19/12/2016 - A VOZ DO BRASIL

Mineradora inaugura maior empreendimento do setor no Brasil. Ministério libera mais de R$ 235 milhões para pesquisas científicas, que incluem estudos sobre o vírus zika. Minha Casa Minha Vida entrega residências no Maranhão e no Amazonas. Tudo isto você ouviu nesta segunda-feira em A Voz do Brasil!

audio/mpeg 19 12 2016 - Voz do Brasil.mp3 — 23951 KB




Transcrição


A VOZ DO BRASIL - 19/12/2016

 

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19h00.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje.

 

Gláucia: Boa noite.

 

Airton: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gláucia: Segundafeira, 19 de dezembro de 2016.

 

Airton: E vamos ao destaque do dia: mais de R$ 230 milhões vão ser investidos em pesquisas.

 

Gláucia: Descobrir uma vacina e como se desenvolve o zika vírus é um dos objetivos. Nazi Brum.

 

Repórter Nazi Brum: Projetos que preveem ações como, por exemplo, o desenvolvimento de vacinas e o aperfeiçoamento de tecnologias para diagnosticar problemas causados pelo zika, como a microcefalia.

 

Airton: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

 

Gláucia: Inaugurado no Pará um dos maiores empreendimentos da indústria de mineração do mundo.

 

Airton: Para o presidente Michel Temer, o projeto reforça a retomada do crescimento e a geração de mais empregos para os brasileiros.

 

Presidente Michel Temer: O que nós estamos precisando, e estamos incentivando, é exatamente investimentos produtivos, e esse investimento vai gerar naturalmente muitos empregos.

 

Gláucia: E a gente vai explicar direitinho quem tem direito ao Seguro-Desemprego e como que você deve solicitar o benefício.

 

Airton: A Voz do Brasil na apresentação de Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Gláucia: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta clicar www.voz.gov.br.

 

Airton: Mais recursos para a pesquisa e inovação.

 

Gláucia: O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações assinou hoje vários convênios que vão destinar quase R$ 235 milhões para pesquisas.

 

Airton: Entre os projetos estão pesquisas sobre o vírus zika e também para investimentos em instituições científicas e tecnológicas.

 

Repórter Nazi Brum: Na chamada pública contra o zika, recursos de R$ 27,5 milhões vão financiar cinco projetos da Fiocruz, a Fundação Oswaldo Cruz, que preveem ações como, por exemplo, o desenvolvimento de vacinas e o aperfeiçoamento de tecnologias para diagnosticar problemas causados pelo zika, como a microcefalia. O presidente da fundação, Paulo Gadelha, falou sobre a importância do financiamento.

 

Presidente da Fundação Oswaldo Cruz - Paulo Gadelha: A capacidade de resposta que foi dada pelo Sistema de Ciência e Tecnologia e pelo Sistema Único de Saúde é algo exemplar para a nossa experiência de atuarmos conjuntamente e é exemplar do ponto de vista de uma resposta da coordenação, o que foi feito no Brasil, e da coordenação e da abertura para se fazer isso com todas as mãos a nível nacional e internacional.

 

Repórter Nazi Brum: Outros R$ 193 milhões vão ser destinados a laboratórios usuários dos institutos ligados ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Os recursos podem ser aplicados na aquisição e manutenção de equipamentos e ainda para a contratação de pessoal qualificado. Na cerimônia em que foram assinados os convênios no Rio de Janeiro, Marcos Cintra, presidente da Finep, a Empresa Pública Brasileira de Estímulo a Pesquisas, disse que o setor público aumentou os investimentos em pesquisa e inovação.

 

Presidente da Finep - Marcos Cintra: Essa sinergia entre o setor produtivo brasileiro e os institutos de universidades aqui reunidos hoje podem sem dúvida alguma aumentar significativamente a produtividade dos recursos que estão sendo colocados à nossa disposição.

 

Repórter Nazi Brum: O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou que o esforço para apoiar ações de pesquisa vai continuar, porque essa é uma forma de vencer dificuldades econômicas.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Sabemos que não há crise e nenhum país do mundo, em nenhum momento da história da humanidade, que tenha conseguido ser bem sucedida no seu enfrentamento sem investimentos em pesquisas, ciência e inovação. É o caminho da superação.

