20 DE NOVEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Ações do governo ajudam a diminuir a desigualdade racial entre negros e brancos. Publicado edital para contratar 8,5 mil profissionais para o Mais Médicos. E inscrições começam amanhã. Presidente eleito Jair Bolsonaro anuncia novos ministros do futuro governo. Entre eles, o da Saúde.

audio/mpeg 20.11.18.mp3 — 46859 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 20 de novembro de 2018, Dia Nacional da Consciência Negra.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Ações do Governo ajudam a diminuir a desigualdade racial entre negros e brancos. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: A inclusão de negros nas universidades se tornou uma realidade em todo o país, com a Lei de Cotas, que determinou que metade das vagas ofertadas deve ser destinada aos negros em todas as universidades do país.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Publicado edital para contratar 8,5 mil profissionais para o Mais Médicos.

 

Gabriela: E inscrições começam amanhã.

 

Nasi: Presidente eleito Jair Bolsonaro anuncia novos ministros do futuro governo.

 

Gabriela: Entre eles, o da Saúde. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: O deputado federal Luiz Henrique Mandetta vai assumir o Ministério da Saúde a partir de janeiro de 2019.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Nasi: Hoje é comemorado o Dia Nacional da Consciência Negra, em memória a Zumbi dos Palmares, líder do maior quilombo do período colonial do país.

 

Gabriela: A data é ocasião para valorizar a população negra, que representa mais da metade dos brasileiros, e combater o preconceito.

 

Nasi: Vamos conhecer algumas políticas públicas que ajudam a diminuir as desigualdades entre negros e brancos, nas ruas, nas escolas, nos bancos das universidades e no mercado de trabalho.

 

Repórter Graziela Mendonça: Irapuã Santana é procurador do município de Mauá, em São Paulo, mas foi um longo caminho para chegar aonde está. Negro e de origem humilde, ele teve uma infância difícil, ao lado da família, numa comunidade carioca. Em 2004, viu uma oportunidade de mudar de destino, quando foi aprovado no curso de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, pelo sistema de cotas.

 

Procurador - Irapuã Santana: Eu fui o primeiro membro da família a conseguir entrar para a faculdade e continuar os estudos. O sistema de cotas, ele foi um dos primeiros passos, assim, que a gente conseguiu começar a ocupar melhor os espaços, que até então não era possível para nós, não é?

 

Repórter Graziela Mendonça: A inclusão de negros nas universidades se tornou uma realidade em todo o país, desde 2012, com a Lei de Cotas, que determinou que metade das vagas ofertadas deve ser destinada aos negros em todas as universidades do país. Desde que entrou em vigor, o sistema de cotas já ofertou mais de 500 mil vagas. Outras ações inclusivas são a obrigatoriedade do ensino da história africana nas escolas, as cotas para negros em concursos públicos e em vagas de estágio do Governo Federal. Também existem ações específicas para a saúde da população negra, como detalha o secretário de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Juvenal Araújo.

 

Secretário de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Juvenal Araújo: O negro, ele é afeito a algumas doenças, por causa da nossa etnia mesmo, não é? A mais famosa delas é a anemia falciforme, mas o negro é mais propenso a ter diabetes mellitus, glaucoma, hipertensão arterial. Então, existe um plano nacional de saúde integral da população negra, que tem que ser refletido nos estados, com um plano estadual, nos municípios também, como um plano municipal.

 

Repórter Graziela Mendonça: Para marcar a luta pela igualdade racial no país, nesta terça-feira é comemorado o Dia Nacional da Consciência Negra. Na rede social Twitter, o presidente Michel Temer lembrou que é ocasião de celebrar a contribuição afro-brasileira, e disse também que os brasileiros devem refletir sobre o espaço dos negros na sociedade. O secretário Juvenal Araújo reforça a importância dessa data para combater as diversas manifestações de racismo, embora os negros representem a maioria da população brasileira.

