20 DE DEZEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Brasil cria mais de 58 mil empregos com carteira assinada em novembro. E mais empregos devem ser gerados. Com leilão de linhas de transmissão de energia, 28 mil novos postos vão surgir e a conta deve ficar mais barata. De cada 10 brasileiros, 7 estão conectados à internet. E para tanta gente conectada, uma novidade: Carteira de motorista digital agora pode ser feita sem precisar sair de casa.

audio/mpeg 20.12.18.mp3 — 46866 KB




Transcrição

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Alessandra: Quinta-feira, 20 de dezembro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. Brasil cria mais de 58 mil empregos com carteira assinada em novembro. Gabriela Noronha. 

 

Repórter Gabriela Noronha: No acumulado do ano já são mais de 858 mil vagas abertas. Daqui a pouco eu volto com mais informações. 

 

Alessandra: E mais empregos devem gerados. 

 

Luciano: Com o leilão de linhas de transmissão de energia, 28 mil novos postos vão surgir e a conta deve ficar mais barata. Ricardo Ferraz. 

 

Repórter Ricardo Ferraz: Preço mais baixo negociado no leilão pode significar a redução das tarifas cobradas do consumidor. 

 

Alessandra: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje. 

 

Luciano: De cada dez brasileiros, sete são conectadas à internet. Nathália Koslyk. 

 

Repórter Nathália Koslyk: Os idosos representam a faixa etária com maior crescimento de novos usuários da rede, chegando a 31% em 2017. 

 

Alessandra: E para tanta gente conectada, há uma novidade. 

 

Luciano: Carteira de motorista digital agora pode ser feita sem precisar sair da casa. Cleide Lopes. 

 

Repórter Cleide Lopes: Um novo aplicativo vai permitir gerar o documento eletrônico pelo celular sem precisar ir ao Detran. 

 

Alessandra: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Alessandra Bastos e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br. 

 

Alessandra: Empregos com carteira assinada. O Brasil gerou mais de 58 mil novos postos de trabalho em novembro. 

 

Luciano: O número representa o melhor resultado para o mês desde 2010. 

 

Alessandra: A informação foi divulgada hoje pelo Ministério do Trabalho. E a repórter Gabriela Noronha está, ao vivo, aqui no estúdio com a gente, para dar mais detalhes. Olá, Gabriela, boa noite. Onde esses empregos foram crio ados? 

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Boa noite, Alessandra. Boa noite, Luciano. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Olha, o principal descasque no mês passado foi o comércio com mais de 88 mil novos postos trabalho. Eu conversei mais cedo com a Diane Ostemberg Silva daqui de Brasília, ela tem 20 anos, é técnica de enfermagem e estava há algum tempo desempregada. Ela conta que foram vários meses longe do mercado de trabalho até que conseguiu uma vaga de atendente em uma loja aqui em Brasília. Agora, ela está feliz da vida com a carteira assinada. 

 

Técnica de enfermagem - Diane Ostemberg Silva: Ah, com certeza. Antes estava ruim sem trabalho, mas agora com trabalho e ainda fixo, né, carteira assinada melhor ainda, está garantido já o presente de todo mundo. 

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Depois do comércio, quem gerou mais empregos em novembro foi o setor de serviços, atividades como alojamento, alimentação e ligadas à saúde em geral. Os estados com maior crescimento de trabalho formal foram São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. 

 

Luciano: E, Gabriela, qual a avaliação de governo dessas vagas criadas em novembro? 

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Olha, Luciano, para o governo esses dados de empregos são resultados de mudanças nas leis do trabalho e também na retomada da economia, é o que avalia o ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello. 

 

Ministro do Trabalho - Caio Vieira de Mello: Podemos reputar isso à reforma trabalhista, podemos reputar também ao crescimento da economia. O Brasil cresceu, o Brasil saiu de um PIB negativo de 6 e hoje o PIB está positivo. E a economia movimentando, movimentando a economia o emprego aumenta. 

