23 de janeiro de 2019 - Poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Brasil reconhece presidente da Assembleia Nacional como presidente interino da Venezuela. E presidente Jair Bolsonaro afirma que país dará todo apoio ao povo venezuelano. Governo apresenta medidas para os primeiros 100 dias de gestão. Entre elas o 13º salário do Bolsa Família e concessões em ferrovias e rodovias. Mais empregos: Brasil volta a criar vagas com carteira assinada depois de 3 anos de queda.

audio/mpeg 23-01-19-VOZ DO BRASIL.mp3 — 45023 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 23 de janeiro de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Brasil reconhece presidente da Assembleia Nacional como presidente interino da Venezuela.

 

Gabriela: E presidente Jair Bolsonaro afirma que país dará todo apoio o povo venezuelano.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Nós daremos todo o político necessário para que esse processo siga seu destino.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Governo apresenta medidas para os primeiros cem dias de gestão.

 

Nasi: Entre elas, o 13º salário do Bolsa Família e concessões em ferrovias e rodovias.

 

Gabriela: Mais empregos, Brasil volta a criar vagas com carteira assinada depois de três anos de queda. Luciana Colares de Holanda.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: O ano terminou com 529.500 novos empregos, foi o melhor resultado desde 2013.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br .

 

Nasi: O Brasil reconhece o presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.

 

Gabriela: O reconhecimento foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, que está em Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial.

 

Nasi: A repórter Danielle Popov está na Suíça e traz todos os detalhes para a gente. Boa noite, Danielle, o que o presidente Jair Bolsonaro falou sobre a Venezuela?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela, e também aos ouvintes da Voz do Brasil. No início da noite, aqui na Suíça, nós estamos três horas na frente de vocês aí no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro e autoridades da Colômbia, do Peru e do Canadá reconheceram a partir de hoje Juan Guaidó, o presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, como presidente da Venezuela. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores afirmou que o Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela. Bolsonaro segue a decisão do Tribunal Supremo de Justiça do país, que foi contra a manutenção de Nicolás Maduro na presidência do país vizinho. Vamos ouvir o presidente.

 

Presidente Jair Bolsonaro: O Brasil também, via Itamaraty, acabou de emitir uma nota reconhecendo Juan Guaidó como presidente da Venezuela. E o Brasil, juntamente com os demais países do Grupo de Lima, que estão reconhecendo um a um esse fato. Nós daremos todo o apoio político necessário para que esse processo siga seu destino.

 

Gabriela: E, Danielle, além dessa reunião para tratar da Venezuela, o presidente seguiu com a agenda de reuniões com líderes de governo e empresários. Como foram esses encontros de hoje?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Olha, Gabriela, o presidente Jair Bolsonaro teve uma série de encontros bilaterais hoje com o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, com o presidente da Suíça, Ueli Maurer, e com o presidente do Japão... o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. E nas redes sociais, Bolsonaro afirmou que o Brasil está se aproximando de países que podem fortalecer o processo econômico e social. O presidente também participou de um almoço de trabalho sobre o futuro do Brasil, com a participação do fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, e com empresários. Durante esse almoço, o presidente disse que a política do Brasil mudou drasticamente, que ele montou um time de ministros que está trabalhando arduamente para apresentar boas políticas. Citou a reforma da previdência e afirmou que outras reformas, como a simplificação tributária, já estão previstas e estão em processo avançado. Bolsonaro disse ainda que quer restabelecer a confiança do país, perdida nos últimos 20 anos.

 

Nasi: Agora, Danielle, o presidente também teve um encontro com empresários ontem à noite. O que foi falado nessa reunião?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Isso, Nasi, isso mesmo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou a potenciais investidores internacionais que montou uma equipe de ministros com perfil técnico para restabelecer a confiança na economia brasileira. Bolsonaro também falou que o governo vai respeitar contratos e sabe da importância da reforma da previdência social.

 

Presidente Jair Bolsonaro: Nós queremos restabelecer a confiança que os senhores tinham em nós há pouco tempo. Fizemos uma boa equipe para poder administrar nosso país, em especial, na economia. A minha equipe sabe o dever de cada, o que tem que ser feito, e nós esperamos [ininteligível] apoio do parlamento. Todos nós ganhamos com isso, eu quero bem do Brasil, mas quero o bem do mundo. Fazemos de verdade o dever de casa, que passa por reformas, como da previdência, entre outras. Nós esperamos conseguir um ponto de feição e mudarmos realmente o destino do Brasil para o bem de todos nós, que sei que vocês querem muito bem o nosso país chamado Brasil.

