18 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Governo zera, mais uma vez, a fila do Bolsa Família. E mais de 800 mil famílias começam a receber o benefício neste mês. Adultos podem tomar, de graça, vacina contra o HPV nos postos de saúde. Convocados do INSS tem até segunda para agendar perícia e evitar cancelamento do benefício. Entregue Igrejinha de Ouro Preto, construída por Aleijadinho e que agora está restaurada.

audio/mpeg 18-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23389 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 18 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Governo zera mais uma vez a fila do Bolsa Família.

 

Nasi: E mais de 800 mil famílias começam a receber o benefício neste mês. Carolina Graziadei.

 

Repórter Carolina Graziadei: Ao todo 13 milhões 495 mil famílias fazem parte do programa.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Adultos podem tomar, de graça, a vacina contra o HPV nos postos de saúde.

 

Gabriela: Convocados do INSS têm até segunda para agendar perícia e evitar cancelamento do benefício.

 

Nasi: E vamos voltar no tempo, mais precisamente em Minas Gerais, no século 18.

 

Gabriela: É que foi entregue hoje a Igrejinha de Ouro Preto, que construída por Aleijadinho e que agora está restaurada. Warbe Kalil.

 

Repórter Warbe Kalil: A restauração foi conduzida pelo Iphan, com investimentos de R$4 milhões.

 

Nasi: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Nasi: Pela terceira vez este ano o Ministério do Desenvolvimento Social zera a fila de espera do Bolsa Família.

 

Gabriela: Neste mês de agosto 828 mil famílias que estavam inscritas no Cadastro Único vão receber o benefício pela primeira vez.

 

Nasi: O pagamento começa a ser feito a partir de hoje.

 

Repórter Carolina Graziadei: Ao todo 13 bilhões 495 mil famílias fazem parte do programa, elas receberão mais de R$2 bilhões R$425 milhões que serão pagos pelo Governo Federal a partir desta sexta-feira. A Alessandra Morais Vidigal, de 36 anos, está na expectativa, casada e mãe de dois filhos, ela receberá R$185,00 do programa pela primeira vez. Ela conta que o dinheiro vem em boa hora e que usará o benefício com os filhos.

 

Entrevistada Alessandra Morais Vidigal: Eu, no momento, estou precisando muito, mas, em nome da Jesus, eu vou ter um trabalho. Então, com certeza vai ser tirado de mim para dar para as pessoas que realmente precisam.

 

Repórter Carolina Graziadei: E é para mudar cada vez mais a realidade destas famílias e para que a benefício chegue a quem realmente precisa que o Governo Federal vem aperfeiçoando os mecanismos de controle. Com o cruzamento de dados com diversas bases de informações, pessoas que tinham renda maior que a declarada foram excluídas do programa, abrindo espaço para quem se enquadra nas regras, mas aguardava na fila. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, afirma que mais uma vez o governo demonstra o compromisso com as famílias mais pobres.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: O que acontece esse mês é parte desse esforço. Esse ano já é o terceiro mês durante o ano que zeramos a fila. Não tem ninguém mais esperando na fila do Bolsa Família. É claro que todo mês isso pode mudar, mas isso é graças ao processo de pente-fino, de tirar do Bolsa Família as pessoas que tinham renda alta, que não precisavam estar no Bolsa Família, e, que, por isso, saíram do Bolsa Família para dar lugar justamente a quem mais precisa.

 

Repórter Carolina Graziadei: Para saber o dia em que poderá sacar o dinheiro o beneficiário deve ficar atento ao seu Número de Identificação Social, o NIS, que está impresso no cartão do programa. Os que terminam com número um podem sacar no primeiro dia de pagamento, os com final dois, no segundo dia, e, assim por diante. O benefício fica disponível para saque por até 90 dias. Para dúvidas o cidadão pode ligar para o telefone: 0800-707-2003. Reportagem, Carolina Graziadei.

 

Gabriela: Termina na próxima segunda-feira o prazo para agendamento das perícias de 55 mil pessoas que recebem o auxílio-doença e foram convocadas pelo INSS.

 

Nasi: O edital com a lista dos beneficiários foi publicado no Diário Oficial da União no início do mês.

