21/02/2017 - A Voz do Brasil

Presidente participou de reunião com comissão especial da Câmara dos Deputados para análise da reforma da Previdência. Ministro da Fazenda afirma que recessão econômica acabou. Ministério da Saúde faz campanha contra DSTs no carnaval. Tudo isso você ouviu nesta terça-feira em A Voz do Brasil!

audio/mpeg 21 02 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23899 KB




Transcrição

 

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

Airton: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.

Gláucia: Terça-feira, 21 de fevereiro de 2017.

Airton: E vamos ao destaque do dia: Reforma da Previdência vai evitar colapso nas contas.

 

Gláucia: Foi o que reforçou hoje o presidente Temer em reunião com deputados que analisam a proposta. Taíssa Dias.

 

Repórter Taíssa Dias: A reforma da Previdência faz parte dos esforços para garantir o crescimento do país e o futuro dos programas sociais.

 

Airton: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gláucia: Ministro da Fazenda diz que Brasil começa a crescer, depois da crise.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Foi longa, foi difícil, foi dura, gerou esse número enorme de desempregados, mas o Brasil já começou a crescer.

 

Airton: Combate à Aids. 77 milhões de preservativos vão ser distribuídos em blocos e desfiles de Carnaval pelo país.

 

Gláucia: Municípios do Pará vão ser atendidos com luz e água pra todos. Natália Koslik.

 

Repórter Natália Koslik: Mais de 13 mil famílias do interior do Pará recebem água e energia elétrica. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Airton: A Voz do Brasil de hoje na apresentação de Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Gláucia: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Airton: A reforma da Previdência é fundamental para garantir o pagamento dos benefícios e a continuidade dos programas sociais.

 

Gláucia: A afirmação é do presidente Michel Temer, que recebeu no Palácio do Planalto deputados que fazem parte da comissão da Câmara que analisa a proposta enviada pelo governo.

 

Airton: Temer explicou pontos dessa proposta e falou que o debate é importante para evitar a divulgação de informações imprecisas sobre o assunto.

 

Repórter Taíssa Dias: Na reunião com deputados da comissão que analisa a reforma na Câmara, além de ministros, o presidente Michel Temer falou sobre a importância do projeto para o governo. Temer destacou o diálogo com o Congresso e a Sociedade e afirmou que é importante esclarecer a proposta do governo.

 

Presidente Michel Temer: Eu vejo com muita frequência e quase sem contestação a ideia de que "imagine, este governo agora está exigindo que você trabalhe 49 anos pra poder se aposentar". Ora bem, não é isto. Quando você fizer os 25 anos de contribuição e fizer 65 anos de idade você já parte de 76%. Mas se você tem, se você começou com 20 anos e contribuiu durante 45 anos, você tem, na verdade, 96% de aposentadoria. Se você trabalhou 50 anos, você tem 100% de aposentadoria. Não significa que você vai precisar trabalhar 49 anos pra atingir um mínimo de aposentadoria.

 

Repórter Taíssa Dias: Michel Temer citou outras medidas, como o limite para os gastos públicos, a reforma do ensino médio e as mudanças na administração das empresas estatais, todos projetos encaminhados pelo governo e aprovados, graças à parceria com o Congresso Nacional. O presidente afirmou que as reformas não param por aí. A reforma da Previdência faz parte dos esforços para garantir o crescimento do país e o futuro dos programas sociais.

 

Presidente Michel Temer: Muitos dizem: "Bom, você que tem 20 anos hoje não está preocupado com o que vai acontecer daqui a 30 anos, né?" Ele deve preocupar-se, sim. A reforma não é só para aqueles que ou se aposentaram ou irão aposentar-se. Mas, se houver uma desestruturação econômica na União, isso vai representar um prejuízo para o Fundo de Financiamento Estudantil, pro Minha Casa Minha Vida, pra Bolsa Família, porque nós não teremos recursos.

