24 DE SETEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: A empresários americanos, presidente Michel Temer destaca recuperação econômica e oportunidades de novos negócios no Brasil. Mais proteção a vítimas de violência sexual. Divulgação de fotos e vídeos sem o consentimento da vítima agora é crime. Publicadas novas regras para pedir, conceder, manter e fazer a revisão do BPC, o Benefício de Prestação Continuada.

audio/mpeg 24-09-18-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46901 KB




Transcrição

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Alessandra: Segunda-feira, 24 de setembro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. A empresários americanos, presidente Michel Temer destaca a recuperação econômica e oportunidades de novos negócios no Brasil.

 

Presidente Michel Temer: Portanto a economia brasileira retomou o caminho do crescimento. Os empregos estão voltando. Nós estamos promovendo ainda uma agenda para a produtividade. Nós queremos, na verdade, um Brasil onde seja mais fácil fazer negócios, investir, gerar empregos e, naturalmente, renda.

 

Alessandra: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Luciano: Mais proteção a vítimas de violência sexual.

 

Alessandra: Divulgação de fotos e vídeos sem o consentimento da vítima agora é crime.

 

Luciano: E mais. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: Foi sancionado ainda texto que assegura atendimento de educação ao aluno da educação básica que estiver internado para tratamento de saúde, por tempo prolongado.

 

Alessandra: Publicadas novas regras para pedir, conceder, manter e fazer a revisão do BPC, do Benefício de Prestação Continuada. Pâmela Santos.

 

Repórter Pâmela Santos: Idosos e pessoas com deficiência que recebem o BPC agora serão informados por meio da rede bancária sobre qualquer irregularidade no benefício

 

Luciano: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Alessandra Bastos e Luciano Seixas.

 

Alessandra: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Luciano: O presidente Michel Temer já está em Nova Iorque para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas, que começa amanhã.

 

Alessandra: E hoje, Temer se reuniu com empresários da Câmara Americana de Comércio, interessados em conhecer as possibilidades de investimentos no país.

 

Luciano: Temer disse aos empreendedores que a mudança de governo não deve alterar os fundamentos da economia.

 

Repórter Paola de Orte: O presidente Michel Temer destacou a importância do encontro com os empreendedores americanos interessados em ouvir sobre o Brasil e falou sobre as oportunidades de investimento no país.

 

Presidente Michel Temer: O Brasil é um país de dimensões continentais, com um mercado de 208 milhões de pessoas. Nós abrigamos, na verdade, a maior biodiversidade do planeta e também as mais abundantes reservas de água doce. Nossa agricultura é avançadíssima e competitiva, é fator, aliás, de segurança alimentar para o mundo. Nosso parque industrial é moderno e diversificado. Temos hoje a maior infraestrutura de ciência e tecnologia da América Latina. Nós vivemos em paz com nossos dez vizinhos há praticamente 150 anos. Devo dizer que nossas instituições são fortíssimas e temos um grande ativo, que é o povo brasileiro e sua grande capacidade de trabalho.

 

Repórter Paola de Orte: Em discurso aos empresários americanos, o presidente Michel Temer falou sobre o período de eleições no Brasil. Segundo ele, mesmo em um momento de transição política, existem no país três consensos fundamentais: a democracia, a necessidade de políticas sociais e a estabilidade macroeconômica.

 

Presidente Michel Temer: A economia brasileira retomou o caminho do crescimento. Os empregos estão voltando. A primeira coisa que aconteceu foi paralisar o desemprego. E neste ano, só em carteiras registradas, nós atingimos já a marca de quase 600 mil carteiras assinadas, além de termos aberto mais ou menos 1,6 milhão de novos postos de trabalho, que ou são empregos informais ou são pequenas atividades. Mas é verdade que, em paralelo a essa agenda macroeconômica, nós estamos promovendo ainda uma agenda para a produtividade. Nós queremos, na verdade, um Brasil onde seja mais fácil fazer negócios, investir, gerar empregos e, naturalmente, renda.