 

Secretário de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Juvenal Araújo: A população negra, na questão salarial, recebe cerca de 36% a menos que a população não negra. Em relação à violência, nós temos: 70% das vítimas de feminicídio são mulheres jovens, negras, pobres e que moram na periferia; a cada quatro jovens assassinados no Brasil, três são negros. Então, Dia da Consciência Negra é mais um dia para que nós possamos mostrar a importância de que, realmente, a igualdade, ela seja na prática, não é?

 

Repórter Graziela Mendonça: Para combater o racismo e a discriminação contra negros no país, o Governo Federal disponibiliza o Disque Direitos Humanos, o Disque 100. Pelo número, é possível fazer uma denúncia anônima e gratuita. Só no ano passado, foram quase mil denúncias de igualdade racial. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Gabriela: Publicado hoje o edital para a contratação de mais de 8,5 mil profissionais para o programa Mais Médicos.

 

Nasi: As inscrições começam amanhã e seguem até o próximo domingo. Podem se inscrever médicos com registro no Conselho Regional de Medicina ou com o diploma revalidado no país.

 

Gabriela: Os selecionados vão receber um salário de mais de R$ 11,8 mil por um contrato de três anos, com possibilidade de prorrogação.

 

Nasi: Eles vão trabalhar em mais de 2,8 mil municípios e 34 áreas indígenas.

 

Gabriela: As inscrições são pela internet, em maismedicos.gov.br.

 

Nasi: E o ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou hoje que o Governo está trabalhando para ter mais aplicações do Revalida, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos, expedidos por instituições de educação superior estrangeira, o Revalida.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Hoje, nós tivemos a etapa final do Revalida, que iniciou em fevereiro de 2017 e só terá o resultado final em fevereiro de 2019, ou seja, é um processo que está demorando muito e nós temos milhares de pessoas que estão aguardando a possibilidade de fazer o Revalida. Então a nossa busca é manter a qualidade das provas, não dá para a gente diminuir a qualidade. Nós estamos falando do profissional que vai mexer com as vidas dos brasileiros. Mas também estamos falando da vida das pessoas que querem ter o direito de tentar. E aí, nós estamos buscando encontrar soluções para melhorar o processo e ofertar o Revalida com maior frequência. Para isso, a gente está desenhando um modelo de acreditação de instituições, que possam fazer a prova do Revalida, além da própria que é executada pelo Inep, dando mais opções, mantida a qualidade, mais uma vez.

 

Gabriela: O Revalida é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

 

Nasi: Mais um passo para colocar em prática as mudanças no ensino médio foi dado hoje.

 

Gabriela: O Ministério da Educação aprovou novas diretrizes curriculares nacionais do ensino médio, que fazem parte da reforma aprovada no ano passado.

 

Nasi: No novo ensino médio, os estudantes vão passar por uma formação comum em todo o país e por uma específica, que poderá ser em linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico.

 

Gabriela: Com as novas diretrizes, o Enem também deve mudar a partir de 2021.

 

Repórter Cleide Lopes: O Ministério da Educação apresentou, nesta terça-feira, um conjunto de regras que vai orientar a elaboração do novo currículo do ensino médio no país. Com essas diretrizes, as escolas já podem começar a organizar formas de ofertar um novo ensino médio. O ministro da Educação, Rossieli Soares, adiantou que alguns estados já estão trabalhando na implementação de um ensino mais moderno.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Como, por exemplo, o próprio Distrito Federal, na organização da sua rede por semestre, ou outros lugares que já estão fazendo a criação de disciplinas eletivas.

 

Repórter Cleide Lopes: As mudanças devem ter impacto no Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. A ideia, segundo o ministro Rossieli, é que, a partir de 2021, as provas contemplem o conhecimento com foco na formação profissional.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Continuará sendo executado em dois dias, sendo que o primeiro dia será para as habilidades e competências que serão previstas na Base Nacional Comum Curricular. O segundo dia será de escolha do aluno para um dos itinerários formativos, especialmente os propedêuticos, ou seja, as quatro áreas de conhecimento.