 

Repórter Taíssa Dias: O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o governo tomou mais de 50 medidas para assegurar o crescimento e afirmou que elas já deram resultado. Ele lembrou que a reforma da previdência faz parte desse processo.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Paga os trabalhadores, as trabalhadoras, os brasileiros de uma maneira geral. É mais importante ter a segurança de que vão receber a aposentadoria do que ter a expectativa de que vai se aposentar um pouquinho mais cedo ou um pouquinho mais tarde, mas que gera uma insegurança no futuro.

 

Repórter Taíssa Dias: A proposta de reforma da Previdência foi enviada ao Congresso Nacional em dezembro do ano passado, e o governo estima que entre 2018 e 2027 a medida leve a uma economia de R$ 678 bilhões aos cofres públicos. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Gláucia: E a meta do governo é que os deputados votem a reforma da previdência respeitando o máximo possível a proposta original.

 

Airton: Para tirar as dúvidas da população, a ideia é ampliar a comunicação, ou seja, esclarecer melhor quais são as medidas e porque a reforma é essencial para o país.

 

Repórter Paulo La Salvia: O ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, explicou que o próprio presidente Michel Temer convocou a reunião com a comissão especial que avalia a reforma da Previdência no Congresso. Assim como Temer, o ministro defendeu que a proposta seja melhor esclarecida à sociedade.

 

Ministro da Secretaria de Governo - Antônio Imbassahy: Foi um debate longo, extenso. Colocou-se uma série de questões, até de natureza de melhor conhecimento da proposta, da situação previdenciária, das contas, e também de um bom sistema de comunicação com a sociedade brasileira, que nós estamos percebendo que as informações que estão circulando não correspondem à realidade.

 

Repórter Paulo La Salvia: Já sobre mudanças na proposta, o que pode ocorrer durante a tramitação no Congresso, o secretário de Previdência Social, Marcelo Caetano, disse que o objetivo é manter para votação o texto enviado pelo governo.

 

Secretário de Previdência Social - Marcelo Caetano: No processo de diálogo que vamos estabelecer junto aos deputados, vamos mostrar a necessidade da reforma e se manter o mais fiel possível à proposta original, respeitando a soberania do Congresso.

 

Repórter Paulo La Salvia: O ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, fez uma previsão do andamento da reforma na Câmara. Segundo o ministro, a ideia é que a proposta seja votada pelos deputados em abril. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gláucia: E a comissão especial da Câmara dos Deputados discute a reforma da previdência, que teve hoje mais uma audiência.

 

Airton: Os parlamentares ouviram detalhes sobre o envelhecimento da população, o que exige mudanças na aposentadoria. A repórter Luana Karen acompanhou e tem as informações.

 

Repórter Luana Karen: Dessa vez, a comissão especial discutiu o regime geral de previdência social, formado por empregados da iniciativa privada, autônomos, contribuintes individuais e trabalhadores rurais. Entre os desafios apresentados está o envelhecimento da população. Segundo o presidente do INSS, Leonardo de Melo Gadelha, em 2060, um em cada três brasileiros terá mais de 60 anos. Pra ele, é preciso garantir que os trabalhadores de hoje possam se aposentar amanhã.

 

Presidente do INSS - Leonardo de Melo Gadelha: Se nós temos as famílias tendo menos filhos, nós teremos menos ingressantes no mercado de trabalho. Se, na outra ponta, nós temos pessoas vivendo por mais tempo, nós teremos cidadãos auferindo os benefícios por um espaço de tempo também mais prolongado.

 

Repórter Luana Karen: Segundo o representante do IPEA, Rogério Nagamini, as despesas do governo com previdência na década de 1990 representavam 4% do PIB, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Já no ano passado, essa despesa saltou para 8% de tudo que o Brasil produz. Com o envelhecimento acelerado da população e sem a reforma, ele afirmou que o país vai chegar a 2060 com mais beneficiários que contribuintes.