 

Repórter Paola de Orte: No discurso, o presidente Michel Temer também falou sobre a agenda de reformas e a importância de mudanças no sistema de previdência do país, tema abordado ainda pelo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

 

Ministro da Fazenda - Eduardo Guardia: A reforma fundamental é a reforma da previdência. Depois, temos que enfrentar a questão tributária, para simplificar o sistema tributário brasileiro, que é bastante complexo, temos questões de produtividade da economia, como o Cadastro Positivo, Duplicata Eletrônica, Lei de Recuperação Judicial, relacionamento Banco Central-Tesouro. Então, nós temos uma agenda definida, está no Congresso. O que nós fizemos foi implementar isso tudo que está lá e isso, seguramente, vai fazer com que o Brasil possa crescer mais rapidamente.

 

Repórter Paola de Orte: O ministro Eduardo Guardia também criticou a elevação de tarifas de importação aplicada por alguns países. Os Estados Unidos, por exemplo, têm elevado as taxas sobre produtos chineses, para proteger os setores produtivos nacionais. Segundo o ministro, o Governo Brasileiro defende o livre comércio e a integração cada vez maior no comércio internacional. De Nova Iorque, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

"Brasil na Assembleia Geral da ONU".

 

Alessandra: E agora, nós vamos conversar, ao vivo, com a nossa correspondente nos Estados Unidos, Paola de Orte, que tem outras informações sobre a agenda do presidente Michel Temer amanhã, em Nova Iorque. Boa noite, Paola.

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Olá, boa noite, Luciano. Boa noite, Alessandra. Amanhã, o presidente Michel Temer tem o principal compromisso de sua agenda aqui em Nova Iorque, é o discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas. Todos os anos, tradicionalmente, é o Brasil quem faz esse discurso, desde a criação da ONU. Vamos conhecer agora uma reportagem de Paulo La Salvia, um pouco mais da história da Organização criada logo depois da Segunda Guerra Mundial, quando líderes mundiais decidiram estabelecer uma forma de tentar solucionar conflitos pacificamente.

 

Repórter Paulo La Salvia: O ano era 1945, o mundo ainda em choque com o horror da Segunda Guerra Mundial. Foi neste momento que os líderes decidiram criar as Nações Unidas. Paz, desenvolvimento econômico e social, respeito aos Direitos Humanos. O DNA da ONU foi o multilateralismo, a participação de todos nas decisões, nos rumos da humanidade, segundo o professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Juliano Cortinhas.

 

Professor de Relações Internacionais - Juliano Cortinhas: Isso faz com que a ONU então seja construída, como uma forma de dar aos países a oportunidade de sentar à mesa e dialogar, seria baseada na ideia de impedir que houvesse diplomacia secreta, enfim, que os países lidassem uns com os outros de forma mais direta.

 

Repórter Paulo La Salvia: Enquanto a sede da ONU era construída em Nova Iorque, nos Estados Unidos, entre o fim da década de 40 e o começo dos anos 50, as assembleias gerais já ocorriam com a liderança de um brasileiro, o diplomata Oswaldo Aranha. Em 1947, quando presidiu a Assembleia Geral em duas ocasiões, Oswaldo Aranha destacou a tradição histórica de imparcialidade e apoio do Brasil às Nações Unidas.

 

Diplomata - Oswaldo Aranha: Minhas decisões, mesmo que elas sejam pessoais, vão estar inspiradas na minha projeção delas em direção a vocês e na aderência do Brasil à sua tradição histórica de imparcialidade e de cultura jurídica. E, por último, mas não menos importante, no apoio favorecido do meu país às Nações Unidas.

 

Repórter Paulo La Salvia: Em mais de sete décadas, a ONU respondeu aos clamores que levaram à sua criação: apoio em eleições, vacinação de crianças, distribuição de alimentos, combate à fome, além de ações humanitárias, manutenção da paz e iniciativas contra as mudanças climáticas. Segundo o professor de Relações Internacionais da Universidade Católica de Brasília, Creomar de Souza, as Nações Unidas também tiveram, neste período, uma gradativa mudança de perfil ao incorporar cada vez mais novas necessidades da sociedade.