 

Gabriela: Os convocados são aqueles que recebem o auxílio-doença há mais de dois anos e não passaram por perícia. Eles fazem parte de um programa de revisão dos benefícios para combater fraudes.

 

Repórter André Luiz Gomes: O agendamento é obrigatório e deve ser feito exclusivamente pelo telefone 135. Não é preciso ir até a uma agência do INSS para fazer a marcação da perícia. O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, explica o que pode ocorrer caso o beneficiário não atenda à convocação.

 

Secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: O Ministério do Desenvolvimento Social está fazendo os todos esforços para garantir que todas as pessoas sejam notificadas e tenham conhecimento da revisão do benefício, assim, a partir do edital, todos os beneficiários terão até o dia 21 de agosto para entrar em contato com o 135 e marcar sua perícia. A partir daí quem não marcar a perícia terá seu benefício bloqueado, mas, mesmo depois disso, existe um prazo ainda da 60 dias para que o beneficiário possa se manifestar e marcar seu exame. Se ele não fizer dentro dos próximos 60 dias, aí, sim, é cancelado.

 

Repórter André Luiz Gomes: Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, o pente-fino nos benefícios faz parte de um processo de melhoria da gestão dos programas sociais. O objetivo é garantir que os recursos públicos cheguem a quem realmente precisa. A lista com os nomes dos beneficiários convocados pelo INSS está disponível no site do Ministério do Desenvolvimento Social, o endereço é: www.mds.gov.br. Reportagem, André Luiz Gomes.

 

Nasi: Pessoas que viviam nas ruas em situação de vulnerabilidade e que agora têm trabalho, renda e novas perspectivas.

 

Gabriela: E essa mudança de rumo foi possível com o apoio do Programa Nacional Social do Ministério do Trabalho, o Pronacop.

 

Nasi: Nos últimos anos, 9 mil pessoas puderam tirar uma renda com o programa e sair da rua. Quem conta melhor como ele funciona é a repórter Mara Kenupp.

 

Repórter Mara Kenupp: A catadora de materiais recicláveis, Francisca Maria Bezerra, todos os dias pela manhã se reúne com outros colegas para planejar o trabalho a ser feito nas ruas de Brasília. Por mês o grupo recolhe 76 toneladas de materiais.

 

Catadora de materiais recicláveis - Francisca Maria Bezerra: Por dia, só o material reciclável, de garrafa e latinha misturada, eu faço R$26,00.

 

Repórter Mara Kenupp: São 26 catadores que fazem parte de um projeto chamado Pop Rua, que desenvolvido pelo Instituto Ipês de Economia Solidária. As ações do projeto são voltadas para pessoas em situação de vulnerabilidade social e todos se unem em torno do cooperativismo, um trabalho que mudou a vida de David Nazário, de 22 anos. Ele conta que ficou em situação de rua depois de um desentendimento familiar. David há cinco anos se integrou o projeto e disse que seu sonho é progredir e ajudar outras pessoas.

 

Entrevistado - David Nazário: Muitas pessoas falaram: "Isso não vai dar certo. Isso é bobagem". Mas eu fui fundo, eu persisti, vamos dar toda a oportunidade de mudança de vida para todas essas famílias.

 

Repórter Mara Kenupp: O Instituto Ipês de Economia Solidária é uma das instituições que executa projetos por meio de convênio com o Pronacop. A coordenadora do Pop Rua, Daniele Pereira Braga, explica que o Pronacop é um programa abrangente.

 

Coordenadora do Pop Rua - Daniele Pereira Braga: Ele não visa só questão do trabalho e renda, ele visa a questão da habitação, trabalho e renda, capacitação.

 

Repórter Mara Kenupp: Em quatro anos de existência o Pronacop já beneficiou 9 mil pessoas em cinco estados e no Distrito Federal. Foi o que explicou o subsecretário de economia solidária do Ministério do Trabalho, Natalino Oldakoski.

 

Subsecretário de economia solidária do Ministério do Trabalho - Natalino Oldakoski: Preocupação do Ministério qual que é? Resgatar as pessoas nas suas mais diversas condições para que eles tenham a sua condição de trabalho e renda resgatando a cidadania.

