não adianta aposentar aos 52 e depois ficar com medo depois que não vai receber direito daqui a alguns anos porque o governo quebrou. Portanto, fique tranquilo, você vai se aposentar e vai receber a sua aposentadoria no dia certo.

Roberto: E se assim como o José Rodrigues, você tem alguma dúvida sobre a reforma da Previdência, manda para a gente.

Gláucia: É só gravar uma mensagem e mandar para o nosso e-mail voz@ebc.com.br ou Whatsapp (61)99862-7345. Eu vou repetir, (61)99862-7345.

Roberto: A nossa produção vai procurar a resposta para você. Participe.

Gláucia: Quando você se reúne com outras pessoas para comprar algum produto em grande quantidade acaba conseguindo preços mais baratos, não é mesmo?

Roberto: Pois é, o mesmo acontece quando países se unem para comprar medicamentos. Um pacto entre países do Mercosul foi assinado hoje para compra conjunta de remédios de alto custo.

Gláucia: A medida pode significar uma economia de até 80% no preço dos produtos garantindo assim maior oferta de tratamentos à população dos países que integram o bloco.

Repórter Helen Bernardes: Ministérios da Saúde dos países que compõem o Mercosul anunciaram hoje que vão realizar novas compras conjuntas de medicamentos. Com pedido grande eles esperam conseguir preços mais baixos e assim economizar recursos. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, esteve hoje em Buenos Aires para a assinatura de pacto. Em entrevista à Voz do Brasil, ele explicou que agora começa a fase de negociação de alguns remédios, entre eles contra a Hepatite C, além de produtos oncológicos e antirretrovirais. Segundo Ricardo Barros, o objetivo do pacto é garantir o acesso da população à saúde de qualidade.

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Aumentamos o número de compras, conseguimos um preço mais barato também para o Brasil. Claro que a redução para o Brasil é menor. Uma compra que nós fizemos [ininteligível] ano passado eles tiveram 83% de desconto nos seus preços. Então isso ajuda muito ampliar o acesso à saúde das pessoas aqui no Mercosul.

Repórter Helen Bernardes: O ministro da Saúde também explicou que o governo trabalha com uma gestão mais eficiente do dinheiro e já conseguiu economizar bilhões em apenas um ano de governo.

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Precisamos insistir nesse modelo de compras porque já rendeu uma economia de 3,2 bi no primeiro ano da gestão. É muito dinheiro que foi todo reaplicado em mais serviço de saúde.

Repórter Helen Bernardes: Para se ter uma ideia desse modelo de pactuação, em 2015 o governo brasileiro realizou a compra de um medicamento para o tratamento do HIV junto com sete países. Somente para o Brasil, a aquisição representou uma economia de mais 14 milhões de dólares. Reportagem, Helen Bernardes.

Gláucia: 19h10 em Brasília.

Roberto: Brasil e China se encontram para definir lista de setores que vão receber investimentos de 20 bilhões de dólares.

Gláucia: E também vamos falar como o governo incentiva exportações de empreendedores e pequenos produtores rurais.

Roberto: É daqui a pouquinho, ainda desta edição.

Gláucia: Um dos maiores eventos de tecnologia do mundo está sendo realizado em Brasília neste feriado.

Roberto: É a Campus Party, que mistura palestras, exposições, arte, jogos e muita, muita tecnologia.

Gláucia: E o Governo Federal não ficou de fora, está levando as ações que vem desenvolvendo para usar a tecnologia a serviço dos cidadãos.

Roberto: A Telebrás também coloca internet de graça à disposição dos participantes. E é muita gente, devem passar pelo evento 40 mil pessoas até domingo.

Repórter Gabriela Noronha: Seja no computador ou no celular, o que importa na Campus Party é estar conectado. O evento é um verdadeiro espetáculo para os apaixonados por tecnologia, paixão que já contagiou o pequeno Pedro Canedo, de apenas sete anos.

Pedro Canedo: Porque eu gosto muito de informática e tecnologia.

Repórter Gabriela Noronha: Essa edição em Brasília tem um gosto especial para o pai de Pedro, Cleiton. Ele que é técnico em informática, conta que é a primeira vez que leva o filho ao evento.

Cleiton: Eu fui em São Paulo, ele gostou muito, ele viu as fotos, viu as filmagens que eu fiz e aí ele pediu que eu trouxesse ele.

