22 DE JANEIRO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Jair Bolsonaro abre Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Em discurso, destaca compromissos do governo: abertura da economia e combate à corrupção. E convida chefes de estado e investidores estrangeiros a fazer parcerias com o Brasil. Começam as inscrições no Sisu, o sistema de seleção para vagas em universidades federais. E vamos explicar o pente-fino que o governo vai fazer nos benefícios da Previdência. A ideia é combater fraudes e garantir o pagamento a quem realmente precisa.

audio/mpeg 22.01.19.mp3 — 46863 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 22 de janeiro de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Presidente Jair Bolsonaro abre Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Essa viagem é, para mim, uma grande oportunidade de mostrar para o mundo um momento único que vivemos em meu país, e para apresentar o novo Brasil que estamos construindo.

 

Gabriela: Em discurso, destaca compromissos do governo, abertura da economia e combate à corrupção.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Vamos resgatar nos valores e abrir nossa economia.

 

Nasi: E convida chefes de Estado e investidores estrangeiros a fazer parcerias com o Brasil.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Estamos de braços abertos. Quero mais do que um Brasil grande, quero um mundo de paz, liberdade e democracia.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Começam as inscrições no Sisu, no Sistema de Seleção Unificada para vagas em universidades federais. Luciana Collares de Holanda.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: São 235 mil vagas distribuídas em 129 instituições de ensino.

 

Gabriela: E vamos explicar o pente-fino que o governo vai fazer nos benefícios da previdência.

 

Nasi: A ideia é combater fraudes e garantir o pagamento a quem realmente precisa.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: Um Brasil que está abrindo a economia para simplificar a vida de quem produz e gera empregos.

 

Nasi: Esta foi a mensagem que o presidente Jair Bolsonaro deu a líderes empresariais e políticos no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

 

Gabriela: E a repórter Danielle Popov está em Davos e traz, ao vivo, mais informações para a gente. Boa noite, Danielle. Como foi o dia do presidente aí no fórum?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Olá, Gabriela, Nasi. Boa noite ouvidos da Voz do Brasil. Hoje a agenda do presidente Jair Bolsonaro foi intensa aqui em Davos. No fórum Bolsonaro foi o primeiro presidente latino-americano a discursar. Ele afirmou estar muito honrado com a oportunidade de mostrar ao mundo o novo Brasil que está sendo construído, e, entre as ações, citou o combate à corrupção e o investimento em segurança pública.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Temos o compromisso de mudar a nossa história. Pela primeira vez no Brasil um presidente montou uma equipe de ministros qualificados, honrando o compromisso de campanha, não aceitando ingerências político-partidárias, que, no passado, apenas geraram ineficiência do Estado e corrupção. Gozamos de credibilidade para fazer as reformas que precisamos e que no mundo espera de todos nós. Meu ministro da Justiça, Sérgio Moro, o homem certo para o combate à corrupção e para o combate à lavagem de dinheiro. Vamos investir pesado na segurança para que vocês nos visitem com suas famílias, pois somos um dos países primeiros em belezas naturais, mas não estamos entre os 40 destinos turísticos mais visitados do mundo.

 

Nasi: E, Danielle, ontem o presidente adiantou que, em seu discurso, destacaria o agronegócio brasileiro. O que é que falou sobre isso?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Isso mesmo, Nasi. O presidente deu destaque para esse assunto e lembrou que a agricultura ocupa 9% de todo o território nacional e a pecuária menos de 20% do solo. Bolsonaro também afirmou que o Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente e disse que o governo tem um compromisso com a redução das emissões de gases poluentes. O presidente também falou sobre compromissos de seu governo.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Vamos resgatar nossos valores e abrir nossa economia. Vamos defender a família, os verdadeiros direitos humanos, proteger o direito à vida e à propriedade privada e promover uma educação que prepara nossa juventude para os desafios da quarta revolução industrial, buscando, pelo conhecimento, reduzir a pobreza e a miséria.