 

Repórter Mara Kenupp: Para desenvolver o Pop Rua, o Instituto Ipês recebeu do Pronacop R$720 mil. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gabriela: Você ouviu ontem aqui na Voz do Brasil que o Governo Federal vem trabalhando com os países vizinhos do combate ao contrabando de armas, o tráfico de drogas e o crime organizado.

 

Nasi: Depois de Colômbia, Peru e Bolívia, agora vai ser a vez de se encontrar com Paraguai.

 

Gabriela: O presidente paraguaio vem ao país na segunda-feira. Além do combate aos crimes de fronteira, a conversa com o Presidente Michel Temer vai abordar o Mercosul e a situação da Venezuela.

 

Repórter Paulo La Salvia: No encontro o Presidente Michel Temer e o presidente paraguaio, Horacio Cartes, vão conversar sobre o combate ao tráfico de drogas, armas e outros crimes de fronteira. Integrantes do Mercosul, os dois países também vão discutir a grave crise política e econômica da Venezuela, é o que afirma o porta-voz da presidência, Alexandre Parola.

 

Porta-voz da presidência - Alexandre Parola: Os dois presidentes tratarão igualmente de questões regionais, examinarão, em particular, a situação da Venezuela. O presidente Temer e o presidente Cartes avaliarão os resultados das mais recentes operações conjuntas de combate ao crime organizado a fim de garantir a eficácia das ações futuras.

 

Repórter Paulo La Salvia: Segundo o Banco Central, o Brasil é segundo maior investidor estrangeiro direto na economia paraguaia com um estoque de investimentos de US$200 milhões. O Brasil também é o maior comprador de produtos paraguaios. Os dois países ainda compartilham uma fronteira de 1.300 quilômetros e cerca de 300 mil brasileiros vivem no país vizinho. Reportagem Paulo La Salvia.

 

Gabriela: 19h10 em Brasília.

 

Nasi: E daqui a pouco você ouvinte vai voltar no tempo com a gente.

 

Gabriela: É que vamos falar da restauração da Igrejinha de Ouro Preto, onde está um pedaço da história e da cultura do nosso país.

 

Nasi: A vacinação contra o HPV, que causa doenças como câncer do colo de útero, foi ampliada.

 

Gabriela: A medida, que é temporária, vale para as cidades onde tem estoques disponíveis da vacina.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Homens e mulheres de 15 a 26 anos agora também podem se vacinar contra o HPV. A medida é temporária e a imunização foi estendida para outras faixas etárias porque ainda restam 60 mil doses da vacina em estoque, que vencem no mês de setembro. Cada estado é responsável por distribuir as vacinas nos municípios. João Paulo Toledo, diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, explica que a população deve procurar os postos de saúde e verificar sobre a disponibilidade.

 

Diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde - João Paulo Toledo: É importante que todas as pessoas de 15 a 26 anos de idade procurem os postos de saúde, né, nas suas cidades para serem vacinados contra o HPV, além da população de meninos de 11 a 13 anos de idade e de meninas de nove a 14 anos de idade para tomarem as duas doses da vacina de HPV.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A vacina contra o HPV previne contra quatro tipos de vírus, que são os mais perigosos e que podem causar alguns tipos de câncer, como de que colo de útero, que é a quarta maior causa da morte em mulheres no Brasil. O público-alvo da vacina são meninas de nove a 14 anos e meninos de 11 a 13 anos. João Paulo Toledo destaca que a população tem resistência à vacina do HPV, e, por isso, há muitas doses sobrando, mas ele garante que a vacina é segura e eficaz.

 

Diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde - João Paulo Toledo: A população teme na vacina de HPV justamente por desconhecer as implicações que decorrem da não vacinação do HPV. Ela é uma vacina segura, ele é eficaz, ela previne contra determinados tipos de câncer da região genital, e, muitas vezes, as pessoas, elas não procuram o centro de saúde para tomar a vacina por temer que a vacina possa trazer algum efeito colateral, e a vacina é uma vacina segura.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Desde o início da vacinação, em 2014, até junho desse ano já foram aplicadas 18 milhões de doses na população feminina em todo o país. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Nasi: Brinquedos, tênis, peças de automóvel. As impressoras 3D de já são uma realidade e o uso delas para criar objetos tem sido cada vez mais comum.