 

Representante do IPEA - Rogério Nagamini: Na verdade, a nossa despesa já se encontra num nível acima do esperado, em função do nosso perfil demográfico. Dito de outra forma, o Brasil tem uma despesa de Previdência de um país velho, sendo que ainda não é um país velho.

 

Repórter Luana Karen: Nesta quarta-feira, os deputados vão discutir o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, que é o valor pago a idosos com mais de 75 anos ou a cidadãos com deficiência. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: E o ministro da Fazenda Henrique Meirelles também falou sobre o cenário econômico do país na reunião sobre a Previdência.

 

Airton: De acordo com Meirelles, o pior já passou.

 

Repórter Nei Pereira: De acordo com Henrique Meirelles o Brasil entrou em uma rota de crescimento sustentável a longo prazo e a recessão já terminou.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: O Brasil hoje já está crescendo. Isto é muito importante, porque todos nós passamos por um momento muito difícil, quando o Brasil enfrentou a maior recessão da sua história. Mas a mensagem aqui importante é que essa recessão já terminou. Nós ainda vivemos a consequência dela em muitos aspectos, mas ela foi longa, foi difícil, foi dura, gerou esse número enorme de desempregados, mas o Brasil já começou a crescer.

 

Repórter Nei Pereira: O ministro apresentou ainda os argumentos que mostram que o país já está em recuperação e lembrou da importância da limitação dos gastos públicos para que isso ocorresse.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: A subida da Bolsa de Valores, valorização da Bolsa, como foi mencionado pelo presidente, com ganho de valor do Banco do Brasil, da Petrobras, da Vale, etc., queda do risco Brasil, queda do dólar, tudo isso é uma mensagem de confiança no ajuste e nas reformas que nós, este grupo de parlamentares está fazendo no Brasil.

 

Repórter Nei Pereira: Meirelles destacou também a confiança dos empresários e consumidores que está crescendo, o que não ocorria desde 2011. O ministro da Fazenda lembrou das medidas implementadas pelo governo para retomar a recuperação.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: São medidas de aumento da produtividade, de melhora do crédito, do ambiente de negócios. Elas já estão sendo aprovadas, juntamente com outras medidas já em andamento e aprovadas ou em aprovação pelo Congresso.

 

Repórter Nei Pereira: Meirelles disse ainda que o Brasil vai sair do padrão de ter uma crise econômica de tempos em tempos, para ter períodos prolongados de crescimento. E que o país já é visto com mais confiança pela comunidade internacional. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gláucia: Qualidade de vida e desenvolvimento para as populações de regiões mais afastadas. Essas são algumas prioridades do governo, que anunciou investimentos no Pará.

 

Airton: As obras são dos programas Luz para Todos e Água para Todos. Os investimentos chegam a R$ 240 milhões.

 

Repórter Natália Koslik: Água e energia elétrica chegam a milhares de famílias paraenses por meio dos programas do governo. O anúncio foi feito terça-feira, no município de Altamira, que é um dos que vão receber o programa Luz para Todos. O novo contrato vai levar energia elétrica para famílias paraenses, próximas à usina hidrelétrica de Belo Monte. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, explica que os recursos estão garantidos para as necessidades dos pequenos municípios.

 

Ministro de Minas e Energia - Fernando Coelho Filho: Essa segunda etapa aqui no Pará, com R$ 160 milhões, R$ 120 milhões vindo de orçamento do Governo Federal e R$ 40 milhões sendo a contrapartida da distribuidora, que tem aí o prazo de, até o final do ano que vem, a gente poder concluir todas essas ligações.

 

Repórter Natália Koslik: Outros R$ 62 milhões serão usados pra levar energia à reserva extrativista Verde Para Sempre, no município de Porto de Moz, beneficiando quase três mil famílias. Também foram anunciados investimentos no programa Água para Todos, que atenderá quase 3.800 famílias de Marajó e do Xingu, regiões com baixo índice de desenvolvimento. O prefeito de Altamira, Domingos Juvenil, que acompanhou o lançamento do programa, falou que milhares de famílias serão atendidas.