 

Gabriela: E, Danielle, os ministros que estão aí na Suíça chegaram a falar de alguma proposta do governo?

 

Repórter Danielle Popov (ao vivo): Sim, Gabriela e Nasi, os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e da Economia, Paulo Guedes, conversaram com os empresários. Araújo destacou que a agenda interna(F) do Brasil passa a fazer parte do projeto país que o governo tem. O compromisso é de trabalhar pela democracia e liberdade da nossa região sem ideologias, que será preciso intensificar relações com todos os países, fazer novos arranjos bilaterais. Já Sérgio Moro falou sobre os desafios da segurança pública no Brasil, no combate ao crime organizado e a corrupção. Citou(F) a Operação Lava Jato, que revelou a corrupção no fechamento de contrato com o governo. E para amanhã estão previstas mais reuniões bilaterais e um almoço de trabalho. Eu volto com vocês, Nasi e Gabriela.

 

Nasi: Obrigado, Danielle Popov, pelas informações ao vivo aqui para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Milhares de brasileiros deixaram o desemprego para trás em 2018.

 

Nasi: O país fechou o ano passado com saldo positivo de mais de 500 mil empregos com carteira assinada.

 

Gabriela: Nos três anos anteriores, as demissões superaram as contratações.

 

Nasi: O governo acredita que novas medidas podem gerar mais empregos este ano.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Bruno Moreira Silva, de São Paulo, passou cinco meses desempregado em 2018. No mês de setembro, conseguiu um emprego temporário num armarinho, acabou efetivado em novembro. Com a carteira assinada, tem boas expectativas para este ano.

 

Entrevistado - Bruno Moreira Silva: Graças a Deus, abriu uma porta e eu consegui entrar aqui nessa empresa. Agora vai melhorar, né? A economia está andando para frente.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Bruno está entre os brasileiros que deixaram o desemprego para trás em 2018. O ano terminou com 529.500 novos empregos, foi o melhor resultado desde 2013 e o primeiro saldo anual positivo desde 2014, um crescimento registrado em todas as regiões brasileiras. O diretor de Emprego e Renda do Ministério da Economia, Mário Magalhães, comenta a importância de se registrar esse crescimento generalizado.

 

Diretor de Emprego e Renda do Ministério da Economia - Mário Magalhães: Com as contratações grandes que nós tivemos no final do ano revela que as empresas, na verdade, estão segurando boa parte dos trabalhadores.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Entre os setores, o destaque vai para serviços, que liderou a retomada do emprego no ano passado. Foram 398 mil novas vagas ocupadas. O comércio vem em seguida, com o segundo melhor desempenho, foram 102 mil novas vagas. Luciana conseguiu uma delas, ela estava desempregada há um ano e meio, em dezembro foi contratada como vendedora em uma loja de roupas íntimas em Brasília. O trabalho, que seria temporário, acabou virando fixo.

 

Entrevistada - Luciana: Eu estava desempregada já tem, já tinha um ano e pouco, já, estava bem difícil. Estou achando maravilhoso, né? Espero continuar, se Deus quiser.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, explica que os números representam a retomada da economia após um longo período de recessão.

 

Secretário de Trabalho do Ministério da Economia - Bruno Dalcolmo: A retomada do crescimento que não tem jeito, é a principal responsável pelo crescimento dos empregos.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: As novas possibilidades abertas com a nova legislação trabalhista também contribuíram para o saldo positivo. O trabalho intermitente, por exemplo, em que o funcionário é remunerado por períodos trabalhados, foi responsável por mais de 50 mil empregos. De acordo com o secretário especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, Rogério Marinho, a ideia do governo é acentuar as conquistas estabelecidas com a reforma trabalhista.

 

Secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia - Rogério Marinho: Facilitar a vida daqueles que querem empreender no Brasil, desburocratizar, permitir que um número maior de trabalhadores saia da informalidade.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Quando o assunto é o salário, o valor médio de admissão em dezembro de 2018 ficou em R$ 1.531,28. Reportagem: Luciana Colares de Holanda.

 

Gabriela: Doenças raras são difíceis de identificar, geralmente vão piorando com o tempo e podem levar à morte.

 

Nasi: Elas possuem sintomas variados e quase nenhuma chance de cura.

 

Gabriela: Hoje foi criada uma coordenação específica dentro do governo para ajudar as pessoas que sofrem com essas doenças.

 

Nasi: E a primeira?dama Michelle Bolsonaro disse que o governo está comprometido com a causa e que vai fazer ainda mais por esses pacientes.