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): De acordo com o Ministério do Trabalho, em novembro houve um saldo positivo de quase 8 mil empregos no trabalho intermitente. Nessa modalidade o trabalhador vai em dias alternados ou por algumas horas e é remunerado por período trabalhado. A geração de empregos no mês passado tem a ver com o aquecimento das vendas de fim de ano, mas, segundo o diretor do Departamento do Emprego e Renda do Ministério do Trabalho, Mário Magalhães, o número neste ano é mais animador do que nos anos anteriores. 

 

Diretor do Departamento do Emprego e Renda - Mário Magalhães: Você tem uma sazonalidade que favorece o emprego em novembro, por essas contratações do comércio em boa dos serviços também, mas o quanto que esse emprego aumenta sinaliza a temperatura da conjuntura, digamos assim. E o que a gente analisa por esses resultados de novembro é que a temperatura do setor de comércio e serviços nesse novembro de 2018 foi bem mais... está bem mais aquecida do que anos anteriores. 

 

Alessandra: E em relação ao ano todo, Gabriela, como está a geração de empregos no Brasil? 

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Alessandra, desde janeiro já foram criados não país mais de 858 mil empregos, e se pegarmos os últimos 12 meses, mais de 517 mil. 

 

Luciano: Obrigado, Gabriela Noronha, pela participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil. 

 

Alessandra: E novos empregos podem ser gerados no Brasil. 

 

Luciano: É que o país vai ganhar mais linhas de transmissão para levar energia das usinas para os consumidores. 

 

Alessandra: Para isso, o governo realizou hoje um leilão em São Paulo. 

 

Luciano: A construção de todas as obras vai gerar investimentos de mais de R$ 13 bilhões e pode criar 28 mil novos postos de trabalho. 

 

Alessandra: Mas as obras não vão ter impacto na conta de luz do consumidor. 

 

Repórter Ricardo Feraz: O leilão de transmissão de energia escolheu as empresas que vão construir e operar 7.152 quilômetros de linhas para levar eletricidade das usinas geradoras até os consumidores. Também foram escolhidos os grupos responsáveis pela instalação e operação de 25 novas subestações que equilibram a voltagem. Serão 16 lotes de obras em 13 estados nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Norte. O investimento previsto para todos os lotes é de mais de R$ 13 bilhões. De acordo de Sandoval Feitosa, diretor da Aneel, a Agência Nacional de Energia Elétrica, as obras vão trazer benefícios em várias frentes. 

 

Diretor da Aneel - Sandoval Feitosa: Essas obras, elas trarão uma maior segurança para o país, elas permitirão o desenvolvimento de atividades intensivas em energia elétrica, elas permitirão o crescimento e o desenvolvimento do país, gerarão empregos, além disso, trará riqueza e prosperidade para o país. 

 

Repórter Ricardo Feraz: As regras do leilão definiram que as empresa vencedoras receberiam no máximo R$ 2,1 bilhões pelo serviço de transmissão de energia no período de 30 anos. Venceram a disputa as empresas que apresentaram a menor proposta de faturamento anual, assim, o custo de prestação de serviço ficou em R$ 1,150 bilhão, um desconto de 46%, que segundo o Rodrigo Limp, diretor da Aneel, vai representar economia para o consumidor. 

 

Diretor da Aneel - Rodrigo Limp: Tivemos um deságio médio de 46%, que representa uma redução para o consumidor de R$ 986 milhões por ano. Isso é um resultado que traz muita satisfação e também traz muito otimismo. 

 

Repórter Ricardo Feraz: A Agência Nacional de Energia Elétrica estima que as novas instalações verão gerar cerca de 28 mil empregos diretos. O prazo para o início das operações das novas linhas e subestações varia de quatro a cinco anos. Reportagem, Ricardo Ferraz. 

 

Luciano: Trocar mensagem, mandar e mail, fazer transferência bancária, baixar filmes. 

 

Alessandra: São algumas das possibilidades da internet, que, em um ano, chegou a mais de 10 milhões de brasileiros. 

 

Luciano: É o que revela uma pesquisa do IBGE. Agora mais de 126 milhões de pessoas usam a internet no país. 

 

Alessandra: O acesso aumentou entre usuários de todas as idades, principalmente, entre os idosos. 

 

Luciano: E o celular é o principal meio de acesso. 