 

Gabriela: É, Nasi, não demorou muito para que essas máquinas também ajudassem a medicina.

 

Nasi: É isso mesmo, a tecnologia tem auxiliado médicos e principalmente pacientes no hospital especializado em cirurgias na coluna, joelho, pés, braços e ombros, e é mantido pelo Ministério da Saúde.

 

Gabriela: O atendimento é feito de graça pelo SUS e é considerado referência em todo o Brasil.

 

Nasi: Quem conta os benefícios das impressoras 3D no hospital é a repórter Natália Melo.

 

Repórter Natália Melo: Quem olha para o seu Adiel da Silva caminhando pelas ruas da Rio de Janeiro nem desconfia que ele acabou de operar o ombro. O aposentado de 81 anos foi o primeiro no país a colocar uma prótese com ajuda da tecnologia 3D. Um método que evita sequelas e oferece aos pacientes uma melhor recuperação.

 

Aposentado - Adiel da Silva: Realmente foi essa máquina nova que chegou ao hospital, uma máquina de tecnologia, como se diz, de ponta, né, 3 de. Não sei se tem alguma coisa... qualquer coisa ligada com a Nasa, que eu não sei bem. Mas acho que foi desenvolvida pela Nasa, uma coisa parecida.

 

Repórter Natália Melo: É isso mesmo, seu Adiel, e o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, o Into, é o único no Brasil a utilizar essa tecnologia. Uma impressora 3D gera moldes e guias de plástico para que os médicos tenham mais precisão na hora de colocar as próteses. O cirurgião-chefe do instituto, Geraldo Mota, explica como a tecnologia funciona para a área da ortopedia.

 

Cirurgião-chefe do instituto - Geraldo Mota: A proposta é que surgiu, ela veio a utilizar-se dessas informações que a gente tem, que até hoje a gente interpretava a partir dos nossos olhos, numa confecção, no desenvolvimento de um software. Esse software, ele, de fato, gera informações, essas informações vão gerar um guia, o que a gente chama de um guia, para que você possa determinar o correto posicionamento de uma prótese de substituição articular.

 

Repórter Natália Melo: O cirurgião lembra que a nova tecnologia ajuda principalmente os pacientes com lesões mais graves na articulação e que não teriam a possibilidade de um tratamento bem-sucedido com o método tradicional. Ele fala dos vários benefícios que a técnica oferece.

 

Cirurgião chefe do instituto - Geraldo Mota: O que é preciso gera menos imperfeições na realização de qualquer ato cirúrgico. Isso então é bom para o doente porque não tem complicações. A outra coisa, assim, você agride menos o doente, o tempo cirúrgico é menor e com isso tudo, isso tudo é superusufruído pelo doente, ele tem menos chance de ter que fazer uma transfusão sanguínea, ele fica menos tempo internado.

 

Repórter Natália Melo: A técnica de saúde bucal, Renata Moura, é mais uma paciente do Into que colocou prótese, é a segunda cirurgia que ela faz no ombro, mas é a primeira vez que tem uma recuperação tranquila. Ela atribui o sucesso à tecnologia 3D.

Técnica de saúde bucal - Renata Moura: Eu creio sim, porque da primeira vez foi terrível. Então, eu acredito, né, que a tecnologia fez toda a diferença. Uma das primeiras coisas que eu espero é retomar minha vida.

 

Repórter Natália Melo: Já seu Adiel continua com a rotina de sempre e diz que não tem do que reclamar.

 

Aposentado - Adiel da Silva: Não mudou nada. Só mudou que tenho que ficar em casa, não posso fazer extravagância, estou, como se diz, cumprindo o que o médico me recomendou para dar tudo certo, porque já deu certo, graças a Deus, ré? Então, daqui para frente só coisa boa.

 

Repórter Natália Melo: Em cinco anos o Into reduziu de 22 mil para 11 mil o número de cirurgias em espera. Com a nova tecnologia a ideia é diminuir ainda mais esse tempo. Os especialistas do instituto também já se preparam para substituir braços, pernas e pés amputados com a ajuda do equipamento. Reportagem, Natália Melo.

 

Gabriela: E os pacientes aprovam o atendimento nos hospitais federais do Rio de Janeiro.