 

Repórter Luana Karen: Uma família rara, é assim que Maria Clara Migowski Pinto Barbosa gosta de lembrar dos pais e dos irmãos. Quando ela tinha 6 anos de idade, o pai descobriu que tinha uma doença rara, e como esse tipo de doença está ligada em 80% dos casos a fatores genéticos, a família toda foi ao médico. Ela, a mãe e os dois irmãos também foram diagnosticados. Maria Clara herdou o gene da distrofia muscular.

 

 

Entrevistada - Maria Clara Migowski Pinto Barbosa: Cada dia ela vai progredindo no sentido negativo, né? Parei de andar com 30 anos, hoje eu praticamente não tenho mais movimentos nos membros superiores, as minhas dificuldades aumentaram bastante.

 

Repórter Luana Karen: É considerada doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada cem mil. Geralmente são doenças crônicas, progressivas e incapacitantes, podendo ser degenerativas e levar à morte. No caso de Maria Clara, a previsão era de que ela não passaria da adolescência, mas, apesar das dificuldades, a perda dos seus familiares e a vontade de fazer a diferença deram forças para que Maria Clara fundasse, há 20 anos, a Associação Carioca de Distrofia Muscular. Nesta quarta?feira, ela participou do Fórum de Discussão Com a Sociedade Civil e Governo Federal Sobre Síndromes Raras.

 

Entrevistada - Maria Clara Migowski Pinto Barbosa: Se não tivermos políticas públicas implementadas, se o governo não tiver esse olhar, ele é um olhar preventivo também, pode prevenir o agravamento dessas doenças.

 

Repórter Luana Karen: No fórum, foram debatidas propostas para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. E a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, anunciou a criação da Coordenação Nacional dos Raros, ligada ao ministério, para tratar do assunto.

 

Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Damares Alves: Essa coordenação vai trabalhar a partir de agora em cima das demandas que foram trazidas. Eu acredito que é o início de uma grande jornada.

 

Repórter Luana Karen: O ministro da Cidadania, Osmar Terra, participou do evento, e deu algumas sugestões para melhorar o atendimento à população que sofre com essas doenças.

 

Ministro da Cidadania - Osmar Terra: A gente pode criar um número maior de centros e ampliar a estrutura deles. Acho que as Apaes podem ser adaptadas para que eles possam ficar durante o dia também, depois de passar a adolescência. Eu acho que nós podemos estimular pesquisas.

 

Repórter Luana Karen: Presente no fórum, a primeira?dama Michelle Bolsonaro falou da importância de um olhar diferenciado para as pessoas com doenças raras.

 

Primeira?dama - Michelle Bolsonaro: O poder público pode e deve agir ainda mais por essas pessoas, no estudo e na disseminação do conhecimento sobre essas doenças e síndromes.

 

Repórter Luana Karen: Atualmente, no Brasil, cerca de 13 milhões de pessoas apresentam alguma doença rara, de acordo com estimativa do Ministério da Saúde. Reportagem: Luana Karen.

 

Gabriela: Facilitar posse de armas e aumentar fiscalização de fraudes na previdência.

 

Nasi: Essas foram duas ações que o governo já tomou nesse começo de gestão.

 

Gabriela: E hoje o governo divulgou mais uma série de propostas que são consideradas prioritárias.

 

Nasi: São 35 metas para serem cumpridas nos primeiros cem dias de governo.

 

Gabriela: E o repórter Pablo Mundim tem as informações, ao vivo, para a gente. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi, e, principalmente a você, ouvinte da Voz do Brasil.

 

Nasi: Pablo, vamos começar pela área econômica, quais são as medidas para os primeiros cem dias de governo?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Nasi, são cinco ações prioritárias apontadas pela equipe econômica, uma delas foi lançada semana passada, a medida provisória de combate às fraudes nos benefícios previdenciários. As outras são reduzir a máquina administrativa, com a extinção de 21 mil funções comissionadas e gratificações, e sessão(F) econômica internacional com medidas de facilitação de comércio, estabelecer critérios para autorização de concursos públicos e abrir os cadastros de desempregados para empresas privadas do setor de recrutamento. Também está prevista a independência do Banco Central e fixar critérios para dirigentes de bancos federais.

 

Gabriela: E nas áreas de educação e saúde, Pablo?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Em educação, está previsto o lançamento de um Programa Nacional de Definição de Soluções Para a Alfabetização, com objetivo de reduzir o analfabetismo no país. Já na saúde, a ideia é fortalecer a vigilância e aumentar a cobertura vacinal, principalmente para a poliomielite pneumocócica, tríplice viral D1 e febre amarela.