 

Gabriela: E, Danielle, o presidente foi a Davos para atrair investimentos estrangeiros. Como o presidente vai fazer isso? Quais os projetos ele destacou?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Então, Gabriela, Bolsonaro disse que o Brasil será integrado ao mundo e a equipe econômica colocará o país entre os 50 melhores do mundo para se fazer negócios. Para isso, o presidente afirmou que a política externa do país não vai ter viés ideológico e que o Brasil ainda é economia fechada ao comércio internacional e que o seu governo vai mudar isso. O presidente enfatizou que vai trabalhar pela estabilidade da economia.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Queremos governar pelo exemplo e queremos que o mundo restabeleça a confiança que sobre teve em nós. Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir e empreender, investir e gerar empregos. Trabalharemos pela estabilidade macroeconômica, respeitando os contratos, privatizando e equilibrando as contas públicas.

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Ao final do discurso, Jair Bolsonaro convidou os investidores estrangeiros a fazerem negócios com o Brasil.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Nossas ações, tenho certeza, os atrairão para grandes negócios, não só para o bem no Brasil, mas também para o bem de todo mundo. Estamos de braços abertos. Quero mais do que um Brasil grande, quero um mundo de paz, liberdade e democracia.

 

Nasi: E, Danielle, sobre política externa o que o presidente falou sobre a América do Sul?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Bom, Nasi, sobre esse assunto, o presidente respondeu a uma pergunta do fundador do fórum, Klaus Schwab, logo após seu discurso. Bolsonaro disse que já nesses poucos mais de 20 dias de governo conversou com os presidentes da Argentina, Paraguai e Chile para ter um continente unido.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Nós estamos preocupados, sim, em fazer uma América do Sul grande, que cada país, obviamente, mantenha a sua hegemonia local.

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Bom, Nasi, Gabriela, o fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, após a participação do presidente Jair Bolsonaro, ressaltou a importância do Brasil para o mundo. Disse que em 2020 o Brasil vai sediar a reunião latino-americana do evento e que o país segue para um momento de transformação decisivo. Schwab sinalizou desejando o melhor para o governo de Bolsonaro. O presidente segue aqui Davos até quinta-feira e amanhã eu venho com mais informações para vocês. Nasi e Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Danielle Popov, pelas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: E também em Davos, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebiano, disse que o discurso do presidente Jair Bolsonaro apresentou um novo Brasil aos investidores estrangeiros.

 

Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência - Gustavo Bebiano: Um discurso de força para o planeta, mostrando que o Brasil agora estão está mais seguindo viés ideológico de ditaduras, de regimes autoritários. O Brasil será um novo país de economia aberta, relacionamentos bilaterais muito fortes em benefício do Brasil e de outras nações parceiras.

 

Gabriela: E o presidente em exercício, Hamilton Mourão, comentou sobre o discurso de Jair Bolsonaro em Davos.

 

Nasi: O repórter Pablo Mundim está no Palácio do Planalto, e, ao vivo, traz mais informações para gente. Boa noite, Pablo. O que o presidente em exercício falou sobre o discurso?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Elogiou muito. Boa noite, Nasi, Gabriela, e principalmente a você ouvinte da Voz do Brasil. O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que o discurso do presidente Jair Bolsonaro, realizado no Fórum Econômico Mundial, falou sobre os objetivos que o governo está buscando para a população. Vamos ouvir.

 

Presidente em exercício - Hamilton Mourão: Maravilhosas as palavras do presidente, de acordo do tudo aquilo que nós estamos pensando e buscando para inovar no nosso país e que a gente tenha uma rumo melhor e a gente chegue aos nossos objetivos. Vocês têm que lembrar que os nossos objetivos é que todo brasileiro tenha escola, tenha acesso à saúde, ande na rua com segurança e tenha emprego e renda.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): O comentário de Mourão ocorreu logo que ele chegou aqui no Palácio do Planalto, após retornar do Rio de Janeiro, onde participou, pela manhã, da cerimônia de passagem de comando do Segundo Regimento de Cavalaria de Guarda. O regimento realiza atividades de cerimonial e cumpre serviços de guarda. O repórter Maurício de Almeida, acompanhou o evento hoje pela manhã e traz os detalhes para a gente.