 

Professor de Relações Internacionais - Creomar de Souza: A ONU foi assumindo tarefas que envolviam a discussão sobre os direitos das crianças, a educação, a saúde pública, os alimentos, o trabalho, o meio ambiente. Isso foi dando uma visão totalmente nova sobre a ideia de segurança e paz, muito mais vinculada a uma percepção de bem-estar dos indivíduos do que a um olhar do século XIX, por assim dizer, onde o que importa é a paz entre os chefes de Estado.

 

Repórter Paulo La Salvia: Atualmente, a ONU conta com 193 países membros e é financiada a partir de contribuições dessas nações. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Antes do discurso de abertura, o presidente Michel Temer se reúne com o secretário-geral da ONU, António Guterres, e depois com o presidente da Colômbia, Iván Duque. Antes de retornar ao Brasil, ele participa de uma reunião com os chefes de Estado do Mercosul. E amanhã, você pode assistir ao vivo a participação do presidente Michel Temer na Assembleia Geral da ONU, pela TV NBR. Para saber como sintonizar, basta acessar www.nbr.gov.br . A programação começa às 10h da manhã. Ao vivo, de Nova Iorque, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Luciano: E um dos temas que o Brasil vai levar para as discussões das Nações Unidas é a produção de energia limpa.

 

Alessandra: É o caso da energia produzida a partir do calor do Sol ou pela força dos ventos, por exemplo.

 

Luciano: No Brasil, essas fontes têm participação expressiva na matriz energética, elas representam aproximadamente 88% da produção total do país.

 

Alessandra: E a partir de hoje, você vai ouvir aqui, na Voz do Brasil, uma série especial de reportagens sobre energia limpa.

 

Luciano: Nós vamos começar pela principal, a hidrelétrica, gerada pelas águas. Nós fomos até a Usina de Itaipu, localizada na fronteira do Brasil e Paraguai.

 

Alessandra: Inaugurada em 1984, ela é uma das principais fontes de geração de energia para os dois países e tem capacidade de gerar ainda mais energia.

 

Repórter Nei Pereira: É preciso entrar nas profundezas da barragem de Itaipu, na fronteira entre Brasil e Paraguai, para ter noção da força da água. Esse barulho é produzido pelo eixo de uma das turbinas da usina, já no processo final de produção de energia elétrica. O conjunto de estruturas, tubulações e turbinas é chamado de unidade geradora. Só em Itaipu, são 20 delas. Em 2016, a usina bateu o recorde mundial de geração de energia, foram mais de 100 milhões de megawatt/hora, eletricidade que daria para atender o Brasil por aproximadamente dois meses e meio ou o Paraguai por mais de sete anos. O diretor técnico da Usina, Mauro José Corbellini, destaca a importância de Itaipu para os dois países.

 

Diretor técnico da Usina de Itaipu - Mauro José Corbellini: Nós chegamos a produzir basicamente quase 20% da energia brasileira e mais de 90% da energia paraguaia.

 

Repórter Nei Pereira: O Brasil é o terceiro país do mundo que mais produz energia limpa. As hidrelétricas respondem por mais de 60% dessa produção. E Itaipu ainda pode aumentar a capacidade de produção, como detalha o diretor técnico Mauro José Corbellini.

 

Diretor técnico da Usina de Itaipu - Mauro José Corbellini: A ideia nossa é aumentar a potência, estudando, botando mais unidades. Nós sempre conseguimos tirar um pouco mais de energia, é tudo uma questão de estudo hidrológico.

 

Repórter Nei Pereira: E para continuar a ter água no reservatório, Itaipu investe na recuperação de nascentes que abastecem o lago. A empresa conta com um viveiro, onde cultiva mudas de plantas nativas, que são distribuídas na região, como conta a engenheira florestal da Usina, Veridiana Costa Pereira.

