24/01/2017 - A Voz do Brasil

Governo cria força-tarefa de intervenção em presídios. Aeroporto de Curitiba é considerado o melhor do país em 2016. Estão abertas as inscrições para o Sisu.

audio/mpeg 24 01 2016 - Voz do Brasil.mp3 — 23909 KB




Transcrição


Apresentador Nazi Brum: Em Brasília, 19 horas.

 

"Está no ar a Voz do Brasil - As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

 

Nazi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gláucia: Terça-feira, 24 de janeiro de 2017.

 

Nazi: E vamos ao destaque do dia. O governo cria força tarefa para apoiar estados em situações de crise no sistema penitenciário.

 

Gláucia: A atuação dos agentes começa amanhã em Natal no Rio Grande do Norte.

 

Nazi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gláucia: Vamos conversar ao vivo com o ministro da Cultura que vai falar dos incentivos para o setor.

 

Nazi: E tem mudanças no pagamento do seguro-defeso aos pescadores. Natália Koslyk.

 

Repórter Natália Koslyk: Para receber o seguro-defeso, o pescador não vai poder ter nenhum emprego além da pesca.

 

Gláucia: Aeroportos sem filas, bom atendimento e banheiros limpos. Passageiros avaliam bem os terminais brasileiros e escolhem Curitiba como o melhor do país.

 

Nazi: Hoje na apresentação, Gláucia Gomes e Nazi Brum.

 

Gláucia: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nazi: Música, teatro, cinema e muita, muita diversidade. No Brasil, a cultura tem vários lados, várias faces diferentes.

 

Gláucia: É, e neste ano o governo quer aumentar ainda mais os incentivos para divulgar esta riqueza.

 

Nazi: E para saber como, a gente recebe aqui no estúdio da Voz do Brasil o ministro da Cultura, Roberto Freire. Boa noite, seja bem-vindo, ministro.

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Boa noite, Nazi. Boa noite, Gláucia. Satisfação estar aqui com vocês.

 

Nazi: Ministro, vamos falar primeiro aqui da lei Rouanet. Para quem está nos escutando entender, a lei Rouanet é um incentivo em que empresas ou pessoas físicas podem patrocinar projetos culturais e depois descontar em seus impostos. A gente quer saber, ministro, se essa lei tem mesmo ajudado a financiar projetos culturais importantes.

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Em muito! Apenas ela em alguns momentos foi mal utilizada, não porque ela contenha desvios, mas aqueles que a utilizaram desviaram, né? E isso gerou um certo clima de demonização até da lei Rouanet. Mas ela, por exemplo, vou dar aqui, os nossos museus, bibliotecas não existiriam se não fosse a lei Rouanet. Agora mesmo tivemos em São Paulo a tentativa de restaurar o Museu da Língua Portuguesa, que é algo único no mundo, um museu que cuida de uma língua viva, e é importantíssimo. Sofreu um incêndio e a sua restauração está sendo feita pela lei Rouanet. Mas se imagina a lei Rouanet apenas financiando espetáculos ou shows. E nesse sentido, você teve alguns desvios, tem alguns absurdos que é você usar uma renúncia fiscal para alguns desses espetáculos e nós estamos discutindo sua limitação, limitação em termos de valor, da participação, não permitindo capitalização, democratizar esse acesso, ao mesmo tempo buscar mecanismos que levem a lei Rouanet para outras regiões brasileiras que não são muito atendidas pela força do mercado e concentram investimentos no sudeste e no sul, levar para o norte, nordeste, centro-oeste. Estamos fazendo essa reformulação, e nesse mês de janeiro nós vamos ter novidades, com uma instrução normativa modificando e limitando a aplicação da lei Rouanet. No fundo, democratizando.

 

Gláucia: Ministro, nessa semana vimos que o setor cultural vai contar com 20 mil vagas em cursos profissionalizantes por meio do Mediotec do Ministério da Educação. A ideia é oferecer técnica e profissional a estudantes do ensino médio, com cursos como arte circense, dança, produção de moda, e muito mais. O que que isso significa para o setor?