 

Repórter Nazi Brum: Foi assinado ainda um convênio de R$ 14,3 milhões que vai permitir o desenvolvimento de pesquisas científica e tecnológica em diversas áreas, em instituições como o Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade do Estado do Amazonas. Reportagem, Nazi Brum.

 

Gláucia: E, além disso, a população também deve estar atenta nesse período de chuvas. Água parada nem pensar.

 

Airton: É, o governo também está preocupado com a prevenção de mulheres e crianças.

 

Gláucia: Por isso, o Ministério da Saúde está finalizando a seleção da empresa para a compra de repelentes que serão distribuídos para mais de 480 mil gestantes do BolsaFamília.

 

Airton: Segundo o secretárioexecutivo do Ministério da Saúde, Antonio Nardi, esse é mais um elemento de proteção na luta contra o mosquito e a microcefalia.

 

SecretárioExecutivo do Ministério da Saúde - Antonio Nardi: O público das gestantes é o público prioritário para prevenirmos contra a ação do zika vírus. Desta maneira, o governo federal estará adquirindo os repelentes que serão entregues para todas as gestantes acompanhadas pelo Programa BolsaFamília e, assim, essas gestantes poderão estar se prevenindo, mas principalmente prevenindo que novas crianças nasçam com o problema da microcefalia.

 

Gláucia: Neste momento o Ministério faz a análise das propostas de cada empresa. A compra será feita ainda este ano e deve começar a distribuir o produto em até 15 dias após a assinatura de contrato com o Ministério da Saúde.

 

Airton: Já empresas brasileiras que trabalham com telecomunicações vão ter à disposição R$ 200 milhões para investir em inovação.

 

Gláucia: É, a ideia é que elas apresentem seus projetos para ampliar ou melhorar as tecnologias que trabalham.

 

Airton: Para o cidadão lá na ponta isso significa mais segurança e rapidez na troca de dados pela internet, por exemplo.

 

Repórter Mara Kenupp: São R$ 200 milhões para equipar e estruturar empresas brasileiras na área de comunicação e tecnologia. O presidente do Conselho Gestor do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Comunicações, Funttel, Maximiliano Martinhão, falou sobre a importância da assinatura do contrato.

 

Presidente do Conselho Gestor do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Comunicações - Maximiliano Martinhão: São recursos muito atrativos, não é, muito favoráveis ao investimento da iniciativa privada e que ao longo dos anos, da experiência que nós temos, tem sempre contribuído muito para a inovação em nosso país.

 

Repórter Mara Kenupp: O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, Gilberto Kassab, disse que a ideia da parceria é promover a inovação no país.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação - Gilberto Kassab: Historicamente ao longo dos últimos anos todos os projetos tiveram um resultado muito positivo, não apenas para a Finep, mas para o país, e não será diferente ao longo de 2017, no aproveitamento desses R$ 200,5 milhões.

 

Repórter Mara Kenupp: Tudo para facilitar a vida do cidadão comum na era tecnológica, como o envio rápido de informações, a segurança da comunicação e a garantia do arquivamento de dados digitais, como explica o presidente da Financiadora de Estudos e Projetos, Finep, Marcos Cintra.

 

Presidente da Finep - Marcos Cintra: Inovação não é uma coisa da universidade, não é uma coisa das empresas sofisticadas, não. É uma coisa que atinge o cidadão comum na medida em que ele torna os produtos mais baratos, mais diversificados e garante emprego.

 

Repórter Mara Kenupp: As empresas interessadas em todo o país vão poder apresentar projetos e os recursos vão ser liberados a partir de março de 2017. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gláucia: Inaugurada em Canaã dos Carajás, no Pará, um dos maiores empreendimentos da indústria da mineração do mundo.

 

Airton: O presidente Michel Temer iria participar da inauguração da obra durante o fim de semana, mas as fortes chuvas que caíram na região impediram o pouso de aviões.

 

Gláucia: O complexo, que inclui mina, usina de processamento e até uma ferrovia, recebeu investimentos bilionários da Mineradora Vale.