 

Engenheira Florestal - Veridiana Costa Pereira: Desde a criação da hidrelétrica, a Itaipu já reservou uma área que seria a faixa de proteção do reservatório. Esta área, desde 1979, foi sendo reflorestada, recomposta. E aí, atualmente, a Itaipu fornece mudas para os proprietários rurais da Bacia do Paraná III e mais recentemente agora da MOP, que são os Municípios do Oeste do Paraná, para recuperar as suas matas ciliares.

 

Repórter Nei Pereira: Esse canto é da harpia, a maior águia das Américas. Elas se reproduzem em cativeiro no Refúgio Biológico da Usina. Desde 2009, 32 filhotes nasceram lá. No local, onças pretas pintadas também já se reproduziram. O trabalho de Itaipu é preservar espécies ameaçadas, como explica o biólogo Marcos Oliveira.

 

Biólogo - Marcos Oliveira: É uma espécie que está ameaçada de extinção, praticamente em toda a área remanescente de Mata Atlântica, não é? Existem populações ainda razoáveis na região amazônica e, em função de nós estarmos alocados na Mata Atlântica, então a gente trabalha com essas espécies que estão ameaçadas na Mata Atlântica.

 

Repórter Nei Pereira: E na próxima reportagem sobre energia limpa, a gente vai continuar a falar de Itaipu. Vamos conhecer o Parque Tecnológico da empresa, onde são desenvolvidos carros elétricos e uma unidade de produção de biometano, onde restos de comida são transformados em gás natural, que abastece carros. De Foz do Iguaçu, no Paraná, Nei Pereira.

 

Luciano: Mais proteção a vítimas de violência sexual.

 

Alessandra: E para crianças e adolescentes em tratamento de saúde.

 

Luciano: Três leis sobre esses temas foram sancionadas hoje.

 

Alessandra: Os detalhes, daqui a pouco.

 

"Trânsito - Atenção, motorista".

 

Luciano: Dez minutos, pouco tempo para esperar, mas o suficiente para aprender muito.

 

Alessandra: Motoristas que estavam em uma rodovia em Brasília passaram por uma blitz, que, além de fiscalizar, também tinha um vídeo curto e uma palestra sobre segurança no trânsito.

 

Luciano: A repórter Luana Karen foi lá conferir de perto essa ação e conta para a gente.

 

Repórter Luana Karen: Do alto dos 72 anos de idade, o aposentado Cícero da Costa tem uma explicação para as mais de 37 mil mortes registradas no trânsito em 2016, nas rodovias federais do país.

 

Aposentado - Cícero da Costa: É cachaça, é droga, ultrapassagem malfeita, não respeita o trânsito, sai 'esbagaçando' todo mundo, não respeita ninguém.

 

Repórter Luana Karen: O Cícero foi parado numa blitz educativa da Polícia Rodoviária Federal, na BR-040, no Distrito Federal. A ação fez parte da Semana Nacional do Trânsito. O empresário José Riomar não gostou de ser parado, mas logo entendeu a importância da iniciativa.

 

Empresário - José Riomar: A princípio, eu fiquei... Não muito entusiasmado, porque me abordou e me chamou para o ônibus. Mas depois eu fiquei muito satisfeito com o que foi demonstrado.

 

Repórter Luana Karen: O chefe de Delegacia da Polícia Rodoviária Federal, José Ferreira, explica que os motoristas recebem melhor a blitz quando entendem que é um trabalho educativo.

 

Chefe de Delegacia da PRF - José Ferreira: Todo mundo quer ver a polícia trabalhando, mas na verdade ninguém gosta de ser parado. Mas aí depois, durante o transcorrer do bate-papo, e a gente mostrando o vídeo, a preocupação nossa com o bem-estar, com a saúde, ali com a viagem daquela família, daquelas pessoas ali, eles ficam, assim, realmente bem empolgados, é bem interessante.