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Algo muito importante, porque aí eu acrescentaria também alguns técnicos iluministas, alguns que aqui estão presentes na televisão. O audiovisual, então há uma gama imensa de formação profissional dessas áreas. Nós recebemos já essa notificação do Ministério da Educação, com essas 20 mil vagas, e já posso dizer a você que já entramos em contato com os estados, recebemos as demandas dos estados brasileiros, o Ministério da Cultura já encaminhou isso, e está solicitando ao Ministério da Educação que amplie essas vagas, porque alguns estados pediram muito além do que era possível na distribuição que fizemos. Levamos em conta critérios de população e necessidades da atividade cultural em alguns desses estados. E olhe, um programa muito importante e que nós vamos buscar no Ministério da Cultura, no Ministério da Educação inclusive um maior apoio, com ampliação das vagas para o Ministério da Cultura.

 

Nazi: Tá certo, ministro, e para a gente finalizar, a Voz do Brasil vai acompanhar uma viagem que o senhor vai fazer amanhã para visitar o Parque Nacional Serra da Capivara lá no Piauí. O senhor pode adiantar o motivo dessa viagem?

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Nós vamos discutir lá inclusive uma gestão compartilhada, porque hoje apenas o instituto Chico Mendes, uma questão ambiental, é que tem a responsabilidade direta. Nós precisamos ampliar isso, inclusive, pela dimensão que aquele parque nacional tem. Aquilo é algo de uma história muito antiga da terra brasileira, quando não tínhamos Brasil, quando não tínhamos a nossa civilização, são mais de 40 mil anos de história. O que está lá é um grande circo arqueológico, aquilo precisa de uma maior atenção não apenas na questão só questão ambiental, aquilo tem toda uma memória, tem uma história, e tem repercussão mundial. Então essa gestão compartilhada que vai também participar o Iphan, em nome do Ministério da Cultura, nós vamos ter também a presença do governo do Piauí, até porque é importante o Piauí participar em função da guarda que precisa, porque alguns desses sítios arqueológicos sofreram alguma depredação e precisamos cuidar disso. Olha, nós vamos lá exatamente para tentar dizer da dimensão que aquilo tem para todos nós brasileiros.

 

Gláucia: Então amanhã você pode conferir aqui na Voz do Brasil os resultados dessa viagem do ministro da Cultura ao Piauí. Ministro Roberto Freire, a gente agradece a sua presença aqui no estúdio. Muito obrigada.

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Eu que agradeço a vocês. Boa noite.

 

Nazi: Agentes penitenciários desembarcam amanhã no Rio Grande do Norte para que o funcionamento do presidente de Alcaçuz volte ao normal.

 

Gláucia: Os agentes fazem parte da força tarefa de intervenção penitenciária, grupo que foi criado hoje pelo governo para atuar de forma emergencial dentro dos presídios, controlando rebeliões e outros problemas.

 

Repórter Nei Pereira: Inicialmente os agentes vão atuar por 30 dias, mas a permanência pode ser renovada caso exista necessidade. Segundo o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, todos os agentes que fazem parte do grupo já atuam em seus estados.

 

Ministro da Justiça - Alexandre de Moraes: Nós vamos ceder alguns agentes penitenciários do regime federal e alguns estados que nós já conversamos, alguns estados também estão cedendo para que nós possamos montar o primeiro grupo de cem homens, sendo intervenção rápida, ou seja, aqueles que ingressam em determinados presídios, ingressam com equipamento completo, têm treinamento para isso, e esse primeiro grupo é de cem homens.

 

Repórter Nei Pereira: A força tarefa é formada por agentes penitenciários federais, estaduais e do Distrito Federal, e vai ficar responsável por atividades como guarda, vigilância e custódia dos presos. A medida é para ajudar os estados a conter rebeliões em presídios e atende pedidos dos governadores dos estados afetados. Uma rebelião no presídio de Alcaçuz no dia 14 de janeiro deixou 26 mortos. De acordo com o ministro Alexandre de Moraes, a força tarefa vai atuar para garantir que o funcionamento do presídio volte ao normal.

