22 DE MARÇO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaque do dia: Em viagem ao Chile, presidente Jair Bolsonaro se encontra com líderes da América do Sul para a criação do Prosul. Grupo vai promover a integração entre os países do continente. Crédito para crescer e expandir. Micro e pequenos empresários têm acesso a uma nova linha de financiamento do BNDES. Governo reformula fórum de diálogo para ouvir demandas dos caminhoneiros. E A Voz do Brasil abre um canal de comunicação direta com quem roda pelas estradas e tem papel importante para o desenvolvimento do país. É o Minuto do Caminhoneiro.

audio/mpeg 22.03.19.mp3 — 46792 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 22 de março de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Em viagem ao Chile, presidente Jair Bolsonaro se encontra com líderes da América do Sul para a criação do Prosul.

 

Gabriela: Grupo vai promover a integração entre os países do continente.

 

Presidente Jair Bolsonaro: É um fórum também para discutirmos nossos problemas e chegar a soluções juntos.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Crédito para crescer e expandir.

 

Nasi Micro e pequenos empresários têm acesso a uma nova linha de financiamento do BNDES. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: Ideia é tornar mais fácil o acesso ao crédito e com condições melhores. Daqui a pouco eu volto com os detalhes.

 

Gabriela: Governo reformula fórum de diálogo para ouvir demandas dos caminhoneiros.

 

Nasi: E a Voz do Brasil abre um canal de comunicação direta com quem roda pelas estradas e tem papel importante para o desenvolvimento do país.

 

Gabriela: É o Minuto do Caminhoneiro.

 

Nasi:: Hoje, na apresentação, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Nasi: A integração dos países da América do Sul ganhou um novo capítulo hoje.

 

Gabriela: Representantes de oito países da região assinaram um documento no Chile para criar um fórum de desenvolvimento e integração.

 

Nasi: O presidente Jair Bolsonaro, que está no Chile, apoia a iniciativa.

 

Gabriela: E a repórter Danielle Popov acompanha a viagem do presidente e traz os detalhes ao vivo para a gente. Boa noite, Danielle.

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi, aos ouvintes da Voz do Brasil. Foi assinada a declaração final sobre renovação e fortalecimento para integração da América do Sul, pelos presidentes do Chile, Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru. A declaração assinada dá início de fato ao Prosul, organização que pretende integrar de forma mais efetiva a América do Sul. O grupo terá uma estrutura mais ágil e flexível, com compromisso com a democracia, a liberdade e os direitos humanos. Ele vai substituir a União de Nações Sul-Americanas, a Unasul, como afirma Jair Bolsonaro.

 

Presidente Jair Bolsonaro: A Unasul foi praticamente extinta no dia de hoje, de forma prática. E a Prosul está aparecendo. É um fórum também para discutirmos nossos problemas e chegar a soluções juntos. Nós não podemos admitir que as políticas dos países aqui sejam movidas por ideologias. A Unasul começou bem, depois ela foi para o viés ideológico, começou a fazer parte de uma política de poder.

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): O anfitrião do encontro, o presidente Sebastián Piñera, disse que o novo fórum é aberto a todos os países da região, com respeito às diferenças. O Chile ocupará a presidência do grupo por 12 meses, que depois será transmitida ao Paraguai. E amanhã, o presidente Jair Bolsonaro terá agenda com o Sebastián Piñera. Ele será recebido com honras militares no Palácio La Moneda, para tratar de assuntos de interesse comum entre Brasil e Chile. Nasi, Gabriela.

 

Nasi: Obrigado, Daniele, pelas informações ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Gabriela: As micro e pequenas empresas brasileiras terão mais crédito para crescer e gerar empregos.

 

Nasi: É que o BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, lançou hoje uma nova linha de financiamento, mais simples e ágil, para esses empreendedores.

 

Gabriela: A repórter Graziela Mendonça está aqui no estúdio e conta para a gente ao vivo os detalhes dessa medida.