 

Repórter Nathália Koslyk: Suzana Cristina Gazelatto, de 61 anos, mora do sítio Ribeirão da Cava, na cidade de Varginha, no sul de Minas Gerais. A casa fica na roça, cercada por montanhas e nem sinal telefone tem. Mas no último ano, uma empresa de telefonia instalou uma antena na região, o que tornou possível o acesso à internet. Agora Suzana está sempre conectada, como detalhou a entrevista por meio de um aplicativo de troca de mensagens. 

 

Entrevistada - Suzana Cristina Gazelatto: Agente está aqui no meio mato e você fica online e você vê os posts. Então, é uma coisa em tempo real. Aí eu comecei a mexer em tudo, sabe? Entrava um tudo quanto é lugar, saía, apertava tudo quanto é botão. Enfim, aprendi praticamente sozinha. 

 

Repórter Nathália Koslyk: E a Suzana está longe de ser a única, os idosos representam uma faixa etária com maior crescimento de novos usuários da rede, chegando a 31% em 2017, de acordo do uma pesquisa divulgada nesta quinta feira, pelo IBGE. E o celular continua sendo o principal dispositivo para usar a internet, responsável por 97% dos acessos. É o caso da bancária Joyce Tavares, de Brasília, que nem tem o telefone fixo em casa. Ela, o marido e os três filhos resolvem tudo pelo celular. 

 

Bancária - Joyce Tavares: Faz parte das nossas vidas agora, né? A gente é o tempo inteiro ligado, consulta transações bancárias, pagamentos, tudo a gente faz no celular.

 

Repórter Nathália Koslyk: O número de domicílios com acesso à web, subiu para 75%, contra 69% em 2016. São mais de 126 milhões de pessoas com mais dez anos conectadas, um avanço expressivo, de acordo com a pesquisadora do IBGE, Adriana Beringui. 

 

Pesquisadora do IBGE - Adriana Beringui: Mais 10 milhões de pessoas em um ano passaram a acessar a rede, né? O que mostra um avanço importante de um ano para o outro. Esse avanço, ele ocorreu em todos os grupos etários, ou seja, mais pessoas passaram a usar a internet, de todas as idades. 

 

Repórter Nathália Koslyk: Um dos desafios agora é levar a internet para quem ainda não tem. De acordo do Artur Coimbra, diretor do Departamento de Banda Larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o programa Internet Para Todos é uma das ações do Governo Federal que ajudam na democratização do acesso à rede, o que se tornou possível por meio do lançamento de um satélite geoestacionário em maio do ano passado. 

 

Diretor do Departamento de Banda Larga - Artur Coimbra: Temos uma relação de cerca de 40 mil localidades distribuídas pelo Brasil, que podem ser atendidas no âmbito do programa. 

 

Repórter Nathália Koslyk: O Internet Para Todos também cai conectar à internet escolas, postos de saúde, hospitais, aldeias indígenas e quilombos nas áreas remotas do país. O investimento foi de cerca de R$ 3 bilhões. Reportagem, Nathália Koslyk. 

 

Alessandra: E os milhões de brasileiros conectados já têm uma opção para não esquecer a carteira de motorista em casa. 

 

Luciano: É a CNH Digital, que pode ser usada no celular ou tablet. 

 

Alessandra: Até agora, para usar a carteira digital, o motorista precisava ir até um posto do Detran para fazer a validação, o que fazia com que muitas pessoas desistissem desse processo. 

 

Luciano: Mas a partir de hoje, um aplicativo vai tornar esse processo mais ágil. 

 

Alessandra: Com ele, a CNH Digital pode ser feita sem precisar sair de casa. 

 

Repórter Cleide Lopes: Um novo aplicativo vai permitir gerar o documento eletrônico pelo celular sem precisar ir o Detran. A plataforma lançada nesta quinta feira, pelo Ministério das Cidades, faz um reconhecimento facial do motorista, um método seguro que garante comodidade e evita fraudes. Para baixar o aplicativo, o motorista tem que ter a versão mais nova da carteira de motorista, emitida a partir de maio de 2017, como explica o ministro das Cidades, Alexandre Baldy. 