 

Ministro da Justiça - Alexandre de Moraes: Para que eles auxiliem a manter a normalidade, a reconquistar e manter a normalidade em Alcaçuz para que as obras necessárias sejam feitas e aí o estado retome para que esse grupo possa sair.

 

Repórter Nei Pereira: Ainda no Rio Grande do Norte, a atuação das Forças Armadas na região metropolitana de Natal já resultou na volta da circulação normal de 80% dos ônibus. Os militares estão nas principais ruas da região desde a última sexta-feira, e atuam para garantir a ordem e a segurança. Reportagem: Nei Pereira.

 

Nazi: As autorizações de pesca das embarcações vão valer por um período maior.

 

Gláucia: E o seguro-defeso também tem novas regras.

 

Nazi: O benefício é pago a pescadores artesanais profissionais durante o período em que a pesca fica proibida para garantir a reprodução dos peixes. A repórter Natália Koslyk tem os detalhes.

 

Repórter Natália Koslyk: Os pescadores devem ficar atentos às mudanças para a concessão do benefício seguro-defeso. De acordo com o decreto publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial da União, o dinheiro só vai ser concedido aos profissionais que exercerem a atividade sem interrupções e que tenham a pesca como única fonte de renda. Também será exigido que conste no cadastro do pescador o local de moradia e da pesca para garantir transparência ao processo de concessão do benefício e a preservação dos recursos naturais. Outra medida foi a ampliação de um para três anos do prazo de validade das autorizações de pesca das embarcações, o que deve diminuir a burocracia para que o pescador exerça a atividade. O pagamento do seguro-defeso é feito pelo INSS, que é o órgão responsável pelo contato direto com os beneficiários. Os pescadores podem ser convocados a qualquer tempo para a apresentação de documentos que comprovem o atendimento das exigências da lei. Natália Koslyk para a Voz do Brasil.

 

Gláucia: Os brasileiros aprovam os aeroportos do país.

 

Nazi: A secretaria de Aviação Civil da Presidência da República divulgou uma nova pesquisa de satisfação dos usuários com resultados positivos.

 

Gláucia: E o aeroporto Afonso Pena em Curitiba ficou em primeiro lugar na avaliação.

 

Repórter Natália Melo: No Santos Dumont no Rio de Janeiro, o clima é de satisfação entre os passageiros.

 

Entrevistada: Eu achei muito bom, assim, tem bastante coisa para a gente se informar.

 

Entrevistado: Nossa opinião é que é um aeroporto de primeira qualidade.

 

Repórter Natália Melo: A pesquisa sobre a satisfação geral do passageiro avaliou o desempenho dos 15 principais aeroportos do Brasil, responsáveis por 80% da movimentação aérea no país. O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, comenta os resultados.

 

Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil - Maurício Quintella: Os aeroportos do Brasil já estão entre os melhores do mundo. O Brasil realizou eventos importantíssimos, como a Marcha Mundial da Juventude, como Copa das Confederações, Copa do Mundo, as Olimpíadas. E em todas elas, os serviços aeroportuários foram considerados da melhor qualidade.

 

Repórter Natália Melo: O aeroporto internacional de Curitiba Afonso Pena liderou o ranking com 4,72 pontos. Os quesitos mais bem avaliados neste terminal foram o tempo de fila no check in, o atendimento dos funcionários, limpeza e a rapidez na restituição de bagagem, um exemplo a ser seguido segundo o ministro dos transportes.

 

Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil - Maurício Quintella: Lá foi um aeroporto que recebeu 350 milhões de reais de investimentos no ano passado, é o nono aeroporto mais pontual do mundo. Dos 37 itens pesquisados, ele ficou em primeiro lugar em 11 itens. Deu a percepção ao passageiro de que esse é o melhor aeroporto do país.