 

Nasi: Boa noite, Graziela. Quanto que o banco está destinando para os pequenos empreendedores?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela. E boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. São inicialmente R$ 1 bilhão, exclusivamente para micro e pequenos negócios. Mas esse valor pode aumentar e chegar até R$ 4 bilhões. A ideia é incentivar esses empreendimentos, que são responsáveis por mais da metade de todos os empregos formais do país. É emprego para 18 milhões de brasileiros.

 

Gabriela: O BNDES já apoiava essas empresas, Graziela, o que mudou agora?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Pois é, Gabriela. O BNDES já concede crédito para micro e pequenas empresas. No ano passado, foram R$ 15 bilhões para elas. A diferença agora são as condições específicas, que prometem facilitar as coisas. Para começar, o limite de crédito vai ser de R$ 500 mil, com carência de até dois anos e prazo de pagamento até 60 meses, ou seja, cinco anos. E os juros vão ficar em torno de 15% ao ano. O presidente do BNDES, Joaquim Levy, disse que a ideia é ofertar crédito mais atraente para os pequenos negócios.

 

Presidente do BNDES - Joaquim Levy: A gente tem procurado fazer uma discussão bem boa, para as pessoas não terem surpresa quando tomam o empréstimo, e ajustem para o perfil mais adequado das perspectivas do negócio. Hoje em dia, com a taxa básica relativamente baixa, permite você ter um empréstimo, e considerando o prazo de cinco anos e a possibilidade de desembolso, eu acho que ele dá condições que passam a ser bastante atraentes.

 

Nasi: E, Graziela, como é que isso muda de fato a vida de quem tem um pequeno negócio e quer crescer?

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Olha, Nasi, eu vou responder essa pergunta com o exemplo do Roberlando Moura, um pequeno empresário lá de Fortaleza, no Ceará. Ele tem uma padaria, que começou bem pequenininha, dez anos atrás, e agora ele já tem 15 funcionários. Desde o começo, sempre contou com a ajuda de crédito para expandir. Com essa notícia agora, o Roberlando já está animado para expandir o negócio.

 

Empresário - Roberlando Moura: É menos burocracia para a gente conseguir crédito. Com certeza, não estamos maiores devido a essas burocracias, porque se tivesse investimento com certeza a gente estaria bem maior. Fizemos uma reforma no prédio em que se encontra a padaria hoje, mas mesmo assim, não está terminado. A gente precisa concluir isso aí hoje. E só não foi concluído ainda justamente por isso, por conta de crédito. Mas se tivesse um juro mais baixo e coubesse para a gente pagar, com certeza a gente pega.

 

Gabriela: E Graziela, conta pra gente como é possível acessar essa linha.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Olha, Gabriela, o crédito vai ser disponibilizado nas próximas semanas, nos bancos credenciados pelo BNDES. Aí, basta ir direto aos bancos se informar ou, mais fácil ainda, entrar no site bndes.gov.br/canalmpme e fazer a solicitação de financiamento online. Repetindo o endereço: bndes.gov.br/canalmpme. Ah, e lembrando que quem é microempreendedor individual também pode solicitar. Nasi, Gabriela.

 

Nasi: Obrigado então, Graziela, pelas informações ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

"Minuto do Caminhoneiro".

 

Gabriela: E é com você, caminhoneiro, que a gente quer falar agora.

 

Nasi: A partir de hoje, aqui na Voz do Brasil, caminhoneiros do país terão um canal de comunicação com o Governo Federal.

 

Gabriela: É o Minuto do Caminhoneiro, que vai trazer informações, dicas e todos os assuntos que interessam a quem pega a estrada todos os dias.

 

Nasi: E quem explica melhor é o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Vamos ouvir.

 

Ministro da Infraestrutura - Tarcísio Gomes de Freitas: É uma forma de aproximar o governo do caminhoneiro, daquele que está na estrada com as suas famílias, trabalhando, levando riqueza, promovendo nosso desenvolvimento e levando a nossa mensagem, a nossa agenda. Uma série de questões que vamos debater no Governo serão tratadas e comunicadas por meio desse programa. Nós vamos usar um espaço na Voz do Brasil dedicado ao caminhoneiro. Então a ideia é ficar muito mais próximo do caminhoneiro e trabalhando uma série de medidas, tem uma série de projetos, que vai envolver o posto de parada, vai envolver a questão da equação do piso mínimo, vai envolver a assistência médica e odontológica, vai envolver a formação das cooperativas, a utilização de aplicativos, ou seja, tudo aquilo que está sendo pensado para que, de alguma forma, a gente possa melhorar a vida do profissional do volante.