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Ele pode baixar o aplicativo, ele pode fazer utilização com o QR Code, que é ferramenta de segurança e ter o reconhecimento facial, que dá praticidade que se evite que o usuário do trânsito, que é o detentor da CNH, que deseje utilizá la de um modo voluntário, porque não é obrigatório, para o meio digital, assim como todas as ferramentas necessárias sem precisar visitar o órgão público. 

 

Repórter Cleide Lopes: Atualmente 26 milhões de brasileiros possuem a carteira de motorista com o código de barras impresso no verso da carteira, mas até agora, apenas 620 mil condutores de veículos estão com a carteira eletrônica no celular. Com o novo aplicativo, esse número deve subir. E a novidade agradou em cheio motoristas como o promotor de eventos Romário Leal. 

 

Promotor de eventos - Romário Leal: Pretendo baixar, estou sabendo da novidade aí vai ser bem interessante. Com certeza essa tecnologia veio para ajudar bastante os motoristas. 

 

Repórter Cleide Lopes: A digitalização da carteira de motorista não é obrigatória. A versão de papel continua valendo, mas o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, lembra que a versão eletrônica vai dar mais tranquilidade ao usuário, que não precisará recarregar o documento impresso. 

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: É pratico, é fácil, e é rápido, e é seguro, lembrando que é uma política pública, de que médio e longo prazo vai te tornar desnecessária a impressão da CNH pelo papel e que vai reduzir custo para o cidadão, vai se reduzir para o usuário, e, é claro, vai se reduzir custo do órgão público perante ao usuário para esse que o fizer pelo meio digital. 

 

Repórter Cleide Lopes: Para obter a carteira eletrônica digital é preciso baixar o aplicativo que está disponível gratuitamente nas lojas virtuais dos principais celulares, depois, basta fazer o cadastramento no aplicativo. A CNH digital poderá ser acessada pelo celular, mesmo que o aparelho esteja sem internet. Reportagem, Cleide Lopes. 

 

Luciano: O prazo para quem recebe o BPC, se inscrever o Cadastro Único foi prorrogado. 

 

Alessandra: Daqui a pouco a gente traz as informações sobre as novas datas. 

 

Luciano: Mais 46 imigrantes venezuelanos saíram hoje de Boa Vista, capital de Roraima, em mais uma etapa do processo de transferência para outros estados. 

 

Alessandra: Eles vieram para Brasília na chamada interiorização. 

 

Luciano: O envio para outras cidades é uma oportunidade para os imigrantes serem inseridos no mercado de trabalho e recomeçarem a vida. 

 

Alessandra: Todos os que viajam com a ajuda do governo participam voluntariamente do processo. 

 

Luciano: Esta semana outros 189 imigrantes foram para o Rio Grande do Sul e São Paulo. 

 

Alessandra: No Rio Grande do Sul, a cidades de Santo Antônio da Patrulha, Viamão e a capital Porto Alegre receberam os venezuelanos. 

 

Luciano: Além de todo o apoio dos abrigos, eles vão ter aulas de português. 

 

Repórter Diego Queijo: Depois de deixar a Venezuela e passar meses de incertezas com relação ao futuro, o Imigrante Jesus Messa Paccino, terá um Natal de muita alegria e esperança ao lado da família em Santo Antônio da Patrulha, no Rio Grande do Sul. 

 

Imigrante - Jesus Messa Paccino: Muito obrigado. Estou muito feliz, muito contente. 

 

Repórter Diego Queijo: Jesus e a família deixaram a capital de Roraima, Boa Vista, em uma aeronave da FAB. O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, acompanhou a viagem e destacou a importância da manter os laços das famílias que chegam ao país. 

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Nós temos tido uma grande preocupação humanitária com todo o processo de interiorização de venezuelanos, mantendo, a unidade familiar e eu tenho certeza que o Jesus e toda a sua família terão possibilidade de comemorar o Natal juntos. 

 

Repórter Diego Queijo: Em Santo Antônio da Patrulha eles ficarão em abrigo preparado especialmente para acolher 51 venezuelanos, que também receberão aulas de português ministradas em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande, a Furg. O vice prefeito da cidade, José Francisco da Luz, falou do sentimento de oferecer apoio aos imigrantes e da expectativa para a oferta de emprego nos setores de metalurgia e agronegócio do município. 