 

Repórter Cleide Lopes: Mas a modernização do ensino médio ainda depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular, que está em discussão, do Conselho Nacional de Educação. Para Rafael Lucchesi, membro do Conselho, o novo formato do ensino médio pretende atrair os jovens, dando a eles a oportunidade de seguir uma vocação profissional.

 

Membro do Conselho Nacional de Educação - Rafael Lucchesi: O ensino médio vai dialogar melhor com o projeto individual de cada jovem, e que vai poder seguir as suas vocações e, com isso, construir melhor o seu projeto de vida, seja se depois ele for para a universidade, seja se ele for para o mundo do trabalho, com uma formação técnica profissional.

 

Repórter Cleide Lopes: A expectativa do Ministério da Educação é que a nova base seja aprovada ainda neste ano. Estados e municípios vão ter até dois anos para se adequar. A reforma do ensino médio proposta pelo Ministério da Educação tem como objetivo melhorar a qualidade da educação, além de atender a demanda dos jovens, combatendo o abandono da escola. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: Ontem, nós falamos aqui sobre as pesquisas na Antártica. O repórter da Voz do Brasil, João Pedro Neto, está lá, e hoje ele vai dar detalhes da reconstrução da base brasileira no continente gelado.

 

Gabriela: A Estação Antártica Comandante Ferraz foi parcialmente destruída em um incêndio, em 2012, e está em fase final de reconstrução. Boa noite, João Pedro. Conta para a gente como é que está esse trabalho para que a base volte a funcionar normalmente?

 

Repórter João Pedro Neto (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite aos ouvintes da Voz do Brasil. Pois é, a construção da nova Estação Comandante Ferraz está avançando num ritmo rápido. As obras físicas estão a todo vapor. A gente está observando isso aqui no local e já supera mais de 50% de execução. O custo total vai ser de US$ 100 milhões. O projeto é todo brasileiro, foi concebido com a participação da comunidade científica, da Marinha, do Ministério do Meio Ambiente, e usa tecnologia de ponta. A empresa que venceu a licitação e executa a construção é chinesa. São cerca de 200 operários instalados aqui na Antártida e trabalhando na obra. Toda a estrutura é pré-montada, os módulos foram fabricados e pré-montados em Xangai, na China, e trazidos para serem definitivamente montados aqui na Antártica, na Baía do Almirantado. Bom, para falar sobre isso eu estou aqui com o comandante da Secirm, a Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, comandante Geraldo Juaçaba, que é o responsável pela obra. Comandante, por favor, explica para a gente um pouco desse projeto, o que ele traz de inovador e por que ele vai dar um novo impulso para as pesquisas brasileiras aqui?

 

Comandante da Secirm - Geraldo Juaçaba: Boa noite aos ouvintes. Esse projeto, ele é desafiador de todas as formas. Primeiro, porque nós estamos construindo num ambiente super-hostil. O clima é o nosso maior adversário. Nós só podemos fazer a construção no verão, que a gente chama de verão antártico, de novembro a março. Esse ano, começou em outubro, para que não atrasasse a obra. Nós temos cerca de 200 chineses trabalhando aqui agora, e vários desafios, como a diferença de língua, etc. O projeto foi todo desenvolvido preocupado com o impacto ao meio ambiente. Nós temos 14 laboratórios dentro do prédio principal, mais quatro remotos, são 18 no total, e ele vai poder abrigar 74 pessoas na estação.

 

Repórter João Pedro Neto (ao vivo): A expectativa é que a nova estação seja inaugurada em março do ano que vem, comandante, é isso?

 

Comandante da Secirm - Geraldo Juaçaba: Exatamente. A estação deve ser inaugurada em março do ano que vem, mas ainda permanecemos aqui mais um ano, até março de 2020, junto com os chineses, para fazer o condicionamento de todos os sistemas, o treinamento das equipes, ou seja, para receber com segurança essa estação, que é tipo um Fórmula 1.

 

Repórter João Pedro Neto (ao vivo): As obras, elas foram retomadas agora, no final de outubro, elas só acontecem durante o verão antártico, que vai até março. Durante o inverno, como é que foi mantida essa estrutura, Comandante?