 

Gabriela: E esse diálogo que o ministro da Infraestrutura citou já começou.

 

Nasi: O Governo reformulou o Fórum dos Caminhoneiros, para ouvir as demandas de quem trabalha no transporte de cargas do país.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: O fórum existe há quatro anos e é o maior canal de diálogo entre o Governo, caminhoneiros e outras categorias que atuam no transporte de cargas. Mas a última reunião tinha ocorrido há mais de um ano. Agora, o Governo Federal quer manter o diálogo permanente, para que se discutam ações de interesse dessas categorias, como explica Marcelo Sampaio, secretário executivo do Ministério da Infraestrutura.

 

Secretário Executivo - Marcelo Sampaio: O fórum tem o papel de garantir aí um diálogo entre o governo e essas categorias, de forma que a gente possa identificar quais são os principais gargalos, quais são as principais propostas e como alcançar aí um consenso, efetivamente, e encaminhar essas proposições.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Na primeira reunião do ano, foram apresentadas mais de 70 demandas. Piso mínimo de frete, condições de rodovias, custos de viagem e fiscalização são algumas delas. A proposta do Governo é criar grupos de discussão para cada um dos temas e, assim, facilitar as negociações. É o que afirma o secretário nacional de Transportes Terrestres, General Jamil Megid Junior.

 

Secretário nacional de Transportes Terrestres - General Jamil Megid Junior: Ouvir o setor, verificar o que eles realmente precisam para cumprir essa tarefa importante de transporte logístico e como o Governo irá apoiar bem e de forma eficiente as soluções dessas demandas iniciais que eles trouxeram pra nós.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Neste primeiro encontro do fórum, foi apresentada a agenda de concessões de rodovias até 2022. Dentre as rodovias que serão concedidas, estão a BR-381, em Minas Gerais, a BR-163, no Pará, e a BR-150, em Goiás. E o Governo também anunciou a criação do Programa Caminhoneiros, uma iniciativa para garantir a melhora na qualidade de vida e trabalho. O caminhoneiro Plínio Dias, que também é presidente do Sindicato dos Caminhoneiros de São José dos Pinhais, no Paraná, participa do fórum e fala da reaproximação entre caminhoneiros e o Governo Federal.

 

Caminhoneiro - Plínio Dias: A categoria está muito contente, que está começando um diálogo, pouco tempo, com o novo governo. Mas a gente está, e se Deus quiser a gente vai conseguir ajustar. Porque batalhar e conquistar, a gente já fez. Agora é só ajustar o que a gente já tem.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Do lado do Governo, participam do fórum o Ministério da Infraestrutura, a ANTT, a Agência Nacional de Transportes Terrestres, e o Dnit, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Reportagem, Luciana Collares de Holanda.

 

Gabriela: E você, que está na estrada, pode participar do Minuto do Caminhoneiro, programa que você ouviu há pouco aqui na Voz do Brasil, não é, Nasi?

 

Nasi: Claro, Gabriela. Basta entrar em contato com a gente pelo Whatsapp.

 

Gabriela: E trazer dúvidas, sugestões ou mesmo reclamações. O canal está aberto. Seus questionamentos vão ser respondidos toda sexta-feira.

 

Nasi: Agora é hora de anotar o número: é (61) 99965-2358. Eu vou repetir: (61) 99965-2358.

 

"Concessões - Parcerias para o crescimento do Brasil".

 

Gabriela: Três empresas reunidas em consórcio vão administrar três áreas do Porto de Cabedelo, na Paraíba, e uma no Porto de Vitória, no Espírito Santo.

 

Nasi: O leilão desses terminais foi realizado hoje pelo Governo.

 

Gabriela: As empresas vão pagar quase R$ 220 milhões pela concessão.

 

Nasi: E também terão de fazer investimentos de melhoria no porto nordestino e construir um terminal no porto do Sudeste.