 

Repórter Maurício de Almeida: O novo comandante do Segundo Regimento de Cavalaria de Guarda, é tenente-coronel Antônio César Mariotti. O regimento é um dos mais tradicionais da cavalaria do Exército Brasileiro, foi instalado na Vila Militar, no Rio de Janeiro, no início do século passado. Segundo o novo comandante, o regimento tem o objetivo de realizar o cerimonial militar na área do Comando Militar do Leste. Ele conta que a unidade já participou de várias ações importantes na história do país.

 

Comandante do Segundo Regimento de Cavalaria de Guarda - Tenente-Coronel Antônio César Mariotti: O regimento contribuiu com os efetivos que integraram a Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial. O regimento participou dos movimentos de caráter nacional que ocorreram no Brasil, e, mais recentemente, o regimento também compôs frações de efetivos que integraram a missão de estabilização do Haiti, e, nos últimos dois anos o regimento contribuiu de maneira preponderante nas atividades atinentes às operações de garantia da lei e da ordem, desenvolvidas no Rio de Janeiro, bem como das atividades ligadas à intervenção federal.

 

Repórter Maurício de Almeida: O presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, participou da cerimônia de transmissão de comando na Vila Militar do Rio de Janeiro. Reportagem, Maurício de Almeida.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): E hoje à noite o presidente em exercício participa de jantar promovido pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base, aqui em Brasília. Nasi e Gabriela.

 

Gabriela: Uma Medida Provisória que passou valer na semana passada vai aumentar a fiscalização em benefícios da previdência e combater fraudes.

 

Nasi: A ação deve gerar uma economia de mais de R$ 9 bilhões aos cofres públicos.

 

Gabriela: E para trazer mais detalhes de como vai funcionar este verdadeiro pente-fino a gente conversa agora, ao vivo, aqui no estúdio da Voz do Brasil, com a repórter Gabriela Noronha.

 

Nasi: Boa noite, Gabriela. Explica para a gente, como é que o governo quer melhorar a fiscalização com o sistema de previdência?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. E boa noite a todos que nos acompanham na Voz do Brasil. Essa Medida Provisória é um primeiro passo aí do governo rumo à reforma da previdência. A medida criou um mutirão para fazer um pente-fino em benefícios suspeitos de fraude. Vão ser criados dois programas para revisar os benefícios concedidos pelo INSS. De acordo com o Ministério da Economia, existem atualmente 3 milhões de benefícios pendentes com suspeita de irregularidades. Para tornar o trâmite mais ágil, o governo instituiu uma gratificação para servidores de R$ 57 para cada processo concluído. Eu conversei hoje, com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e ele explicou que ideia não é tirar direitos, e, sim, garantir que o benefício seja pago a quem precisa.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho - Rogério Marinho: O maior prejuízo que sociedade tem é quando esse recurso, que é o recurso suado, que é fruto justamente da contribuição do conjunto dos brasileiros que trabalham, que edificam esse país, ele sai pelos ralos, os ralos da corrupção. Então, o governo, ele, com esta medida ele fortalece a condição institucional do INSS, aperfeiçoa os seus procedimentos internos, e, ao mesmo tempo, dá esta segurança jurídica para que quem realmente precisa e tem o amparo legal receba o seu benefício.