 

Prefeito de Altamira - Domingos Juvenil: Ficou acertado que cerca de 13.834 famílias serão beneficiadas com energia elétrica, e todos os oito municípios em torno do chamado Belo Monte terão abastecimento de água.

 

Repórter Natália Koslik: O investimento do Governo Federal no programa Água para Todos é de R$ 20 milhões. Além de proporcionar qualidade de vida, os programas ajudam a desenvolver e movimentar a economia no interior do país. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gláucia: 19h13, em Brasília.

 

Airton: O descuido de muitos jovens preocupa o governo neste Carnaval.

 

Gláucia: Daqui a pouco vamos falar sobre a campanha para conscientização do uso do preservativo.

 

Airton: 77 milhões de camisinhas serão distribuídas para os foliões.

 

Gláucia: R$ 100 milhões para as Forças Armadas agirem no Rio de Janeiro e no Espírito Santo.

 

Airton: A medida provisória liberando os recursos foi publicada hoje. Alessandra Bastos tem os detalhes.

 

Repórter Alessandra Bastos: De acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o valor que sobrar vai cobrir futuras operações. 80% dos R$ 100 milhões são para logística, como por exemplo a mobilização das tropas e alimentação dos militares. Os outros 20% são para aquisição de coletes, capacetes e equipamentos, que vão ficar à disposição das tropas. Além da garantia da lei e da ordem no Espírito Santo e em municípios da região metropolitana do Rio de Janeiro, as Forças Armadas estão realizando varreduras nos presídios. Na manhã desta terça-feira, as Forças Armadas iniciaram a 9ª Operação Varredura em Presídios. Fuzileiros navais buscaram drogas, armas e aparelhos celulares na Penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte. Esta é a 5ª unidade a ser vistoriada pela Marinha no estado. Desde o início do ano, as Forças Armadas já vistoriaram também prisões nos estados do Amazonas, Roraima, Rondônia e Mato Grosso do Sul. Alessandra Bastos para a Voz do Brasil.

 

Gláucia: A influenza aviária, também chamada gripe aviária, atinge aves e pode contaminar humanos.

 

Airton: Há alguns anos, a doença se tornou uma preocupação mundial. É que países que tiveram casos confirmados vão deixar de exportar 700 mil toneladas de frango este ano.

 

Gláucia: E o Brasil, que nunca teve um caso de gripe aviária registrado, quer ganhar espaço e vender mais.

 

Airton: Hoje, novas medidas foram anunciadas para reforçar o combate à gripe aviária no Brasil.

 

Repórter José Luís Filho: Responsáveis por 37% da carne de frango consumida no mundo, os produtores brasileiros estão atentos para não perder esse mercado. Só os Estados Unidos perderam, nos últimos anos, 16% das vendas. Como o Brasil nunca teve um caso de gripe aviária registrado, parte dessa demanda aberta no mercado internacional poderá ser atendida pelos nossos produtores. É o que espera o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi.

 

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi: A própria Alemanha informou um caso agora, esses dias. A Suíça informou caso. Nós estamos olhando quais foram os problemas que eles têm, onde houve alguma negligência, e vamos fechar.

 

Repórter José Luís Filho: Nesta terça-feira, um passo importante para evitar a entrada da gripe aviária no Brasil foi dado. O Ministério da Agricultura e integrantes da Associação Brasileira de Proteína Animal assinaram uma instrução normativa, que vai exigir várias medidas, entre elas o isolamento das granjas com cercas e telas, uso de água tratada e a desinfecção dos locais onde as aves são criadas. Os produtores vão ter um ano para se adequar às novas regras. O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra, ressalta que é indispensável proteger as aves da doença.

 

Presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal - Francisco Turra: O que aconteceu do Brasil estar livre? Não é milagre, é um trabalho que vem de longa data. Em 2005 houve uma pandemia e o Brasil fez o dever de casa bem, envolveu ministérios, o governo, saúde, defesa. Então, o Brasil se envolveu, fez defesa, e hoje nós temos uma biosseguridade muito boa.