Repórter Gabriela Noronha: Em Brasília, quatro mil pessoas pagaram ingresso para mais de 250 horas de atividades entre palestras e oficinas. O evento também conta com uma área aberta ao público. Entre as atrações gratuitas, um simulador de voo de asa-delta, de corrida de Fórmula 1 e até roquei com robôs. O evento com o apoio do Governo Federal. O diretor do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Otávio Caixeta, citou algumas iniciativas do governo na área.

Diretor do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Otávio Caixeta: Trabalharmos com as start-ups, tentar entender quais são os principais entraves e com programas que fazem aceleração e aportam recursos com start-up Brasil.

Repórter Gabriela Noronha: Na última quinta-feira o estande do Ministério foi palco do fórum Cidades Inteligentes. De acordo com Américo Bernardes, diretor do Departamento de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, durante todo o dia o fórum reuniu representantes do governo e sociedade civil para debater o assunto.

Américo Bernardes - diretor do Departamento de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: Construir políticas para que a gente possa desenvolver e implantar melhores serviços, mais transparência na gestão pública e mecanismos de participação dos cidadãos e das cidadãs da corresponsabilidade da construção desses ambientes inteligentes.

Repórter Gabriela Noronha: Para os participante da Campus Party a Telebrás está fornecendo uma internet de 20 gigas. O evento vai até domingo. Reportagem, Gabriela Noronha.

Gláucia: A gente já falou aqui hoje do trabalho do governo para atrair investidores, tanto que o presidente viaja na semana que vem para a Rússia e a Noruega.

Roberto: Essa mesma ação de encontros e conversas com empresários e líderes de outros países é constante.

Gláucia: Um dos nossos grandes parceiros é a China, que vai investir pesado por aqui.

Roberto: Nos próximos dois meses vai ser definida uma lista de projetos em áreas como infraestrutura, saneamento e energia que poderão ser financiados pelo Fundo Brasil-China.

Gláucia: Hoje representantes do governo brasileiro e empresários chineses se reuniram para discutir a lista de possíveis concessões.

Repórter Cleide Lopes: Desta vez os dois países sentaram à mesa para discutir novas possibilidades de investimentos com a criação do Fundo de Cooperação Brasil-China, assinado em outubro do ano passado. O aporte inicial do Fundo será de 20 bilhões de dólares, dos quais 15 bilhões vindos dos chineses e 5 bilhões de dólares disponibilizados por instituições financeiras como Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, e a Caixa Econômica Federal. O Fundo Brasil-China além de estimular a produtividade e a competitividade, vai representar uma fonte a mais de recursos para financiar projetos de infraestrutura e logística no Brasil. Um deles seria a conclusão da Ferrovia Norte-Sul, o que vai melhorar o escoamento da produção brasileira, como explica o secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Esteves Colnago Junior.

Secretário-executivo do Ministério do Planejamento - Esteves Colnago Junior: A ferrovia transcontinental ela pode entrar, o estudo ainda não saiu, mas a gente tem outras ferrovias, como a Norte-Sul, a Ferrogrão, que podem entrar e que também podem se juntar mais na frente com a Transcontinental.

Repórter Cleide Lopes: Para o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Jorge Arbache, o saneamento também está entre as prioridades de investimento.

Secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento - Jorge Arbache: A área de saneamento é uma área prioritária seja pelo lado do lixo e de seu tratamento, seja pelo lado de água e saneamento, o governo entende que os benefícios aqui são muito grandes, não apenas do ponto de vista social, mas também do ponto de vista ambiental e também dos negócios.

Repórter Cleide Lopes: Um novo encontro para definir projetos específicos brasileiros a serem financiados com capital chinês deve acontecer no próximo mês de agosto. Reportagem, Cleide Lopes.

Roberto: E além das grandes empresas, o Brasil também aposta nas micro e pequenas empresas, que agora tem um novo impulso para conquistar mercados lá fora.

Gláucia: É que uma parceria entre a APEX-Brasil e o SEBRAE vai apoiar esses empreendedores preparando e diminuindo as barreiras para levar os produtos a outros países e ter sucesso nas vendas.

Repórter Beatriz Amiden: Suco de caixinha. Daniel Ferfebal(F) não fazia ideia de que essa era a receita do seu sucesso. O negócio começou em 2014 e pouco tempo depois ele já alcançou o mercado internacional.