 

Nasi: Em pesquisa de satisfação realizada pelo Ministério da Saúde, as unidades tiveram nota 9,6.

 

Repórter Carolina Rocha: A avaliação foi feita por mais de 700 pacientes que foram atendidos em uma das seis unidades federais de saúde do Rio de Janeiro. Só no primeiro semestre, toda a rede foi responsável por mais de 26.500 internações, 5% a mais do que no mesmo período do ano passado. A avaliação positiva foi recebida com satisfação pelo Ministério da Saúde, como explica Marcos Vinícius Dias, diretor do Departamento de Gestão Hospitalar.

 

Departamento de Gestão Hospitalar - Marcos Vinícius Dias: Nós estamos atendendo mais e melhor, o que nos enche de orgulho.

 

Repórter Carolina Rocha: A equipe médica e o serviço social foram os setores mais bem avaliados na pesquisa, segundo Marcos Vinícius Dias, do Ministério da Saúde.

 

Departamento de Gestão Hospitalar - Marco Vinícius Dias: Nosso grande patrimônio é o nosso servidor, que é um setor diferenciado, dedicado hiperqualificado e refletiu esse resultado global muito satisfatório essa avaliação.

 

Repórter Carolina Rocha: Além do número de internações, a rede aumentou um 2017 também os atendimentos de emergência, consultas ambulatoriais e cirurgias. A fila para cirurgias diminuiu pela metade. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Gabriela: Facilitar e tornar mais rápido o trânsito de passageiros nos aeroportos é um dos objetivos do Programa Nacional de Facilitação do Transporte Aéreo.

 

Nasi: O documento reúne orientações para órgãos que atuam nos aeroportos brasileiros e foi publicado hoje no Diário Oficial.

 

Repórter Gabriela Noronha: Nos terminais de todo a país há uma infinidade de gente indo e vindo, e nem sempre os passageiros saem satisfeitos. Nilda Ismael, atleta que jogava na Seleção Feminina de Futebol, desembarcou nesta sexta-feira em Brasília e conta que já teve vários problemas nos terminais.

 

Atleta que jogava na Seleção Feminina de Futebol - Nilda Ismael: Bagagem que sumiu e voltou dois dias depois. Tem até um caso do meu cachorro, que eu trouxe ele aqui para Brasília de São Paulo e aqui no aeroporto de Brasília eles deixaram ele fugir.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para facilitar o embarque e o desembarque de passageiros em todo o país e reduzir o tempo mínimo de espera nos terminais, foi publicado nesta sexta-feira um conjunto de orientações para os órgãos público, autarquias e também para empresas que atuam dos aeroportos brasileiros. Entre os itens estão a facilitação no trânsito de aeronaves civis, tripulantes, passagens, bagagens e cargas. Algumas medidas já estão em vigor, como o sistema de controle eletrônico de passaportes em operação no Galeão, no Rio de Janeiro, em Cofins, Minas Gerais, e, em Guarulhos e Viracopos, em São Paulo. A diretora do Departamento de Planejamento e Gestão Aeroportuária do Ministério dos Transportes, Fabiana Todesco, explica que a ideia é usar a tecnologia para melhorar os processos e aumentar a segurança.

 

Diretora do Departamento de Planejamento e Gestão Aeroportuária do Ministério dos Transportes - Fabiana Todesco: O passageiro vai ter a possibilidade de gastar mais o seu tempo com lojas do que ficar numa fila esperando fazer check in ou passar no raio x ou da questão do passaporte. Sem abrimos mão da segurança, não é simplesmente liberalizar as regras, e, sim, torná-las em um processo seguro e eficiente na experiência do passageiro no aeroporto.

 

Repórter Gabriela Noronha: As orientações constam de um documento chamado Programa Nacional de Facilitação do Transporte Aéreo, que também prevê a compra de equipamentos voltados para atender passageiros com necessidade de assistência especial. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: 19h20 em Brasília.

 

Nasi: Ministério do Esporte deu início a uma investigação sobre fraudes no programa Bolsa Atleta. A reportagem Nathália Koslyk tem os detalhes.