 

Airton: A repórter Paola de Orte foi até Canaã dos Carajás para conhecer como a obra criou oportunidades para milhares de pessoas e a importância que ela tem para a retomada do crescimento econômico do Brasil.

 

Repórter Paola de Orth: Vão ser 75 milhões de toneladas de minério de ferro produzidas por ano em Canaã dos Carajás. Para alcançar esse número, foram investidos US$ 6,4 bilhões na implantação da mina e da usina do complexo, e outros US$ 8 bilhões para escoar a produção, incluindo a expansão da estrada de ferro Carajás, que sai do sudeste do Pará e vai até São Luís do Maranhão, onde o material é colocado em navios e exportado para a China, Japão e outros países. O produto vai para o exterior, mas a receita fica no Brasil e já trouxe desenvolvimento para a região. Marlene da Conceição veio de Jacundá, cidade a pouco mais de 300 quilômetros de Canaã, e, hoje, trabalha em uma pousada. Os investimentos da indústria mineradora movimentaram a economia da cidade e foi isso que deu a ela a oportunidade de um emprego melhor.

 

Emprega de Pousada em Canaã dos Carajás - Marlene da Conceição: Como eu morava em Jacundá e não tinha opção de nada, eu vim para cá e graças a Deus até hoje eu estou aqui. Eu não pretendo mudar daqui tão cedo, que eu acho um lugar muito bom.

 

Repórter Paola de Orth: Profissionais qualificados vieram de todo o Brasil para trabalhar no projeto. O fiscal de infraelétrica e infraestrutura, Natanael dos Reis Rosa, é de Minas Gerais e não pretende deixar o Pará tão cedo.

 

Fiscal de Infraelétrica e Infraestrutura - Natanael dos Reis Rosa: É um investimento, a estrutura traz, assim, novas oportunidades, né, e a gente está agarrando essa oportunidade aí. Eu pretendo ficar com certeza e aprimorar mais, ganhar mais cargos novos aqui, lutar pelos meus objetivos aqui.

 

Repórter Paola de Orth: Durante o pico do período de obras, o complexo empregou 40 mil pessoas. Hoje, são 15 mil. E quando as obras estiveram prontas, serão 2.700 empregos diretos e 10 mil indiretos. A produção de minério de ferro em Canaã dos Carajás utiliza menos água do que as minas tradicionais e não precisa de barragem de rejeitos, o que diminui os impactos no meio ambiente. O presidente da Vale, Murilo Ferreira, destacou que a empresa escolheu apostar no Brasil.

 

Presidente da Vale - Murilo Ferreira: Nós nunca deixamos de acreditar que nós estávamos fazendo o novo. Sabemos que o Brasil passa por uma dificuldade muito grande, mas nem por isso nós demos as costas a um passado grandioso para a Vale. Ele serviu de bússola para o nosso futuro.

 

Repórter Paola de Orth: O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho, explicou o significado da indústria para as exportações brasileiras.

 

Ministro de Minas e Energia - Fernando Bezerra Coelho: Num momento aonde o câmbio também está ajudando as exportações pela desvalorização do real frente ao dólar, eu não tenho dúvida nenhuma que um evento como esse, um empreendimento desse tamanho, anima investidores internacionais a poderem olhar o Brasil com muito mais atenção.

 

Repórter Paola de Orth: O presidente Michel Temer destacou a importância da obra. Em entrevista à Rádio Liderança do Pará, o presidente falou do papel do complexo na retomada do crescimento do país.

 

Presidente Michel Temer: O que nós estamos precisando e estamos incentivando é exatamente investimentos produtivos e este investimento vai gerar naturalmente muitos empregos. O tema do desemprego é um tema que nos mobiliza, que nos faz agir no governo, portanto, com uma responsabilidade social extraordinária. Nós estamos tomando atitudes muito sérias, muito responsáveis, que é para preparar o país de amanhã. Essas medidas que estamos tomando é para tirar o país da crise, e sobre tirar o país da crise, é também para gerar o desenvolvimento, o crescimento econômico, que é o que todos nós queremos.