 

Repórter Luana Karen: Um dos motoristas parados na blitz foi o ministro das Cidades, Alexandre Baldy. Ele apresentou os documentos e também assistiu ao vídeo e à palestra. Tudo em dia, o ministro destacou a importância da iniciativa.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Essas 37 mil mortes é um número extremamente alarmante. Por isso que é importante esse trabalho da Polícia Rodoviária Federal, para que a gente possa conscientizar, possa orientar, possa fiscalizar as condições dos veículos, porque eles são 12% do total desses acidentes.

 

Repórter Luana Karen: Segundo a Polícia Rodoviária Federal, 93% dos acidentes de trânsito são de responsabilidade dos motoristas, de forma direta ou indireta, quando deixam de fazer a manutenção do carro, por exemplo. Reportagem, Luana Karen.

 

Alessandra: Publicadas hoje as novas regras para pedir, conceder, manter e fazer a revisão do BPC, o Benefício de Prestação Continuada.

 

Luciano: A ideia é tornar todo o processo mais rápido.

 

Repórter Pâmela Santos: Idosos e pessoas com deficiência que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, agora serão informados por meio da rede bancária, preferencialmente, sobre qualquer irregularidade no benefício. Na regra anterior, caso houvesse uma irregularidade, era necessário enviar uma carta com o aviso de recebimento ao beneficiário. Terão o benefício bloqueado temporariamente os beneficiários que não responderem ou quando não for possível comprovar que foram notificados. Para solicitar o desbloqueio é preciso, em um prazo de 30 dias corridos, procurar os canais do INSS: o telefone 135, o site meu.inss.gov.br ou as agências. Após esse processo, a pessoa terá dez dias para agendar a entrega da defesa. Se os prazos forem cumpridos, o benefício será mantido durante o processo. De acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, a portaria adequa o processo operacional do BPC às regras de requerimento, concessão, manutenção e revisão do benefício.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Ela estabelece critérios gerais de uma forma mais ágil, mais transparente e mais eficiente, especialmente naquelas situações em que há alguma suspeita de irregularidade na manutenção e no recebimento irregular do benefício.

 

Repórter Pâmela Santos: Para os casos em que o prazo do bloqueio tenha se encerrado sem que o beneficiário tenha procurado o INSS, o benefício será suspenso e o valor não será mais enviado à rede bancária. Para voltar a receber o BPC, o beneficiário deverá apresentar um recurso em um prazo de 30 dias. O recurso será julgado pelo Conselho de Recursos do Seguro Social e, se aprovado, o BPC volta a ser pago retroativamente à data da suspensão. Se o beneficiário não apresentar recurso ou o pedido não for aceito, o benefício será suspenso e não poderá ser reativado. Se mesmo assim a pessoa ainda quiser receber o BPC, deverá fazer um novo requerimento. Reportagem, Pâmela Santos.

 

Alessandra: Mais direitos para vítimas de violência sexual e também para crianças e adolescentes.

 

Luciano: Três leis aprovadas pelo Congresso foram sancionadas hoje pelo presidente em exercício Dias Toffoli, que assumiu a Presidência com a viagem de Michel Temer aos Estados Unidos.

 

Repórter João Pedro Neto: Agora passa a ser crime a divulgação de fotos ou vídeos que tenham cenas de sexo ou nudez sem o consentimento da vítima, além da divulgação de cenas de estupro. A pena de um a cinco anos de prisão será aumentada se a pessoa que divulgar o conteúdo tiver tido relação íntima de afeto com a vítima ou finalidade de vingança ou humilhação. A nova lei também aumenta as penas para o crime de estupro coletivo e também torna crime a chamada importunação sexual, quando alguém pratica ato libidinoso contra outra pessoa, sem o consentimento. O presidente da República em exercício, Dias Toffoli, disse que a Lei busca tornar mais forte a proteção das mulheres.

 

Presidente em Exercício - Dias Toffoli: Esses são inegáveis avanços e necessários avanços legislativos na proteção da mulher. Corrige lacunas, hoje, na tipificação criminal, extremamente importantes para o aprimoramento da nossa legislação.