Daniel - Microempresário: Eu acho que o empresário tem que ter a cultura exportadora, tem que estar a fim de realmente fazer porque não é fácil, é difícil entrar em outro mercado, é muito trabalho, é muito suor e custa.

Repórter Beatriz Amiden: E justamente para que micro e pequenos empresários como Daniel possam ter mais suporte na hora de exportar seus produtos e serviços, a APEX-Brasil e SEBRAE assinaram um termo de cooperação técnica que vai diminuir as barreiras burocráticas e oferecer capacitação para essas empresas. É o que explica o diretor-presidente do SEBRAE, Guilherme Afif Domingos.

Diretor-presidente do SEBRAE - Guilherme Afif Domingos: O nosso papel agora é remover este entulho democrático que impede o livre trânsito de mercadorias e serviços para que a gente possa ter um tratado de livre comércio de pequenas empresas entre países.

Repórter Beatriz Amiden: Para Roberto Jaguaribi, presidente da APEX-Brasil, além de estruturar o mercado com regras mais flexíveis, é preciso ainda dar a elas instrumentos de qualificação técnica para fazer o seu produto sair do país e fazer sucesso.

Roberto Jaguaribi - presidente da APEX-Brasil: Uma aliança do SEBRAE com a APEX deu início a um processo de exportação dos componentes do setor de caçado, que é uma coisa que virou muito importante já, e como esta, muitas outras iniciativas se formaram no âmbito dessa parceria e eu tenho certeza que vamos prosperar muito também.

Repórter Beatriz Amiden: O acordo vale por dois anos e tem pontos principais: Sensibilização e capacitação de empresários, apoio à promoção e comercialização dos produtos e serviços e de acordos bilaterais com países do Mercosul que derrubam as barreiras burocráticas para os empresários. Reportagem, Beatriz Amiden.

Roberto: A agricultura familiar também abre espaço em outros países.

Gláucia: E eles contam com a ajuda do governo que incentiva esses produtores com a participação feiras internacionais.

Roberto: No fim deste mês pequenos produtores que foram selecionados vão a uma feira na África do Sul. Eles vão exibir seus produtos para atrair novos consumidores.

Repórter Raquel Mariano: Sol intenso e pouca chuva. Esse clima típico do semiárido brasileiro é ideal para o cultivo do sisal. Das fibras dessa planta é possível produzir tapetes, carpetes e cordas, por exemplo. E é Valente, cidade localizada no semiárido baiano que fica um dos mais importantes produtores desse material, é a Apaeb. São cercas de 170 pequenos produtores que juntos empregam 250 funcionários e exportam tapetes e capachos para a América do Sul, Europa e Estados Unidos. O Iran Oliveira, gerente comercial da Apaeb, nos conta que a associação ajuda o produtor a aumentar o lucro.

Iran Oliveira - gerente comercial da Apaeb: Então esses produtores se uniram e passaram a vender a produção em conjunto diretamente para a indústria e eliminar o atravessador e passaram a ter uma margem melhor.

Repórter Raquel Mariano: E essa é uma das associações que vai participar da Feira Internacional da África do Sul, a SAITEX. Lá esses empreendimentos de agricultura familiar podem ampliar a possibilidade de exportação para todo o mundo, como explica Urben Correa, coordenador de assessoria internacional da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário.

Urben Correa - coordenador de assessoria internacional da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário: No ano passado, com a [ininteligível] de seis expositores que foram ao estande da SEAF chegou a um milhão de dólares. Esse ano nós estamos com onze empreendimentos da agricultura familiar que estão indo. Uma das características importantes é que tem uma produção orgânica, então isso é um nicho de mercado que agrega valor e tem muito interesse no exterior.

Repórter Raquel Mariano: A feira acontece de 25 a 27 de junho em Joanesburgo, capital da África do Sul. Reportagem, Raquel Mariano.

Gláucia: E tem mais novidades para quem aposta no empreendedorismo.

Roberto: É, agora nós vamos falar de facilidades para empresas que vendem pela internet.

Gláucia: Essas lojas online podem armazenar os produtos nos correios que vão fazer a gestão do estoque, embalar e entregar as encomendar feitas pelo web.

Roberto: A reportagem Jéssica do Amaral conta para gente como esse serviço está apoiando e ajudando pequenos e médios empresários a ampliarem os seus negócios.