 

Vice prefeito de Santo Antonio da Patrulha - José Francisco da Luz: Nós temos que prepará los para o mercado de trabalho e a nossa intenção é daqui a dois, três meses eles já comecem a ter um emprego. 

 

Repórter Diego Queijo: O vice prefeito fez parte de uma comitiva de dez representantes de municípios gaúchos que visitou três abrigos em Roraima. A viagem foi realizada a convite do MDS para sensibilizar as lideranças locais a receberam venezuelanos por meio do processo de interiorização. Reportagem, Diego Queijo. 

 

Alessandra: E quem acompanhou a chegada dos venezuelanos na capital paulista foi o repórter Ricardo Ferraz. 

 

Repórter Ricardo Ferraz: Ronald e Natark ficaram a São Paulo com uma mala pequena, mas recarregada de esperança. O casal faz parte dos 82 venezuelanos que vieram para a capital paulista para recomeçar a vida e conseguir o que não encontraram o próprio país, uma oportunidade de trabalho. A enfermeira Natark Dias explica os planos no Brasil. 

 

Enfermeira - Natark Dias: Buscar trabalho e reunir dinheiro para manter a própria casa, as próprias coisas. 

 

Repórter Ricardo Ferraz: O casal deixou a Venezuela dois meses atrás com a filha de dois anos. Depois de ficar todo este tempo na cidade de Pacaraima, no estado do Roraima, foram encaminhados pelo Governo Federal para São Paulo. A viagem foi feita pela Força Aérea Brasileira, o governo dá suporte abrindo a porta com serviços públicos de assistência, educação e saúde. Os imigrantes vão ficar em amigos até conseguirem um emprego. Os assistentes sociais estimam que o processo de entrada no mercado trabalho deve levar por volta de seis meses. O técnico em radiologia, Ronald Del Valle Rojas, promete não poupar esforços para diminuir essa expectativa. 

 

Técnico em radiologia - Ronald Del Valle Rojas: Diria que em São Paulo a expectativa é trabalho, trabalho, sempre trabalhando. 

 

Repórter Ricardo Ferraz: Desde que o governo passou a realizar o processo de interiorização, mais de 3,6 mil venezuelanos deixaram Roraima em um esforço conjunto de 16 órgãos federais e diversas agências da Organização das Nações Unidas. Reportagem, Ricardo Ferraz. 

 

Luciano: Os brasileiros estão entre os maiores consumidores de chocolate do mundo. 

 

Alessandra: E algumas iniciativas prometem levar o Brasil a dobrar a produção de amêndoas de cacau em dez anos. 

 

Repórter Graziela Mendonça: Que o brasileiro gosta de chocolate não resta dúvidas, doce, amargo, ao leite, em pó, tem para todos os gostos, já somos o quinto maior mercado consumidor de chocolate de todo o mundo. E haja cacau para dar conta de tanta demanda. O Brasil produz 180 mil toneladas de amêndoas de cacau. É em fazendas como a do agricultor Elido Trevisan, em Medicilândia, no Pará, que elas são produzidas, ele já planta há mais de 40 anos. 

 

Agricultor - Elido Trevisan: É uma lavoura antiga já, e eu já... a área que eu tenho já de cacau é de uns 70 hectares e também com alta produtividade. Esse ano, eu consegui uma média de 1.500 quilos por hectare. 

 

Repórter Graziela Mendonça: Parte do cacau que Sr. Elido produz é industrializado ali mesmo, em uma fábrica de chocolates de Medicilândia. O gerente Ademir Venturin explica como é o processamento. 

 

Gerente - Ademir Venturin: Então, a gente trabalha o fruto no campo, colhe ele, seleciona, a gente traz para a indústria, aí a gente torra, descasca, esmaga ele, e aí então dá continuidade no processo da cadeia de chocolate. 

 

Repórter Graziela Mendonça: O Brasil possui a cadeia completa do chocolate, da plantação do cacau até a industrialização, mas a quantidade de amêndoas produzidas não atende à demanda da indústria e o jeito é importar. Para o governo, o desafio é equilibrar esse mercado, plantar mais cacau e com sustentabilidade. O diretor da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira do Ministério da Agricultura, Juvenal Maynart, explica que uma das formas de fazer isso é estimular o plantio em áreas degradadas.