 

Repórter João Pedro Neto: Outra lei sancionada define novas possibilidades de perda do poder familiar, que é o conjunto de direitos e deveres que os pais têm em relação aos filhos menores de idade. Agora, de acordo com o texto, poderá perder o poder familiar a pessoa que comete crimes como homicídio, feminicídio e lesão corporal grave ou seguida de morte, contra a companheira ou o companheiro, além dos filhos. Foi sancionado ainda texto que assegura atendimento de educação ao aluno da educação básica que estiver internado para tratamento de saúde, em regime hospitalar ou domiciliar, por tempo prolongado. Atendimento que fez falta para o Vadlen Cauã, de 12 anos. Morador de Nossa Senhora do Socorro, em Sergipe, ele foi diagnosticado com leucemia aos quatro anos de idade. O tratamento, que incluiu quimioterapia, foi longo, e durante quase dois anos ele não tinha condições de ir para a escola. Alternava períodos no hospital e em que ficava em casa sem conseguir andar. A mãe, Ramonicleia Dantas, conta que o tempo que ficou afastado das aulas fez muita falta para o desenvolvimento do filho.

 

Entrevistada - Ramonicleia Dantas: Ele ficou com dificuldade, ele demorou mais para acompanhar os coleguinhas da idade dele. Do ano passado para cá foi que ele veio começar a ler um pouquinho. Prejudicou muito isso, não é?

 

Repórter João Pedro Neto: Também foi editado nessa segunda-feira decreto que detalha regras para que seja cumprida a reserva de ao menos 5% das vagas em concursos públicos federais para pessoas com deficiência. O ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, lembrou que a medida se soma a outros avanços que têm sido conquistados na inclusão das pessoas com deficiência.

 

Ministro dos Direitos Humanos - Gustavo Rocha: Nos últimos seis meses, vários decretos foram assinados, regulamentando a Lei Brasileira de Inclusão, no tocante a hotéis, pousadas, micro e pequenas empresas, construção de edifícios, residências multifamiliares, acesso a pessoas com deficiência a arenas, estádios, cinemas, teatros, o tratamento adequado ao transporte de equipamentos de mobilidade, sem a necessidade de cobrança.

 

Repórter João Pedro Neto: O decreto também assegura às pessoas com deficiência acesso a tecnologias assistivas na realização das provas. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Alessandra: E pela tarde, o presidente em exercício, Dias Toffoli, participou de outro evento em que sancionou uma lei que garante mais tempo de licença paternidade aos militares.

 

Repórter Graziela Mendonça: A lei, sancionada nesta segunda-feira, aumenta a licença-paternidade dos militares das Forças Armadas, de 5 para 20 dias, e vale também para os casos de adoção. A medida ajusta a situação dos militares aos servidores civis do Executivo, que já têm direito à licença de 20 dias. O presidente em exercício, ministro Dias Toffoli, falou sobre a importância desse direito para as famílias.

 

Presidente em exercício - Dias Toffoli: Essa extensão para o militar, que por vezes tem que passar longas temporadas afastados de sua família, é um reconhecimento do quanto é crucial a presença do pai nas primeiras semanas da vida da criança. É crucial, porque estimula, nessa fase particularmente importante, o estreitamento dos laços afetivos entre pai e filho.

 

Repórter Graziela Mendonça: O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, lembrou que a carreira militar exige muitas mudanças e que a nova lei vai garantir que os pais estejam presentes nas primeiras semanas de vida da criança.

 

Ministro da Defesa - Joaquim Silva e Luna: As constante e inesperadas mudanças de residência, de Norte a Sul do país, os horários imprevisíveis e ininterruptos de trabalho, as longas ausências e os riscos inerentes à profissão militar são compartilhados por todos os seus familiares. Por isso, uma das formas de reconhecer a dedicação e o comprometimento dos militares com a pátria é garantindo seu direito de poder estar presente no seio da família em momentos singulares, únicos e inesquecíveis, como o do nascimento ou adoção de um filho.

 

Repórter Graziela Mendonça: A lei será publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Alessandra: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".