Repórter Jéssica do Amaral: O químico Igor Ramon realizou o sonho de abrir o próprio negócio criando uma loja virtual de tintas para cabelo, mas esbarrou em um problema, a dificuldade de atender aos crescentes pedidos dos clientes com a estrutura de uma pequena empresa.

Igor Ramon - químico: A maior dificuldade do e-commerce é o espaço físico que é limitado e o número de funcionários, que são poucos. Então se você vende muito você não consegue entregar os pedidos, e fora o tempo que você gasta.

Repórter Jéssica do Amaral: O químico encontrou uma solução logística barata e de alta tecnologia oferecida pelos Correios, que disponibilizam armazenagem e distribuição para micro e pequenas empresas de comércio eletrônico. Já são dois centros operados para estatal e outros quatro devem ser inaugurados ainda nesse semestre. Assim o Correios Log acaba se tornando uma ajuda e tanto para as empresas menores. É o que explica Lemoel Costa e Silva, chefe do departamento de soluções logísticas dos Correios.

Lemoel Costa e Silva - chefe do departamento de soluções logísticas dos Correios: Com essa solução você tem uma redução muito grande de custo e uma amplitude, nós conseguimos receber milhares de clientes.

Repórter Jéssica do Amaral: Para Igor Ramon, essa parceria não poderia vir em melhor hora.

Igor Ramon - químico: A gente contratou mais um funcionário, então a gente está crescendo a partir desse momento que a gente começou essa integração com os Correios.

Repórter Jéssica do Amaral: Empresas interessadas no serviço dos Correios podem acessar outras informações e fazer o cadastro pelo site blog.correios.com.br/correioslog. Reportagem, Jéssica do Amaral.

Gláucia: 19h22 em Brasília.

Roberto: Mais cidadania para milhares de detentos no Brasil.

Gláucia: Documentos pessoais como Certidão de Nascimento, Identidade e Certidão de Casamento podem ser emitidas de forma rápida e sem burocracia.

Roberto: É o Programa Identidade Cidadã do Departamento Penitenciário Nacional.

Repórter Luana Karen: Quando chegou à Penitenciária Feminina do Distrito Federal, a paranaense Jessi do Amaral não tinha ideia de onde andava a Certidão de Nascimento. Foi com o programa Identidade Cidadã que ela conseguiu obter a segunda via do documento.

Jessi do Amaral - detenta: Eu não sabia nem direito onde eu conseguiria essa Certidão, foi a Certidão de Nascimento, e teve o foi pessoal que veio para a gente fazer e eu achei importante e eu fiz aqui. Foi muito bom.

Repórter Luana Karen: Criada há dois anos, o Identidade Cidadão leva aos detentos a possibilidade de colocar os documentos em dia. Desde que começou a funcionar já fez mais oito mil atendimentos em 17 estados e este ano foi ampliado para levar além dos documentos atendimento de saúde, com a realização de testes rápidos e de vacinação. Mara Frei Barreto, coordenadora-geral de Promoção da Cidadania do Departamento Penitenciário Nacional explica como o programa funciona.

Mara Frei Barreto - coordenadora-geral de Promoção da Cidadania do Departamento Penitenciário Nacional: Começa com a Certidão de Nascimento e Casamento, depois tem a retirada do Registro Geral, o RG, CPF, Carteira de Trabalho, título de eleitor, certificado de reservista no caso dos homens, e o cartão SUS.

Repórter Luana Karen: Jessi já faz planos para quando sair da penitenciária.

Jessi do Amaral, detenta: Meu plano é sair daqui e mudar de vida totalmente, ter uma outra vida já com a documentação na mão para correr atrás dos meus objetivos, meus sonhos.

Repórter Luana Karen: Até o fim de 2017 o Identidade Cidadã vai passar por pelo menos mais três estados. Este ano o programa já esteve no Rio Grande no Norte, Ceará e no Amazonas. Reportagem, Luana Karen.

Gláucia: E Governo Federal liberou 50 milhões de reais para atender a população atingida pelas chuvas em municípios do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Roberto: O dinheiro vai destinado ao Ministério da Integração Nacional para Ações da Defesa Civil.

Gláucia: No início da semana o Ministério reconheceu a situação de emergência em 18 municípios afetados pela enxurradas e inundações no Rio Grande do Sul.

Roberto: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Gláucia: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da presidência da República.

Roberto: Com produção da empresa Brasil de comunicação.

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e um bom fim de semana.

Roberto: Boa noite para você e até segunda.