 

Repórter Nathália Koslyk: Começou hoje uma operação que vai investigar desvios no Bolsa Atleta, programa que patrocina atletas brasileiros de alto rendimento com chances de medalha. A investigação partiu de uma denúncia do próprio Ministério do Esporte. Em 2012 a coordenação do Bolsa Atleta identificou possível fraude no programa e instaurou uma apuração interna. A informação é de que os investigados inseriam dados de atletas fantasmas nos sistemas para desviar recursos do programa. Em um ano a quadrilha conseguiu criar 25 atletas fantasmas, o que causou um prejuízo que pode ter ultrapassado R$1 milhão. Desde 2005 o Bolsa Atleta já apoiou 23 mil atletas. Nos jogos Rio 2016, 18 das 19 medalhas olímpicas e todas as 72 paralímpicas foram conquistadas por integrantes do Bolsa Atleta. Segundo o Ministério do Esporte, esse é o maior programa de patrocínio individual de atletas no mundo. Nathália Koslyk para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: E a gente fecha a Voz do Brasil de hoje voltando no tempo e na história.

 

Nasi: É que Ouro Preto, em Minas Gerais, recebeu hoje a primeira etapa de restauração de um dos seus maiores patrocínios.

 

Gabriela: É a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que começou a ser construída no século 18.

 

Nasi: A obra foi iniciada pelo pai de Aleijadinho, um dos maiores artistas da arte barroca brasileira.

 

Repórter Warbe Kalil: São quatro séculos de história. Outro Preto se destacou na época da corrida pelo ouro, por volta de 1770. Hoje a cidade está entre os 65 destinos turísticos mais importantes do país e recebe por ano mais de 500 mil turistas. As ladeiras casarões e igrejas encantam quem visita à cidade, como Mateus Guimarães, que é gestor de projetos e está em Ouro Preto pela terceira vez.

 

Gestor de projetos - Mateus Guimarães: É um visual incrível e também a quantidade de atividades culturais que a cidade tem. Cada esquina é uma coisa, é um músico, é grupo de teatro. Sério, aqui é incrível.

 

Repórter Warbe Kalil: Hoje, Ouro Preto está em festa, o Iphan entregou a primeira etapa da restauração da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, um investimento de cerca de R$4 milhões. A igreja começou a ser construída em 1705, pelo pai do famoso escultor de arte barroca, o Aleijadinho, como explica o secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni Moreira.

 

Secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto - Zaqueu Astoni Moreira: A atribuição da autoria do risco da igreja é do pai do Aleijadinho, Manuel Francisco Lisboa. E o Manuel Francisco Lisboa está sepultado juntamente com o Aleijadinho neste templo religioso, no altar da Nossa Senhora da Boa Morte.

 

Repórter Warbe Kalil: Igreja foi tombada elo Iphan em 1939. A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, Kátia Bogéa, explica o que foi restaurado na primeira etapa com recursos do PAC Cidades Históricas.

 

Presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Kátia Bogéa: Foi feita toda a parte de engenharia, ou seja, o telhado todo, toda a parte estrutural, toda a parte de engenharia, né? Estrutura externa, agenciamento, tudo.

 

Repórter Warbe Kalil: Para Fernanda Tropia Costa, proprietária de uma pousada na cidade, as obras do PAC Cidades Históricas que vêm acontecendo despertaram nos moradores de Ouro Preto o sentimento de zelar pelo patrimônio da cidade.

 

Proprietária de uma pousada na cidade - Fernanda Tropia Costa: Ouro Preto tem gente muito cuidadosa, muito carinhosa. Como moradora, como cidadã ouro-pretana, eu me sinto no dever de cuidar da minha cidade.

 

Repórter Warbe Kalil: A segunda etapa das obras começa nesta sexta-feira ao curso de R$6 milhões. Serão restauradas as obras de arte e objetos na igreja, que vai permanecer aberta à visitação. Reportagem, Warbe Kalil.

 

Gabriela: E foi prorrogado até a próxima terça-feira o prazo para as inscrições no Pronatec, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego.

 

Nasi: São mais de 500 mil vagas gratuitas e as inscrições devem ser feitas pela internet no endereço: www.sistec.mec.gov.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma Boa noite e bom fim de semana.

 

Gabriela: Boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".