 

Comandante da Secirm - Geraldo Juaçaba: Enquanto nós não recebemos, o grupo-base, que é composto de 15 militares, eles não podem fazer nenhuma interferência na construção. Então, a empresa deixou dez chineses aqui, durante o inverno, para manter a estação aquecida.

 

Repórter João Pedro Neto (ao vivo): Está certo, comandante. Muito obrigado pelas informações. Pois é, Gabriela, Nasi, eu sigo acompanhando essa obra e essa expedição aqui na Antártica. Volto com vocês no estúdio, ao vivo, João Pedro Neto.

 

Gabriela: Obrigada, João Pedro Neto, pelas informações, ao vivo, para a Voz do Brasil, direto da Antártica.

 

Nasi: O recado é para quem vai fazer o Enad no domingo.

 

Gabriela: O Questionário do Estudante deve ser preenchido até amanhã.

 

Nasi: Os detalhes, daqui a pouco.

 

Gabriela: O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou hoje os nomes que vão comandar os ministérios da Saúde, da Transparência e Controladoria-Geral da União.

 

Nasi: Também foi anunciado o nome do novo diretor-geral da Polícia Federal.

 

Repórter Gabriela Noronha: O deputado federal Luiz Henrique Mandetta vai assumir o Ministério da Saúde a partir de janeiro de 2019. O anúncio foi feito pelo presidente eleito Jair Bolsonaro em rede social. Ortopedista pediátrico, Mandetta está no segundo mandato como deputado federal e não se candidatou à reeleição. Segundo Mandetta, a sua gestão não terá apenas uma prioridade.

 

Futuro ministro da Saúde - Luiz Henrique Mandetta: A gente tem uma agenda muito grande, desde a concepção, pré-natal, que é importantíssima, a primeira infância, a questão dos prematuros, política de adolescentes, a gravidez na adolescência, o DST/Aids, a maturidade, tanto do homem quanto da mulher, a questão do estresse, do trabalho, a questão da doença mental, que é o principal agravo que leva as pessoas ao sistema de saúde, a depressão, o pânico, a terceira idade, com todas as degenerativas, a cardiovascular... Em saúde, não tem como você dizer que A é prioridade em relação a B.

 

Repórter Gabriela Noronha: Jair Bolsonaro, que visitou, nesta terça-feira, o Tribunal de Contas da União e a Procuradoria-Geral da República, disse que a indicação do novo ministro levou em consideração a opinião de entidades da área de saúde.

 

Presidente eleito - Jair Bolsonaro: A escolha teve o apoio de toda a frente parlamentar da saúde, apoio das Santas Casas, de hospitais filantrópicos, da enfermagem, a Associação de Médicos do Brasil, ou seja, quase a unanimidade, grande parte dos profissionais de saúde pediram pelo seu nome, a exemplo do que aconteceu com a Tereza Cristina na frente da Agropecuária. Não são indicações para atender interesses políticos, partidários, e sim interesses dessas áreas de saúde, no caso, e agricultura.

 

Repórter Gabriela Noronha: Já o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, oficializado nesta terça-feira como coordenador de Justiça no Governo de Transição, anunciou os primeiros nomes da equipe que vai trabalhar com ele a partir de janeiro. A delegada da Polícia Federal Érika Marena será a chefe do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional. No Paraná, ela chefiou a delegacia de combate a crimes financeiros. E o delegado Maurício Valeixo será o novo diretor-geral da Polícia Federal. Segundo Moro, Maurício Valeixo, que é o atual superintendente da PF no Paraná, vai fortalecer o trabalho da instituição.

 

Futuro ministro da Justiça - Sérgio Moro: Ele tem a missão de, vamos dizer assim, fortalecer a Polícia Federal, e que a Polícia Federal possa direcionar suas investigações, principalmente com foco em corrupção e crime organizado. Isso é um grande desafio, são dois problemas sérios que nós temos hoje em dia, mas ele é uma pessoa plenamente capacitada para realizar essa tarefa.