 

Repórter Ricardo Ferraz: O leilão terminou com a arrecadação de R$ 219,5 milhões para o Governo Federal. O valor está bem acima do mínimo estabelecido pelas regras, que era de apenas R$ 1. O resultado foi comemorado pelo Governo e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, destacou que a prioridade não era abastecer os cofres públicos.

 

Ministro da Infraestrutura - Tarcísio Gomes de Freitas: A gente não faz leilão de terminal portuário para auferir outorga. A gente faz leilão de terminal portuário realmente para ver o investimento acontecendo, para impulsionar a logística. Eu tenho certeza que a logística ganhou muito hoje, a logística de líquidos, é fundamental então para o abastecimento aí, das regiões Nordeste e Sudeste.

 

Repórter Ricardo Ferraz: Três empresas se reuniram em consórcio com participações igualitárias e arremataram os quatro lotes. Para administrar os três terminais do Porto de Cabedelo, na Paraíba, elas vão pagar R$ 54,5 milhões. Nesses locais, a infraestrutura já está instalada. Em Vitória, o mesmo grupo de empresas obteve a concessão por R$ 165 milhões e terá de construir um novo terminal. Os terminais são destinados a armazenagem e transporte de combustíveis. No total, os investimentos que terão de ser feitos como contrapartida nos próximos 25 anos somam R$ 199,7 milhões. O secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, explica a importância desses investimentos.

 

Secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários - Diogo Piloni: Esses investimentos são importantíssimos, ainda mais numa cadeia como a cadeia de combustíveis, em que nós estamos falando, às vezes, de investimentos básicos, de investimentos de segurança do terminal. A outra vertente, obviamente, é a expansão de capacidade. E aí nós estamos falando de um momento em que a gente tem que dar resposta a uma expectativa de crescimento da economia. E logística é meio para que se dê vazão a esse aquecimento econômico.

 

Repórter Ricardo Ferraz: O próximo leilão de portos já tem data marcada, 5 de abril. Serão leiloadas seis áreas destinadas ao transbordo e armazenagem de combustíveis no estado do Pará. Reportagem, Ricardo Ferraz.

 

Gabriela: Você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Nasi: Anatel lança campanha para alertar sobre direitos do consumidor ao cancelar uma assinatura de TV a cabo ou um plano de celular.

 

Gabriela: E a partir de domingo, a Agência começa a bloquear celulares falsificados, roubados ou sem a certificação brasileira em 15 estados.

 

Nasi: Sem ela, é impossível viver.

 

Gabriela: Estamos falando da água, um bem precioso, que deve ser cuidado por todos nós.

 

Nasi: E no Dia Mundial da Água, as atenções foram voltadas para a preservação do mar.

 

Gabriela: Oceanos estão ameaçados pelo lixo, e o Governo está destinando recursos para campanhas e ações nas cidades litorâneas brasileiras.

 

Repórter Márcia Fernandes: Sol, mar, praia. Para milhões de brasileiros, é a receita perfeita para aproveitar os dias de folga. Mas essa diversão pode estar ameaçada e o vilão é o lixo. Pesquisas estimam que, em todo o mundo, até 12 milhões de toneladas de plástico foram parar nos oceanos no ano de 2010. E esse material pode levar mais de 400 anos para se degradar na natureza. O presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, Carlos Silva Filho, aponta que, no Brasil, uma grande quantidade de lixo chega ao mar todos os anos.

 

Presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais - Carlos Silva Filho: Do total de lixo que é gerado no Brasil todo ano, é capaz de cobrir 7 mil campos de futebol.

 

Repórter Márcia Fernandes: E no Dia Mundial da Água, o Ministério do Meio Ambiente lançou o Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar. Em Santos, litoral paulista, logo cedo, foi realizado um mutirão de limpeza em um mangue, depois um barco recolheu rejeitos que chegaram em alto-mar. O capitão dos Portos de São Paulo, Daniel Menezes, afirma que a Marinha está de olho nas embarcações.

 

Capitão dos Portos de São Paulo - Daniel Menezes: Seja nos navios de grande porte, seja nas embarcações de pequeno porte, ocorrência de vazamentos.