 

Repórter Paola de Orth: O complexo entra em operação a partir de janeiro do ano que vem. Reportagem, Paola de Orte.

 

Gláucia: Mesmo depois de o governo da Venezuela ter fechado as fronteiras com o Brasil e a Colômbia, os brasileiros que estão no país já podem voltar para casa com segurança.

 

Airton: É, o Ministério das Relações Exteriores informou que as autoridades venezuelanas vão abrir a fronteira para os turistas brasileiros todos os dias às 2h00 da tarde, enquanto durar a determinação do governo da Venezuela.

 

Gláucia: Mas, atenção: os brasileiros que precisam fazer o trajeto devem incluir seus nomes na lista que será entregue às autoridades venezuelanas.

 

Airton: Para isso, todos devem procurar o Vice-Consulado em Santa Helena de Uairen, que fica na fronteira entre os dois países.

 

Gláucia: Na semana passada, o presidente venezuelano Nicolás Maduro decretou que as fronteiras fossem fechadas. Segundo ele, a decisão tem o objetivo de combater as máfias que entram no país para desestabilizar a economia. 19hs13min, no horário brasileiro de verão.

 

Airton: Você tem dúvida sobre SeguroDesemprego?

 

Gláucia: Então, daqui a pouco nós vamos explicar direitinho quem tem direito a responder perguntas dos nossos ouvintes.

 

Airton: Estudantes que não conseguiram uma vaga para a universidade pública por meio do Sisu, o Sistema de Seleção Unificada, podem cursar uma faculdade por meio do ProUni, o Programa Universidade para Todos.

 

Gláucia: O ProUni oferece bolsas de estudos integrais e parciais em universidades particulares.

 

Airton: No quadro "Para Você, Cidadão", de hoje, vamos conhecer quais são os critérios para um estudante concorrer a uma bolsa deste programa do governo federal. Daniel Costa.

 

>> "Para Você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: O Programa Universidade para Todos, mais conhecido como ProUni, oferece bolsas de estudo integrais e parciais. As bolsas são destinadas para os cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições de ensino superior privadas. Podem ter acesso às bolsas os estudantes que fizeram o ensino médio nas redes públicas ou da rede particular na condição de bolsistas integrais, com renda familiar per capta máxima de três salários mínimos. Os candidatos são selecionados pelas notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. O programa possui também ações conjuntas de incentivo à permanência dos estudantes nas instituições, como a Bolsa Permanência e, ainda, o Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies, que possibilita ao bolsista parcial financiar parte da mensalidade não coberta pela bolsa do programa. O ProUni já atendeu mais de 1,9 milhão de estudantes. Ele foi criado pelo governo federal em 2004. Em contrapartida, oferece isenção de impostos para as instituições que aderem ao programa.

 

>> "Para Você, Cidadão".

 

Gláucia: O estudante que tem interesse em concorrer a uma bolsa do ProUni deve ficar atento às datas e prazos de inscrição, que sempre são informados após a divulgação dos resultados do Sistema de Seleção Unificada, o Sisu.

 

Airton: O mercado financeiro melhorou mais uma vez as expectativas para a inflação no Brasil.

 

Gláucia: Os dados são do Boletim Focus e foram divulgados hoje pelo Banco Central.

 

Repórter Helen Bernardes: Os analistas esperam que o Índice de Preços ao consumidor Amplo, o IPCA, que mede a inflação no Brasil, termine o ano dentro da meta, em 6,49%. Esta é a primeira vez neste ano que os economistas projetam uma inflação dentro da margem perseguida pelo Banco Central. O centro da meta de inflação é de 4,5%, mas a margem de tolerância é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Por outro lado, o mercado reduziu o crescimento do PIB, o Produto Interno Bruto, para 2017. Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, isso se deve à queda no índice deste ano, o que acaba interferindo nas projeções para o ano seguinte.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Agora se nós compararmos o último trimestre de 2017 com o último trimestre de 2016, nós já estamos prevendo mais de 2% de crescimento. Portanto, isto é que vai ser percebido, em outras palavras, pela população brasileira, a melhora da margem.