 

Gabriela: E, Gabriela, que benefícios vão ter suas regras alteradas?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Olha, Gabriela, a Medida Provisória estabelece regras mais rígidas para a concessão de aposentadoria rural, auxílio-reclusão e pensão por morte. No caso da pensão por morte, por exemplo, o secretário da previdência explicou que passaram a ser exigidas provas documentais das relações de união estável, que antes poderia ser reconhecida apenas com provas testemunhais. Outro ponto importante, o auxílio-reclusão, pago aos dependentes dos presos, também tem regras mais rígidas a partir de agora e será concedido apenas nos casos de regime fechado, e não mais no semiaberto, como ocorre hoje. O secretário também falou sobre isso. Vamos ouvir.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho - Rogério Marinho: E o fato de que hoje não existe carência para se solicitar o auxílio-reclusão gera uma fragilidade no sistema e eventuais fraudes contra o sistema, porque o apenado, ele comprova que teve um vínculo empregatício de apenas um mês e, a partir daí, ele é um segurado do sistema. E esse vínculo, em alguns casos, é um vínculo que não é legal. Nós temos notícias de que comerciantes têm sido achacados por organizações criminosas para emissão desse tipo de documento. Então, nós aumentamos, de imediato, esse período de carência para 24 meses, então, você provar que ao longo de dois anos, de forma contínua ou intermitente, você contribuiu para a previdência social, a sua família passará a receber esse seguro.

 

Nasi: Gabriela, conta para a gente, quais as mudanças previstas para a aposentadoria rural?

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Nasi, a principal mudança na aposentadoria rural será a criação de um cadastro de segurados especiais para abastecer o Cadastro Nacional de Informações Sociais, o Cnis. Segundo Rogério Marinho, a partir de 2020 o cadastro será a única forma de comprovar o tempo de trabalho rural sem contribuição. Até 2020 vai valer a autodeclararão, como explica Rogério Marinho.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho - Rogério Marinho: A convalidação dessa condição do segurado era feita pelo Sindicato Rural, além de outros documentos que a lei permite. Então, a partir de agora, nos próximos 60 dias desde a emissão da Medida Provisória, na última sexta-feira, vai valer a autodeclaração, então, o segurado irá à agência do INSS e vai dizer e comprovar através da documentação, tipo um contrato de arrendamento, um cadastro do Incra ou uma citação e confirmada de um empresário rural que utilizou em alguma atividade nesse aspecto, né? Então, você tem já um conjunto probatório definido por lei. Então, você irá à Previdência Social munido desses documentos, fotografias e aí você diz: "Olha, eu sou trabalhador rural, pelo menos durante, 15, 20, 25 anos, no mínimo 15 anos eu trabalhei como rural". Após os 60 dias, quem vai definir a consolidação dessa documentação é o sistema das Ematers em cada estado da Federação.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Segundo o secretário da previdência, o governo poderá economizar mais de R$ 9 bilhões nos primeiros 12 meses com as ações previstas na Medida Provisória.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho - Rogério Marinho: Nós imaginamos em torno de R$ 9,5 bilhões a R$ 9,8 bilhões serão economizados apenas no INSS no primeiro ano. No ano subsequente, numa velocidade de cruzeiro maior, a gente espera um resultado mais significativo. Mas vamos primeiro nos debruçar sobre 2019.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Lembrando que o pente-fino tem prazo até 31 de dezembro de 2020 e poderá ser prorrogado até 31 de dezembro 2022. Nasi, Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Gabriela Noronha pela participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: Gerar emprego e renda para a população carente da região amazônica.

 

Gabriela: Ainda nesta edição a gente vai dar detalhes de um projeto do governo que vai investir em obras para desenvolver a região.

 

Nasi: Começaram hoje as inscrições para o Sisu, que seleciona estudantes para universidades públicas.

 

Gabriela: São mais de 235 mil vagas disponíveis em todo o país.

 

Nasi: Segundo o balanço do Ministério da Educação, divulgado até o meio-dia de hoje, mais de 400 mil candidatos já tinham feito a inscrição.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Felipe Cordeiro, de Goianinha, no Rio Grande do Norte, está se formando em jornalismo e agora vai para a segunda graduação, publicidade, e pela segunda vez vai tentar uma vaga numa universidade pública pelo Sisu.