 

Repórter Márcia Fernandes: E para conscientizar a população, a praia de Santos ganhou uma escultura de metal em formato de tubarão-baleia, e dentro dela garrafas plásticas que estavam nas praias. Ana Carolina Fornicola é educadora ambiental e explica que o lixo afeta todo o ecossistema marinho.

 

Educadora ambiental - Ana Carolina Fornicola: É para conscientizar as pessoas de que o lixo delas, a partir de que elas jogam fora, eles não somem, eles têm um destino. E quando não é destinado ao lugar correto, eles vão pro mar, vão pra natureza.

 

Repórter Márcia Fernandes: E as ações não param por aí. Ecobarreiras foram instaladas no canal que corta a cidade rumo ao mar, impedindo que o lixo chegue ao oceano. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, explicou que o Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar prevê uma série de estratégias.

 

Ministro do Meio Ambiente - Ricardo Salles: Nós temos recursos da ordem de R$ 40 milhões, e já disponibilizados, para os programas de monitoramento da qualidade, para o rastreamento do resíduo, do lixo que está no mar, e medidas de combate, desde ecobarreiras, medidas de conscientização, medidas até de monitoramento do ponto de vista municipal.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Plano de Combate do Lixo ao Mar faz parte da agenda de qualidade ambiental urbana do Ministério do Meio Ambiente. Além desse plano, a agenda engloba ações sobre resíduos sólidos, vegetação urbana, qualidade do ar, da água, saneamento básico e áreas contaminadas. De Santos, em São Paulo, Márcia Fernandes.

 

Nasi: O Governo quer evitar que o saldo negativo nas contas públicas seja maior do que o previsto.

 

Gabriela: Por isso, o Ministério da Economia anunciou hoje que vai bloquear quase R$ 30 bilhões em despesas.

 

Nasi: O valor pode ser liberado ao longo do ano, dependendo dos indicadores econômicos.

 

Repórter Luana Karen: O Governo bloqueou R$ 29,7 bilhões em gastos previstos até dezembro. A previsão do orçamento de 2019 é de terminar o ano com um saldo negativo de R$ 139 bilhões. O objetivo do bloqueio de gastos é evitar um déficit maior. O valor bloqueado poderá ser liberado até o final do ano, com a recuperação econômica. Para o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Valdeir Rodrigues Junior, há vários sinais que indicam melhora do cenário brasileiro.

 

Secretário de Fazenda - Valdeir Rodrigues Junior: O leilão dos aeroportos, que nos deu uma receita primária adicional de R$ 2,4 bilhões, foi extraordinariamente bem-sucedido. O dado do Ibovespa a romper o patamar de 100 mil é também alvissareiro. Os dados de confiança analisados externamente pelos investidores internacionais também apontam melhoria. Nós temos também várias ações, em termos de venda de ativos, bem encaminhadas. Então, são indicações que nos colocam com a certeza de que estamos no rumo correto.

 

Repórter Luana Karen: O relatório de receitas e despesas dos dois primeiros meses de 2019, divulgado nesta sexta-feira, também informa que o ano deve terminar com uma inflação de 3,8%, menor do que a prevista inicialmente. O PIB, soma das riquezas produzidas no país, deve crescer 2,2%, um pouco menos que a previsão inicial. O relatório também prevê que a arrecadação pode aumentar, se ocorrer a privatização da Eletrobras. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: Cancelar um pacote de serviços no celular ou a assinatura de uma TV a cabo.

 

Nasi: Para muita gente, um verdadeiro teste de paciência.

 

Gabriela: Só no ano passado, Nasi, a Anatel recebeu 250 mil reclamações sobre o assunto.

 

Nasi: É, e por isso, a Agência lançou uma campanha lembrando os direitos do consumidor e apresentando um passo a passo sobre como cancelar um serviço de telecomunicação.

 

Repórter Gabriela Noronha: As regras são claras. Segundo a Anatel, a Agência Nacional de Telecomunicações, o cancelamento de um serviço é direito do consumidor. Mas, para a brasiliense Mariana de Freitas Fontenelle, na prática não foi tão fácil. Ela conta que precisou cancelar o serviço de internet e TV por assinatura, e só depois de 23 dias, muitas ligações, conseguiu, enfim, interromper o contrato.