 

Repórter Helen Bernardes: Para o ministro este é um processo normal, uma vez que o país enfrenta uma de suas maiores crises econômicas. Por outro lado, Meirelles explicou que o governo vem tomando todas as medidas para mudar este cenário.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Nós temos que saber que estamos tomando as medidas necessárias, controlar os gastos públicos, reforma da Previdência, mudanças fortes aqui na postura de combate à inflação, uma agenda de aumento da produtividade do Brasil anunciado na semana passada. Em resumo, é um projeto extenso de recuperação da economia brasileira.

 

Repórter Helen Bernardes: Henrique Meirelles também adiantou que o governo vai anunciar ainda neste mês medidas para compras através do cartão de crédito. Segundo ele, o governo estuda os prazos de recolhimento dos lojistas para cada compra ou até a redução de juros do cartão. Reportagem, Helen Bernardes.

 

Airton: O sonho da casa própria chegou hoje para mais de 4.500 famílias.

 

Gláucia: O ministro das Cidades, Bruno Araújo, visitou os municípios de Imperatriz, no Maranhão, e Manaus, no Amazonas, para entregar moradias do Minha Casa, Minha Vida.

 

Airton: O ministro comemorou a boa fase do programa e adiantou as expectativas de milhares de casas para o próximo ano.

 

Repórter Alessandra Bastos: Mais de quatro mil famílias realizaram nesta segundafeira o sonho da casa própria. O ministro das Cidades, Bruno Araújo, esteve na cidade de Manaus, capital do Amazonas, para entregar as moradias do Programa Minha Casa, Minha Vida.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: São hoje entregues ao estado do Amazonas 2.784 unidades, que totalizam investimentos em torno de R$ 180 milhões.

 

Repórter Alessandra Bastos: O ministro afirma que o programa está com as economias em dia e a expectativa para 2017 é de novas moradias e milhares de famílias com a casa própria em Manaus.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Nós agora temos o programa completamente em dia, com todos os pagamentos absolutamente normalizados, e para o ano de 2017 com a expectativa de mais de 600 mil contratos a serem assinados em todas as faixas do programa. Chegará novas habitações do Minha Casa, Minha Vida no estado do Amazonas.

 

Repórter Alessandra Bastos: O ministro esteve também na cidade de Imperatriz, no Maranhão, onde mais duas mil famílias também receberam as chaves da casa própria. O investimento na cidade foi de R$ 121 milhões. O conjunto habitacional abrange unidades adaptadas para pessoas com deficiência e estimase que oito mil pessoas sejam beneficiadas na região. Na última sextafeira, foram entregues também 504 moradias para famílias de Pesqueira, município de Pernambuco. Reportagem, Alessandra Bastos.

 

Airton: 19hs20min, horário brasileiro de verão.

 

>> "Você na Voz do Brasil".

 

Gláucia: O SeguroDesemprego é um programa do governo que garante uma renda durante um certo período ao trabalhador que foi dispensado sem justa causa.

 

Airton: Para ter direito ao benefício é preciso que o trabalhador cumpra alguns requisitos.

 

Gláucia: E hoje, aqui na Voz do Brasil, vamos esclarecer algumas dúvidas dos nossos ouvintes, como o da empregada doméstica Eliete, lá da Bahia. Vamos ouvir.

 

Empregada Doméstica - Eliete: Eu queria saber, que eu trabalho na casa há um ano e sete meses. A minha patroa falou que eu não tenho direito de ter o SeguroDesemprego ainda. Eu queria saber se eu tenho direito do SeguroDesemprego e se tenho direito... é... e estou sobreaviso. Boa noite.

 

Airton: E quem responde à dúvida da Eliete é a repórter Natália Koslyk. Boa noite, Natália.

 

Repórter Natália Koslyk: Boa noite, Eliete. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Nós procuramos o Ministério do Trabalho e Emprego para ter mais informações sobre o SeguroDesemprego no caso dos empregados domésticos. Vamos ouvir o que o Márcio Borges tem a dizer sobre isso. Ele é o coordenadorgeral de SeguroDesemprego, Abono Salarial e Identificação Profissional do MTE.