 

Repórter José Luís Filho: Em estados do centro oeste, como Goiás e Tocantins, a maior parte ou a totalidade das granjas já estão dentro das normas. Mas, no nordeste e principalmente no sul e sudeste, onde estão os maiores produtores de frango e ovos do país, vai ser preciso uma mudança maior. Em São Paulo, por exemplo, 40% das criações estão fora das especificações. Reportagem, José Luís Filho.

 

Gláucia: Os hospitais e institutos federais do Rio de Janeiro têm adotado uma prática para melhorar o atendimento aos pacientes.

 

Airton: Há cinco anos, eles resolveram criar um grupo para ver se o atendimento estava seguindo regras de segurança.

 

Gláucia: Questões básicas, mas que fazem a diferença, como identificar corretamente o paciente, higienizar as mãos para evitar infecções e reduzir os riscos de queda. O trabalho vem dando resultado.

 

Repórter Natália Melo: Profissionais da saúde que se preocupam com a higiene, bebês que dormem tranquilos na unidade neonatal, porque receberam a medicação certinha, e pacientes que deixam de ser mais um número para serem chamados pelos nomes. Tudo isso virou rotina nos hospitais e institutos federais do Rio de Janeiro com a ajuda do trabalho da Câmara Técnica da Qualidade e Segurança, um grupo de profissionais que se organiza para trocar informações e cumprir as metas de segurança do paciente da Organização Mundial da Saúde, como explica a coordenadora Adélia Quadros.

 

Coordenadora - Adélia Quadros: As metas internacionais de segurança, que são preconizados pela OSM, elas não estavam sendo cumpridas. E essas metas, elas, além de qualificar, elas dão maior segurança ao cuidado prestado ao paciente.

 

Repórter Natália Melo: A presidente da Câmara Técnica de Qualidade e Segurança, Cláudia Regatas, destaca também a importância da participação do próprio paciente no processo de recuperação.

 

Presidente da Câmara Técnica de Qualidade e Segurança - Cláudia Regatas: Um dos maiores fatores de risco é o paciente tentar levantar sozinho pra ir ao banheiro, por exemplo, sem pedir ajuda da equipe de saúde, quando se sabe que ele tem fatores de risco pra que, nesse momento, ele acabe sofrendo uma queda.

 

Repórter Natália Melo: Dona Elisabete dos Santos é paciente do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro e diz que se sente segura com a pulseira de identificação que acabou de receber.

 

Paciente - Elisabete dos Santos: Creio que sim, porque pelo menos é uma identificação, é uma referência de que eu passei aqui, de que eles ficaram com os meus dados.

 

Repórter Natália Melo: Outro avanço é o aumento da comunicação entre equipes médicas de falhas de segurança, uma prática que ajuda na correção de problemas. Reportagem, Natália Melo.

 

Airton: Brincar o Carnaval sem se descuidar. O Ministério da Saúde lançou em Salvador, na Bahia, a campanha de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis.

 

Gláucia: É, a maior preocupação é com os jovens, que vêm apresentando índices crescentes de contaminação pelo vírus HIV.

 

Airton: Por isso, um dos focos da campanha é a distribuição de preservativos nos principais circuitos de carnaval do país.

 

Repórter Saionara Moreno: Serão distribuídos 77 milhões de preservativos em todo o Brasil, como ação principal da campanha contra as doenças sexualmente transmissíveis, principalmente contra o vírus HIV. A informação é do ministro da Saúde, Ricardo Barros, que hoje esteve em Salvador para lançar a campanha que tem como slogan "No Carnaval, use camisinha e viva essa grande festa".

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: 40 mil brasileiros passam a ter HIV a cada ano, e é muito importante que a gente possa controlar isso e fazer um apelo também, a todos, que façam a testagem. Temos mais de 100 mil brasileiros que estão portadores do HIV e não sabem, não fizeram a testagem, e também temos mais de 200 mil que têm o vírus e não se tratam.