 

Estudante - Felipe Cordeiro: Eu vejo o Sisu coma uma grande oportunidade de adentrar no ensino público.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Por meio do Sisu, o Sistema de Seleção Unificada, os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio, podem concorrer a uma vaga em universidades públicas de todo o país. E as inscrições para este ano estão abertas. São 235 mil vagas distribuídas em 129 instituições de ensino. Nicole Lazarin, de Pelotas, no Rio Grande do Sul, vai tentar uma delas. Este ano vai ter a terceira tentativa de estudante de 22 anos, que sonha em ser médica.

 

Estudante - Nicole Lazarin: Tudo mundo deseja ingressar no ensino superior e o Sisu é essa possibilidade. O curso que eu quero é bastante concorrido, mas agora esse ano a expectativa está maior.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: A vaga pode ser escolhida em qualquer lugar do país, o que amplia as possibilidades dos candidatos. As inscrições são feitas exclusivamente pela página do Sisu na internet, entre os dias 22 e 25 de janeiro. Durante esse período, é permitido ao candidato modificar suas opções quantas vezes quiser. Será considerada válida a última inscrição confirmada. João Gabriel Lenza, de Brasília, vai tentar entrar para a faculdade de relações internacionais.

 

Estudante - João Gabriel Lenza: Eu cheguei a estudar dez horas por dia, o ano inteiro, inclusive, nas férias eu ia para a escola, juntei um grupo de amigos para estudar durante as férias para poder conseguir passar. Eu estou bem otimista, um pouco nervoso, mas bastante otimista sim.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Para concorrer uma vaga pelo Sisu o candidato precisa apenas de seu número de inscrição e senha cadastrados no Enem de 2018. Mas, atenção, o estudante de graduação não pode ocupar duas vagas simultaneamente em instituições públicas de educação superior. Reportagem, Luciana Collares de Holanda.

 

Gabriela: Desenvolver a região amazônica, gerando emprego e renda para a população.

 

Nasi: Esta é a ideia do Projeto Barão do Rio Branco, que vai desenvolver três obras na região.

 

Gabriela: A iniciativa faz parte do Programa Calha Norte do Ministério da Defesa, em que militares atuam na construção de escolas, creches e hospitais em áreas carentes.

 

Nasi: Em entrevista exclusiva para a Voz do Brasil, o secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, general Santa Rosa, fala sobre este novo projeto, um trabalho entre diversos ministérios e que ainda precisa passar por decreto presidencial para começar a valer.

 

Gabriela: Vamos ouvir os detalhes agora, na entrevista feita pela repórter Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: O governo está preparando um projeto chamado Barão do Rio Branco, com algumas obras. Que obras são essas?

 

Secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República - General Santa Rosa: O governo está trabalhando numa necessidade de integrar o Calha Norte. Então, para isso vão ser projetadas três obras essenciais dentro do contexto do projeto. Nós vamos construir a hidrelétrica no Rio Trombetas. A ideia é reforçar a capacidade de carga da Bacia Amazônica e resolver os problemas de apagões que ainda são frequentes em Manaus e Boa Vista. A ponte sobre o Rio Amazonas, em Óbidos, essa obra vai consistir em uma ponte elevada, com 1,5 quilômetro de vão e isso vai demandar estudos da nossa engenharia de construção. E vamos estender a BR-163 de Santarém até a fronteira do Suriname. Bom, além das demandas naturais de escoamento da soja do Centro-Oeste, existem outros benefícios que vão advir da implantação dessa rodovia, integrando, então, uma área até então desértica.

 

Repórter Graziela Mendonça: E como essas ações serão colocadas em prática, secretário?