 

CoordenadorGeral de SeguroDesemprego, Abono Salarial e Identificação Profissional do Ministério do Trabalho e Emprego - Márcio Borges: Houve uma alteração na legislação que assegurou o direito do SeguroDesemprego a todo empregado doméstico, desde que sejam dispensados de forma involuntária, quer dizer, a dispensa não foi motivada pelos trabalhadores, mas pelos empregadores.

 

Repórter Natália Koslyk: Lembrando que para ter direito ao benefício, Eliete, o empregado doméstico tem que ter um mínimo de 15 meses de trabalho nos últimos dois anos. E em relação ao aviso prévio, a orientação do coordenador é que você procure uma superintendência do trabalho em seu município, porque há critérios diferenciados para cada trabalhador.

 

Gláucia: E, olha, recebemos muitas dúvidas sobre esse assunto aqui. Agora nós vamos ouvir a empregadora Fabiana, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

 

Empregadora - Fabiana: O meu nome é Fabiana e eu tenho uma dúvida a respeito de SeguroDesemprego para empregada doméstica ou babá, que seria o meu caso, né? A minha funcionária, ela trabalha comigo há 16 meses, duas vezes por semana, cinco horas a cada dia. Caso ela venha a ser demitida, ela terá direito ao SeguroDesemprego?

 

Airton: Vamos, então, à resposta da Fabiana com a Natália Koslyk.

 

Repórter Natália Koslyk: Olá, Fabiana. Vamos ouvir o que o Márcio Borges, coordenadorgeral de Seguro-Desemprego, tem a dizer no caso da sua babá.

 

CoordenadorGeral de SeguroDesemprego, Abono Salarial e Identificação Profissional do Ministério do Trabalho e Emprego - Márcio Borges: Certamente ela vai ter direito. Provavelmente essa pessoa está declarada como empregada doméstica em carteira como babá e ela vai ter direito, sim, ao SeguroDesemprego, aí no caso do valor de um salário mínimo durante o período de três meses.

 

Gláucia: E a repórter Natália Koslyk também vai responder à dúvida do Michel André.

 

Airton: Ele trabalha com carteira assinada, mas também é microempreendedor individual na Bahia.

 

Microempreendedor Individual - Michel André: Eu sou o Michel André. Sou de Muriti, na Bahia. Eu tenho um CNPJ como MEI, mas estou empregado numa empresa no momento. Se eu sair dessa empresa, eu teria direito a receber SeguroDesemprego?

 

Repórter Natália Koslyk: Olá, André. Vamos ao seu caso com o Márcio Borges, coordenadorgeral de segurodesemprego.

 

CoordenadorGeral de SeguroDesemprego, Abono Salarial e Identificação Profissional do Ministério do Trabalho e Emprego - Márcio Borges: Têm mecanismos para identificar se esse CNPJ, ele provém renda ou não. É isso que o Ministério do Trabalho precisa fazer. Então, nós admitimos nesse momento documentos autodeclaratórios em que manifesta: "Embora eu tenha esse CNPJ, meu CNPJ está inativo, eu não estou fazendo nada com ele, não possuo renda".

 

Repórter Natália Koslyk: Terminamos aqui, então, os esclarecimentos sobre o SeguroDesemprego. É com vocês aí no estúdio.

 

Gláucia: Obrigada, Natália. E você tem alguma dúvida sobre algum programa do governo federal? Mande a sua pergunta aqui para a Voz do Brasil.

 

Airton: Basta gravar uma mensagem contando a sua história e mandar para o nosso email voz@ebc.com.br ou no WhatsApp 61998627345. Eu vou repetir: 61998627345.

 

Gláucia: A nossa produção vai procurar a resposta para você. Participe!

 

Airton: Se você perdeu um programa ou quer ouvir de novo uma matéria que foi ao ar aqui na Voz do Brasil do governo federal, estamos com um novo site no ar.

 

Gláucia: Você pode conferir nossas matérias, além das transcrições e íntegras do programa. O endereço é: www.redenacionalderadio.com.br. Clique lá.

 

Airton: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Gláucia: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Airton: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Airton: Boa noite para você e até amanhã.