 

Nasi: E, Pablo, dentro da área de cidadania também tem medidas, né?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Nasi, dentro do Ministério da Cidadania, uma das prioridades é modernizar o Programa Bolsa Atleta, que oferece ajuda financeira para competidores. Também tem metas para o Programa Bolsa Família, como afirmou o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

 

Ministro?chefe da Casa Civil ? Onyx Lorenzoni: Aquilo que foi um compromisso do presidente Bolsonaro desde a campanha eleitoral, que é o 13º benefício do Bolsa Família. Então, vai ser feita toda a construção dentro do Ministério da Cidadania para que 14 milhões de famílias atendidas pelo Bolsa Família possam ter o 13º ao final do ano.

 

Gabriela: E, Pablo, um dos temas prioritários do governo é a segurança pública. O que está previsto para esses primeiros cem dias?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Uma das metas já foi anunciada pelo governo na semana passada, o decreto de posse de armas. Também está previsto um projeto de lei anticrime para combater o crime organizado, violento e a corrupção, e a imediata recomposição do efetivo policial envolvido na Operação Lava Jato nos estados do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

 

Nasi: Agora, Pablo, quais são as medidas aí para o meio ambiente?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Uma das metas é aprimorar o sistema de recuperação ambiental, com o aperfeiçoamento no procedimento de conversão de multas do Ibama, outra é um Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar.

 

Gabriela: E dentro dessas metas também estão previstas ações anticorrupção?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Estão, assim, Gabriela. Uma delas pretende definir regras e critérios para a ocupação de cargos de confiança no governo federal. O governo quer ainda elaborar uma agenda de promoção da ética e cidadania nas escolas, criar um comitê de combate à corrupção e capacitar servidores no sistema anticorrupção do Poder Executivo. De acordo com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, todas as metas foram dialogadas com técnicos e ministros e segue alguns critérios.

 

Ministro?chefe da Casa Civil ? Onyx Lorenzoni: Nós estamos apresentando projetos que serão prioritários para cada um dos ministérios e eles tiveram duas considerações muito importantes. Primeiro, a aplicabilidade, ou seja, a possibilidade que ele seja feito agora, e que tenha significação para toda a sociedade brasileira.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): O governo espera cumprir todas as metas até 11 de abril, quando o presidente Jair Bolsonaro fará um balanço do governo. Nasi e Gabriela.

 

Nasi: Obrigado, Pablo Mundim, pela participação, ao vivo, aqui Voz do Brasil.

 

Gabriela: Atenção, estudantes que estão tentando uma vaga na universidade pelo Sisu.

 

Nasi: Daqui a pouco a gente vai dar os detalhes do novo sistema que o Ministério da Educação está usando, que vai atualizar as notas de corte dos cursos várias vezes ao dia.

 

Gabriela: O Ministério do Desenvolvimento Regional vai repassar R$ 4,5 milhões para 18 municípios do Rio Grande do Sul atingidos pelas chuvas no início do ano.

 

Nasi: O dinheiro vai ser usado para recuperar estradas da região e garantir o escoamento da produção agrícola.

 

Gabriela: O prefeito Mário Augusto Gonçalves, de D. Pedrito, um dos municípios atingidos, explica que a recuperação das rodovias é uma prioridade para a região.

 

Prefeito de D. Pedrito - Mário Augusto Gonçalves: As estradas vicinais foram eleitas como a grande prioridade dos municípios, primeiro, porque temos o ano letivo começando logo mais, e também porque nós temos a safra, que, nos próximos meses, movimenta toda a economia do município e do estado. Nós temos uma grande dificuldade hoje de escoamento da produção, especialmente da pecuária, que já está pronta para ir para os abatedores. Mas, nossa grande preocupação é com o arroz e com a soja, que, logo mais, daqui a pouco mais de um mês, um mês e meio, não tem como sair das nossas fazendas, nem dos nossos municípios.

 

Nasi: O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, explica que o repasse faz parte da ação do governo de incentivar setores produtivos do país.

 

Ministro do Desenvolvimento Regional - Gustavo Canuto: Esse é um repasse que é uma das políticas públicas do Ministério do Desenvolvimento Regional, que é apoiar o desenvolvimento produtivo e o escoamento da produção. Como essas estradas não recuperadas, elas comprometem o escoamento, a gente pode atuar. Então, é uma política do governo federal em auxílio aos governos municipais.

 

Gabriela: Profissionais de hospitais privados de referência vão trabalhar para aperfeiçoar a administração e o atendimento nos seis hospitais federais do Rio de Janeiro.