 

Entrevistada - Mariana de Freitas Fontenelle: Foi bastante difícil, na ligação, conseguir, porque a atendente, ela me oferecia produtos, ofertas, fiz pelo menos dez ligações, os atendentes eram evasivos e não me davam uma resposta de que o serviço estava, de fato, cancelado.

 

Repórter Gabriela Noronha: Cancelar um serviço de telecomunicação tem sido um motivo de dor de cabeça para muitos brasileiros. Segundo a Anatel, 250 mil reclamações sobre o assunto foram registradas só no ano passado. Por isso, a Anatel preparou uma campanha para divulgar os direitos do consumidor, a #querocancelar.

 

"Quer cancelar um serviço de telecomunicações? Descubra a melhor opção para você."

 

Repórter Gabriela Noronha: A campanha está nas redes sociais e os usuários podem conferir na internet um passo a passo de como cancelar serviços de telecomunicações. Isso pode ser feito presencialmente, por telefone, internet, e sem a necessidade de falar com um atendente, como explica Fábio Koleski, gerente de Interações Institucionais, Satisfação e Educação para o Consumo, da Anatel.

 

Gerente de Interações Institucionais, Satisfação e Educação para o Consumo - Fábio Koleski: Quando ele liga para o call center da prestadora, deve ter uma opção de cancelar sem falar com um atendente. Ele só digita o número e, a partir disso, ele já recebe o protocolo. Se não der certo esse processo de cancelamento, ele pode vir a reclamar depois, tanto na Anatel quanto em outros órgãos de Defesa do Consumidor.

 

Repórter Gabriela Noronha: O consumidor deve ficar atento às regras de fidelização da empresa contratada, que podem prever multa em caso de cancelamento em menos de 12 meses. A menos que a prestadora tenha descumprido o contrato, aí não é preciso pagar nada. Outra dica importante é aguardar o número do protocolo, que é a forma de comprovar a solicitação da rescisão do contrato. Caso o consumidor encontre dificuldades para cancelar o serviço, é só entrar em contato com a Anatel e registrar uma reclamação pelo aplicativo da Agência, no site anatel.gov.br ou pelo telefone 1331. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E no domingo, começa o bloqueio de celulares piratas em todos os estados do Nordeste, além de São Paulo, Minas Gerais, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima.

 

Nasi: A medida vale para aparelhos novos, habilitados a partir de janeiro deste ano.

 

Gabriela: E como saber se o seu celular é pirata? Quem explica é o coordenador de Regulamentação da Anatel, João Alexandre Zanon.

 

Coordenador de Regulamentação - João Alexandre Zanon: Assim que um novo terminal irregular é ativado na rede, em até 24 horas o usuário desse equipamento vai receber uma mensagem de texto da operadora dele informando que aquele terminal é irregular. E ele vai ter um prazo de 75 dias para resolver a situação dele. O usuário vai ser avisado também com 25, 50 e na véspera do bloqueio. Então, ele pode solicitar junto a quem fez a venda ou a troca por um aparelho regular ou o dinheiro de volta.

 

Nasi: O Ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, visitou hoje as obras de integração do Rio São Francisco, em Pernambuco.

 

Gabriela: Ele esteve na cidade de Sertânia, onde está sendo finalizada uma adutora, que vai levar a água do rio para 68 municípios de Pernambuco, quando estiver pronta.

 

Ministro do Desenvolvimento Regional - Gustavo Canuto: Um sonho garantir que a água abasteça essas cidades, que nenhum outro nordestino desta região tenha novamente a escassez hídrica, ou que falte água na sua torneira, é o que o Governo Federal espera. É um investimento maciço, uma obra que está se tornando realidade, as estruturas estão muito boas e a gente vai trabalhar para que lá em fevereiro do ano que vem a gente já tenha água no Reservatório Negros, em fevereiro de 2021 essa obra esteja completamente finalizada no Reservatório de Ipojuca.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".