 

Repórter Gabriela Noronha: Jair Bolsonaro também anunciou que Wagner de Campos Rosário continuará como ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União, a CGU. Rosário comanda a pasta desde junho de 2017. Criada em 2003, atualmente a CGU tem status de ministério e responde por ações de controle interno do governo para prevenir e combater a corrupção. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: Amanhã, o presidente Michel Temer vai ao Chile para assinar um novo acordo comercial.

 

Nasi: O repórter Nei Pereira já está lá e conta para a gente, ao vivo, mais informações sobre essa parceria entre os dois países. Boa noite, Nei. Fala para a gente sobre esse encontro entre Brasil e o Chile.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela e ouvintes da Voz do Brasil. Eu estou aqui no Chile, esse país que fica entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano Pacífico, e tem cerca de 18 milhões de habitantes, população próxima ao estado do Rio de Janeiro. Andando pelas ruas da capital, Santiago, parece que estou vendo um pedacinho do Brasil. Segundo o Itamaraty, são 12 mil brasileiros morando aqui. Eu conversei com o goiano Paulo lima, que trabalha em um restaurante do Mercado Central de Santiago. Ele me disse que não pretende mais deixar o país.

 

Entrevistado - Paulo Lima: Eu já morei em outros países já na minha vida, morei na Europa, em diversos países, mas aqui no Chile é um país distinto, um país diferenciado, é como se fosse uma Inglaterra da América do Sul, porque aqui o dinheiro é forte, aqui a capacidade de trabalho é bem grande, eles te dão apoio, eles te dão uma oportunidade, para os imigrantes.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Pelas ruas, a gente também encontra muitos turistas brasileiros, cerca de 550 mil visitam o país todos os anos, e são diversas as atrações por aqui. Tem as construções antigas do centro de Santiago, as vinícolas, a Cordilheira dos Andes e a gastronomia. A base da culinária chilena são peixes e frutos do mar. No Mercado Central é possível degustar o melhor desta gastronomia. Eu encontrei por lá a aposentada Jussara Silveira, que mora em Brasília, e ela fez questão de experimentar um dos pratos do Mercado Central.

 

Aposentada - Jussara Silveira: Está delicioso o prato. É um congro rosa, um peixe aqui da região. Estou gostando muito.

 

Gabriela: E Nei, muitos brasileiros vão para o Chile, mas os chilenos também vêm muito para cá, não é mesmo?

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Sim, Gabriela. Os chilenos também vão muito para o Brasil. Todos os anos, cerca de 340 mil visitam principalmente o Sul e o Sudeste. Para você ver como eles gostam daí, o Chile é o terceiro que mais envia turistas ao Brasil. E eles gastam bem, mais de US$ 270 milhões por ano no Brasil. E os dois países são também importantes parceiros comerciais. As tarifas do comércio bilateral foram eliminadas em 2014, por conta do Mercosul. Agora, eles querem ampliar as relações. O novo acordo, que será assinado pelos presidentes Michel Temer e Sebastian Piñera, nesta quarta-feira, aqui em Santiago, é um complemento do tratado com o Mercosul, como detalha o embaixador do Brasil aqui no Chile, Carlos Sérgio Sobral Duarte.

 

Embaixador do Brasil no Chile - Carlos Sérgio Sobral Duarte: É um acordo que facilita o comércio entre pequenas e médias empresas, que é uma área muito dinâmica das economias dos dois países. Ele inclui novos critérios, que podem também ajudar o comércio, como na área do meio ambiente, na área do comércio e o gênero, na área de propriedades intelectuais, na área do roaming internacional, que é uma coisa que terá um impacto, por exemplo, muito direto, levando em conta o número de visitantes brasileiros no Chile e de chilenos no Brasil.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): O presidente Michel Temer vem a Santiago junto com os ministros da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, e das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. E eu volto amanhã com todos os detalhes da assinatura do acordo. Ao vivo, de Santiago, no Chile, Nei Pereira.