 

Nasi: Essa é uma das medidas previstas pelo governo para melhorar os serviços nessas unidades de saúde.

 

Gabriela: As ações também devem resultar em economia de recursos.

 

Repórter Maurício de Almeida: O plano é aprimorar a qualificação dos serviços para aumentar a agilidade e a qualidade dos atendimentos. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, diz que vai ser um trabalho de longo prazo.

 

Ministro da Saúde - Luiz Henrique Mandetta: A gente tem as metas, por exemplo, de UTI, de CTI, metas de infecção hospitalar, de tempo de permanência, que são projetos que a gente leva seis meses, oito meses para instalar. Então, a gente tem aí um trabalho muito longo.

 

Repórter Maurício de Almeida: Representantes do Ministério da Saúde e da Secretaria de Modernização do Estado vão atuar em conjunto para verificar as necessidades de cada hospital. O grupo ainda contará com apoio de profissionais de hospitais de referência, que vão transferir para o SUS, o Sistema Único de Saúde, tecnologia, conhecimento e experiência em gestão, como explica a secretária de Modernização do Estado, Márcia Amorim.

 

Secretária de Modernização do Estado - Márcia Amorim: Nós estamos convidando, convocando os hospitais de referência no âmbito da gestão clínica e parte da gestão administrativa, exatamente porque eles detêm competência, porque eles são parceiros do governo e porque a gente confiança que, com o apoio deles, assim como outros entes, nós faremos um trabalho que a sociedade terá percepção concreta do antes e do depois.

 

Repórter Maurício de Almeida: Segundo o secretário-geral da Presidência em exercício, general Floriano Peixoto, com a ação integrada vai possível melhorar o atendimento e reduzir as despesas.

 

Secretário-geral da Presidência em exercício - Floriano Peixoto: As ações que serão implementadas trarão muitos benefícios relacionados à qualidade, mas que impactarão também à economia na medida de que estarão buscando racionalização de processos de compras, os fluxos que ocorrem nos hospitais. Então, a gente acredita que uma coisa está muito ligada à outra. Quando você busca a qualidade, você economiza, traz economia para o Estado.

 

Repórter Maurício de Almeida: A rede federal de saúde no Rio de Janeiro conta com mais de 1.600 leitos. Reportagem: Maurício de Almeida.

 

Nasi: As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada, Sisu, seguem até sexta-feira.

 

Gabriela: E este ano tem uma novidade, a nota de corte dos cursos está sendo atualizada várias vezes durante o dia, em vez de uma só como era antes.

 

Repórter Cleide Lopes: Uma novidade testada nessa edição do Sisu foi a divulgação da nota de corte para todos os cursos em quatro momentos do dia: 7h da manhã, meio-dia, 5h e meia da tarde e 8h da noite. No sistema anterior, a divulgação dos resultados se limitava a um único horário, meia-noite, a partir do segundo dia de inscrição. A divulgação em quatro horários se repetirá até sexta-feira, dia 25. Um dos critérios para conseguir entrar uma universidade pública é a nota da redação. A brasiliense Natália Patrício tem 20 anos e quer cursar Medicina. O primeiro passo já foi dado, a estudante tirou a pontuação máxima na redação do Enem de 2018, mil pontos.

 

Entrevistada - Natália Patrício: É se preparar bem, conhecer o estilo da prova e criar segurança na hora de escrever. Quando você chegar na prova, você vai conseguir escrever sobre qualquer coisa.

 

Repórter Cleide Lopes: De acordo com o levantamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Inep, das 4,1 milhões redações aplicadas no Enem de 2018, apenas 55 chegaram à pontuação máxima, e dessas supernotas, 42 redações foram escritas por mulheres. A professora de redação Vanessa Lage, de Juiz de Fora, em Minas Gerais, dá uma dica para os alunos conquistarem uma boa pontuação na redação.

 

Professora de redação - Vanessa Lage: A redação precisa, de certa forma, propor mudanças, sugestões de transformação social. Então, se o aluno consegue fazer isso de uma maneira coerente, consciente, bem argumentada, ele acaba chegando próximo à excelência aí, né?

 

 

Repórter Cleide Lopes: Os estudantes que fizeram o Enem em 2018 têm até a próxima sexta-feira, dia 25, para se inscrever no Sisu e concorrer uma vaga nas universidades públicas do país. A inscrição é feita no: sisu.mec.gov.br. Reportagem: Cleide Lopes.

 

Nasi: O IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,30% em janeiro.

 

Gabriela: Esse foi o menor resultado para o mês desde 1995.

 

Nasi: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e, em seguida, as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Governo Federal. Pátria amada, Brasil".