 

Repórter Natália Melo: O aeroporto de Recife ficou em segundo lugar na avaliação dos passageiros e o de Brasília ocupa a terceira colocação, seguido do terminal Santos Dumont no Rio de Janeiro. Reportagem: Natália Melo.

 

Nazi: Uma análise preliminar no gravador de voz não apontou anormalidade nos sistemas do avião que transportava o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki.

 

Gláucia: Os dados do gravador de voz da cabine foram extraídos com sucesso pelo Cenipa, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, órgão da Força Aérea Brasileira que investiga o acidente.

 

Nazi: O avião que transportava Teori Zavascki caiu no mar na última quinta-feira, matando o ministro do STF e outras quatro pessoas.

 

Gláucia: O chip de memória do gravador de voz da cabine do avião está sendo avaliado por uma equipe do Cenipa.

 

Nazi: O equipamento gravou os últimos 30 minutos de áudio do voo, segundo o chefe da Divisão de Operações, coronel Marcelo Moreno, o gravador não possui só informações em voz, mas outros sons que vão ser importantes para a investigação.

 

Chefe da Divisão de Operações - Coronel Marcelo Moreno: O material está pronto para ser analisado, a análise é muito detalhada porque nós temos que inicialmente fazer a transcrição do áudio no papel, é muito demorado, e a análise é muito detalhada, porque além das informações produzidas pela tripulação, informações de voz, nós analisamos sons diferentes, do tipo, onde a gente possa identificar, por exemplo, hipoteticamente falando, o baixamento de um trem de pouso, a aplicação de algum grau de flap, ou algum outro equipamento da aeronave. A gente faz uma análise minuciosa de forma com que a gente possa corroborar com a investigação.

 

Gláucia: 19 horas, 15 minutos no horário brasileiro de verão.

 

Nazi: Você, estudante, já está de olho no computador, ansioso por uma vaga numa universidade pública?

 

Gláucia: Daqui a pouquinho vamos falar das inscrições do SISU, que já começaram e vão até sexta-feira. Não saia daí.

 

Nazi: Em São Paulo o samba fala alto no carnaval. Além dos blocos de rua, ainda tem a força dos desfiles das escolas.

 

Gláucia: O ministro do Turismo, Marx Beltrão, esteve na cidade hoje visitando a Fábrica do Samba, um espaço que vai abrigar todas as agremiações.

 

Nazi: A parceira do Governo Federal com o estado e a prefeitura também está presente em outros projetos turísticos da cidade.

 

Repórter José Luiz Filho: O ministro Marx Beltrão Conheceu três locais que movimentam os negócios do setor de turismo na maior metrópole do país. A primeira parada foi no complexo do Anhembi, onde acompanhado pelo prefeito João Doria Jr. conheceu o sambódromo e o pavilhão de exposições. O complexo do Anhembi começa a passar por uma reestruturação. O Governo Federal já repassou 4 milhões e 500 mil reais para as obras de modernização do pavilhão, mas os investimentos devem chegar a 60 milhões segundo o ministro.

 

Ministro do Turismo - Marx Beltrão: Nós estamos dispostos por determinação do presidente Temer a continuar com esses investimentos para que o complexo do Anhembi finalize os investimentos e transforme São Paulo sempre na capital do país com relação ao turismo de negócios.

 

Repórter José Luiz Filho: O ministro visitou também a Fábrica do Samba, um conjunto de galpões e salas projetado para abrigar toda a estrutura de produção das escolas do grupo especial do carnaval de São Paulo. O Ministério do Turismo já repassou 33 milhões de um total de 40 milhões contratados para a construção da Fábrica do Samba. Segundo o prefeito João Doria Jr., a finalização só será possível com a ajuda do Governo Federal.

 

Prefeito de São Paulo - João Doria: Essa é mais uma boa parceria. Aliás, o que nós mais temos feito nessas última semanas é parceria. Parceria com o Governo Federal, com o governo estadual, somando forças com o governo municipal.