 

Nasi: Vai participar do Enad no próximo domingo?

 

Gabriela: Então atenção: o Questionário do Estudante deve ser preenchido até amanhã, dia 21 de novembro.

 

Nasi: Sem ele, o universitário não consegue fazer o exame e nem mesmo colar grau.

 

Gabriela: O Enad avalia a qualidade dos cursos nas universidades e faculdades no Brasil. Este ano, os formandos de 27 áreas vão fazer a prova.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Tiago Barbosa está animado. Depois de quatro anos cursando ciências contábeis, em uma particular na cidade de Taguatinga, Distrito Federal, o estudante, de 26 anos, finalmente conseguirá tirar o seu diploma.

 

Estudante - Tiago Barbosa: Da minha família, eu sou o primeiro que vai tirar o diploma de superior. Meus pais não têm, a gente não tem tantas condições, mas a gente faz um esforço para poder investir nos estudos, entendeu?

 

Repórter Ricardo Ferraz: Mas, antes de se formar, Tiago terá de fazer o Enad, o Exame Nacional de Desempenho do Estudante, que avalia a qualidade dos cursos de ensino superior no Brasil. O exame é obrigatório para 550 mil universitários de 27 áreas diferentes. Para obter o cartão do Enad com informações quanto ao local da prova e atendimentos, os estudantes são obrigados a preencher o Questionário do Estudante. Desde 2004, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, responsável pelo exame, coleta informações que ajudam a traçar o perfil socioeconômico dos universitários brasileiros e contribuem para avaliar as instituições de ensino, conforme explica Mariângela Abrão, diretora de Avaliação de Educação Superior do Inep.

 

Diretora de Avaliação de Educação Superior - Mariângela Abrão: Esse estudante, ele aponta essas deficiências ou até a melhoria dessas condições. Logo, é muito importante essa informação colhida por parte do estudante.

 

Repórter Ricardo Ferraz: A estudante de Serviço Social Gracineide Rodrigues já preencheu o Questionário do Estudante. Para ela, esse foi o momento de refletir sobre os quatro últimos anos que passou na faculdade.

 

Estudante - Gracineide Rodrigues: Reflexão e também nos traz uma memória sobre tudo que a gente já viveu ao longo do curso, não é?

 

Repórter Ricardo Ferraz: Até o momento, 82% dos estudantes que devem fazer o Enad preencheram o Questionário do Estudante. O prazo se encerra amanhã às 23h59. Ainda dá tempo de regularizar a situação pelo site www.enad.inep.gov.br , ou pelo aplicativo do Enad, disponível nas principais plataformas de smartphones. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

Nasi: Quarenta e um imigrantes venezuelanos deixaram Boa Vista, capital de Roraima, em mais uma etapa do processo de transferência para outros estados.

 

Gabriela: Eles foram enviados para Palhoça, em Santa Catarina.

 

Nasi: A chamada interiorização é uma oportunidade para os imigrantes serem inseridos no mercado de trabalho e recomeçarem a vida em outras cidades.

 

Gabriela: Todos os que viajam com a ajuda do governo participam voluntariamente do processo.

 

Nasi: Eles recebem informações sobre as cidades de destino, são vacinados e recebem também documentos, como carteira de trabalho e CPF.

 

Gabriela: Começou hoje o pagamento do quinto lote do abono salarial do PIS/Pasep, ano base 2017.

 

Nasi: Podem sacar o PIS nas agências da Caixa os trabalhadores da iniciativa privada, nascidos em novembro.

 

Gabriela: E podem sacar o Pasep, nas agências do Banco do Brasil, os funcionários públicos com final 4 na inscrição.

 

Nasi: O dinheiro fica à disposição do trabalhador até o final de junho do ano que vem.

 

Gabriela: Para ter mais informações sobre o PIS, você pode ligar para o 0800-726 0207, da Caixa, ou acessar www.caixa.gov.br/pis .

 

Nasi: E para saber sobre o Pasep, basta ligar para o 0800-729 0001, no Banco do Brasil.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".