 

Diretor da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira - Juvenal Maynart: Na Amazônia, cacauicultura não derruba a mata para ir plantar. Ele pega um pasto degradado e bota parte com o cacau. A gente está recuperando em média 10 mil hectares de áreas degradadas na Amazônia, [ininteligível] florestais fazendo cacauicultura. 

 

Repórter Graziela Mendonça: O cacau também faz parte do programa ABC, que oferece crédito para a agricultura com baixa emissão de carbono. Apenas nesta safra são R$ 2 bilhões em crédito para os produtores que investem em técnicas sustentáveis e com menos emissão de gases. Com essas iniciativas, a expectativa é aumentar a produção em 50% até 2023, chegando a mais de 300 mil toneladas. E em dez anos esse aumento deve ser de 100%. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ressalta a importância de apoiar essa cultura. 

 

Ministro da Agricultura - Blairo Maggi: Esperamos dentro de pouco ter o Brasil novamente sendo um grande produtor de cacau, de amêndoas, de chocolate, ter uma cadeia bem montada e que poucos países têm o que o Brasil tem. 

 

Repórter Graziela Mendonça: A cadeia do cacau no Brasil deve movimentar R$ 25 bilhões este ano. O setor é responsável pela geração de 180 mil empregos diretos em todo o país. Reportagem, Graziela Mendonça. 

 

Luciano: Idosos e pessoas com deficiência de baixa renda, que recebem o BPC, o Benefício de Prestação Continuada, ganharam mais prazo para se inscrever no Cadastro Único. 

 

Alessandra: O cadastro é obrigatório e com ele o beneficiário pode ter acesso a mais de 20 programas sociais. 

 

Luciano: Quem não se inscrever pode ter o benefício suspenso. 

 

Repórter Diego Queijo: Mais de 1,4 milhão pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, também conhecido como Loas, ainda não fizeram inscrição no Cadastro Único para programas sociais do governo federal. O registro é obrigatório e uma portaria publicada pelo Ministério do Desenvolvimento Social estabelece regras para o cadastramento e datas limites para regularizar a situação. O prazo é 31 de dezembro, quem não se inscrever até este dia deve cumprir o cronograma que determina o registro de acordo com a data de aniversário de cada beneficiário. Nascidos nos primeiros três meses do ano têm até 31 de março de 2019 para regularizarem a situação. Os nascidos em abril, maio e junho têm até o dia 30 de junho e assim por diante. Caso contrário, o benefício poderá ser suspenso, como explica o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame. 

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Caso mesmo nesse prazo não conseguirem fazer o cadastro, o benefício será bloqueado, mas desbloqueado assim que você providenciar a inserção do seu nome do Cadastro Único dos programas sociais. 

 

Repórter Diego Queijo: Todos os beneficiários que ainda não se inscreveram no Cadastro Único serão notificados por meio do extrato bancário sobre os novos prazos do cronograma. Para se cadastrar é preciso procurar os Cras ou a Secretaria de Assistência Social do município, tendo em mãos CPF, RG e comprovante de residência. O BPC tem o valor de um salário mínimo e é pago mensalmente a idosos acima de 65 anos e pessoa de deficiência com renda familiar de até R$ 238. Reportagem, Diego Queijo. 

 

Alessandra: A Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac, está monitorando os voos e o fluxo de passageiros após o fechamento do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

 

Luciano: Na madrugada de hoje, um avião fez um pouso de emergência. Todos os passageiros do voo foram retirados em segurança. 

 

Alessandra: A pista do aeroporto ficou fechada durante todo o dia para reparo da aeronave e foi parcialmente liberada apenas no fim da tarde. 

 

Luciano: A Infraero disponibilizou o Aeroporto da Pampulha, na cidade de Belo Horizonte, para receber os voos que iriam para o aeroporto internacional. 

 

Alessandra: E a Anac orienta os passageiros que consultem as companhias áreas sobre a situação dos voos antes de se deslocarem para o terminal de Confins.

 

Luciano: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Alessandra: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Alessandra: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".