 

Repórter José Luiz Filho: Durante a visita, o ministro Marx Beltrão também falou do empenho do Ministério do Turismo na adequação do autódromo de Interlagos às normas internacionais. O empenho desses recursos foi decisivo para garantir o contrato de realização da etapa brasileira da Fórmula 1 até 2020. Reportagem: José Luiz Filho.

 

Gláucia: A situação do Rio Grande do Sul foi debatida hoje numa reunião entre os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o governador do estado, José Ivo Sartori.

 

Nazi: De acordo com Meirelles, foi feita uma avaliação da crise no estado e o plano deve ser anunciado em breve.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Estamos avançando, já vamos começar a trabalhar na quinta-feira conjuntamente, e a expectativa é de que tenhamos até o início da semana que vem uma noção clara de quando este projeto está finalizado, quando aí nós estaremos comunicando a todos.

 

Gláucia: Já o plano de recuperação do Rio de Janeiro está em fase avançada e deve ser apresentada para o presidente Michel Temer. O ministro da Fazenda voltou a dizer que planos semelhantes vão poder ser elaborados para outros estados.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: A ideia básica desse compromisso entre a União e os estados é apresentar esses projetos que permitam em última análise fechar as contas do estado em 17, 18 e 19. Isto é, levando-se em conta todos os compromissos que o estado tem no ano, todas as receitas, tomar todas as providências necessárias em termos de corte de despesas, de aumento de receitas, de suspensão de pagamento de dívida, e em último caso, de venda de ativos e antecipação dessa venda com eventuais empréstimos.

 

Nazi: De hoje até sexta-feira, milhões de estudantes estão ansiosos na frente do computador tentando uma vaga numa universidade pública.

 

Gláucia: É o SISU, que está com inscrições abertas.

 

Nazi: Uma escolha que não é tão simples, decidir a profissão que quer seguir, gera dúvidas e deve ser feita com a participação da família.

 

Repórter Gabriela Noronha: O brasiliense Pedro Teixeira está ansioso. Acabou de terminar o ensino médio e quer logo começar o curso de engenharia química.

 

Entrevistado - Pedro Teixeira: Eu decidi engenharia química com 15 anos. Eu até mudei uma época para medicina, mais por influências da minha mãe, e tal, mas aí, tipo, que ela sempre falava: "Eu quero ter um filho médico". Mas é uma coisa mais de vocação. Eu acho que a gente é muito novo para escolher o que a gente vai fazer para o resto da vida com 17 anos, alguns até mais cedo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Ele já tem uma vaga garantida na Universidade de Brasília para o segundo semestre por ter participado de um programa de seleção da instituição. Por isso, conta que no sistema de seleção unificada, a primeira opção foi a Universidade Federal de Santa Catarina.

 

Entrevistado - Pedro Teixeira: Se eu passar para lá, vai ser uma coisa que eu vou ter que julgar bastante, porque apesar de eu gostar muito de lá, aqui tem o conforto de casa, de morar com os pais, é muito mais fácil. Mas também acho que ia ser muito legal a experiência de morar fora, assim. Acho que cria uma independência, o que é legal.

 

Repórter Gabriela Noronha: As inscrições do SISU são feitas exclusivamente pela internet. Cada candidato pode selecionar até duas opções de curso no sistema, que podem ser trocadas até sexta-feira quando se encerram as inscrições. O que vale é a última opção selecionada no site. As notas de corte para cada curso são atualizadas diariamente. Este ano, o SISU oferece mais de 238 mil vagas em 131 instituições de ensino superior. O psicólogo clínico e orientador vocacional, Pedro Paulo Vieira, dá algumas dicas para os estudantes que estão em dúvida sobre o curso que vão escolher.