 

Repórter Saionara Moreno: Apesar do fluxo de informações sobre as doenças e do acesso aos métodos de proteção, o Brasil enfrenta uma epidemia de casos de HIV e Aids, que avança principalmente entre pessoas de 20 a 24 anos, segundo dados do Ministério da Saúde. Por conta disso, o foco da campanha são os jovens, apontados como os que menos usam camisinha. O músico Carlinhos Brown, um dos destaques do Carnaval em Salvador, vai subir aos palcos e trios levando a mensagem de conscientização.

 

Músico - Carlinhos Brown: É no Carnaval que a gente fala, sim, sobre a utilização dos preservativos, pra que isso siga o ano inteiro. Então, atenção, Brasil, viva esta alegria, porque realmente a nossa saúde não pode entrar em crise, né? Use camisinha.

 

Repórter Saionara Moreno: A distribuição das camisinhas será feita em postos de saúde e em unidades móveis, instaladas pelas prefeituras durante os dias de folia. No total, 3 milhões de camisinhas são femininas. De Salvador, na Bahia, Saionara Moreno.

 

Gláucia: 19h22 em Brasília.

 

Airton: Desde o ano passado, o INSS está convocando para avaliação todos os beneficiários do auxílio-doença, que há mais de dois anos não passavam por perícia.

 

Gláucia: E esse pente fino no benefício já gerou uma economia de mais de R$ 715 milhões.

 

Airton: É dinheiro que estava sendo pago para quem não precisa.

 

Repórter André Luís Gomes: 43 mil pessoas tiveram benefício cancelado. Elas foram consideradas aptas para o trabalho ao passarem por perícia médica ou não comparecerem a avaliação. Para o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Alberto Beltrame, o acúmulo de pessoas recebendo sem a devida avaliação aconteceu por problemas na gestão passada.

 

Secretário - Alberto Beltrame: Dessa forma, embora obrigatória a revisão, de seis em seis meses de auxílio-doença e de dois e dois anos pra aposentadoria por invalidez, o INSS deixou de fazer isso, acumulando um enorme passivo e causando um enorme prejuízo aos cofres do fundo de previdência.

 

Repórter André Luís Gomes: Há casos curiosos sendo descobertos, como mulheres que passaram a receber o benefício por causa de uma gestação de risco, mas que continuaram como beneficiárias por anos após o nascimento do bebê. A estimativa do Governo Federal é que, junto com a revisão das aposentadorias por invalidez, o pente fino do INSS vai gerar uma economia de R$ 8 bilhões. Reportagem, André Luís Gomes.

 

Gláucia: O saldo de contas inativas do FGTS, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, pode ser retirado a partir de março por todos os trabalhadores que têm contas sem movimentação, desde dezembro de 2015.

 

Airton: Isso inclui brasileiros que estão fora do país. A repórter Paola de Orte explica o que esses trabalhadores devem fazer para sacar o dinheiro.

 

Repórter Paola de Orte: Os brasileiros que moram no exterior também podem sacar o saldo de contas inativas do FGTS sem precisar retornar ao país. Quem já é cliente da Caixa Econômica Federal deve acessar o site www.caixa.gov.br/contasinativas e fazer o cadastro. Quem não é cliente também pode sacar o valor. Basta preencher o formulário Solicitação de Saque do FGTS, disponível no site da Caixa, ir a um consulado do Brasil e apresentar, além do formulário preenchido, o documento de identificação com foto, a carteira de trabalho e o número de inscrição no PIS/Pasep. O prazo para entregar os documentos é o dia 31 de julho. O trabalhador pode escolher se quer receber o valor em uma conta sua no Brasil ou, se não tiver conta no país, na de alguém de confiança. O recurso será liberado em até 15 dias úteis. De Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte para a Voz do Brasil.

 

Gláucia: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Airton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gláucia: Boa noite pra você e até amanhã.