 

Secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República - General Santa Rosa: Inicialmente o presidente vai editar um decreto e esse decreto vai instituir o Projeto Barão do Rio Branco, em homenagem ao grande diplomata que conseguiu resolver as questões do Amapá, do Japurá e do Acre.

 

Repórter Graziela Mendonça: E quais os benefícios dessas obras para a população brasileira?

 

Secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República - General Santa Rosa: A população da Amazônia contém 10 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza, não é mais possível fechar os olhos a essa região e tratá-la como um latifúndio improdutivo. É preciso integrar a Calha Norte ao aparato produtivo nacional para desenvolver, então, oportunidades de trabalho e riqueza para essa população.

 

Repórter Graziela Mendonça: Secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, general Santa Rosa. Obrigada pela entrevista à Voz do Brasil.

 

Secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República - General Santa Rosa: Muito obrigado.

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Nasi: E em comunidades indígenas e ribeirinhas da Amazônia, um navio-hospital da Marinha representa a única forma de acesso a serviços médico.

 

Gabriela: Conhecido como Navio da Esperança, ele fica na região até abril, atendendo 20 mil pessoas.

 

Repórter Lane Barreto: O navio de assistência hospitalar Doutor Montenegro, da Marinha, já navega o Rio Juruá levando atendimento de saúde à comunidades isoladas da região amazônica. No percurso de ida, após sair de Manaus, a embarcação visita os municípios de Itamarati, Carauarí, Eirunepé, Ipixuna, Guajará e Juruá, no Amazonas; e Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves, Porto Walter, Marechal Thaumaturgo e Mâncio Lima, no Acre. Até 30 de abril serão oferecidos atendimentos como consultas médicas e odontológicas, exames clínicos e laboratoriais, cirurgias de pequenos porte e acompanhamento pré-natal. A expectativa é beneficiar de 15 mil a 20 mil pessoas com os serviços prestados. O comandante da Flotilha do Amazonas, capitão de mar e guerra, Carlos Alberto Passos, informa que a ação ocorre entre janeiro a abril por ser a época mais segura para a navegação.

 

Comandante da Flotilha do Amazonas - Capitão de mar e guerra Carlos Alberto Passos: A Marinha aproveita esse período para levar à população ribeirinha, do médio e do alto Juruá, atenção básica de saúde, que se não fosse os Nash as populações teriam que se deslocar enormes distâncias para conseguir este tipo desatendimento de saúde, disponível apenas nas grandes cidades. Por isso os navios são conhecidos carinhosamente pela população ribeirinha como Navios da Esperança.

 

Repórter Lane Barreto: O comandante Carlos Alberto Passos explica que, mesmo sem possuir documentos de identidade, a pessoa será atendida pela equipe do navio.

 

Comandante da Flotilha do Amazonas - Capitão de mar e guerra Carlos Alberto Passos: É importante que a populações leve documento para a identificação e registro do que foi realizado, no entanto, aquelas pessoas que não possuírem também serão atendidas.

 

Repórter Lane Barreto: Cento e setenta militares estão envolvidos na ação, incluindo a fase inicial de planejamento e atuação dos profissionais de saúde. Há mais de 20 anos os navios da Marinha percorrem longas distâncias para levar cidadania a quem mora em regiões isoladas da Amazônia. Reportagem, Lane Barreto.

 

Nasi: Profissionais inscritos no programa Mais Médicos têm novo prazo para escolher para o local de atuação.

 

Gabriela: Brasileiros formados no exterior devem fazer a escolha nos dias 7 e 8 de fevereiro.

 

Nasi: Para os médicos estrangeiros, a opção deve ser feita nos dias 18 e 19 de fevereiro.

 

Gabriela: A validação dos médicos brasileiros com a documentação correta deve ser divulgada dia 31 de janeiro.

 

Nasi: E dia 12 de fevereiro sai o resultado dos médicos estrangeiros.

 

Gabriela: Mais de 10 mil médicos se inscreveram nesta chamada do programa.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".