 

Orientador Vocacional - Pedro Paulo Vieira: Primeiro é realmente ele ter certeza da escolha que ele está fazendo, baseado nas suas aptidões profissionais. O segundo, ele tem que ter pelo menos duas ou três opções de áreas correlatas, porque dependendo, o sistema é muito dinâmico, então ele vai mudando. Às vezes ele se inscreve, a nota de corte é, vamos dizer, 750, mas com o passar dos dias a nota de corte aumenta para 850. Terceiro, a família tem que estar envolvida nessa decisão, em função das opções que de repente pode ter fora da região dele de faculdades, de universidades.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para mais informações, acesse na internet a página do SISU, sisu.mec.gov.br. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Gláucia: O Ministério da Educação informou que até uma da tarde de hoje o SISU já havia recebido mais de 770 mil inscritos e quase um milhão e meio de inscrições. Vale lembrar que cada candidato pode escolher até duas opções de curso.

 

Nazi: Ainda segundo o ministério, dificuldades de acessos que foram relatadas por alguns candidatos estão sendo sanadas. O sistema está sendo monitorado para identificar qualquer outra inconsistência e resolvê-la com a máxima urgência, assegurando que não haverá prejuízo a nenhum candidato.

 

Gláucia: Quem tiver qualquer dúvida pode ligar de graça para o 0800 616161. Vou repetir: 0800 616161.

 

Nazi: 19 horas, 22 minutos no horário brasileiro de verão.

 

Gláucia: Quatro Casas da Mulher Brasileira devem ser inauguradas ainda neste primeiro semestre no Ceará, em São Paulo, em Roraima e no Maranhão.

 

Nazi: O local é um espaço de atendimento à mulher vítima de violência. No mesmo lugar, a mulher tem acesso a psicólogos, delegacia e juizado.

 

Gláucia: Hoje a Secretaria Especial de Políticas para Mulheres autorizou o repasse de três milhões e 800 mil reais para a primeira dessas quatro casas: A de São Luís no Maranhão.

 

Nazi: A expectativa é de que o local deve abrir as portas em três meses, como explica a secretária Especial de Políticas para Mulheres do Ministério da Justiça, Fátima Pelaes.

 

Secretária Especial de Políticas para Mulheres - Fátima Pelaes: Nós estamos já com a finalização da construção da Casa da Mulher Brasileira no Maranhão e já repassamos hoje três milhões e 800 que é para que quando nós tivermos a inauguração da casa, imediatamente já se iniciem os trabalhos, os serviços. O presidente Michel Temer que foi realmente quem colocou a primeira política pública voltada para a mulher, que foi a Delegacia da Mulher em São Paulo, quando foi secretário de Segurança, tem dado toda a orientação nesse sentido de que possamos avançar para colocarmos Casas da Mulher Brasileira em todos os estados do Brasil.

 

Gláucia: Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Curitiba já possuem a Casa da Mulher Brasileira.

 

Nazi: É bom lembrar também que denúncias de violência podem ser feitas pelo telefone 180. O serviço funciona 24 horas e a ligação é de graça.

 

Gláucia: Frutas e hortaliças estão chegando à mesa do brasileiro com preços mais baixos.

 

Nazi: Levantamento das centrais de abastecimento mostram que entre dezembro e janeiro, várias hortaliças tiveram queda de preço, como a couve-flor, quiabo e berinjela. O espinafre, por exemplo, teve queda de preço de 42%.

 

Gláucia: Nas frutas, ficaram mais baratos o mamão, a goiaba e o melão. Uva, caqui, tangerina e pêssego ficaram mais de 20% mais baratos. E o preço da nectarina caiu 63%.

 

Nazi: Este levantamento é feito pelas principais Ceasas do país, coordenado pela Companhia Nacional de Abastecimento, a Conabe.

 

Gláucia: O imposto de importação de três vacinas foi zerado pela Câmara do Comércio Exterior, a Camex.

 

Nazi: A partir de 22 de fevereiro, as vacinas contra o HPV, além da tríplice, que combate a difteria, tétano e coqueluche, vão ser importadas sem imposto. Já para a vacina contra a hepatite A, a medida começa a valer em dez de maio.

 

Gláucia: O fim do imposto tem validade por seis meses e quase 8 milhões de doses dessas vacinas poderão ser compradas sem taxas, ou seja, com preço mais barato.

 

Nazi: Essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gláucia: Uma realização da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

 

Nazi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.